Randolfe e o mensalão do PSOL: um esquerdista mais falso que nota de três reais

14
217

images

Fonte: Brasil247 (notícia de Março de 2013)

A carreira do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) como “mosqueteiro da ética”, num lugar que já foi do ex-senador Demóstenes Torres, pode estar chegando ao fim. Neste papel, que constuma gerar alguns segundos de fama, Randolfe alimentava até a esperança de disputar a presidência da República, em 2014. Mas antes ele terá de explicar um mensalão, muito bem documentado.

Antes de ser senador, eleito em 2010 pelo Amapá, Randolfe foi deputado estadual em Macapá, ajudando a dar sustentação ao governo de João Capiberibe (PSB-AP), que também se elegeu para o Senado na última eleição. Ambos foram recentemente denunciados à Comissão de Ética do Senado Federal pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá, Fran Soares Nascimento Junior, numa peça gravíssima. Fran acusa Capiberibe de ter pago, durante seis meses, um mensalão de R$ 20 mil/mês a vários parlamentares, para garantir a sustentação de seu governo. Diz que ele próprio recebeu os recursos e afirma que Randolfe Rodrigues também colocou no bolso o dinheiro ilegal. Mais: Fran diz ainda que Randolfe chegou até a assinar recibos, que ele apresenta na denúncia.

Tais recursos faziam muita diferença para os parlamentares estaduais, uma vez que o salário de um deputado no Amapá, naquele momento, era de R$ 5.274,87. Randolfe elevou em R$ 20 mil seus rendimentos, de forma ilegal, nos meses de julho a dezembro de 1999. Na denúncia, Fran apresenta também gravações, em que o ex-governador Capiberibe fala claramente que “vinte mil fica com o deputado”. Graças a este mensalão, Capiberibe conseguiu cooptar a Assembleia, que lhe fazia oposição e aprovou suas contas. Naquele ano, o relator que garantiu essa aprovação foi justamente Randolfe Rodrigues.

A denúncia, enviada pelo deputado Fran ao conselho de ética do Senado Federal, foi apenas encaminhada pela casa ao lugar de direito, que é a Procuradoria-Geral da República, de Roberto Gurgel. No entanto, ao noticiar, nesta manhã, o caso, a Folha de S. Paulo protege Randolfe e acusa o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), de enviar à PGR uma denúncia contra seus desafetos (leia mais aqui).

Quem tem que se explicar, agora, são os senadores Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e João Capiberibe (PSB-AP). Ambos são apontados na denúncia do deputado Fran Nascimento como integrantes de uma quadrilha que sonegou impostos, cometeu os crimes de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato, quebra de decoro parlamentar e, claro, formação de quadrilha.

Ao contrário da denúncia encaminhada por Gurgel na Ação Penal 470, o mensalão do Amapá é extremamente bem documentado. No comprovante de pagamento, Randolfe Rodrigues atesta que recebeu da Assembléia o valor complementar ao seu salário, que não tinha nenhuma previsão legal. Ou seja: é um caso de cooptação de parlamentares, com recibo.

Meus comentários

Esse é o tal que fingiu ter levado um soco de Bolsonaro, conforme notícia publicada ontem. Fingido e histérico, é claro que esse é o politico puro-sangue da esquerda.

Ultimamente, o PT anda brigado com o PSOL, sabe-se lá por que. O resultado é que os sites governistas resolveram divulgar a denúncia contra Randolfe, que é bem documentada. O procurador-geral Roberto Gurgel mandou arquivar o caso, mesmo sem a realização de perícia. Coisa fina, coisa muito fina…

Mas o mais divertido de tudo é notar mais que uma denuncia de um mensalão do PSOL. Temos, na verdade, a denúncia de (mais um) mensalão do PT, pois todos os recebimentos de Randolfe ocorreram nos meses de julho a dezembro de 1999, quando ele ainda era do PT. Ele só foi para o PSOL em 2005.

Pois é. Esta é a esquerda atual do Brasil. Randolfe encena ter levado um soco de Bolsonaro, enquanto o Brasil247 encena que denuncia um ato de corrupção de um partido com o qual estão brigados, quando na verdade a denúncia recai sobre um senador do PT…

Anúncios

14 COMMENTS

  1. Luciano, falando em Randolfe X Bolsonaro, eis que temos estas duas:

    1) Uma sakamotice básica dizendo estar triste de haver brasileiros que compartilham da visão do Jair em questão. Vem ele querer falar que o deputado e outros militares estariam querendo que a verdade sobre a ditadura não surja, quando o que sabemos é que eles lembram que a anistia é para os dois lados e que se for para investigar crimes, que também se investigue os do outro lado.
    O blogueiro também vem imputar o clássico pacote conservadorismo-machismo-racismo-homofobia sobre o cara, como se ser conservador fosse algo tão ruim assim e como se o termo “machismo” na realidade não fosse uma invenção do feminismo para demonizar os homens, isso sem falar do uso que eles fazem dos outros qualificativos.

    E, como de costume, Sakamoto solta o seguinte parágrafo antecipando saber que será contestado com propriedade pelos comentaristas:

    Em tempo: aos leitores que se enquadram como cães de guarda do ranço da ditadura e que vão vir com pérolas como “se punir torturadores, tem que punir os terroristas”, recados: a) cresçam; b) livros de história são baratos; c) podem se esgoelar à vontade, não dou a mínima.

    Todos aqui sabemos que o autor em questão se acha acima dos outros seres humanos como pudemos notar por outras postagens em que ele desdenha dos comentaristas. E obviamente que o texto já foi desmontado totalmente pelos comentaristas que se espalham por 11 páginas. Se bem que já disse Sakamoto que não vai mesmo dar a mínima, então só fica mesmo servindo para dar audiência ao referido blog;

    2) Já Bob Fernandes fala de um medo que o Congresso teria do outrora militar. Observe que ele não consegue resistir a pôr Feliciano na jogada e chamar ambos de “fascistas” (sendo que o Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo fez aquele teste em que Bolsonaro marcou 14 na concordância com frases de Mussolini, mas gente dos partidos marxistas-humanistas-neoateístas marcaram mais pontos ainda), bem como quer acusá-lo de semeador de ódio.
    Bob vem falar de uma matéria da Veja de 1987 em que Bolsonaro teria sido acusado de planejar atentado a bomba com direito a publicação de croqui do lugar que levaria bomba. Olhei no acervo histórico da revista e nas edições de outubro em que dele se fala (997 e 999) não vi o tal croqui de que falaram, ainda que se fale que havia sim um plano de explodir TNT, mas de uma forma que não gerasse vítimas, caso o reajuste dos militares fosse inferior a 60%. Quem olhar o acervo e procurar a edição 939 verá na página 154 um artigo de Bolsonaro falando sobre o salário dos militares, bem como se fala na edição seguinte de sua prisão. Não cheguei a achar o tal croqui de que Bob fala. Segue o vídeo da questão:

    • Em relação à coluna do Sakamoto, a página do Facebook intitulada Bolsonaro Zuero deixou a seguinte postagem que praticamente joga a batata quente para o outro lado, sempre lembrando que não é crime alguém não ser marxista-humanista-neoateísta e combater tal tipo de pensamento, sendo o normal da democracia o contraponto de pensamentos, que inclusive serve para evitar extremismos.

  2. Oi Luciano.

    Como já disse o Prof. Olavo de Carvalho, a classe média idiota do Brasil alimentava a inútil esperança de punição aos mensaleiros, sem se dar conta de que o mensalão é parte de um plano estratégico maior, continental, para a América Latina.

    Eu aprendi com o Prof.Olavo de Carvalho que a verdadeira base do poder político é a cultura da sociedade, e desse modo, podemos claramente deduzir porque o poder político no Brasil é exercido por uma escória ordinária, a qual sequestrou o Estado Brasileiro.

    Segundo o pensamento de Olavo de Carvalho, e eu penso assim também, o caminho para a sanitização da política no Brasil é longo, de tal modo que podemos, por agora, apenas preparar o novo ambiente cultural base de uma nova era política, que nossos filhos, não nós, poderão usufruir, vivendo em uma verdadeira República Constitucional em um Estado de Direito Democrático. Esse é o verdadeiro Brasil país do futuro.

    Então faço apenas a minha parte, como o tal beija-flor da fábula da floresta em chamas, esperando e torcendo para que, após a minha morte, eu tenha contribuído, pelo menos um pouquinho, para deixar um país melhor aos meus descendentes.

    Abraços (e não se esqueça de instalar o FreeBSD).

  3. Luciano, eu gostaria de fazer uma sugestão para o site. Na parte superior do site do lado direito tem links para algumas áreas como glossário, falácias, dicionário, livros recomendados e etc.
    Eu sugiro criar mais um link ali para indicações de vídeos.

    OBS: Não precisa aceitar este comentário, é apenas uma sugestão.

    Abraços.

  4. Para se limpar da própria sujeira e livrar o Partido de qualquer respingo negativo os altos comissários do povo com seus principais “asseclas lambe botas” não hesitam em sacrificar um dos seus quando julgam necessário fazê-lo. Geralmente eles pegam aquele sujeito que está distante do Partido e que não lhes servem mais para absolutamente nada. Colocam a criatura para desfilar em praça pública pendurando no pescoço os crimes que ele cometeu na vida política e depois lança o coitado na arena para ser devorado pelos leões. Depois do “sacrifício” pousam perante o povo como paladinos e guardiões da justiça, por não pouparem nem mesmo aqueles que outrora eram considerados aliados. Eles fazem isso como que querendo subcomunicar a platéia de que como fulano foi condenado por eles, logo, beltrano e ciclano são seres angelicais e que devemos continuar depositando nossa total confiança no Partido. São muito sacanas…

    Quando um religioso político que possui grandes projetos de implementação de poder para o Partido aponta dentro do próprio grupo um corrupto é por que ele próprio tem corrupções muito mais graves a esconder e/ou realizar cujo propósito é garantir o poder onipresente do “Grande Irmão” em cada canto do pais.

  5. Só para constar, há o vídeo da entrevista completa com Bolsonaro em que há aquela frase em que ele fala que se tivesse dado um soco em Randolfe, ele teria desmontado:

  6. O mais engraçado é que o Brasil 247 é um dos blogs do JEG – Jornalismo Empregado do Governo, e até ele fala o quão lixo é o PSOL e o fronha do Randolfe. Deve ter treta entre o PT e o PSOL.

    • Lembremos que a coisa que um revolucionário mais odeia não é aquele que não aceita as utopias, mas sim outro revolucionário. Ele sempre irá considerar seu viés religioso político mais puro e verdadeiro que o do outro revolucionário e irá lutar muito para que esse outro revolucionário suma do espectro. Por isso que sempre falo aqui sobre se não pouparia esforço se usarmos o marxismo-humanismo-neoateísmo como inocente útil no combate ao próprio marxismo-humanismo-neoateísmo. Como costumo comentar aqui, é mais ou menos aquela cena de Jurassic Park em que os humanos são salvos dos velociraptores pelo tiranossauro:

      http://www.youtube.com/watch?v=OJ9jTOxv7gw

      Observe que velociraptores e tiranossauro têm uma “causa” comum (a ambos interessa a volta dos dinossauros e perseguir os humanos), mas há um determinado momento em que eles esquecem a “causa maior” pela qual lutam para brigarem entre si. Os humanos conseguem fugir dos bichos e podem agradecer ao tiranossauro por ele ter salvo suas vidas, mesmo que o bichão não entenda que seu ato de partir para cima dos velociraptores na prática salvou os humanos a quem persegue, sem se dar conta que os velociraptores também perseguem os humanos e, portanto, possuir ponto em comum com os dinossauros menores. Se os três dinossauros perseguissem os humanos, estariam juntando forças e provavelmente o filme teria outro final, mais triste e com menos gente. Porém, parece que eles querem mostrar um ao outro que seu “dinossaurismo” é mais puro e verdadeiro e esquecem-se por completo dos humanos. Observe-se que os humanos não precisaram mover uma palha sequer para combater o “dinossaurismo”, pois os próprios dinossauros fizeram esse serviço sem notar que o faziam.

  7. Ideologias à parte, Bolsonaro é infinitamente mais divertido que Randolfe. E ele tem razão quanto ao direito de entrar. E essa comissão é de meias-verdades.

Deixe uma resposta