Dilma Rousseff e a escória do mundo

4
73

068

Fonte: Globo

O discurso da presidente Dilma Rousseff na Assembleia-Geral das Nações Unidas e a entrevista dada por ela nesta quarta-feira (25) foram avaliados por colunistas de jornais norte-americanos com um sinal de que o Brasil se afastará dos Estados Unidos para se aproximar ainda mais de países como China, Índia e Rússia.

O distanciamento diplomático causa preocupação aos EUA porque poderá reforçar as políticas de nações que tradicionalmente discordam do governo norte-americano em decisões de âmbito internacional.

O site da “Time Magazine”, revista norte-americana, traz artigo em que afirma que a posição de Dilma de acusar os EUA na ONU de ferir o Direito Internacional e a soberania dos países com as ações de espionagem deverá reforçar os Brics, grupo formado pelas maiores economias emergentes – Brasil, Índia, Rússia, China e África do Sul.

O artigo cita como fonte especialistas em política externa e ex-embaixadores do Brasil em Washington, como Rubens Ricupero. De acordo com a publicação, essa aproximação do país com nações que adotam políticas econômicas e internacionais conflitantes com a do governo norte-americano reforça a “impressão de que Brasil e EUA possuem uma relação instável” e que há vários “buracos no caminho” para uma futura aproximação.

Já o jornal “Miami Herald” publicou artigo nesta quarta (26) em que um ex-embaixador norte-americano que não quis se identificar afirma que os Estados Unidos certamente continuarão a espionar o Brasil. O artigo traz explicações do diplomata para os motivos que levaram o governo norte-americano a adotar políticas invasivas de inteligência no Brasil.

De acordo com ele, Washington não considera que o Brasil seja, “exatamente um país amigo”. Ele exemplifica dizendo que o governo brasileiro, desde a gestão de Luiz Inácio Lula da Silva, se aliou com nações inimigas dos Estados Unidos, como a Venezuela chavista, o Irã, a Líbia (na ditadura de Muhamar Khadaffi), Cuba, e a Bolívia de Evo Morales. Alem disso, o Brasil costuma concordar com as posições da Rússia e da China nas discussões sobre conflitos internacionais, sobretudo ao defender a não-intervenção militar na Síria.

O jornal afirma ainda que os Estados Unidos jamais trabalharão para que o Brasil ocupe um assento permanente nas Nações Unidas, conforme pleiteado pelo governo brasileiro. “Já temos dois adversários permanentes: Rússia e China. Não precisamos de um terceiro”, disse o embaixador ouvido pela publicação.

Já a agência de notícias Reuters destaca que as relações entre EUA e Brasil estavam progredindo no governo Dilma, mas os avanços foram interrompidos após a denúncia de espionagem. Para a agência, o cancelamento da visita que Dilma faria a Washington em outubro e o tom duro do discurso da presidente da ONU podem prejudicar a cooperação na área econômica entre os dois países, “em um momento em que a influência internacional da China cresce.

Já o britânico “The Guardian”, que publicou as primeiras denúncias de espionagem dos Estados Unidos, afirma que o “furioso”discurso de Dilma representa a maior crise diplomática entre EUA e Brasil desde as revelações das ações da NSA, agência de segurança norte-americana.

Meus comentários

E depois o PT ainda reclama do Globo? Obviamente, todas as manifestações do PT contra a Rede Globo e o jornal O Globo não passam de encenação para esconder o fato de que essa mídia os protege.

Senão, por que esconderam as partes mais importantes das declarações de Carlos Alberto Montaner, do Miami Herald? Seja lá como for, segue abaixo a tradução feita por Rodrigo Constantino:

Tudo que você tem a fazer é ler os registros do Foro de São Paulo e observar a conduta do governo brasileiro. Os amigos de Luis Inácio Lula da Silva, de Dilma Rousseff e do Partido dos Trabalhadores são os inimigos dos Estados Unidos: a Venezuela chavista, pela primeira vez com (Hugo) Chávez e agora com (Nicolás) Maduro; Cuba de Raúl Castro, Irã, a Bolívia de Evo Morales, Líbia nos tempos de Kadafi; Síria de Bashar Assad.

Em quase todos os conflitos, o governo brasileiro concorda com as linhas políticas da Rússia e da China, em oposição à perspectiva do Departamento de Estado dos EUA e da Casa Branca. Sua família ideológica mais parecida é a dos BRICS, com quem ele tenta conciliar sua política externa.

A grande nação sul-americana não tem nem manifesta a menor vontade de defender os princípios democráticos que são sistematicamente violados em Cuba. Pelo contrário, o ex-presidente Lula da Silva, muitas vezes leva os investidores a ilha para fortalecer a ditadura dos Castros. O dinheiro investido pelos brasileiros no desenvolvimento do super-porto de Mariel, próximo a Havana, é estimado em US $ 1 bilhão.

A influência cubana no Brasil é secreta, mas muito intensa. José Dirceu, ex-chefe de gabinete e o ministro mais influente de Lula da Silva, tinha sido um agente dos serviços de inteligência cubanos. No exílio em Cuba, ele teve o rosto cirurgicamente alterado. Ele voltou para o Brasil com uma nova identidade e funcionou nessa condição até que a democracia foi restaurada. De mãos dadas com Lula, ele colocou o Brasil entre os principais colaboradores com a ditadura cubana. Ele caiu em desgraça porque ele era corrupto, mas nunca recuou um centímetro de suas preferências ideológicas e de sua cumplicidade com Havana.

Algo semelhante está acontecendo com o profesor Marco Aurélio Garcia, atual assessor de política externa de Dilma Rousseff. Ele é um contumaz anti-ianque, pior do que Dirceu mesmo, porque ele é mais inteligente e teve uma melhor formação. Ele fará tudo o que puder para frustrar os Estados Unidos.

Mas isso não é tudo. Há outras duas questões sobre as quais os Estados Unidos querem ser informados sobre tudo o que acontece no Brasil, pois, de uma forma ou de outra, elas afetam a segurança dos Estados Unidos: a corrupção e as drogas.

O Brasil é um país notoriamente corrupto e tais práticas afetam as leis dos Estados Unidos de duas maneiras: quando os brasileiros utilizam o sistema financeiro americano e quando eles competem de forma desleal com empresas norte-americanas, recorrendo a subornos ou comissões ilegais.

A questão das drogas é diferente. A produção de coca boliviana se multiplicou cinco vezes desde que Evo Morales assumiu a presidência, e a saída para essa substância é o Brasil. Quase tudo acaba na Europa, e os nossos aliados nos pediram para obter informações. Essa informação, por vezes, está nas mãos de políticos brasileiros.

É isso aí. O governo brasileiro não dá a mínima para direitos humanos e se alia à escória mundial dos governos. Por isso eles acham normalíssimo importar médicos cubanos como mão de obra escrava. A China também não se importa em fazer coisas do tipo.

Os “modelos” de comportamento para o governo brasileiro incluem países que não ligam para coisas como direitos humanos. Da escravidão de médicos cubanos ao apedrejamento de mulheres no Irã, temos exemplos de ações de países amigos do governo brasileiro.

É claro que este governo hoje é um risco para o mundo civilizado, assim como para seus próprios cidadãos. Se países como Afeganistão e Iraque devem ser algo de uma olhadela mais cuidadosa, por que o mesmo não pode ocorrer com o Brasil?

Isso explica por que o colunista do Miami Herald deu motivos claros para que os Estados Unidos espionassem o Brasil.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. É grave,é grave.Compartilhei uma profecia descrita no livro de Ezequiel com os facebookianos:
    O ataque de Gogue de Magogue contra o Israel restaurado (38:1-39:29). Daí virá uma invasão de outra parte! Gogue de Magogue, atraído para o ataque pela torturante paz e prosperidade do povo restaurado de Deus, fará o seu ataque frenético. Ele se precipitará para os engolfar. Nisto Deus se levantará no fogo da sua fúria. Fará com que a espada de cada um se volte contra seu irmão, trará sobre eles a pestilência e o sangue e uma descarga de chuva de pedras, fogo e enxofre. Sucumbirão sabendo que Deus é “o Santo em Israel”. (39:7) O seu povo acenderá fogos com o destroçado equipamento de guerra do inimigo e enterrará os ossos no “Vale da Massa de Gente de Gogue”. (39:11) As aves de rapina comerão a carne e beberão o sangue dos abatidos. Dali em diante, Israel habitará em segurança, não havendo ninguém para os atemorizar, e Deus derramará sobre eles o seu Espírito.

    Traçando um perfil atual das nações, é possível supor quem representa e quem representará gogue e magogue na campanha final do armagedom. Nessa altura das coisas,não creio ser possível reverter o rumo que o Brasil tomou,e nem ao lado de qual rei do tabuleiro estará então:

    “No tempo do fim o rei do sul se envolverá em batalha, e o rei do Norte vai atacar contra ele com carros e cavalaria e uma grande frota de navios. Ele vai invadir muitos países e varrer eles como uma enchente. Ele também vai invadir a terra bonita [Israel] Muitos países cairão, mas Edom, Moabe e os líderes de Amom serão entregues a partir de sua mão. Ele vai estender seu poder sobre muitos países;… Egito não escapará Ele vai ganhar o controle dos tesouros de ouro e prata e de todas as riquezas do Egito, com os líbios e núbios em submissão. Mas os relatórios do leste e do norte de alarme, e ele irá definir em uma grande fúria para destruir e aniquilar muitos. Ele vai armar suas tendas reais entre os mares [os mares Mediterrâneo e Dead] no belo santo monte [Jerusalém]. entanto, ele virá ao seu fim, e ninguém vai ajudá-lo. “(Daniel 11:36-45 ) .

  2. O que me irrita não é o PT querer se foder, e sim querer arrastar o país todo pro buraco junto com eles. Espionagem é uma realidade MILENAR na relação entre Estados nacionais, e por isso é completamente inútil bater o pézinho e dar chilique, pedindo arrego. Para isso serve a CONTRA espionagem, coisa que o governo teve ONZE ANOS para cuidar. Fora que, como disse o diplomata, o Brasil dá motivos DE SOBRA para espionagem, haja visto o naipe dos amiguinhos do Lula e da Dilma.

    Vexame diplomático não é de hoje no governo petista, lembram-se do Lula metendo o bedelho na briga Israel x Irã? Inclusive nos rendeu uma sátira: http://www.youtube.com/watch?v=jtUL0repR0o

    Lula palpitou sobre um assunto que desconhece completamente, e saiu em defesa do amiguinho apedrejador de mulheres psicopata Ahmadinejad. Foi com justiça ridicularizado.

    Agora no “discurso” – ou, devo dizer, pronunciamento eleitoral – da Dilma na ONU, vemos uma tiranete arrotando ares de grandeza, diante de uma plateia que claramente não estava dando a mínima. Finge que lidera uma superpotência, e quer que os outros brinquem de teatrinho junto com ela. Quer ser uma “potência”, mas sucateou e vilanizou as forças armadas. Quer ser uma potência, mas perdoa dívidas e faz empréstimos para ditaduras africanas. Quer ser uma potência, mas deixa de um populista cocaleiro roube uma instalação industrial do país, e afaga a cabecinha silvícola dele. E ainda os petralhas REALMENTE acreditam que ela “falou grosso” com Washington hahahahah. Ridículo.

    Este governo é um grande circo.

Deixe uma resposta