Os discípulos da mellcracia e a era da desrazão: anos de pesquisa de remédios contra o câncer jogados fora por trogloditas que invadiram o Instituto Royal

47
324

luisa-mell-g

Fonte: Reinaldo Azevedo

A Folha desta terça ouve o médico Marcelo Marcos Morales. Ele é um dos secretários da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e coordenador do Concea (Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal), ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Morales conta aos repórteres Jairo Marques e Rafael Garcia que a invasão e depredação do Instituto Royal e o roubo dos animais comprometeu experimentos avançados no desenvolvimento de uma droga contra o câncer. Dois dos cachorros roubados estão com o deputado tucano Ricardo Tripoli (SP), o que é um escárnio.

Afirma o cientista: “Um trabalho que demorou anos para ser produzido, que tinha resultados promissores para o desenvolvimento do país, foi jogado no lixo. O prejuízo é incalculável para a ciência e para o benefício das pessoas”.

Pois é, doutor. É que o Bruno Gagliasso e a Preta Gil não querem saber disso, o senhor entende? Também o deputado Trípoli é contra. A Tatá Werneck acha uma vergonha. Sem contar uma tal Luísa Mell, cuja existência esse episódio revelou — a mim ao menos. Quando sábios dessa envergadura opinam, resta pouco a dizer.

Ao debater o episódio da censura às biografias, observei aqui que o Brasil tem a mania de considerar que os artistas são pensadores. Vimos do que são capazes iluminados como Caetano Veloso e Chico Buarque quando seus próprios interesses estão em jogo. Então ficamos assim: os cantores cuidam da liberdade de expressão, e as celebridades respondem pelo desenvolvimento científico do país.

Pergunta o doutor: “Deixamos de usar animais e vamos testar vacinas em nossas crianças?”. O ataque ao laboratório é o paroxismo da boçalidade.

Na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Fernando Capez, também tucano, chamou os donos do laboratório de “bandidos” e disse que eles deveriam ser presos. Foi mais longe: disse que o que se viu em São Roque ainda era pouco. Trípoli resolveu adotar dois animais que têm dono.

É evidente que isso força o PSDB a um pronunciamento. Ou bem deixa claro que condena a violência e o ataque obscurantista à ciência, censurando seus dois parlamentares, ou bem se cala, endossando o ato estúpido.

MEUS COMENTÁRIOS

Quando li A Morte da Fé, escrito por Sam Harris em 2004, não imaginava que o livro, reconstruído, seria um dos mais brilhantes instrumentos para desconstruirmos o esquerdismo.

O erro de Harris, no entanto, foi atribuir algumas características que ele condenava (desrespeito à sociedade civil, uso de argumentos irracionais, desapego à evidências, desprezo pela ciência) especialmente à religião tradicional. Na verdade, podemos questionar a ideia de que os religiosos tradicionais tenham mais essas características do que os não-religiosos. Por outro lado, podemos, com certeza, atribuir todas essas características aos religiosos políticos.

A invasão do Instituto Royal por ativistas delirantes e animalescos foi uma ode à irracionalidade e um cuspe na cara da ciência. Também foi um extremo desrespeito à todas as pessoas vítimas de câncer. Se alguém tiver um familiar com essa doença, já sabe que anos de atraso nas pesquisas para a cura do câncer vão para a conta desse tipo de ativista. Eles são claramente inimigos da sociedade civil, por não aceitarem discutir argumentos (até por que invadir um instituto para roubar animais não é um “debate”). Quer dizer, o livro de Sam Harris simplesmente descreve com exatidão o comportamento dos terroristas que roubaram os animais.

Quando presenciamos o ato discursivo de Luisa Mell, sabemos que ela induziu a invasão do Instituto Royal dizendo que “ouviu dizer que matariam todos os animais naquela noite”. Espere aí! “Ouviu dizer”? Em suas entrevistas, ela sempre declarava que “soube de várias barbáries de um funcionário do Instituto Royal”. Mas não conseguiu nem imagens das torturas? Em pleno 2013? Como se isso não fosse suficiente, ela ainda cita Peter Singer como uma de suas “influências intelectuais”. Em resumo: a irracionalidade de Luisa Mell e sua turba chegou a dimensões inimagináveis até mesmo para aqueles que estudam o radicalismo de membros da Al Qaeda.

No post A dinâmica social da falta de civilidade dos “defensores” de animais que defendem vandalismo e roubo de animais, pude observar o comportamento da turba dos ativistas na caixa de comentários. Não havia um discurso sequer calcado em silogismos válidos. A maioria das provas que eles apresentavam se baseava em dizer que “ouviram gritos de cachorros do lado de fora”. Novamente, basta reconhecermos que em pleno 2013, querer nos convencer que não tinham recursos nem para gravar um áudio é no mínimo apelar à uma credulidade que faria um índio sorrir.

No livro Deus, um Delírio, Richard Dawkins denuncia a religião tradicional por várias coisas, incluindo o caso de um religioso fanático que matou um médico de clínica de aborto. Mesmo trabalhando com uma exceção, Dawkins expunha um detalhe: em nome de crenças não-justificadas, pessoas sentiam-se justificadas a cometer crimes. No caso dos ativistas que invadiram o Instituto Royal, não temos exceções: falamos de um padrão comum. Assim como um fanático religioso matou um médico de clínica de aborto, ativistas dos “direitos dos animais” invadiram um instituto para roubar animais.

Podemos notar que a reconstrução do material do neo-ateísmo para esmagamento moral da quadrilha insuflada por gente como Luisa Mell é até fácil demais. Observe como podemos usar um ceticismo básico para fazer os seguidores de Luisa urinarem nas calças, citando discursos proferidos por ela para a Veja:

“Logo em seguida ouvimos [sic] ‘gritos’ muito altos de animais. Nós estávamos lá fora e não sabíamos o que fazer “ ==> Só ouviu e não filmou nem gravou né? Belo apego às evidências…

“Eu trabalho com isso todos os dias e nunca tinha escutado um ‘grito’ de dor igual.” ==> Mais um motivo para gravar tudo, não? Ou será que ela não tem iPhone ou iPad?

“Eu mesma fui até a delegacia e não tinha delegado.” ==> A visita à delegacia foi filmada ou é mais uma historinha?

“Encontramos alguns cachorros que estavam sem pata, sem olho, em um estado deplorável. Teve um cachorro, cuja foto inclusive circulou na internet, que morreu congelado com nitrogênio. É muito triste ver essa situação.” ==> Como se deram os eventos de perda de pata do animal? Foram ações de tortura? Estão filmadas ou há evidências? Não, não há…

“Quando os resgatamos, os cachorros não se mexiam. Eles ficaram imóveis. Eu imagino que eles devam ter ficado desesperados pela experiência com humanos que tinham vivido.” ==> Acho que ela nunca ouviu falar de cães dóceis que “travam” diante de estranhos.

Os cães que eu consegui resgatar entraram apáticos no meu carro, totalmente calados e ainda sem se mover. Durante a viagem até São Paulo eu fui brincando com eles, cantando músicas, dando carinho, até que eles começaram a confiar e se soltar” ==> Esta reação de cães diante de estranhos também não é um evento que prova tortura a animais… 

“A policia tentou impedir a invasão, mas depois que entramos, desistiram. Um policial me viu saindo de lá segurando os cachorros e ainda me deu um tchauzinho. Estão falando que a gente furtou, mas não fizemos nada escondidos da polícia. Os policiais que estavam lá viram o que estava acontecendo e foram coniventes com o ato.” ==> Espere. Primeiro ela diz que a polícia tentou intervir. Mas depois que surgiu uma turba terrorista, desistiram. Ela mesmo confessou que a polícia não endossou o ato de roubo de cães, mas sim ficou com medo de interromper este crime. Agora a lógica dela é: “se conseguirmos fazer a polícia ficar com medo e não reagir, então não é crime”. Mas ainda podemos supor, a título de argumento, que a polícia realmente estivesse “do lado deles”. Neste caso, dizer que a polícia é conivente com um ato, não torna algo moral e nem sequer dentro da lei. Diante de manifestantes terroristas, a polícia pode até se tornar conivente com o crime. E isto é um problema policial que temos que discutir. Essa mulher realmente é incapaz de dizer uma frase sem cometer falácias que só enganariam retardados, iludidos ou desonestos. 

“Eu vi na internet acusações de que os ativistas depredaram o lugar e roubaram computadores. Sinceramente, eu fiquei lá até as 5h da manhã e não vi isso.” ==>  Só faltou ela combinar o jogo com uma ativista arrependida que inclusive devolveu um pen drive roubado para a polícia. Segundo esta ativista, a depredação dos black blocs foi o que permitiu a invasão do instituto. 

Como se vê, o discurso dela se alterna entre alegações sem evidências, falácias infantis e mentiras deliberadas.

Voltando a Sam Harris, ele nos diz que que as maiores barbáries do mundo surgem por causa de crenças não justificadas. Podemos melhorar muito a afirmação de Harris: as maiores barbáries do mundo surgem por causa de crenças não justificadas em questões públicas. Munidos destas crenças não justificadas, criam-se monstros.

Discípulos da mellcracia. É como podemos definir esta nova legião de terroristas brasileiros que invadem institutos de pesquisa para destruir pesquisas científicas e roubar animais usados em estudos. As características desta doutrina, que copia outros ativismos terroristas vistos na Europa e nos Estados Unidos, incluem desrespeito à lógica básica, ódio à civilização, desapego à argumentação racional, credulidade infantil, mitomania em nível recorde, uso de manipulações emocionais para justificar crimes, e, principalmente, um completo desprezo pela ciência.

Além de todas as características acima, temos a mais gritante de todas, que complementa a postura de desrazão do grupo: a ética daqueles que viviam nas eras tribais. Isto é, aquele que juntar um grupo mais volumoso, e com mais disposição para cometer violência, vence. Não surpreende que uma fazenda de São Roque, que cria beagles há mais de dez anos, está sofrendo contínuas ameaças dos ativistas. Mais, da notícia do IG:

Donos e funcionários da Fazenda Angolana, que tem uma criação de beagles há mais de dez anos em São Roque, estão vivendo dias de pavor. Alegando que a fazenda fornece os cães para o Instituto Royal, invadido na madrugada de sexta-feira (18) por ativistas sob a alegação de maus-tratos aos animais, grupos ameaçam invadir também a propriedade rural. Os donos registraram três boletins de ocorrência na Polícia Civil e contrataram seguranças. “Aqui moram nossas famílias, tem crianças, e eles estão falando em invadir”, disse a proprietária Monica Parachin.

As ameaças foram feitas pela internet e por telefone. Três grupos de ativistas estiveram na fazenda e quiseram ver os animais. Monica explicou que a criação era pequena, com cerca de trinta animais, e voltada para pessoas que gostam de cães. “Eles quiseram ver os cães e usar detectores de chip para confirmar se eram criados para o instituto e nós permitimos. Não temos nada a esconder, mas as ameaças continuam. Estão difamando nosso trabalho, querem forçar uma relação com o instituto que não existe.” A fazenda é voltada ao turismo rural há trinta anos e recebe visitas de escolas.

É, meus caros, tenham medo, tenham muito medo dos ativistas dos “direitos dos animais” que seguem a mellcracia. Eles são a turma que usa o “uga buga” como forma de “debate”.

Anúncios

47 COMMENTS

  1. Pera lá, pera lá, pera lá! Invadir a propriedade, Luciano olha o pepino que eles estão criando. O MST invade terras porque os fazendeiros exploram os trabalhadores/natureza etc. Esse pessoal aí invade propriedades porque os animais (supostamente) são mal tratados. E, como você explicou, o mal trato não foi provado e também teria que ser discutido o que é um abuso de animais. Para mim isso parece mais desculpas para continuar essa inquisição contra a propriedade privada. Os Black Bloc atacam os bancos porque eles exploram… Olha a caixa de pandora que vem aí, que tal começarmos a tomar as casas dos pais que ‘abusam’ (uma palmada) de suas crianças, que tal começarmos à invadir as fábricas onde o patrão ‘abusa’ dos seus trabalhadores. Que tal tomarmos escolas (particulares) onde os professores abusam das crianças, que tal tomarmos hospitais (privados) onde os médicos ‘abusam’ dos seus pacientes. Eu vejo um padrão neste comportamento… o fim da propriedade privada cuidando dos ‘abusados’ pela sociedade (capitalista malvada)….

  2. O negócio é mais feio do que eu pensei então! Invasão de propriedade!!!

    E como assim ameaçar fazendeiros? Colocar chips em cachorros alheios? Absurdo demais isso tudo!

  3. Atenção, atenção!

    Estou horrorizado, apavorado e atordoado com os “gritos” e apelos horríveis que cachorros estão fazendo agora na casa da Luisa Mell. Ouvi de fontes confiáveis que ela faz torturas apavorantes com cachorros lá dentro. Fiquei ontem â noite na entrada da casa dela e ouvi “gritos” que nunca tinha ouvido em lugar nenhum, nem em filme do Freddy Krueger.

    Já podemos invadir e quebrar tudo agora?

      • O melhor, Luciano, foi que ao longo de um debate contra os ecochatos desse caso dos Beagles consegui fazê-los admitir que não há provas de maus-tratos sendo praticados contra os cães. Mas TODOS redarguiram:

        “Até saber o que é prova válida (aquela usada em processo judicial), os cães estariam mortos. Entre esperar o juiz e salvar a vida dos cães, prefiro ser preso e salvar os cães.”

        Antes eles tentaram usar o art. 150 do CPB, que não se aplica ao caso. Devo ter falhado no debate, porque todos eles usaram a brecha acima para fugir ao debate. Eu fustiguei a questão do “HÁ PROVAS DE MAUS TRATOS?”. Não deixei que desviassem o assunto.

        Outro chegou a dizer até que se os manifestantes invadiram, e estavam com advogados e policiais entre eles, então alguma coisa estava acontecendo…

    • Rafa, é só ver alguns comentários – verdadeiramente jurássicos – ao post no blog do Reinaldo. Forjaram uma “hierarquia” (!) tentando esquivar-se da provocação que vários fizeram (por que não fazem o mesmo “resgate” com os pobres animais do Butantã e adotam uma cobra ou um escorpião?). Pela dita hierarquia, um cão da raça Beagle seria “superior” a outras cobaias. Só não acharam uma saída dessas para os inúmeros cachorros vira-lata abandonados nas ruas, à espera de um resgate seguindo de uma generosa adoção. Haja cinismo, haja hipocrisia …

    • Está claro que os bichinhos não viviam na sujeira como eles disseram, provavelmente, por nervosismo, acabaram fazendo na hora, sujando as instalações, porque nunca na minha vida ouvi falar de animais que precisam estar em um ambiente completamente estéril, para exatamente passar pelos testes, ficarem em condições insalubres! Isso não existe!Atrapalharia a própria pesquisa..é só pensar um pouquinho. Na minha faculdade, já visitei um laboratório onde uma colega faz estágio, onde fazem testes nos ratinhos para testar novas técnicas de tratamento para diabetes e hipertensão..e os ratinhos são tratados a muito pão de ló. Qualquer condição insalubre que eles estejam pode comprometer toda a pesquisa, muito dinheiro gasto.
      Cada vez mais fica clara pra mim a fraude.

  4. Salvaram um monte de beagles e deixaram um monte de ratos pra trás hahahaha

    Coitados dos ratinhos, deveriam ter nascido mais bonitinhos para merecerem a compaixão dos animalistas!

  5. Está na Folha “http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/10/1360723-se-deixarem-busco-ratos-afirma-luisa-mell-sobre-maus-tratos-contra-animais.shtml”.
    O que me assusta é a frase abaixo. Rasga o Codigo Civil e o Código Penal e se diz bacharel em direito.
    “Agimos dentro da lei para evitar uma situação de flagrante maus-tratos, o que deveria ter sido feito pelo poder público. Não sou uma maluca que sai invadindo os locais. Tenho ética e sou formada em direito. “

  6. O erro do Instituto Royal foi usar cachorrinhos fofinhos. A solução é usar somente animais feios nos experimentos. Duvido que a Luísa Mell se comoveria tanto se os animais em questão fossem porcos.

    • O duro é que experimentos em cães ou são com beagles ou são com beagles. O motivo disso é histórico, tendo sido os beagles os primeiros cães a serem usados em experimentos científicos altamente controlado. Com isso, há uma ampla série histórica de pesquisas referentes aos beagles para ser consultada. Fora isso, como são cães de raça e de alta pureza genética, geram resultados mais previsíveis.

  7. Luiza Mell como disse Reinaldo Azevedo, não passa de uma dessas sub celebridades tais qual Leandra Leal, Preta Gil, Wagner Moura, entre outros que possuem o ego maior que o próprio orificio anal, ou seja, são facilmente cooptados para agir em prol do movimento revolucionário, pq os mesmos se preocupam entre outras coisas, em vender sua imagem a esta mídia porca e politicamente correta. Duvido que se a mesma criticasse o governo, a esquerda, seria bem tratada ou bem recebida. Provavelmente sofreria uma série de calunias, ameaças e censura de todas as formas como o Lobão vem sofrendo. Essa porca analfabeta funcional cujo nome artistico vem de um alimento bíblico com somente a adoção de mais uma letra l, é o reflexo da idiotisação em maça graças a anos e anos de marxismo cultural. E note bem Luiza Mell não esta sozinha e muito menos é a unica a endossar atos de barbarie e selvajeria extrema. A pessoas que fazem isso diariamente dentro do congresso nacional, dentro dos veiculos de midia, showbussines, dentro de universidades e escolas. Luiza Mell ao meu ver é uma funciomal mais docil que os beagles que ela roubou dos intituto royal ( sempre pronta a abanar o rabinho a grupos de extrema esquerda e politicamente corretos) e ao mesmo tempo é uma beneficiária. Não tenho provas, porem não me surpreenderia que esta socialite vagabunda esta a fazer carreira graças a partidos como PSOL e et caterva. Repito não tenho provas, mais não me surpreenderia descobrir ligações dela e ou do grupo dela com essa gente pra mamar na maquina estatal do foro de são paulo, visando a promoção pessoal principalmente.

  8. Pra concluir, a rapariga postou em seu face que sua familia sempre foi a favor das classes mais pobres, que lutou pelo contra a ditadura e mimimi ( o velho discurso de lutas de classe da esquerda, usando do velho sentimentalismo para seduzir idiotas, e como no Brasil o estoque de idiotas é infinito então vcs imaginam oque vai dar). Alguem tem duvidas a que interesses essa “celebridade” serve??? Abraços Luciano

  9. Esse povo tá parecendo a PETA, que resgata os bichinhos para depois matar. Até agora todos – que apareceram nas reportagens – aparentaram ótima saúde. Imagino que o estresse que os cães mais outras condições com as quais não estão acostumados (micro-organismos com os quais não tiveram contato por serem criados em laboratório), poderão ficar doentes. E, no G1 leio que o laboratório deverá arrumar outros cães para substituir aqueles que estavam sendo usados e foram roubados. Ou seja, os ixpertos ativistas salvaram alguns para “condenar” outro tanto. Aí, vão lá, salvam mais e “condenam” mais outros.

  10. Mais engraçado é que esses mesmos defensores de animais, quando vc diverge em algum ponto da discussão com eles, baixam o nível e começam a disparar insultos, ameaças de morte e agressão física, calunias e difamações. Acredito que vcs ja devem ter percebido isso, entrando nas paginas desses ativistas ou na pagina do Reinaldo Azevedo no facebook. Eu falo pra vcs, eu amo minha cachorra e jamais deixaria tipinhos como essa “ativista” e seus seguidores leva-la pra passear ou sequer encostar nos belos pelos dela.

  11. Luciano, seguem as notícias de hoje sobre o caso Royal e coisas próximas:

    http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/10/24/vistoria-nao-encontra-irregularidades-no-instituto-royal-diz-prefeitura-de-sao-roque-sp.htm

    http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/apos-royal-deputados-mudam-postura-sobre-animais/

    http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/10/24/policia-vai-ouvir-20-ativistas-que-participaram-da-invasao-ao-instituto-royal.htm

    http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2013/10/ativistas-interrompem-aula-pratica-de-medicina-na-puc-que-usava-porcos.html

    http://g1.globo.com/sao-paulo/sorocaba-jundiai/noticia/2013/10/prefeitura-de-sao-roque-mantem-licenca-de-funcionamento-do-royal.html

    Sim, tem deputado aparecildo querendo aprovar uma lei que condene a dez anos de cadeia quem matar um cão ou um gato. Logo, se você matar um peixe, um hamster, um furão ou outro animal de estimação que não os dois mais populares, você não pegaria tal pena. Aliás, se perigar não pegaria essa pena mesmo se matasse uma pessoa, segundo o raciocínio dos parlamentares em questão. Enquanto isso, o Royal segue firme e forte e irá se recuperar. Abaixo também segue o que o Reinaldo falou sobre o assunto:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/leitor-deste-blog-desmascara-discurso-do-tucano-fernando-capez-o-que-defendeu-a-acao-terrorista-contra-o-instituto-royal/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/a-alguns-vegetarianos-para-que-tanta-paixao-sanguinolenta-meu-deus-pergunta-o-meu-coracao/

  12. http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/10/1361842-levado-de-instituto-beagle-ricardinho-corre-risco-dizem-cientistas.shtml

    Agora está claro quem são os que estão judiando dos animais, o FDPs que roubaram os cães, levaram entre eles um que necessita de cuidados especiais pois tem insuficiencia renal e vai acabar morrendo se não receber os cuidados especiais que recebia no instituto!

    E AGORA BANDO DE LADRÕES, O QUE VÃO FAZER JÁ QUE ESTÃO A PONTO DE VIRAR MATADORES DE CÃES?

  13. Lembram da ‘Luíza’? Aquela que estava no Canadá?

    Me veio agora na cachola um ‘MEME’, não sei, acho que serve bem pra essa ex-apresentadora-pobre-patricinha-com-cara-de-paquita-demitida-e-mal-tratada da foto (mas já ficou datado):

    *Notícia:

    “Vários black-blocs junto a um grupo de ativistas depredaram o centro de pesquisa Royal hoje e sequestraram centenas de cães da raça beagle, menos Luíza, que está no Canadá”

    Ah vai, até que ficou legalzim… Com essa foto aí do post fica melhor ainda.

    Usem com moderação. |¬)

  14. Luciano, não seria uma boa ideia alguém fazer uma montagem mostrando a Luísa Mell e o silicone? Afinal, ela colocou em 2005 próteses (http://www.fatimanews.com.br/noticia/detalhe/luisa-mell-coloca-silicone-nos-seios/15611), sendo que para que isto acontecesse, uma cadela de nome Esmeralda teve que servir de cobaia (http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2012/04/120329_silicone_50_anos_jp.shtml)? Algo do tipo “por sua vaidade fui sacrificada”. Uso o termo sacrificar para ser mais dramático…

  15. Eles furtaram e depois comeram os bichos? Eu acho que foi justo e moral eles terem resgatados os cães, mas acho que deveriam devolver os animais e serem punidos pelos furtos e danos à utilidade pública.

  16. Os animais não vivem numa democracia, o que é legítimo não seguir tal lei que só serve para beneficiar os tiranos NAZISTAS e quem os apoia! Portanto, eu nem eu ligo pros seus joguinhos. Enquanto os animais não forem LIBERTOS, não haverá paz – o lado injustificado não é o meu. Não acho nada demais invadir propriedade para salvar vidas, e nem crítico quem faz justiça com as próprias mãos, pois estamos do mesmo lado, mas não do mesmo modo. Então CHEGA de crueldade. Aliás, os animais poderiam ser posteriormente devolvidos, via mandato judicial se fosse o caso, ALIÁS O QUE ANIMAIS ESTARIAM FAZENDO DENTRO DE UM INSTITUTO DE PESQUISA?????? PASSEIO???? PQP!!!!

    • Aproveita e mate os predadores também. Aproveita e mata também os que usufruem dos avanços(curas de doenças entre outros) que aconteceram graças a isso. Aproveita e mata os leões.

    • Aliás, se você for picada por alguma cobra, não queira o antidoto viu? Afinal nessa sua lógica sectária as pessoas maltratam os animais para conseguir curas.

Deixe uma resposta