Ateísmo começa a ser ensinado em escolas públicas. Alguns teístas estão indignados. Deviam comemorar, pelo precedente que ganharam!

18
135

guardian_dawkins_fairies_111024a_615x3451_xlarge

Fonte: Catolicidade

Os alunos do ensino primário na Irlanda, pela primeira vez, irão aprender os princípios básicos do ateísmo como parte do currículo.

Segundo a revista Time, seriam cerca de 16 mil alunos a ouvir sobre os sistemas de crenças seculares ainda este ano. O novo currículo, que falará sobre humanismo e agnosticismo, é um projeto da ONG ateísta Educar Juntos. Fundada a 5 anos, seu site afirma que são um grupo dedicada a “promover o ateísmo, a razão, a ética e um Estado laico”.

As primeiras versões do material contemplam o ensino de crianças dos 4 até os 13 anos. São dez lições, uma por aula, entre 30 e 40 minutos de duração. Além disso, haverá aplicativos para smartphones e atividades interativas no seu site.

Enquanto o programa inovador é celebrado pelos defensores da educação religiosa, afetará menos de 10% dos alunos da porção sul da ilha, o norte é outro país, pertencente ao Reino Unido. Os outros 90% dos alunos estudam em escolas pertencestes à Igreja Católica. Embora controladas pelo bispo local, essas escolas católicas ainda recebem dinheiro público como parte de um acordo feito há séculos.

Para o co-fundador da Atheist Ireland, Michael Nugent, o fim deste monopólio religioso na educação é necessário. “Se os pais dessas crianças em idade escolar e sob o controle da igreja desejarem, poderão usar o nosso curso como uma alternativa para os seus filhos”.

O grupo lançou uma campanha online para arrecadar os 50 mil euros que acreditam serem necessários para fornecer o material para as escolas e dar treinamento aos professores. Por enquanto, menos da metade do alvo foi alcançado, mas segundo a ONG o dinheiro está vindo de diferentes partes do mundo, o que indica um crescente interesse pelo projeto que poderá se estender a todas as nações interessadas.

Embora em muitos países seja proibido o ensino religioso nas escolas públicas, esta é a primeira vez que ocorrem aulas sobre ateísmo de maneira programática. Contudo, é crescente o número de instituições de ensino superior na Europa e nos EUA que oferecem aulas sobre o pensamento ateísta.

Por sua vez, na Irlanda, que ainda é oficialmente católica, este ano foi publicada uma pesquisa sobre as prioridades dos cidadãos. Das 119 opções apresentadas, religião e espiritualidade ficaram nos últimos lugares.

Meus comentários

Como sou ateu, não tenho nada a perder com isso. Entretanto, tenho algo a ganhar, e muitos teístas também tem.

Segundo o conceito do estado laico, não podemos usar as escolas públicas para beneficiar uma crença religiosa sobre outra. Mas não deveríamos usar as escolas públicas para beneficiar uma crença da religião política sobre outra da mesma forma. Isso é o que chamo de estado laico de fato, pelo qual deveríamos lutar.

No momento que ateísmo e humanismo obtém o direito de serem ensinados em sala de aula de forma comparativa com a religião tradicional, o questionamento ao esquerdismo deve obter o mesmo direito. Tanto ateísmo como teísmo, direita como esquerda, falam sobre fatos do mundo, e possuem crenças (ou descrenças) em relação a estes fatos do mundo.

Alguns podem reclamar dizendo que “a regra do estado laico não deve valer para a religião política, pois esta é feita para a mudança social”. Mas este é um motivo ADICIONAL para aplicarmos o critério do ensino das visões divergentes. Se a crença da religião política gera impactos, então, se aceita, ela pode causar consequências adversas aos descrentes quanto a ela. Isso é um motivo adicional para ensinarmos as visões contraditórias. Temos um agravante ao invés um atenuante.

Se a crença em Deus deve ser questionada, a crença no estado deve ser questionada da mesma forma.

Já vi muitos religiosos desgostosos com a notícia acima. Eu acho que já deveriam estar olhando formas de usar o precedente aberto da melhor maneira possível.

Anúncios

18 COMMENTS

  1. Eu, mesmo sendo cristão, sempre fui a favor que o ensino de religião nas escolas fosse mostrando um pouco de cada uma. Suas crenças, seus deuses, seus principais dogmas, origens… Quase uma aula de história. Além da parte de valores morais. E isso não excluiu o ateismo e agnosticismo (verdadeiros e não essa picaretagem tipo ATEA). Aí sim seria um estado laico.

  2. Ateísmo estatal organizado, acho que todos já vimos esse filme. Como ainda não conseguiram empurrar o abortismo e outros programas da agenda esquerdista na Irlanda por que a população ainda é católica, vamos lavar a cabeça das crianças.

  3. Varios países europeus não são laicos (ao contrário da Irlanda, creio, que tem maioria católica, mas não é “oficialmente católica”), como a Inglaterra, a Dinamarca, etc., e isso nunca impediu nada nesse sentido. E muito menos tais “progressismos” fajutos, como o gayzismo e o abortismo.

  4. Se a coisa for “Mostrada” de forma não apologética, não vejo problema… aqui no Brasil, quando estudei durante o Ensino Fundamental, durante a 8° série, tínhamos uma aula extra chamada aula de religião… não fazia apologia a nenhum tipo de religião, somente mostrava o que cada uma tinha de cultural… isso não me afetou em nada como cristã… agora, quanto a ensinar uma religião na escola pública, creio que seja errado, independente de qual seja, se for em uma escola particular que tem uma vertente religiosa-cultural definida, aí é opção dos pais matricular a criança para receber esse tipo de ensino…outra coisa que não concordo é que a escola force uma criança a fazer um trabalho defendendo uma religião ou a cultura de uma religião, outra coisa que tb não acho que se deve fazer… se uma criança é católica, ela não pode ter a obrigação de escrever que ela acha lindo e maravilhoso o que outra religião faz, mesmo que isso seja parte cultural do país…acho que constrange a criança ir contra suas próprias crenças (um exemplo, isso cabe a qualquer religião ou falta dela)
    O que sempre vou ser contra é o estado querer tirar o direito dos pais de ensinarem uma religião aos seus filhos, não é papel da escola dar esse tipo de educação moral-religiosa e sim dos pais… por isso, concordo, o estado não deve mesmo interferir na educação religiosa das crianças, não pode favorecer, mas tb não pode tirar a liberdade religiosa dos pais de pregarem e ensinarem sua fé a seus filhos.
    Mas fico pensando que o outro lado também deveria existir…. os ateus ignoram totalmente que há uma versão na ciência que acredita no Criacionismo… contudo ele também não é ensinado nas escolas junto com o evolucionismo, acho errado… o criacionismo cientifico não tem nada a ver com religião, é uma vertente ideológica aceita por muitos do ramo, e não dão a mesma enfase ou espaço para isso… ensinam como verdade absoluta algo que é uma teoria, vcs não concordam? Acho justo tb que se dê uma ênfase muito grande que se algum ensinamento for baseado em uma teoria, seja tratado como teoria e deve-se sempre ensinar todas as vertentes que existam, seja em quais áreas for…

  5. Só acredito em ateu se ele for jogado de helicóptero sem pé de pato, sem pranbcha, sem nada do lado de fora da arrebentação num marzão de ressaca braba com mais de 3, 4 metros de onda. Se ele não disser, ai meu Deus! aí eu acredito.

Deixe uma resposta