Poeta Ateu: o legítimo esquerdista funcional

26
311

roubo91

Pessoal, me desculpem, mas eu não consigo ter pena dos esquerdistas funcionais. Sua ingenuidade que só serve para causar desastres e atrocidades já resultou em muito empilhamento de corpos devido a ditaduras sangrentas. Os seres humanos tem direito às suas crenças irracionais, desde que elas não impactem terceiros. Com os esquerdistas funcionais é exatamente o oposto: todas as crenças irracionais que eles possuem impactam de maneira adversa os demais, inclusive eles próprios.

O Poeta Ateu não entendeu absolutamente nada do livro A Esquerda Caviar, de Rodrigo Constantino, e se sentiu ofendido. Em resposta, disse que nunca comeu caviar, mas apenas sardinha em lata e polenta com feijão.

Ele não percebeu, no entanto, que o livro de Constantino jamais disse que todos os esquerdistas pertencem à esquerda caviar, o que, no meu léxico, é o mesmo que esquerdismo beneficiário. Na verdade, apenas uma elite dos esquerdistas (os mais espertos) são os beneficiários.

O restante é composto de funcionais, também conhecidos como idiotas úteis. Eles vivem para dar poder e fartura aos seus beneficiários, que são, na verdade, os machos-alfa da tribo. O esquerdismo funcional é, portanto, o estágio mais baixo que um ser humano pode alcançar, pois tem conhecimento para fugir de tal subserviência abjeta.

Quando o Poeta Ateu brada contra o livro de Constantino, não é capaz de perceber que nem de longe ele arranha a demonstração feita pelo autor. Não há como ele negar que vários esquerdistas são, na verdade, espertos que se aproveitam de sua ingenuidade. Na verdade, é para isso que o esquerdismo foi criado: para que pessoas mais espertas se aproveitassem da ingenuidade de idiotas úteis. O mais ridículo vem quando o Poeta Ateu diz viver uma vida de humildade para negar a existência destes mais espertos do que ele. Pelo contrário: a vida de humildade do Poeta Ateu prova o quão mais espertos são os esquerdistas beneficiários em comparação a ele.

O esquerdista funcional só tem um direito e nada mais: acreditar, de verdade, nas utopias socialistas. Ele não vai ganhar nada com isso, a não ser trabalho militante em prol dos socialistas mais espertos. Estes mais espertos são uma minoria. São os esquerdistas beneficiários que enriquecem às custas de benefícios obtidos a partir do uso do estado inchado para fins particulares.

O Poeta Ateu não tem direito a esses benefícios, pois não é esperto o suficiente. Ele só tem direito a sardinha em lata e polenta com arroz mesmo. Esquerdismo beneficiário não é para quem quer. É para quem pode.

Anúncios

26 COMMENTS

  1. Esse Poeta Ateu não pode ser sério, simplesmente não pode!!!!!

    Ele disse que não gosta de caviar pq é comida de burguês?!?!?! A luta de classes afetou até o paladar dele?!?!!

    Esse cara é doente se estiver falando serio ou comediante se estiver satirizando a esquerda.

  2. De todos os críticos do Olavo o Poeta Ateu é o único que tem alguma serventia. Porque é impossível assistir aos vídeos desse cidadão sem soltar sonoras gargalhadas.

  3. O Poeta (sic) Ateu, seria mais sincero se dissesse:

    Sim, sou de esquerda…e tenho meia banda de bunda em cada lado da cara.
    O sujeito já pagou tanto boquete para os comunas alphas, que a buchecha não volta mais ao estado original.

    ps: Poeta ateu continua chatiadíssimo com Olavo….kkkkkkkk.

  4. Esse Poeta Ateu é um brincante, só pode, não sei por que mas seu biotipo lembra o Capilé, rsrsrsrsrsrsrs.
    Certamente ele é um funcional, pois como pode estar a margem das mudanças a tanto tempo e continuar comendo sardinha, e feijão com polenta, não que sejam uma refeição digna, mas pelo baixo custo é associada aos menos favorecidos. Triste a justificativa desse cidadão. Imagino ele como um grande empreendedor viesse a ter sucesso em seus negócios, será que o mesmo iria compartilhar suas riquezas com os demais “cumpanheros” ….?.

  5. Vejam ai excelente hangout (youtube) do Lobão, Rodrigo Constantino e Bene Barbosa.

    Vai abaixo o link do post do Constantino na Veja e o link do hangout no youtube.

    ————————————————–
    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/democracia/hangout-com-lobao-e-bene-barbosa/
    ————————————————–

    ————————————————–
    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=mCnPNdMaoW4
    ————————————————–

  6. “O esquerdismo funcional é, portanto, o estágio mais baixo que um ser humano pode alcançar,[…]”

    Né não, Luciano, ainda tem aquele do ‘marxismo chimpanzé’.

    O caso dos beagles já demonstrou que é possível criar luta de classes entre-espécies. Qualquer dia desses é intra-espécies… Onde é que isso vai parar…

    Cadê o Tarzan nessa hora pra botar ordem na casa?

    ÔÔÔÔÔÔÔ…!!!

    —–

    PS: eu não consigo olhar pra este senhor e não lembrar do Capílé.
    Rssss

    É isso!, o POÊTATEU é o Pablo Capilé que voltou no tempo pra avisar a humanidade que o socialismo precisa ser destruído antes que destrua o mundo inteiro pela estupidificação virótica que foi criada nos laboratórios da ONU e do Foro de São Paulo…

    Só que tem que não.

    Houve um imprevisto na missão.

    A máquina do tempo em que ele voltou pra salvar a humanidade foi fabricada na China, emperrou na reentrada quântica e causou-lhe um dos efeitos colaterais previstos nessa situação: a AMNÉSIA seguida de lembranças fugazes da época de militância ideológica.

    Agora lá no futuro terão que seguir com o plano B e mandar o outro voluntário pra esse tempo de novo pra tentar dar uma marretada na cabeça do primeiro (a única forma de trazê-lo à sã consciência). Mas esse já avisou: só volto no tempo se for num De Lorean fabricado no antigo sistema capitalista dos EUA.

    “HÁ ÉPOCAS QUE JÁ NÃO PODEM MAIS SER SATIRIZADAS, POIS SÃO SATÍRICAS EM SI MESMAS; A PIADA TORNA-SE INDISCERNÍVEL DA REALIDADE”

    Mas de qualquer forma quem disse que não dá pra se divertir- um pouquinho- nesse ‘planeta-prisão’?!

  7. Punheteu é como o “Gollum” de LoTR: Usa e abusa de sua aparência para suscitar pena, mas te esfaquearia pelas costas se tivesse a oportunidade.

    Vide ele desejando um câncer para o Olavo. Mas né, a vida parece que já “zoou” ele o suficiente, tem até um vídeo onde ele diz que a família da esposa o odeia.

  8. Sapientiam Autem Non Vincit Malitia

    Ridendo Castigat Mores

    ————————————————-
    Vale apena LER de novo.
    ————————————————-

    ————————————————-
    http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/outros/14678-difamacao-pura.html
    ————————————————-

    Difamação pura

    Escrito por Olavo de Carvalho | 11 Novembro 2013
    Media Watch – Outros

    [Em qualquer país decente, a direita e a esquerda repartem mais ou menos equitativamente os meios de difusão. No Brasil, quando a direita salta dos dois por cento para os cinco por cento, já é o alarma geral, em tons sinistros de quem anuncia um golpe de Estado. ]

    Meu artigo “Nem um pouquinho” veio com um erro: o colunista Rodrigo Constantino não entrou na Folha, mas noGlobo e na Veja. Quem foi para a Folha junto com o Reinaldo Azevedo foi o Demétrio Magnoli. Qualquer que seja o caso, a observação que fiz sobre as reações indignadas dos mandarins da esquerda foi exata, apenas incompleta. Esqueci de enfatizar que essas reações não se voltavam contra isto ou aquilo que os articulistas tivessem escrito, mas contra a sua simples presença na mídia. Não se tratava de refutar opiniões, mas de cortar cabeças.

    Também deixei de observar que os apelos à guilhotina não vieram todos de fora, mas alguns apareceram nos próprios jornais onde os novos colunistas estreavam. Nunca, nunca, em toda a história da mídia brasileira, se viu uma pressão coletiva de jornalistas pela expulsão de algum colega socialista ou comunista da redação de qualquer jornal, estação de rádio ou canal de TV.

    A solidariedade de classe entre os jornalistas brasileiros é só para os comunistas e seus companheiros de viagem. Até os direitistas correm para protegê-los, como se viu tantas vezes no tempo dos militares. Mas o infeliz liberal ou conservador, pego em flagrante delito de escrever artigos para a grande mídia, não tem perdão. É abandonado até pelos seus correligionários.

    É verdade que os jornalistas da direita vêm ganhando algum espaço, mas no Brasil a esquerda está tão acostumada a mandar sozinha na mídia, que se escandaliza e espuma de raiva com isso. Em qualquer país decente, a direita e a esquerda repartem mais ou menos equitativamente os meios de difusão. No Brasil, quando a direita salta dos dois por cento para os cinco por cento, já é o alarma geral, em tons sinistros de quem anuncia um golpe de Estado. Um dos indignados, o indefectível Paulo Moreira Leite, mente como um vendedor de terrenos submarinos ao dizer: “Quem estava no centro foi para a direita. Quem estava à direita foi para a extrema-direita.” Constantino, Azevedo e Magnoli, desde que estrearam como colunistas, não mudaram de convicções em absolutamente nada. Foram os censores esquerdistas, como o próprio Moreira Leite, que, estreitando cada vez mais a área do direitismo permitido na mídia, passaram a rotular simples liberais de “extremistas de direita”, tentando criminalizá-los. Moreira Leite confunde maquiavelicamente a régua com o objeto medido.

    Mais obsceno ainda é Antonio Prata, da própria Folha, que, imaginando fazer sátira, escreve: “Como todos sabem, vivemos num totalitarismo de esquerda. A rubra súcia domina o governo, as universidades, a mídia, a cúpula da CBF e a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, na Câmara” – uma descrição bem exata e literal do estado de coisas. Tanto que vários leitores levaram a afirmativa a sério e a aplaudiram. O autor teve de avisar, “ex post facto”, que pretendera fazer piada. No meu tempo de ginásio, quem quer que ignorasse que não se satiriza a verdade tiraria zero de redação. Mas, para expulsar os liberais e conservadores da mídia, vale até um colunista se expor ao ridículo. Tudo pela causa.

    Voltando ao sr. Moreira Leite, sei que é inútil tentar levar alguém como ele a um debate sério, mas, para dar aos leitores uma idéia de quanto o uso atual do rótulo de “extrema direita” na mídia é abusivo, notem esta distinção, que toda a ciência política do mundo confirma: a diferença de esquerda e extrema esquerda é de graus e de meios, a de direita e extrema direita é de natureza, de fins e de valores.

    O esquerdista torna-se extremista quando quer realizar, por meios revolucionários e violentos, o mesmo que a esquerda moderada busca fazer devagar e pacificamente: a expansão do controle estatal na economia, visando à debilitação e, no fim, à extinção da propriedade privada dos meios de produção.

    Totalmente diversa é a relação entre direita e extrema direita. Ser de direita, ou liberal, é ser a favor da economia de mercado, das liberdades civis e da democracia constitucional (a versão conservadora defende essas mesmísimas políticas, mas o faz em nome da tradição judaico-cristã, que para o liberal não significa grande coisa). Se por extrema direita se entende aquilo que o vocabulário corrente e a esquerda em especial designam por esse nome, isto é, o fascismo e o nazismo, o fato que estou assinalando salta aos olhos da maneira mais clara e inequívoca: ser de extrema direita não é querer mais economia de mercado, mais liberdades civis, mais democracia constitucional — é querer acabar com essas três coisas em nome da ordem, da disciplina, da autoridade do Estado, às vezes em nome do anticomunismo, do combate à criminalidade ou de qualquer outro motivo. Não houve um só governo conhecido como de extrema direita que não fizesse exatamente isso. A conclusão é óbvia: passar da esquerda à extrema esquerda é somente uma intensificação de grau na busca de fins e valores que permanecem idênticos em essência. Passar da direita à “extrema direita” é mudar de fins e valores, é renegar o que se acreditava e, em nome de alguma urgência real ou fictícia, empunhar a bandeira do que se odiava, se desprezava e se temia. Constantino, Azevedo, Magnoli não fizeram isso. São odiados precisamente porque defendem o que sempre defenderam. Por isso o único meio de difamá-los é trocá-los de classificação, alistá-los à força no exército dos seus inimigos, identificá-los com tudo o que abominam e combatem.

    Eis aí por que uma frase como a do sr. Paulo Moreira Leite – “passaram da direita à extrema direita” – é um expediente difamatório apenas, não uma afirmação séria, pensada, digna de um intelecto respeitável.

    Publicado no Diário do Comércio.

  9. Vale apena LER de novo.

    ————————————————-
    http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/14679-os-anticapitalistas-estao-contra-nos.html
    ————————————————-

    Os anticapitalistas estão contra nós

    Escrito por Bruno Garschagen | 11 Novembro 2013
    Artigos – Cultura

    [É um erro muito comum supor que o anticapitalista é um interlocutor intelectualmente honesto.]

    Defender o capitalismo é tarefa inglória. Por várias razões. Primeiro, porque as várias interpretações equivocadas e aplicações inadequadas do termo acabaram por dividi-lo numa expressão pluridimensional. Assim, temos o capitalismo de livre mercado, o capitalismo marxista, o capitalismo de Estado, o capitalismo de compadres etc.

    Se Marx não foi o criador nem o primeiro a usar o termo, foi quem lhe atribuiu, no célebre O Capital, o sentido negativo mundialmente reconhecido e utilizado, e opôs de forma hábil a distinção entre capitalista e trabalhador. Converteu o empresário, o dono do capital, numa entidade diabólica que age para explorar a mão de obra do oprimido trabalhador.

    Diante dessa carga simbólica infame, defender o capitalismo de livre mercado é entrar num debate no qual o anticapitalista entra tentando direcioná-lo contra o seu defensor, que mesmo antes de expor uma defesa conceitual, substantiva e material, com dados empíricos a sustentar a teoria, precisa previamente se defender das acusações pessoais de odiar os pobres e os beagles, e elencar justificativas (que o interlocutor nem sequer considerará) sobre o que o capitalismo não é. O crítico pretende conduzir o debate em sua zona de conforto, e assim ignorar estrategicamente o que diz o defensor do capitalismo de livre mercado.

    É um erro muito comum supor que o anticapitalista é um interlocutor intelectualmente honesto. A ingênua boa-fé do defensor do capitalismo é utilizada pelo seu crítico como uma fraqueza a ser explorada; como um macete para atingir a cabeça do inimigo ideológico. E assim o “debate” se converte numa doutrinação e num instrumento de sedução dos incautos em busca de utopias perdidas.

    Não é uma coincidência o fato de muitos anticapitalistas serem intelectuais e/ou indivíduos que cons­troem suas vidas fugindo da realidade. Essa fuga, justamente o vínculo entre ambos, é alicerçada numa teoria utópica (geralmente socialista ou comunista) que a estrutura, legitima e que pavimenta a construção idealizada de uma realidade abstrata na qual o mundo concreto e as pessoas reais não são o que eles veem, mas o que gostariam de ver, como bem apontou o economista americano Thomas Sowell em seu excelente Os Intelectuais e a Sociedade (p. 182-184).

    Com a sua peculiar definição de capitalismo, esses ideólogos militantes, muitas vezes disfarçados de professores, atribuem todos os males sociais, políticos e econômicos do mundo a um sistema que, ao contrário da imagem caricatural de estar a serviço das grandes corporações, bancos etc., é, na verdade, formado por todos nós que atuamos na iniciativa privada, do pipoqueiro ao megaempresário. Um sistema que, a despeito da representação ficcional, tem suas virtudes e vicissitudes, e que foi capaz de permitir que as pessoas pudessem se alimentar, empreender, prosperar, ter tempo para o lazer, ter acesso a produtos e a confortos inimagináveis séculos atrás.

    Sempre que um anticapitalista exibir o arsenal de equívocos contra o capitalismo, tenha a certeza de que o prejudicado com a alternativa política e econômica que defende não será ele nem os seus companheiros de ideologia e/ou de partido.

    Publicado no jornal Gazeta do Povo.

    Bruno Garschagen é mestre em Ciência Política e Relações Internacionais e podcaster do Instituto Ludwig von Mises Brasil.
    ————————————————-

  10. Ridendo Castigat Mores

    Vale apena LER de Novo,
    ————————————————-
    https://joselitomuller.wordpress.com/2013/10/04/teoria-marxista-homem-vende-buraco-no-quintal-de-casa-por-500-mil-reais/
    ————————————————-

    Teoria marxista: Homem vende buraco no quintal de casa por 500 mil reais

    O buraco mais caro do mundo. Uma inusitada transação comercial chamou a atenção da imprensa na manhã de hoje: o pedreiro Waldir Walter Walério Willian Wallace, de 35 anos, vendeu um buraco que cavou no quintal de sua casa por 500 mil reais.
    O comprador da, digamos, mercadoria, foi o economista e professor da Universidade Federal de Pirópolis, José Jaime Jaspion da Silva.
    José Jaime, que se declara marxista, se disse muito satisfeito com a aquisição e justificou o preço: “Marx ensina que o trabalho humano agrega valor às coisas. Waldir passou anos cavando esse buraco, ou seja, a cada dia agregava mais valor-trabalho ao mesmo, o que justifica o montante cobrado.”
    José explica também que “segundo Marx, tudo que se produz tem o valor real mensurado pelo tempo de trabalho socialmente necessário para ser produzido. A pessoa que cavou esse buraco passava em média 8 horas diárias trabalhando na empreitada, o que possibilitou uma valorização gradual da mercadoria.”
    José ainda não sabe o que vai fazer com o buraco, mas revelou que vai narrar a experiência em um artigo acadêmico intitulado: “A teoria do valor-trabalho de Marx é irrefutável.”
    ————————————————-

  11. O que sei é gosto de Pablo Neruda, ateu, e poeta de esquerda. Para não falar de uns tantos outros. Falar de Marx sem ter lido é outra babaquice muito comum nos idiotas de esquerda. Marx devorou tudo o que se fez antes dele, inclusive e principalmente Hegel, que ninguém entendeu. E a Bíblia ídem. Marx pôs fim a muita coisa, inclusive na metafísica, senão na filosofia inteira. Eu não gosto de Marx, nem da esquerda. Mas gosto do socialismo e do mantenedor de Marx, Friedrich Engels. Desse gosto imensamente. E de Geza Vermes, o terceiro do trio. Há grandes poetas de esquerda, cuja única preocupação era a justiça social.

    • “Eu não gosto de Marx, nem da esquerda. Mas gosto do socialismo…”

      Na escolinha do Marx você tiraria 10 em lógica, parabéns.

      PS: Marx é um pseudointelectual comprovado. Sua obra é cheia de elipses que “moldam” a cabeça do leitor, poupando-o de efetivamente esclarecer logicamente os processos que descreve em seu livro. Fora as citações respeitabilíssimas às mulheres, fora as previsões que ele errou, etc.

    • Acabar com a metafisica e com a filosofia “por decreto”, isto é, de maneira puramente retórica, é muito fácil. Tanto isto é verdade, que o mais teimoso troll neo-ateu do Yahoo! Respostas, um tal de Lisandro Hubris, já “destruiu o Cristianismo e a Bíblia” umas `trocentas vezes, no mínimo 😀

    • Marx devorou tudo o que se fez antes dele, inclusive e principalmente Hegel, que ninguém entendeu. E a Bíblia ídem.

      Marx e bíbia são opostos. Uma afirmação típica de quem ou não conhece Marx, ou não conhece a bíblia.

      Marx pôs fim a muita coisa, inclusive na metafísica, senão na filosofia inteira.

      A única coisa que marx pôs fim de forma inequivocamente definitiva, foi à inteligência de quem acredita na besteiras que escreveu.

      Há grandes poetas de esquerda, cuja única preocupação era a justiça social.

      Há grandes poetas de esquerda, pessoas sem talento cuja a única preocupação é enganar outros com jogo de palavras como “justiça social”.

  12. Luciano, seguem duas notícias interessantes:

    1) Mais um daqueles momentos em que os marxistas-humanistas-neoateístas podem perder para si próprios e isso ajudar o combate ao marxismo-humanismo-neoateísmo: viu o Kassab descendo a lenha no Haddad?

    2) Prova de que instrumentos democráticos são convenientes a MHNs quando podem extrair vantagens deles, mas inconvenientes quando não mais conseguem suas hegemonias como conseguiam antes: integrante da ala Movimento PT pede que se acabe com as eleições internas diretas dentro do partido, sendo que as mesmas são tradição históricas da referida agremiação. Preste atenção às alegações que são dadas para que se queira acabar com a eleição direta.

  13. O ”POETA ATEU” vive numa espécie de retiro dos artistas mental da esquerda .. É de uma decadência física e cognitiva que me dão até certa pena do cretino.

  14. Mas que imbecil esse Poeta Ateu, esse não tem jeito, é o claro exemplo de pau entortado pelo comunismo que não endireita mais, mesmo que coloque argumentos lógicos e racionais em frente a seus olhos…esse é um verdadeiro Zumbi do Apocalipse…

  15. Eu ainda acho que a notícia de Joselito Müller é verdadeira e esse cara é um troll. Me custa acreditar que ele é real, mesmo já tendo visto muita coisa nessa vida.

Deixe uma resposta