Sobre as leis de censura à mídia na Argentina, basta deixar a extrema-esquerda discursar… que eles se entregam

11
93

Austria Bolivia

O texto Argentina e os ganhos da liberdade de expressão foi publicado no blog de extrema-esquerda Opera Mundi, que ficou conhecido por nós após os ataques enlouquecidos de seu editor Breno Altman a Olavo de Carvalho (cujo revide retirou todo o restinho de dignidade que Altman pudesse possuir).

Basicamente, o discurso é o mesmo embaralhar e tornar a dar costumeiro com base em manipulações semânticas, como, por exemplo, dizer que os planos de censura à mídia são “democratização da mídia”. não passa do mesmo recurso usado pelo Ministério da Verdade em 1984, de Orwell, “liberdade é escravidão”.

Alguns pontos, no entanto, são bem divertidos, especialmente aqueles nos quais eles entregam o ouro:

Está no ar na Argentina o primeiro canal de televisão indígena do país. É o Wall Kintun (“olhar em volta” no idioma Mapuche) dirigido e operado pela comunidade de povos originários da região de Bariloche.

Espere. O que impedia antes que esses povos indígenas da região de Bariloche pudesse ter um canal antes? O fato de ninguém querer assisti-los? Aliás, qual a audiência do canal atual? Por que sempre a mídia de extrema-esquerda omite esses dados? Aliás, dar um canal para que ninguém o assista não é o desperdício de dinheiro estatal em prol de algum movimento social aparelhado? Note que o colunista começa se orgulhando daquilo que devia envergonhá-lo.

Dezenas de prefeituras, universidades e escolas também receberam autorização para utilizar frequências de rádio e TV. Há mais de 500 solicitações para a instalação de rádios de baixa potência em zonas de grande vulnerabilidade social. Essa nova realidade argentina deve-se a implantação da lei de Serviços de Comunicação Audiovisual, conhecida como Lei de Meios, que acaba de completar quatros anos de vigência.  Promulgada em outubro de 2009, vem revolucionando o setor audiovisual.

Ué, mas que revolução é essa? Simplesmente não passa da disponibilização de conteúdo que antes não atraía a atenção da indústria privada e agora é distribuído por meios estatais. A distribuição é feita para prefeituras, universidades e escolas por quais critérios? Obviamente, temos critérios de alinhamento com o aparelho estatal. Sim, ao que parece a tal Lei de Meios é uma revolução… bolivariana. Até agora, na própria confissão de Laurindo Lalo Leal Filho (o autor do texto do Opera Mundi), tudo não passa de censura que nem se digna a usar disfarce.

Com toda a lei em vigor um mesmo empresário não poderá mais controlar canais de TVs abertas e fechadas ao mesmo tempo e o sinal de uma empresa de TV por não poderá chegar a mais de 24 localidades nem superar o limite de 35% do total de assinantes. Tudo para diversificar a oferta desses serviços.

Bem, ao que parece tirar canais de uma emissora que produz conteúdo para o público, pelas leis de mercado, para dar canais a grupos indígenas, movimentos sociais aparelhados, sindicatos e prefeituras não é bem uma diversificação. Basicamente, são canais para que quase ninguém assista, onde somas enormes de dinheiro estatal podem ser enfiadas, em um jogo onde apenas o governo Kirchner ganha. Enquanto isso é tirado o direito de arena de uma mídia opositora, mas, em contrapartida, o público recebe conteúdo que jamais seria interessante às empresas privadas. E por que não seria interessante? Por que, é claro, ninguém quer assistir… Ao que parece o cidadão argentino vai continuar assistindo às finais de campeonato entre River Plate e Boca Juniors, e não dar a mínima para programas mostrando sacrifícios de animais em tribos nativas.

Trata-se de uma política destinada a ampliar a liberdade de expressão dando voz aos setores da sociedade emudecidos pela força dos monopólios.

Espere. Quais “setores da sociedade” estavam emudecidos? Fãs de Memento Mori? Leitores de John Gray? É claro que os tais “setores da sociedade emudecidos” não passam de sindicatos, grupos estilo MST e black blocs da vida. É, realmente, a Argentina está jogando toda a lixeira socialista possível na mídia…

Com a lei em vigor ocorreu uma explosão criativa no país ampliando as vozes com acesso aos meios de comunicação eletrônicos. Os números revelam não apenas o aumento da diversidade de ideias circulando como indicam uma grande expansão no mercado de trabalho e um avanço nas conquistas tecnológicas.

Como se mede a “explosão criativa”? Na maior chance de conquista de um Oscar de filme estrangeiro? Se os “números revelam o aumento da diversidade de ideias”, quais números são esses? Qual “expansão de mercado de trabalho”? Quais “avanços nas conquistas tecnológicas”? Para quem fala que os “números revelam”, não se vê número algum para provar as teses de Laurindo. Chega a ser cômico.

Mas calma lá… eis que surgem uns números logo abaixo. E que não tem nada a ver com o que Laurindo alegou:

Foram concedidas 814 licenças para operação de emissoras de rádio, TV aberta e TV paga. Dessas 53 de TV e 53 de rádio FM destinaram-se às universidades e 152 para emissoras de rádio instaladas em escolas primárias e secundárias.

Ok, e qual a taxa de audiência dessas emissoras? Nota-se que na hora de mostrar os números que mais interessam, só ouvimos o som do grilo. Ademais, se forem universidades públicas, temos apenas aparelhamento estatal em torno de ideias para ajudar o próprio governo. Isto é, a lei de mídia mostra-se totalitária e anti-pluralista.

Enquanto aqui o número de operadoras de TV a cabo é reduzido, dominado por grandes conglomerados internacionais, na Argentina graças à lei, esses serviços já são oferecidos por 45 cooperativas, com 2.800 horas diárias de programação própria.  Para tanto foram realizados 50 cursos de capacitação e criados, segundo a autoridade que regula o audiovisual, cerca de cem mil postos de trabalho.

Criação de empregos segundo a “autoridade que regula o audiovisual” só pode ser gozação. Mas enfim, na ótica do autor, quantidade é qualidade. Mas e quanto à satisfação dos interesses da audiência? Essas 2.800 horas diárias de programação revertem-se em que tipo de audiência? Por enquanto, tudo demonstra sintomas de programação fornecida de graça pelo governo para a militância…

A TV digital aberta cobre 82,5% do país com 31 canais. Para que todos tenham acesso a ela foram doados ao público um milhão e 200 mil decodificadores. Ao mesmo tempo criou-se um banco de conteúdos audiovisuais, com mais de 5 mil horas de produções destinadas aos canais não comerciais.

Calma lá! Muita calma nessa hora. Foram “doados ao público um milhão e 200 mil decodificadores”. Quem doou? O Espírito Santo? Ademais, se existem 5 mil horas de produções destinadas aos canais não comerciais, então quem paga esta conta? É, eu digo que a vida do investigador de discurso esquerdista deve ser atenta: uma hora a extrema-esquerda se entrega. É evidente que temos inchaço estatal por via de uma lei ditatorial.

O silêncio da mídia brasileira sobre esses dados reflete-se também no meio acadêmico onde o caso argentino é ignorado, apesar da Lei de Meios ter sido constituída com ampla participação de docentes e pesquisadores que deram a ela forte embasamento teórico.

Docentes e pesquisadores acadêmicos? Para quem não é tonto, isso tem um nome: estratégia gramsciana. Baseia-se em doutrinar acadêmicos, especialmente de humanas, para o uso do máximo possível de mídia para propagar mais lavagem cerebral em marxismo. Deixe-me adivinhar: a maior parte desses acadêmicos são de humanas, certo?

Sem esquecer a ação política dos docentes argentinos que, em 2009, saíram às ruas para apoiar a aprovação da lei.

Replay de mais uma evidência da estratégia gramsciana e nada mais que isso.

A inserção da academia nos projetos de democratização da comunicação acaba de ganhar uma importante referência simbólica. A Faculdade de Jornalismo da Universidade de La Plata outorgou ao presidente da Bolívia, Evo Morales, o título de professor honorário da nova cátedra livre denominada “Por uma comunicação social pela emancipação da América Latina”.

A coisa vai mal, muito mal, quando dão o título de professor honorário para um imbecil como Evo Morales. Aliás, mais um país ditatorial. Por que não estou surpreso?

Na homenagem, Morales lembrou o papel da rádio Soberania, criada pelos trabalhadores da região em que ele vivia quando era sindicalista para se contrapor a única emissora então existente, controlada pelos Estados Unidos. Hoje a Soberania integra uma das várias redes comunitárias que cobrem a Bolívia.

As tais emissoras que recebem canais por doação do governo, ao que parece, usam o mesmo truque de sempre: demonizar os Estados Unidos, fingirem-se de vítimas, e afirmarem lutar contra o “demônio ianque”. É a mesma farofa de sempre.

Vozes antes caladas, como as dos Mapuche, de Bariloche, essas emissoras bolivianas agora “educam e informam, mas também dizem a verdade e contribuem para a liberação dos povos”, frisou Morales ao se tornar professor honorário na Argentina.

Quem ainda não percebeu o fedor do tradicional discurso socialista de dizer que existia um povo oprimido que agora está sendo “liberto” por ação estatal? Tudo isso, é claro, endossado por Morales, o tal “professor emérito” de uma das escolas que ganham concessão estatal e financiamento para propagar ideias socialistas.

Não há por onde fugir: o Opera Mundi nos prova, com sua crônica empolgada (até demais, tanto que confessaram o que não deviam confessar), que toda a lei de meios implementada na Argentina não passa do uso de concessões públicas para fazer lavagem cerebral socialista, de forma a ajudar o partido que está no poder.

Minorias como grupos indígenas, movimentos LGBT, movimentos raciais e afins são utilizados como massa de manobra por políticos socialistas no afã de incharem o estado. Nada mais esperado que o governo faça barganha torrando dinheiro público para distribuir canais de graça a grupos que se aliem a ele.

Claro que muitos poucos assistirão esses canais. Por exemplo: Quem assistiria um canal do MST no Brasil? Ou mesmo quem assistiria um canal do Black Bloc? Ou mesmo um canal fornecido ao Ghiraldelli para ele nos encher de empulhações de socialismo dissimulado? Mas, no fim, a audiência não importa tanto.

O que importa é a barganha onde o governo dá dinheiro e espaço de mídia aos seus aliados, podendo torrar dinheiro público nesse sentido. O uso do dinheiro público para distribuição de concessões públicas para aliados, que também receberão financiamento, não passa de censura, pois o governo tem o poder de dizer quais grupos recebem as concessões, e quais farão parte do aparelho estatal. Isto é, a lei de mídia não passa da montagem de um esquema de mídia em favor do governo de forma a silenciar a dissidência.

É assim que a extrema-esquerda consegue implementar os mecanismos mais abjetos de censura enquanto declaram estar “democratizando a mídia”. E, enquanto isso, ditadores como Evo Morales recebem homenagens para rir na cara de uma multidão de tontos argentinos. Eis que finalmente a Argentina se tornou uma republiqueta. E tudo isso não é uma constatação minha, mas uma confissão do próprio Laurindo, que escorregou diante de sua empolgação ao ver o governo de Kirchner controlar a mídia.

É por isso que eu digo que os melhores textos para investigarmos a extrema-esquerda são aqueles nos quais eles comemoram suas vitórias. Não raro eles cometem atos falhos onde deixam escapar seus crimes morais.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. “Os números revelam não apenas o aumento da diversidade de ideias circulando como indicam uma grande expansão no mercado de trabalho e um avanço nas conquistas tecnológicas.”
    E não mostra NENHUM número que revele essas coisas citadas. Típico de retardados mentais.

    Alias, só um retardado mental pra cair nesse discurso de que a democratização da mídia requer
    a proibição de empresas de terem muitos meios de comunicação.
    A mídia já é a coisa mais democrática que existe, cada cidadão tem em mãos um controle remoto,
    que lhe permite trocar de canal quando quiser e quantas vezes quiser!!!
    E pode comprar só os jornais/revistas que quiser, se quiser!!!
    Se preferem uma emissora/empresa, então essa preferência é simplesmente o resultado natural da democracia!

    Sei que esse argumento não vai entrar na cabeças dos esquerdistas, pois são retardados mentais,
    mas talvez convença alguém em busca da verdade.

    Na cabeça do esquerdista só existe democracia quando TODOS são OBRIGADOS, PELA FORÇA, à fazerem o que eles querem.

  2. O pior é que: de uma forma ou de outra, a “grande mídia” ( Rádio e TV) se tornou, ou está se tornando, um setor minoritário das comunicações, frente à internet. Tanto é que a força maior do PT no Brasil está nos blogs regados a dinheiro público, lacaios do governo (e por conseguinte, do Chero Cocales e da Bitchner).

    E aí vem o que? Lei de regulamentação da internet. “Democratizar” um meio que JÁ É POR NATUREZA democrático, já que é IMPOSSÍVEL impedir a criação de novos sites, e sua divulgação na web. Há os sites de oposição, há os sites do governo, cada um é livre para ler o que quiser.

    Quem reflete a respeito disso, sabe o quão mentirosa é essa proposta, o quão óbvio que é uma censura disfarçada.

    By the way, ainda estou tentando entender o que os Estados Unidos ganham em controlar uma rede de televisão na Bolívia.

  3. E quando um canal tiver audiência baixíssimas e não tiver capacidade de atrair telespectadores a fim de garantir o anuncio de empresas em horários comercais para obterem o lucro que cobrirá o salário do pessoal responsável pelo canal bem como todos os custos de produção quem vai pagar a conta?

  4. Anteontem mesmo, um cara até simpático , me veio com esse discurso surrado do “monopólio da rede Globo”. Acuma? E o SBT, Band, Rcord, fora as outras que só dão traço de audiência, incluída aí a famigerada TB Brasil, criada por MEDIDA PROVISÓRIA!
    Resposta dele:
    – Ah, mas a Globo tem 80% da audiência!
    Por quê será?

    – Que tal tentar fazer uma programação que as pessoas QUEIRAM ASSISTIR?

    E tem mais, esse negocio de 80 por cento de audiencia foi ha muito tempo atras, mas nao tao antigo quanto o pensamente desse bando de canalhas ou inocentes uteis.
    Desculpe a falta de acentos.

  5. Já é um absurdo gastar tanto dinheiro do contribuinte nessa palhaçada. Pior ainda é limitar a atuação de outros ‘empresários’, de modo que a programação produzida por suas empresas não alcance todo o território argentino. Estão tirando dos hermanos a opção de escolha.

  6. “Ao mesmo tempo criou-se um banco de conteúdos audiovisuais, com mais de 5 mil horas de produções destinadas aos canais não comerciais.”

    Essa frase com o sujeito indeterminado – criou-se – é de matar. Quem criou? Com que objetivo? Imaginem o tipo de conteúdo criado, o tempo e o dinheiro gasto na criação e as mentes iluminadas envolvidas nela. Não, não serão os índios de Bariloche que vão ter voz na canal que lhes foi “concedido”, serão os socialistas. Os índios, dentre tantos outros, serão apenas a massa de manobra.

  7. Luciano, não vais falar algo sobre a reintegração de posse da USP realizada nesta terça? Desta vez os marxistas-humanistas-neoateístas foram mais espertos que a polícia e tinham vigias fora do prédio que avisaram a hora de ralar peito, fazendo a cana encontrar o prédio vazio, ainda que tenham detido dois que disseram ter tomado porrada
    Desta vez o cenário de guerra encontrado foi bem pior do que da outra ocasião e dizem que inclusive equipamentos foram roubados, fora o tanto de pichações que vimos desta vez, camisinhas espalhadas no chão e outras coisas, a ponto de a universidade ter considerado a coisa toda como barbárie. Seguem mais links sobre o assunto:

    http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/11/policia-acompanha-reintegracao-de-posse-na-usp.html

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/11/1370137-tropa-de-choque-retira-estudantes-da-reitoria-da-usp-dois-sao-detidos.shtml

    É preciso prestar atenção na história toda, pois invasões de reitoria na USP costumam ser laboratório para novas estratégias. A estratégia do Passe Livre de começar com R$ 0,20 e depois dizer que não é só isso é espelho do que ocorreu em 2011 na última invasão da reitoria, em que começaram falando que era pelos estudantes detidos com maconha e depois falaram que não mais era isso e por lá ficaram acampados até serem retirados pela força policial (estratégia que repetiram agora e não deu certo). Por ora, o que sabemos é que isso faz parte do processo de tentar desestabilizar o governo Alckmin, algo que muito interessa ao PT para o ano que vem.
    Talvez a polícia pudesse começar a “envelopar” a reitoria assim que houvesse a invasão, de maneira a não permitir a saída de quem a invadiu se não para a cela, ou então a reitoria chamar um destacamento de maneira preventiva sempre que se reunissem (para evitar o dantesco espetáculo de marretas e placas de trânsito sendo usadas para arrombar o prédio. Ou então a reitoria poderia mudar para um ponto fora da Cidade Universitária, ainda mais que agora são dois campi em São Paulo e uma descentralização viria bem.

  8. Deu pra ver que a tal “democratização da mídia” é igual o bolsa família: Um osso que depois qa ue está na boca do cachorro, vai ser dificil tirar. Melhor não deixar acontecer.
    Por outro lado, no documentário “O Poder e a Mídia” (se não me engano é esse o nome), eles mencionam que Ceacescu detonou o entretenimento na TV estatal romena imediatamente antes de ser derrubado e fuzilado.
    Tomara que isso sirva para irritar mais os argentinos.

  9. É isso que dá votar em Índio porque é índio, motorista porque é motorista, torneiro porque é torneiro, terrorista porque é terrorista, negro porque é negro, etc, etc, etc.

Deixe uma resposta