Petistas com a testosterona em baixa: Eduardo Guimarães e a choradeira por causa das sentenças do Mensalão

8
63

peixe-beta-600x330

O ano era 1994. Brasil e Itália disputavam a final da Copa do Mundo no Estádio Rose Bowl, em Pasadena, Estados Unidos, país sede do certame. Após um modorrento jogo sem gols, uma disputa de pênaltis. Muitos brasileiros vibraram quando o atacante italiano Roberto Baggio perdeu o pênalti decisivo, dando a vitória ao Brasil por 3×2. Era o quarto título mundial do Brasil.

Enquanto o Brasil vencia, a ciência também marcava um golaço, decifrando o enigma do torcedor de futebol. Era descoberto como funcionava o processo vicário nos seres humanos. Em dois bares, vários torcedores, tanto italianos quanto brasileiros, tiveram sua taxa de testosterona medida por cientistas antes e após a partida. Após a vitória do Brasil, confirmou-se que o nível de testosterona dos torcedores brasileiros aumentou, e o dos torcedores italianos diminuiu.

O estudo já refletia pesquisas anteriores feitas com peixes brigões. Em um destes experimentos foram usados três aquários. O primeiro continha os peixes A e B, que brigariam entre si. Os outros dois aquários continham um cardume em cada, sendo os cardumes do peixe A e do peixe B. Em outras palavras, o cardume do peixe A torceria para o peixe A e o cardume do peixe B torceria para o peixe B. Tanto antes como depois da briga, todos os peixes tiveram medição de seu nível de testosterona. O peixe A, que venceu a briga, teve seu nível de testosterona aumentado, enquanto o peixe B, que perdeu, teve diminuição. O mesmo fenômeno ocorreu com os respectivos cardumes. O nível de testosterona médio dos peixes do cardume A subiu, enquanto o dos peixes do cardume B diminuiu.

Tanto o estudo envolvendo os peixes brigões e as torcidas do Brasil e da Itália na Copa de 1994 foram abordados como dois dentre muitos estudos sobre o processo vicário no livro The Secret Lives of Sports Fans, de Eric Simons.

E o que isso tem a ver com o comportamento dos petistas após a notícia de que os mensaleiros vão de fato para a cadeia? Tudo, pois os adeptos da extrema-esquerda torcem para seus líderes da mesma forma que muitos torcedores de futebol idolatram seus times. Eles simplesmente são tão vítimas do processo vicário como é aquele torcedor fanático do Flamengo ou do Corinthians que chega com aquele sorriso no trabalho quando seu time vence, e fica mortificado quando perde.

Os mais divertido de tudo é ver como eles se entristecem nas derrotas, tornando-se mais vulneráveis. Como exemplo, no caso do PT, quando eles assistem seus líderes a beira de irem para a prisão.

Eduardo Guimarães, um petista retinto, escreveu um texto grotesco e vergonhoso, na linha dos textos de reclamação feitos por um torcedor de futebol quando seu time perde. O título é Preto, Pobre, Prostituta e Petista. Guimarães atinge píncaros de irracionalidade e chororô. Quem assiste de fora talvez nem fosse dar tanta bola se os mequetrefes do PT fossem inocentados. Estou entre esses. Por isso, só fiz assistir a tudo de camarote e achando ridículo todo esse dramalhão dos esquerdistas funcionais do PT.

Avaliemos o texto:

O Brasil amanheceu pior do que ontem. A partir de agora, torna-se oficial o que, até então, era uma tenebrosa possibilidade: cidadãos brasileiros estão sendo privados de suas liberdades individuais apenas pelas ideologias político-partidárias que acalentam.

Bom, realmente a Itália amanheceu pior um dia após o jogo em que Baggio perdeu o pênalti, em comparação com o início do dia anterior. Mas isso só quer dizer que Guimarães está se sentindo mal por que os machos alfa que ele cultua perderam. Eles devem estar com a testosterona baixa. E Guimarães também, pelo processo vicário.

Ademais: quem disse que a condenação foi “apenas pelas ideologias político-partidárias” dos condenados? Se fosse assim, o PT, partido que está no poder há 11 anos, teria muitos políticos presos. Já que, segundo Guimarães, o critério é “ideologia político-partidária”. Como se vê, assim como os torcedores de futebol chorando quando os seus times perdem, Guimarães é só coração mas nenhuma razão.

Na foto que ilustra este texto, o leitor pode conferir o único patrimônio de um político que foi condenado pelos crimes de “corrupção ativa e formação de quadrilha” pelo Supremo Tribunal Federal em 9 de outubro de 2012.

A foto está aqui:

mansao_genoino

Calma lá, calma lá… pois irracionalidade tem limite até para torcedor fanático. Realmente, a casa de Genoíno é humilde, mas o sujeito é deputado há muito tempo. O salário de deputado é bem polpudo e os benefícios recebidos são dignos de executivos de grandes empresas. Ou seja, ele mora nessa casa apenas por que quer. E isso não serve como prova de inocência de corrupção.

Junto com ele, outros políticos ou militantes políticos filiados ao Partido dos Trabalhadores, todos com evoluções patrimoniais modestas diante dos cargos que ocupavam na política.

Ué, mas se “todos” possuem evoluções patrimoniais modestas diante dos “cargos que ocupavam” na política, então por que Guimarães mostrou apenas o caso de Genoíno? Será que é por que os outros não tiveram evoluções patrimoniais tão “modestas” quanto ele alegou? Ademais, se as evoluções patrimoniais alegadas por Guimarães são “modestas” em relação aos cargos que os políticos petistas ocupavam, qual deveria ser a evolução patrimonial? Como se vê, texto de fanático petista é sempre assim: um desapego completo à apresentação de evidências.

José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha e Henrique Pizzolato tiveram suas prisões decretadas com base em condenações por uma Corte na qual, ao longo de sua existência secular, jamais políticos de tal importância foram condenados.

Essa é a famosa falácia ad antiquitatem. Algo como: “Sempre foi assim, então o certo é ser assim”. Traduzindo o que Guimarães diz: “Se nunca políticos importantes foram condenados, então não podem ser”. Pois é, torcedor irracional realmente não se preocupa muito com a lógica…

Infelizmente, a única condenação a pena de prisão que aquela Corte promulgou contra um grupo político foi construída em cima de uma farsa gigantesca, denunciada até por adversários políticos dos condenados, como, por exemplo, o jurista Ives Gandra Martins, que, apesar de suas divergências com o PT, reconheceu que não houve provas para condenar José Dirceu, ou como o formulador da teoria usada para condenar os réus do mensalão, o alemão Claus Roxin, que condenou o uso que o STF fez de sua revisão da teoria do Domínio do Fato.

Há um problema muito sério na alegação sobre Gandra acima. Como podemos ver abaixo, o próprio Gandra confessou ser amigo de Dirceu. Assim, mesmo que Gandra seja conservador, é um amigo em defesa do outro. Se nos basearmos na defesa de amigos, ninguém iria para cadeia em situação alguma:

evidencia_gandra

Quanto a suposta declaração de Roxin, na verdade o que ele disse foi o seguinte: “A pessoa que ocupa a posição no topo de uma organização tem também que ter comandado esse fato, emitido uma ordem. Isso seria um mau uso.” Isso não serve para definir que a teoria do domínio do fato não era aplicável a José Dirceu e seus amigos líderes do PT. Na verdade, as provas são abundantes tanto da culpa destes líderes como de um fato inegável: seria impossível que tais ações de membros do PT ocorressem sem a liderança de José Dirceu pois o Mensalão era uma ação estratégica do partido, e não apenas um evento isolado. José Dirceu não poderia ser considerado culpado pela teoria do domínio do fato, por exemplo, se existisse um desvio de verbas dentro de seu partido. Pois isso, independente de sua posição hierárquica, poderia ser feito às suas costas. Mas é totalmente diferente, por exemplo, do Mensalão. Assim como é impossível hoje em dia que o PT tente censurar a mídia sem a anuência de Rui Falcão. Enfim, a teoria do domínio do fato foi muito bem utilizada pelo STF.

Dirceu e Genoino foram condenados por “formação de quadrilha” e “corrupção ativa” apesar de o primeiro ter estado infinitamente mais distante dos fatos que geraram o “escândalo do mensalão” do que estão Geraldo Alckmin e José Serra dos escândalos Alston e Siemens, por exemplo.

Não é verdade. Não há evidências de que no escândalo Alston e Siemens exista um benefício direto para o PSDB, ou para a liderança do PSDB, e nem evidências de que este benefício faz parte de uma ação estratégica do PSDB. O caso deve ser investigado e seus culpados punidos, mas não temos algo tão grave como no Mensalão. Motivo: a compra de votos a partir do Mensalão era uma ação estratégica do PT. E para quem entende de estratégia organizacional, não existe ação estratégica (alinhada aos objetivos da organização) que não seja encabeçada pelos seus líderes.

Por que Dirceu “tinha que saber” das irregularidades enquanto que Alckmin e Serra não são nem citados pelo Ministério Público, pela Justiça e pela mídia como tendo responsabilidade direta sobre os governos nos quais os escândalos supracitados ocorreram?

Eita coração de torcedor! Irracional como sempre, Guimarães falha em todas as suas comparações. Ter responsabilidade em um governo não torna alguém culpado por atos de corrupção ocorridos durante o governo, a não ser que estes atos estejam ligados a estes políticos. Além do mais, ele só poderia tratar a questão Alston/Siemens com Alckmin como tratou se associasse Mensalão com Lula diretamente. Aí, ele teria que usar o seguinte silogismo: “Se há ato de corrupção durante a gestão de um presidente, governador ou prefeito, este se torna o culpado do ato”. Mas a coisa é bem diferente: temos a punição contra os líderes do PT por que eles exerceram um ato de corrupção para beneficiar o seu partido e a manutenção de poder deste partido. Quem mais ganhou com o Mensalão foi o PT. Não faz sentido compará-lo com atos de corrupção onde os partidos no poder acabam sendo prejudicados.

Isso está acontecendo em um país em que um governador como Marconi Perillo, do PSDB, envolveu-se até o pescoço com um criminoso do porte de Carlinhos Cachoeira, foi gravado em relações promíscuas com esse criminoso e nem acusado foi pelo Ministério Público.

O caso de Marconi Perillo é condenável, mas nem de longe é um caso de corrupção tão grave quanto o do Mensalão. Uma coisa é desviar dinheiro público, ou receber financiamento de alguém corrupto. Ambos crimes condenáveis, geralmente com perda de mandato. Outra coisa é usar dinheiro público para comprar votos e solapar a democracia! Se o petista não percebe a gravidade por trás do crime do Mensalão é sinal de que possui uma falha grave de caráter.

Já entrou para o imaginário popular, portanto, que, neste país, cadeia é só para pretos, pobres, prostitutas e, a partir de agora, petistas.

Guimarães está delirando tanto (realmente sua testosterona deve ter caído a zero) que acha que sua nova expressão “caiu no imaginário popular”. Ele provavelmente nem sabe que para algo cair no “imaginário popular” leva muito tempo. Não é algo que se declara em um dia para ocorrer no dia seguinte.

Além do mais, se um petista tentar se fingir de vítima tanto quanto se “fosse um preto, pobre ou prostituta”, vai ser vítima de mais chacota ainda. Mas torcedores de futebol realmente não percebem o quanto são ridículos às vezes em suas empolgações ou frustrações. Só alguém de fora para perceber isso mesmo.

Ademais, o truque de dizer que “só é preso neste país quem for preto, pobre ou prostituta” geralmente é usado para esconder crimes. Por exemplo, um sujeito dá um tiro em alguém e calha de ser pobre, dizendo: “Só me prendem por que sou pobre”. Se esse truque já é facilmente ridicularizável, imagine alguém, ao ser preso por corrupção, dizendo: “Só me prendem por que sou petista”. Ei, Guimarães, tem certeza que quer jogar isso no “imaginário popular” mesmo?

A condenação de alguém a perder a liberdade por suas convicções políticas, porém, é mais grave. É característica das ditaduras, pois a desigualdade da Justiça com os outros três pês deriva de falta de recursos para se defender, não de retaliação a um ideário.

Atenção, muita atenção: o parágrafo acima foi escrito por um sujeito que pensa dia e noite em censurar a mídia para ajudar o PT. Ver um sujeito desses acusando os outros de “adeptos de ditaduras” é no mínimo um recorde de inversão da realidade.

Agora, pois, é oficial: você vive em um país em que se deve ter medo de professar e exercer suas verdadeiras convicções políticas, pois sabe-se que elas expõem a retaliações ditatoriais como as que levarão para cadeia homens cuja culpa jamais foi provada.

E, para provar que Guimarães não acertou em nada do que escreveu, temos o exemplo dele próprio. Ele tem a mesma convicção política que José Dirceu e José Genoíno. Aliás, os dois citados são os machos-alfa que ele segue. E, mesmo assim, ele não irá para a cadeia por crer em ou defender coisas como ditadura do proletariado, culto ao estado, leis de censura a mídia, coletivismos exacerbados e afins.

É claro que vamos ridicularizá-lo por suas argumentações patéticas e tresloucadas, mas isso não é motivo para levá-lo para a cadeia.

Guimarães não passa de um sujeito enlouquecido de ódio por que seu time perdeu, ops, por que os machos-alfa que ele segue vão para a cadeia. Ele está simplesmente sem direção, se fingindo se vítima. Não é diferente de um palmeirense, irritado por seu time ir para a zona de rebaixamento, que começa a gritar coisas como “só não me dão a promoção por que sou palmeirense” ou “só prejudicam o Palmeiras, pois sempre há conspiração para nos derrubar”.

Ao Guimarães: “Aprenda a ter um pouco de senso de ridículo. Tu já passou a idade de fazer esse papelão”. Pensando bem, melhor deixar pra lá.

Em situação de maior vulnerabilidade que o normal, com a testosterona baixa, os petistas estão irritadiços e escrevendo mais bobagens que o esperado. Pode ser uma ideia darmos corda para eles e ver onde isso vai dar. Quem sabe não podemos fazer uma compilação das melhores dramatizações e encenações de vitimismo descabidas nessa fase pós-Mensalão?

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Prezado Luciano.

    Ridendo Castigat Mores.

    Vai ai uma matéria interessante e instrutiva do nosso caro Reinaldo Azevedo.

    Link e íntegra.

    ——————–
    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/ditaduras-tem-presos-politicos-as-democracias-tem-e-politicos-presos/
    ——————–

    Reinaldo Azevedo

    Análises políticas em um dos blogs mais acessados do Brasil

    15/11/2013

    Ditaduras têm “presos políticos”; as democracias têm é “políticos presos”!

    Os esquerdistas de Banânia, incluindo o PT, desmoralizaram, pelo caminho da carnavalização do crime comum, alguns dos emblemas, mitos, ícones, totens — escolham aí — do esquerdismo mundo e história afora. Nos tempos em que a América Latina era quase toda governada por ditaduras militares, havia os chamados “presos políticos”. Entre eles, com efeito, havia democratas, liberais, defensores da liberdade, homens que lutavam apenas por um regime de liberdades públicas. Os tiranos e tiranetes não os distinguiam dos defensores de outra tirania, o comunismo. Prendiam e arrebentavam todo mundo. Nota: não era para prender ninguém — não por crime de opinião. Não era para arrebentar ninguém, sob qualquer pretexto.

    Hoje, nesta mesma América Latina, em que não há mais ditaduras militares ditas “de direita”, ainda existem presos políticos; ainda existem presos de opinião; ainda se arrebentam pessoas por causa daquilo que pensam: em Cuba, na Venezuela, na Bolívia, no Equador, na Nicarágua… OS ÚNICOS PAÍSES QUE HOJE PRENDEM PESSOAS EM RAZÃO DE SUAS OPINIÕES OU DE SUA MILITÂNCIA POLÍTICA NO CONTINENTE SÃO OS GOVERNADOS PELAS ESQUERDAS. Nota: todos esses governos pertencem a partidos e grupos abrigados sob o guarda-chuva do Foro de São Paulo, criado por Fidel Castro e Lula. O Parlamento da Venezuela, comandado por bolivarianos, acaba de conferir poderes formais de ditador a Nicolás Maduro — a esta altura, ninguém mais naquele país duvida de que seja, além de ditador, maluco. Adiante.

    A rede petralha na Internet — nas redes sociais e nos blogs e sites sujos, financiados por estatais — passou a tratar os condenados do mensalão, olhem o escândalo!, como “presos políticos”. Aliás, aqueles delinquentes que saem quebrando tudo por aí, quando detidos, também assim se classificam. Errado! Preso político há em Cuba! Preso político há na Venezuela! Preso político há na Bolívia! O que o Brasil passou a ter, com Natan Donadon e, agora, com a leva de mensaleiros, é outra coisa: POLÍTICOS PRESOS.

    Se é próprio da ditadura ter “presos políticos”, ter “políticos presos” — de acordo com leis democráticas — é coisa típica das democracias. José Dirceu, Delúbio Soares e outros não vão experimentar as instalações da Papuda porque o Brasil vive um regime de exceção, discricionário. Ao contrário: quem os manda para lá são as leis democraticamente pactuadas, guiadas por uma Constituição que resultou da vontade popular, expressa por intermédio do voto. Há, sim, muito por fazer nesse terreno. O emaranhado recursal no Brasil é escandalosamente procrastinador e ineficiente. Não deixa de ser um absurdo que as primeiras punições, no caso do mensalão, só comecem a acontecer mais de oito anos depois de Roberto Jefferson ter denunciado o esquema — denúncia que se provou mais do que verdadeira. Ainda assim, são as leis que temos — e o regime democrático nos oferece os instrumentos para mudar o que tem de ser mudado. Não é fácil, não é simples, mas é possível.

    Podem esperar. Dirceu, por exemplo, tem menos uma vida do que uma mitologia. Estimulará as correntes do PT a fazer caravanas de oração ideológica à Papuda. Até posso antever alguns medalhões da República a visitá-lo, para conferir à sua condenação ares, sim, de prisão política, como se ele lá não estivesse por causa de um crime comum: corrupção ativa — e, a depender do resultado dos embargos infringentes, formação de quadrilha. Só não será um criminoso como centenas de outros por causa de seu pedigree ideológico.

    O julgamento, como escrevo na coluna da Folha desta sexta, ainda não acabou. Os embargos infringentes estão chegando. É neles que está o busílis. O que se quer mesmo é inocentar José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares do crime de formação de quadrilha. Trata-se de uma arquitetura penal-intelectual. Ora, se não houve quadrilha, não houve, então uma articulação entre os criminosos, e o mensalão, como esquema, não existiu — tese conhecida no petismo. Se não existiu, então se vai tentar a revisão criminal para livrá-los também do crime de corrupção ativa.

    Há muita coisa pela frente. Só não se esqueçam disto: a Papuda vai receber alguns ilustres políticos presos. Nas democracias, não há presos políticos.

    Por Reinaldo Azevedo
    ——————–

    Abraços Luciano. Continue com seu excelente trabalho.

  2. off topic
    Por falar em hormônios…
    http://www.ur.umich.edu/0304/July19_04/23.shtml
    FILMES podem alterar nossos níveis de testosterona.
    Com certeza o princípio é o mesmo do torcedor que vê seu time ganhar 🙂
    Pois é, você que achava que sua coleção de filmes dos anos oitenta era inútil, não é não 🙂
    Com certeza também, não é por acaso que o marxismo cultural tem feito os ‘heróis’ dos filmes de hoje, da era Obama, cada vez mais afeminados e inseguros.

  3. Mais uma bijeção pra tua coleção
    (até rimou, vixe!)
    Essa de afirmar (ou dar a entender) que os cardumes de peixes “torcem” para os respectivos machos-alfa é uma baita duma extrapolação (sentido ORIGINAL deste termo) baseada num pré-conceito “biologista”. É tanto uma viagem-na-maionese quanto uma safadeza descarada, comparável ao delírio do Mario Quintana que, ao praticar a técnica da leitura mental nos peixinhos de aquário, descobriu que eles também acreditavam em Deus ¬¬ Explicar tudo através da economia = explicar tudo através do sexo = explicar tudo através de Darwin = EPIC FAIL, pô.
    Agora, eu queria só ver a cara desses cientistas de meio-período ao verem que os resultados desse experimento poderiam ser repetidos em condições *ainda mais rigorosas* — com os aquários dos cardumes situados a milhares de kilômetros dos espécimens brigões, isolados eletromagneticamente em gaiolas de Faraday, e sem a possível interferência da proximidade de presença humana 😉 Pois é, Luciano, você ainda gosta do que há de pior em James Randi e Carl Sagan, não adianta negar 😛

  4. Luciano
    Não sei como seu blog entrou no meu aparelho já que não o conhecia. Leio o blog Cidadania porque divirto-me muito em saber como anda a argumentação de petistas direitófobos como o Eduardo.
    Este blogueiro mente com uma desfaçatez corajosa. Você deve ter lido um post onde ele coloca no chinelo um ricaça num supermercado. Dentre várias potocas, a mais hilária é aquela em que o motorista da madame espera-a no estacionamento.
    Mas, falando sério, gostei do teu português e a maneira como argumenta. Coloquei teu blog na barra de favoritos.
    Mas chamo sua atenção para isso; não vale a pena perder tempo com um cara como Eduardo Guimarães. Trata-se de um blogueiro com primário e o fato de você criticá-lo só o envaidece.

Deixe uma resposta