Quebrando o falso dilema preferido pela esquerda para proteger criminosos: “Ou prende ou dá estudo”

21
134

blumenews - pm ladrao de notebook

Para evitar punir criminosos violentos, esquerdistas apelam a uma miríade de rotinas. Algumas delas eu já tratei por aqui, como:

Quem quer que já tenha lido conteúdo escrito ou falado por esquerdistas retintos na questão do crime, já viu essas rotinas empilhadas. O problema é que todas elas são mais falsas que a sensualidade da Hortência no antigo ensaio para a Playboy.

Seja lá como for, alguns deles conseguem emocionar a patuleia, que acha que existe alguma racionalidade na “troca” entre dar educação aos criminosos ou prendê-los. Como já mostrei, isso não passa de uma falácia do falso dilema, onde damos duas opções para um dilema, quando (a) existem mais do que essas duas opções, (b) não existe de fato um dilema entre essas opções.

Mas, hoje em dia, com o advento das novas tecnologias, essa falácia não tem mais motivos para prosperar. Isso por que, em termos de e-learning, o criminoso poderá ser OBRIGADO a assistir aulas enquanto está preso.

Claro que alguns trabalhos forçados fariam bem, e, no período noturno eles deveriam assistir cursos e-learning em notebooks que seriam disponibilizados dentro das celas. Com tanta obrigação (e ainda lição de casa para fazer), quem sabe eles não ficam tão cansados que deixariam de estuprar uns aos outros nas celas? Sem esquecermos de um ditado seminal: “cabeça vazia é oficina do capeta”.

Aqueles que quebrassem seus notebooks poderiam ir para a solitária, mas, depois de uns dois ou três meses nas trevas, poderiam voltar para seus cursinhos. E em trabalhos braçais mais pesados.

Algumas dessas aulas poderiam ser ao vivo, com os professores ensinando a partir de uma sala em outra cidade, estado ou até país, e, a partir de seus notebooks conectados à rede, os presidiários poderiam assistir às exposições de conteúdo. Pensando bem, dar aula para criminosos, a partir de aulas ao vivo (e a distância), é muito mais seguro para professores do que irem dar aula presencial na maioria das escolas públicas que temos por aí.

Todos os problemas estariam resolvidos, pois os criminosos assistindo aulas durante todas suas penas estariam impossibilitados de praticarem crimes violentos.

Esquerdistas poderiam surgir com objeções: “mas as prisões são universidades do crime”. Ora, mas isso se resolve colocando todos para estudar. A dedicação dos alunos pode ser avaliada.

O que importa é que não existe mais desculpa para que um esquerdista queira livrar o criminoso de ir para a cadeia com a desculpa de que “ao invés de prendê-lo, devemos dar a educação a ele”. Com essa proposta (plenamemente viável e baratíssima para os dias de hoje – se duvida vá ver o preço de notebooks na Santa Ifigênia, e ainda devemos considerar o conteúdo já usado para outras instâncias de E-learning, tornando as aulas praticamente gratuitas), podemos retrucar: “precisamos que o bandido seja preso, para que possamos educá-lo”.

Claro que diante dessa proposta, intrinsecamente racional e feita para estimular o diálogo sadio, espera-se que os esquerdistas fiquem com vontade de cometer um crime violento contra mim…

Anúncios

21 COMMENTS

  1. Mas a extrema esquerda e foda.Se vc der uma educacao aos presos,logo vira um Sakamoto dizendo:”Mas como e possivel alguem aprender nessas condicoes?”Como se as escolas publicas brasileiras fossem iguais as Noruega.
    Minha mae mesmo tinha que andar kilometros pra aprender a ler no interior do ES.

  2. Mas quem disse que a educação é a solução para a criminalidade. Aqueles senhores corruptos do congresso, por exemplo, muitos tem ótima formação, inclusive no exterior e cometem crimes do mesmo jeito.

  3. Luciano,

    Excelente tópico e por um lado mostra a fé que os esquerdista tem na educação, como se todo preso se interessasse por isso.

    Existe uma outra rotina esquerdista muito comum e absurda quando se fala em prender criminosos ou na maioridade penal, é mais ou menos assim: “não devemos prender criminosos ou menores de idade, pois isso é ter raiva deles e muitas pessoas ficam com raiva deles, ao invés de tentar compreender”, poderia desmascará-la?

      • Obrigado, Luciano!

        Essa é uma rotina também absurda e é muito usada por humanistas como os do bule voador e adeptos da extrema-esquerda em geral.

        Abraços.

      • Tem também a rotina de utilizarem os índices de criminalidade dos países esquerdistas do norte da Europa com os índices de países “facistas” (como Brasil e EUA) e dizerem que estado inchado e punições brandas são mais efetivos contra a violência que medidas punitivas.

  4. 1) Cabeça vazia é oficina do cabeça — WTF?

    2) Você foi se lembrar justo da Hortência? 😀

    3) Mais um incentivo para a re-educação dos criminosos: «quem não terminar os cursos com média final mínima de 8, terá sua pena de prisão convertida em pena de morte» 😉

    • 1) “Cabeça do mal”? hahaha… Corrigido.
      2) Como esquecer dessa Playboy? Tinha mais maquiagem que Freddy Krueger…
      3) Essa é uma boa inovação para a proposta. 😉 E enquanto isso a esquerda não quer discutir. A esquerda é muito reacionária 🙁

  5. Genial!!!
    “precisamos que o bandido seja preso, para que possamos educá-lo”.

    E se o cara não quiser estudar tudo bem, vai fazer trabalho forçado.

  6. Uma outra rotina (não sei se posso chamar assim) é essa por exemplo de usar uma falsa questão de racismo ou incompreensão pelo infrator não ser responsável pelos seus atos,ao falar isso por exemplo: De acordo com o estudo de criminalística da Polícia civil de São Paulo até outubro de 2011, o perfil do marginal, do infrator, possui em sua maioria entre 20 e 35 anos, pele morena, advindos de classes sociais mais baixas. 52% dos presos de hoje, são por crimes ocasionados por impulsão nervosa, ímpeto momentâneo, como uma briga no bar, um marido que pegou a esposa o traindo, um jogo de futebol, Alcoolismo, discussão por motivo torpe, enfim. 30% dos presos estão envolvidos com tráfico. Os outros 18% são demais crimes.

    Eu pelo menos rebati a questão da pele morena dizendo que no Japão a maioria dos infratores possuem olhos puxados e em países saxônicos a maioria são loiras dos olhos azuis, mas também podemos questionar o que ele quer insinuar com isso, se é racismo prender um infrator por ser negro ou se todo negro é ladrão. Daí reverter e atribuir que ele é quem está sendo preconceituoso.

  7. Muito boa a proposta “a nível de” desmascaramento. Mas sou bem mais malvado.
    Pra ter direito a 2 quentinhas por dia o preso do tipo que tacou fogo, ou mandou tacar numa criancinha de seis anos em São Luís iria usar roupa listrada, bola de ferro no pé, e assentar dormente de estrada de ferro debaixo de sol pelo resto da vida, para melhorar esse tremendo déficit de infra-estrutura do Brasil e, de quebra, aprender o valor do trabalho.

  8. Podia fazer um ‘THE BEST OF’ do ‘mais falso que…’, porque pra definir o comportamento dessa esquerdalha por analogia, HAJA criatividade.
    |¬)

    Mas essa da Hortência foi golpe baixo, Luciano. Pra que lembrar disso? Tava indo tão bem.
    (¬D

    “Trazer à memória aquilo que me dá esperança… Ou arrepios”

  9. Luciano, tudo bem que BBB 14 não tem muito a ver com a temática deste blog, mas ao menos já se sabe em quem devem votar os que combatem o marxismo-humanismo-neoateísmo caso vá para paredão. Sim, exatamente isso: quando temos a impressão de que marxista-humanista-neoateísta faz marxistice-humanistice-neoateistice porque quer aparecer, isto acaba por corroborar a impressão.
    Isso sem contar a Sara Winter tentando participar da edição que está para começar e mandando vídeo… talvez seja aquele lance que o Lobão fala que temos de cortar o hype da coisa.

      • Luciano, mais uma sobre a participante do Big Brother Brasil que foi flagrada subtraindo cães do Instituto Royal: pelo que dizem suas amigas, ela é vegan daquelas que perde o interesse imediato em um homem se o vir comendo bacon bem como não suporta ver cabelo no chão.
        Em relação a recusar um homem por causa daquilo que ele come, não temos qualquer problema e se você olhar os comentários da notícia, tem cara lá dizendo que também perde o interesse em uma mulher se ela tiver silicone e for tatuada, como é o caso da sister em questão. Porém, aqui já ficam flagrantes algumas contradições tipicamente marxistas-humanistas-neoateístas:

        1) Se X-bacon gera perda de interesse dela por um homem, bem como ela não come qualquer derivado animal, de que forma ela alimenta os sete cães e quatro gatos de que é dona? Com rúcula é que não, uma vez que falamos de mamíferos carnívoros (ainda que cães sejam mais tolerantes a vegetais do que gatos). Logo, somos forçados a crer que ela é obrigada a adquirir derivados animais para alimentar os bichos de estimação, uma vez que rações específicas para cada espécie possuem restos de carne, farinha de osso e outras coisas juntadas em pequenos pedaços mastigáveis. Se ela só der salada para os bichos, estarão configurados maus tratos a animais;

        2) Se ela não suporta cabelo no chão, subentende-se também que não deva suportar pelos caninos e felinos no chão, ainda mais que falamos de onze animais. Caso ela suporte pelos animais, que são tão feitos de queratina quanto os nossos, mas não suporte pelos humanos, mais um duplipensar estará configurado;

        3) Por fim, já que ela esteve no Instituto Royal e foi ao mesmo de madrugada assim que soube, é de se perguntar por quantos gatos e cães vira-lata ela passou no trajeto para ir pegar os beagles que se encontravam em São Roque. E por que os que têm de se virar por si mesmos todo santo dia e mestiços o são não tiveram a mesma atenção dela que tiveram aqueles de raça pura e diariamente alimentados e examinados?

        Pois é, meu caro, quem diria que BBB 14 geraria questionamentos que nada têm a ver com aquela alienação que tal programa costuma gerar nos três primeiros meses do ano?

  10. Falando em educação, esse é o programa Biss och Kajs (“Xixi e Cocô,” em sueco).
    Vejam o que o Estado socialista propoe para os filhos nordicos, atraves da tv estatal:

  11. Luciano, vejo que a melhor resposta a estas propostas esquerdistas é uma que você mesmo nos ensinou em outro post, que agora não lembro qual foi:
    Aplicar aos esquerdistas (e somente a eles) as coisas que eles mesmos defendem. Por exemplo: Se uma defensora de criminosos for assaltada ou estuprada, não prenda o bandido.
    Só prenda o bandido se ele cometer crimes contra os de direita.

Deixe uma resposta