E agora, algo um pouco diferente: Carta aberta aos neo-ateus

86
467

meme

A carta  a seguir reflete algo que eu pensava em escrever há muito tempo. Ontem (07/01), no trânsito, narrei o conteúdo no IPhone, e agora ei-lo aqui. Espero que alguns leitores religiosos não fiquem indignados, pois se lerem o conteúdo abaixo com cuidado notarão que eu respeito-os muito e estou do lado deles, se forem conservadores ou liberais. Assim como Luiz Felipe Pondé, acho o cristianismo, tanto como o judaismo, uma tentativa robusta e realista de olhar o ser humano, embora eu não acredite em divindades. Claro que nunca respeitei a Teologia da Libertação, obviamente. Mas o conteúdo aqui não fala de religião X anti-religião, mas de direita X esquerda. É uma abordagem intencionalmente provocadora. Bem, já foquei demais na introdução. A carta aberta abaixo é direcionada especialmente aos neo-ateus, que, em alguns casos, serão desafiados a olhar o seu paradigma de uma maneira muito diferente do que o costumeiro. Aos ateus tradicionais, deístas, teístas e demais, convido-os a ver o que tenho a dizer a eles. 

“Prezados amigos neo-ateus,

Alguns anos já se passaram desde que eu fui considerado um dos piores inimigos de vocês em uma comunidade do Orkut chamada “Contradições do Ateísmo”. Aliás, o início deste blog, em 2009, foi marcado por uma série de refutações à parte ruim do discurso neo-ateu. A seção sobre as rotinas neo-ateístas deixou muita gente irritada.

Na época, eu era um deísta que tinha alguma simpatia pelo teísmo cristão. Em 2011, me tornei um incréu (na verdade voltei a sê-lo, pois no passado eu já havia sido ateu, especialmente por influências de Nietzsche e Schopenhauer), mas não cheguei a me tornar um neo-ateu. Aos poucos, pela ótica da psicologia evolutiva e a dinâmica social, acabei (vejam só) pegando gosto por ler cada vez mais materiais relacionados ao darwinismo aplicado às interações sociais.

O mais irônico de tudo é que abandonei a carreira de refutador do neo-ateísmo. A partir de 2010, e, especialmente após meu retorno em 2011 (depois de um hiato de 7 meses), passei a direcionar meus canhões à refutação da religião política, em especial o esquerdismo. E, para tornar tudo ainda mais divertido, eu faço praticamente uma reconstrução do neo-ateísmo. Em 7 de outubro de 2013, publiquei o texto A dinâmica de Harris, Dennett e Dawkins: como aprender com os neo-ateus na criação de um paradigma de guerra política.

Isso me torna provavelmente um espécime raro no approach ao neo-ateísmo. Sou um irmão de vocês no que diz respeito ao método assertivo de ataque a oponentes políticos, enquanto muito provavelmente vocês não vão gostar de muito do que escrevi em refutação às várias fraudes feitas contra os teístas. Justiça seja feita: eu respeito (e admiro) a postura de luta pelo direito à liberdade de expressão e a luta contra a doutrinação escolar.

Vamos rever então o que eu falei no post que acabei de citar em relação ao que eu apreendi do neo-ateísmo, tomando por base o paradigma de Sam Harris, explicitado principalmente em seu livro A Morte da Fé (de 2004, e que deu o pontapé inicial ao neo-ateísmo):

  1. A crítica a uma crença que considerarmos injustificada e perigosa deve ser assertiva, incisiva e sem medo de praticar a ridicularização e o desmascaramento impiedoso.
  2. Caso a crença seja potencialmente perigosa, devemos avisar os oponentes dessa crença em relação a seu perigo.
  3. Se a crença for facilmente ridicularizável, devemos praticar a ridicularização, de forma a tirar poder político de seus proponentes.
  4. Se os adeptos da crença forem contra nosso direito de ridicularizar esta crença, temos um problema adicional para esta crença, pois isso demonstrará sua tendência absolutista e incapaz de aceitar críticas.
  5. Se provarmos este comportamento absolutista dos adeptos desta crença, então devemos propor formas de que possamos viver nossa vida sem que essa crença nos afete.

Reconheço, inclusive, que na época eu me equivoquei ao definir os neo-ateus como esquerdistas. Na verdade, o movimento é um balaio de gatos, mas todos focados contra a religião. Acertei? Acho que vocês dirão que sim, pois isso bate com o que Richard Dawkins disse em Deus, um Delírio. Fui notando que alguns neo-ateus eram esquerdistas ferrenhos, e outros eram de direita. Michael Shermer, por exemplo, é um libertário.

Vamos a alguns fatos:

  1. Uma larga parte dos conservadores é cristã. Os conservadores representam boa parte da direita.
  2. Uma boa parte dos liberais é ateísta, agnóstica ou deísta. Eles também são de direita. Muitos neo-ateus são liberais.
  3. Outro tanto de neo-ateus é composto de esquerdistas, mas, curiosamente, o foco na busca de uma moral universal (dada por estudos darwinistas ou pela ciência, como quer Sam Harris, embora eu ache frágil a abordagem deste último) incomoda um tanto aos adeptos de coisas como teoria crítica ou dialética negativa. Ou mesmo algumas abordagens baseadas no relativismo moral, que os esquerdistas tanto adoram. Mesmo assim, esquerdistas não gostam da religião cristã, e vão de embalo no deo-ateísmo por isso.

Diante disso, podemos ter tanto neo-ateus de direita como neo-ateus de esquerda.

Caso você pertença a este último grupo, sinto dizer-lhe algo: você ocupa o estágio mais baixo da dignidade humana. Nada é mais desprezível que você. Deixar de acreditar em Deus para cultuar o estado é simplesmente patético. Deixar de acreditar na ressurreição de Cristo para crer em abstrações coletivistas é simplesmente o fim da picada. Ou, como diz a imagem que ilustra este texto, ficar criticando pastores que recebem um dízimo, sem o uso da coerção, mas idolatrar um estado que cobra 40% da renda das pessoas a partir da coerção é simplesmente a demonstração de falhas morais e éticas gravíssimas. O seu discurso para proteger esse tipo de aceitação está fora da esfera do debate racional.

Mas se você é um neo-ateu e direitista, então pode continuar lendo este texto sem problemas. Pois, se você fosse de esquerda, eu não tenho nada para escrever a você, mas somente sobre você.

Antes de tudo, entenda que eu não compartilho de sua rejeição ao cristianismo, embora a respeite. Eu só vejo problemas no cristianismo quando ele interfere em minha liberdade secular. Vocês provavelmente acreditam que o mundo será “salvo” se não existir mais religião tradicional, e eu sei que isso não passa de uma ilusão reconfortante. O mundo nunca será “salvo” enquanto for habitado por humanos. Mas se existir outra espécie mais “avançada”, a coisa pode ainda piorar, por isso é melhor deixar pra lá em termos de ideias de “salvação do mundo”.

O que quero dizer aqui é que a proposta que eu tenho a fazer a vocês não se relaciona ao expertise que vocês adquiriram nas críticas ao cristianismo. O que me importa é ver que vocês pegaram o jeitão da coisa no que diz respeito a fazer parte de uma estratégia política organizada para atacar um grupo definido como oponente político.

Minha proposta, então, é simples até demais: façam o uso desta experiência adquirida, com o uso assertivo de críticas, e agora ataquem um inimigo muito mais perigoso: a religião política.

Assim, se antes vocês criticavam a doutrinação religiosa em salas de aula, agora denunciem com a mesma potencialidade a doutrinação marxista nas escolas. Se antes vocês atacavam crenças que causaram a Inquisição, agora ataquem crenças que causaram os genocídios da Alemanha Nazista, Rússia, China e Cambodja. Se antes vocês atacavam a religião por achar que ela não tolera críticas, agora ataquem uma crença que quer silenciar seus críticos. Se antes vocês atacavam uma religião que recebe dízimos, agora ataquem um sistema de crenças que depende do uso da coerção estatal para receber seus dividendos. Se antes vocês criticavam a religião tradicional por, segundo vocês, causar divisões entre as pessoas, ataquem agora a religião política por criar falsas guerras de classes, com movimentos anti-individualistas como o movimento LGBT, as feministas, etc. Se antes vocês criticavam a religião por causa era medieval, ataquem agora o esquerdismo por querer nos levar de volta às eras tribais. Se antes vocês criticavam a religião por ser usada como sanção moral para a violência (assim como quaisquer palavras virtuosas, como “bem comum” e “justiça”), agora critiquem o esquerdismo por ele ter sido criado única e exclusivamente para promover violência. Eu poderia seguir nessa toada por várias e várias linhas mostrando que há muito mais motivos para lutarmos contra a religião política do que contra a religião tradicional.

Vamos colocar as coisas às claras: em termos de ação política, vocês sabem atuar com a assertividade necessária. O que estou sugerindo é que vocês ataquem o inimigo mais perigoso do momento, e que só pensa a todo momento em totalitarismo. Não tenham falsa modéstia, vocês foram treinados para constranger um oponente político! Eu sei disso tanto por lutar contra vocês (do outro lado), como por reconstruir o seu paradigma tempos depois.

Deixe-me lembrar o que assimilei de Sam Harris, reconstruindo o neo-ateísmo para atingirmos a esquerda: um esquerdista não tem o monopólio da moral, mas uma proficiência da amoralidade. Um sistema moral que defende que crimes podem ser cometidos desde que seus pares estejam convencidos de que a causa justifica os crimes é, em essência, amoral. Um sistema de pensamento que entende não existir uma verdade, a não ser a verdade de classe, é anti-científico e promotor das maiores barbáries.

E o que Richard Dawkins pode nos dizer, de forma reconstruída? Podemos entender que os direitistas precisam sair do armário e deixarem de ter vergonha de serem de direita. Do que devemos nos envergonhar? De lutar pela liberdade de imprensa, liberdade individual, responsabilidade individual e pelas instituições? Que eu saiba, temos que nos orgulhar disso tudo. Dentre nós, existem liberais (que se dividem entre religiosos e não-religiosos), conservadores (muitos deles cristãos, mas até alguns ateus) e alguns libertários. Nós conseguimos discutir nossas divergências de maneira civilizada. Esquerdistas não conseguem fazer isso por causa de sua moral tribal. Esquerdistas promovem brigas entre classes artificiais, criam uma cultura de ódio, defendem coerção estatal excessiva, impunidade a criminosos e diversas monstruosidades nessa linha. Esquerdistas só não possuem vergonha de acreditarem no que acreditam se estiverem fora de seu juízo perfeito ou se estiverem ganhando alguma coisa com isso. O esquerdismo, com certeza, é o delírio mais perigoso.

E que tal Daniel Dennett? Devemos entender o esquerdismo como um fenômeno natural, assim como olhamos para um vício ou uma doença. É um fenômeno que deve ser estudado cientificamente. Se o culto ao estado só serviu para beneficiar os donos de estados inchados, o que faz com que uma legião de esquerdistas sacrifique seus esforços para dar poder a estes burocratas? Qual o cui bono deste tipo de comportamento? Há hipóteses fascinantes que devem ser exploradas, como a submissão à autoridade (no caso a autoridade moral), e também o fenômeno do processo vicário. Assim, o esquerdista funcional não precisa ganhar o poder, basta que aquele para quem ele torce ganhe o poder. É o mesmo fenômeno que explica as torcidas de futebol. O que importa é que não podemos parar de fazer questões que explorem abordagens científicas para as fragilidades humanas (um sub-produto evolutivo?) para entender o que leva seres humanos aparentemente bem intencionados, de início, a aceitarem paradigmas que promovam genocídios e diversas formas de criminalidade.

O que fiz nestes três parágrafos? Com certeza não foi o neo-ateísmo, mas o neo-iluminismo, paradigma que criei baseado na reconstrução do que visualizei com os autores neo-ateus. O verbete Neo-iluminismo e o texto Introdução (até que enfim) ao neo-iluminismo podem ser úteis. Detalhe: pela ótica neo-iluminista, podemos defender a discussão dialética com conservadores, liberais e libertários, já que o foco neo-iluminista é na rejeição e consequente superação do esquerdismo. Não é uma prioridade atacar a religião revelada, pois, hoje em dia, ela praticamente não interfere em nossas liberdades individuais (e lá temos bons aliados contra a esquerda). Já o esquerdismo só faz interferir de maneira perniciosa na vida daqueles que nele não crêem.

Eis a convocação: vamos lutar, sejamos neo-ateus ou neo-iluministas, pela racionalidade, contra a irracionalidade, pela individualidade, contra o coletivismo exacerbado, pela liberdade, contra a tirania, pela civilização, contra a volta às eras tribais, pelos trabalhadores livres, contra a escravidão promovida pelo estado, pelo estado que nos serve, contra a subserviência abjeta ao estado, pelo poder nas mãos do povo, contra o poder dado aos burocratas, pela responsabilidade individual, contra o culto aos criminosos, pela divisão de poderes, contra estados inchados com poder de destruição de seu povo, pelo ceticismo em relação ao estado (para forçá-lo a nos atender melhor, no que for cabível), contra o estatismo irracional e servil, pela busca de uma moral absoluta (seja ela religiosa ou secular), contra o relativismo moral, pela promoção de uma ética útil para a vida em sociedades, contra raciocínios baseados em ideias como “os fins justificam os meios”.

E, de novo eu não os deixarei esquecer: vocês já sabem lutar e já sabem gerar resultados políticos contra um oponente. E quanto a tudo que vocês já fizeram contra a religião revelada, vocês estão moralmente justificados a fazer no mínimo o triplo contra a religião política.

Aqui está o desafio a vocês: estão prontos para corrigir o foco de suas miras políticas para, enfim, causar danos verdadeiros aos esquerdistas?”

Anúncios

86 COMMENTS

  1. A intenção foi muito boa, Luciano. Mas creio que não irá surtir efeito. Todos os ateus militantes que conheço são de esquerda. Existem muitos ateus de direita, mas neo-ateus de direita nunca vi. Até porque o desrespeito à liberdade religiosa vai contra os ideais de liberais, conservadores e libertários. Pelo menos os de boa estirpe.

    • Eu já vi alguns, inclusive fazendo vídeos no Youtube. Daniel Fraga é um deles. O Polemarco antes era um ateu militante, se não me engano. E tem um outro que vi em um vídeo (depois trago aqui) transformando o Marco Civil da Internet em pó.

      Abs,

      LH

    • ser ateu e ser contra religião não implica querer forçar os demais a abandonarem a religião. Eu por exemplo me identifico como libertário (ergo de direita) e sou ateu que lê Dennet, Dawkins e Harris também. Valorizo a família nuclear como a melhor forma (disparada) para se criar as crianças, mas respeito o direito dos demais de discordar também. Ou seja, existem sim neo-ateus de direita, embora reconheço que a maioria de ateus é, infelizmente de esquerda/comunista/socialista.

      • Exato, Daniel, e esta maioria deve ser desafiada, pois não é admissível deixar de acreditar em Deus para passar a acreditar no estado. Aí todo o aparato discursivo pode ser replicado de forma muito mais assertiva contra os esquerdistas do que contra os religiosos tradicionais. Essa é a essencia do meu texto 😉

    • Atenha-se a politica que, nem isso faz bem, mas é o seu campo, deixe este assunto, que pelo visto não sabes nem o que significa, para quem estuda o assunto e faça campanha pelos seus .
      Pois o debate sobre crenças está na “mente dos seres humanos” (esfera filosófica-para quem entende) e não está objetivamente ligado com liberdade religiosa.
      Pois liberdade religiosa sim tem algum cunho politico, legal e social, pois inclusive está nos princípios Constitucionais da CF de 1988 , que é a ligação, no fato de que as pessoas crentes em alguma religião por consequência começam a sentir necessidade de pratica-la externamente e sim tem seu direito adquirido e só acabou.
      Vai fazer campanha política que terás mais resultado…

      • Atenha-se a politica que, nem isso faz bem, mas é o seu campo, deixe este assunto, que pelo visto não sabes nem o que significa, para quem estuda o assunto e faça campanha pelos seus .
        Eu sei tão pouco que é o segundo post em que você tenta dizer o quanto eu não sei e nem conseguiu sair do zero. Quer realmente entrar por essa esfera de desafio? rs. Vai ser muito, mas muito divertido.
        Pois o debate sobre crenças está na “mente dos seres humanos” (esfera filosófica-para quem entende) e não está objetivamente ligado com liberdade religiosa.
        E isso refuta que parte de meu texto?
        Pois liberdade religiosa sim tem algum cunho politico, legal e social, pois inclusive está nos princípios Constitucionais da CF de 1988 , que é a ligação, no fato de que as pessoas crentes em alguma religião por consequência começam a sentir necessidade de pratica-la externamente e sim tem seu direito adquirido e só acabou.
        E isso refuta que parte de meu texto? Você realmente leu o texto?
        Vai fazer campanha política que terás mais resultado…
        O que você está fazendo aqui não é nada mais que campanha política, mas muito fraquinha, por sinal..

  2. Luciano, desculpe o off topic, mas é uma curiosidade que tenho há algum tempo: você já leu Derrida e desconstrucionistas?
    Não sou especialista nisso, está claro, mas creio que seria uma bagagem extremamente válida para esse teu dom de dissecar os argumentos dos adversários.

  3. Prezado LH. Confesso que fiquei triste por saber que optaste por tornar-se incréu (Céus! Há quanto tempo não via esta palavra!). Mas saiba que continuo admirando seu trabalho. Te considero muito inteligente e articulado. Apenas não entre em alguma espiral de rancor. Tinha um cara na internet (me esforcei para lembrar o nome) que mantinha um blog direitista repleto de informações uteis e curiosas sobre o mundo da política. Com o tempo o sujeito parece que surtou e, em suas ultimas postagens, era só ódio contra tudo e contra todos, até que o blog sumiu.

  4. Luciano,

    Parabéns pelo seu texto. Esta irretocável.

    Parabéns também pela atitude de olhar para traz e pontuar os erros, trás mais credibilidade para o que vc escreve.

    Eu mesmo já fiz críticas ao que vc escreve em algumas “pancadarias” pela internet 🙂

    Eu sou agnóstico. Já me enchi o saco de nego ficar querendo empurrar goela a baixo a sua religião, então comecei também a contra-atacar, principalmente o criacionismo.

    Desde que as pessoas guardem a sua religião no seu espaço privado, então não vejo problemas. Cada um que seja feliz no que acredita.

    Mas concordo com vc, de todos os males que a religião pode causar, não chega nem aos pés do esquerdismo. Este sim é um inimigo urgente que deve ser combatido com todas as forças.

    • Pô Icarus,

      “Desde que as pessoas guardem a sua religião no seu espaço privado, então não vejo problemas.[…]”

      Mas não é EXATAMENTE o que TODO esquerdismo (e de TODA aquela gente boa do islam) quer!?

      “[…]Cada um que seja feliz no que acredita.”

      Belo conceito esse de liberdade & tolerância.

      Esse RELATIVISMO MORAL (que limita suas crenças e valores ao perímetro do seu quintal) tb não é TÁTICA das esquerdas pra controlar e limitar a vida dos outros???

      Algumas “questãs” que podem- E DEVEM- ser levantadas:

      1- Como SER FELIZ nessa terra sem poder “FALAR PRO MUNDO” claramente O QUE O ESTÁ deixando feliz??? Sem PODER COMPARTILHAR essa felicidade pra além do muro de casa (uma felicidade que às vezes parece ser até MAIOR QUE O MUNDO)?

      2- Como por EM PRÁTICA aquilo que vc acredita SEM TESTAR suas crenças e convicções na EXPERIÊNCIA COM O MUNDO?

      3- Como vc poder saber que não haverá interesse em saber no que vc acredita, ou na sua felicidade, me EXIMINDO assim de expô-la em público a qualquer curioso que bata no meu portão???

      4- Quem disse que vc não pode mudar de ideia ou de crença numa sociedade livre e CRISTÃ, e que não pode compartilhar da crença alheia, como se crenças e convicções se formassem em bloco e não pudessem se superar, se expandir e até se complementar???

      … E assim vai…

      Eu não quero NEM DE LONGE que alguém OUSE GUARDAR PRA SI sua religião (seja qual for), a não ser se for da VONTADE do indivíduo ou da própria orientação da religião seguida. Ponto. Qualquer coisa ‘pralém’ disso é caminho certo pra ditadura.

      Abs

    • “Desde que as pessoas guardem a sua religião no seu espaço privado, então não vejo problemas.”

      Você é muito bonzinho, religiosos podem construir templos em qualquer lugar ou tem que consultar se não vão ser um incomodo visual para você?

      • Daniel,

        Se alguém disser que religiosos “não podem construir templos onde quiserem, pois isso os ofende” pode ser refutado com a premissa do direito à propriedade e à liberdade individual.

        Toda a minha argumentação dá sustentação à qualquer refutação para manipular o conceito de estado laico.

        O “guardar religião no espaço privado” é moralmente satisfatório quando foca em fazer com que a religião não afete a vida dos que nela não crêem. Exemplo: um religioso pode querer não fazer a eutanásia, mas não pode influenciar a vida daqueles que não são religiosos e querem fazer a eutanásia. Se fizer isso, ele pode ser criticado por influenciar a vida daqueles que não crêem na religião.

        Entendo que esse é o questão da religião no âmbito privado.

        E deveria valer para a religião política tb.

        Abs,

        LH

      • Só que essa “influência” é irreal, não ocorre isso. Nós conservadores acreditamos na sabedoria das espécies como um todo, se nos colocamos contra algo é por uma reflexão sobre opinião geral da humanidade sobre aquele tema e os aspectos morais que estão envolvidos. Leio muita gente “sentindo o golpe” de uma falsa influencia da religião nas suas vidas, que não passa de um truque neo-ateu.

      • Desculpa, Luciano, mas o que vc está defendendo é o mesmo que dizer pro Luciano Ayan que ele deve “guardar” seu ceticismo político, seus estudos sobre dinâmica social e suas crenças ateístas sobre não crer em divindades no seu âmbito privado.

        É oq eu disse: crenças, convicções NÃO PODEM SOBREVIVER sem o confronto com o mundo externo, que o cerca e o influencia também. Esse papo de “guarde pra você” é o que eu só ouço por aí. Isso não deixa de ser AINDA a influência da Rev. Cultural Gramsciana tentando nos convencer de que ‘CONVERCER E SER CONVENCIDO’ é algo negativo, ruim, desnecessário e até um ato de intolerância contra a liberdade de opinião.

        Repetindo:

        Como por EM PRÁTICA aquilo que vc acredita SEM TESTAR suas crenças e convicções na EXPERIÊNCIA DO MUNDO (COM O MUNDO), até pra poder fortalecer suas crenças e convicções seguindo adiante nelas (ou não, desistindo, renegando-as e possibilitando uma mudança de direção na vida, nem que seja por um determinado período ou pra sempre)?

        Esse papo de “guarde pra você” não tá com nada e só fortalece o discurso esquerdista e estabelece a rotina do ‘NÃO CONFRONTE PORQUE DE REPENTE VC PODE MUDAR DE OPINIÃO E ISSO NÃO É ACEITÁVEL.’ |¬)

      • Mas o ceticismo político e a dinâmica social, além do meu ateísmo, SÃO DE ÂMBITO PRIVADO. Longe de mim querer forçar alguém, via ação estatal, a se adequar às minhas crenças e práticas. O que eu posso fazer é, VIA INTERAÇÃO SOCIAL, difundir um conhecimento que entendo ser muito útil para a guerra política, e que SUGIRO que as pessoas testem e AVALIEM resultados.

        Em relação a religião cristã é a mesma coisa. Ela deve ser de foro privado, ou seja, afetar diretamente aqueles que acreditam no cristianismo.

        Isso não implica em que você não possa argumentar EM FAVOR do cristianismo.

        Acho que estamos falando de coisas diferentes quando se pede que as crenças de alguém fiquem em ambito privado AO INVÉS DE NO AMBITO PUBLICO.

        Abs,

        LH

    • Ícarus, se é verdade que a religião é má pelo fato de os religiosos terem se envolvido em guerras (como se ateus jamais tivessem feito coisas piores – Lenin, Stalin, Mao, Pol Pot…) então devemos também considerar que se não fosse a religião, jamais teriamos a escrita, matemática, medicina, astronomia, engenharia, agricultura, pecuária, musica, artes, esportes e etc,etc,etc pois todas estas coisas foram desenvolvida por RELIGIOSOS/CRIACIONISTAS das mais variadas culturas e povos desde tempos imemoriais. Os esquerditas/neoateus, por outro lado, jamis foram capazes de construir qualquer civilização. Antes, eles precisam de uma civilização já existente para nela inserirem seu veneno relativista e subjetivista e assim propagarem sua decadência moral e social. São como virus, que precisam do maquinário de uma célula para se propagarem. Então, ocorre a falência/morte da célula.

  5. Luciano, é deveras válido o teu chamado à responsabilidade para o combate ao esquerdismo.
    Por outro lado a única coisa que se aproveita do Neo ateísmo é a assertividade.
    Os Neo ateus em sua maioria, sendo esquerdistas ou não empilham uma série de fraudes.Mesmo ateus ditos de direita Como Daniel Fraga e Rodrigo Constantino já empilharam uma série de fraudes em sua militância ateista.O conhecimento dessas fraudes foi o que o tornou um ateu diferente deles Luciano ayan. Você mesmo os refutou algumas vezes. Acontece que você admira na religião o que eles DETESTAM. O empilhamento dessas fraudes já é uma característica problemática da moral deles, e significa que a luta deles não se resume a apenas um “desejo sincero de não ser afetado pela crença religiosa”.

    Nisso também devemos considerar, uma questão ainda mais problemática da direita:
    SE conservadores em sua maioria são cristãos, não se pode fazer a afirmação que o restante é ateu.
    Temos dentro da direita que não é conservadora uma série de matizes, sendo os ateus um grupo ainda menor.

    Quero chamar atenção ao fato de existem pessoas de direita que são flagrantemente contra o cristianismo MAIS do que contra o esquerdismo. Esta prerrogativa não pertence somente aos Neo ateus, mas àqueles que seguem religiões pagãs (como os Evolistas), místicas, ocultistas, satanistas e relacionadas à nova Era (que é uma junção tosca de religião, ciência e paganismo, e de acordo com os preceitos do Globalismo), outros ainda mesmo sendo contra a esquerda são adpetos de ideologias modificadas em termos de tamanho ou aceitação do estado, mas que não se alteraram com relação às suas considerações sobre raça e superioridade — E O QUE LIGA ESSES MATIZES É QUE MUITOS DELES SE VENDEM COMO NEO ATEUS – dado o fato de que a revelação de que seguem um ou outro ramo pagão, ocultista ou mesmo anarquista — gera reações adversas em seu público, e isto (o fato de não se revelarem) de acordo com a lógica deles é resultado da “opressão” cristã. Ou seja, muitas vezes PENSAMOS QUE o sujeito é neo ateu, mas eles está apenas fazendo militância neo-atéia, porque ela beneficiará sua crença oculta. Logo nem todo neo-ateu é de fato, Ateu.

    Portanto temos uma direita conservadora, e uma direita (onde a propaganda anti-cristão foi bem sucedida) que é constra o cristianismo tanto quanto o esquerdismo, e esta é razão de sua carta ter relevância. Entretanto não sabemos o que move os neo-ateus de direita, e dada as fraudes intelectuais que muitas vezes eles utilizam, o prognóstico não é animador.
    Para que a luta contra o esquerdismo seja maior que a luta anti-cristã pelo menos em termos políticos, é necessária uma boa dose de honestidade, bom senso e o desejo real, limpo e claro (como a medula de quem não tem meningite) de não ser afetado por uma crença muito “pior” que a religiosa, sendo esta a política. Isso sem contar, que devem se desfazer da lavagem cerebral a que foram submetidos, adotando um ponto de vista cético mais amplo – ponto abordado por você diversas vezes.

    Tenhamos esperança.

    • Pecador,

      “O conhecimento dessas fraudes foi o que o tornou um ateu diferente deles Luciano ayan.”

      Tb confesso que me admirei com isso. Até pelo fato dele deixar de lado suas crenças ateístas sobre não crer em divindades e se FOCAR apenas no CETICISMO POLÍTICO (muito saudável, por sinal… Somos um ‘animal político’ antes de tudo). Ponto pra ele, e pra nós (crentes e não crentes). |¬)

      Mas o fato do Luciano ser uma exceção nesse quadro não muda em nada a realidade desoladora e intrínseca sobre o ateísmo (de n matizes e propósitos) e o elo que ele possui no processo de nossa decadência civilizacional galopante…

      “O empilhamento dessas fraudes já é uma característica problemática da moral deles,[…]”

      Esse empilhamento de fraudes lembremos que NÃO é característica apenas de quem não é religioso; é apenas um caractere humano que “EVOLUIU” com o tempo (a evolução co-habita tb no mal, os evolucionistas tb esquecem disso). A ICAR, por exemplo, teve que enfrentar pilhas de fraudes dentro de casa ao longo de todos esses séculos. Boa parte das fraudes atuais, dessas MITOLOGIAS FALSEADAS à respeito da História da Igreja foi desenvolvida dentro de comunidades religiosas (boa parte delas protestantes, maçônicas e até de católicos tradicionalistas).

      “[…]e significa que a luta deles não se resume a apenas um “desejo sincero de não ser afetado pela crença religiosa”.”

      Eu sinceramente acho IMPOSSÍVEL alguém não se “AFETAR” pela crença religiosa (ou por qualquer outra coisa). É como se o sujeito dissesse que o ar que respira não lhe afeta, o país estrangeiro onde viveu por tantos anos não o afetou…

      “Entretanto não sabemos o que move os neo-ateus de direita, e dada as fraudes intelectuais que muitas vezes eles utilizam, o prognóstico não é animador.”

      Pra mim tá claro: se não é maçôm ou comunista de carteirinha (trabalhando a língua bífida, o ‘bilinguis maledictus’), trata-se de um sujeito muito ignorante e muito presunçoso com relação ao alvo da sua incompreensão e altivez.

      “Isso sem contar, que devem se desfazer da lavagem cerebral a que foram submetidos, adotando um ponto de vista cético mais amplo”

      Ceticismo amplo, sincero e maduro: esse é o antibiótico que destroi a lumbriga ‘ateismices galopantis’.

      “QUE LIGA ESSES MATIZES”

      O que liga todas essas matizes no momento é a existência da Igreja Católica. ;¬)

      Abs

  6. Olá Luciano, fiquei um pouco curiosa sobre o que exatamente (que tipo de leituras) fizeram vc perder a sua fé. Ainda não encontrei provas de que o darwinismo fosse verdadeiro, se puder indicar, tenho interesse, grata.

  7. Apenas para suplementar o contexto.

    Artigo muito esclarecedor publicado no http://midiasemmascara.org


    http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/14826-sexo-e-controle-social.html

    Sexo e controle social

    Escrito por Do livro ‘Libido Dominandi’ | 07 Janeiro 2014
    Artigos – Movimento Revolucionário

    “Assim, um homem bom, mesmo sendo um escravo, é livre; mas um homem mau, mesmo sendo um rei, é um escravo. Pois ele serve, não apenas a um homem, mas, o que é pior, serve a tantos senhores quantos vícios tem.”
    Santo Agostinho, em ‘A Cidade de Deus’.

    Santo Agostinho, escrevendo na época do colapso do império romano, alterou extraordinariamente e encerrou a discussão sobre a idéia de liberdade da Antiguidade. O homem não era escravo pela natureza ou pela lei, como dissera Aristóteles. A liberdade era função do seu estado moral. O homem tinha tantos senhores quantos eram os seus vícios. Este insight proveria a base para a mais sofisticada forma de controle social conhecida pelo homem.

    Quatorze séculos depois, em um mundo ávido por rejeitar o patrimônio intelectual do Ocidente, um aristocrata francês decadente inverteu esta tradição quando escreveu “as pessoas mais livres são aquelas mais dispostas a cometer assassinatos”. Como Santo Agostinho, o Marquês de Sade concordaria que a liberdade era função da moralidade. Entretanto, liberdade, para o Marquês de Sade, significava disposição para rejeitar a lei moral. Diferentemente de Santo Agostinho, Sade propôs uma revolução nas tradições e costumes sexuais para acompanhar a revolução política então em andamento na França. Libido Dominandi – o termo é tirado do Livro I d’A Cidade de Deus de Santo Agostinho – é a história definitiva dessa revolução sexual, de 1773 até hoje.

    Ao contrário do pregado pela versão clássica da revolução sexual, Libido Dominandi mostra como a liberação sexual foi, desce o início, uma forma de controle. A lógica é suficientemente clara: aqueles que queriam liberar o homem da ordem moral precisavam impor controles sociais tão logo tivessem sucesso, pois o instinto sexual livre de regras conduz inevitavelmente à anarquia. Ao longo de duzentos anos, essas técnicas tornaram-se cada vez mais refinadas, resultando em um mundo onde as pessoas seriam controladas, não pela força militar, mas pela hábil manipulação de suas paixões. Aldous Huxley escreveu em seu prefácio para a edição de 1946 de Admirável Mundo Novo que “à medida em que as liberdades política e econômica diminuam, a liberdade sexual tende a aumentar na mesma proporção”. Este livro é sobre esta afirmação. Explica como a retórica da liberdade sexual foi usada para engendrar um sistema de controle político e social dissimulado. Ao longo dos dois séculos cobertos por este livro, o desenvolvimento de tecnologias de comunicação, reprodução e controle físico – incluindo psicoterapia, behaviorismo, propaganda, sensitivity training, pornografia e, no momento decisivo, a chantagem pura e simples – permitiram ao Iluminismo e aos seus herdeiros inverter o insight de Santo Agostinho e converter os vícios humanos em senhores para os homens. Libido Dominandi é a história de como isso aconteceu.

    (O texto acima foi publicado na contra-capa do livro Libido Dominandi: Sexual Liberation & Political Control, de E. Michael Jones.)

    Tradução: Ricardo Hashimoto


    PS.: “Libido Dominandi” = “Vontade de Poder” ou “Volúpia de Poder”.

    Braços.

  8. As verdades a respeito dos SOCIALISTAS COVARDES, FUGITIVOS, TRAIDORES do BRASIL e denominados exilados pela imprensa gramsciana.

    Entre eles o F.H.C. vulgo “Fernandinho Clube de Roma”, e agente do conhecido facínora Giorgi Shwartz, judeu húngaro colaboracionista dos nazistas (que ajudou a matar judeus em troca de privilégios), que depois de todas as patifarias, cometidas em sua vida de verme sórdido e maldito, teve de mudar seu nome para: Jorge Soros.

    A malandragem dos socialistas/comunistas é mato.

    assistam!

    07/01/14 – entrevista do General Leônidas.

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ZhPTwO6CXps

    07/01/14 – General Leônidas dá aula de história.

    http://www.youtube.com/watch?v=tA55FbOY0hU&feature=player_embedded

    Braços.

  9. Luciano, sempre fui curioso em relação a essa sua cosmovisão… É provável que eu esteja interpretando suas palavras errado, mas, se interpretei certo, você é um evolucionista não é mesmo? Bem, sou cristão, obviamente não sou evolucionista(Alguns podem berrar o quanto quiser mas a evolução jamais será compatível com o cristianismo. É fato. Entre Darwin e Cristo, eu escolho seguir e acreditar em Cristo) . Talvez o principal motivo seja por que eu não acho que o darwinismo, ou pelo menos alguns aspectos do mesmo, esteja de acordo com os fatos. Por exemplo, como a lei do mais forte se enquadra no fato de muitos de nós humanos nos preocuparmos com os animais e com os menos favorecidos(leia-se ‘Altruísmo’)? Ademais, pelo que li em Olavo de Carvalho(mas ele pode não estar correto nisso), o darwinismo serviu muito para a formação dos ideais socialistas de Marx. Como você pode ser um darwinista e achá-lo conciliável com seus ideais liberais? Eu sempre achei que o socialismo fosse um verdadeiro alívio para os ateus porque ambos são contra a religião. Mas posso estar errado nisto também. E essa sua tentativo de tentar conciliar os ateus e neo-ateus direitistas com religiosos direitistas parece-me um tanto perigosa. Isso só vai adiar o problema. Lembro-me de que Hitler era ‘amiguinho’ do papa quando começou seu império nazista. Depois que subiu muito no poder, Hitler parece ter se rebelado contra o cristianismo, já que os já tinha usado para atingir seu posto. Quando ateus de direita tentam se conciliar com religiosos de direita, eu fico imaginando como ficaria a situação depois caso os ateus liberais chegassem ao poder, por que quase todos(tipo, uns 99,99%) os ateus que conheço(eu escrevi ‘ateu’ mesmo, sem o ‘neo’) se sentem ‘iluminados’ e mentalmente mais capazes que os religiosos. Como cristão(anarcocapitalista e muito cético também), acho bem provável que os ‘iluminados’ e racionais ateus(sem o ‘neo’) entrassem em pé de guerra com os religiosos, assim como os socialistas fazem. Não acho possível conciliar ateus e religiosos mesmo que seja num mesmo grupo político; uma hora ou outra os dois lados vão se estranhar. E quando isso ocorrer, é provável que o caos continue.

  10. Tem um pessoal pelas redes aí usando o mesmo jargão de “novo iluminismo”, só que defendendo todo o inverso do que voce defende Luciano. Não vou porstar pra não fazer propaganda — só digitar “novo iluminismo” no google.

    Deve ter um outro comentário na caixa de spam.

    • Não deixa de ser bizarro, pois eles dizem que o “novo iluminismo é como o velho iluminismo”. Ora, se é como o velho, então é apenas o velho iluminismo, não o novo.

      É o mesmo que dizer: o novo Honda Civic é o mesmo que o Honda Civic anterior.

      Já ouvi falar dessa outra definição de “novo iluminismo”, que é totalmente nonsense. Bastava chamarem de iluminismo e pronto.

      Abs,

      LH

      • Bastava chamarem de iluminismo e pronto.
        Mas essa é a “beleza” da propaganda. Adicionar o “novo” atrai uma série de pessoas curiosas, mesmo que toda a coisa em si seja um grande mentira.
        Eu já disse aqui que esse pessoal, tem um time de propagandistas por trás.

    • ‘Customização de trapos velhos pra vender como roupa nova.’

      Isso tz funcione num desfile na Sapucaí; como propaganda revolucionária, só dá sono.

  11. O que o neo ateu esquerdista nao percebe e que o dizimista e livre pra parar de dar dinheiro pro pastor quando quiser.Ja o mesmo nao pode se dizer do contribuinte(por exemplo,eu nao posso decidir se vou parar de pagar ou diminuir os impostos qie eu pago).
    O mais engracado de tudo e que o mesmo pessoal neo ateista que chia quando um cidadao contribui sua religiao apoia que uma pessoa possa se prostituir ou fumar um baseado,alegando que se trata de uma escolha pessoal.Mas e a escolha do que,voluntariente,quer controbuir com a religiao tradicional?
    Pro esquerdista que tem moral relativa, e tudo uma qiestao de conveniencia.
    Eu acho que uma pessoa adulta deve ter o direito de escolher caso queora se prostituir ou fumar um baseado.Assim como acho que se aquele trabalhador que rala duro quiser dar 10% do seu pro pastor e problema dele.
    O esquerdista ve o dizimista com maus olhos porque as igrejas nao fazem parte da cartilha marxista pra um estado totalitario.Ja uso de um baseado e a prostituicao(coisas que,como ja disse, deveriam ser liberadas,cada um deve saber o que e melhor pra si) fazem parte da cartilha mesma cartolha marxista que quer por fim as igrejas.Simples assim

  12. Luciano,

    Não sei se você me consideraria um “neo-ateu”… Eu já era ateu antes de os autores “neo-ateus” passarem a ter o destaque atual; nunca li nenhuma das obras deles (só trechos, em citações, em outros textos por aí, ou um ou outro trecho de entrevista), e de forma alguma acredito que o mundo seria “salvo” caso a Religião fosse eliminada…

    Mas, mesmo assim, critico a Religião quando julgo que devo (daí o meu ponto inicial de não saber se você me consideraria um “neo-ateu”)… Costumo afirmar, inclusive, que não respeito religião nenhuma, pois religiões são ideias, e ideias foram feitas para serem refutadas, revistas, incrementadas, aceitas, rejeitadas… Mas nunca respeitadas. Não acho que você chamar uma ideia de “religião” deva dar imunidade a críticas a essa ideia.

    No meu entendimento, tornar uma ideia imune a críticas só porque pessoas se sentem ofendidas com tais críticas acabaria por produzir estagnação científica e cultural. Além do que, quem teria o poder de definir quais ideias poderiam ser criticadas, e quais não poderiam?

    Mas, além de ateu (ou talvez “neo-ateu”), sou, sim, também, um liberal. E, antes que você tivesse escrito este texto, eu já tinha adotado essa postura de criticar também, e principalmente, o esquerdismo.

    E não estou sozinho: a maioria dos ateus (também não sei se eles seriam “neo-ateus”) que conheço é também de direita! E, da mesma forma, criticam (também) o esquerdismo, embora não com tanta veemência… Vou enviar seu texto a eles, para ver se os “animo” a serem críticos mais contumazes!

    Novamente, não tenho nenhum interessem em “proibir as religiões” (se tivesse, não poderia me dizer um liberal)… Mas me reservo, sim, o direito de criticá-las, afinal, vivemos em sociedade, e as crenças dos outros tem impacto em nossas vidas… E o esquerdismo é um exemplo gritante de crença que apresenta grande (e nocivo) impacto!

    Abraços!

    • Mas foi justamente isso que o LH escreveu.O LH tambem(assim como eu) e contra a religiao tradicional se intrometendo no nosso cotidiano.O que ele disse e para os neo ateus de direita usarem a mesma assertividadade que eles usam pra refutar a religiao tradicional no combate a relogiao politica.E pra isso ele cita ate alguns autores neo ateus na arte da refutacao

      • Mas o que faz o esquerdismo ser tão nocivo, não é a crença humanista?
        Acredito que o humanismo é a espinha dorsal de todo movimento de esquerda.
        Porém não vou reclamar se os neo ateus resolverem entrar em conflito com os outros grupos.

      • O que faz o esquerdismo ser tão nocivo é que eles levaram o humanismo ao seu extremo PARA CRIAR sistemas de tomada de poder. O humanismo é uma visão fraudulenta do mundo, mas, por si só, ela não é um moedor de carne como o esquerdismo.

        Entretanto, imagine a seguinte situação (real). Na Segunda Guerra Mundial, americanos juntaram-se aos russos para vencer os nazistas. Na pior das hipóteses, a aliança com os neo-ateus é similar. 😉

      • É assim que você pensa Ayã?
        “Fazemos aliança com os ateus para acabar com o esquerdismo, depois tripudiamos com eles”
        “Fazemos aliança com os russos para acabar com os nazistas, depois os aniquilamos”
        “Fazemos aliança com os judeus para queimar a Biblioteca de Alexandria, depois os chamamos de infiéis e dizimamos com eles”
        Aliás, os nazistas não eram de esquerda? Porque os russos acabaram com eles? Incoerente né Ayã?

      • Suas observações são emocionais.

        Não falei em aliança com os ateus, mas com os NEO-ATEUS. E, depois, não precisamos tripudiar deles (NEO-ATEUS), mas entrar em combates dialéticos para testarmos alegações mútuas. 😉

        Abs,

        LH

  13. A organização do grupo de apóstolos pode ser comparada com o Estado, pois é uma estrutura organizada e que dita regras para quem quer segui-los. E a própria Bíblia mostra esse tipo de ação que é comparável ao socialismo, em Atos:

    “E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns.” Atos 4:32

    “Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido, e o depositavam aos pés dos apóstolos.”
    Atos 4:34

    “E repartia-se a cada um, segundo a necessidade que cada um tinha.”
    Atos 4:35

    • Mathias,

      Olha só o nível de tua confusão: “A organização do grupo de apóstolos pode ser comparada com o Estado, pois é uma estrutura organizada e que dita regras para quem quer segui-los”

      Notou o “quem quer segui-los”?

      É EXATAMENTE O OPOSTO DA COERÇÃO ESTATAL, QUE NÃO PERGUNTA “QUEM QUER PAGAR IMPOSTO”.

      Não tente dizer que sedução e estupro são a mesma coisa, pois não não… 😉

      Abs,

      LH

    • “Estado, pois é uma estrutura organizada e que dita regras para quem quer segui-los”

      Se é organizado e tem regras para os membros é Estado? Que tipo de reducionismo é esse?

      Empresas = Estado
      Entidades sem fins lucrativos = Estado
      Clubes esportivos = Estado

    • E sobre os trechos…
      “Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.”
      Atos 5:4

      A mentira é reprovada, mas fica claro que as doações eram VOLUNTÁRIAS e não regras, doações voluntárias, algumas oriundas de herança, só existem com o reconhecimento da propriedade privada.

      • Me expressei mal quanto a comparar um grupo organizado com Estado. Na verdade, queria comparar a permanência no grupo comparada à permanência no Estado. Se você não quer pagar impostos nesse país, pagará em outro. Não existem países sem impostos, exceto talvez Mônaco ou outro pequeno país. Se quer continuar sendo um membro bem quisto nesse grupo, doarás seus bens, pois as leis/regras aqui são essas. Você pode não doar / não pagar impostos, mas vai arcar com as consequências disso. O papo de que dízimo/doação é/era opcional é balela. A pessoa para ser aceita no grupo/sociedade, tende a caminhar de acordo com as regras. Não estou dizendo que eram regras comunistas, mas socialistas, pelo texto apresentado em Atos, por exemplo. De qualquer maneira, o ponto é que os atos e regras do grupo de Jesus eram muito mais próximos da esquerda do que da direita. Jesus não se enriqueceu primeiro para depois distribuir riqueza. Ele enfrentou o poder existente para disseminar sua palavra – que diriam em tempos de ditadura / poderosos da direita – subversiva.

        Enfim, o papo de associar a esquerda como idólatra de impostos é tão falso quanto dizer que a direita é livre de impostos, taxas e pedágios.

      • Lá vamos nós de novo pq tá dificil aí…,

        Me expressei mal quanto a comparar um grupo organizado com Estado. Na verdade, queria comparar a permanência no grupo comparada à permanência no Estado. Se você não quer pagar impostos nesse país, pagará em outro.

        Mas ainda assim “se todos fazem” isso não torna a ação de pagar impostos OPCIONAL….

        Não existem países sem impostos, exceto talvez Mônaco ou outro pequeno país. Se quer continuar sendo um membro bem quisto nesse grupo, doarás seus bens, pois as leis/regras aqui são essas. Você pode não doar / não pagar impostos, mas vai arcar com as consequências disso. O papo de que dízimo/doação é/era opcional é balela. A pessoa para ser aceita no grupo/sociedade, tende a caminhar de acordo com as regras.

        Putz… que enrolação hein?

        O fato é que ainda assim a pessoa tem a OPÇÃO de entrar ou não no grupo. E a entrada no grupo é uma ação opcional. Já o imposto é aumentado SEM ESSA CONSULTA À PESSOA. Portanto, o imposto é diretamente coercitivo, enquanto o dízimo não é.

        Sua lógica de que “a pessoa pode mudar de país” é irracional até dizer chega, pois qual o motivo para alguém ABANDONAR o país?

        Na verdade para sua analogia ser aceitável, a pessoa poderia optar por NÃO ENTRAR no grupo de pagadores de impostos…

        Não estou dizendo que eram regras comunistas, mas socialistas, pelo texto apresentado em Atos, por exemplo.

        No socialismo, existe coerção, e no texto apresentado em Atos não… É engraçada sua insistência em praticar falsa analogia por aqui. 🙂

        De qualquer maneira, o ponto é que os atos e regras do grupo de Jesus eram muito mais próximos da esquerda do que da direita.

        Era exatamente o oposto da esquerda. E era uma ação de direita, em que a organização VOLUNTÁRIA é privilegiada sobre a organização POR COERÇÃO. 😉

        Jesus não se enriqueceu primeiro para depois distribuir riqueza. Ele enfrentou o poder existente para disseminar sua palavra – que diriam em tempos de ditadura / poderosos da direita – subversiva.

        Se Jesus fosse um líder socialista, ele deveria ter enriquecido, enquanto aqueles que doassem bens para o “estado inchado” do qual ele seria dono ficassem todos à míngua. Isso é socialismo aplicado à risca. 😉

        Nota-se que cristianismo é oposto do socialismo.

        Enfim, o papo de associar a esquerda como idólatra de impostos é tão falso quanto dizer que a direita é livre de impostos, taxas e pedágios.

        Sua idolatria aos impostos é tão grande que você tentou nos enrolar confundindo COERÇÃO ESTATAL com AÇÃO VOLUNTÁRIA. 🙂

        E a direita não é “livre de impostos, taxas e pedágios”, apenas entende que eles devem ser limitados a ponto de que o ESTADO NOS SIRVA, ao invés de SERVIRMOS O ESTADO.

        Abs,

        LH

    • Matias,

      O que derruba definitivamente essa “tese” sobre o esquerdismo de N.S.Jesus Cristo e do seu “socialismo cristão” é até muito simples:

      Qual organização de esquerda que vc conhece que está disposta a se SUBMETER às regras e convenções do Estado em vigor sem a intenção de substituí-lo??

      Jesus e seus apóstolos em NENHUM MOMENTO (pode lá conferir na Bíblia) orientou seus fiéis a DERRUBAR GOVERNOS ou INSURGIR contra o ‘sistema’ que imperava na época. Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus resume bem o quanto Cristo foi esquerdista. |¬)

      Se Jesus fosse um esquerdista ele JAMAIS SE ENTREGARIA naquela Cruz! Já que fazendo isso eu passo a RECONHECER e a LEGITIMAR o poder do Estado (do sistema), me submetendo VOLUNTARIAMENTE a ele (e não tentando subvertê-lo como faz qualquer esquerdista que se preze)!

      O ato de Jesus foi revolucionário SOMENTE nesse sentido de ter conseguido CONFLUIR todas as “dores” do mundo numa MARCA de fé e esperança para TODO O MUNDO (tanto o mundo dentro quanto fora do Estado… Jesus não destruiu nenhum sistema político, ele só o INFLUENCIOU) que acabou por se eternizar no tempo e em praticamente toda a parte.

      Consegue compreender isso, Matias!?

    • Jesus esquerdista/comunista? Mathias, deixe a interpretação bíblica para os que a estudam, o que parece não ser teu caso. Aprenda:

      “A alma do preguiçoso deseja, e coisa nenhuma alcança, mas a alma dos diligentes se farta.
      Passei pelo campo do preguiçoso, e junto à vinha do homem falto de entendimento, Eis que estava toda cheia de cardos, e a sua superfície coberta de urtiga, e o seu muro de pedras estava derrubado. O que eu tenho visto, o guardarei no coração, e vendo-o recebi instrução. Um pouco a dormir, um pouco a cochilar; outro pouco deitado de mãos cruzadas, para dormir, Assim te sobrevirá a tua pobreza como um vagabundo, e a tua necessidade como um homem armado”.
      Provérbios 13:4; 24:30-34.
      O rei Salomão mostra que a propriedade do preguiçoso não produzirá nada pois ele não quer trabalhar. Não haverá assistencialismo para sustentar tal parasita, mas por outro lado sua propriedade não será confiscada pelo “governo”. Se é dele e se ele paga os impostos, então ninguém pode tomar o que é dele.

      “Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também”. 2 Tessalonicenses 3:10
      Cadê o socialismo ou esquerdismo?

      “Guardando-a [a propriedade] não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder? Por que formaste este desígnio em teu coração? Não mentiste aos homens, mas a Deus.”
      Atos 5:4
      Mais uma vez: Propriedade privada; Nada de esquerdismo/socialismo.

    • Já li a Bíblia inteira, e ela parece desapoiar o Estado, em várias partes. Veja quando o povo de Israel pediu um rei e Deus NÃO quis estabelecer um governo(só o fez por que quis atender ao povo)- 1 Samuel, capítulo 8; Ademais, a Bíblia defende o juros e a propriedade privada(Veja provérbios). Que é que isso tem a ver com comunismo? Além do mais, Jesus contou várias parábolas que envolviam PROPRIEDADE PRIVADA, como a história do dono das plantações de vinho e do filho pródigo. Pedro e outros apóstolos disseram: temos que obedecer a Deus antes que aos homens.(Atos 5:27-29;). O estado sempre perseguiu os cristãos. Isso só parou quando Constantino se “converteu” ao Cristianismo(mas só se batizou quando estava perto de morrer). Aí a igreja se desviou e passou a perseguir. Mas, biblicamente falando, não é possível achar indícios de que Cristo era socialista.

  14. Falando no português claro (o papo agora é reto):

    “Não existem cem pessoas que odeiam a Igreja Católica, mas existem milhões que odeiam aquilo que pensam ser a Igreja Católica”.
    (arcebispo Fulton Sheen)

    Não conheço neoateísmo anti-budista, anti-islâmico, anti-espírita, anti-hinduísta, anti-holístico…

    Todas- TODAS- as mentes privilegiadas com quem convivi e convivo por aí (inclusive na internê) seguem esse preceito básico. Se eu encontrar uma que não, eu juro- de mindinho- que vou soltar fogos e dançar pelado na rua o robocop-gay.

    Todos os ateus (e teístas não católicos, incluso aí a massa PROTESTANTE e EVANGÉLICA) que conheço- pelo menos esse é o DISCURSO QUE É EXTERNADO- se aborrecem, se ofendem com a “INTROMISSÃO” da religião (da Igreja na verdade) nas suas vidas e tal; mas, ao mesmo tempo, possuem um GRAU DE TOLERÂNCIA IMENSO com a intromissão estatal e LAICA na vida de todo mundo.

    Aliás, já está entrando na MODA (de uns tempos pra cá), e dentro de muitos ambientes religiosos ditos cristãos os slogans ‘RELIGIÃO NÃO PRESTA, NÃO VALE NADA, NÃO SALVA, NÃO TRANSFORMA VIDAS, POIS APENAS INVENÇÃO HUMANA CADUCA, OBSOLETA’… ‘SÓ JESUS SALVA’… ‘PRA QUE IGREJA, RELIGIÃO? SÓ A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO JÁ BASTA’… E mi-mi-mis proféticos convalescentes.

    Quem veio puxando a carroça revolucionária esquerdista nesses últimos tempos foi o ateísmo (tanto o militante quanto o indiferente) e o crenticismo de Nova Era (onde cabem TODAS as formas de cristianismo possíveis e inimagináveis, MENOS a da ICAR). Curioso isso, não!?

    A coisa já chegou num ponto tal que existe um site- que até considero interessante- chamado ‘espada do espírito’ (se não me engano é de uma denominação batista) que divulga todos os assuntos ligados a NOM e ao fim dos tempos bíblicos, e ainda de quebra- PRA VARIAR- coloca o Catolicismo como sendo A PONTA DE LANÇA desse inferno mundial que está por vir e não o PRINCIPAL alvo das bestas do apocalipse.

    (voltarei ao assunto)

    • “Todas- TODAS- as mentes privilegiadas com quem convivi e convivo por aí (inclusive na internê) seguem esse preceito básico. Se eu encontrar uma que não, eu juro- de mindinho- que vou soltar fogos e dançar pelado na rua o robocop-gay.

      Todos os ateus (e teístas não católicos, incluso aí a massa PROTESTANTE e EVANGÉLICA) que conheço- pelo menos esse é o DISCURSO QUE É EXTERNADO- se aborrecem, se ofendem com a “INTROMISSÃO” da religião (da Igreja na verdade) nas suas vidas e tal; mas, ao mesmo tempo, possuem um GRAU DE TOLERÂNCIA IMENSO com a intromissão estatal e LAICA na vida de todo mundo.”

      Então vamos a algumas as apresentações:
      http://fabioblanco.blogspot.com.br/ – Protestante, nunca vi esse discurso de que a Igreja se “intrometa” na sua vida, tampouco é tolerante com as intromissões “laicas”;
      https://www.facebook.com/conservateu – Ateus, pode até haver alguns que tenham esse discurso por lá, mas nunca vi.
      Existem várias outras pessoas (a maioria de “mente privilegiada”) que vejo na internet que não tem externado esse discurso contra a igreja católica. Vejo muitos protestantes com acusações ou debates teológicos (que não corresponde ao que você descreveu de forma alguma, “se aborrecer, se ofender com a “INTROMISSÃO” da… Igreja”). E vejo alguns ateus que não entram nessas questões.
      Convenhamos que é uma acusação das mais descabidas também, a Igreja não interfere na vida de ninguém hoje, basta consultar o “povão” ou alguém realmente inteligente que ele concordará, quem defende esse tipo de coisa só pode ser um metido a intelectual incapaz de absorver o conhecimento do que o cerca ou desonesto (ou os dois, neo-ateus no geral são assim).
      Você tá convivendo muito com liberals 😛

      “Aliás, já está entrando na MODA (de uns tempos pra cá), e dentro de muitos ambientes religiosos ditos cristãos os slogans ‘RELIGIÃO NÃO PRESTA, NÃO VALE NADA, NÃO SALVA, NÃO TRANSFORMA VIDAS, POIS APENAS INVENÇÃO HUMANA CADUCA, OBSOLETA’… ‘SÓ JESUS SALVA’… ‘PRA QUE IGREJA, RELIGIÃO? SÓ A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO JÁ BASTA’… E mi-mi-mis proféticos convalescentes.”

      Realmente é uma moda, que se não estiver acompanhada de uma explicação do que é “religião” nesse contexto (ou seja, num sentido irreal que os interlocutores compartilhem), é só uma consequência do não-entendimento da palavra religião e sua distinção de seus próprios pormenores.

      “Quem veio puxando a carroça revolucionária esquerdista nesses últimos tempos foi o ateísmo (tanto o militante quanto o indiferente) e o crenticismo de Nova Era (onde cabem TODAS as formas de cristianismo possíveis e inimagináveis, MENOS a da ICAR). Curioso isso, não!?”

      Não vejo a Nova Era sendo capaz de conter em si a Igreja Ortodoxa ou os Amish, ou mesmo as Igrejas Reformadas em geral, aliás, nem mesmo muitas Igrejas evangélicas caberiam. Em todos esses casos os que cabem e vão cabendo são versões deformadas de cada um desses, assim como uma versão deformada da Igreja Católica (TL e outras teologias liberais), o ideal deles é corromper todas essas juntas, sem distinções.

      “A coisa já chegou num ponto tal que existe um site- que até considero interessante- chamado ‘espada do espírito’ (se não me engano é de uma denominação batista) que divulga todos os assuntos ligados a NOM e ao fim dos tempos bíblicos, e ainda de quebra- PRA VARIAR- coloca o Catolicismo como sendo A PONTA DE LANÇA desse inferno mundial que está por vir e não o PRINCIPAL alvo das bestas do apocalipse.”

      Esse ponto é o mais real, realmente existe um exagero de alguns que tem uma interpretação tendenciosa da corrente dos eventos, existem vários do mesmo tipo no meio católico também, que culpam o protestantismo por todos os males da humanidade desde a Revolução Francesa até hoje, assim como outros fazem acusações exacerbadas contra a Igreja Ortodoxa (e também já vi ortodoxo jogando a culpa em todos os outros, kk). Acho que uma observação melhor do contexto de tudo isso é que se um anti-cristo sair de qualquer meio cristão ou judeu, ele não é um representante daquele meio como um mal, assim como Hitler nunca representou a Igreja só por (supostamente?) ser batizado, e sim um representante de uma corrupção naquele ambiente. Aqueles grupos são o que de fato são em toda a sua história e não culpados por consequências indiretas de suas ações ou dissidentes que inventam uma versão falsa da religião.

      Acho essas dissensões políticas por motivação religiosa muito exageradas e prejudiciais, vejo o tanto que o Ben Shapiro é bem recebido com seu excelente trabalho e imagino como seria se isso acontecesse aqui (um ativista político brilhante judeu): “Ah, ele é judeu, não quero ouvir”, “Esses judeus são contra nós cristãos”, “Um judeu falou mal de mim outro dia, suma Shapiro”. Também há uma parcela de culpa de quem está ativo na questão política (inclusive combater neo-ateus que é uma questão de direitos políticos, basicamente) de ficar atacando aos outros cristãos em guerra internas, vejo começar a surgir um pessoal no Brasil que professa sua religião mas foca no “Cristianismo puro e simples”, acho que isso é importante, o Dr. Craig é assim, o Dinesh também. Falta muito equilíbrio pro pessoal dessas bandas, exageram muito nos ataques internos e correm o risco de ficar sem aliados (e não falo só dos protestantes, teve um católico do MSM que só faltou pedir a cabeça de todos os protestantes). Com relação aos ateus, são poucos do nosso lado mas tem alguns importantes, como o Ayan, algumas coisas que esses ateus falam tem que ser relevadas pela questão política, dá até pra debater algumas vezes, mas não podemos nos prender a isso.

      Ps:
      Sobre o neo-ateísmo anti-islâmico:
      “Tanto quanto sei não há Cristãos a explodir prédios. Não conheço Cristãos que façam ataques suicidas bombistas, nem conheço uma grande denominação Cristã que acredita que a apostasia deva ser punida com a morte.Eu tenho sentimentos divididos em relação ao fim do Cristianismo uma vez que o Cristianismo pode ser uma fortaleza contra algo pior.” Dawkins
      Fonte: http://perigoislamico.blogspot.com.br/2011/03/lider-ateu-apercebe-se-do-que-significa.html#sthash.MXg3P3xl.dpuf

      Não é o foco da vida dele, mas já é alguma coisa vindo de uma mente tão confusa.

  15. O autor deste blog perdeu o foco, entrou numa confusão existencial difícil para ele mesmo, e quer transportar esta confusão para o leitor. Não se pode usar mitômanos compulsivos como Sam Harris, Daniel Dennet, Richard Dawkins e similares como referência, ainda que sob o argumento de que tais indivíduos desenvolveram uma técnica de resultados para combater o que consideram errado e perigoso. É necessário lembrar que, como mitômanos e viciados em fraudes e falácias, eles são milhares de vezes mais errados e mais perigosos do que aquilo que pretendem combater, o que deixa claro que utilizá-los como fonte de estratégia política por admirar sua capacidade de ridicularizar e humilhar, independente de uma busca genuína pela verdade, é um forte traço de desvio moral. Antes de estabelecer uma estratégia de combate, é preciso saber o que se é, e , se algum mérito pode ser encontrado em pessoas como Sam Harris, Dennet e seus semelhantes, é que eles sabem o que são: Ateus politicamente comprometidos, mas sem nenhum apreço pela verdade dos fatos. Quando a política, ao invés da busca pela verdade, passa a ser o objetivo principal de alguém que lida com a vida intelectual, há uma clara decadência em toda sua produção, ele se transforma, de modo pragmático, naquilo que gosta de combater. Este já foi um bom blog, mas a metamorfose íntima do autor produziu uma igual metamorfose em seu conteúdo, a ambiguidade e falta de força e fé naquilo que Luciano acredita ser verdade, demonstrada pela sucessiva mudança de escopo e de postura, de credo e de referências ( nunca pensei ver Luciano escrever que “assimilou” algo de Sam Harris ou “O que Dawkins tem a nos dizer” (sic)), basta lembrar, anos atrás, o quanto Luciano ridicularizava tais autores e os colocava em seus devidos lugares como mitômanos, agora, parece absorver deles coisas “positivas”, como alguém que não sente o menor constrangimento em dar um nó na própria cabeça, e tentando fazer isso com seus leitores. A questão, Luciano, é que seus leitores, diferentemente de você, são , na sua maioria, pessoas com opinião e postura intelectual formadas, não dá para propor que todos deem um nó nas próprias cabeças como você deu na sua. Se Sam Harris virou referência para você e se passaste a ver o neo-ateísmo como algo aceitável, desejável até, então isso é algo que te coloca numa tremenda saia justa, não apenas com teu leitor, isso é de menos, mas com você mesmo, uma vez que, confusa, ambígua e auto-contraditória, sua mente não é mais capaz de convencer o leitor ( ou você mesmo) de nada, por mais que você se esforce em demonstrar firmeza e objetividade nas ideias, e isso fica claro e evidente para qualquer pessoa que tenha lido seu blog desde o começo, e, mais grave, isso pode ser detectado pelos próprios métodos que você nos apresentou de detecção de fraudes intelectuais e políticas. Você se transformou na fraude, e isso é possível detectar e provar com um trabalho pequeno de pesquisa aqui mesmo em sem blog, uma pena, você caminhou para trás ao invés de caminhar para a frente, como o executivo de empresa ( agora entro diretamente no ramo que você entende de fato, para que fique bem claro) que, tendo dificuldade em convencer seus superiores da validade de suas estratégias, resolve absorver estratégias há muito abandonadas e ridicularizadas, como um sujeito que, por exemplo, meteu o pau em Eike Batista anos atrás e agora tece elogios e diz que vai fazer de Eike Batista uma referência para as estratégias da empresa, certamente que, se for uma empresa séria ( não uma estatal) tal executivo será demitido no mesmo dia, uma lástima.

    • O autor deste blog perdeu o foco, entrou numa confusão existencial difícil para ele mesmo, e quer transportar esta confusão para o leitor.
      Desculpe-me, mas minha lente somente ficou mais focada e assertiva. Se há confusão, é pela via dialética que vamos corrigir. Que tal?
      Não se pode usar mitômanos compulsivos como Sam Harris, Daniel Dennet, Richard Dawkins e similares como referência, ainda que sob o argumento de que tais indivíduos desenvolveram uma técnica de resultados para combater o que consideram errado e perigoso.
      Desculpe-me, mas essa afirmação é completamente irracional. Vou mostrar como em um exemplo das histórias de heróis. Imagine que você esteja em uma cidade, como Gotham City, e o Coringa use uma arma que paralisa as pessoas. Essa arma, no entanto, pode ser usado pelo Comissário Gordon e pelo Batman para atacarem o bando do Coringa. Entretanto, sua lógica diz que se um método potente (e que não faz juízos de valor) é usado por alguém desonesto não pode ser usado por um oponente honesto. Se tua heurística fosse correta, deveríamos investigar a vida dos criminosos e descobrir métodos úteis que eles tenham usado na vida, e pararmos de usar. Notou onde está teu erro lógico?
      É necessário lembrar que, como mitômanos e viciados em fraudes e falácias, eles são milhares de vezes mais errados e mais perigosos do que aquilo que pretendem combater, o que deixa claro que utilizá-los como fonte de estratégia política por admirar sua capacidade de ridicularizar e humilhar, independente de uma busca genuína pela verdade, é um forte traço de desvio moral.
      Novamente, isso não faz o menor sentido. Você está confundindo estratégia com plano de ação e escopo de aplicação do plano. É uma confusão terrível essa que você fez. A estratégia política dos neo-ateus não é imoral per se, mas neutra. Ela só pode se tornar imoral se usarmos as fraudes intelectuais usadas pelos neo-ateus (parte do escopo). Mas releia o que eu escrevi, pois eu adoto a ESTRATÉGIA dos neo-ateus (que não pode ser julgada moralmente, como você tem feito), mas não o PLANO DE AÇÃO (que deve ser julgado moralmente). Assim, não faz o menor sentido você apontar “desvio moral” na execução de uma estratégia.
      Antes de estabelecer uma estratégia de combate, é preciso saber o que se é, e , se algum mérito pode ser encontrado em pessoas como Sam Harris, Dennet e seus semelhantes, é que eles sabem o que são: Ateus politicamente comprometidos, mas sem nenhum apreço pela verdade dos fatos.
      Que eles são politicamente comprometidos, todo mundo sabe. Eu deixei claramente isso no texto. No entanto, a estratégia de que falei é:
      1. A crítica a uma crença que considerarmos injustificada e perigosa deve ser assertiva, incisiva e sem medo de praticar a ridicularização e o desmascaramento impiedoso.
      2. Caso a crença seja potencialmente perigosa, devemos avisar os oponentes dessa crença em relação a seu perigo.
      3. Se a crença for facilmente ridicularizável, devemos praticar a ridicularização, de forma a tirar poder político de seus proponentes.
      4. Se os adeptos da crença forem contra nosso direito de ridicularizar esta crença, temos um problema adicional para esta crença, pois isso demonstrará sua tendência absolutista e incapaz de aceitar críticas.
      5. Se provarmos este comportamento absolutista dos adeptos desta crença, então devemos propor formas de que possamos viver nossa vida sem que essa crença nos afete.
      Pergunta: Qual o problema lógico ou moral nos cinco postulados acima? Por que é errado adotá-los como paradigma de ação?
      Quando a política, ao invés da busca pela verdade, passa a ser o objetivo principal de alguém que lida com a vida intelectual, há uma clara decadência em toda sua produção, ele se transforma, de modo pragmático, naquilo que gosta de combater.
      Há uma falta dicotomia nisso que você falou. Na sua lógica, se há um evento político NECESSARIAMENTE há fuga da verdade. Posso fazer outro desafio a você: como você faz a verdade prosperar se o teu oponente político usa jogos políticos sujos para esmagar tua verdade? Assim, se você acreditar – acreditar de verdade – que é importante ver a verdade prosperar, terá que adentrar ao mundo da política. Essa é uma condição da qual não podemos fugir.
      Este já foi um bom blog, mas a metamorfose íntima do autor produziu uma igual metamorfose em seu conteúdo, a ambiguidade e falta de força e fé naquilo que Luciano acredita ser verdade, demonstrada pela sucessiva mudança de escopo e de postura, de credo e de referências ( nunca pensei ver Luciano escrever que “assimilou” algo de Sam Harris ou “O que Dawkins tem a nos dizer” (sic)), basta lembrar, anos atrás, o quanto Luciano ridicularizava tais autores e os colocava em seus devidos lugares como mitômanos, agora, parece absorver deles coisas “positivas”, como alguém que não sente o menor constrangimento em dar um nó na própria cabeça, e tentando fazer isso com seus leitores.
      Desculpe-me, mas eu tenho fé na liberdade individual, na responsabilidade individual, na liberdade de imprensa e na capacidade humana de cooperação. Então, sinto dizer-lhe: não venha me enrolar dizendo no que “tenho fé ou deixo de ter fé”, que isso é leitura mental, que é uma rotina já denunciada por mim há muito tempo. Agora a pergunta: onde eu recuei no fato de que Sam Harris é um verdadeiro mitômano? Em lugar algum. Todas as suas reclamações partem de uma leitura emocional do que eu escrevi. Atenção: copiar as estratégias, e rejeitar planos de ação que aplicaram a estratégia de forma indevida, não invalida as estratégias em si. O que fica parecendo é que você aparenta vários erros: (1) confunde estratégia com plano de ação, (2) acha que meu aceite da estratégia dos neo-ateus invalida todas as falhas cometidas por eles na aplicação da estratégia, (3) e exatamente por que eu os refutei nessas falhas, que eu RECONSTRUO o neo-ateísmo corrigindo essas falhas de aplicação. Note que uma ação racional está sendo compreendida por você como uma abominação, apenas por confusões gravíssimas que o incapacitam de entender sequer minha abordagem. Pode ser em parte culpa minha, e, portanto, eu posso até fazer um texto adicional para eliminar este tipo de confusão.
      A questão, Luciano, é que seus leitores, diferentemente de você, são , na sua maioria, pessoas com opinião e postura intelectual formadas, não dá para propor que todos deem um nó nas próprias cabeças como você deu na sua.
      O surpreendente é que muitos leitores, inclusive cristãos, entenderam claramente minha abordagem que é extremamente respeitosa ao cristianismo, embora defenda o direito a um não-religioso de não ser afetado de maneira injustificada pelo cristianismo.
      Aliás, para os meus leitores, a coisa foi mais fácil de ser assimilada, pois a transição foi gradual, toda explicitada nos textos aqui. E o melhor: elas não entram em conflito com as refutações que fiz do neo-ateísmo.
      Se Sam Harris virou referência para você e se passaste a ver o neo-ateísmo como algo aceitável, desejável até, então isso é algo que te coloca numa tremenda saia justa, não apenas com teu leitor, isso é de menos, mas com você mesmo, uma vez que, confusa, ambígua e auto-contraditória, sua mente não é mais capaz de convencer o leitor ( ou você mesmo) de nada, por mais que você se esforce em demonstrar firmeza e objetividade nas ideias, e isso fica claro e evidente para qualquer pessoa que tenha lido seu blog desde o começo, e, mais grave, isso pode ser detectado pelos próprios métodos que você nos apresentou de detecção de fraudes intelectuais e políticas.
      Olha o tamanho de teu erro: se eu passei a visualizar A ESTRATÉGIA neo-ateísta como não apenas aceitável, como ESSENCIAL, isso está em consonância com o fato de eu achar a PRÁTICA ARGUMENTATIVA dos neo-ateus falaciosa, desonesta e merecedora de esculachos múltiplos. Não há ambiguidade alguma.
      Quer ver como seu discurso está frágil?
      Você diz que a fragilidade dos meus argumentos pode “ser detectado pelos próprios métodos que você nos apresentou de detecção de fraudes intelectuais e políticas”.
      Então tente, oras. Eu com meus guias de falácias daqui, e você com seus guias de falácias daí… 😉
      Você se transformou na fraude, e isso é possível detectar e provar com um trabalho pequeno de pesquisa aqui mesmo em sem blog, uma pena, você caminhou para trás ao invés de caminhar para a frente, como o executivo de empresa ( agora entro diretamente no ramo que você entende de fato, para que fique bem claro) que, tendo dificuldade em convencer seus superiores da validade de suas estratégias, resolve absorver estratégias há muito abandonadas e ridicularizadas, como um sujeito que, por exemplo, meteu o pau em Eike Batista anos atrás e agora tece elogios e diz que vai fazer de Eike Batista uma referência para as estratégias da empresa, certamente que, se for uma empresa séria ( não uma estatal) tal executivo será demitido no mesmo dia, uma lástima.
      Ridículo exemplo ao final. Se um executivo executar uma estratégia ÚTIL que foi aplicada de maneira ERRADA E EQUIVOCADA no passado, mas agora de maneira CORRETA, ele será elogiado pelo que faz. Essa é sua confusão.
      A sua forma de ver o mundo é tão equivocada que posso usar exemplos de paralaxe cognitiva para mostrar que seu raciocínio lógico é furadíssimo. Vamos transpor para silogismo.
      (1) Avaliemos grupo X, que pratica ações desonestas, repreensível moralmente
      (2) Avaliemos o mesmo grupo X, que usa uma estratégia moralmente não repreensível, enquanto pratica 1
      (3) Logo, qualquer ação de cópia da estratégia citada em (2), mesmo que negue as ações citadas em (1), torna-se tão moralmente condenável quanto as ações descritas em (1).
      Vamos levar isso À frente? Esse debate sim é frutífero e interessante.
      Enfim. Se aplicarmos sua lógica, teríamos que tirar as armas dos policiais, pois elas são usadas por bandidos. Aplicando seus passos lógicos (e me corrija se o silogismo está errado), criaríamos sociedades inviáveis.
      Eu estou aberto a críticas, mas não é com uma argumentação tão furada que você irá encontrar objeções em meu paradigma de reconstrução tanto do neo-ateísmo como do iluminismo.
      Abs,
      LH

    • Concordo contigo. Requisitar aos inimigos que usem de suas técnicas para atingir fim obscuro pode ser bastante perigoso.
      Ainda mais quando vocês usam “mitômanos compulsivos”, “viciados em fraudes e falácias”, “sem nenhum apreço pela verdade dos fatos”, etc. isso, além de ser ad hominem, é subjetivo, é a sua ótica sobre nós, uma vez que vocês são religiosos e nós ateus.
      Mas há a possibilidade de não sermos mitômanos, falaciosos ou viciados em fraudes. Note-se pela necessidade de querer usar nossas táticas para tripudiar com a esquerda. Será que vocês aceitarão se passar por mentirosos (isso é pecado), ou será que nós ateus temos qualidades outras que não as supracitadas, positivas até, e isso pode acabar o levando contra sua própria fé?

  16. Ah, e eu vou continuar a ler o blog, pelo menos mais alguns posts, quem sabe não surge mais alguma novidade bizarra como você absorver algo de Marx, dizer que Lula, no fundo , é bom sujeito, ou quem sabe, uma mais inusitada, mas não impossível, conversão à esquerda, porque, convenhamos, de conversão você entende, pena que sempre para o lado errado.

    • Ah, e eu vou continuar a ler o blog, pelo menos mais alguns posts, quem sabe não surge mais alguma novidade bizarra como você absorver algo de Marx
      Eu já absorvi a noção de que a prática filosófica deve ser FOCADA NA AÇÃO. Mas, de novo, absorver algo de útil de alguém (e é dificil alguém errar em tudo) não implica no aceite das bases do marxismo 😉
      dizer que Lula, no fundo , é bom sujeito
      er… meus textos sobre metodologia vão muito além de dizer que “x é bom sujeito”… segue a confusão entre estratégia e plano de execução…
      ou quem sabe, uma mais inusitada, mas não impossível, conversão à esquerda
      quem sabe né?
      porque, convenhamos, de conversão você entende, pena que sempre para o lado errado.
      Não sei se você é esquerdista, mas os esquerdistas são os que tem motivos para minha conversão, não os direitistas cristãos 😉

    • Dá uma olhada em Gramsci, ele tem umas categorias filosóficas mais simples. Pelo menos quem estuda sociologia prefere usá-lo como base. Não só por isso, mas também porque Gramsci nasceu pobre e doente, nunca teve a chance que Marx teve de ser aceito pela burguesia (por um tempo).

  17. Não conheço neoateísmo anti-budista, anti-islâmico, anti-espírita, anti-hinduísta, anti-holístico
    FATO. Já está mais comprovado que o neo ateísmo é predominantemente anti-cristão. Mas a linha de argumentação básica é contra a crença no sobrenatural……esta também o maior ponto fraco da construção neo – atéia.

    http://www.youtube.com/watch?v=tl4-Do2VTk4

    Todos os ateus (e teístas não católicos, incluso aí a massa PROTESTANTE e EVANGÉLICA) (…) – se aborrecem, se ofendem com a “INTROMISSÃO” da religião (da Igreja na verdade) nas suas vidas e tal; mas, ao mesmo tempo, possuem um GRAU DE TOLERÂNCIA IMENSO com a intromissão estatal e LAICA na vida de todo mundo.

    Isto por causa da propaganda bem sucedida que tornou a igreja mais nefasta que as ideologias vermelhas, e da infiltração de comunistas em doutrinas protestantes (o que dá origem as fraudes de um leitor acima, chamando jesus esquerdista), aproveitando de uma divisão ‘natural’ entre as religiões e usando de outros artificios de propaganda para promover o tal “estado laico” que na realidade é um distorção e evidenciando um Estado de Poder incomensurável. As ideologias vermelhas infiltraram boa parte das religiões de uma forma ou de outra.

    Aliás, já está entrando na MODA (de uns tempos pra cá), e dentro de muitos ambientes religiosos ditos cristãos os slogans ‘RELIGIÃO NÃO PRESTA, NÃO VALE NADA, NÃO SALVA, NÃO TRANSFORMA VIDAS, POIS APENAS INVENÇÃO HUMANA CADUCA, OBSOLETA’… ‘SÓ JESUS SALVA’… ‘PRA QUE IGREJA, RELIGIÃO? SÓ A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO JÁ BASTA’… E mi-mi-mis proféticos convalescentes.

    Eu não acho isso um mimimi profético, mas a mera constatação da realidade que é observável quando se olha a religião como INSTITUIÇÃO de uma forma generalizada. E também DEPENDE DE QUEM ESTÀ DIZENDO A FRASE, E O CONTEXTO EM QUE ELA ESTÀ SENDO APLICADA.
    Pra ficar mais fácil entender meu ponto de vista é só desconstrui sua frase:

    “‘RELIGIÃO NÃO PRESTA, NÃO VALE NADA, NÃO SALVA, NÃO TRANSFORMA VIDAS”
    A religião como instituição em si não salva, e não transforma vidas – A fé sim, e a religião é parte importante deste processo.

    “POIS APENAS INVENÇÃO HUMANA CADUCA, OBSOLETA”
    Entrei de vez na guerra política combatendo esta afirmação usada por uma feminista. Se em meio cristão se utiliza essa argumentação, assim desta maneira, evidentemente que a usou não é cristão e nem sequer se aproxima disto.

    “SÓ JESUS SALVA’
    “Sem fé é impossível agradar a Deus”, embora nas escrituras jesus seja a luz a verdade e a vida, a salvação é um processo individual que requer que o individuo creia nisso.

    “PRA QUE IGREJA, RELIGIÃO? SÓ A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO JÁ BASTA’
    Está é a questão mais importante — a ser tratada INDIVIDUALMENTE — pelo cristão.Eu por exemplo estou fora do espectro tanto católico, quanto protestante — eu poderia me denominar como um ‘anarquista’ cristão se o termo não tivesse sido cooptado pela esquerda. Porque percebo que isso me leva mais próximo ao cristianismo primitivo praticado por cristo, onde o estado não tinha qualquer intervenção ideológica sobre a religião, e o cristianimo por sua vez não se baseava em uma instituição.

    Existe uma série de pessoas que mantém os princípios cristãos e uma relação pessoal com Deus, sem qualquer tipo de intervenção de instituições religiosas — mas são pessoas que primeiro tiveram auxilio e uma relação próxima com alguma instituição em momento anterior, logo, as instituições são necessárias em um conceito semelhante ao de “Estado mínimo”. Mas compreenda que isso tudo FORA de um contexto de guerra polìtica e infiltraçâo de ideologias vermelhas.

    Perceba que nessa frase que você citou sendo desconstruída, que embora algumas frases sejam verdadeiras, outras de fórum íntimo, e outras sejam totalmente cristãs — elas forma um argumento comum em favor de uma religião globalista. E essa ‘mistura’ que deve apontada e compreendida como PROPAGANDA.

    “A coisa já chegou num ponto tal que existe um site- que até considero interessante- chamado ‘espada do espírito’ (se não me engano é de uma denominação batista) que divulga todos os assuntos ligados a NOM “
    Conheço muito bem. Bons artigos…claro que a parte de doutrinação e o dogma batista eu ignororo…é necessário sempre filtrar a informação.

    “e ainda de quebra- PRA VARIAR- coloca o Catolicismo como sendo A PONTA DE LANÇA desse inferno mundial que está por vir e não o PRINCIPAL alvo das bestas do apocalipse.”

    Anderson é aquela velha história, cada um puxa a sardinha para o seu lado.
    Acontece que na raíz do protestantismo acontece uma culpabilização da religião católica por ter sido a primeira representante de um cristianismo institucionalizado, e ter se misturado com as políticas monárquicas, estatais e tantos outros assuntos de ordem humana.
    Mas veja só….nada diferente do que ocorre ATUALEMTE, com TODAS ELAS.
    Eu que hoje estou a parte dessa guerra de denominações religiosas, percebo que o catolicismo é mais um BOI DE PIRANHA do que a ponta de lança. Tampouco percebo o ctolicismo como o princiapal alvo das bestas — o alvo é o cristianismo como CONCEITO, como guia da moral, e para combater o cristianismo hoje em dia, nada melhor que a religião.

  18. Errata:
    “Perceba que nessa frase que você citou sendo desconstruída, que embora algumas frases sejam verdadeiras, outras de fórum íntimo, e outras sejam totalmente ANTI cristãs –

    • Pecador, não sei se a intenção é informar os incautos que possam passar por aqui sobre o esquerdismo delirante, mas perceba que todo o meu comentário foi retórico, OK!? Não vejo necessidade para vc se explicar neles. Em todo o caso, o acréscimo é sempre útil por aqui quando estamos a falar desse tema. Valeu mesmo assim.

      Então, vâmu lá:

      “Eu não acho isso um mimimi profético, mas a mera constatação da realidade que é observável quando se olha a religião como INSTITUIÇÃO de uma forma generalizada.”

      Que vc mesmo constatou que essa REALIDADE foi MANIPULADA e acabou COMPROMETENDO a visão do OBSERVADOR sobre essa Instituição milenar chamada Igreja Católica.

      ‘Olhar de forma generalizada’ aí TAMBÉM entra na propaganda bem sucedida que tornou a Igreja mais nefasta que as ideologias vermelhas. ;¬)

      “[…]E também DEPENDE DE QUEM ESTÀ DIZENDO A FRASE, E O CONTEXTO EM QUE ELA ESTÀ SENDO APLICADA.”

      Bom, a maioria que diz isso pertence a denominações evangélicas e seitas espiritistas e holísticas; e o contexto em que ela está sendo aplicada é o da ‘sola scriptura’ e o do ‘livre-exame secularista’.

      “Pra ficar mais fácil entender meu ponto de vista é só desconstrui sua frase:”

      No problema. |¬)

      “A religião como instituição em si não salva, e não transforma vidas – A fé sim, e a religião é parte importante deste processo.”

      Entendo que no caso da religião católica, é exatamente o contrário…

      Se não houvesse a Igreja primeiro a própria Bíblia não poderia existir nem como pergaminhos avulsos (já que muitos se perderam no tempo pelas invasões bárbaras, condições de alocação, perseguições, etcs), muito menos como o livro acabado que todos conhecem.
      Se é a PALAVRA que salva (o Verbo Divino) e as vidas só poderiam ser transformadas através do ACESSO a essas palavras, que, INEVITAVELMENTE NECESSITARIAM da figura do MEDIADOR (de alguém que antes já tivesse acesso a elas e já tenha compreendido, assimilado e VIVENCIADO dessas palavras), então COMO a religião é apenas uma parte importante desse processo?? Ela é o PRÓPRIO processo, que é DINÂMICO, ORGÂNICO, EXPERIMENTAL, mas que ainda assim mantém os elementos originais IMUTÁVEIS, isto é, eternos.

      “POIS APENAS INVENÇÃO HUMANA CADUCA, OBSOLETA”[…] Se em meio cristão se utiliza essa argumentação, assim desta maneira, evidentemente que a usou não é cristão e nem sequer se aproxima disto.”

      O pior é que é cristão sim. Vai dizer pro sujeito que não… Alguns líderes já estão bem a vontade pra dizer essas coisas dentro dos cultos (missas??). Já ouvi o Valdemiro Santiago, esse povo da Universal, assembleanos, espíritas… Todos se consideram muito cristãos, mais cristãos até do que a própria Instituição criadora e mantenedora da fé cristã. É uma coisa fantástica. Rsss

      Existe hoje uma ENOOOORME aceitação contra as ‘instituições religiosas’, mas paradoxalmente, a favor das instituições mundanas, laicas (que CONCENTRAM MUITO MAIS PODER e INFLUÊNCIA do que TODAS as instituições religiosas JUNTAS do planeta). Estado inchado. E existe uma parte da população que é TOTALMENTE AVESSA (tem calafrios) ao conceito de ‘instituição’ como prática social seja qual for, optando pelo extremo oposto de uma sociedade sem instituição nenhuma. E no meio ficam todas as graduações possíveis desses extremos.

      “Eu por exemplo estou fora do espectro tanto católico, quanto protestante — eu poderia me denominar como um ‘anarquista’ cristão se o termo não tivesse sido cooptado pela esquerda.”

      Tipo um anarquista individualista de livre-mercado!? |¬)

      “Porque percebo que isso me leva mais próximo ao cristianismo primitivo praticado por cristo,[…]”

      E pelos que o seguiam e por ele foram TESTADOS, ESCOLHIDOS e inspirados pra continuar o seu legado até a consumação dos tempos. Não sei como numa “anarquia primitiva pré-cristã” isso poderia funcionar bem já que num sistema desses a LIDERANÇA (Jesus Cristo no caso) seria literalmente individualizada em vários pedaços. Se pararmos pra pensar, desde o advento do Luteranismo, o que vemos é a anarquização da religião cristã primitiva, oras.

      “[…]onde o estado não tinha qualquer intervenção ideológica sobre a religião, […]”

      Até porque o estado romano já tinha a própria religião (o Império junto ao paganismo “multicultural”) e seu messias (o imperador).

      A intervenção existia mas era de natureza MILITAR, POLICIAL. E veja que historicamente Jesus aparece justamente numa época onde estava “na moda” esse lance de ‘messias salvadores’ que viriam não para salvar o mundo, mas para salvar somente o POVO JUDEU do JUGO TEMPORAL do inimigo da hora (Roma). Jesus mexeu até com as ideologias e com os agentes do próprio Estado (lembra do chefe dos Centuriões? Daquele diálogo filosófico com Pilatos sobre a ‘Verdade’…)

      “[…]e o cristianimo por sua vez não se baseava em uma instituição.”

      Sim. Se baseava apenas num homem. A instituição viria tempos depois, como CONFIRMAÇÃO da passagem desse homem-Deus pela terra (e como GARANTIA- custasse o que custasse- de que as futuras gerações pudessem ouvir falar Dele).

      E veja que interessante. Pedro, Paulo e João, a tríade da liderança cristã primitiva NUNCA DEIXOU DE RECONHECER o poder temporal do Estado. Todos fizeram questão de combater o bom combate JOGANDO O JOGO POLÍTICO (e não EVITANDO ele) e usando A DINÂMICA SOCIAL da época, inclusive se SUBMETENDO ao sistema judiciário desse Estado com suas execuções e exílios sumários.

      “Existe uma série de pessoas que mantém os princípios cristãos e uma relação pessoal com Deus, sem qualquer tipo de intervenção de instituições religiosas — mas são pessoas que primeiro tiveram auxilio e uma relação próxima com alguma instituição em momento anterior, logo, as instituições são necessárias em um conceito semelhante ao de “Estado mínimo”.”

      E boa parte dessas pessoas acabam caindo nas TENTAÇÕES de sempre (orgulho, soberba, ódio da HIERARQUIA, sola scriptura, livre-exame, inversão revolucionária, secularismo…) . O século XX já mostrou que isso não pode acabar bem.

      O que se vê não é uma aceitação desse “estado mínimo” mas uma REBELDIA (uma negação) desse “estado mínimo”, muito pela FALTA de um auxílio adequado e MAIS PRESENTE da própria Igreja e da cultura familiar onde a pessoa foi inserida na infância; e tb, claro, da FALTA de BOA VONTADE dessa pessoa quando chega na adolescência e ainda é BOMBARDEADA pelos hormônios e pela propaganda revolucionária-liberal-secular. Aí é covardia. |¬)

      Mas de qualquer forma, infelizmente, NENHUMA DELAS conseguiu a SANTIFICAÇÃO ainda em vida. Estranhamente esse fenômeno da ‘PRODUÇÃO DE SANTOS’ só ocorre dentro da Igreja Católica. Se isso não passa de propaganda institucional, quem acusa é que tem que provar. E- estranhamente também- não se prova nada contra essa realidade intrigante, sobrenatural e que tem ajudado a renovar a fé cristã e a transformar um monte de vidas consideradas já perdidas pelos critérios do mundo laicista e anti-religioso.

      Ufa! Bom, acho que é isso. Se quiser desconstruir alguma coisa fique à vontade, ok!? :¬)

      Bração pra ti.

  19. Se não houvesse a Igreja primeiro a própria Bíblia não poderia existir nem como pergaminhos avulsos (já que muitos se perderam no tempo pelas invasões bárbaras, condições de alocação, perseguições, etcs), muito menos como o livro acabado que todos conhecem
    Será? E aquele lance de se não houver quem pregue as próprias pedras pregariam?? Será que não haveria uma outra alternativa visto a coisa toda ser sagrada e de âmbito divino? É porque da maneira como foi colocada sua frase me parece muito esforço humano, que acredito que existiu, disso não tenho dúvidas — mas a transmissão desse conhecimento em si não dependia de qualquer esforço humano para sobreviver.

    Se é a PALAVRA que salva (o Verbo Divino) e as vidas só poderiam ser transformadas através do ACESSO a essas palavras, que, INEVITAVELMENTE NECESSITARIAM da figura do MEDIADOR (de alguém que antes já tivesse acesso a elas e já tenha compreendido, assimilado e VIVENCIADO dessas palavras), então COMO a religião é apenas uma parte importante desse processo??
    Ora os cristãos primitivos se utilizavam da pregação oral, cartas e extensas viagens missionárias. A experiência era passada de pessoa a pessoa mais do que a leitura de qualquer pergaminho em sinagoga, ou estou enganado?. Ainda assim o acesso às palavras e a intervenção de alguém que vivenciou a experiência (como uma testemunha ocular) não quer dizer que isso é uma instituição religiosa. Inclusive porque na época de cristo já havia a instituição judaica — engessada, tolhedora e distante daquilo que Jesus aplicou quando em carne. Mesmo a judaica já era dividida, vide os samaritanos. Eu faço uma distinção clara entre a informação, o mediador e a instituição a quem ele diz que representa – nem sempre esses três estão congruentes.

    Já ouvi o Valdemiro Santiago, esse povo da Universal, assembleanos, espíritas… Todos se consideram muito cristãos, mais cristãos até do que a própria Instituição criadora e mantenedora da fé cristã.
    Desculpe Anderson, mas a instituição católica romana não é a criadora da fé cristã, pode ser um produto da mesma, mas o criador da fé cristã é Cristo. Pode ter sido a mantenedora, e ainda pode ser para alguns. Agora esse povinho que você citou aí também acha que a instituição deles é matenedora da fé cristã. É por isso que Neo ateus fracassarão porque mesmo que derrubem instituições religiosas (o que dificultaria em muito a vida de todos os cristãos) é impossível que eles derrubem a fé cristã — porque esta fé não é humana.

    Tipo um anarquista individualista de livre-mercado!?
    Não, tipo um cristão que não necessita de uma instituição intermediadora entre eu e Deus 🙂
    Esse “anarquismo” um termo que em si não explica muita coisa, se refere apenas à religião.

    Antigamente tinha dificuldade em me definir — até hoje acho um pouco dificil mas diria que em termos economicos sou liberal, em termos morais conservador, em termos religiosos sou um cristão que não me direciono a uma religião específica, embora já o tenha feito por mais de 20 anos.
    Eu estou falando de mim, porque você teceu um comentário a partir de sua visão a respeito da Igreja católica….ok…entendi que você se manteve na fé à igreja e comentou isso. Acho que quem não tem essa mesma visão pode fazer o mesmo, Não?

    Não sei como numa “anarquia primitiva pré-cristã” isso poderia funcionar bem já que num sistema desses a LIDERANÇA (Jesus Cristo no caso) seria literalmente individualizada em vários pedaços
    Segundo cristo funcionaria por causa da atuação do espírito santo, e assim se deu com seus discipulos (que eram homens imperfeitos, mas ainda assim coesos pois o espírito agia como uma ‘cola’ desses pedaços individualizados), tudo ANTES da formação de uma instituição. Daí o meu termo “cristianismo primitivo” — o que não tem nada a ver com o termo que você usou “anarquia primitiva pré-cristã”. O correto seria “cristianismo primitivo pré-instituição”,
    porque ao meu ver o Cristianismo não é advento da igreja, mas de cristo.

    A instituição viria tempos depois, como CONFIRMAÇÃO da passagem desse homem-Deus pela terra (e como GARANTIA- custasse o que custasse- de que as futuras gerações pudessem ouvir falar Dele).
    É aí onde discordamos. Não coaduno com a idéia de que a passagem deste homem só seria garantida através da criação de uma instituição, bem como essa instituição seria a representante de Cristo em sua “ausência”. Mas entendo que essa idéia reside no centro de toda intituição religiosa cristã — todos elas advogam ter a “verdade” e ser os representantes de Deus na terra, enquanto que a salvação é individual.

    E boa parte dessas pessoas acabam caindo nas TENTAÇÕES de sempre (orgulho, soberba, ódio da HIERARQUIA, sola scriptura, livre-exame, inversão revolucionária, secularismo…) . O século XX já mostrou que isso não pode acabar bem
    Estar em uma instituição seja ela qual for não é uma garantia de não cair em qualquer tentação que se apresente. Até porque o mundo inteiro se deteriora no poder de um opositor. As instituições e as pessoas vivem nesse mundo. É extremamente impreciso afirmar que boa parte dessas pessoas caíam em tentações porque abandonaram uma instituição religiosa — por outro lado também poderia se afirmar que a fé desta pessoa se manteria apenas por ela estar em uma instituição — o que também não é o caso, pois implicaria que a fé dela é na instituição não em Deus. Também (embora eu tenha a tendência em concordar) não considero que o afastamento à qualquer instituição religiosa seja o o motivo por trás da derrocada da humanidade, seja em séulos anteriores bem como atualmente — mas antes ao fato de que há uma ‘semente’ por aí (a outra – Genêsis 3:15) e ela está a fazer o trabalho dela da forma como foi prevista.

    As pessoas não precisam ter ódio a hierarqui para se aperceber da ausência de representação de cristo na terra, inclusive porque isto faz parte das profecias bíblicas. Mas tanto aqueles que permanecem nas instituições, tanto os que estão fora delas, aguardam o “retorno de sua presença”, e se receberam a salvação a receberão de acordo com a fé que posuem e o comportamento / obras congruentes com esta fé.

    Estranhamente esse fenômeno da ‘PRODUÇÃO DE SANTOS’ só ocorre dentro da Igreja Católica.
    Gostaria que você me apontasse onde posso adquirir informações e material sobre isso. Porque não conheço nada, e sei que é um assunto muito questionado por outros que não são católicos e nunca tive curiosidade …até agora. Poderia fazer essa gentileza?

  20. É uma tentativa. Mas meio que fadada ao fracasso. O neo-ateísmo é anti-religiosidade cristã. E o objetivo é a imposição do secularismo – o qual se alinha ao esquerdismo e do qual ganha apoio, por abrir caminho para este. É por esse motivo que os Dawkins e Harrys da vida ganharam a mídia. Fora que neo-ateus não tem o costume de bater em adversários que reagem. Se os cristãos repetissem o que fizeram no México em 1926, os neo-ateus rapidinho perderiam essa valentia toda.

    • Olá Yan,

      Olha… alguns exemplos de neo-ateus que hoje estão batendo forte na esquerda mostram que EM ALGUNS CASOS há um bom direcionamento de esforço no ataque, passando da religião revelada para a religião política.

      Citei alguns exemplos…

      Esses dias, olha só, me defrontei com alguns neo-ateus com quem eu já tive embates no passado no Facebook do Rodrigo Constantino…

      Então, os neo-ateus que agora focam na religião política, com objeto de ataque, existem.

      Minha ideia é motivar para que surjam mais destes. 😉

      Abs,

      LH

  21. Caros colegas virtuais,

    Gostaria imensamente de dar prosseguimento ao papo- que tá muito legal (pelo menos pra mim)- mas, citando o Rodrigo Constantino (http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/cultura/o-impacto-do-clima-na-cultura-ou-e-possivel-produzir-um-shopenhauer-sob-o-calor-de-40-graus/), “é duro cobrar reflexões mais profundas em meio a esse calor bestial digno de um deserto árido. Mas, como o outro pensamento que veio à tona foi justamente a invenção do ar condicionado, podemos constatar que o clima, ainda que possa influenciar, não determina a cultura. O progresso tecnológico pode superar tais barreiras naturais.”

    Como estou sem ar-condicionado e o processo tecnológico ainda não superou totalmente as tais barreiras naturais por aqui onde me encontro no momento, o clima vai- por enquanto- ditar as regras da minha escrita enquanto cozinha os meus 3 neurônios.

    Cara! É desumano isso… Ninguém merece!

    Pecador e Daniel, não esqueci de vcs… Prometo voltar em breve, acho que vcs merecem uma resposta mais refletida, pensada (que estou sem condições de fazer… O clima realmente é um fator preponderante para a difusão da inteligência que se pretende mais robusta).

    Agora eu entendo o porquê de países tropicais serem terra fértil pra qualquer tipo de esquerdismo. O calor relaxa e abesta o intelecto; o frio, o obriga a se superar e o enclausura em sua própria dimensão pra si ver melhor.

    *Rapidinhas (antes que meu cérebro entre em ebulição literalmente):

    -Daniel, grato pelos links. Eu não só conheço o Fabio Blanco, como já troquei umas palavras com ele (o considero nesse oceano virtual uma de minhas referências intelectuais… Convenhamos, a minha seleção de professores particulares é DA PESADA, todos escolhidos a dedo… O nosso Luciano aqui que o diga).
    |¬)

    -Pecador, sobre a ‘produção de santos’, recomendo apenas que estude à respeito da vida desses homens e mulheres criados no seio da Igreja e investigue sobre o fenômeno físico dos ‘CORPOS INCORRUPTOS’ (assunto dos mais intrigantes, inclusive para a própria Igreja, mas que, atualmente não tem causado nem cócegas no ceticismo secular cientificista evolucionista. Efeitos da revolução cultural).

    Abs gerais.

    Fui! Quer dizer, evaporei! ~~~~~~~~

  22. Ola Luciano.
    Não sei se eh uma boa ideia postar aqui, mas vamos la.
    Recentemente eu comecei um canal no YouTube pra falar de ciencia em geral, junto com uns amigos meus. Porem eu me senti inspirado pelo seu texto a levantar questionamentos sobre politica, já q eu me considero de direita também. A minha pergunta eh: seria possível conciliar ciência com as questões politicas? Se sim, poderia me dar sugestões de como faze
    -lo? Eu nai queria deixar meus amigos no canal, mas também queria colaborar com a causa.

    Eh sob uma duvida, espero não ter incomodado ninguem
    Obrigado.

  23. Interessante Luciano que você entende muito sobre marketing e aplicação dele sobre suas ideias, carregadas de tendencias e convicções politicas, mas ainda não entendeu nada sobre as teorias de Sam Harris, releia então todas as obras publicadas do referido Autor para lhe dar uma luz sobre qual assunto que ele realmente trata, e pare de misturar “alhos” com “bugalhos” , atenha-se ao que você realmente entende : “ceticismo político” , pra começar você esta usando justamente o termo mais “popular” ou “rotulo” social que o mundo todo “adora” que nem mesmo ele se reconhece, como esse tal de “neo-ateu” , mas como não fazê-lo você mesmo “adora” se “auto-rotular” (diga-se de passagem altamente mutante e volátil) e se “auto-limitar” no seu próprio conhecimento e entendimento de mundo, um dia quem sabe você perceba e aceite que existem milhões de pessoas que articulam os seus pensamentos melhor que você, mas não tem toda pretensão que você tem em expor as idéias alheias ao ridículo, quando eu ainda “engatinhava” sobre conclusões filosóficas sobre religião x humanismo secular, já conhecia muito bem como reconhecer este tipo de estratégia política “narcizista”, agora nem quero me esforçar pra dizer o que realmente você precisa aprender pra reescrever isso tudo ai de forma realmente coerente, se é que isto seja possível, “unir” Noé e Hitler no mesmo contexto , me faz rir…

    • Pierry,

      Boa tentativa, cheia de truquinhos retóricos, mas ela simplesmente não passa no crivo aqui, por que você comete erros amadores. Vamos ver?

      Interessante Luciano que você entende muito sobre marketing e aplicação dele sobre suas ideias, carregadas de tendencias e convicções politicas, mas ainda não entendeu nada sobre as teorias de Sam Harris, releia então todas as obras publicadas do referido Autor para lhe dar uma luz sobre qual assunto que ele realmente trata, e pare de misturar “alhos” com “bugalhos”

      Esse é o truque “não entendeu nada, vá ler tudo” QUE O PRÓPRIO SAM HARRIS já desconstruiu. Na verdade, Dawkins desconstruiu melhor ainda. Basicamente, o sujeito foge de contra-argumentar e manda “ler tudo de novo”. Quem diria que você tentaria usar em outros um truque que o próprio Harris já detonou. Seu começo foi bem fraco. Ou você aponta o equívoco ou então não tem nada…

      atenha-se ao que você realmente entende : “ceticismo político”

      Sim, já o usei antes.

      pra começar você esta usando justamente o termo mais “popular” ou “rotulo” social que o mundo todo “adora” que nem mesmo ele se reconhece, como esse tal de “neo-ateu” , mas como não fazê-lo você mesmo “adora” se “auto-rotular” (diga-se de passagem altamente mutante e volátil)

      Na verdade, a rotulagem impede a identificação de padrões, e isso é essencial para discutirmos métodos. Se há um ateísmo militante com um discurso, é uma covardia se esconder detrás de todos os ateus. É por isso que o discurso LGBT não é um “discurso gay”, pois isso seria impor aos gays uma agenda de um GRUPO ESPECÍFICO de gays. Não é preciso que alguém use um rótulo para ser identificado por ele. Tanto faz chamar alguém de “neo-ateu” como de “bright” ou “ateus militantes”.

      e se “auto-limitar” no seu próprio conhecimento e entendimento de mundo, um dia quem sabe você perceba e aceite que existem milhões de pessoas que articulam os seus pensamentos melhor que você, mas não tem toda pretensão que você tem em expor as idéias alheias ao ridículo

      Ei, esse é um truque que os místicos usam. Falar que o conhecimento do outro é “limitado” sem apontar a limitação. 🙂

      Existindo pessoas que articulem pensamentos sobre mistura de frameworks de investigação de fraudes com dinâmica social e ciência política melhor que eu, favor me indicar. Agradeço bastante.

      quando eu ainda “engatinhava” sobre conclusões filosóficas sobre religião x humanismo secular, já conhecia muito bem como reconhecer este tipo de estratégia política “narcizista”, agora nem quero me esforçar pra dizer o que realmente você precisa aprender pra reescrever isso tudo ai de forma realmente coerente

      Cheio de truques como sempre. Não é que você não “queira se esforçar”, é que você NÃO TEM O QUE ENSINAR. Aí é o de sempre: acusações não-específicas. Algo como “esses pãezinhos nunca atendem ao critério de qualidade”. Aí quando alguém pergunta o critério de qualidade, a pessoa foge. Este é teu truque. Não cola.

      se é que isto seja possível, “unir” Noé e Hitler no mesmo contexto , me faz rir…

      Essa é o truque da simulação de indignação, mas é frágil demais, pois você demonstra não ter lido nem o primeiro livro de Harris, que é tão simples quando se segue:
      1 – crenças falar sobre fatos do mundo
      2 – crenças podem ser racionais ou irracionais
      3 – se irracionais, crenças podem ter consequencias
      4 – consequencias podem impactar a vida dos descrentes
      5 – algo deve ser feito contra essas crenças pelo ataque constante e abrasivo, excluindo aos poucos essas crenças do debate público

      essa desconstrução+reconstrução de Harris é plenamente coerente com o trabalho, e você não tem uma argumentação em contrária.

      Disto ocorre que você COMO NEO-ATEU (ao que parece) tem uma obrigação moral de usar os cinco passos de Harris mais para atacar o esquerdismo (cuja crença matou 150 milhões de pessoas no século XX, e ainda levou aos homens bomba e todo o jihadismo) do que ataca a religião tradicional.

      Se não fizer isso, é moralmente incoerente.

      Abs,

      LH

      • Como sou contra divagações ao acaso vou simplesmente usar a estrategia que você usou, contra você mesmo.
        Tudo que eu escrevi se confirma justamente quando você diz:
        … ‘Existindo pessoas que articulem pensamentos sobre mistura de frameworks de investigação de fraudes com dinâmica social e ciência política melhor que eu, favor me indicar. Agradeço bastante” …
        Este seu pensamento se fosse verdadeiro estaria excluindo todos nos bilhões de pessoas do planeta de qualquer comparativo com sua “onipotência majestosa inteligencia” que somente você Luciano possui, e é claro encerra qualquer discussão ;).
        Se alguém, neste momento, te aplaudir, então admite estar a sua sombra e submissão, aos quais ofereço apoio psicológico para se reerguerem desta factual condição, sem mais no momento.
        Lhe desejo mais sobriedade em seus pensamentos, e menos emoção associada a um marketing pessoal tão bem elaborado, mas tão afetado pelo desequilíbrio psicológico, toda esta soberba lhe dá um potencial fantástico para atuar como palestrante politico ou estrategista de campanha, mas não para conviver em paz nas ruas com um mundo de pessoas, numa realidade em que se exige respeito às pessoas e seus pensamentos.

      • Pierry, seu fraudador intelectual, não faz o menor sentido você afirmar que a frase:

        “Existindo pessoas que articulem pensamentos sobre mistura de frameworks de investigação de fraudes com dinâmica social e ciência política melhor que eu, favor me indicar. Agradeço bastante”

        esteja afirmando um pensamento que possa ser verdadeiro ou falso.
        Ele PEDIU que você apresenta-se à ele pessoas que atendem um determinado critério JUSTAMENTE para ele aprender mais.
        É como se eu dissesse:

        “Existindo pessoas que saibam mais sobre programação do que eu, favor me indicar. Agradeço bastante”.

        nessa frase, assim como na do Luciano, foi apenas solicitado à VOCÊ que indicasse determinado tipo de pessoas para que eu possa APRENDER mais com elas.
        Em nenhum momento foi afirmado que tais tipos de pessoas “não existem”, como você descaradamente finge que foi dito por ser um fraudador intelectual.

        Agora deixe de fraudes e comece à apresentar tais pessoas. Pois o Luciano parece querer conhecer as ideias de tais pessoas para aprender mais, e eu também.

        E caso você não conheça tais pessoas apenas diga que não conhece.
        Não se preocupe, ninguém vai ficar imaginando que essas pessoas não existem só porque você não as conhece. Sabemos que você não é onisciente.

  24. Apenas uma pergunta Andre, ou melhor “testa”(ou codinome) de Luciano, porque o próprio Luciano não assinou a resposta ? Sentiu o tiro no pé ? Plano B ?

    E sobre apresentar alguma pessoa aqui, pelo grau de ativismo politico neste ambiente, nunca iria expor qualquer amigo ou parente, até pelas belas aulas dadas de estrategias de intimidação social aqui descritas.

    Aqui não existe consenso ou dialogo, ou se “vence” ou se “desconstroi” o oposto, não é um ambiente de colaboração de pensamentos apenas uma “arena” de ideias: onde serão todas exauridas ao extremo até que “sobreviva” sempre o entendimento de quem “comanda” aqui.
    E é claro nunca seremos valorizados, nenhum de nós visitantes, apenas nos tornamos “engrenagens” para fortalecer a “maquina” do pensador “MOR”.
    Em resumo, leia-se:”Ou aplaudam de pé ou fiquem de fora do meu brilhante caminho”…
    Sucesso nesta sua empreitada Luciano…

    • “Apenas uma pergunta Andre, ou melhor “testa”(ou codinome) de Luciano, porque o próprio Luciano não assinou a resposta ? Sentiu o tiro no pé ? Plano B ?”.

      Eu sei lá. Eu apenas respondi porque vi sua fraude. Por que ele não respondeu é com ele.
      Acusar o Luciano de postar usando outro nome, mais uma acusação sem fundamento de sua parte.
      Eu não sou o Luciano.

      De resto entendi que as pessoas que você conhece não são capazes de vencer uma discussão com argumentos, ou você não conhece tais pessoas,
      mas ao invés de admitir isso você dispara um bando de acusações falsas para não indicar tais pessoas.

      Além do mais, não foi dito que você teria que indicar pessoas para virem aqui discutir ideias no blog.

      Foi pedido para você indicar pessoas, sejam elas escritores de livros, filósofos ou outros escritores de outros blogs que “articulem pensamentos sobre mistura de frameworks de investigação de fraudes com dinâmica social e ciência política” melhores que o Luciano para que todos pudéssemos ler os materiais produzidos por essas pessoas e então aprender mais com elas.

      Esse é o tipo de indicação que eu pedi, e que pelo que entendi o Luciano também.
      Não é preciso que você indique ninguém para vir aqui discutir no blog.

  25. Olá Luciano! Tinha uma excelente página no seu site sobre as rotinas neo-ateístas e a refutação delas, mas não estou encontrando mais. Poderia me ajudar a encontrá-las ou postar novamente? Seria de muito ajuda! Obrigado!

  26. Eu não sabia que o dinheiro dos nossos impostos eram usados pra pagar indenizações a vitimas de pedofilia da Igreja Católica?!?!? kkkkkk sim, porque fazer uma charge co-relacionando impostos e dízimos é de uma demência única!! Tipo, Dizimo paga quem quer, já imposto é obrigatório, e claro, O Governo não paga com nossos impostos casos de pedofilia, já os cristões coitados, juntam grana pra dar aos padrecos, e eles pagam por ano uns 2 bilhoes de indenizações por fuderem os filhos dos católicos.

Deixe uma resposta