Mais uma consequência do vitimismo LGBT: Professora é espancada por travestis e seguranças nada fazem para ajudá-la

11
223

nao-escuto-nao-vejo-e-nao-falo

Segundo o Globo, em notícia de 1 de fevereiro, uma professora foi espancada por travestis dentro de uma rodoviária. Leia abaixo e depois comento:

Uma professora universitária foi espancada, dentro da Rodoviária de Santos, no litoral de São Paulo, após esbarrar em dois travestis que estavam no local. Júlia Fernandes estava acompanhada do pai, de 63 anos, quando ambos foram atacados pela dupla no momento em que aguardavam um ônibus que iria para a cidade de São Paulo. Ninguém foi preso.

Segundo Júlia, ela e o pai tinham acabado de fazer um saque em um dos caixas eletrônicos da rodoviária de Santos e buscavam uma cadeira para aguardar o ônibus. “Estávamos aguardando o ônibus, já que estávamos uns 20 minutos adiantados. Fizemos um saque e fomos procurar um banco para sentarmos”, conta.

Quando procurava um lugar para sentar, dois travestis trombaram nela e no pai. “Ambos passaram pela gente dando um esbarrão. Logo em seguida eu perguntei se eles não enxergavam. Isso foi suficiente para um deles partir para cima de mim e do meu pai”, explica.

Após as agressões, Júlia conta que não teve ajuda dos seguranças da rodoviária. Segundo ela, não houve nenhum movimento para separar a briga. “Após caírmos no chão e nos levantarmos, os dois ainda estavam no local. Eu pedi para os seguranças não deixarem eles fugir. Não nos estenderam nem o braço para nos ajudar a sair do chão. Nossos pertences ficaram espalhados pela rodoviária”, conta.

A professora registrou boletim de ocorrência contra os travestis e fez o exame de corpo de delito em São Paulo, cidade onde mora. Ela diz que entrará na Justiça contra a rodoviária de Santos e também fará uma queixa na ouvidoria da cidade.

A Prefeitura de Santos afirmou, por meio de nota, que a vigilância na rodoviária de Santos é feita por uma empresa contratada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que é responsável pela administração do serviço e que, conforme o relatório da empresa, um dos vigilantes percebeu o desentendimento e agiu de imediato para separar os envolvidos.

Todos os dias, gays são agredidos por gays ou heterossexuais, e heterossexuais são agredidos por gays ou heterossexuais. Até aí não há nada demais na notícia acima.

O detalhe é que neste caso a agressão foi adornada pela inércia absoluta por parte dos seguranças da rodoviária. Qual o motivo para isso ter acontecido?

O fato é que essa cultura de vitimismo criada pela esquerda criou classes especiais de seres humanos que possuem privilégios, em detrimento aos demais cidadãos. Podemos apostar na hipótese de que os seguranças pensaram que seriam acusados de “homofobia” se separassem a briga.

Sei que a esquerdalha vai gritar “homofobia, homofobia” diante dessa constatação somente por que eu estou dizendo o óbvio em termos morais: se um homossexual for agredido por heterossexuais (ou não) em uma rodoviária, e os seguranças não atuarem, temos uma atrocidade tão grande quanto se um heterossexual for agredido por homossexuais (ou não) em uma rodoviária, e, da mesma forma, os seguranças não atuarem.

Por causa da cultura de vitimismo injustificado, no entanto, os esquerdistas não conseguem fazer com que seus cérebros assimilem tal obviedade moral.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Oi Luciano.

    Estou em pleno acordo com sua análise da ocorrência.

    Porém me vem à mente a imagem de um futuro próximo, no qual estará aberta a temporada de caça aos homossexuais, especialmente aos travestis que fazem o tipo “bixa louca” esganiçada.

    Digo isso porque com essa constante demonização da polícia, então os próprios policiais farão corpo mole quando as turbas de cidadãos furiosos iniciarem, infeliz e horrivelmente, um verdadeiro rapa dos travecos folgados. E temo mesmo pela ocorrência de linchamentos mortais.

    Estamos sendo conduzidos paulatinamente a um estado de barbárie, sendo cozidos como sapos, e tendo nossa humanidade destruída por esse esquerdismo demente, que busca a “construção” do tal “admirável” homem “novo”.

    Meu caro Luciano, recomendo que você retome urgentemente sua Fé em Deus e reze. Reze muito!

    OK! OK! Forget about that!

    Talvez essa tarefa seja demasiada pra você… Já lembrei! Como é mesmo o busílis? Ah! Já sei… é o tal do neo-iluminismo né?

    OK! OK! Tá bom! Tá bom! Nada contra!

    Então recomendo que ao menos você cruze os dedos!

    Forte abraço.

    • Me desculpe, meu pezado.

      Essa sua visão não é para um futuro indetermiinado. Esse futuro já está presente. Primeiro foi o quase linchamento de um black-bloc em São Paulo.

      Ontem (ou anteontem, não me lembro) , foi o marginalzinho que levou uns bofetes e acabou amarrado a um poste. O que falta é aparecer um gay assassinado por uma turba insana.

      Já que a polícia não pode fazer nada, as pessoas fazem e aí, é um salve-se quem puder!

  2. BIcha quando é má, só fica boa em final de novela da Globo. Na vida real, continua sem valer nada, como qualquer um. Se eu estou lá, desço o braço nuns fdp desses.

  3. Mais uma BOMBA ! http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/economia/2014/02/07/justica-condena-empresa-a-pagar-r-14000-por-constranger-casal-de-mulheres.htm

    A Justiça do Trabalho condenou uma empresa de transportes de Belo Horizonte (MG) a pagar R$ 14 mil, por danos morais, a duas funcionárias homossexuais que teriam sido submetidas a constrangimentos e humilhações no trabalho. Cada uma delas deve receber indenização de R$ 7.000.

    A empresa ainda poderá recorrer da decisão ao TST (Tribunal Superior do Trabalho). O processo correu em segredo de Justiça e os nomes das partes não foram divulgados.

    As mulheres, que formam um casal, teriam sido vítimas de comentários preconceituosos feitos por outros funcionários. “Alguns minutinhos comigo as faria deixar de gostar de mulher”, chegou a dizer um motorista a uma das empregadas.

    A decisão é da juíza Aline Paula Bonna da 30ª Vara do Trabalho. A empresa recorreu, mas a sentença foi considerada “irretocável” e mantida pelos desembargadores do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de Minas Gerais.

    A Justiça do Trabalho condenou uma empresa de transportes de Belo Horizonte (MG) a pagar R$ 14 mil, por danos morais, a duas funcionárias homossexuais que teriam sido submetidas a constrangimentos e humilhações no trabalho. Cada uma delas deve receber indenização de R$ 7.000.

    A empresa ainda poderá recorrer da decisão ao TST (Tribunal Superior do Trabalho). O processo correu em segredo de Justiça e os nomes das partes não foram divulgados.

    As mulheres, que formam um casal, teriam sido vítimas de comentários preconceituosos feitos por outros funcionários. “Alguns minutinhos comigo as faria deixar de gostar de mulher”, chegou a dizer um motorista a uma das empregadas.

    A decisão é da juíza Aline Paula Bonna da 30ª Vara do Trabalho. A empresa recorreu, mas a sentença foi considerada “irretocável” e mantida pelos desembargadores do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de Minas Gerais.

  4. Eu nasci e moro em Santos. E digo com propriedade: várias pessoas são assaltadas e agredidas quase diariamente pelos travestis que fazem ponto no centro. A Delegacia Seccional de Santos fica quase ali do lado, mas nunca acontece nada. Eles são praticamente invulneráveis, protegidos pelos cafetões e pela militância politicamente correta.

  5. Dois pesos e duas medidas:
    – um gay agredido por um hétero= homofobia, um hétero agredido por um gay= legitima defesa ;
    -um arranhão de 2 cm no braço de uma mulher = lei maria da penha com todo seu peso e força, um deslocamento de retina em um homem causado pela mulher = legítima defesa;
    -um latrocida de 17a11meses = criança inimputável, um latrocida de 18a1m= 15 anos de prisão;
    -policial apedrejado em manifestação= azar o dele se lesionou cumprindo o seu dever, maníaco agressivo lesionado por bala de borracha em manifestação depredatória = violência policial=polícia despreparada; -bandido com arranhões= tortura policial-corregedoria-abuso de autoridade , policial ferido em prisão = azar o dele+ 1 dia de atestado médico;
    -médico salva a vida de uma pessoa e a pessoa o processa por erro médico pela cicatriz ter ficado feia= indenização , médico opera uma pessoa e recebe um cheque sem fundos = foi se burro por não ter sacado o cheque antes de operar;
    -eu sou negro POBRE= cotas em faculdades-pobre vítima da escravidão no passado, meu vizinho branco E TAMBÉM POBRE= ??? – teve azar de nascer branco

    Esse País caminha para um rumo que só o futuro nos dirá, mas enquanto isso o cidadão mais fudido do Brasil: UM HOMEM, BRANCO, HETEROSSEXUAL, NÃO IDOSO, NÃO MENOR DE 18 ANOS, NÃO DEFICIENTE, POBRE, CASADO, DESEMPREGADO E FEIO; esse aí só tem direito de estar vivo porque o coração não para de bater.
    BRASIL LATA DE LIXO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe uma resposta