Lula é o cara… chefiando a articulação para tentar salvar a ditadura venezuelana

10
91

Presidente-Lula-Folhapress

Imagine um esquerdista desavisado que tenha lido as seguintes linhas abaixo:

  • Lula está empenhado em proteger o governo venezuelano
  • Mais do que isso, ele articulou a nota de apoio do Mercosul a Nicolsa Maduro
  • Ele ainda viaja para Cuba para organizar esquemas para salvar Maduro

Logo de cara, já imagino os protestos: “O Luciano faz acusações levianas” ou “É teoria da conspiração he he he”. O problema é que as informações acima foram publicadas pelo blog governista Brasil247, que é porta-voz do Planalto. Leia o texto “Lula vai a Cuba contra efeito dominó da Venezuela”:

O ex-presidente Lula está envolvido de corpo e alma, como é do seu estilo, na talvez mais difícil missão diplomática que já se impôs. Ele quer salvar o regime constitucional da Venezuela, chavista e à esquerda no quadro político global, especialmente na América do Sul. Lula foi o principal articulador da nota do Mercosul em apoio ao governo do presidente Nicolás Maduro, numa decisão discutida com o presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, no Palácio Presidencial, em Motevideo, na segunda-feira 17.

Como noticiou 247, eles trataram de organizar a resistência da esquerda ao que consideram ser um possível rompimento constitucional a partir de numerosas manifestações de rua em todo o país. Temem que o recrudescimento da violência civil desperte apetites golpistas, como sempre acontece na dividida Venezuela.

Nesta segunda-feira 24, dando seguimento a seu roteiro de chefe da esquerda latino-americano e seu principal líder político, Lula aos Castro, Raúl e Fidel, em Cuba, avaliar todos os ricos para o regime socialista no caso de fim abrupto do chavismo. Qual seria a reação americana à ilha de Fidel? Alguma chance de crescimento repentino da oposição interna? Como compensar o governo de Raúl pela perda anunciada de milhões de barris de petróleo nas relações comerciais? E, por último mas não menos importante, o que a sabedoria dos Castro prevê como efeito para o Brasil em meio à crise do regime bolivariano.

A situação de Nicolás Maduro vai sendo duramente fustigada não apenas pela oposição, com seus comícios e manifestações de rua, mas também pela ação de grupos paramilitares que se dizem fiéis ao governo e ao chavismo. Em despacho de Caracas, Agência Reuters anota que presidente estaria perdendo o controle sobre a ação desses grupos de mascarados violentos. Foi com um tiro disparado de uma motocicleta, como é característica dessas falanges. Numa manifestação, a miss Turismo Genêsis Camona, de 22 anos, foi morta com um tiro disparado por um homem em uma motocicleta.

O governo prendeu o chefe dos manifestantes, Leopoldo Lopez. A Fiscalía, equivalente ao Ministério Público brasileiro, pode pedir a prisão dele pelo crime de organização da delinquência, o que poderia render pena de 10 anos de prisão.

Dos Estados Unidos, o presidente Barack Obama manda recados. Ele disse que o governo Maduro “não está sabendo ouvir o povo da Venezuela”, depois de três diplomatas expulsos do país sob acusação de conspiração.

A partir do encontro com Mujica, Lula fez chegar ao Mercosul o desejo de que uma nota de solidariedade ao “governo constitucional” da Venezuela fosse divulgada pelos países membros. O intento foi conseguido, mas a frustração de Lula, até aqui, é com a tímida, praticamente inexistente, reação oficial do governo brasileiros aos acontecimentos. Não se deu a conhecer nenhuma palavra do chanceler  ou uma nota do Palácio do Itamaraty, quanto mais do Palácio do Planalto ou da presidente Dilma Rousseff. Uma tuitada.

Não é a primeira vez que os Castro assistem a uma crise política na Venezuela. Eles são craques em avaliar possibilidades e efeitos, com informações frescas de dentro do regime, a partir do diálogo com o próprio Maduro. Com Hugo Chávez, porém, havia mais estabilidade, ainda que os tempos de seus governos tenha sido turbulentos.

O sucesso Maduro assumiu o governo em meio a denúncias de que teria perdido a eleição para Capriles, mas até mesmo pela solidariedade de país do subcontinente, tomou posse – e passou a fazer das suas. O ex-caminhoneiro que tem visões de Hugo Chávez semana sim semana não, acelerou nas trombadas que o antigo presidente gostava de dar com a mídia do país, considerada golpista pelo regime. Quinze dias atrás, Maduro, na prática, interrompeu o fornecimento de papel jornal, com brutal elevação de tarifas de importação. A provocação desaguou numa série de manifestações estudantis, reprimidas com violência pelas forças de segurança. Nesse meio, grupo paramilitares voltaram a se organizar, promovendo arruaças em suposta defesa do governo.

Entre o fogo dos paramilitares encapuzados e as multidões de oposicionistas que estão nas ruas, Nicolás Maduro não tem para onde correr neste momento. Se perder o controle do exército, ele precisará de muita solidariedade internacional para se manter no poder sem a convocação de eleições ou concessões do tipo uma assembleia nacional constituinte. O momento, no entanto, é tão conturbado, que nenhum diálogo é possível agora.

Será que Lula pode salvar a Venezuela do caos e evitar um efeito dominó sobre a esquerda da América Latina?

Em suma, a violência praticada pelo governo venezuelano é endossada por Lula. Ele sabe que precisa ajudar um governo aliado do Foro de São Paulo pois falamos de um núcleo fortíssimo de poder (e, como já sabemos, a essência do esquerdismo é baseada em dar o poder de um estado absolutista para poucos).

E não é apenas Lula a endossar as crueldades do governo de Maduro, como também o próprio PT, como podemos ver na nota abaixo, publicada no site do PT:

1. Condenamos os fatos e ações com vistas a desestabilizar a ordem democrática na Venezuela; rechaçamos ainda as ações criminosas de grupos violentos como instrumentos de luta política, bem como as ações midiáticas que ameaçam a democracia, suas instituições e a vontade popular expressa através do voto. Lembramos que esta não é a primeira vez que a oposição se manifesta desta forma, o que torna ainda mais graves esses fatos.

2. Nos somamos à rede de solidariedade mundial para informar e mobilizar os povos do mundo em defesa da institucionalidade democrática na Venezuela, fortalecer a unidade e a integração de nossos povos.

3. Nos solidarizamos aos familiares das vítimas fatais fruto dos graves distúrbios provocados, certos de que o Governo Venezuelano está  empenhado na manutenção da paz e das plenas garantias a todos e todas cidadãos e cidadãs venezuelanas.

São Paulo, 18 de fevereiro de 2014.

Rui Falcão
Presidente Nacional do PT

Mônica Valente
Secretária de Relações Internacionais do PT

Como de costume, as fraudes costumeiras, como chamar a ditadura venezuelana de “democracia” (mesmo que eles tenham censurado toda a mídia), e dizer que a “mídia está eles” (quando quase toda a mídia de lá é estatal), além de afirmar que “governos eleitos são legítimos” (sem se esquecer de que eles podem, mesmo depois de eleitos, ser rejeitados pelo povo – como no exemplo do impeachment de Collor). Em suma, o PT faz discursos para promover uma ditadura usando e abusando do cinismo e da fraude.

A cara de pau é tamanha que eles dizem “se solidarizar aos familiares das vítimas fatais” do governo venezuelano, quando na verdade essas mortes foram causadas pelo governo que eles apoiam.

O fato é que não há mais dúvidas:  o PT oficializou seu suporte à ditadura chavista e, além disso, ao barbarismo praticado pelas tropas de Maduro contra seu próprio povo.

Em tempo: o vídeo abaixo mostra o nível de atrocidades endossadas pelo PT:

Depois de tudo isso, não é possível que qualquer pessoa intelectualmente honesta vote no PT.

Anúncios

10 COMMENTS

  1. O PT sempre ficou ao lado de genocidas e ditadores. Mas sinto o cheiro de medo pela primeira vez no ar, distinto, desde que essa corja de bandidos subiu ao poder, há quase doze anos. O que Lula foi conversar com FIdel, o verdadeiro Presidente do Brasil? Penso que a tragédia Venezuelana pode fazer despertar o gosto pela verdade em milhões de brasileiros. E acho que LUla e Fidel pensam a mesma coisa.

  2. APEDEUTA MISERÁVEL!!!! BANDO DE PORCOS COMUNISTAS VAGABUNDOS!!

    Eu estou chocado com o vídeo e chocado com a proteção que esse apedeuta e todos essa corja de vermelhos dão a esse terrível ditadura. Precisamos tira-los urgentemente do poder. Que a Venezuela sirva de exemplo, e que haja esse efeito dominó em toda America Latina.

    #PrayForVenezuela

  3. Obrigado Lula, por nos dar essa excelente oportunidade de capitalização política!!!
    Obrigado Brasil247!!!

    E acima de tudo, obrigado internet, por tornar disponíveis tantos e tantos vídeos que mostram a truculência da ditadura venezuelana, e por todo o resto também!

    Agora é só espalhar essas notícias por TODA A INTERNET!!!

  4. Vejo um grande perigo para o Brasil. Pense se a Venezuela se libertar do Chavismo,logo estaria com uma aliança com a Colômbia. Apoiada fortemente pelos colombianos. Se a Argentina se libertar do esquerdismo. Além de outros países sul-americanos. Mas ! A maioria do povo brasileiro encantado com o carisma de Lula fazer do Brasil um bastião do esquerdismo nas Américas. Aí ! Tenho a previsão de um fortíssimo sentimento anti-brasileiro na América do Sul e por todo mundo. E terríveis conflitos com vizinhos sul-americanos .
    O que poderia levar o Brasil a sofrer uma seríssima antipatia por seus vizinhos sul-americanos,centro e norte também. Se é que o apoio ao Lula ao ditador Maduro já macula tremendamente a imagem do Brasil. As pessoas ligam pouco se o governo do Uruguai apoia Maduro,mas o apoio do Governo brasileiro e uma importantíssima figura nacional tem peso muito forte. Do Brasil maior país da AL se espera o melhor exemplo e atitude.

    Só sei que a colheita de males será muita farta por causa daquele nordestino pobre,retirante da seca,um operário que a chegou á presidência do Brasil. Uma figura que mostra que o pobre pode subir na vida. Todos conservadores conhecem essa mitologia. Esse pobre “operário” hoje causa sofrimento até em estrangeiros distantes. Como disse um comentarista canadense em 2010,escandalizado com a eleição de Dilma; “o Brasil está preste a ir para o purgatório”

    E está mesmo !!!

    • Nill, não se esqueça que ainda temos Maduro, Kirchner e Morales para derrubar. E eu tenho esperança que o pt caia esse ano (não é possível que tanta estupidez fique impune, uma hora eles se ferram bonito!)

  5. Luciano ! Queria uma opinião sua. Hoje (dia 21) No Jornal Nacional a Patricia Poeta apareceu com uma blusa vermelha. Não sei se é pura escolha dela ou se era alguma mensagem decodificada para os petralhas. Fiquei desconfiado com isso. A presidANTA Dilma adora vestir vermelho. Durante a reportagem sobre a Venezuela, o tal Maduro apareceu com uma camisa vermelha,a cor ( tonalidade) era bem parecida com a blusa De Patricia Poeta. A mim me pareceu uma mensagem oculta aos esquerdistas. Como através da cor vermelha o jornal Nacional estar dizendo. Ok ! Estamos com vocês!
    Será isto mesmo. Qual sua opinião Luciano.

  6. O Foro de São Paulo terá tempos difíceis pela frente. Se o Maduro cair se vai os bilhões em receita do petróleo que é usado para se perpetuar no poder e financiar a esquerda em outros países pelo continente. Cuba por outro lado que já tem uma economia praticamente inexistente afunda mais ainda. Se o próprio Brasil247 está dizendo que temem um efeito dominó acho que realmente é possível. A Kirchner e o PT no Brasil estão no poder por um fio e somente no poder por falta de uma oposição que verdadeiramente queira governar o país – não um PSDB da vida! Para mim, se essa esquerda golpista for derrotada na América Latina eu quero que os países se juntem a invadam Cuba. O Fidel junto com seus comparsas que exploram os Cubanos à décadas precisam ser julgados por seus crimes contra a humidade assim como os Nazistas foram. Eu estou otimista pelo futuro, sinceramente. Infelizmente acredito que vai ficar pior antes de melhorar, mas estamos quase lá. Seja com o surgimento de um novo candidato ou o Bolsonaro ou até uma Intervenção Militar que concertasse o país como o Pinochet fez no Chile, o Brasil jamais será vermelho. Vejo que pelo o que se vê acompanhando alguns sites militares, os nossos milicos não gostam e não vão aderir ao esquema Bolivariano. A direita nesse país tem que ficar mais esperta, ir fazendo seu dever de casa, lendo, aprendendo, fazendo barulho e ir se organizando…

    AVANTE!

  7. Luciano, vamos à Venezuela:

    1) Vem do Opera Mundi o embaixador venezuelano no Brasil sendo entrevistado e dizendo que estaria em curso um golpe financiado pelos Estados Unidos para tomar o petróleo de nosso vizinho fronteiriço mais a norte. OK, é embaixador e provavelmente tão chavista quanto o sepultado presidente sucedido por Maduro, tendo de defender quem o pôs naquele cargo mesmo que não fosse chavista, mas não podemos deixar de considerar que aqui cai naquelas justificativas-chavão conhecidas;

    2) Depois do assassinato de Génesis Carmona, misses fazem campanha pela paz no país que tem proporcionalmente o maior número de títulos de Miss Universo por 100 mil habitantes. Segue videozinho:

    http://www.youtube.com/watch?v=9h91IDSkozE

    Poderíamos pensar que é uma daquelas campanhas alienadas pela paz com gente vestida de branco que vemos por aqui sempre que há um assassinato que causa comoção, mas se analisarmos a coisa mais atentamente, há detalhes interessantes, como termos a mobilização de misses como se fossem uma categoria sindicalizada local e, tal qual um sindicato moderno, exercendo influência política.
    Também temos a evocação da memória do assassinato de Mónica Spear, Miss Venezuela 2005, que ocorreu antes da onda de protestos. Logo, minimizaram eventuais acusações de oportunismo com a morte de Génesis. O outro detalhe é que o grupo já declarou que também está contra a criminalidade galopante no país (logo, estão implicados também assassinatos cometidos por milícias chavistas, como dos protestos contra a suspeita de fraude nas urnas). Também há um uso de táticas de Gene Sharp na coisa, como a adoção de hashtags em inglês.

    Como concursos de miss são paixão nacional e suprapartidária, manter uma postura mais distante dos lados em conflito é algo sábio, pois qualquer um sabe que deve haver um monte de chavistas que gostam de ver o concurso, assim como nenhum presidente local é louco de fazer pronunciamento em dia de concurso de Miss Universo. A sabedoria aqui está no fato de que um chavista acabaria sendo obrigado a pensar sobre a que ponto as milícias leais ao bolivarianismo têm de responsabilidade na coisa. Além disso, a exigência de respeito a direitos humanos e às seguranças alimentar, educativa (as escolas estão sem aulas) e geral (aqui incluído o tal lance de lá estar mais violento que aqui mesmo antes da onda de protestos, com o agravante de as estatísticas estarem escondidas). Logo, é aquele lance de elas porem os rostinhos bonitos com uma reivindicação aparentemente vaga como a primeira pedra de dominó a ser movimentada.
    A outra coisa em questão é que se formos analisar pelos usos de postulados marxistas-humanistas-neoateístas constantemente evocados contra uma sociedade, fica muito difícil de os chavistas usarem qualquer um deles, até pelo fato de haver muitos que são fãs de concursos de miss e falar contra isso poder gerar convulsão interna entre eles. Não poderão falar que o padrão de beleza feminino é uma imposição da sociedade, até porque devido à paixão pelos concursos de miss, é muito possível que significativa parte dos venezuelanos saiba que os padrões de beleza feminina seguem parâmetros inalteráveis em qualquer civilização (cintura sendo 70% da circunferência do quadril, rosto simétrico e que siga proporções áureas e pequenos defeitos como pintas podendo colaborar para a beleza, entre outras constatações científicas). Poderiam fazer acusações de racismo pelo fato de muitas das misses terem sobrenomes de imigrantes europeus recentes, mas esbarrariam no problema de outras tantas terem evidentes traços que denotam ancestralidade indígena (responsável por 23% do DNA dos venezuelanos, que tem 60,6% de origem europeia e 16,3% de origem africana). Também não dá para acusar de elitismo, pois suspeito que um significativo número de misses tenha origem bem humilde.

    Observe-se também que elas pegaram algo bem gramscianizável (a morte de uma mulher causar mais comoção que a de muitos homens) mas não fizeram aquilo que os MHNs queriam, pois falaram de parar com a violência geral do país, sequer tendo falado de “violência contra a mulher” e outros termos capitalizáveis pelos seguidores de Frankfurt. Logo, aproveitaram o impulso gramscista, usaram a lógica de Alinsky de fazer a outra parte jogar por seu próprio livro de regras (uma vez que a morte de uma mulher é capitalizável), mas guiaram para onde quiseram, que é o fim de todas as violências. Enfim, acabaram fazendo algo que, mesmo involuntariamente, a mim soa como uma engenharia reversa do gramscismo;

    3) Segue análises sobre a situação local.

Deixe uma resposta