Leopoldo López e muitos venezuelanos dão um exemplo a ser seguido pelos direitistas depressivos do Brasil

39
56

Venezuela-Lopez

Para quem ainda não leu sobre o termo direitismo depressivo (criado por este blogueiro que vos escrevo), uma sugestão é ver os textos Como nos livrarmos do direitismo depressivo e enfim começarmos a ajudar o pensamento de direita e Dica aos direitistas depressivos: nada de ir para os Estados Unidos.

É exatamente do direitismo depressivo que vou falar após mostrar a notícia abaixo, do UOL (“Líder oposicionista preso na Venezuela pede para que manifestantes não desistam”):

O líder oposicionista venezuelano Leopoldo López, preso desde terça-feira (18), pediu na madrugada desta sexta-feira (21) a seus apoiadores que mantenham os protestos pacíficos contra o presidente Nicolás Maduro, apesar da violência que já matou mais de seis pessoas.

“Estou bem, peço a vocês que não desistam. Eu não vou”, disse López em uma nota manuscrita entregue a sua mulher na prisão de Ramo Verde e, em seguida, publicada na internet.

López, 42, é um dos líderes dos protestos contra o governo chavista que começaram no início do mês. O oposicionista se entregou aos militares após ter um mandado de prisão emitido contra ele, acusando-o de instigar a violência.

Governo e oposição estão se culpando mutuamente pelas mortes e pelos mais de cem feridos nos protestos. Os chavistas dizem que atiradores de elite estão infiltrados na oposição e que os radicais estão usando o caos para forçar um golpe.

#ElQueSeCansaPierde/ Mensaje 1 /LThttp://t.co/mD80TCBNAD
Leopoldo López (@leopoldolopez) February 21, 2014

Os manifestantes, principalmente estudantes, acusam Maduro de agravar a repressão da polícia. Eles afirmam que a polícia atirou durante os protestos e que milícias pró-governo atacam os manifestantes.

“Para a polícia, soldados, promotores e juízes: não obedeçam às ordens injustas, não se tornem a face da repressão”, disse López em sua nota da prisão.

“Para os jovens, os manifestantes, peço-lhes para ficar firme contra a violência, e para manter-se organizados e disciplinados. Esta é a luta de todos”, completou. (Com Reuters)

Basta avaliarmos os fatos: mesmo que o Brasil tenha excesso de influência de movimentos sociais de esquerda que afrontam a ética de qualquer ser humano decente e um partido de extrema-esquerda há 12 anos no poder, ninguém em sã consciência pode dizer que estamos em um nível tão baixo quanto na Venezuela. Ponto.

Mesmo assim, alguns direitistas depressivos limitam seu discurso contra a esquerda aos seguintes frames:

  • O adversário venceu
  • Acabou-se tudo
  • Melhor fugir do país

Não existem palavras politicamente tão equivocadas quanto essas. No mundo corporativo (não em empresas estatais, obviamente), quem quer que professe discursos como estes acima torna-se alvo de gerentes que prestem atenção nos eventos. Diante de pessoas proferindo discursos deste tipo em âmbito corporativo, a reação da gestão geralmente é deste tipo: “Demitam este sujeito o mais rápido possível antes que ele desanime o resto da equipe e ajude a concorrência”.

Em tempo: eu não estou propondo ações de qualquer tipo contra direitistas depressivo. Estou apenas expondo um exemplo para mostrar o quão danoso é este tipo de comportamento, mostrando que, no mundo corporativo, ele serve inclusive para recomendar a demissão de quem o profere, pois discursos assim só tem funcionalidades como as seguintes:

  • Desanimar a moral da tropa
  • Dar moral para a tropa oponente
  • Aniquilar iniciativas
  • Construir fracassos
  • Promover o oponente

Do mundo corporativo para a política pública, basta substituir “concorrente” por “oponente político” ou “esquerdista”.

Voltando ao caso venezuelano: se a Venezuela está em uma pindaíba de dar dó até aos brasileiros, isso ainda não é motivo para que o direitismo depressivo se torne um discurso padrão. Pelo contrário, o discurso de Leopoldo López e dos manifestantes (sejam eles de direita, centro ou esquerda moderada) é exatamente o oposto do direitismo depressivo.

Eis a pergunta incômoda: se os venezuelanos, que tinham tudo para assumir discursos depressivos (feitos para ajudar o oponente), estão assumindo uma postura combativa e digna, o que pode justificar o direitismo depressivo em um Brasil no qual o PT tem perdido parte de sua popularidade e tem sua aliança com o PMDB vivendo problemas?

Diante de verdadeiras lições de vida dadas pelos venezuelanos, entendo que o direitismo depressivo deva ser motivo de constrangimento. Ou, ao menos, de reflexão.

Anúncios

39 COMMENTS

  1. Cara, você não consegue perceber que ele tem apoio popular enquanto aqui no Brasil a pessoa que defende o que é certo se deparar com um brasileiro que acabou de cagar na própria mão e está disposta a tacar na pessoa que luta pelo que é certo?

      • Lucianohenrique! Você tem toda razão, os caras ficam de braços cruzados esperando um grande milagre divino, quando este não vem, choram. O povo brasileiro é despolitizado, mas são em sua maioria tendem a se alinharem a direita, basta que alguém possua coragem de falar as coisas como elas são, pronto, está ai a maioria para dar coro. Um grande exemplo disso é esse vídeo do Bolsonaro, onde ele faz campanha para ingressar na presidência da Comissão de Direitos Humanos, basta falas as coisas como elas são: http://www.youtube.com/watch?v=ybote10acL4
        Até em enquetes feitas pelo uol, bol, claro, tentando desqualificá-lo, o cara venceu em todas.
        A opinião pública está ai para quem quer ver, é nua e crua.

    • Maxwell, aqui no Brasil também temos representantes do pensamento de direita que tem apoio popular.

      Bolsonaro, Olavo de Carvalho, Rachel Sheherazade,…Todos representam pensamentos direitistas e tem cada vez mais apoio.

      O problema para mim é que ainda não temos uma “centralização” nos representantes da direita.

    • Tem razão, mas até há pouquissimo tempo, a oposição venezuelana era personificada por Capriles que, até onde é do meu conhecimento, também é de esquerda. E Capriles, depois de tantos ataques á democracia feitos pelos chavistas, se sentou na mesa de negociação com Maduro, mostrando que não difere muito de um político oportunista, já que, dessa “negociação” Maduro, aparentemente, como no caso da Persidenta Dilma, não fez concessão relevante alguma à “voz das ruas” conforme lideradas por Capriles.

  2. A verdade é que os comunistas prosperam enormemente quando depararam com uma oposição fraca,covarde,complacente,apática,mas quando depararam com alguém ou grupo corajoso,heroico,decidido,combativo, aí é um terror para eles.
    Se me permiti vou citar um trecho do livro Torturado por Amor a Cristo sobre a vida do pastor Richard Wurmbrand,na Romênia comunista.
    “””Quando os comunistas assumiram o poder, milhares de padres, pastores e ministros não sabiam como distinguir as duas vozes. Os comunistas organizaram um Congresso de todos os grupos cristãos no edifício do nosso Parlamento. Ali estavam quatro mil padres, pastores e ministros de todas as denominações. Esses quatro mil padres e pastores escolheram Joseph Stalin como presidente honorário do Congresso. Ao mesmo tempo, era presidente do Movimento Mundial dos Ateus e assassino dos cristãos. Um após outro, bispos e pastores se levantaram no nosso Parlamento e declararam que Comunismo e Cristianismo são fundamentalmente a mesma coisa e podiam muito bem coexistir. Um após outro, os ministros ali presentes pronunciaram palavras laudatórias ao Comunismo e asseguraram ao novo governo a lealdade da Igreja.
    Minha esposa e eu estávamos presentes. Ela, sentada junto a mim, dizia-me: “Ricardo, levanta-te e lava esta vergonha que está atirando à face de Cristo! Eles estão cuspindo no Seu rosto”. Respondi-lhe: “Se eu assim proceder, você perderá seu marido.” Ela atalhou: “Não quero ter um marido covarde.”
    Então levantei-me e falei ao Congresso, exaltando não aos matadores de cristãos, mas a Cristo e Deus e afirmei que a nossa lealdade é devida em primeiro lugar ao Senhor. Os discursos nesse Congresso estavam sendo irradiados; por todo o país se ouvia a proclamação do Evangelho, feita da tribuna do Parlamento comunista! Depois tive de pagar por isto, mas valeu a pena!
    Ortodoxos e protestantes disputavam entre si a entrega de cada um ao Comunismo. Um bispo ortodoxo colocou em sua batina a foice e o martelo, pedindo aos seus subalternos que não mais o chamassem de “Sua Graça”, mas de “Camarada Bispo”. Assisti ao Congresso dos batistas na cidade de Resita — congresso sob a bandeira vermelha — que o hino da União Soviética foi entoado por todos os presentes de pé. O presidente dos batistas afirmou que o que Stalin fez foi realizar a vontade de Deus e também o elogiou como um grande professor de Bíblia! Padres ortodoxos como Patrascoiu e Rosianou foram mais específicos. Tornaram-se agentes da Polícia Secreta. Rapp, bispo representante da Igreja Luterana da Romênia, começou a ensinar no Seminário Teológico que Deus deu três revelações: uma por Moisés, outra através de Jesus e a terceira através de Stalin, esta última superando a anterior.””

    http://www.reavivamentos.com/pt/livros/wurmbrand/RW_torturado_p_amor_cristo.html

  3. Luciano, deu um pau na citação da matéria do UOL que você pôs como citação, em que o que era para ser um tweet com foto saiu assim: #ElQueSeCansaPierde / Mensaje 1 /LT pic.twitter.com/mD80TCBNAD — Leopoldo López (@leopoldolopez) 21 fevereiro 2014

    Melhor pôr o link dele, pois provavelmente o WordPress irá já deixá-lo formatado certinho, como abaixo:

    http://twitter.com/leopoldolopez/statuses/436687606899019776

    Também acho que a frase Do mundo corporativo para a política pública, basta substituir “oponente político” ou “esquerdista” por “concorrente” possa estar com um erro de sentido e devesse ficar Do mundo corporativo para a política pública, basta substituir “concorrente” por “oponente político” ou “esquerdista”.

  4. Luciano, eu acho que a comparação com uma empresa não cabe, pelo motivo muito simples de que o público de uma empresa escolhe seus produtos racionalmente, não existe demagogia ou uma relação de idolatria a um macho alfa que supostamente o tirou da pobreza, como é o caso do eleitor do PT.

    Já esse cara aí é um político profissional, ele está tentando capitalizar para no caso do regime do Maduro cair, ele virar um dos novos chefões.

    • Luciano, eu acho que a comparação com uma empresa não cabe, pelo motivo muito simples de que o público de uma empresa escolhe seus produtos racionalmente, não existe demagogia ou uma relação de idolatria a um macho alfa que supostamente o tirou da pobreza, como é o caso do eleitor do PT.

      Essa ideia de escolha de produtos de forma racional é uma ilusão. Leia livros como “Brandwashing”, por exemplo. Assim como uma empresa faz propagandas, políticos também fazem.

      Qualquer empresa que lançar um comercial dizendo “Estamos ferrados, melhor desistir de vender, o concorrente leva tudo” está fora do mercado. E qualquer pessoa que vier com esse tipo de discurso diante de QUALQUER TIPO DE META também sabe que está construindo fracassos.

      Já esse cara aí é um político profissional, ele está tentando capitalizar para no caso do regime do Maduro cair, ele virar um dos novos chefões.

      Meu texto não foi apenas sobre o Lopez, mas também sobre os manifestantes venezuelanos que, ao invés de falarem “acabou-se tudo, Maduro jamais vai cair, ele reinará”, estão fazendo algo. 😉

      E o que vai ocorrer quando Lopez entrar eu não sei, pois não tenho bola de cristal. E NEM SEI se ele vai entrar…

      O que importa, neste momento, é a ação, elogiável, dele e dos manifestantes cubanos.

  5. Agora Luciano, porque vc acha que eu entraria em depressão ao constatar que o Brasil não tem jeito? Eu não tenho nenhuma ligação emocional com essa terra, nem como esse povo, nem com essa cultura nem com nada. O Brasil que eu gostava um pouco era o dos anos oitenta, mas esse já está morto, de um jeito ou de outro.

    • Eu não acho que você entraria em depressão, mas lança um DISCURSO DEPRESSIVO.

      Direitismo depressivo é a designação para um DISCURSO DE PROPAGANDA PARA O ADVERSÁRIO.

      É mais uma mania do que a designação de um estado clínico. 😉

  6. Luciano, eu tenho certas dúvidas. Vejamos os exemplos citados de ‘direitismo depressivo’:

    O adversário venceu
    Acabou-se tudo
    Melhor fugir do país

    A frase (1) é verdadeira, pelo menos sob alguns aspectos. Afinal, a esquerda controla os movimentos sociais, o aparelho de Estado e grande parte da mídia. Não é uma vitória definitiva, mas uma análise realista demonstra que, no momento, eles estão com a vantagem. Seria o mesmo que a Microsoft reconhecer a vitória da Apple quando esta última se tornou a empresa mais valiosa do mundo. Não é uma vitória definitiva ou irreversível, mas é uma vitória. Essa frase não mereceria algumas qualificações?

    A frase (2) é falsa, pois realmente existe possibilidade de a coisa mudar de rumo no longo prazo. O ciclo da esquerda está chegando “ao pico”, mas nada impede que ele diminua ou seja revertido em alguns anos ou décadas. Então, aqui, ok.

    Por fim, (3). Eu só me pergunto: por que não ir embora do país? Suponha que uma pessoa tenha capacidade de se mandar do Brasil e ir viver tranquilamente em um país em que se respeite a lei e a ordem. Racionalmente, por que não tomar essa decisão? Eu não consigo ver motivos.

    No mais, keep up the good work.

    Jules

    • Olá Jules, ótimas perguntas

      A frase (1) é verdadeira, pelo menos sob alguns aspectos. Afinal, a esquerda controla os movimentos sociais, o aparelho de Estado e grande parte da mídia. Não é uma vitória definitiva, mas uma análise realista demonstra que, no momento, eles estão com a vantagem. Seria o mesmo que a Microsoft reconhecer a vitória da Apple quando esta última se tornou a empresa mais valiosa do mundo. Não é uma vitória definitiva ou irreversível, mas é uma vitória. Essa frase não mereceria algumas qualificações?

      Se formos tomar os princípios da guerra política como uma combinação do uso do medo e esperança (juntos), então o ideal seria dizer que a esquerda obteve vitórias significativas e ISSO É UM PROBLEMA. Quando falamos assim não passamos a mensagem de que “tudo está perdido”.

      O equívoco que eu questiono é o fato de transformar as batalhas políticas em TODA A GUERRA, e então definir que um conjunto de vitórias da esquerda significa A VITÓRIA FINAL, ou coisa do tipo.

      Quando alguém diz que “está tudo acabado” (já vi esses termos) passa a tomar a situação como irreversível, e, politicamente, sabemos que nada é definitivo.

      Dizer que a esquerda venceu algumas batalhas, e mencionar as batalhas que nós vencemos (mesmo que sejam poucas), para estimularmos nosso grupo a VENCER MAIS, é mais eficiente em termos de estratégia política.

      Por fim, (3). Eu só me pergunto: por que não ir embora do país? Suponha que uma pessoa tenha capacidade de se mandar do Brasil e ir viver tranquilamente em um país em que se respeite a lei e a ordem. Racionalmente, por que não tomar essa decisão? Eu não consigo ver motivos.

      Eu não vejo problema algum em fugir do Brasil, e nem de criticar fortemente o Brasil enquanto estamos aqui, ou querendo sair.

      Minha crítica é quanto ao uso deste frame (fugir do Brasil) DURANTE UM DISCURSO EM QUE DISCUTIMOS NOSSAS CHANCES NA GUERRA.

      Sair do Brasil é um direito legítimo e não há nada de errado com isso.

      É até o contrário: quanto mais talentos saem do Brasil, por não verem oportunidades aqui, é um sinal de que devemos pressionar nossos politicos por causa deste tipo de situação.

      Creio que preciso fazer mais textos sobre direitismo depressivo.

      Abs,

      LH

      • Entendi. Foi mais ou menos o que eu tinha pensado. Existe uma diferença entre o discurso político pragmático (ou seja, que visa algum resultado) e o discurso do mero observador político (daquele que não se interessa diretamente pela questão – por exemplo, de um polonês que esteja só de passagem no Brasil). No segundo sentido as frases seriam aceitáveis, mas dentro da lógica do primeiro tipo de discurso é realmente uma bandeja entregue para a esquerda. Quem tem inimigos assim, não precisa de aliados, pois não tem mais contra quem lutar.

        Abs,

        Jules

      • Essa idéia de sair, fugir do país, parece-me que não está sendo vista com a profundidade necessária, os cidadãos atenienses ao deixar sua cidade perdiam seus direitos políticos, pois era apenas lá que tinham direitos, os que forem para outros países, a não ser que já sejam cidadãos por direito irão viver como os metecos, sem direito político, sem serem verdadeiros cidadãos. Para a maioria deixar o país não é apenas mudar, é perder os direitos políticos, é viver entre outros sem nunca ser cidadão!

        Um outro ponto sobre os direitas depressivos: muitos nem são de direita, nestes dias de fantasmas de internet, vários são apenas agentes disfarçados para semear o derrotismo nos opositores da esquerda, eles já faziam isso antes, com pessoas de verdade infiltradas, e ainda fazem hoje, as cartilhas não mudaram. É muito fácil semear o derrotismo, ele espalha-se, por isso essa técnica é tão efetiva, mas devo lembrar que apesar de todos os gritos de vitória das esquerdas, eles nunca ganharam a eleição no primeiro turno, o FHC ganhou… isso mostra algo não? Note que depois que o PT entrou no poder as pesquisas sempre apregoaram a vitória no primeiro turno, nunca aconteceu! Não é necessário ser psicopata como todo esquerdista, mas um toque de realidade é sempre bom, e eles sabem que sua posição é frágil, ficaram assustadíssimos quando sua tentativa de ataque ao governo de São Paulo através do MPL (Movimento Pelego Livre), que foi demonstrado, era financiado por um dos braços “onguisticos” do PT, voltou-se contra eles. As pessoas de verdade foram às ruas, e em seus cartazinhos feitos às pressas traziam pautas distintas, mas todas taxadas de conservadoras e reacionárias. Que medo, que sensação de derrota para os esquerdistas, eles tinham o controle das ruas, tinham manifestantes pagos para fingir-se de povo, estava tudo controlado, o adversário perdeu as ruas, mas muito mais que seus três mil, quando muito, pelegos pagos, foram às ruas trezentos mil, não deixaram-se ser pautados, todos com seus cartazinhos, todos com pautas conservadoras! A esquerda perdeu, estavam desesperados, perderam o controle das ruas, o cidadão de verdade apareceu, e decidiu cobrar o que lhes é de direito, reivindicações diferentes, mas todas vistas pelos esquerdinhas como conservadoras! Em resposta a máquina paga tentou pautar o movimento de rua, lançou manifestações atrás de manifestações, pagou manifestantes e foram pegos gastando o dinheiro público sindical! E mesmo assim o cidadão não deixou-se pautar, tinha vontade independente, as ruas não eram mais da esquerda, o golpe foi revelado!

        Alguns podem achar que as manifestações não levaram a nada, pois eram desorganizados, sem liderança, sem uma pauta única, mas a realidade é que essas pessoas existem e não são representadas por nenhuma corrente política oficial das poucas que ainda intitulam-se oposição, o que foi taxado de manifestação conservadora e reacionária é apenas o clamor para um mínimo de justiça. Combate à corrupção, saúde pública de qualidade, visto que já pagamos muito, assim como educação e segurança é o que o cidadão quer, simples assim, mas ninguém aliou-se ao seu lado, nem mesmo a oposição. O que é pior, todos aliaram-se para tornar a representação partidária ainda mais difícil! Alijar o cidadão da política.

        A perspectiva de perder o poder assusta os petistas, e os torna mais ferozes e viciosos, vão tentar de tudo para manter o poder, e já vimos o financiamento da violência dos Black Blocks, que de independentes não tem nada, são pelegos mascarados do governismo para manter o cidadão de bem longe das ruas com a ameaça da violência. O foro de São Paulo pode perder o governo, estão desesperados! Vão tentar de tudo, e como já vimos no mensalão, tentaram comprar a república, e só foram parados pois ainda há um mínimo de institucionalidade que querem destruir. Com os novos ministros do supremo estão um passo à frente, e serão ainda piores, não tenham dúvida que como o mensalão eles pensam em controlar diretamente as urnas, vulgo fraudar eleições, é assim que funciona nos países de esquerda, eles tem eleições, mas é apenas uma fraude, não consigo convencer-me da segurança destas urnas eletrônicas, pois elas dificultam o trabalho de auditoria, é um local onde precisamos de máxima transparência!

        Alguém vê aí motivo de depressão? Apesar da mídia apregoar a hegemonia do governo sabemos que eles estão desesperados, depressivos, só tem a vantagem de serem psicopatas, pelo menos em público, eles estão no poder mas não tem o poder, vão usar todos os dispositivos para não sair o poder, pois sabem que para o povo já perderam, é só uma questão de burocracia, lembrem-se: Dilma não tem nem a metade dos votos dos brasileiros, apenas mais da metade dos votos válidos! Por isso eles incentivam o derrotista, um voto nulo, um voto em branco, um cidadão que não vota é um voto para o PT! Por pior que seja a oposição, temos que votar para tirar o PT do poder, e isso é a causa que deve unir os brasileiros até que exista alguém que os represente, pois quanto mais o PT estiver no governo, mais vão usar o governo para calar o cidadão e evitar que tenha uma representação legítima.

  7. Luciano, ao ler comentários de muitos depressivos aqui, vejo que você acertou ao se referir a esse pessoal.

    Repare que eles continuam tendo o mesmo comportamento, mesmo sabendo que foi com esse pensamento depressivo que ajudou a esquerda a ocupar cada vez mais e mais espaço.

    • ‘ mesmo sabendo que foi com esse pensamento depressivo que ajudou a esquerda a ocupar cada vez mais e mais espaço.’

      Epa, isso aí já é esticar a baladeira demais, nenhum ‘direitista depressivo’ ‘sabe’ disso coisa nenhuma porque essa é uma invenção única e exclusiva dos direitistas polianas.
      É como acreditar que falar que ‘a água chegou no ponto de ebulição’, DEPOIS que ela chega, é o que faz ela chegar no ponto de ebulição. Não tem muita lógica.

      • Slaine, o número de pessoas de direita renegando a opinião do povo e falando “a melhor opção é sair e dane-se pq os outros já ganharam” é grande. E esse discurso é PROPAGANDA para a esquerda, mesmo que os usuários do discurso não o façam intencionalmente.

        Além do mais, não existe essa de “direitismo pollyana”.

        Muitos textos desse blog declaram formalmente os RISCOS, inclusive de genocídio, com as implementações esquerdistas, e ainda lançam sérias CRÍTICAS ao estado de coisas atual.

        A única diferença é que podemos ser críticos sem FAZER PROPAGANDA PRO OPONENTE.

        Abs,

        LH

      • Luciano, falar a verdade quanto às massas pode ser útil pra esquerda, mas só se for numa democracia.
        Então, o problema real não é vencer a guerra política, mas sim se livrar da democracia.
        Não é só pela incapacidade de convencer as massas, não existe nada de lógico nem ético em pensar que se a maioria escolhe X esse X deve ser imposto pra todos. Democracia é um sistema irracional, a única coisa positiva é a capacidade de reagir a sistemas piores ainda, como disse Mises.
        Mas dependendo de certas condições, nem isso ela faz.

      • Luciano, se o seasteading der certo, na prática qualquer coisa que funcionar por lá vai ser uma forma de anarco capitalismo.
        Eles fizeram uma campanha de crowdfunding e já tem dinheiro pra construir o primeiro.
        Toda a terra do mundo já tem dono, se for pra surgirem países novos…tem que ser no mar!

    • O anarco capitalismo com todos os seus defeitos, com todos os problemas que não resolve, seria muito superior a isso que está aí.
      Utópico é achar que dá pra mudar a cabeça de um parasita do bolsa esmola ou de um vagabundo concurseiro.

  8. Luciano,

    “Basta avaliarmos os fatos: mesmo que o Brasil tenha excesso de influência de movimentos sociais de esquerda que afrontam a ética de qualquer ser humano decente e um partido de extrema-esquerda há 12 anos no poder, ninguém em sã consciência pode dizer que estamos em um nível tão baixo quanto na Venezuela. Ponto.”

    De percepção, de tomada de consciência da realidade sim, estamos. O povo venezuelano já tá a uns 10 anos refletindo, compreendendo e enfrentando essa situação. Eles não começaram “a despertar” agora e eles lá já sabem que NÃO DÁ pra sair ILESO da brincadeira revolucionária. Não dá pra REVERTER esse processo revolucionário de forma pacífica e civilizada (em lugar nenhum foi possível, não será aqui no Brasil dos 70 mil homicídios pacificados). Essa é a lição Nº 1 que devemos aprender com nossos hermanos.

    Uma vez que esse pessoal da extrema-esquerda se finca no poder e aparelha todo o Estado, fica IMPOSSÍVEL tirá-los dali sem o uso da força, da violência e sem que as próprias instituições democráticas não caiam junto com eles e com o resto do país. O plano B de todo governo revolucionário quando perto da derrota final se baseia sempre naquele frame do “se não for meu não será de mais ninguém”, pra daí apertar o botão vermelho e ver o circo pegar fogo pra todo mundo.

    A direita precisa é urgentemente entender que nessa luta (GUERRA) contra as forças de esquerda ela VAI TER QUE PERDER ALGO, estar disposta a ARRISCAR aquelas 4 cositas que consideramos mais importantes e que mais amamos: HONRA, BENS, FAMÍLIA E VIDA. Aonde, na direita vamos encontrar pessoas dispostas a se sacrificarem por isso? Esse pra mim é o nosso ponto nevrálgico.

    O que tá acontecendo no Brasil, como bem disse o prof. Olavo, é algo INÉDITO na História do mundo. E isso não é uma observação positiva. Uma população imensa e mansa, frouxa, acovardada até a medula pela própria sombra, sem reação, sem memória, totalmente RECEPTIVA às estratégias gramscistas e chantagens do politicamente correto, sem esboçar a mínima REAÇÃO a tomada de poder revolucionário, vai seguindo satisfeita para um destino tenebroso (que ela nem ousa dimensionar pelo medo de ver o tamanho da encrenca… Medo de ter medo).

    O Brasil é o único país do mundo onde 70, 80 mil assassinatos por ano convivem harmoniosamente e muito bem obrigado com os discursos otimistas de “pacificação”, “crescimento econômico” e “avanço democrático”.

    E eu pergunto, até quando?

  9. Uma provável depressão ou desilusão temporária que exista não pode nunca ser um motivo para cruzar os braços esperando o pior acontecer ou pensar em fugir.

    Há várias pesquisas que demonstram que o povo é de direita então, porque a depressão?

    A questão está na guerra ideológica, é necessário que toda pessoa de direita faça parte de uma conscientização da grande parte da população que é ignorante políticamente, mal informada e que apesar dos indícios cada vez mais claros não percebe o perigo, como?

    Esse blog sempre nos oferece material útil, então sempre que surgir a oportunidade debata, informe e destrua falácias, agora fica reclamando repito: quem não faz parte da solução está fazendo parte do problema.

  10. Com este quadro, temos configurado um primeiro risco de natureza econômica e política para o país. É tanta gente empregada pelo Governo, ou com interesses em um Governo forte, que poderemos ter um Estado expansionista para sempre, eliminada a perspectiva de alternância de viés político-ideológico, diante da vontade, transformada em votos, de uma majoritária e crescente parcela da população dependente dos dinheiros públicos.

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/democracia/chegamos-ao-ponto-sem-retorno-no-brasil/

Deixe uma resposta