Mais uma para irritar a extrema-esquerda brasileira (e cubana): Cubano que abandonou Mais Médicos posta foto em Miami

9
162

Ortelio-Jaime-Guerra-size-598

A extrema-esquerda tem uma característica peculiar: o ódio ao indivíduo. Isso os faz serem totalitários e odiarem do fundo de seus corações todos aqueles que não quiserem adotar seus paradigmas. Por exemplo: eu não quero ir para Cuba, mas quem quiser ir, que vá. Cérebros individualistas tendem a respeitar a individualidade humana. Cérebros coletivistas, pelo contrário, revoltam-se quando alguém quer viver sua individualidade de forma diferente da dele.

Recentemente tivemos o caso do médico cubano Ortelio Jaime Guerra, que conseguiu fugir de seu regime de escravidão como médico cubano alocado no Brasil e fugiu para os Estados Unidos. Se esquerdistas tivessem mentes individualistas diriam: “ok, muitos cubanos não vão fugir, mas ele fugiu, tudo bem, que seja feliz nos Estados Unidos”. Mas a mente deles processa as coisas de forma exatamente oposta: na ótica coletivista, se muitos cubanos não se rebelam contra a escravidão, cargas extremas de ódio devem ser lançadas contra os que se rebelam, pois, como já disse, o individualismo legítimo os ofende. Tanto melhor, pois é bom ver canalhas deste tipo irritados, especialmente ao lerem a matéria abaixo, publicada na Veja, mostrando o médico cubano ex-quilombola postando foto em Miami:

Após abandonar o programa Mais Médicos e fugir para os Estados Unidos no início de fevereiro, o médico cubano Ortelio Jaime Guerra anunciou, em sua página no Facebook, ter se mudado para Miami e postou uma foto fazendo compras no que parece ser um supermercado americano.

O profissional atuava em uma unidade de saúde da cidade paulista de Pariquera-Açu e estava sem comparecer ao trabalho há pelo menos três semanas. No dia 9, ele informou em sua página na rede social que já estava em solo americano e havia partido sem comunicar os amigos “por questões de segurança”.

Recentemente o cubano publicou duas fotos em sua página pessoal. Em uma delas, aparece conduzindo um carrinho de compras na fila do caixa de um supermercado. Na outra, posa ao lado de um automóvel sedan estacionado em frente a uma casa tipicamente americana. O médico não informa se vive no imóvel fotografado.  Guerra atualizou na rede social a cidade onde mora para Miami, no Estado da Flórida.

Descredenciados – Guerra é um dos quatro cubanos que tiveram sua participação no programa Mais Médicos cancelada pelo Ministério da Saúde na quarta-feira. Após abandonarem seus postos de trabalho, os profissionais tiveram 48 horas para se manifestar, mas, como não procuraram o governo federal para dar satisfações, foram desligados e tiveram seus registros profissionais provisórios cancelados. Junto com Guerra, outros 89 profissionais foram desligados do Mais Médicos.

De acordo com o Ministério da Saúde, trinta profissionais comunicaram a desistência depois da notificação. A pasta não informou a nacionalidade dos médicos. O restante não se manifestou e também foi desligado. Do total, oitenta são brasileiros e cinco estrangeiros inscritos individualmente.

Apenas os quatro cubanos, contratados por meio do acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, tiveram os registros cancelados, pois os documentos tinham sido emitidos pelo ministério. Eles ficam impedidos de exercer a medicina no Brasil. A médica cubana Ramona Rodriguez não está na lista, pois o desligamento dela já havia sido formalizado.

Como é que é? Quer dizer que o governo brasileiro ficou bravinho com o ex-quilombola e o descredenciou? Fico imaginando como Jaime deve ter recebido esta notícia: “Que peguem esse credenciamento e enfiem no c… Credenciamento de país anti-civilização deveria ser levado a sério para que? Eu preciso de credenciamento de escravagistas para quê?”. Como sempre, o governo petista é patético.

Agora, Jaime vive em um país civilizado, onde poderá colher os frutos de seu trabalho, e fazer compras em supermercados que só enfrentarão racionamentos após um furacão. E olhe lá. Enquanto isso, em Cuba, o Furacão Castro faz com que seus habitantes mal consigam achar produtos para comprar há várias décadas. E ainda por cima ele tem um carro (adquirido de forma razoavelmente confortável, como ocorre com todo trabalhador nos Estados Unidos) que seus irmãos médicos em Cuba jamais conseguirão comprar.

Para os coletivistas, isso deve doer bastante.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. Caro Luciano,
    Ainda não me recuperei da canalhice embutida nas palavras de Yvonne publicadas na matéria da Carta [do] Capital: “Meu sonho é uma escola pública obrigatória para todos…”. OBRIGAR, eis a palavra que embala 100% dos sonhos dos esquerdistas… São uns doentes mentais – mentais e morais!

  2. O mais interessante de tudo é que esse Ortelio Jaime Guerra tem um espírito de trollagem bem vivo. É simplesmente sensacional ver as fotos que ele mandou, isso sem contar o fato de ser um cubano que fez um perfil de Facebook provavelmente às cegas dos capatazes que o vigiavam. Será ele o médico cubano que fará parte da equipe do Dr. House, conforme informações altamente confiáveis de Joselito Müller?
    Aliás, o lance da trollagem tem se mostrado muito eficiente no combate ao marxismo-humanismo-neoateísmo. Viu este aqui envolvendo o uso do termo “coxinha”? O mais engraçado de tudo é que sem querer o black bloc moderador denunciou para o mundo que a ressignificação do termo alusivo ao popular salgado tem toda a cara de algum código interno de marxista-humanista-neoateísta para definir aqueles que os expulsaram dos protestos de junho que eles tentaram vazar com base naquele lance de the issue is never the issue, tentando passar aquele significado de que seria uma gíria popular com aquele significado (sendo que sempre foi gíria paulistana para policial militar), mas que na realidade é o famoso significado de “aqueles que não concordam comigo e me desmoralizaram nas ruas”.

  3. Muito bom o vídeo postado por Cidadão. Cada vez mais admiro este jornalista do SBT. Ele deveria ter mais visibilidade, pois trata de temas extremamente importantes com liguagem acessível a qualquer um.

Deixe uma resposta