Na Venezuela, a contagem de corpos já começa a fazer jus ao socialismo

6
86

0,,17441238_303,00

Segundo a Reuters a contagem de corpos do governo venezuelano já chega a 13, em pouco mais de 10 dias de repressão. Leia:

CARACAS, 24 Fev (Reuters) – Manifestantes contrários ao governo da Venezuela montaram barricadas e iniciaram incêndios na capital nesta segunda-feira, apesar dos chamados da oposição para um maior controle dos protestos que já provocaram a morte de pelo menos 13 pessoas no maior protesto popular do país em uma década.

O tráfego ficou confuso em Caracas e muitas pessoas permaneceram em casa, uma vez que os manifestantes queimaram lixo e empilharam material nas principais avenidas, um dia depois de o líder da oposição Henrique Capriles pedir que os protestos fossem pacíficos.

“Sabemos que estamos incomodando as pessoas, mas temos que acordar Venezuela”, disse Pablo Herrera, um estudante de 23 anos, perto de uma barricada no distrito de Los Palos Grandes, em Caracas.

As autoridades do Estado fronteiriço de Táchira confirmaram outra morte: um homem que caiu de seu apartamento no segundo andar depois de ser atingido por uma bala de um protesto nas proximidades.

As manifestações são o maior desafio enfrentado pelo presidente Nicolás Maduro durante o seu governo de dez meses, mas não há sinais de que ele possa sair do poder ou que os carregamentos de petróleo do maior exportador do produto da América Latina possam ser afetados.

O governo diz que 529 pessoas foram acusadas pelos protestos – a maioria recebeu apenas uma advertência, mas 45 foram para a cadeia. Cerca de 150 pessoas ficaram feridas, segundo autoridades.

Capriles, de 41 anos, rejeitou um convite para se reunir com Maduro à tarde, como parte de um encontro de prefeitos e governadores que poderia abrir o diálogo entre ambos os dois lados após duas semanas de violência.

“Este é um governo que está morrendo… eu não vou ser como a orquestra do Titanic”, disse ele a jornalistas. “Miraflores (palácio presidencial) não é o lugar para falar de paz, é o centro de operações de abusos dos direitos humanos.”

Capriles e outros líderes da oposição exigem que o governo liberte o líder preso das manifestações, Leopoldo López, e mais uma dezena de estudantes que participavam de protestos.

Eles também querem que Maduro desarme grupos pró-governo e faça algo em relação a problemas como criminalidade e falta de produtos básicos. Alguns líderes estudantis, no entanto, querem a saída do presidente.

“Se há uma coisa que esses protestos violentos têm feito é unir o ‘chavismo'”, disse Maduro à televisão estatal, usando o termo que se refere aos partidários do governo durante a gestão de 14 anos de seu antecessor, Hugo Chávez.

O presidente, um ex-sindicalista de 51 anos, seguidor de Chávez, acusa os adversários de planejar um golpe com o apoio de Washington.

A mãe de López disse que o filho preso está bem. “Ele é forte, mas ele é um prisioneiro, e para uma mãe, é terrível ver o filho na cadeia”, declarou Antonieta López à Reuters.

A continuar por esse ritmo, podemos constatar o óbvio: o regime militar brasileiro foi gentil com os ultra-esquerdistas, perto do que Maduro está fazendo com os manifestantes. Explica-se: marxistas, assim como os nazistas, tendem a ser os mais sanguinários da parada.

Até agora temos 13 mortos em um protesto iniciado em 12 de fevereiro. Ou seja, pelo menos 1 morte por dia. No regime militar brasileiro tivemos 400 mortes de marxistas e adeptos, em uma década de repressão. Lembrando que estes marxistas faziam várias vítimas também. Já no caso da ditadura venezuela, tivemos 13 mortes em 12 dias, sendo que apenas o lado do governo faz vítimas. É com certeza um regime muito mais sanguinário que o regime militar brasileiro.

Tudo isso sem contar os feridos graves, como podemos ver aqui, em matéria da Veja:

“Somente no dia 12, atendemos quatro pessoas feridas a bala. Um deles, já chegou aqui morto”, disse Hernandez. No último sábado, data do maior protesto já feito, foram 25 atendimentos, sendo catorze feridos com balas de plástico, nove com contusões e fraturas (vítimas de espancamento) e dois com intoxicação após inalar grandes quantidades de gás lacrimogênio. “O mais preocupante é que as forças policiais estão usando armas de dispersão – como bombas e balas de plástico – como armas de ataque”. O médico afirmou que sua equipe de paramédicos atendeu um rapaz com a perna dilacerada após ter sido atingido por balas de plástico a uma distância inferior a 1 metro. “Nós contamos com cinco ambulâncias e quatro motos para os atendimentos emergenciais. Mas nos dias em que os protestos são grandes, nossas viaturas não dão conta”, lamentou Hernandez.

Alguns armamentos usados pela polícia venezuelana durante as manifestações utilizam munição plástica que se fragmenta e se espalha. Sua ação é semelhante a das antigas espingardas de sal – que machucam, mas não são letais. Porém, quando disparadas à queima roupa, seus resultados podem ser trágicos. Geraldine Moreno Orozco, de 23 anos, morreu no último sábado em Valência, cidade a 170 quilômetros ao oeste de Caracas, após ser atingida no rosto por uma dessas armas. O tiro, a pouca distância, lhe desfigurou a face e os fragmentos plásticos atravessaram seu crânio.

Outro caso de mau uso de armas de dissuasão relatado pelo médico aconteceu com um jovem que foi atingido por uma bomba de gás lacrimogênio na face. “Essas bombas são umas latas – parecidas com latas de molho de tomate – disparadas de uma escopeta, que deveriam ser lançadas ao chão. O jovem foi atingido à queima roupa, teve traumatismo craniano e perdeu a visão do olho esquerdo”, contou o médico.

O número de vítimas na região mais revoltosa de Caracas pode ainda ser bem maior, pois muitos dos feridos vão diretamente para três grandes clínicas particulares de Chacao e ficam fora das estatísticas compiladas pelo Centro Médico. Dos 121 atendimentos feitos pela equipe de paramédicos comandada por Hernandez, 59 foram casos de contusões ou fraturas; 29 feridos por munição plástica; 22 por intoxicação de gases; quatro com ferimentos provocados por arma de fogo; e dois por queimaduras; e dois com traumatismo toracoabdominal e hemorragia interna (geralmente causados por espancamentos feitos com cassetes). Dos casos considerados normais, o centro registrou no período das manifestações apenas três crises de hipertensão.

Por que era tão fácil prever que o sangue derramado pelos marxistas venezuelanos seria muito mais torrencial que o sangue derramado pelo regime militar brasileiro? Simples: a ideologia marxista é feita para promover o ódio e sobreviver através dele.

Diante dessa ótica, podemos logicamente dizer que o regime militar brasileiro foi a opção entre uma ditadura moderadamente violenta e uma ditadura que só se satisfaz com rios de sangue. Isto é, há 50 anos atrás, a sociedade civil optou pela violência moderada ao invés do barbarismo absoluto.

A partir de agora, nenhum esquerdista adepto do PT (que endossou o regime de Maduro) tem moral para reclamar da “repressão sofrida na era dos militares no Brasil”. Pois as repressões a partir de governos que ele endossa são muito piores, além de muito mais anti-democráticas e bárbaras.

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Caro Luciano.

    Fiquemos então, a partir de agora, monitorando mais de perto o andamento da comissão da “verdade”, pois me parece que muito caldo ainda vai sair dessa laranja. Principalmente agora que o socialismo da Venezuela mostrou a sua outra face.

    Por falar em outra face, lembrei-me daquele personagem da mitologia cristã, que mostrou sua outra face ao Criador e então caiu no abismo.

    PS.: Ooopsss… Qualquer coincidência é mera semelhança.

    Forte abraço.

  2. Luciano, segue o que peguei no noticiário de hoje sobre a Venezuela:

    1) Não vai ter Carnaval na Venezuela e realmente não há clima para isso;

    2) Em que pese Claudio Lembo ser o direitista que os esquerdistas querem, este artigo tem pontos aproveitáveis;

    3) Já se fala de um encontro entre governo e oposição, bem como os Estados Unidos falam o mesmo;

    4) Maduro quer faturar em cima das mortes ao prometer uma comissão da verdade local.

    Também podemos ver mais nesta página do Face que já é conhecida aqui, bem como mais vídeos, como um que permite ver direitinho a ação das milícias chavistas (veja o tanto de motos de grande cilindrada e uso misto terra-asfalto):

    http://www.youtube.com/watch?v=bIW6TUNnHW4

    Mais protestos:

    http://www.youtube.com/watch?v=kThS_uF2QGE

    E a triste morte de Jimmy Vargas, já comentada por Felipe Moura Brasil e cujos vídeos passo abaixo:

    http://www.youtube.com/watch?v=T1CqnqbdMbQ

    http://www.youtube.com/watch?v=zfqo83iMRIs

    Mais estes outros:

    http://www.youtube.com/watch?v=lwHMU58GaJg

    http://www.youtube.com/watch?v=VEnjTJ2tkcE

    http://www.youtube.com/watch?v=cM7LedECxc0

    http://www.youtube.com/watch?v=wrWw1JFhlEc

    http://www.youtube.com/watch?v=ox1a_cN4rtk

    http://www.youtube.com/watch?v=ZqcVJGERyPo

  3. O pior é o argumento dos blogs da esquerda, de que a repreensão é para evitar um ‘golpe da direita’. Pq o argumento não é igualmente válido para o regime militar, que visava evitar um ‘golpe da esquerda’?

    Eles são campeões de um peso e duas medidas.

Deixe uma resposta