Pondé dá um show de assertividade: “O socialismo é um truque de gente mau-caráter”

25
270

ponde

Uma das coisas que mais defendo para a direita é que ela comece a ser assertiva quando for se referir aos esquerdistas. Assertividade significa a habilidade social de expressar suas posições de maneira clara, firme e apropriada ao contexto. Ser assertivo não significa ser agressivo, embora signifique uma fuga da passividade injustificada.

A lição mais importante que aprendi com os neo-ateus foi a assertividade. Mesmo que eu não seja um neo-ateu e rejeite quase todos os argumentos deles, reconheço que a assertividade embutida em seus discursos é elogiável. Por exemplo, se eles acham que a crença em Deus é um delírio, eles simplesmente falam “essa crença é delirante” ao invés de usar eufemismos como “essa crença é uma com a qual eu não concordo, mas respeito”. Não, eles não respeitam a crença em Deus. Se é assim, por que não dizer isso? Afirmar aquilo que se acredita é a assertividade de que falo. (De novo digo que não concordo com os argumentos neo-ateus, mas elogio a postura assertiva, que é responsável por grande parte dos resultados deles, e estes resultados não foram poucos)

Veja como funciona um coach focado em assertividade no mundo corporativo:

  • COACH: Você tem 40 casos de uso para escrever até o último dia de março e há 3 pessoas em sua equipe dedicadas a isso. Estamos na última semana de fevereiro. Falta 50% da elaboração destes casos de uso. Você conclui? Se não, qual o motivo?
  • GP JUNIOR: É que precisamos de informações do Gestor, pois há umas pendências.
  • COACH: Que pendências? Essas pendências impactam a data de entrega?
  • GP JUNIOR: Recebi uns 4 ou 5 emails ultimamente…
  • COACH: Impactam ou não impactam?
  • GP JUNIOR: Impactam.
  • COACH: O quanto impactam?
  • GP JUNIOR: Tem vários documentos para analisar.
  • COACH; Impactam quanto?
  • GP JUNIOR: Impactam 30% dos casos de uso.
  • COACH: O que você precisa para mitigar o impacto?
  • GP JUNIOR: Preciso que o gestor, junto com a área de desenvolvimento, envie todas as pendências…
  • COACH: Até quando essas pendências devem ser enviadas?
  • GP JUNIOR: Quanto mais cedo melhor…
  • COACH: Até quando?
  • GP JUNIOR: Até 10 de março.
  • COACH: Se enviar até 10 de março, você entrega?
  • GP JUNIOR: Aí sim. 🙂

Em outras palavras, coaching com foco em assertividade pode ser traduzido como “Desembucha logo esta merda, $%#%#$%” ou “Seja direto, porra @#$@#$@”.

O texto “Socialismo é barbárie”, escrito por Luiz Felipe Pondé para a Folha de São Paulo, é um show de assertividade. Leia-o, para tomar como exemplo (embora quem lê os textos desse blog já está acostumado com assertividade também):

Se eu pregar que todos que discordam de mim devem morrer ou ficarem trancados em casa com medo, eu sou um genocida que usa o nome da política como desculpa para genocídio. No século 20, a maioria dos assassinos em massa fez isso.

O Brasil, sim, precisa de política. Não se resolve o drama que estamos vivendo com polícia apenas. Mas me desespera ver que estamos na pré-história discutindo ideias do “século passado”. Tem gente que ainda relaciona “socialismo e liberdade”, como se a experiência histórica não provasse o contrário. Parece papo das assembleias da PUC do passado, manipuladoras e autoritárias, como sempre.

O ditador socialista Maduro está espancando gente contra o socialismo nas ruas da Venezuela. Ele pode? Alguns setores do pensamento político brasileiro são mesmo atrasados, e querem que pensemos que a esquerda representa a liberdade. Mentira.

A maioria de nós, pelo menos quem é responsável pelo seu sustento e da sua família, não concorda com o socialismo autoritário que a “nova” esquerda atual quer impor ao país. A esquerda é totalitária. Quer nos convencer que não, mas mente. Basta ver como reage ao encontrar gente inteligente que não tem medo dela.

Ninguém precisa da esquerda para fazer uma sociedade ser menos terrível, basta que os políticos sejam menos corruptos (os da esquerda quase todos foram e são), que técnicos competentes cuidem da gestão pública e que a economia seja deixada em paz, porque nós somos a economia, cada vez que saímos de casa para gerar nosso sustento.

Ela, a esquerda, constrói para si a imagem de “humanista”, de superioridade moral, e de que quem discorda dela o faz porque é mau. Ela está em pânico porque estava acostumada a dominar o debate público tido como “inteligente” e agora está sendo obrigada a conviver com gente tão preparada quanto ela (ou mais), que leu tanto quanto ela, que escreve tanto quanto ela, que conhece seus cacoetes intelectuais, e sua história assassina e autoritária.

Professores pautados por esta mentira filosófica chamada socialismo mentem para os alunos sobre história e perseguem colegas, fechando o mercado de trabalho, se definindo como os arautos da justiça, do bem e do belo.

A esquerda nunca entendeu de gente real, mas facilmente ganha os mais fragilizados com seu discurso mentiroso e sedutor, afirmando que, sim, a vida pode ser garantida e que, sim, a sobrevivência virá facilmente se você crer em seus ideólogos defensores da “violência criadora”.

Ela sempre foi especialista em tornar as pessoas dependentes, ressentidas, iludidas e incapazes de cuidar da sua própria vida. Ela ama a preguiça, a inveja e a censura.

Recomendo a leitura do best-seller mundial, recém publicado no Brasil pela editora Agir, “O Livro Politicamente Incorreto da Esquerda e do Socialismo”, escrito pelo professor Kevin D. Williamson, do King’s College, de Nova York. Esta pérola que desmente todas as “virtudes” que muita gente atrasada ou mal-intencionada no Brasil está tentando nos fazer acreditar mostra detalhes de como o socialismo impregnou sociedades como a americana, degradou o meio ambiente, é militarista (Fidel, Chávez, Maduro), e não deu certo nem na Suécia. O socialismo é um “truque” de gente mau-caráter.

As pessoas, sim, estão insatisfeitas com o modo como a vida pública no Brasil tem sido maltratada. Mas isso não faz delas seguidores de intelectuais e artistas chiques da zona oeste de São Paulo ou da zona sul do Rio de Janeiro.

A tragédia política no Brasil está inclusive no fato de que inexistem opções partidárias que não sejam fisiológicas ou autoritárias do espectro socialista. Nas próximas eleições teremos poucas esperanças contra a desilusão geral do país.

E grande parte da intelligentsia que deveria dar essas opções está cooptada pela falácia socialista, levando o país à beira de uma virada para a pré-história política, fingindo que são vanguarda política. O socialismo é tão pré-histórico quanto a escravatura.

Mas a esquerda não detém mais o monopólio do pensamento público no Brasil. Não temos mais medo dela.

Vejamos alguns exemplos de assertividade.

Enquanto alguns molengas diriam que a esquerda defende “socialismo e liberdade”, qualquer pessoa em sã consciência e honesta sabe que socialismo sempre descamba para o totalitarismo.

Professores marxistas dizem que estimulam pensamento crítico, mas sabemos que aqueles que acreditam em seus discursos são manipulados por eles, incapazes do menor traço de senso crítico.

Petistas dizem que defendem a “democracia bolivariana”, mas vemos o governo de Maduro matar gente a torto e a direito, enquanto lança sanções contra a CNN e veta a Internet. Em suma, uma ditadura puro-sangue.

Socialistas posam como se tivessem o monopólio da virtude, mas, ao estudarmos seus discursos e ações, vemos que eles são supremos na falta de moral. E quem conhece a história assassina e autoritária dos socialistas não cai nesse truque.

Eles dizem que lutam pelos mais frágeis, mas na verdade sabemos que eles vivem de fazer chantagens emocionais para enganar incautos. Tudo é agravado pelo fato deles defenderem o direito de praticarem toda violência que quiserem.

A maioria dos marxistas garante que defende uma dialética para discutir a sociedade, como se realmente esse tipo de discurso fosse feito para ser levado a sério. Só que quando investigamos a fundo o que eles tem a dizer (e o que fazem com seus discursos), sabemos que tudo não passa de um truque de gente mau-caráter. (Aliás, Pondé errou ao colocar aspas na palavra truque. É truque e só. Sem aspas)

Os ultra-esquerdistas dizem que caminham na marcha da história. Mas a verdade é que seu discurso é tão pré-histórico quanto a escravatura. Eu digo mais: o socialismo é um retorno às eras tribais.

Em todos estes pontos, Pondé demonstra a assertividade necessária para se referir aos socialistas como eles são. Quando ele diz que não devemos mais ter medo desse tipo de gente, no momento de desafiá-los, temos outra instância de assertividade.

Enfim, assertividade é a postura que devemos adotar para nos referimos aos esquerdistas como eles realmente são. E não tenha dúvidas: isso realmente é capaz de afetá-los, pois eles dependeram, historicamente, da direita tê-los tratado com respeito injustificado.

Anúncios

25 COMMENTS

  1. Olavo de Carvalho escreveu um livrinho comentando Schopenhauer. O Luciano podia escrever um comentando Pondé. Lembra destes textos, Luciano?

    http://lucianoayan.com/2013/05/06/luiz-felipe-ponde-o-mal-estar-na-civilizacao-dos-anjos/
    http://lucianoayan.com/2013/11/05/luiz-felipe-ponde-deixa-a-doutrinacao-marxista-escolar-nua/
    http://lucianoayan.com/2013/10/15/um-texto-fundamental-de-ponde-para-facilitar-a-compreensao-da-essencia-deste-blog-do-mito-ao-fetiche/

    A dobradinha Luciano Ayan e Luiz Felipe Pondé é matadora. Pense nisso!

  2. Seguem mais notícias:

    1) Já estão pedindo habeas corpus para os acusados da morte do cinegrafista da Band;

    2) Também temos este outro artido falando entre outras coisas da morte de Santiago Andrade;

    3) Depois da eficácia da “Tropa do Braço” neste sábado paulistano, e dentro da história de os marxistas-humanistas-neoateístas quererem se desfazer o quanto antes dos black blocs, agora o Ministério da Justiça fala do uso de tal expediente em outros estados da Federação. Porém, é claro que ficamos preocupados com o governo federal ter gostado disso, pois pode significar expediente MHN dos brabos contra manifestantes pacíficos em caso de por aqui ocorrer o que ocorreu na Venezuela;

    4) E agora temos uma tal de Mônica Francisco querendo amaciar para o lado daquele menor que foi preso no poste e ao reincidir deu carteirada falando do episódio que o tornou famoso. Veja o tamanho da reciclagem de argumentos anteriormente invalidados, como o do racismo (sendo que já vimos bandidos brancos amarrados a postes), bem como aquela bobagem de falar que aqui haveria algo parecido como o apartheid sul-africano em que negros não poderiam ascender socialmente por razões a eles externas, dizendo que há suposta comprovação científica de aqui haver “racismo institucional”. Também note o uso do expediente MHN brasileiro de querer somar as categorias “preto” e “pardo” do IBGE, jogando para a seara africana milhões de brasileiros mestiços que não têm qualquer ancestralidade africana;

    5) Uma pequena mostra de histeria amada por MHNs e praticada por prováveis propagadores inconscientes de gramscismo: um açougue na Inglaterra foi proibido de… expor carne na vitrine porque teve gente sensivelzinha que não se conformava em ver cabeças de porcos e pedaços de coelhos às suas vistas de fracos que não podem ver bichos mortos. Isso foi na pequena cidade de Sudbury, que é polo local no assunto e cujos açougues tradicionalmente expunham carnes em vitrines e o fenômeno ocorreu logo após moradores de grandes cidades inglesas irem morar no tal lugar. Logo, aqui está ocorrendo mais ou menos o que ocorre nos Estados Unidos quando temos a confrontação entre os rednecks e os nova-iorquinos: os últimos, altamente gramscianizados, acham tudo aquilo que ofende suas sensibilidades algo ruim e querem mais Estado mediando a vida alheia, enquanto os primeiros dependem pouquíssimo do Estado e acham os moradores da maior cidade americana uns frouxos sem tamanho que amam ditar regra para os outros. Troque-se “nova-iorquinos” por “londrinos” ou “manchesterianos” e “rednecks” por “sudburianos” e temos a noção certa da coisa.
    Observe-se inclusive que os açougueiros foram ameaçados por mensagens anônimas, o que pode também envolver gente mais ou menos como aquela que invadiu o Instituto Royal (sendo que na Europa os militantes de causas animais fazem coisas muito além, como plantar bombas em institutos de pesquisa). Também houve tentativa de demonização por parte dos tais frouxos propagadores de gramscismo (sejam inconscientes ou totalmente conscientes) quando falavam mal das vitrines;

    6) Por fim, viu o Mano Brown amaciando para o lado do rolezinho? Vem ele dizer que é um absurdo se instalar um shopping perto de favela e que os jovens em questão seriam vítimas de racismo quando fazem o que fazem. Observe que ele expande o significado de “racismo”, bem como fala que “a sociedade vai, chama a polícia”. Porém, esquece-se ele de que há foto tirada em rolezinho de shopping popular em que um pai de família negro está com sua família comendo numa boa na praça de alimentação e sem a polícia o incomodar, foto essa que já virou uma série de memes.

  3. Parabéns pelo texto. E por ter divulgado o do Pondé, que me fez decidir favoritar o blog dele.

    Só uma coisa, o trecho “Socialistas possam ” não seria “Socialistas posam”?

  4. Luciano, o que vc acha dos seguintes frames?

    “Não confunda socialismo com altruísmo, pois não são a mesma coisa. Não confunda capitalismo com egoísmo, pois não são a mesma coisa. O socialismo diz mas faz enquanto o que o capitalismo é descrito por socialistas por , mas na prática é “.

    Eu imagino-me usando esse frame em diálogos do RU da minha federal, que acaba sendo um bom momento para a galera se reunir e dialogar. É óbvio que somente eles não encerram o assunto, mas acho que esses frames são um bom ponto inicial pra desfazer a cama de fantasia criada pelos professores marxistas, antes de eu cair matando nos podres do comunismo/socialismo.

  5. Luciano, voce INVERTEU o sentido do termo “assertividade”. voce poderia ter aberto o link da wikipedia pra ver o resto da definição q vc usou: …”A postura assertiva é uma virtude, pois se mantém no justo meio-termo entre dois extremos inadequados, um por excesso (agressão), outro por falta (submissão). Ser assertivo é dizer “sim” e “não” quando for preciso.” Ou seja, dizer que a afirmação “essa crença é delirante” é um exemplo de assertividade é simplesmente incorreto. Sobre o texto do Pondé, nao da nem pra contra-argumentar, justamente pela total ausencia de assertividade. Agressividade e manipulação (alguem identifica esses elementos no texto em questao?) são, aliás, conceitos contrários à assertividade.

    • Felipe,

      O texto de Pondé é assertivo por ser claríssimo em relação ao que ele precisa expor, sem usar eufemismos desnecessários. Não há um traço de agressividade no texto de Pondé. É um texto polido e focado em argumentos.

      Parece que você não está acostumado a críticas, e então CONFUNDE assertividade com agressividade.

      Abs,

      LH

      • Oi Luciano,

        Não conheço o Pondé e nem ele me conhece, pelo que não vejo nenhuma razão pela qual seu texto seria uma crítica a mim ou a alguma ideologia na qual eu acredito, já que tampouco me identifico com o conjunto de características que ele atribui serem de “esquerda”. Assim que não, de maneira nenhuma me senti criticado.

        O que fiz foi uma análise da linguagem utilizada por você em relação ao texto do Pondé, pura e simplesmente, para alertar sobre o que considerei um equívoco de interpretação, no caso, sobre o sentido da palavra “assertividade”.

        O comentário sobre a agressividade foi baseado simplesmente no uso que o autor faz de uma série de termos de impacto, tais como genocídio, ditadura, superioridade, assassino, corrupto, pré-histórico, mentirosa, escravatura, etc… sem relaciona-los a algo concreto mais além dos conceitos de “direita” e “esquerda”. Ou seja, se eu não sou nem “nós” nem “eles”, o texto para mim é inútil. Compreende?

        Como um convicto “em cima do muro” no que se refere a “direita” e “esquerda”, o texto do Pondé não me ofereceu nenhum argumento para ajudar-me a formar uma opinião em relação a nenhum fato, indivíduo ou situação específicos. Na minha opinião, é um texto raso, vago e autoafirmativo.

        Abs,
        felipe

      • Felipe,

        Desculpe, aí, mas terei que ser assertivo com você também (este blog defende a assertividade).

        Não conheço o Pondé e nem ele me conhece, pelo que não vejo nenhuma razão pela qual seu texto seria uma crítica a mim ou a alguma ideologia na qual eu acredito, já que tampouco me identifico com o conjunto de características que ele atribui serem de “esquerda”. Assim que não, de maneira nenhuma me senti criticado.

        Isso é o que vamos testar, ok?

        O que fiz foi uma análise da linguagem utilizada por você em relação ao texto do Pondé, pura e simplesmente, para alertar sobre o que considerei um equívoco de interpretação, no caso, sobre o sentido da palavra “assertividade”.

        Mostrarei que você erou na avaliação, pois, aparentemente, considera assertividade como agressividade apenas a título de PROPAGANDA DE DEFESA.

        O comentário sobre a agressividade foi baseado simplesmente no uso que o autor faz de uma série de termos de impacto, tais como genocídio, ditadura, superioridade, assassino, corrupto, pré-histórico, mentirosa, escravatura, etc… sem relaciona-los a algo concreto mais além dos conceitos de “direita” e “esquerda”.

        Genocídio = 100 milhões de mortos no século XX
        Ditadura = Argentina, Venezuela, Coreia do Norte, Ucrania, Rússia, etc, etc…
        Superioridade (no caso, simulada) = “sou defensor dos pobres, ele não” (frame de esquerda fraudulento)
        Assassino = Che Guevara, Stalin, Cesare Battisti e vários outros glorificados pela esquerda
        Corrupto = Mensalão só para citar um exemplo
        Pré-Histórico = Só compararmos o estilo de vida dos habitantes de países socialistas, feitos para servir a um estado (de forma obrigatória), como nas antigas tribos
        Mentirosa = quem vê as rotinas que eles usam, já sabe que socialismo é baseado em mentiras
        Escravatura = a questão dos médicos cubanos no Brasil mostrou que são os socialistas que em pleno século 21 escravizam gente

        Quer dizer, se Pondé não tivesse usado termos assim ele não seria assertivo, mas PASSIVO ou até MENTIROSO. Se referir aos fatos como eles são é assertividade.

        Como todos os termos relacionados por Pondé se relacionam a fatos concretos, é assertivo também dizermos que você é MENTIROSO ao fingir que ele não fez isso.

        Ou seja, se eu não sou nem “nós” nem “eles”, o texto para mim é inútil. Compreende?

        Entendo, e exatamente por isso, sei que você está errado de forma gravíssima ou é deliberadamente desonesto.

        Só a esquerda tem motivos para se incomodar com a assertividade do texto de Pondé, que fez apenas sua obrigação (que a direita toda deve começar a fazer). Quando você diz que “o texto para mim é inútil”, é claro que defende o único lado (a esquerda) que tem motivos para se incomodar com os fatos apresentados. 😉

        Como um convicto “em cima do muro” no que se refere a “direita” e “esquerda”, o texto do Pondé não me ofereceu nenhum argumento para ajudar-me a formar uma opinião em relação a nenhum fato, indivíduo ou situação específicos.

        Seu truque é a simulação de falso apartidarismo, pois a sua revolta em relação a um texto que aponta os fatos sobre o socialismo já te entregou. E até logicamente não existe “em cima do muro” entre direita e esquerda, assim como não existe “em cima do muro” entre crer em Deus ou não ou ser contra estupro ou não. A negação da lógica formal é uma forma de truque, e você muito provavelmente sabe disso. Sua opinião já está formada, e tanto eu como você sabemos disso.

        Na minha opinião, é um texto raso, vago e autoafirmativo.

        Errado, na sua opinião é um texto certeiro contra a esquerda, e por isso você precisa tentar atacá-lo com um discurso vago, fraudulento e sem o menor traço de lógica.

        Mas eu estou aqui para ser assertivo no trato ao seu discurso também.

        Abs,

        LH

      • Luciano,

        Não usei truque nenhum, não estou revoltado,
        não sou de esquerda (nem de direita) e não te conheço pessoalmente, razão pela qual não tinha nem tenho nenhum motivo pra te atacar pessoalmente.

        Não acredito q verdade e mentira, democracia e ditadura, bem e mal sejam privilegio nem da esquerda nem da direita, e acho q resumir o debate a extremos não é bom pra ninguém.

        Mas se vc acredita que eu estou mentindo, q sou um esquerdista disfarçado querendo provar pra vc que a “esquerda” é “boazinha” e a “direita” é má, eu paro por aqui.

        Abs

      • Não usei truque nenhum, não estou revoltado, não sou de esquerda (nem de direita) e não te conheço pessoalmente, razão pela qual não tinha nem tenho nenhum motivo pra te atacar pessoalmente.

        Já mostrei que não é possível logicamente alguém dizer que “não é de esquerda nem de direita”. Sabemos que isso é um truque de falso apartidarismo. Ou você acredita no valor de se inchar o estado ou não acredita. Simples assim. Não adianta dizer “Eu creio em aumentar o estado se os serviços forem bons”.

        É o mesmo que dizer que alguém é contra ou a favor do estupro ao mesmo tempo. Aí, quando peguntamos pro sujeito, ele diz: “Eu não sou nem contra nem a favor do estupro, pois acho que o estuprador deve colocar uma rosa no corpo da mulher estuprada depois do sexo forçado”.

        É claro que este tipo de discurso é para enganar os outros. É isso que disse, apenas. Até hoje, nenhum que veio neste blog dizer “não sou nem de esquerda nem de direita” deixou de mostrar que no fundo era de esquerda querendo florear seu esquerdismo.

        Lembro que neste blog investiga-se FRAUDES INTELECTUAIS. Por isso, algumas coisas não passam…

        Não acredito q verdade e mentira, democracia e ditadura, bem e mal sejam privilegio nem da esquerda nem da direita, e acho q resumir o debate a extremos não é bom pra ninguém.

        Mais jogo da falsa moderação e do falso apartidarismo… *bocejos*

        Mas se vc acredita que eu estou mentindo, q sou um esquerdista disfarçado querendo provar pra vc que a “esquerda” é “boazinha” e a “direita” é má, eu paro por aqui.

        O que você quer não me interessa, apenas aquilo que você declara de maneira formal. 😉

  6. Já ouviu falar na OPÇAÕ PREFERENCIAL PELOS POBRES dos farsantes comunistas?
    Mas adotam mesmo a OPÇÃO PREFERENCIAL PELOS IDIOTAS-UTEIS!
    Comprando a imprensa, por meio de falsas propagandas de manhã à noite, promovem a lavagem cerebral nas pessoas – além das drogas que tanto apoiam – para facilitar de elas serem dominadas.
    Os comunistas têm um predileção toda especial à sentença de Lênin:
    CHAME OS OUTROS DO QUE V É;
    ACUSE OS OUTROS DO QUE V FAZ.
    Nunca estão errados; as falhas só acontecem nos outros e como disse, são oportunistas de plantão subsistindo apenas de chantagens com os incautos para depois os escravizar.

  7. Os comentários são meio dementes… a Folha tem alguns leitores meio burros.

    “embora quem lê os textos desse blog já está acostumado com assertividade também” kkkkkkkkkkkkkkkkkk Sempre que vejo autoafirmação acho engraçado… Mas é verdade Luciano, você é bem assertivo, as vezes eu sinto um pouco de pena de alguns inocentes úteis que tentam te refutar…

Deixe uma resposta