Mais motivos para eu ser contra os pedidos por “volta de militares”

80
408

marcha_da_familia1

O artigo Por que não apoio Marcha da Família e muito menos pedidos por volta dos militares “bombou” neste blog. Posts de apoio e várias cacetadas também “bombaram”. Hora da “parte 2”, portanto.

Dividirei este post em duas partes, “Objeções” e “Consultoria”. Na primeira, tratarei alguns argumentos (na verdade, asserções, na maioria dos casos) que foram trazidos por aqueles que não concordaram com o post. Na segunda, farei uma avaliação mais “consultiva” do que deveria ser uma análise sobre qualquer projeto de tomada de poder pela direita, além da análise da alternativa da “volta dos militares”. Alternativa esta duramente criticada por mim.

OBJEÇÕES

O PT é uma doença que está tão impregnada que não adianta mais fazer nada

Eu concordo plenamente que o PT é uma doença. O socialismo é uma doença, e nenhum partido que tenha chegado ao poder no Brasil é mais socialista que o PT. Eles vivem exatamente para contaminar e aparelhar o estado. Ainda assim, sempre existe algo que pode ser feito contra eles, especialmente quando eles afundam o estado. E é isso que tende a acontecer. Um erro que vejo é que muitas vezes achamos nosso adversário mais poderoso do que ele realmente é. O PT está choramingando pelo apoio do PMDB, pois sem este apoio eles não governam. Um partido que faz isso está longe de ser imbatível.

O pedido de volta dos militares é resultante da falta de esperança

Há um erro nesta análise: não há motivos para falta de esperança no caso do Brasil. Hoje em dia temos uma reação de direita que ocorreu muito antes da esquerda ter conseguido o totalitarismo pleno. Nisso somos gratos a um levante de autores de direita que apareceram no cenário, nos explicando a estratégia gramsciana, desmascarando o Foro de São Paulo, e nos apresentando como pensam os mais energúmenos estrategistas de esquerda. Ter falta de esperança em um cenário assim é completamente injustificado. Devemos ter, é claro, um senso de urgência e um senso de alarme, isto é, devemos ser capazes de comunicar a população a gravidade do que vai ocorrer caso o Brasil vire uma Venezuela. Mas para essa luta é preciso ter esperança. Em tempo: o grupo que comunica “ausência de esperança”, em termos de guerra política, faz propaganda para o oponente.

Os políticos não nos atendem, e portanto devemos pedir volta de militares

Entendo essa objeção como um erro de percepção, além de uma absurda transferência de responsabilidade. Sempre acabamos culpando os políticos quando, na verdade, os políticos são iguais em qualquer canto do mundo. A qualidade de nossos políticos depende da cobrança que lançamos sobre eles. Se nós, da direita, não temos sido incisivos nas cobranças a eles, temos que fazer uma auto-avaliação em relação à nossa atuação. Da forma como essa objeção é colocada, parece que devemos pedir a volta de militares por que temos sido preguiçosos e indisciplinados em nossa cobrança em direção aos políticos. Acho que é muito melhor revisarmos esse pontos primeiro. 

Quem sabe os militares não tenha mudado, logo, eles podem voltar ao poder sem errar na guerra cultural como erraram em 1964

Entendo que essa objeção configura uma “aposta”. Algo como se fosse um voto de confiança dado aos militares: se eles erraram miseravelmente na guerra cultural em 1964, podem ter aprendido com isso, e, enfim, ganharem na guerra cultural agora. O problema é que esse discursinho de “volta dos militares”, proferido tanto por alguns deles como por seus apoiadores, já mostra que eles merecem uma bela nota zero na guerra cultural e no controle de frame. Sinal de que ainda não aprenderam nada em termos de guerra cultural. Melhor começarem a ler um pouco sobre Horowitz, Lakoff, Gramsci e Alinsky e voltar daqui uns 50 anos, talvez.

A ditadura militar, se voltar, é apenas um remédio amargo, mas necessário

Isso se chama falso dilema. Neste caso, cria-se uma situação fictícia na qual não há outra alternativa senão o retorno da ditadura militar. Isso não é verdade nem no caso do Brasil nem no caso de qualquer outro país que não tenha implementado uma ditadura formal. Exceções podem ser feitas à Cuba, Coréia do Norte e China. Nos demais países, há sempre outras alternativas (indo além da implementação de uma ditadura oponente) para derrubar o atual regime. Podemos dizer que o tal remédio não é apenas amargo, mas possui efeitos colaterais inaceitáveis.

Comunista só sai na bala, então, que assim seja.

A verdade é que comunistas não querem largar o poder por nada. Líderes comunistas que chegaram ao poder curtem vidas de sultões, e é natural que não queiram largar essa vida de luxo por nada. Mesmo assim, eles perdem eleições vez por outra, como vimos em vários países da Europa. O problema é que em muitos casos eles saem do poder quando o país está em frangalhos. Mas que saem, saem. E não podemos esquecer do que Gene Sharp nos diz: “os ditadores não tem tanto poder quanto pensam que tem, o povo não tem tão pouco poder quanto pensa que tem”.

Nós não temos mais congresso

Errado. Acho que nós não temos é pressão suficiente de direitistas sobre o congresso. Mais uma vez é a eterna mania de lançar nos outros a culpa que nós temos. Somos nós que temos que pressionar o congresso, para, enfim, vê-los atuando.

Se o congresso precisa ser pressionado para cumprir suas obrigações, então não temos mais congresso

Errado, o congresso precisa ser pressionado sempre. É o custo da democracia. Como Thomas Jefferson diz, o preço da liberdade é a eterna vigilância. Parece que alguns direitistas vivem querendo pegar no sono, e então, “relaxar” em sua cobrança aos congressistas, achando que automaticamente eles devem “cumprir suas obrigações”. Na verdade, somos nós, cidadãos, que precisamos cobrar o desempenho contínuo dos congressistas. Fato: estamos sendo muito ruins de cobrança.

A democracia não funciona mais

É difícil imaginar erro estratégico pior que esse.  Se a “democracia não funciona mais”, como é que os esquerdistas tem conseguido chegar ao poder pela via democrática? Ao que parece, a democracia contempla regras do jogo, que devem ser aceitas por ambos os lados. Se a esquerda chega ao poder via democracia, é pela mesma via que seus oponentes devem chegar. Quando um direitista lança a objeção acima, já imagino um time de futebol tomando uma goleada, e, depois, dizendo: “as regras do jogo não funcionam mais”. Parece que falta um pouco de auto-crítica para o time perdedor neste momento.

Quem não pode ajudar que não atrapalhe (ou seja, não se critique Marcha da Família ou pedido por “volta de militares”)

A verdade é bem diferente: é difícil ‘atrapalhar mais’ qualquer ataque eficiente que fazemos à esquerda do que a atuação daqueles pedindo “volta de militares”. A propaganda para o adversário é muito forte. Podemos até escrever a coisa de outra forma: sabe todo o trabalho árduo de guerra cultural que gente como eu, Rodrigo Constantino, Lobão, Olavo de Carvalho e outros tem feito? Tudo pode ser atrapalhado por gente pedindo “volta de militares”.

A quebra da hegemonia esquerdista leva de 20 a 30 anos, então melhor esperar “volta de militares”

Há um equívoco nesta análise. O Olavo de Carvalho fez um cálculo interessante para definir o período de tempo necessário para quebrar uma hegemonia. Mas eu gostaria de desafiar esse cálculo. Hoje temos a Internet, por exemplo, que subverteu todas as regras do jogo. Um exemplo? A hegemonia da religião como dona da moral foi quebrada pelos neo-ateus. Isso começou em 2004, e, em seguida, pelas redes sociais criaram-se entidades focadas em divulgação de memes, uso de slogans, frases de efeito, propagandas com alto impacto psicológico e coisas do tipo. Enfim, não se desanimem achando que quebras de hegemonia levam de 20 a 30 anos. Hoje a coisa é muito mais rápida, por causa da Internet.

Não temos opção: é tudo ou nada

Na verdade, não há sentido nisso.  Temos opções claras: guerra cultural x tomada de poder pela força. A primeira sempre mostrou funcionar que é uma beleza. A última sempre tem se mostrado desastrosa para quem a executa, principalmente agora, em tempos onde as câmeras estão em todos os lugares. Falarei disso um pouco mais na parte sobre “Consultoria”.

Devemos esperar sentados o Brasil virar uma Cuba?

Não, não devemos. Mas novamente aqui incorre-se no erro do discurso acima “Ou é regime militar ou nada”. Na verdade, o investimento correto deveria ser na guerra cultural, não em “pedido de volta de militares”. Precisamos focar nossos esforços naquilo que dá resultado e mostrou-se comprovado como útil em diversos outros contextos. Se tiver dúvidas, consulte os esquerdistas. Os esquerdistas são um exemplo de que a priorização pela guerra cultural, ao invés da tomada de poder pela força, é o caminho.

Se no Brasil, em 1964, o regime militar tirou os comunistas, então em 2014, isso também pode acontecer

O problema é que o regime militar foi frágil na guerra cultural e nem foi tão eficiente para “tirar os comunistas”. Hoje em dia, é uma opção ainda mais desastrosa. Quem implementa uma ação pela força comunica a todo o mundo que perdeu a legitimidade de falar em nome da democracia. O custo político de tudo isso é alto demais.

Vai chegar a um ponto em que a censura do PT não tolerará a dissidência. Então não adianta neste caso pensar em guerra cultural.

Se é assim, como os estudantes venezuelanos, principais atores da guerra cultural, estão contra Maduro? O fato é que a guerra cultural é dificultada por socialistas que estão no poder. Mas não devemos confundir “dificultada” como ‘impossibilitada”.

Na época do regime militar não houve ditadura, mas apenas um regime militar

Esperem aí. Vamos com calma, muita calma nesta hora. Controle de frame desonesto é coisa de esquerdista. É claro que existiu uma ditadura no Brasil na época do regime militar. Se havia censura à imprensa (e o AI-5 foi uma evidência disso), havia o controle do fluxo de informações (frágil, mas havia). Qualquer regime político que estabeleça controle de imprensa por via estatal, para fins de manutenção de poder, é uma ditadura.

Uma forma de romper a espiral do silêncio deveria defender a justeza do movimento cívico-militar de 1964

Defender que o regime militar fez um ótimo serviço em 1964 é uma coisa. A aliança dos Estados Unidos com a Rússia também fez… ao derrubar Hitler. Mas não há motivos para falarmos em alianças com a Rússia agora. Esse é o tipo de opção que se toma apenas em períodos de guerra. No caso do regime militar, mesmo que a ação deles tenha sido justa, até hoje pode ser questionada por alguns. Principalmente pelas consequências adversas, que estão aí, vivas, até hoje. Quem duvida basta ver como a esquerda capitaliza em cima de associação da direita com a ditadura militar. Parceria política com governo militar é radioativa. Demoram muitos anos para que os sinais desapareçam.

CONSULTORIA

Que ninguém me chame de arrogante por dar “consultoria” na questão de projetos de manutenção/tomada/derrubada de poder para seu grupo ou seus adversários, mas agora vou pensar as coisas como um consultor corporativo pensaria.

Entendo que a proposta é a seguinte, para toda ação política: obtenção de poder. E, é claro, a retirada de poder de seus adversários.

Enquanto a esquerda quer o poder totalitário para seus líderes socialistas, nós, da direita, queremos que o poder fique nas mãos dos empresários e do governo, de forma balanceada, e que, portanto, não sejamos submetidos à tiranias. Assim, a luta entre direita e esquerda é sempre uma luta pelo poder, e nossa luta é muito mais legítima. A luta deles é torpe e indigna. Para dizer o mínimo.

Diante dessa constatação temos que avaliar o cenário para a tomada de poder. Como vou avaliar a hipótese de “volta de militares”, descartarei, nesta análise, a hipótese da guerra cultural. Para esta última, como já disse, não há moderação e não há contra-indicações. O remédio da guerra cultural não tem efeitos colaterais. Quanto mais, melhor.

Voltando à solicitação de “volta de militares”, temos a solicitação de obtenção de poder para a direita, ou para a esquerda moderada (de acordo com os grupos que financiarem esta tomada de poder).

A primeira coisa a avaliar é o ambiente e o estatuto ético atual de regimes implementados pela força, em 1964 e agora. Será que temos o mesmo ambiente? Será que enfrentamos as mesmas consequências? A recepção perante a ONU será boa? Moralmente existirão menos ou mais ataques a este regime?

A resposta a essas perguntas, a meu ver, não nos permitem visualizar um cenário positivo.

O fato é que um regime que se estabelece pela força precisará, necessariamente, usá-la, seja em prisões de adversários como no cerceamento de manifestações oponentes. Repetindo: um regime implementado pela força terá, necessariamente, que usar esta força.  O problema é que hoje temos uma quantidade muito maior de câmeras do que há 50 anos atrás. Naquela época, câmeras eram coisas de jornalistas e cineastas. Hoje qualquer um que tenha um Smartphone pode filmar o uso da força pelo estado. Com o uso das câmeras, os manifestantes venezuelanos tem complicado a vida de Nicolas Maduro. Quer dizer, a vida de um governo ditador é muito, mas muito mais difícil hoje em dia.

Outro ponto, que já tratei no texto anterior, é a fortíssima autoridade moral dada ao oponente do governo ditador. Não importa se o governo deposto é de esquerda ou de direita, aquele que caiu a partir de uma ação de invasão dos gabinetes do poder poderá se tornar o mártir da história. Portanto, a opção de “tomada de poder pelos militares” tem um custo automático. A esquerda tem capitalizado há 50 anos exatamente por isso. Podemos dizer que a ditadura militar foi o grande presente dado pelos militares para a esquerda. Para termos uma ideia do preço pago por quem faz discursos por intervenções militares, o blog Cafezinho, da esquerda, esculachou o dirigente do PSOL que pediu intevenção militar contra a Marcha da Família. Veja só o que eles disseram:

O segundo é uma notícia do site Spresso SP, sobre o bizarro posicionamento de um dirigente do PSOL de uma das principais cidades industriais de São Paulo. O sujeito defende… “intervenção militar já”. Sem comentários. Isso mereceria expulsão imediata em qualquer partido realmente apegado a valores democráticos. Em países mais sérios, daria prisão por incitação a um golpe de Estado.

Notemos que para a esquerda o pedido de intervenção militar é pior que doença venérea. Eles entendem de marketing político, convenhamos.

Para piorar, não temos a menor ideia do que se passa na cabeça dos líderes das Forças Armadas. Será que eles realmente estão interessados em pagar os preços que eu mencionei agora há pouco? O que eles receberão em troca? O fato é que qualquer regime militar vai dar toda a autoridade moral do mundo ao oponente, permitirá que este se finja de vítima e ainda vai ter vida difícil a partir do momento em que assumir o poder. Politicamente, é muito sacrifício para pouco ganho. 

Como conclusão, devíamos avaliar a tese do esforço limitado, que usamos em organizações. Sabemos, em qualquer mudança organizacional, que qualquer pessoa dizendo “vamos implementar 2 ou 3 metodologias ao mesmo tempo e testá-las” está enrolando e não vai fazer nada. O ser humano, quando pensa em objetivos com metas a serem alcançadas, se foca em um objetivo. Quer dizer, no momento em que focamos em implementar o Lean Six Sigma, não adianta pensarmos em implementar uma metodologia contraditória de qualidade. Ou dizemos para nosso grupo qual é nossa meta, na qual devemos focar nossos esforços, ou não faremos uma coisa ou outra. Para a política, vale a mesma coisa. Ou concentramos esforços em vencer a guerra política ou então investimos todas as fichas na desistência do jogo e pedir para que os “militares nos ajudem”. Claro que eu sei que alguns irão para a guerra cultural, enquanto outros focarão na desistência do jogo e consequente pedido por “intervenção militar já”. Mesmo assim, é lógico que se estes últimos focassem efetivamente em guerra cultural, abandonariam a hipótese de pedir golpe militar. Conclusão: os pedidos por intervenção militar estão drenando esforços de pessoas inteligentes que poderiam muito bem estar investindo seu tempo em guerra cultural contra a esquerda.

Em resumo, se eu fosse fazer um Power Point com desvantagens de “pedidos por intervenção militar”, incluiria os seguintes itens:

  1. Estatuto ético muito pior (hoje em dia) para qualquer regime que se estabeleça pela força
  2. Dificuldade de um regime que se estabeleceu pela força se manter, especialmente quando precisar usar a força
  3. Altíssimo grau de autoridade moral dada ao oponente
  4. Propaganda pronta feita para o adversário
  5. Incerteza em relação aos militares para ver se eles estão dispostos a pagar todos os preços acima (não parece fazer sentido que queiram pagar esses preços)
  6. Drenagem de esforços de pessoas que deveriam estar concentradas em guerra cultural como se esta fosse a única alternativa

Mesmo em uma análise 100% pragmática, é possível ver que a solicitação de intervenção militar é a pior alternativa possível para vencer a esquerda – e eu defendo que devemos ir além das análises pragmática, mas pelo momento esta será suficiente. Aliás, de acordo com o item 5, eu duvido que os militares adotem a opção de tomar o poder. Muito, mas muito mais provável é que o item 4 seja materializado, independentemente da ação militar ou não. Se o golpe ocorrer, a esquerda capitaliza. E se não ocorrer, também. Isso por que eles poderão dificultar seriamente a direita no debate público acusando-nos de “promotores de golpe”.

Em outras palavras: eu já falei que isso vai dar merda!

Anúncios

80 COMMENTS

  1. Concordo com seus pontos. Pedido de intervenção militar vai ser um tiro (de canhão) no pé.
    Ai ficam as opções de guerra cultural e votação em si. No ponto de escolher deputados, senadores, presidente e governadores de direita (a votação em si) é que complica. Como escolher candidatos realmente comprometidos com a direita seja conservadora ou liberal se nem existem partidos com essa representação de fato para as eleições desse ano?

    • Acho que não, ao contrário vai sim catalisar os movimentos de direita. Há que se ver esta manifestação como ela é, e o que ela é? Resultado da indignação das pessoas, que é o primeiro sentimento que move o cidadão comum. Ainda não há o sentido de urgência, mas há sim de surpresa para a oposição que não imaginava haver esta possibilidade, e isso é o que a marcha traz de melhor. Que não pensem que alguém vai dizer as FFAA o que fazer, esta instituição é independente e perene e não serve a nenhum governo. Se e quando as FFAA entender que a NAÇÃO e sua integridade estão em risco iminente esta intervenção se dará, o que no meu entender não é agora, pois ainda que tenhamos sim aparelhamento de algumas instituições como legislativo e judiciário, e também algumas entidades de classe, na minha opinião ainda tem muita água pra passar em baixo desta ponte antes que se dê uma intervenção militar, mas desejo que venham todas as marchas em oposição a esquerda, tenham elas o tema que tiver e que sejam ordeiras.

    • “Como escolher candidatos realmente comprometidos com a direita seja conservadora ou liberal se nem existem partidos com essa representação de fato para as eleições desse ano?”

      Pois é, comentarista… Primeiro tem que se formalizar uma direita, com LIDERANÇA CLARA E EXPERIENTE no cenário político e tem que se FORTALECER uma MILITÂNCIA DE DIREITA COESA (que abdiquem de certos princípios e objetivem certos resultados) pra só depois pensarmos em uma COLABORAÇÃO (não intervenção) futura das FFAA.

      Mas já adianto que os principais problemas na direita são o orgulho e a vaidade. Mexer nisso não será fácil. O que é a nossa força- o INDIVIDUALISMO, a lógica e a razão, a História e os valores éticos & morais- é tb a nossa FRAQUEZA quando partimos pra luta política. A esquerda sempre levou vantagem aí pelo simples fato de agirem sempre COLETIVAMENTE, como enxames sem vida própria. A direita é uma força de poucos com personalidade própria guiada por muitos; a esquerda, uma força de muitos com uma única personalidade guiada por poucos. Acho isso um treco meio paradoxal em política. Tz seja por isso que a esquerda tá SEMPRE jogando sozinha e ganhando de W.O.

      • Primeiro tem que se formalizar uma direita, com LIDERANÇA CLARA E EXPERIENTE no cenário político”
        Concordo com a existência da clareza e experiência na direita o porém é: as eleições estão ai e infelizmente não temos um partido de direita com tal clareza e experiência. O PSDB é de centro esquerda (o menor mal) porém não sabe jogar com as brechas dadas pelo PT. DEM é uma legenda com baixo apelo para a população e sofre dos mesmos problemas do PSDB ao não aproveitar oportunidades e não denunciar o que a esquerda tem feito. Ou seja não tem mais tempo, a não ser que esperemos até 2018.

        tem que se FORTALECER uma MILITÂNCIA DE DIREITA COESA (que abdiquem de certos princípios e objetivem certos resultados)
        Não vejo a necessidade de cada vertente abdicar explicitamente de princípios, basta não tornarem tais princípios bandeiras de brigas internas. Seria mais ou menos essa a ideia: Não concordo com TUDO que vc diz mas temos muitos princípios em comum portanto podemos lutar contra o que é errado e discutimos como cavalheiros nossas diferenças, longe dos holofotes. (se foi isso que vc queria dizer pode ignorar essa parte)

        O que é a nossa força- o INDIVIDUALISMO, a lógica e a razão, a História e os valores éticos & morais- é tb a nossa FRAQUEZA quando partimos pra luta política.
        Não seria a chance de usar justamente esse “rótulo” contra a esquerda? Ninguém quer perder a individualidade, por que não usar o rótulo de alguma forma, a direita como o lado mais aberto a discussões (o que é uma verdade).

    • Faço aqui algumas considerações pragmáticas, embora eu admita ser um pouco idealista. Mas na verdade os pontos principais dessas considerações advém de outros mares bravios:

      1.) Todo poder político é respaldado por um poder militar subjacente.

      2.) A via jurídica já se mostra ineficaz, pois o Poder Judiciário JÃ ERA, e o Estado de Direito já foi acintosamente estuprado.

      3.) No atual estado desastroso de aparelhamento total de nossas instituições, não temos mais para onde correr, e desse modo é necessário um poderio militar para retomar o País, o Estado de Direito e a Democracia.

      4.) Lembremo-nos que a esquerdalha psicopática está montando seu exército denominado Força de Segurança Nacional, a la Venezuela de Chávez.

      5.) Palavras não pararam Lenin.
      6.) Palavras não pararam Stalim.
      7.) Palavras não pararam Hitler.
      8.) Palavras não pararam Mao.
      9.) Palavras não pararam Fidel.

      PALAVRAS NÃO IRÃO PARAR o Foro de São Paulo.

      Eu acredito que ainda existam militares conscientes e honrados, que estão apenas esperando a DICA e o SUPORTE da POPULAÇÃO para agirem legitima e corretamente no melhor interesse da Nação Brasileira. E eles necessitam dessa DICA e SUPORTE porque não podem se expor a mais um desgaste institucional, analogamente ao ocorrido em 1964.

      No texto abaixo o Gen. Paulo Chagas dá um toque sutil.

      Por favor, leiam!

      Publicado no site http://averdadesufocada.com

      02/03/14 – Na causa da democracia, quem está dispensado?

      Autor: Gen Bda Paulo Chagas
      Caros amigos

      A debacle da Suprema Corte, desmoralizada por arranjos tortuosos que transformaram criminosos em vítimas da própria justiça, compromete a crença dos brasileiros nas instituições republicanas e se soma às muitas razões que fazem com que, com frequência e veemência cada vez maior, os Generais sejam instados a intervir na vida nacional para dar outro rumo ao movimento que, cristalinamente, está comprometendo o futuro do Brasil.

      Os militares em reserva se têm somados aos civis que enxergam em uma atitude das Forças Armadas a tábua da salvação para a Pátria ameaçada, quando não são eles próprios os alvos do clamor daqueles que já identificam nas imagens dramáticas da capital venezuelana a cor fúnebre do nosso destino.

      Ao exercerem seu direito legal de opinar e criticar, os militares da reserva diferem entre si na forma, na intensidade e na oportunidade de uma eventual intervenção militar que venha a dissuadir as pretensões mais ousadas dos dissimulados adeptos da versão “bolivariana” do comunismo de sempre, todavia, são coincidentes e uníssonos no rebatimento de acusações mentirosas que, divulgadas de forma criminosa, visam a criar na sociedade o receio de ter os militares como fiadores da democracia.

      Entre os civis esclarecidos é fácil perceber a confiança no discernimento e no patriotismo dos soldados. Todos querem que os Generais “façam alguma coisa”, mas, ainda são poucos os que se dispõem a fazer o que está ao seu alcance. Poucos são os que adotam atitudes concretas e manifestam-se pública, individual e coletivamente, em defesa dos governos militares, escrevendo para os jornais ou protestando contra a hipocrisia e as más intensões das “comissões da verdade”.

      No momento atual, a causa da democracia não dispensa o concurso de ninguém. Seria portanto uma importante contribuição se todos os civis que têm as Forças Armadas como última razão da liberdade e a garantia dos fundamentos constitucionais pusessem suas opiniões a público, em artigos, manifestações, textos, “cartas do leitor” e outros recursos do gênero e não apenas em comentários restritos à leitura dos poucos profissionais da mídia que ainda ousam remar contra a correnteza ou dos escribas de mídias sociais que, mesmo comprometidos com a causa, têm apenas seu limitado e débil sopro para tentar enfunar as velas da embarcação.

      A opinião pública está dispersa, contudo não é difícil identificar o que rejeita. Também não é fácil definir com quem está e o que quer. Falta-lhe um “norte confiável”. As pessoas de bem, informadas, estão com medo do futuro, acuadas até para reagir e para manifestarem-se pacificamente. Não basta, portanto, pedir uma atitude dos militares, é preciso que os civis esclarecidos e convencidos do perigo ostentem massivamente suas posições e opiniões e que contribuam para magnetizar a agulha que definirá o novo rumo a ser tomado.

      As “Marchas da Família com Deus Pela Liberdade”, programadas para o mês que inicia, são um bom começo para esta soma de esforços e para reafirmar o que, há cinquenta anos, fez com que o Brasil fosse visto e admirado como a “Nação que salvou a si própria”!

      • 1.) Todo poder político é respaldado por um poder militar subjacente.

        Mas que não significa que este poder militar tomou o poder pela força…

        2.) A via jurídica já se mostra ineficaz, pois o Poder Judiciário JÃ ERA, e o Estado de Direito já foi acintosamente estuprado.

        E, portanto, pode ser ainda mais pressionado pela direita.

        3.) No atual estado desastroso de aparelhamento total de nossas instituições, não temos mais para onde correr, e desse modo é necessário um poderio militar para retomar o País, o Estado de Direito e a Democracia.

        Essa necessidade é ilusória, e não há evidências de que esta é a única opção.

        4.) Lembremo-nos que a esquerdalha psicopática está montando seu exército denominado Força de Segurança Nacional, a la Venezuela de Chávez.

        A força chavista também está pressionada pela opinião pública.

        5.) Palavras não pararam Lenin.
        6.) Palavras não pararam Stalim.
        7.) Palavras não pararam Hitler.
        8.) Palavras não pararam Mao.
        9.) Palavras não pararam Fidel.

        Notou uma falha grave nesses frames acima? Todos os nomes que você citou eram de ditadores que entraram no poder há mais de 50 anos…

        Por que não citou ditadores novos?

        Motivo: Por que a tomada de poder pela força, desde Gramsci, NÃO FUNCIONA MAIS.

        Ao que parece, estamos 50 anos atrasados.

        PALAVRAS NÃO IRÃO PARAR o Foro de São Paulo.

        Mas foram só palavras que MONTARAM o Foro de são Paulo…

        Eu acredito que ainda existam militares conscientes e honrados, que estão apenas esperando a DICA e o SUPORTE da POPULAÇÃO para agirem legitima e corretamente no melhor interesse da Nação Brasileira. E eles necessitam dessa DICA e SUPORTE porque não podem se expor a mais um desgaste institucional, analogamente ao ocorrido em 1964.

        Eles, se forem espertos, vão notar que se derem qualquer tipo de golpe, afundam definitivamente a direita no país.

        Acho que não seriam tão loucos a esse ponto. Associar a direita a DOIS GOLPES MILITARES, e DAR PODER ETERNO À ESQUERDA é uma opção que não vão tomar.

      • Luciano:

        —– 1.) Todo poder político é respaldado por um poder militar subjacente.

        —– Mas que não significa que este poder militar tomou o poder pela força…

        Jack:

        A afirmação de tomada pela força foi sua, não minha. Veja que não há essa menção no meu texto. Portanto é uma inferência apenas sua.

        ——————————————————————————–

        Luciano:

        —– 2.) A via jurídica já se mostra ineficaz, pois o Poder Judiciário JÃ ERA, e o Estado de —– Direito já foi acintosamente estuprado.

        —– E, portanto, pode ser ainda mais pressionado pela direita.

        Jack:

        Como pressionar pela lei um Poder Judiciário FORA da LEI ??? MISTÉRIO !!!

        ——————————————————————————–

        Luciano:

        —– 3.) No atual estado desastroso de aparelhamento total de nossas instituições, não temos mais para onde correr, e desse modo é necessário um poderio militar para retomar o País, o Estado de Direito e a Democracia.

        —– Essa necessidade é ilusória, e não há evidências de que esta é a única opção.

        Jack:

        Não há evidencias de ser a única opção, mas também não há evidências de que as outras opções sejam EFETIVAS. Portando estamos todos no terreno da teoria e não da sabedoria.

        Estamos todos em mares bravios desconhecidos, e o marujo no alto do caralho da caravela (caralho = mastro principal da caravela) ainda não avistou terra firme no horizonte.

        A palavra “teoria” vem do grego “TEORA”, que foi um neologismo inventado por Pitágoras para designar uma “IDÉIA” ou “INSPIRAÇÃO” criativa.

        ——————————————————————————–

        Luciano:

        —– 5.) Palavras não pararam Lenin.
        —– 6.) Palavras não pararam Stalim.
        —– 7.) Palavras não pararam Hitler.
        —– 8.) Palavras não pararam Mao.
        —– 9.) Palavras não pararam Fidel.

        —– Notou uma falha grave nesses frames acima? Todos os nomes que você citou eram de ditadores que entraram no poder há mais de 50 anos…

        —– Por que não citou ditadores novos?

        —– Motivo: Por que a tomada de poder pela força, desde Gramsci, NÃO FUNCIONA MAIS.

        —– Ao que parece, estamos 50 anos atrasados.

        Jack:

        Ta legal! Eu também sei disso.

        Mas por favor, explique isso à nova futura aliança SINO-SOVIÉTICA (China-Russia), que percebem estar a balança das forças político-militares mundiais pendendo favoravelmente para seu lado, e favorecendo, então, seus intentos expansionistas sem quaisquer considerações adicionais quanto a métodos gramscianos moderninhos.

        Explique isso a eles. Por favor.

        ——————————————————————————–

        Luciano:

        —– PALAVRAS NÃO IRÃO PARAR o Foro de São Paulo.

        —– Mas foram só palavras que MONTARAM o Foro de são Paulo…

        Jack:

        Sim! Concordo.

        Mas também foram só palavras que deram credibilidade a Hitler e MONTARAM o cenário do holocausto nazista.

        Pelo que se sabe, o Adolfo era BOM de BICO né?

        E também pelo que se sabe, Fidel e sua cria Raul são BONS na CROCODILAGEM nẽ?

        ——————————————————————————–

        Luciano:

        —– Eu acredito que ainda existam militares conscientes e honrados, que estão apenas esperando a DICA e o SUPORTE da POPULAÇÃO para agirem legitima e corretamente no melhor interesse da Nação Brasileira. E eles necessitam dessa DICA e SUPORTE porque não podem se expor a mais um desgaste institucional, analogamente ao ocorrido em 1964.

        —– Eles, se forem espertos, vão notar que se derem qualquer tipo de golpe, afundam definitivamente a direita no país.

        —– Acho que não seriam tão loucos a esse ponto. Associar a direita a DOIS GOLPES MILITARES, e DAR PODER ETERNO À ESQUERDA é uma opção que não vão tomar.

        Jack:

        Errar uma vez é humano. Persistir no error é imbecilidade.

        Einstein deu uma definição muito interessante de loucura:
        “Loucura é realizar um experimento do mesmo modo, repetidas vezes, esperando obter resultados diferentes em cada operação.”

        Eu pergunto: Será que os nossos militares seriam imbecis de cometerem o mesmo ERRO OPERACIONAL, que cometeram em 1964 ?

        E veja você, caro Luciano, que o conceito de “eternização do poder da esquerda” é um conceito meramente SUBJETIVO seu, e apenas seu!

        ——————————————————————————–

        Forte abraço.

      • A afirmação de tomada pela força foi sua, não minha. Veja que não há essa menção no meu texto. Portanto é uma inferência apenas sua.

        Ok, mas que fique claro que não entender que um aparato de força sustenta o estado não legitima, portanto, uma intervenção militar.

        Como pressionar pela lei um Poder Judiciário FORA da LEI ??? MISTÉRIO !!!

        Por que o Judiciário é FORA DA LEI?

        Não há evidencias de ser a única opção, mas também não há evidências de que as outras opções sejam EFETIVAS. Portando estamos todos no terreno da teoria e não da sabedoria.

        Sabemos que a via da intervenção militar é a MENOS EFETIVA das ações. Tanto que essa opção foi abandonada há muito tempo como o padrão pela esquerda, que, em termos de estratégia política, está mto mais avançada.

        Mas por favor, explique isso à nova futura aliança SINO-SOVIÉTICA (China-Russia), que percebem estar a balança das forças político-militares mundiais pendendo favoravelmente para seu lado, e favorecendo, então, seus intentos expansionistas sem quaisquer considerações adicionais quanto a métodos gramscianos moderninhos.

        Aí que está. Os métodos gramscianos é a força PELA QUAL eles conseguem poder NO OCIDENTE. Tudo não passa de um recurso.

        É exatamente por isso que já sabemos como reagir no Ocidente.

        Mas também foram só palavras que deram credibilidade a Hitler e MONTARAM o cenário do holocausto nazista. Pelo que se sabe, o Adolfo era BOM de BICO né?

        Sim, ele era bom nisso mesmo. Por isso tudo ficou facilitado por ele. Esse é o caminho das pedras.

        Eu pergunto: Será que os nossos militares seriam imbecis de cometerem o mesmo ERRO OPERACIONAL, que cometeram em 1964 ?

        Tomar o poder pela força, dando AUTORIDADE MORAL AO OPONENTE? Em um mundo onde cada vez mais métodos de reação À ditaduras estão disponíveis? Aqui em pleno Ocidente? Esse erro estratégico seria devastador.

        A partir daí, a esquerda daqui iria acusar a direita de NÃO APENAS UM GOLPE, MAS DOIS. Dá para vencer futuras guerras culturais com isso? Muito difícil.

        Abs,

        LH

      • Grande Luciano.

        Ainda discordo em alguns pontinhos, mas fundamentalmente te agrdeço pela atenção e esplanação mais detalhada de seu ponto de vista e de suas idéias muito profícuas para todos nós.

        Forte abraço e BOM COMBATE.

  2. Luciano, você tem razão.
    Mas tenho dificuldade em visualizar a capitalização política instantânea da esquerda, uma vez que a direita ainda não tem nem candidato para perder votos!

    Em termos de batalha cultural, eu tenho minhas dúvidas sobre até que ponto o cidadão médio revoltado com a violência e impunidade se sensibiliza mais com o discurso esquerdista do que a suposta ordem e borracha na bandidagem evocada pelos “militares”..

    Você assume que a resposta da esquerda é mais poderosa ao associar esta visão com ‘ditadura’. Ok. Mas a permeabilidade do público é realmente a mesma para as duas abordagens?

    Não estou afirmando nada, é de fato um questionamento que faço.

    • Luciano, você tem razão.
      Mas tenho dificuldade em visualizar a capitalização política instantânea da esquerda, uma vez que a direita ainda não tem nem candidato para perder votos!

      O “ativo” da direita (e da esquerda) mais poderoso é um grupo de pessoas, organizadas, exercendo pressão. São os grupos de interesse. A eliminação do poder da direita, e das DEMANDAS da direita, já é o meio por onde eles capitalizam.

      Em termos de batalha cultural, eu tenho minhas dúvidas sobre até que ponto o cidadão médio revoltado com a violência e impunidade se sensibiliza mais com o discurso esquerdista do que a suposta ordem e borracha na bandidagem evocada pelos “militares”..

      É por que não temos sido suficientemente assertivos ao EXPLICAR para eles O REAL CULPADO POR NOSSA SITUAÇÃO. Não é a ausencia dos militares, mas a PRESENÇA DE ESQUERDISTAS NO PODER, que pode ser resolvida de várias formas.

      Você assume que a resposta da esquerda é mais poderosa ao associar esta visão com ‘ditadura’. Ok. Mas a permeabilidade do público é realmente a mesma para as duas abordagens?

      Não entendi 😛

      Pode me esclarecer mais sobre esta questão?

      Abraços,

      LH

      • Quero dizer que acho possível que o brasileiro médio se comova muito mais com um discurso forte de repressão à bandidagem, sendo simpático à atuação impiedosa da polícia – e por extensão, se encantando também com uma idealizada ‘volta dos militares’.
        Isso em oposição ao discurso esquerdista de direitos dos manos, que é francamente repulsivo e enojante para todos exceto para a própria esquerda e o beautiful people socialistinha, com o qual se misturam frequentemente os mais visíveis críticos ao regime militar, o militarismo das polícias, etc etc.

        Esta percepção, que creio se dar muito espontaneamente em resposta à violência e ao deboche do polícia prende-justiça solta, ECA etc, não pode ser capaz de amortecer a ‘propaganda pronta para a esquerda contra a direita apoiadora da ditadura’? Sobretudo uma vez que esta propaganda não recairá sobre nenhum candidato em particular capaz de perder votos por isso?

        Acrescento: Será se, ainda que com um enfoque inadequado e passível de duras críticas, como é o caso do apoio a um regime autoritário, não se poderá mesmo assim conquistar apoio e simpatia entre o público?

  3. A alguns pontos o autor do blog esqueceu. Primeiramente muitos conservadores não solícita as forças armadas e sim como uma ferramenta constitucional para garantir a democracia e nossa constituição! Sendo as forças armadas a nossa última instância! Já vemos que claramente as Urnas Virtuais que não foram aceitas em canto algum exceto o Brasil, aonde não eh permitido e nem a possibilidade de auditoria na mão do PT! Aonde lutam para um projeto totalitário com o fim da propriedade privada e eleições automática! Se isso acontecer oque iremos fazer?! Ficar debatendo nos blogs?! Até porque já trabalham para censurar na internet e na midia. Se a intervenção militar temporária de transição ela eh constitucional para garantir a nossa liberdade, democracia e salvaguarda da constituição porque ser contra ?! Tão complicado entender isso meu Deus!

    • Maximiliano,

      Você fala em várias “conquistas” do PT, que a direita NÃO ESTÁ ATUANDO para combater na guerra cultural. Se é assim, para que intervenção militar? Se há tanta ajuda da parte da direita para o PT ficar no poder, os militares teriam que entrar para que?

      O que está difícil entender aqui é a RESPONSABILIDADE que a direita tem (incluindo você) de lutar na guerra cultural.

      Você já fez isso? Quando? Como? Quais as ações? Quais autores tomou como base para a ESTRATÉGIA?

      O que está parecendo aqui é que alguns apoiam o culto da PREGUIÇA, e daí é só pedir “militares, nos ajudem”.

      Não, não vão ajudar, por que hoje em dia o risco NÃO VALE A PENA. Vivemos uma outra época.

      Se a intervenção militar temporária de transição ela eh constitucional para garantir a nossa liberdade, democracia e salvaguarda da constituição porque ser contra ?!

      Eu e você sabemos que isso é um EUFEMISMO.

      Pedir intervenção militar é igual estamos no mesmo time, tomando de 8×0 no jogo, e daí falamos que é melhor comprar o juiz para expulsar quatro do outro time, quando ainda há tempo, e ignorar as regras a nosso favor. É fácil inventar eufemismo para isso.

      De um lado, temos a esquerda organizada e usando uma estratégia para ganhar a guerra cultural e DEPOIS tomar o poder totalitário. Do outro, temos pessoas falando em poder totalitário por que DESISTIRAM DA GUERRA CULTURAL.

      Desculpe a palavra forte: não é possível que a direita seja um adversário mais fraco do que quando assume esta postura.

      Abs,

      LH

      • Olá Luciano, obrigado pela atenção e demais amigos.

        Muitos Conservadores Liberais como eu, defendemos um pensamento de total liberdade, exceto o rompimento da democracia e arbitragens inconstitucionais que já se encontra em alguns fatores muito GRAVES você tem ignorando Luciano. Hoje o atual governo que já cometem inume-as inconstitucionalidade com envio de Bilhões de reais pelo BNDS para Ditaduras Comunistas Mundiais sem aprovação do congresso, e revogação de crimes graves como do Mensalão e sua tentativa de golpe de Estado em base ideológica segundo o próprio ministro do próprio STF pela compra de deputados! Já deveríamos ter solicitado o Impeachment! Escândalos diários do atual governo! sem resolução!
        Mas não vemos nada pela oposição isso não é grave ?! Alguma coisa acontece!

        Talvez você saiba a participação do PT e demais partidos de Esquerdas Brasileiros ao Foro de São Paulo, em um eixo bolivariano que ganhou ainda mais atenção o apoio dos países do eixo bolivariano incluindo a figura do Lula e Dilma no apoio no Ditadura Socialista Bolivariana na Venezuela eu acredito que seria o modelo não somente ao Brasil mas toda America Latina conforme as ATAs do Foro de Sâo Paulo com participação de CUBA diretamente engajada em nossa política e nos demais países latinos como a Venezuela.
        Não irei questionar o Contra Golpe de 31 de março de 1964 mediante as reformas agrária que Jango(PTB apos PCdoB) executou pelo fim da propriedade privada próximos de rios, estradas e ferrovias que a grande população conservadora solicitou a intervenção militar até 1986 entregue a o povo!

        Embora que o hoje o PCdoB e alguns partidos de Esquerda, tem um certo interesse as eleições automáticas eu acredito que não apenas um desejo mais um objetivo da própria ideológica que eles defendem ! Que poderia interferir na democracia! Os mesmo as Urnas Virtuais(Dados de computador) que não a POSSIBILIDADE e AUTORIÇÂO de Auditoria não mão do PT! Na minha cidade de Guarulhos houve as Fraudes inúmeras vezes e não tomaram nenhuma medida favorecendo o PT é claro! ISSO È GRAVE!!!!! MUITO GRAVE!
        Observamos que a Dilma que não comparecer em qualquer supermercado que é amplamente vaiada pelas centenas de escândalos e hostilidades(Lula se encontra em CUBA) ! Os mesmo dizem a sua vitoria em primeiro turno! O Voto impresso foi revogado pelo próprio STF! que por sinal os 3 poderes já se contra corrompidos claramente! Isso não é algo grave Luciano?! Suprema Corte corrompida?! Arquivaram o uso do voto impresso, PORQUE ?! AH ?! 3 Poderes corrompidos!
        Não somente as fortes suspeitas pelas Urnas, mas o aparelhamento do Estado e cada dia mais sendo imposto a nos! CONTROLES e mais Controles! Apóiam o fim da propriedade privada (tudo que você tem e seu salário é do ESTADO) , que está camuflada em inúmeras leis como PHND-3 e outros que poderiam ser aprovados e a possibilidade das eleições automáticas como na Venezuela(Apoiado por LULA)

        Se forem aprovados o que o Luciano irá fazer ? debater na internet ? Se ainda não forem censurados(Me parece a esse interesse)!
        Nos dias de hoje amigo Luciano, não defendemos Ditadura alguma isso é impossível, precisamos ter cuidado com desinformação esquerdistas, e você sabe que Direita é total liberdade de tudo(Conservadorismo e Liberais)! Até porque devemos ser inteligente em saber DIFERENCIAR Intervenção Constitucional Militar temporária de transição para uma Ditadura verdadeira que somente por meio de uma GUERRA poderá libertar o seu povo como é Venezuela, CUBA, CHINA e Coréia do Norte(Sistema que Esquerda defendem a nos!) A intervenção propriamente dita é somente garantir a nossa Democracia e a constituição sendo ela a guardião do nosso pais, ULTIMA INSTANCIA!

        O interesse pela esquerda em defender o aumento da criminalidade embargando leis para isso! Cortando investimentos, levando o Brasil com numero de Guerra CIVIL! Assassinato, torturas da família de bem e destruição total dos valores morais e éticos diariamente, já leva alguns já recorrer a solicitação daqueles que comprometeram a nos proteger sendo ela como ultima instancia a nos!
        Peço desculpas por digitar muito Amigo Luciano! Mas a lógica é muito simples! não é complicado de entender! Logo no seu próprio blog irei colocar sobre a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS de maneira detalhada.
        muito obrigado pela atenção Luciano e os demais amigos.

        Maxiliano Mançano.

  4. O grande problema que vejo no pessoal pró-Golpe de 64 é deixar o fanatismo de lado e analisar os fatos com racionalidade, para que consigam elaborar, com sucesso, uma estratégia eficiente. Eles precisam entender que estratégia é um meio para se atingir um fim e são regidas pela política, mesmo que a odeiem. Sun Tzu deixa isso claro na sua célebre obra, a “Arte da Guerra”. É preciso aproveitar as oportunidades que o adversário nos dá para ser derrotado e criando táticas e estratégias eficientes que o façam manobrar segundo nossos próprios interesses. É uma grande ironia do destino que eles amam uma fracassada ditadura militar que ignorou, solenemente, os princípios da arte militar consagrados por Sun Tzu e tantos outros grandes pensadores da arte estratégica. Seria um negócio mais inteligente para esse pessoal ler e reler o Sun Tzu dezenas de vezes e tentar aplicá-lo e aprender a jogar Go (ver documentário abaixo). Aliás, o Go, também chamado de baduk (Coréia) e weiqi (China), é o jogo de tabuleiro que é mais estratégico que o xadrez e mais se assemelha ao estilo do Sun Tzu, por ter uma estratégia muito eficiente em termos de recursos e ser focada em lograr o adversário como meta principal para se conseguir vencer.

    Com o desfacelamento da Cortina de Ferro, o mundo deixou de ser polarizado no velho Fla-Flu direita versus esquerda. O critério é outro: qual deles é o mais liberal ou antiliberal? O PT e demais partidos satélites situam-se no lado antiliberal. Chamar novamente uma intervenção militar, é situar, todos os opositores da gangue esquerdista que gravita em torno do Foro de São Paulo, no mesmo saco. O que será extremamente benéfico para eles e provocar um racha numa possível coalizão com o movimento liberal, que vem ganhando muita força, por ter um discurso muito menos viciado e incoerente do que os fanáticos da Ditadura Militar.

    Reconhecer que o período militar foi sim uma ditadura, é ser honesto com a população que começa a se preocupar com os rumos do país vem em direção a um totalitarismo de esquerda. Outro ponto que endossa a crítica do meio liberal contra os conservadores, principalmente os seguidores do Olavo de Carvalho, é que uma coalizão ou uma fusão com eles esmagaria o movimento liberal e uma instauração de uma cultura que valorize a liberdade, como nos EUA. Do lado liberal, os anarcocapitalistas e left-libs (que são fortemente pró-capitalismo), querem distância dos conservadores e jogam mais no time da desunião, o que pode favorecer o PT, como bem lembrou o economista Rodrigo Constantino (ver vídeo abaixo). Poucos dentro movimento liberal, como o Constantino e o Adolfo Sachsida perceberam que é preciso cooperação e bater no PT até que ele saia do poder. Outros liberais como Paulo Kogos e Hélio Beltrão (ver entrevista abaixo) preferem ficar em cima do muro, temendo serem esmagados pela intolerância de muitos membros radicais do movimento conservador (as olavetes fanáticas e as viúvas da Ditadura Militar). Esse temor se justifica porque o Regime Militar foi uma ditadura de fato. Ela cerceou liberdades, era truculenta, burocrática e centralizou um poder absurdo nas mãos do Estado através das estatizações e controle exagerado da economia (a hiperinflação herdada pela reabertura política e o inchaço estatal que teve que ser privatizado à contragosto pelo esquerdista FHC). The treta has been planted!

    Fazendo-se uma abstração e supondo que a direita consiga, um dia, tomar o poder das mãos da esquerda novamente, ela sozinha teria dificuldades de governar porque seria truculenta com grupos que os liberais defendem, como os homossexuais e outros grupos religiosos não cristãos (ver debate da Rádio Vox abaixo). Os conservadores brasileiros, tendem, por serem fortemente influenciados pela mentalidade estatista dos militares, a empurrar a economia para rumo a um estatismo, o que seria um prato cheio para a esquerda retornar o poder e reaparelhar o estado. O choro é livre, mas é fato: os liberais lidam melhor com a democracia e tem um modelo econômico superior (escola austríaca e escola de Chicago).

    Conclusão: essa marcha é um tiro no pé. Desculpe o texto ter ficado longo, mas precisava desabafar. Valeu.

    (Crítica do Olavo de Carvalho aos erros dos militares durante a Ditadura. Reparem que o Olavo passou boa parte do vídeo sem fumar!):

    https://www.youtube.com/watch?v=orhSqJtjOWs

    https://www.youtube.com/watch?v=7jlT7F-vWto

    (Rodrigo Constantino pede uma união da “direita”):

    https://www.youtube.com/watch?v=NQRY7vh5cls

    (Kim Kataguiri entrevista Hélio Beltrão e ele fala com receio de uma aliança com os conservadores):

    http://www.youtube.com/watch?v=g6XHWaVOWeo&feature=share&t=29m3s

    (Programa da Rádio Vox sobre como a direita deve tomar o poder):

    https://www.youtube.com/watch?v=dsJ7_sRXfXM

    (Documentário excelente da History sobre a Arte da Guerra):

  5. atenção. aqui é john connor.

    a PRIMEIRA consequência negativa q sentiremos ao agitarmos para uma intervenção militar é, sem dúvida, o último ponto q luciano colocou:

    nestas eleições a esquerda vai querer assustar as grandes massas dizendo q a “direita opressora” quer dominar o brasil com uma nova ditadura. e é aí q esquerdistas se passam por heróis para a grande massa de manobra e os direitistas se passam por monstros.

    aqui é john connor.

    • John Connor não fala isso não, ele só aparece por poucos segundos no Terminator II. A franquia acabou no II, o resto é tão marxismo cultural que dá raiva, o cara não é um líder, é um babaca inseguro, vive procurando a solução nas fitas da mãe dele, ele não toma o poder mas sim os superiores dele fazem uma cagada e o poder cai no colo dele… o típico ‘líder’ idiota que a esquerda caviar de hollywood adora.

  6. Falar contra também não ajuda. Eles estão oferecendo apoio a algum partido anti socialista e ninguém se apresenta. Num país de covardes, todos os argumentos válidos acima colocados caem por terra. É preciso intervenção para tirar o pt do poder e criar o ministério da cultura anti social relativista.

  7. No Paraguai até que deu certo. Mas foi uma reação pontual foi contra o estado caótico das coisas, antes que fosse tarde demais. E não deu em tanta m3rda, só deram uma dedetizada na casa, resultando numa melhorada boa por lá.

    É o que no mínimo precisávamos aqui!

    Mas seu artigo faz pensar.

    Antes de mais nada, eu não entendo como pode a esquerda conseguir coisa alguma capitalizar quando:

    – incentiva a morte dos cidadãos trabalhadores, enquanto defendem assassinos à mão armada;
    – apóia narcotraficantes;
    – apóia ditadores malucos ao redor do mundo;
    – apóia os seus políticos ladrões;
    – não têm mais vergonha de serem pegos roubando dinheiro público;
    – vaza o dinheiro da nação para outros países, com objetivos finais no mínimo suspeitos;
    – e ainda se fazem de vítima “dus imperialista” e até do E.T. de Varginha albino.

    É muita bola levantada para chutar!

    Então, Luciano, seus argumentos me fazem pensar: quando o esquerdista defende um bandido contra a sociedade, não estaria fazendo isso com o objetivo de forçar a própria sociedade a pedir por ordem urgente, por exemplo, militares?

    Ou sendo mais incisivo: defender assassinatos de pessoas não seria um caso pensado da esquerda, para forçar um clamor emocional extremo, pensando eles já estarem preparados contra a reação?

    Concluindo: pode ser que toda essa porcaria que hoje vivemos é de caso pensado. Devemos tomar cuidado.
    Mas que o povo está clamando por um basta, ah está.


    • Antes de mais nada, eu não entendo como pode a esquerda conseguir coisa alguma capitalizar quando:

      – incentiva a morte dos cidadãos trabalhadores, enquanto defendem assassinos à mão armada;

      Eles só capitalizam neste momento pq a direita não os denuncia nesse quesito suficientemente.

      – apóia narcotraficantes;
      – apóia ditadores malucos ao redor do mundo;
      – apóia os seus políticos ladrões;
      – não têm mais vergonha de serem pegos roubando dinheiro público;
      – vaza o dinheiro da nação para outros países, com objetivos finais no mínimo suspeitos;
      – e ainda se fazem de vítima “dus imperialista” e até do E.T. de Varginha albino.

      Assim como nos pontos anteriores, vejo que a falha está em como NÓS REAGIMOS e NÃO DENUNCIAMOS ASSERTIVAMENTE o que eles fazem EM QUANTIDADE SUFICIENTE.

      Eles só capitalizam por causa disso.

  8. Erratas:

    onde se lê “conseguir coisa alguma capitalizar “, o correto é “conseguir capitalizar coisa alguma”

    onde se lê “assassinatos de pessoas não seria um caso pensado da esquerda” o correto é “”assassinatos de pessoas inocentes não seria um caso pensado da esquerda””

  9. http://averdadesufocada.com/index.php/luta-armada-especial-100/10304-030314-goebbels-tropicais-vermelhos

    03/03/14 – GOEBBELS TROPICAIS VERMELHOS

    General da Reserva Luiz Eduardo Rocha Paiva

    Não se trata de diminuir a dor de famílias enlutadas ou vítimas de violações, mas sim de denunciar a exploração facciosa do inquestionável sofrimento alheio com propósitos ideológicos inconfessáveis. Eis o teor das matérias da mídia e dos filmes sobre o enfrentamento da luta armada pelo regime militar. São cenas comoventes. A senhora idosa, a família triste em volta, a fotografia de um rapaz ou de uma jovem. Alguém da família fala com saudades do ente querido, que era uma pessoa bondosa, idealista, amante da liberdade e lutara para derrubar a ditadura militar no Brasil nos anos 60-70. Conta que ele ou ela foram presos, desapareceram, foram assassinados ou barbaramente torturados (coincidentemente todos sempre foram barbaramente torturados, como se não fosse o bastante ser torturado). Em seguida, a cena muda para imagens de violência e misturam a realidade dos conflitos de rua com a fantasia de películas que mostram a tortura como se fosse algo institucional.

    Por outro lado, a mídia, em parte domesticada e facciosa, não divulga os crimes hediondos dos ex-guerrilheiros. Imaginem os assassinatos do Tenente PM Mendes Júnior, abatido a golpes de coronha de fuzil quando prisioneiro de Lamarca, este um falso herói criado pela esquerda radical, na realidade um desertor e fora da lei; o do Capitão Chandler dos EUA, crivado de balas diante da esposa e do filho, após ser condenado à morte por um espúrio tribunal revolucionário da ALN, organização terrorista que, com tais credenciais, buscava tomar o poder e se tornar governo; o do Soldado Mário Kozel Filho, cujo corpo foi destroçado por um carro bomba; e o do guia da força legal no Araguaia, torturado, mutilado e assassinado diante dos pais por guerrilheiros do PCdoB. A lista é imensa. Foram cerca de 119 mortos, vítimas diretas, e muito sofrimento causado a seus familiares pelos grupos armados. Mas estas verdades não são reveladas ao cidadão para o resgate da verdade histórica. As imagens desses irmãos e irmãs brasileiros, que também tinham sonhos e nobres atributos, e as de seus sofridos e não indenizados familiares, não são divulgadas e enaltecidas como as dos seus algozes, pois não interessam aos propósitos da propaganda ideológica dos goebbels tropicais vermelhos.

    A mídia acolhe, também, o argumento de ex-militantes, como da própria presidente da República, que amenizam sua participação nos crimes da guerrilha alegando não terem participado da execução de ações armadas. Uns dizem que só faziam o apoio logístico, outros a administração financeira ou, ainda, apenas a formação política de quadros para o grupo guerrilheiro. Ao não questionar tal argumentação, a mídia passa um falso atestado de inocência. Ora, seria isento de dolo ou culpa, por exemplo, alguém que desse apoio direto à máfia, mas não pegasse em armas? Ex-guerrilheiros não podem fugir à responsabilidade, pois sabem muito bem que foram cúmplices de crimes, inclusive dos sequestros, execuções e atentados terroristas dos grupos aos quais pertenciam. Mas hoje, estão legalmente anistiados.

    A falsa imagem do regime militar repassada à Nação e massificada durante décadas é a de governos tirânicos, que eliminaram as liberdades civis, perseguiram os cidadãos e empregaram a tortura como política de Estado para desmantelar a luta armada e aterrorizar a sociedade. A verdade é que no regime militar não se torturou nem mais nem menos do que se fazia antes e ainda se faz hoje. Ao tomar por base o discutível número de 20 mil torturados, o cálculo da incidência dessa violação resulta em menos de seis por dia, em todo País, nos dez anos de luta armada. Ora, desde a redemocratização, a televisão mostra constantemente muito mais cidadãos submetidos a tratamento desumano e violações em presídios e instituições de recuperação de menores. A Nação também sabe de torturas e assassinatos de pessoas sob a custódia do Estado ou vítimas de sua violência. Então, esta seria hoje uma velada política de Estado, haja vista os governos agirem só após a mídia levantar o problema e, ao sair da pauta o tema, tudo voltar a ser como antes? A verdade é que essas vítimas não defendem ideologias marxistas e, por isso, a esquerda radical não se empenha por sua proteção, indenização e melhoria de suas condições de vida, nem pela punição de seus algozes. É hipocrisia condenar a tortura em apenas um período da história.

    Os advogados de guerrilheiros orientavam os clientes a mentir dizendo terem confessado seus crimes sob tortura, pois os processos seriam arquivados e eles absolvidos ou teriam as penas abrandadas. Muitos assim o fizeram como tática de luta para voltar à militância revolucionária. Três décadas depois, alguns foram indenizados ou ocupam posições importantes em altas esferas da sociedade. Confessar a mentira teria consequências legais para uns e um alto custo político para outros.

    Não há exemplo de guerra revolucionária comunista que não tenha sido violenta, mas não existe um caso de guerra antirrevolucionária menos traumática do que a feita pelo regime militar. Acordos dificilmente se dão entre atores de igual poder, pois sempre haverá uma assimetria, o que não torna a negociação ilegal. Seria algo surrealista os derrotados numa tentativa ilegal e violenta de tomar o poder, para implantar uma ditadura comunista, imporem a anistia a seu bel prazer. O Brasil estava em plena abertura política, o AI/5 fora revogado, não havia lei de exceção, houve um processo legislativo com negociação aberta, participação do governo, da oposição, OAB, Igreja, artistas, imprensa e amplos setores da sociedade. Eles receberam todo o necessário para se reintegrar à sociedade. Que mais queriam? Ah! Faltaram os instrumentos para a vingança.

    A sociedade apoiou o Estado contra a esquerda revolucionária, que não teve o reconhecimento de nenhuma democracia e nenhum organismo internacional de que representasse o povo brasileiro e lutasse por democracia. É hipocrisia a condenação dos governos militares por quem professava e ainda professa a ideologia de ditaduras totalitárias responsáveis pelos maiores crimes contra a humanidade como foram a URSS e a China. Se tomassem o poder, cometeriam violações no mínimo iguais às cometidas em Cuba por Fidel Castro, ícone sagrado da esquerda tupiniquim e das mais altas lideranças do País.

  10. É como o próprio Gramsci já ensinou a esquerda, revolução pela força não possui o mesmo poder que a revolução cultural… Funcionou com eles, por que não com a direita que é intelectualmente superior? A Forças Armadas já foram suficientemente demonizadas, a esquerdalha nesse contexto ganhará no jogo de controle de frames, e aposto que grande parte da população cairá nesse truque.

  11. Eu defendo a marcha da família , apesar de não participar e muito menos me simpatizar com a maneira q vem sendo orquestrada , acho interessante quanto a forma de mensurar conservadorismo aplicado, como embate á esquerda coletiva (leiga)…fazendo uma breve analogia, vejo essa ação semelhante a um metal de sacrifício , termo bem muito usado na química, que deixará exposta tons melhores e mais esclarecidos para a democracia do nosso pais , quem sabe abrirá espaço para os mais liberais discutirem posteriormente.

    A questão principal é q não vejo como essa marcha possa prejudicar de forma irreversível, alias prevejo q se marcha antifacista participar o tiro sairá pela culatra da esquerda.

  12. Você diz: “Ainda assim, sempre existe algo que pode ser feito contra eles, especialmente quando eles afundam o estado. E é isso que tende a acontecer. Um erro que vejo é que muitas vezes achamos nosso adversário mais poderoso do que ele realmente é.”

    Cara, não é que o PT seja muito forte; é o povo que não tem miolos. Até um retardado, como o Lula, consegue conduzir uma tropa de asnos. Sim, em sua maioria, uma tropa de asnos. E asno se esfrega em asno, diziam os romanos. E o povo da Venezuela não é o povo do Brasil. A diferença está em como os dois vivem o Carnaval: lá, por 18 mortos, eles enchem as ruas e pressionam o Governo. Aqui, por 55 mil assassinados anualmente, bebem até cair, trepam até pegar AIDS e sujam as ruas até estarem imersos em lixo.

    ***

    “Errado. Acho que nós não temos é pressão suficiente de direitistas sobre o Congresso.”

    Não temos é povo pra pressionar os pseudo-direitistas. Direita? Que Direita? À direita da Esquerda, ainda temos Esquerda!

    ***

    <>

    Dormir e descansar é típico do brasileiro. Até a Esquerda brasileira seria assim, sonolenta, se não recebesse controle de “qualidade” ISO de financiadores internacionais e de Cuba.

    ***

    “A propaganda para o adversário é muito forte. Podemos até escrever a coisa de outra forma: sabe todo o trabalho árduo de guerra cultural que gente como eu, Rodrigo Constantino, Lobão, Olavo de Carvalho e outros tem feito? Tudo pode ser atrapalhado por gente pedindo “volta de militares”.”

    Como você disse há alguns posts atrás, quanto mais censurável se tornar uma tese (os pedidos pela volta dos Militares), mais essa tese, depois de um aparente ostracismo, ganhará força. Ponto a favor!

    ***

    “Enfim, não se desanimem achando que quebras de hegemonia levam de 20 a 30 anos. Hoje a coisa é muito mais rápida, por causa da Internet.”

    Acredite: se o Comunismo, mais desumano que qualquer outra doutrina política jamais vista, saiu do Limbo (ou do Umbral das Sombras), quanto menos tempo levará um sistema (como a ditadura militar) para voltar a ser contemplada pelos brasileiros! Os cerca de 5 milhões de intenções de votos para o Gen. Augusto Heleno (nunca considerados) que o digam!

    ***

    “Quem implementa uma ação pela força comunica a todo o mundo que perdeu a legitimidade de falar em nome da democracia.”

    E quem disse que a Intervenção Militar é ilegítima? Se está contemplada na própria Constituição, o que tem ela de ilegítima?

    ***

    “Se é assim, como os estudantes venezuelanos, principais atores da guerra cultural, estão contra Maduro?”

    Confio na espontaneidade das manifestações na Venezuela… mas não sem uma ajudinha do exterior, a saber, de capital americano. Veja bem: não tô falando exatamente em golpe americano, mas sim de uma “forcinha”. Lembra-se do “punho cerrado pra cima”?? Essa logo nunca será à toa. Investigue e assista esse vídeo:

    • O período de registro no TSE já passou. Contudo, uma projeção pró-militar com o Gen. Augusto Heleno incomodaria os atuais governantes e outros políticos.

      Militares e civis estão montando um partido. Eles estão à procura de assinaturas:

      http://www.partidomilitar.com.br/

      Eis a via democrática, já que no momento, pedido pela intervenção militar pode ser um tiro no pé. Contudo, considero como o último recurso que deve ser usado em caso de não haver uma única saída, quando realmente a “sociedade brasileira estiver de joelhos implorando pela volta dos militares”, como disse o último presidente militar joão Figueiredo.

  13. Luciano, você já demonstrou a invalidez da volta do regime militar. Mas e quanto a um candidato militar numa eleição democrática, o que você acha disso? Acha que o PMB (com aquele pré-candidato general da qual não lembro o nome) pode ser uma boa opção da direita?

  14. Tudo isso ocorreu por culpa dessa DIREITA PREGUIÇOSA que só fica lendo Bíblia, livros de autoajuda e mensagens bonitas no Facebook/Orkut.Enquanto os caras montavam uma organização nunca vista antes na América Latina: Foro de São Paulo, que já existe desde 1990 e só agora vocês viram o perigo à democracia que isso resultaria? Agora que os cara conta com apoio da China, montaram a Celac, UNASUL, Força Nacional vocês perceberam que o negócio estava feio?? Cadê que fizeram alguma coisa? Nem sequer fizeram nada em relação ao mensalão vão fazer contra Foro de São Paulo?.

    Realmente não é a democracia que está falida, nem o executivo, quem está falida é a oposição, essa Direita mole, acomodada e incompetente. Não fazem nada e agora querem pedir prudência? Se depender dessa prudência e desse comodismo o Brasil vai pro buraco….

    Vejo muitos dizerem que esquerdista é burro, é incoerente, incompetente, mas parece que na pratica não é bem assim…Essa Direita fica só nessa palhaçada de gramcismo, marxismo, revolução cultural enquanto os cara dominam tudo. A direita no Brasil só serve pra ficar catando os lixos da esquerda e discutindo se é ou não gramcismo. Faz um favor…. Vão se catar….

  15. O primeiro texto ja tinha sido bom, esse entao …hehehehe

    Apenas acho que a perda por essa marcha da familia, que de fato deve ocorrer apesar dos alertas, será pequena porque ficara isolado entre aqueles conservadores religiosos evangelicos/catolicos, tera uma proporção muito pequena perto da marcha de 64 e ficarao meio que isolados, vejo a maioria das pessoas torcendo o nariz para isso e ainda sendo contra pt por exemplo.

    mas concordo que nao tem como evitar isso respingue em nos de direita pelo fato de dizer que essa foi a reaçao da direita e que a direita é minoria ainda, isso para os leigos que nao estao acompanhando os passos dessa reação

    acho que o negocio é continuar alertando, e principalmente esse pessoal rodrigo, olavo falar dessa forma que foi falada aqui

  16. Na verdade, acho que seria mais divertido derrubar os socialistas à bala.

    Mas esperar o país estar em frangalhos não é uma opção muito legal, porque pode levar décadas, ou eles podem fazer como a Suécia, e permitir uma abertura no mercado – o equivalente a fornecer auxílio médico para poder continuar torturando um prisioneiro sem que ele morra.

    Deveríamos nos concentrar em alguns pontos:

    – Reconhecer que o Brasil hoje vive uma falsa democracia;
    – Parar de colaborar com/fornecer recursos para os nossos oponentes;
    – Drenar recursos dos nossos oponentes.
    – Não aceitar “suborno”, como os suecos fizeram. Ou eles saem, ou serão expulsos quando finalmente não tiverem mais grana pra bancar sua festinha no poder.

    • Na verdade, acho que seria mais divertido derrubar os socialistas à bala.

      Em minha estratégia, eu não daria mártires para eles…

      Mas esperar o país estar em frangalhos não é uma opção muito legal, porque pode levar décadas, ou eles podem fazer como a Suécia, e permitir uma abertura no mercado – o equivalente a fornecer auxílio médico para poder continuar torturando um prisioneiro sem que ele morra.

      Essa é uma hipótese para causar levante popular e derrubar o socialismo.

      Deveríamos nos concentrar em alguns pontos:

      – Reconhecer que o Brasil hoje vive uma falsa democracia;

      Eu também reconheço, e, nesse ponto, ME COLOCO A FAVOR DA VOLTA DA DEMOCRACIA.

      mas quem apoiar intervenção militar perde o frame de defesa da democracia.

      – Parar de colaborar com/fornecer recursos para os nossos oponentes;

      Sim, e pedir propostas políticas para acabar com isso.

      – Drenar recursos dos nossos oponentes.

      Concordo.

      – Não aceitar “suborno”, como os suecos fizeram. Ou eles saem, ou serão expulsos quando finalmente não tiverem mais grana pra bancar sua festinha no poder.

      É na parte de expulsão, se for pela força, que discordamos.

      • Na verdade, acho que seria mais divertido derrubar os socialistas à bala.

        Em minha estratégia, eu não daria mártires para eles…

        Mártires ou ídolos. Che ou Mao. Idolatrar eles irão de qualquer jeito. Você escolhe como.

        Mas esperar o país estar em frangalhos não é uma opção muito legal, porque pode levar décadas, ou eles podem fazer como a Suécia, e permitir uma abertura no mercado – o equivalente a fornecer auxílio médico para poder continuar torturando um prisioneiro sem que ele morra.

        Essa é uma hipótese para causar levante popular e derrubar o socialismo.

        Para isso é necessário que um grupo considerável de pessoas se levante contra o politicamente correto e dê nome aos bois. Socialistas não são adversários político-ideológicos. São inimigos domésticos. Estou com Ben Shapiro nessa.

        Deveríamos nos concentrar em alguns pontos:

        – Reconhecer que o Brasil hoje vive uma falsa democracia;

        Eu também reconheço, e, nesse ponto, ME COLOCO A FAVOR DA VOLTA DA DEMOCRACIA.

        mas quem apoiar intervenção militar perde o frame de defesa da democracia.

        Eu sou contra a intervenção militar porque imagino que as forças armadas já tenham um certo aparelhamento a essa altura, e a população não tem a menor condição de encarar uma guerra civil.

        – Parar de colaborar com/fornecer recursos para os nossos oponentes;

        Sim, e pedir propostas políticas para acabar com isso.

        O congresso é mercenário, e isso já se tornou evidente. Eu penso numa maior popularização do boicote e da denúncia. Lutar contra a criminalização do homeschooling privaria a esquerda de sua maior fábrica de buchas de canhão.

        – Drenar recursos dos nossos oponentes.

        Concordo.

        – Não aceitar “suborno”, como os suecos fizeram. Ou eles saem, ou serão expulsos quando finalmente não tiverem mais grana pra bancar sua festinha no poder.

        É na parte de expulsão, se for pela força, que discordamos.

        Força? Se o povo quiser que eles saiam, a polícia se recusar a cumprir ordens deles, e os militares se recusarem a cumprir ordens deles, só vai restar a Sturmabteilung: MST, Black bocós, cartéis do narcotráfico. Se houver alguma violência, acredito que virá daí.

      • Na verdade, acho que seria mais divertido derrubar os socialistas à bala.

        Eles adorariam isso também. Os chavistas agradecem até hoje.

        Mártires ou ídolos. Che ou Mao. Idolatrar eles irão de qualquer jeito. Você escolhe como.

        Mas isso dá poder a eles.

        Mas esperar o país estar em frangalhos não é uma opção muito legal, porque pode levar décadas, ou eles podem fazer como a Suécia, e permitir uma abertura no mercado – o equivalente a fornecer auxílio médico para poder continuar torturando um prisioneiro sem que ele morra.

        Tá difícil do Brasil chegar nas mesmas condições em que a Suécia. Ali é um país rico, de cultura focada à abertura de mercado.

        Para isso é necessário que um grupo considerável de pessoas se levante contra o politicamente correto e dê nome aos bois. Socialistas não são adversários político-ideológicos. São inimigos domésticos. Estou com Ben Shapiro nessa.

        Eu também estou com Ben Shapiro. E ele atua só na guerra cultural.

        Eu sou contra a intervenção militar porque imagino que as forças armadas já tenham um certo aparelhamento a essa altura, e a população não tem a menor condição de encarar uma guerra civil.

        Esse é mais um motivo.

        Eu sou contra a intervenção militar por PRINCÍPIO.

        O congresso é mercenário, e isso já se tornou evidente. Eu penso numa maior popularização do boicote e da denúncia. Lutar contra a criminalização do homeschooling privaria a esquerda de sua maior fábrica de buchas de canhão.

        O congresso é mercenário mas alguns já perceberam que o PT quer o poder sozinho. Inclusive o PMDB. A hora é de pressionar estes ultimos.

        Força? Se o povo quiser que eles saiam, a polícia se recusar a cumprir ordens deles, e os militares se recusarem a cumprir ordens deles, só vai restar a Sturmabteilung: MST, Black bocós, cartéis do narcotráfico. Se houver alguma violência, acredito que virá daí.

        Infelizmente, as coisas não são simples assim.

        Abs,

        LH

  17. Muito interessante o texto. E, para mim, a parte mais importante é essa daqui: “O PT é uma doença que está tão impregnada que não adianta mais fazer nada – Eu concordo plenamente que o PT é uma doença. O socialismo é uma doença, e nenhum partido que tenha chegado ao poder no Brasil é mais socialista que o PT. Eles vivem exatamente para contaminar e aparelhar o estado. Ainda assim, sempre existe algo que pode ser feito contra eles, especialmente quando eles afundam o estado. E é isso que tende a acontecer. Um erro que vejo é que muitas vezes achamos nosso adversário mais poderoso do que ele realmente é. O PT está choramingando pelo apoio do PMDB, pois sem este apoio eles não governam. Um partido que faz isso está longe de ser imbatível.”

    Todo mundo que pensa ao menos um pouco sabe que a esquerda é uma farsa! Uma doença que é apregoada somente por gente com problemas mentais sérios. Por isso, é uma doença. Você diz que eles vivem de contaminar e aparelhar o Estado. Isso é verdade. Basta ver o que o PT faz, juntamente com outros partidos de mesma matiz ideológica. O PDT tem um feudo no Ministério do Trabalho e Emprego e já saiu denúncias sérias que esse partido recebe propina para aceitar a criação de sindicatos. Todo mundo sabe que sindicatos são minas de ouro e de poder. O PC do B é outro partido de esquerda corrupto.

    Sinto que esse sintoma de “que não adianta fazer nada” vem do fato que o PT, juntamente com seus partidos irmãos como PC do B, PDT, além de PSOL ou PSTU, que foram criados por gente que saiu do PT dominarem a cultura, grande parte da imprensa, aparelham o Estado e até as universidades, basta ver que a USP é um feudo do PSOL e o sindicato do professores do Rio de Janeiro come na mão de Marcelo Freixo, do PSOL, só para ficar em um exemplo. As pessoas veem nisso um sinal de superioridade da esquerda. Aí que eles se enganam. Irão ser esmagados pelo peso do próprio Estado inchado que eles ajudam a fomentar. Quem é que sustenta todo esse gigantismo estatal? Quem é que mais sofre com isso, em termos de mais cobrança de impostos e péssimos serviços? Quem mais sofre com a violência diária nas ruas e basta ver que a esquerda é incapaz e incompetente para resolver os problemas de violência, haja vista que ela se beneficia da violência dos “excluídos da sociedade”, quais sejam: pobres e menores de idade, não sendo atoa que eles são contra qualquer medida que vise ao enfrentamento da violência. Então, a maior prejudicada com a esquerda no poder é a CLASSE MÉDIA. A classe que eles, esquerda, tanto odeiam. Basta ver o que foi dito por Marilena Chauí. O trabalho, ou seja, a guerra cultural tem que ser de convencimento dessa classe. Dizer com todas as letras, sem embuste ou frases bonitas que ela é a maior prejudicada com o PT ou qualquer outro partido de esquerda no poder federal. A esquerda é incapaz de lidar com a crise econômica que se avizinha, resultado: desemprego. A esquerda é incapaz de lidar com a questão das drogas e violência, o resultado: podemos estar chorando a perda de um ente querido, cedo ou tarde.

    Se tudo isso que eu disse, convencimento da classe média, não for feito, só resta esperar, como você falou, o afundamento do Estado ocasionado por eles mesmos. Não é preciso ser um doutor em economia ou qualquer outra matéria para que um Estado gigante, inchado não se sustenta. Foi o que aconteceu com a Europa do “bem estar social”. A Europa socialista. A propria população, vendo esse estado de coisas, tende a votar em candidatos mais à direita. Isso é natural. E o que acontece? A direita vence, coloca o país nos trilhos, com o remédio amargo, mas necessário, que eles chamam de austeridade e, como recompensa, tem a ira da própria população. A Esquerda dá privilégios absurdos a todo tido de gente: imigrantes, mulheres, cotas raciais, justiça social e isso custa caro. E quem banca? Nem preciso dizer. A esquerda quebra e afunda um país, a população vota na direita, a direita coloca o país nos trilhos e a população, como recompensa… da mais um mandato à esquerda! Dá para entender? Isso aconteceu em Nova York. Essa cidade nunca foi tão próspera nas mãos da direita. A violência caiu a níveis baixos, a cidade é rica, mas votaram em um esquerdista chamado de Blasio que já avisou que irá afrouxar a política de combate à criminalidade, pois ela só visa aos negros e latinos. Ora, ora!

    Finalizando, realmente o PT não é tão forte assim. Basta ver que o tanto que eles precisam do PMDB e não é preciso de militares para resolverem “essa parada” por nós. Só tem uma forma de se tomar o poder e é pela via democrática. Pela força, com que moral se poderá falar em democracia? A não que se aja como uma lunático feito o Maduro, que conversa com fantasma, usa a força contra quem pensa diferente, chamando-os de fascistas e tendo a cara-de-pau de dizer que defende o estado democrático. Aí não dá. Tem que ser muito cínico de tomar o poder pela força e falar em democracia. Isso é coisa de esquerdista!

  18. o interessante é que a revolução de 64 foi legal, constitucional e aprovada pelo congresso legitima e democraticamente eleito. durante o regime mantiveram-se as eleições livres e com voto direto para o congresso nacional, os representantes máximos da republica eram escolhidos por esse congresso como em vários países do mundo.
    e caso não tenha vindo à mente, na época estavam lidando com grupos de guerrilha fortemente armada que queria tomar o poder e instituir uma ditadura totalitária muito diferente do autoritarismo militar( que vem da própria natureza marcial do regime).
    hoje vemos o ressurgimento dessa guerrilha, disfarçada de mst, e se não agirmos rápido para expurgar esses tiranos que dobraram a sociedade culturalmente e se lançaram ao poder pela via democrática como hitler, mussolini e companhia esquerdista, talvez não haja outra solução senão uma intervenção militar, que inclusive ao exemplo do general Lott nem precisa ser seguida de um regime militar longevo. lembrem-se crianças: dilma, dirceu e essa turma eram guerrilheiros socialistas e não desistiram de seus planos, viram companheiros morrerem tentando implantar o terror vermelho nesse país, e não vão largar o osso!!
    fica um vídeo de sobremesa:

  19. Nesse post você falou apenas sobre o pedido de intervenção militar feito pelos conservadores. Quanto a isso, concordo plenamente com o texto!

    A minha crítica ao outro post foi em relação a sua rejeição a Marcha da Família por ela ser conservadora.

    Algumas questões levantadas por você lá:

    Há um sério problema na Marcha da Família atualmente. Primeiro, que essa marcha original foi um movimento conservador. E, hoje em dia, não há mais espaço para um movimento conservador, e sim para uma aliança entre liberais e conservadores. Caso contrário, vamos perder em volume.

    Quem disse que não há mais espaço para movimentos conservadores? A maioria da população brasileira é conservadora!

    Muitos conservadores preferem morrer do que aderir discursos que vão contra seus valores. Portanto, não espere que esses conservadores agreguem à sua marcha causas que saiam de suas raízes.

    Segundo, quanto mais o frame “conservador” for propagado, menos atraente tudo vai se tornar para os liberais que também são contra a esquerda.

    E quanto mais o discurso liberal for propagado entre os conservadores que não querem aliança com liberais, aí é que teremos um número muito maior de conservadores torcendo o nariz. Dessa forma é que perderemos muito mais em volume!

    É quando pegamos uma das lições principais de Gramsci e jogamos fora

    A meu ver, quem está fazendo isso é você!

    Muitos conservadores nunca irão se unir à liberais. Então, se você discursar contra todos os movimentos conservadores que lutam contra a esquerda, você estará jogando fora o que Gramsci ensinou sobre aceitar grupos com pensamentos diferentes, desde que estejam lutando contra um inimigo em comum.

    A Marcha da Família, por outro lado, tenta dar uma visão unificada do que seria uma resposta ao pensamento de esquerda no Brasil

    Mesmo que seja verdade, nada impede que os liberais se organizem e também saiam às ruas para mostrar o lado liberal da direita, ora!

    O problema é que a Marcha da Família é um movimento de “defesa de valores específicos”, enquanto na verdade o melhor, hoje em dia, seria um movimento de “ataque a valores específicos da esquerda”, independentemente de alguém ser ateu ou religioso, ou de alguém apoiar a família tradicional ou não.

    Se um conservador quiser lutar contra a esquerda, mas priorizando “causas específicas”, ninguém pode obrigá-lo a fazer diferente. Cabe ao liberal escolher se apoia ou não um grupo no qual ele não concorda 100%, mas que está lutando do seu lado.

    Aliás, eu não vejo problemas na Marcha da Família em si. Acho que eles possuem valores interessantes, mesmo que eu não compartilhe de todos. Só não quero que eles posem como “a direita”.

    Se os conservadores posarem como “a direita”, isso não será um bicho de sete cabeças. Basta que os liberais saiam às ruas e posem como “a direita” também. Ou será que querem ficar em casa dependendo apenas dos movimentos conservadores?

    Precisamos de uma direita mais diversificada, que tenha conservadores, liberais e libertários, todos eles atacando sem dó os cânones da esquerda.

    Exatamente!

    Uma direita mais diversificada inclui, inclusive, quem não quer aliança com quem quer que seja.

    Aliás, não é só conservador que restringe seus movimentos. Também há muitos liberais que não querem aliança com conservadores.

    Quem quiser fazer aliança, ótimo! Quem não quiser, não te problema. Desde que esteja lutando do nosso lado.

    PS: Eu entendo e concordo com você quando diz que precisamos de uma aliança entre conservadores e liberais. Mas nem todos pensam assim. Então, levando em conta os ensinamentos de Gramsci, todos que lutam contra a esquerda terão o meu apoio, independentemente se estão unidos ou não.

    Abraços.

    • ” Quem disse que não há mais espaço para movimentos conservadores? A maioria da população brasileira é conservadora! ”

      MAS QUE CONCLUSÃO BISONHA! QUE FACADA VOCÊ DEU NO CONSERVADORISMO!

      Essa não poderia deixar passar. O povo daqui não sabe nem o que é direita e esquerda! Quanto mais ser conservador e saber quem é Russell Kirk, Edmund Burke, Roger Scruton e etc..

      Nosso povo é em geral uma horda de imorais, estúpidos, hipócritas, mal educados e corruptos. É um povo que defende uma intervenção estatal tanto na economia quanto na vida dos outros além de abraçar bandeiras populistas.
      Sendo sincero: Quem achar que a maioria do povo brasileiro não é desonesta, ou é um populista oportunista, ou é muitíssimo inocente e otimista irresponsável que acredita que o ser humano é essencialmente bom.

      ” Muitos conservadores preferem morrer do que aderir discursos que vão contra seus valores. Portanto, não espere que esses conservadores agreguem à sua marcha causas que saiam de suas raízes. ”

      Não é porque a maioria defende algo que se torna algo moralmente certo. Estes tipos de conservadores (os liberais e os libertários também, não coloque estes como sinônimos) são um bando de coletivistas que preferem ver o socialismo/comunismo sendo implantado a se aliar com libertários, liberais clássicos ou conservadores que tenham pelo menos uma discordância do que eles pensam. Falei isso considerando apenas o contexto atual, de ameaça bolivariana, no qual esses jamais deveriam estar desunidos.

      Depois do fim da ameaça, cada um no seu quadrado. Inclusive chegando ao ponto de liberais vs. liberais, conservadores vs. conservadores, e libertários vs. libertários. O individualismo na mais plena essência.

  20. Eu entendo e concordo com muito do que o Luciano posta. Eu curto a pagina Golpe Militar 2014, e quando fiz isso foi por entender que ela se trata de uma provocação à Golpe Comunista 2014. Não que eu defenda um golpe militar, mas sim a retirada dos atuais políticos do poder, seguida por um julgamento e condenação da quadrilha petista e logo após uma eleição democrática – mas isso é uma medida imediatista. E após alguma ação dos militares a reforma cultural no país deveria continuar. Pois temos umas três gerações que já foram estragadas.
    Eu apoio a marcha, pois ela é um sustinho na corja que está no poder, mas não apoio um golpe. Concordo com o Luciano principalmente quando ele diz que isso só demonstra que a pedida da volta dos militares mostra o quanto o brasileiro quer jogar a responsabilidade de cuidar do país nas mãos dos outros, neste caso os militares.
    O brasileiro infelizmente não gosta de chamar a responsabilidade para si. Enfim, a frase que sintetiza tudo isso realmente é: O PREÇO DA LIBERDADE É A ETERNA VIGILÂNCIA.

  21. perdão, Ayan. Depois da entrevista do Bolsonaro no Ratinho (segunda maior audiencia da noite), É IMPOSSÍVEL o PT capitalizar em cima do pedido de intervenção militar. Por favor, assista.
    Só se os organizadores e membros, daqui em diante, forem muito burros. Estamos com a bola na marca do penalti.

  22. Noticia bomba.
    Em vídeo feito por manifestantes venezuelanos para correr o mundo, Dilma aparece como cúmplice de mortes, pancadaria e tortura. É justo!

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/em-video-feito-por-manifestantes-venezuelanos-para-correr-o-mundo-dilma-aparece-como-cumplice-de-morte

    “””O vídeo termina com um pedido: “Compartilhe com seus familiares, amigos e colegas de trabalho. Nós, os venezuelanos, precisamos de vocês”. Assisti e, confesso, ao ver a imagem da presidente Dilma como uma das cúmplices da barbárie, senti vergonha.””” Palavras de Reinaldo Azevedo.

    https://www.youtube.com/watch?v=c1XwuZHYY3I

    Todos sabem a cachorra da Dilma e os lideres esquerdistas de todos países das Américas ( e mundo também) apoiam Maduro na sua repreensão ao povo venezuelano.

    Não é preciso ser muito inteligente para concluir se Dilma resolver descer o “PORRETE” nos brasileiros que protestarem e atentarem seu Governo. Maduro e companhia dará todo apoio a Dilma na repressão. Eles se apoiam. Por isto é nosso dever denunciar o vergonhoso,sórdido,criminoso apoio que Dilma dá a Maduro na repreensão na Venezuela.

    Olha ! Que a cachorra Dilma não tem tido muita dor de cabeça ao apoiar uma ditadura assassina, muitos poucos brasileiros se preocupam com que á presidenta está fazendo.

    Vamos sair as ruas,na internet ,redes sociais vamos infernizar á vida de Dilma por causa deste maldito apoio a Maduro.

    Só assim evitaremos que “ELES” fiquem se apoiando para reprimir os seus próprios povos mutualmente. Dilma apoia Maduro,que apoia Castro,que apoia o indio boliviano,que apoia Cristina que apoia ……

    Estar nas ruas contra esse apoio de Dilma ao sanguinário ditador venezuelano é coisa muito mais inteligente e sensata do que “pedir a volta dos militares”.

    Não duvido devido a ignorância de grande parte do povo brasileiro (infelizmente uma verdade) Dilma não teria dificuldade em convencer essa gente toda de que é certo descer a “BORRACHA” em quem pede a “volta dos militares”.

    È lógico contando com o apoio da esquerdalha do continente inteiro e do mundo.

  23. “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS”

    O Povo Unido tem Direito de Resistência
    Direito de resistência é a denominação dada à legítima oposição de um povo a regras formais opressivas que não correspondem aos reais anseios de uma sociedade, podendo ser manifestado pela desobediência civil ou mesmo por uma revolução.

    Carta Constitucional da Nação
    Para melhor entendimento, vamos definir o que é Carta Constitucional de uma Nação. Trata-se de um Estatuto organizatório do Estado. É um instrumento de governo, no em que se regulam processos, se definem competências, organização dos poderes e órgãos do Estado, o modo de aquisição do poder e a forma para seu exercício, limites para sua atuação, proteção de direitos e garantias dos indivíduos, entre outros define uma instituição permanente, fixação do regime político e disciplina os fins sócios- econômicos do Estado, bem como os fundamentos dos direitos econômicos, sociais e culturais.

    O que é o Direito Constitucional?
    Trata-se do ramo do direito público interno dedicado à análise e interpretação das normas constitucionais. Tais normas são compreendidas como o ápice da pirâmide normativa de uma ordem jurídica, consideradas Leis Supremas de um Estado soberano, e tem por função regulamentar e delimitar o poder estatal, além de garantir os direitos considerados fundamentais. O Direito Constitucional é destacado por ser fundamentado na organização e no funcionamento do Estado e tem por objeto de estudo a constituição política desse Estado.

    Direito Constitucional Geral
    Podemos concluir, então, que a classificação do direito constitucional é muito simples, já que é o ramo que estuda a constituição, sendo que, quando estuda uma determinada carta, é chamado de direito constitucional positivo; quando estuda mais de uma, comparando-as, é chamado de direito constitucional comparado; e, por fim, quando estuda nenhuma especificamente, mas todas em tese, é chamado de direito constitucional geral, que pode adotar a perspectiva prescritiva ou a perspectiva descritiva, conforme o caso específico em analise.

    Portanto, a “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS” tem previsão legal em nossa CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988:

    De pronto, no artigo 1º da CF/1988, que trata dos Princípios Fundamentais, vemos que o Brasil é uma República Federativa, formada pela união indissolúvel dos Estados, e Municípios e do Distrito Federal, constituindo-se em ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.

    E neste conjunto de valores constitucionais, temos como fundamento maior:
    I – a soberania;
    II – a cidadania;
    III – a dignidade da pessoa humana;
    IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
    V – o pluralismo político.

    E neste mesmo artigo da Lei Maior e Soberana, o parágrafo único majestosamente reconhece o povo como autoridade maior, podendo exercer a cidadania ao eleger os seus representantes ou DIRETAMENTE. (“Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”)

    Exercitando estes direitos constitucionais, o artigo 3º complementa o artigo 1º quando afirma textualmente que o Brasil como República Federativa, constitui-se como obrigação e dever do Estado (União):
    I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;
    II – garantir o desenvolvimento nacional;
    III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais
    e regionais;
    IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

    A INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS É LEGAL

    Objetivamente, nem tudo que é legal no Brasil é correspondido, pois milhares de decisões judiciais em todos os níveis da hierarquia do Judiciário que afrontam as LEIS, porque os magistrados usam e abusam do que eles chamam e aplicam como: “LIBERDADE DO LIVRE ENTENDIMENTO”

    Quando falamos de INTERVENÇÃO, imediatamente nos vem à mente um GOLPE, DITADURA e assim por diante, todavia, os augustos constituintes que elaboraram a Carta Política ou Constitucional de 1988, previram tudo, até mesmo a condição de uma INTERVENÇÃO, é o que vemos no art. 34 da CF:

    No Capítulo VI, artigo 34 da nossa CF/88 que trata da Intervenção, a Lei Maior afirma que: “A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:”:
    I – manter a integridade nacional;
    III – pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;
    V – reorganizar as finanças da unidade da Federação que:
    VI – prover a execução de lei federal, ordem ou decisão judicial;
    VII – assegurar a observância dos seguintes princípios constitucionais:
    a) forma republicana, sistema representativo e regime democrático;
    b) direitos da pessoa humana;
    c) autonomia municipal;
    d) prestação de contas da administração pública, direta e indireta;
    e) aplicação do mínimo exigido da receita resultante de impostos estaduais, compreendida a proveniente de transferências, na manutenção e desenvolvimento do ensino e nas ações e serviços públicos de saúde.

    CONSELHO DE DEFESA NACIONAL
    Discorrendo sobre a constitucionalidade de INTERVENÇÃO DAS FORÇAS ARMADAS como dever cívico CONSTITUCIONAL, vemos que o artigo 91 da CF/88 trata uma possível situação relacionada com a soberania nacional e a defesa do ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, onde afirma textualmente que os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, (formação originária das Forças Armadas do Brasil), dele participam como membros natos.

    Este Conselho de Defesa Nacional, tendo membros natos os Comandantes Militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, segundo texto constitucional do artigo 142 do mesmo Diploma Constitucional: são INSTITUIÇÕES NACIONAIS PERMANENTES e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, podem opinar:
    I – opinar nas hipóteses de declaração de guerra e de celebração da paz, nos termos desta Constituição;
    II – opinar sobre a decretação do estado de defesa, do estado de sítio e da intervenção federal;
    III – propor os critérios e condições de utilização de áreas indispensáveis À segurança do território nacional e opinar sobre seu efetivo uso, especialmente na faixa de fronteira e nas relacionadas com a preservação e a exploração dos recursos naturais de qualquer tipo;
    IV – estudar, propor e acompanhar o desenvolvimento de iniciativas necessárias a garantir a independência nacional e a defesa do Estado democrático.

    Este mesmo texto constitucional do artigo 142, afirma que as FORÇAS ARMADAS estão sob a autoridade suprema do Presidente da República, que representa a vontade do povo (“Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”), e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.

    As Forças Armadas, por se tratar de “INSTITUIÇÕES NACIONAIS PERMANENTES” os seus membros, ou seja, tantos os Comandantes, bem como os seus Oficiais ou simplesmente Militares não é permitido à sindicalização e a greve; e mais a frente vemos ainda que aos Militares, enquanto em serviço ativo, não pode estar filiado a partidos políticos, porque será?

    Ocorre que nos Dois Poderes que compõem a República Federativa do Brasil; Executivo e Legislativo, todos os seus membros são eleitos pela vontade do povo conforme preconiza o § Único da CF/88: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”, enquanto que as INSTITUIÇÕES NACIONAIS PERMANENTES, os Servidores (Militares) são concursados ou transitórios e ou temporários para prestarem serviços públicos pelo tempo de 30 anos ou pelo limite de idade quando se completam os 70 anos.

    Em outras palavras, temos as INSTITUIÇÕES NACIONAIS PERMANENTES que são as FORÇAS ARMADAS como GUARDIÃ da lei, da ordem pública, da soberania, responsável por manter a integridade nacional; assegurar a observância dos princípios constitucionais e da forma republicana, segurança externa e interna do Brasil.

    Relativamente à questão da Segurança Pública, o artigo 144 da CF/88, é contudo, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através da Policia Federal, Policia Rodoviária Federal, Polícia Ferroviária Federal, Policias Civis e; Polícias Militares e Corpo de Bombeiros que são FORÇAS AUXILIARES E RESERVA DO EXÉRCITO.

    FINALIZANDO:
    AS GARANTIAS DO POVO PELA CF/88 COM A INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS COMO GARANTIA PARA QUE POSSAMOS ESTAR EM ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO

    Do Estado de Defesa
    Respectivamente, a nossa CF/88 garante o ESTADO DE DEFESA: “Art. 136. O Presidente da República pode, (“Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou DIRETAMENTE, nos termos desta Constituição.”) ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional, decretar estado de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e determinados, a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporções na natureza.”
    Neste sentido, o “caput” do artigo 136 da CF/88, afirma que o “presidente da república PODE, ouvidos o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional, decretar estado de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, o verdadeiro ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO, bem como a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades de grandes proporções que se alastrou pelo País pelo clamor da população que exigem a limpeza e a purificação do sistema político e o fim das ROUBALHEIRAS E CORRUPÇÕES.

    Pois bem, se o presidente da república é o fruto da vontade popular exercida por eleição, devemos entender que os legisladores constituintes levaram em consideração que “todo poder emana do povo, que exerce DIRETAMENTE, nos termos desta CF/88”, PODEM, usando dos meios legais constitucionais, por livre vontade popular, “decretarem” a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL, quando se manifestam publicamente através de MANIFESTAÇÕES e PETIÇÕES PÚBLICAS, requerer das FORÇAS ARMADAS, MARINHA, EXÉRCITO e AERONÁUTICA a pronta INTERVENÇÃO porque representam INSTITUIÇÕES NACIONAIS PERMANENTES.

    Artigo 1º da CF/88 no “Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou DIRETAMENTE, nos termos desta Constituição.”

    E para os que se alvoraçam a favor Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos que reza o artigo 5º da nossa Carta Constitucional, podemos afirmar que a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS, encontra amparo legal dentro “Dos Direitos e Garantias Fundamentais” no § 2º, senão vejamos: “§ 2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte.”

    CONCLUINDO

    É exatamente isto que está na CONSTITUIÇÃO FEDERAL do nosso Brasil. INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS para garantir a ordem e a segurança da Nação para que haja novas eleições, e segundo a CF/88, o prazo é de 30 dias e prorrogável por igual período. Pronto! Restabelecido a ordem política e a segurança nacional, fica garantido a permanência do verdadeiro ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO. E quanto aos cães imundos que corrompem e os ladrões são banidos da vida pública, dando espaço para homens compromissados com a Nação, apenas isso!!! Mas os PTralhas sabem que irão todos amargar uma tremenda CADEIA e ainda terão seus bens confiscados sumariamente, por isso se manifestam contra a INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL.

    É necessária a “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS” nos Poderes Executivo e Legislativo porque em ambos há a infestação da desgraça da CORRUPÇÃO e ROUBALHEIRAS, e não há outro MEIO LEGAL para se limpar os ulteriores destes Dois Poderes da República senão pela INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS, porque todos os Partidos Políticos estão manifestamente envolvidos com falcatruas bem como os atuais mandatários escolhidos pela vontade popular nas eleições passadas, portanto, urge, DIRETAMENTE, pela vontade do povo a MUDANÇA, mudar, JÁ.

    Este Movimento “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ” é encabeçado por homens, mulheres e pela juventude do bem; por isso, conclamamos os demais cidadãos que estejam empenhados em buscar resultados satisfatórios para exterminar com a roubalheira e a corrupção que tomou conta do Brasil;

    Neste Movimento “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ”, não é permitido à interferência, sugestão ou participação de Partidos Políticos, Sindicatos ou Políticos, basta de tantas roubalheiras e escárnio com o dinheiro público;

    O Movimento “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ”, busca sinalizar a cooperação dos Oficiais Generais das Forças Armadas: Marinha, Aeronáutica e Exército como forma de pôr termo a grave comprometimento da ordem pública;

    Este Movimento concentra suas energias na garantia constitucional da “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ” para garantir ao povo brasileiro a soberania nacional e a defesa do Estado democrático que o PT e seus aliados tentam arrebentar o Brasil com a força da CORRUPÇÃO e da ROUBALHEIRA;

    As pessoas que compõem a Coordenação do Movimento “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ”, não são filiadas a nenhum Partido Político e nem a Sindicatos, são pessoas livres e de bons costumes que buscam o melhor para o País e possuem como compromisso que não jamais usarão os reflexos deste Movimento para tirar proveito próprio ou de benesses políticas;

    O Movimento “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ” conclama todas as pessoas de bem que amam o Brasil e sabe o que é Civismo e Patriotismo para engrossar nossas fileiras, afinal, as Forças Armadas é um bem permanente da Nação, pronta a defender todos os cidadãos e a nossa Pátria.

    O Movimento concentra suas energias na garantia constitucional da “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ” para garantir ao povo brasileiro a soberania nacional e a defesa do Estado democrático do povo brasileiro que o PT e seus aliados no decorrer dos tempos destruíram, essa corja exterminou com a alta estima das pessoas de bem, criou e ampliou a força da CORRUPÇÃO e da ROUBALHEIRA; as pessoas de bem deste país estão reféns destes calhordas, celerados e sacripantas. Estamos percebendo que há PTralhas camuflados e que já foram identificados entre as pessoas de bem, pois são os únicos que são contra o Movimento da “INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL DAS FORÇAS ARMADAS JÁ” que garantirá o verdadeiro ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO.

  24. Luciano, acho que isso tá começando a virar uma bola-de-neve:

    http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,militares-reagem-a-punicao-de-dilma-e-clima-piora,843567,0.htm

    E se for inevitável a participação militar nesse novo cenário sócio-político-cultural? Cê já parou pra pensar nisso? Porque eu penso que toda a teoria sobre guerra política trazida pelos autores citados por ti funciona muito bem nos EUA (e tz tb na Europa), onde AINDA existe uma base, uma fundação ética & moral sólida, uma Constituição enxuta que não deixa dúvidas (brechas para corrompê-la), enfim.

    ——————-

    E mudando de assunto (mas nem tanto já que tudo por aqui acaba na vala esquerdista), bem que vc poderia dar uma “limpada” na situação da greve dos garis aqui no Rio. Mas tampa o nariz porque o odor do chorume é grande e parece que tá vindo lá das salas do PSOL, do PT e do PR:
    😉

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/unidos-pelo-lixo-no-rio-os-fatos-e-as-fotos-que-demonstram-a-parceria-entre-o-pr-de-garotinho-e-o-psol-de-freixo/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/todos-disputam-a-sua-cota-de-chorume-na-greve-dos-garis-do-rio-ou-olhem-la-a-extrema-esquerda-metida-no-lixo/

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/militantes-profissionais-tentam-dominar-greve-dos-garis-no-rio/

    Abs

  25. mas Luciano, onde está essa direita organizada feita para pressionar nosso congresso,…. onde estão os militantes de direita, que realizam suas passeatas seus protestos????…..onde existe uma “thinktanks”( acho que é assim que se escreve) organizada, que difunda idéias, e acões para a população…. eu vejo um monte de site, expondo as mentiras e os podres da esquerda, mas nenhum que se proponha, tipo…. vamos fazer isso, assim, desse jeito, por causa disso, aqui um link para doação para financiar essa ação, e fazer-mor por causa disso, esse é o nosso objetivo….., estas coisas eu ainda não vi….através de um bocado de leitura percebi, o que não devo fazer com relação a esse bando de psicopatas intalados no poder, mas uma organização que realmente chame à mobilização eu ainda não vi….

  26. Sobre a incerteza sobre o que pensam os militares, é oportuno mencionar que o militarismo é o mesmo em qualquer parte do mundo, não importa o regime político ou religião. O soldo cai na conta do mesmo jeito. Então muito cuidado ao apelar para os militares. Nunca se sabe ao lado de quem podem estar. E o mundo de hoje em dia é muito diferente daquele dos anos 1960.
    .
    Isso não significa que devemos abrir mão do direito de manifestação, pelo contrário, devemos nos manifestar cada vez mais. Mas devemos seguir o bom senso e não aceitar convocações de desconhecidos feitas via redes sociais. O MAV não foi criado apenas para calar a oposição, mas também para desorientar, agitar, confundir e enganar.

  27. Saudações,

    Primeiro parabéns pelo site e pela sua iniciativa, nós(direita) demoramos demais para iniciarmos a contra ofensiva. Talvez tempo demais.

    Permita-me discordar e contra argumentar alguns pontos:
    Achar que o PT cairá por conta de caos econômico é wishful thinking puro. Ninguém sabe a velocidade da destruição econômica, o futuro econômico é sombrio, sem dúvida, mas não vai haver nenhum colapso imediato.
    A Venezuela se deteriorou economicamente por 20 anos e os chavistas ganhando nas urnas.

    O PT não teme o PMDB. Existe cada vez mais, dentro do PT, o sentimento que o PMDB não é mais tão necessário assim e que a força de Lula(popularidade) é mais que suficiente para manter coesa uma base aliada de partidecos de aluguel sem o PMDB.
    E infelizmente o PMDB funciona como a última trava democrática.

    Você diz que não há motivos para perdermos a esperança.
    Não? Somos um dos povos mais ignorantes do planeta, doutrinados ideologicamente desde a infância a hostilizar o lucro e debochar do mérito, temos uma massa de 50 milhões dependentes de assistencialismo para comer usados como massa de manobra e que endeusam a figura do lula.
    O estado está completamente aparelhado, quase todos os difusores de informação propagam marxismo. Ongs, universidades, sindicatos, dces, parcela considerável da igreja etc…

    A infecção petista é profunda e a sociedade está terminalmente doente.

    Essa geração rolezinho irá jogar a última pá de cal. Jovens com 30 anos vivendo as custas dos pais, feminismo destruindo a unidade familiar, o sonho do universitário é ser funcionário público e toda, TODA manifestação no brasil pede mais estado.

    A democracia é o melhor sistema desde que se tenha uma população moralmente adulta. Nosso “demos” são 50 milhões de miseráveis que vivem de assistencialismo, 40-50% de analfabetos funcionais e uma classe média que tem como modelo de excelência a gigante moral rede globo.

    Caso haja um ponto fora da curva e o PT perca democraticamente essa eleição e o PSDB assuma. O que acontecerá?
    Pegarão terra arrasada na economia, juros altos, crescimento pífio, desindustrialização, infraestrutura péssima, inflação ascendente e em 4 anos não poderão mudar muito o quadro.
    MST, black bloc, sem teto etc… causando caos social e insegurança.
    Caso decidam abraçar a agenda liberal pra valer, alterando CLT, IRPF, IRPJ, alterando a lei do funcionalismo público, instaurando a meritocracia e etc… Enfrentarão a fúria dos sindicatos, greves e mais greves que levarão o povo, em sua sagrada ignorância, a achar que no tempo do PT era melhor.
    Imagine esse cenário com Lula se apresentando como a salvação final, o messias que voltará em 2018.
    O brasil pós PT é ingovernável.

    É triste, mas na minha opinião, democraticamente acho muito difícil sairmos do lugar.
    Seremos o eterno “pais do futuro” presos em um macabro ardil 22, a própria ignorância do povo.
    Nossa atual experiência democrática vem sendo um fracasso colossal e caminha pra algo bem mais nefasto.

    Assim sendo, penso que uma intervenção militar que primeiro arrume a casa e em seguida de um reboot total na democracia, pode ser a opção “menos ruim”.

    Reiniciar do zero. E dessa vez tentar fazer a coisa certa.

    Sob a égide de uma nova constituição, baseada no respeito à lei, independência entre poderes, liberdades individuais, meritocracia e livre mercado e não em empulhações socialistas, talvez tenhamos, pela primeira vez em nossa história, alguma chance de sermos finalmente um país minimamente decente.

    Tavares.

    • Olá Tavares,

      Alguns pontos:

      – Eu não diga que o PT cairá por conta de caos econõmico. Disse que um “crash” é uma CHANCE de tirar esquerdistas do poder. Como ocorreu na Europa.
      – A questão do PT não temer o PMDB é blefe. Sem o PMDB, não aprovam o marco civil, por exemplo.
      – O Lula não é eterno. Uma hora pode bater com as 10.
      – Se o pessoal hostiliza o lucro e debocha do mérito, é por que a esquerda foi hábil em moldá-los a pensar assim
      – Se o PSDB assumir, e conseguir maioria no congresso, pode desaparelhar o estado. Ou ao menos atrapalhar os planos do PT. Mas se o PSDB for burro, nada disso ocorrerá.
      – A fúria dos sindicatos, MST e grevistas pode ser revista se a direita se levantar contra isso. Por isso que devemos focar na guerra cultural.
      – A intervenção militar não tem nada a nos agregar neste sentido: essa sim é a “deixa” que o PT precisa. Pro Chavez foi assim…

  28. Sei não.

    Para mim tudo o que foi falado parece-me coisa de outro país e não do Brasil.

    Os governos militares já nos alertavam sobre a inépcia do Brasil em eleger representantes políticos.

    Eu sou 100% favorável à Intervenção Militar e caso haja democracia depois que seja uma democracia vigiada pelos militares, pelo menos até o brasileiro ter condições de saber o que faz.

    Oras, 30 anos de democracia e ainda tem gente que pensa que há algo que o povo possa fazer?

    O problema não é o PT e sim, todos os partidos políticos.

    Basta olhar os nomes desses partidos: tudo socialista.

  29. Bem, eu não tenho solução pronta para o problema que o Brasil enfrenta. Mas, vejo um ERRO nesta argumentação: o marxismo cultural, isto é, a conquista do poder pela hegemonia cultural de esquerda, colocou a esquerda no poder PORQUE HAVIA LIBERDADE PARA ISSO. Funciona assim nos regimes que não se previnem contra esse tipo de assédio, como acontece nas democracias ou nos regimes de exceção, como foi o regime militar brasileiro, nos quais a repressão seja tática e não ideológica. Porém, quando o comunismo toma conta das instituições republicanas ora democráticas, são ELIMINADAS não somente os indivíduos mas também as formas capazes de promover o que se possa chamar de combate ideológico ao regime. Nas últimas décadas, o comunismo mudou de forma para sobreviver à incompetência econômica e mercadológica do sistema. Adotou uma das expressões da democracia que é o voto. Mas manteve o controle, por aparelhamento, das instituições; por extorsão e chantagem, do empresariado; por subjugamento legal, logístico e financeiro da imprensa; e até mesmo dos votos, pelos mais diversos meios de fraudá-los. Desta forma, governos comunistas, onde instalados, continuam com ingerência máxima sobre seus cidadãos e sobre as atividades econômicas e políticas do país, perpetuando-se no poder e retroalimentando o enriquecimento de uma elite (a nomenklatura) que comunga do poder e de privilégios legais e sociais. Tudo isso sob o rótulo de ‘democracias’, APENAS porque fingem estar no poder legitimados pelos votos da maioria da população.
    Outra coisa que não se está levando em consideração ao falar sobre este processo de conquista da hegemonia cultual marxista é o FINANCIAMENTO que está por trás de todo MILITANTE IDEOLÓGICO. Não se imagine que, por anos e anos, os militantes do marxismo cultural tenham feito este ‘trabalhinho’ de graça, por amor ao marxismo. Por trás de todo professor, de todo ator, de todo diretor de cinema ou de teatro, de todo jornalista engajado EXISTE QUEM ESTEJA FINANCIANDO SUA MILITÂNCIA, ainda que, aparentemente, seja apenas seu patrão quem lhe pague o salário. Mas, é também este seu patrão (patrocinador) QUEM LHE DÁ ESPAÇO PARA ATUAR, fazendo EXATAMENTE O CONTRÁRIO com os mesmos profissionais que não comunguem da pregação marxista.
    Portanto, é muita inocência pretender que o conservadorismo ou a direita se ergam ONDE NÃO ESTEJA VIGENDO O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E O LIVRE MERCADO – ainda que capengando, como é o que ocorre, POR ENQUANTO, no Brasil de hoje. Não é por outro motivo que surge no país, HOJE, o resultado do trabalho daqueles que se sacrificaram psicológica e financeiramente para trazer luz e verdade sobre a esquerdização do Brasil. Entretanto, o espaço que existe hoje para isso ainda existe porque a esquerda ainda se vê obrigada a fazer concessões democráticas a um país que não dominou totalmente – ainda há juízes, advogados, empresários e jornalistas não cooptados. E sabe por que não dominou totalmente, como aconteceu com alguns de nossos vizinhos? PORQUE NÃO CONSEGUIU APARELHAR SUFICIENTEMENTE AS FORÇAS ARMADAS – nem cooptá-la, nem destruí-la.
    Sabe-se, porém, que o PT (visto aqui como o conjunto das esquerdas) é o inimigo mais próximo e também O MENOR DELES. Tirar o PT do poder, via intervenção constitucional das FFAA, significa comprar briga com todos aqueles que estão por trás do partido e que o ajudam a manter-se onde está: a ONU, representante da Nova Ordem Mundial; a Rússia; a China; o Califado; e também, em escala mais palpável, contra o varejo de todos eles, que é o crime organizado (já instalado no país, em proporções inimagináveis, incluindo-se aqui os movimentos ‘sociais’). Significa, também, entrar para o hall dos países que se vêem às voltas com o combate ao terrorismo interno e externo o que quer dizer estar sujeito às regras de um estado policial. Significa, ainda, colocar o país sob risco de sofrer sanções econômicas de todos os tipos – isso sem falar na campanha midiática internacional achincalhando o país e dizendo que o que tenha havido aqui tenha sido um golpe militar, mesmo sabendo tratar-se de intervenção por aclamação popular.
    Depois de anos sem investimentos em infraestrutura, tendo nossos parques industriais esvaziados, nossas FFAA desaparelhadas, nossos sistemas autônomos de telecomunicações destruídos, nossa indústria farmacêutica reduzida a pó, nossos sistemas de produção e de distribuição de combustíveis alternativos extremamente reduzidos, entre outras gravidades, estamos preparados para sofrer sansões econômicas por tempo suficiente para neutralizar a militância esquerdista, em todas as suas frentes de ação? Sim, porque, para retomar a normalidade no cenário internacional, há que se convocar novas eleições, oferecer garantias institucionais e legais aos investidores internacionais etc. De quanto precisa ser esse ‘tempo suficiente’? Conseguiremos fazer isso sem genocídio? Estamos preparados para enfrentar tudo isso?
    O cenário internacional não está favorecendo.Com Obama na presidência dos EUA, cujo Congresso está repleto de democratas (lá, os democratas, em sua maioria, defendem os interesses internacionalistas da ONU), não há de se esperar apoio internacional dos norte-americanos.
    Portanto, pedir uma intervenção militar agora não parece ser racional. Mas, se os ‘céus’ não nos ajudarem com alguma imprevisibilidade que nos favoreça, esperar a morte sem nada fazer CONCRETAMENTE, também não parece ser nada racional Para quem não conhecia o conceito nem a sensação de viver um dilema,eis que estamos diante de um. É por isso que decidir entre ir ao cinema ou ao teatro não representa o exemplo de dilema. Dilema é ter que optar entre duas situações extremas, ambas com consequências graves e ruins e cujo o que se possa de bom nem sempre significa algo de bom de verdade, mas o que se conseguiu fazer, quase que instintivamente e sempre desesperadamente. É bom que se lembre, entretanto, que estar diante de um dilema significa estar numa situação na qual não se possa nem voltar e nem esperar. Estamos realmente nesta situação agora? Estamos diante de um dilema ou de uma escolha, ainda que difícil?
    Eu proponho a reflexão. Nem tanto ao mar nem tanto à terra. Há falhas bastante ponderáveis tanto nos argumentos dos que defendem a marcha quanto nos dos que.a rejeitam. Talvez estejam faltando estratégias, táticas e metas.

    • ‘Tirar o PT do poder, via intervenção constitucional das FFAA, significa comprar briga com todos aqueles que estão por trás do partido e que o ajudam a manter-se onde está: a ONU, representante da Nova Ordem Mundial; a Rússia; a China; o Califado’

      Olha, acho que você precisa se informar com outras fontes que não seja o Olavo.A direita não é só o Olavo.

  30. Não sei.

    Acho muita ingenuidade achar que no Brasil existe realmente a possibilidade de se jogar o jogo chamado “democracia”.

    Imaginem vocês, em um cenário mais que hipotético, que um partido de direita vença as eleições em 2018. Imaginem vocês que pobre governo será esse, tendo no congresso uma oposição esquerdista disposta a tudo para destruir os planos de governo. Um governo assim teria de escolher: ou governa ou se une ao inimigo. Não teria espaço para denúncias.

    Mas enfim, desejo ‘boa-sorte” a esta tal “guerra cultural” que vocês pregam. O povo da Venezuela já viu que isso não funciona. Para mim fica claro: não é democracia o que se joga hoje, apesar de muitos insistirem que o tabuleiro e as regras são as mesmas…

    • Clone,

      É bem diferente disso. Quem joga melhor o jogo democracia, tem mais chances (SE QUISER E TIVER HABILIDADE PARA TAL) de implementar uma ditadura.

      Mas quem declara “não acreditar na democracia” já cantou a bola do jogo pro adversário, pois na guerra política SÓ TEM ESPAÇO QUEM FALA EM NOME DA DEMOCRACIA.

      O que podemos entender é que qualquer um que rejeite a democracia em público FAZ PROPAGANDA DE SEU OPONENTE.

      É uma verdade dura, mas é real.

      Abs,

      LH

    • E já gerou uma resposta de alguém que parece estar com excesso de empolgação com a história da tal Marcha da Família a ocorrer no próximo sábado (concomitantemente com a tal Marcha Antifascista):

  31. Luciano, vídeo do canal TV Folha com personagens da tal Marcha da Família:

    http://www.youtube.com/watch?v=jazgJ-mXu_I

    Parece que os caras não notaram que falar para os Frias é praticamente pedir para fornecerem farto material para serem ridicularizados. E nessa, novamente vou continuar torcendo para que essa Marcha não reúna muita gente, pois praticamente seria pedir para virarem alvo fácil de black bloc (em que pese a última passeata Não Vai Ter Copa em São Paulo ter sido um fracasso dos bons, pois teve mais polícia do que manifestante).

  32. Concordo 100 % com esse artigo. Essa marcha é só munição pra esquerda. Ninguém enxerga isso?

    O negócio é desmascarar a esquerda. Não é difícil, na verdade é facílimo. Não tente converter seu amigo esquerdopata. Esse não tem mais jeito. O cérebro já apodreceu.

    Mostre as falácias da esquerda pros neutros.

  33. Estamos buscando a mudança errada, o importante não é a volta do governo militar, mas sim a disputa de apenas dois partidos como era na época; Arena e PMDB. Eram como o certo e o errado, o verdadeiro e o falso, o justo e o injusto, não havia meio termo nem duas caras, logo a corrupção era menor.

  34. Sobre o direito e legalidade
    O regime político nosso é DEMOCRACIA, a sua principal característica é que “O PODER EMANA DO POVO”. E´ a vontade popular que deve prevalecer. A função governamental da União é administrar, zelando pela nação; priorizar o bem comum popular prevalecendo a VONTADE DO POVO. Em decorrência disso, como o governo não está cumprindo nossa constituição e não serve mais ao povo sua conduta, SÓ O POVO PODERÁ TIRÁ-LO DO PODER.
    Fica patente que tal conduta popular EM NENHUM MOMENTO poderá ser classificada como GOLPE. Uma ação popular está prevista em nossa Constituição Federal de 1988, nos seus Artigos 1° a 144. BASTA QUE A POPULAÇÃO MANIFESTE-SE PARA TANTO.
    Jamais tal MANIFESTAÇÃO POPULAR poderá ser classificada como tentativa de implantação de ditadura. Estamos em uma ditadura, vamos sair em uma e entrar em outra. Era o que faltava.
    Procedimento constante na legislação da Constituição Federal de 1988 vigente.
    Em linhas gerais o procedimento básico da INTERVENÇÃO se estabelece da seguinte forma: As Forças Armadas, amparando um INTERVENTOR que, cumprindo a VONTADE DO POVO fecharia o Congresso, dissolveria os partidos, deporia o governante ao qual seria assegurado um julgamento justo (com base em por improbidade, lesa-pátria, o que acarretaria o bloqueia de seus bens particulares, se for o caso.). Seriam convocadas novas eleições livres em no máximo 30 ou 60 dias, não podendo ser o INTERVENTOR ele mesmo candidato. A função do INTERVENTOR é restabelecer a ordem, a função das FORÇAS ARMADAS, dar-lhe garantia de vida e segurança máxima para que seja cumprida sua missão.
    Quero crer que esclareci e quem estiver interessado em mudar a situação já, evitando futuro incerto, há grande conveniência em que MANIFEST-SE. SÓ O POVO PODE FAZER ISSO, NINGÉM FARÁ ISSO POR ELE
    Muitos perguntam: “Como acontecem tantas coisas e ninguém faz nada”. Esse alguém que tem legitimidade para tomar uma atitude é O POVO. Foi o POVO quem elegeu o governante. E´O POVO quem tem que tira-lo. E´ esse o nosso PROCESSO DEMOCRÁTICO. E´ A SOBERANIA DA VONTADE DO POVO que está sendo VIOLADA. A MANISFESTAÇÃO DO POVO É A LEGITIMAÇÃO PARA QUE HAJA ESSA INTERVENÇÃO.
    Mente, por interesses escusos ou ignorância das leis que regem o país, quem fala o contrário disso dizendo que é GOLPE ou SE PRETENDE DITADURA. NÃO HÁ GOLPE NENHUM. Manifestando-se o povo exerce SEU DIREITO, LEGALMENTE constituído em 1988 constante em nossa CARTA MAGNA . Os militares são constitucionalistas e legalistas, nem podem fazer nada contra a Constituição sob pena de serem processados criminalmente.
    GOLPE dá o candidato de um partido que se elege a um governo, via ELEIÇÕES DIRETAS num regime DEMOCRÁTICO e uma vez no poder, passa a agir inconstitucionalmente tomando medidas TOTALITÁRIAS DITATORIAS, aprovando leis contrárias à VONTADE DO POVO e promovendo atos e medidas em detrimento do bem comum lesando a Nação em ataque direto à SOBERANIA POPULAR.
    Considerações sem manifestação
    Guerra política será no mínimo 65%,70% desigual, temos os votos bolsa-tudo, + brancos ,nulos, abstenções. Não dá
    Guerra cultural, em um país de bolsas-tudo, não sabe o que está acontecendo, não está nem aí, achou melhor ir para praia. Não dá.
    A única saída e´ engrossar a fileiras dos bem intencionados das MANISFESTAÇÕES NAS RUAS . Não tem o que fazer a não ser resolver isso o mais urgente possível. A forma certa AMPARADA PELA CONSTITUIÇÃO FEDERAL é essa, não tem outra.
    Motivos veiculados, nas ruas, na internet , e todos outros meios de comunicação.
    O próprio Congresso em reunião já está gritando “Fora Dilma”. O respeito acabou e tende a piorar. Essa gestão está agonizando.
    Ninguém liderou esse movimento as pessoas foram se agregando em face dos acontecimentos na política nacional que não são poucos, total desgoverno, existe uma comoção nacional em relação novas legislações . A certeza de que já se está vivendo uma ditadura, o caso julgamento do mensalão no STF, impunidade, violência absurdamente em alta, falta de transparência nos gastos, e muitas outras situações, o silencio do governo brasileiro em relação à questão da Venezuela deixou os brasileiros alarmados com o silencio da imprensa, negação de informações. Por fim o Marco Civil injustificável porque o povo não aceita. Nosso Regime Político Nacional é de Democracia. São essas e mais questões que fazem parte do reclamo popular. Houve quebra de confiança, o POVO não confia mais no governo e teme pelos rumos da Nação para outro tipo de regime político que não tem identidade com o POVO.
    O que está divulgado sobre a Marcha da Família com Deus
    O que está divulgado dessa marcha do Movimento Brasileiro de Resistência, marcada para o dia 22.03.2014, em São Paulo, trata-se de comemoração aos 50 anos da outra de l964, e não deixa de ser uma MANIFESTAÇÃO DO POVO porque certamente levarão cartazes de intenções, será aberta pelo Pelotão de Choque da Polícia Militar. Mais batalhões acompanharão a marcha, Bombeiros, Forças Auxiliares.
    Não pode ter outra Manifestação no mesmo dia e circunscrição.
    Essa Marcha está registrada e com pedido de proteção militar, oficialmente protocolado, no Comando Geral da PM de SP , 7° Batalhão da PM, Rocam, GCM, Forças Auxiliares, para alguma eventualidade de baderneiros financiados pela esquerda e ou próprio PT como a imprensa divulgou ter acontecido em Brasília com o MST.

  35. Luciano,
    O que você pensa a respeito do partido Nova Arena ? Creio que o nome ARENA, já não ajuda muito pois toda população brasileira já associa com a ditadura.
    Se eles conseguirem 496 mil assinaturas para lançarem candidatos à cargos politicos, se caso eles conseguirem se eleger, você acha que estariamos entrando em uma “Nova” Ditadura?

    • cmd,

      O partido ARENA nem nasceu, como poderiamos prever se está indo para uma “nova ditadura” ou não?

      Alias, nem sei se o ARENA é um partido sério. Suspeito de ter esquerdista infiltrado lá. 😉

      Abs,

      LH

Deixe uma resposta