Em comemoração pela aprovação do Marco Governamental da Internet, petistas do MAV confessam que é censura

46
181

marcogovernamental

Há dois momentos especiais onde os esquerdistas se revelam: enquanto estão frustrados (por alguma derrota) e enquanto estão comemorando uma de suas vitórias, como é o caso da aprovação do Marco Governamental da Internet.

Antes da votação, os petistas ainda tentavam disfarçar dizendo que “não é censura, mas liberdade”, mas qualquer um que tenha ao menos dois neurônios funcionando já notava que o projeto sempre foi desde o princípio uma iniciativa do governo na direção de controlar a Internet. Tudo sempre funcionou com o uso dos movimentos sociais a partir de órgãos aparelhados pelo PT. Como de costume, tudo operando exatamente da mesma maneira como Stalin fazia com os sovietes.

O projeto foi marotamente chamado de Marco Civil da Internet (ao invés de Marco Governamental da Internet, nome que traduz a realidade da proposta), por ter sido criado por sovietes. Ou seja, criado pelo governo através de militantes financiados por ele.

Paulo Eduardo Martins foi sucinto e mais uma vez acertou, tratando de um tema lamentavelmente pouco disputado pela direita:

Aquele que não tiver o menor traço de vergonha na cara e for cínico o suficiente para tentar esconder a sanha censória petista ainda poderia tentar algumas rotinas, mas nenhuma delas capaz de livrá-los da culpa por terem implementado uma forma de censura na Internet.

Ademais, não há como negar: a forma como o PT foi insistente para aprovar seu Marco Governamental já é outro indício de que havia caroço no angu.

E como tirar as dúvidas a respeito das intenções do PT? Muito simples. Basta observar o comportamento do MAV-PT, usando alguns de seus militantes comemorando a aprovação do Marco Governamental em um texto do Brasil247:

  • Vamos virar o placar no Congresso Nacional, onde a direita reacionária domina, com 80% das cadeiras. Enquanto a direita mantiver essa vantagem, a Ley de Medios não passa no Congresso.
  • LEY DE MEDIOS, JÁ! PELA REGULAMENTAÇÃO DA MÍDIA BRASILEIRA! A HORA É AGORA!!!
  • Para que não passemos por novos sustos desses é que devemos dizer NÃO ao PMDB nas eleições de outubro. Vamos aumentar as bancadas do PT e do PCdoB na Câmara dos Deputados e no Senado. VIVA A INTERNET LIVRE.. FORA PMDB. A Lei dos Médios está a caminho…
  • Com essa grande vitória, o PIG vai encolher mais ainda. Muitos jornalistas entreguistas aliados ao Tio Sam vão perder o emprego. Enquanto isso, os chamados Blogs Sujos só farão crescer, é uma relação inversamente proporcional. Viva a internet LIVRE! E que venha a Lei dos Médios.

O que estas mensagens reveladoras nos dizem? Que eles reconhecem em público que o Marco Governamental da Internet foi uma vitória no campo de censura pró-governo, e que agora estão animados para um passo adiante, agora na censura à mídia, através da Ley de Medios.

Para quem quiser tentar salvar o MAV-PT do fato de que eles fizeram esta confissão, basta usarmos o seguinte exemplo de um sujeito que passou a vida inteira saindo apenas com mocréias. Após sair com uma HB (Hot Babe), ele diz, gabando-se: “Agora eu quero é uma modelo da revista Sexy”. Em outras palavras, a dinâmica deste comportamento é a seguinte:

  • Durante uma comemoração, a menção a um passo adiante, permite que saibamos qual é o passo atual sendo comemorado

É exatamente isso que os militantes do MAV-PT fizeram, deixando que suas comemorações quanto ao Marco Governamental formalizassem em público que o projeto implementa a censura na rede.

E o que nós devemos fazer quanto a isso? Tornar nossas atuações nas redes sociais muito mais heróicas, pois agora nós, da direita, somos não apenas oponentes do PT, mas também do totalitarismo que o PT vai implementar na Internet.

Anúncios

46 COMMENTS

  1. luciano, numa conversa q tive contigo, tu disseste q esperas obter resultado bom em guerra cultural através do único campo, ainda disponível, para se travar a guerra: A INTERNET.
    mas se o governo, q não é nação, tiver o poder de interceptar seus opositores, tornando inviável este terreno, ou tornando escasso para se gerar frutos bons, vc acha q esse contexto hipotético é, finalmente, passível de uma intervenção (mesmo não sendo o ideal)?

    aqui é john connor.

    • A possibilidade de “interceptar” os opositores ainda precisa ser testada.

      Por exemplo, na Venezuela eles derrubaram o Twitter, mas, enquanto não o derrubaram, todo mundo conseguiu postar por lá.

      A ação de censura de um governo não garante tanta coisa, apenas facilita a vida do governo.

      Independentemente do Marco Civil, a Internet ainda é ótimo território para guerra virtual.

      Abs,

      LH

  2. Sério, eu fico embasbacada em ver tamanha inocência das pessoas em acreditar tão facilmente que o Marco Governamental é algo em favor do povo, dos usuários! Debatendo o assunto em meu face, tinha amigo que dizia com todas as letras que não via nada de perigoso na Lei e mesmo eu mostrando onde e como, ele não acreditou! É inocência, burrice, sonsera, idiotisse! Chego a me sentir frustrada!

  3. Eu creio que estamos cometendo um erro estratégico ao continuar usando o eufemismo “marco civil da internet” para nos referir à PL 2126. Devemos chamá-la pelo nome certo: censura na internet!

      • Sim, ele mostra como o feminismo tem transformado homens em bananas e tem aumentado a depressão masculina. Depois ele sugere uma forma bem inteligente de reverter isso. Tudo recheado de referências. Ele é um pouco redundante, mas desce bem. Diria que aumentou em 10% minha testosterona. Hsuhsushs

      • Pra quem já conhece a psicologia evolutiva e as mentiras do marxismo cultural essas coisas de manhood, real, pua são dispensáveis. Não que estejam erradas, mas são dispensáveis.
        Mas pra quem não conhece nada essas cosias são essenciais, os caras do pua e da manosfera são responsáveis por milhões de homens jovens abrindo os olhos pras merdas que a educação,a mídia e o feminazismo jogam na gente o tempo todo.
        A primeira vez que eu li David De Angelo, pqp, foi um baque! Pela primeira vez eu via alguém falando um monte de verdades!

        Agora essa real, tem muita gente sem noção nisso aí.Eu fui expulso de um fórum da real quando mostrei como é patético o cara ser contra feminismo, marxismo cultural e tudo… mas que sonha em ser funcionário público.

    • Bom trabalho, tucanada tem que fazer isso mesmo, a internet tem um poder incrível, não podemos ficar chorando pela força dos bandidos na TV, temos de usar a internet contra eles.

      Muita cara-de-pau do repórter que nem deixou o cara responder, deve ter achado que o cara não sabia do assunto e levou um susto.

      Tas é um mala, tava vendo um debate que tinha ele, o Narloch, o tio Rei e o Constantino. Toda vez que o Reinaldo falava em “esquerda” ou “direita” ou “direita e esquerda” o Tas dava um chilique, “não, isso não existe mais” “como conceituar isso? Eu sou direita ou esquerda?”, blá blá blá, mimimi.

    • Esse tal de CQC é nojento. Já não perco meu tempo assistindo uma porcaria dessas, ainda mais agora sabendo em qual cartilha eles rezam. Essa Band também é outra mídia baixa, sempre ao lado de quem paga mais! Lamentável! Não sabemos qual a pior: Rede Globo, Band ou Record, todas elas comem na mão do PT. Só está faltando o SBT cair de joelhos e demitir a Rachel Sherazade.

  4. Luciano, o perfil do jornalista Paulo Eduardo Martins tinha a seguinte declaração:

    “Amigos, hoje(28) fiz minha última participação no Jornal da Massa. Por uma decisão legítima da direção da Rede Massa – Oficial o telejornal não mais contará com comentaristas. Agradeço aos que acompanharam e compartilharam o programa, aos colegas de bancada Denian Couto, Ogier Buchi, Ruth Bolognese e também a todos da emissora por terem sustentado o formato que nos proporcionou fazer o debate e enfrentar as amarras culturais que envolvem a imprensa brasileira. Sigo como colunista do telejornal SBT Paraná. A vida segue.”

    • Sobre esse assunto, segue o PDF com a íntegra da tal pesquisa. Imagino eu que que o Luciano tenha visto essa história sim, ainda mais que ela gerou uma série de notícias, como esta e esta outra.
      Porém, irei lhe pedir que leia com calma o PDF cujo link passei, pois o mesmo desbragadamente usa linguagem e conceitos marxistas-humanistas-neoateístas em um tom como se os mesmos fossem rigorosamente científicos e legitimados pela pesquisa. Veja lá termos como “patriarcado”, “machismo”, “heteronormatividade” e outros. A maneira como a mídia acompanhou a coisa fica parecendo muito que estão fazendo de propósito para dar ganhos aos MHNs contra a “sociedade” (novamente, esse malvado espírito que escolhe se incorporar em pessoas intrinsecamente boas e, caso essas sejam homens, as faz estuprar mulheres, dar-lhes porradas e responder a pesquisas da maneira que os MHNs querem que seja respondida). Porém, quando olhamos para os dados da tal pesquisa, vemos algumas coisas interessantes:

      Características da população entrevistada (3810 pessoas)

      A) Residentes no Sul ou Sudeste (sse): 56,7%
      B) Residentes em áreas metropolitanas (metro): 29,1%
      C) Pessoas jovens, 16 a 29 anos (jovem): 28,5%
      D) Pessoas adultas, 30 a 59 anos: 52,4%
      E) Pessoas idosas, 60 ou mais anos (idoso): 19,1%
      F) Mulheres (fem): 66,5%
      G) Brancos (branco): 38,7%
      H) Católicos (cato): 65,7%
      I) Evangélicos (evan): 24,7%
      J) Demais religiões, ateus e sem religião: 9,6%
      K) Menos que o ensino fundamental: 41,5%
      L) Ensino fundamental (edufunda): 22,3%
      M) Ensino médio (edumedia): 30,8%
      N) Ensino superior (edusuper): 5,4%
      O) Renda domiciliar per capita média: R$ 531,26

      Logo, como se pode ver, é majoritariamente gente bem humilde, majoritariamente não branca e com baixo grau educacional. Porém, observe-se que agruparam Sul e Sudeste como se fossem uma única entidade regional, sendo que o Nordeste tem mais gente que o Sul. E por que trataram Sul e sudeste como única entidade? Note-se também que falam de uma prevalência de moradores de áreas metropolitanas, talvez podendo se considerar aqui cidade grande e nessa, fatalmente entrando São Paulo na coisa. Portanto, olhando-se de um prisma de um MHN que tortura os números, como a mídia torturou bastante, podemos considerar que podem estar querendo guinar a pesquisa contra São Paulo (estado e cidade), que é aquilo que os MHNs brasileiros estão fazendo. Aliás, já houve tweet de Dilma Rousseff falando que é insuficiente o grau que se chegou de combate à violência contra a mulher</a).
      Note-se também o tamanho da virulência textual contra católicos e evangélicos, o que pode evidenciar aquele outro ódio histórico dos MHNs. Porém, que se note que a maioria absoluta das pessoas que responderam à pesquisa (66,5%) era do sexo feminino. E que também se olhe resultados que não mencionaram em sua totalidade e note-se os que foram ocultados pelos MHNs:

      “Homem que bate na esposa tem que ir para a cadeia”
      78,1% concordam totalmente
      13,3% concordam parcialmente
      5% discordam totalmente
      2% discordam parcialmente
      1,6% se dizem neutros em relação à afirmação

      “Dá para entender que um homem que cresceu em uma família violenta agrida sua mulher”
      18,1% concordam totalmente
      15,8% concordam parcialmente
      54,4% discordam totalmente
      9,3% discordam parcialmente
      2,4% se dizem neutros em relação à afirmação

      “Quando há violência, os casais devem se separar”
      61,7% concordam totalmente
      23,3% concordam parcialmente
      8,8% discordam totalmente
      3,8% discordam parcialmente
      2,4% se dizem neutros em relação à afirmação

      “A mulher que apanha em casa deve ficar quieta para não prejudicar os filhos”
      7% concordam totalmente
      8,5% concordam parcialmente
      69,8% discordam totalmente
      12,3% discordam parcialmente
      2,4% se dizem neutros em relação à afirmação.

      “Um homem pode xingar e gritar com sua própria mulher”
      3,9% concordam totalmente
      4,9% concordam parcialmente
      76,4% discordam totalmente
      12,8% discordam parcialmente
      2% se dizem neutros em relação à afirmação

      Dá para entender que um homem rasgue ou quebre as coisas da mulher se ficou nervoso.
      18,1% concordam totalmente
      15,8% concordam parcialmente
      54,4% discordam totalmente
      9,3% discordam parcialmente
      2% se dizem neutros em relação à afirmação

      “A mulher casada deve satisfazer o marido na cama, mesmo quando não tem vontade”
      14% concordam totalmente
      13,2% concordam parcialmente
      54% discordam totalmente
      11,3% discordam parcialmente
      7% se dizem neutros em relação à afirmação

      Quem é essa gente teoricamente apoiadora de estupros que não avassaladoramente não concorda que homem dê porrada na esposa, a xingue, com ela grite ou quebre suas coisas, nem que um casamento deva continuar caso haja violência, bem como não concorda que uma mulher faça sexo contra sua vontade ou fique quieta para não prejudicar os filhos. É a mesmíssima gente que não concorda que um homem violento é produto do meio. Porém, é claro que os MHNs aproveitariam a coisa toda por causa daquelas outras duas questões de que se a mulher usa roupa curta merece ser atacada ou que se soubesse se comportar, haveria menos estupros. Uma das pessoas que resolveu capitalizar em cima é nosso velho conhecido, que agora diz ter vergonha de ser homem e volta a reciclar aqueles clichês que conhecemos, como este:

      Como já disse aqui, vamos voltar contra o blogueiro o expediente que ele usou aqui:

      http://www.youtube.com/watch?v=a1Y73sPHKxw

      Lamentarei novamente informar o blogueiro, mas a pesquisa 66,5% feminina tem este dado, que se encontra na página 21 do relatório:

      É da natureza do homem ser violento.

      10,2% concordam totalmente
      11,3% concordam parcialmente
      61,9% discordam totalmente
      12,8% discordam parcialmente
      3% se dizem neutros em relação à afirmação

      Logo, se mulheres discordam que homens sejam naturalmente violentos, o homem que tem vergonha de ser homem acaba de perder um apoio dos bons. Porém, já que ele tem vergonha de ser homem, lá foi querer jogar toda a culpa em seus congêneres de cromossomo Y (que são machos e sempre serão, uma vez que o macho da espécie Homo sapiens é conhecido por “homem”, enquanto a fêmea é conhecida por “mulher” e possui dois cromossomos X):

      E vale ressaltar: homens e mulheres responderam essas aberrações no estudo, sendo as mulheres, aliás, a maior parte. Porque esse sistema de homens conta com soldados de ambos os lados. Não importa de onde vem o preconceito, a matriz continua machista. Meninos e rapazes, mas também meninas e moças, deveriam ser devidamente educados, desde cedo, para que não se tornassem os monstrinhos hoje formados em ambientes que fomentam o machismo, como família, igrejas e escolas.

      http://www.youtube.com/watch?v=a1Y73sPHKxw

      E claro que ele resolveu usar o expediente MHN de estender a definição de um termo, no caso “estupro”, essa palavra que faz o olho dos gramscistas brilhar por saber que podem usá-lo de extremamente elástica para ganhos políticos:

      Enquanto o processo de conscientização caminha, o Estado deve deixar claro que violência contra mulheres, seja ela física ou verbal, não pode ficar sem punição. Pois enquanto uma mulher não tiver a garantia de que não será importunada, ofendida ou violentada, com ações ou palavras, toda a sociedade vai ter uma parcela de culpa. Pelo que fez. Pelo que deixou de fazer. Ou seja, não fiquem tranquilos se estiverem na porcentagem que respondeu outra coisa.

      Mulher sendo violentada por palavras? Sociedade como um todo tendo parcela de culpa pelo que fez ou deixou de fazer (tal qual fosse um ente cuja existência independende da existência de indivíduos? O que tenho a dizer sobre isso?

      http://www.youtube.com/watch?v=a1Y73sPHKxw

      E, antes dessas frases, o blogueiro em questão disse esta, que se encaixa no N de MHN:

      Nesse sentido, quem ousa sair desse padrão, pode ser vítima de alguns “corretivos sociais”. Reclamamos de estúpidos muçulmanos que, do alto de uma interpretação bisonha do Corão, atacam mulheres que resolveram ser independentes, mas acabamos por fazer o mesmo aqui. Não é a contundência de um vidro de ácido lançado no rosto de quem deixou a burca ou o shador em casa. Mas pode corroer tão fundo quanto e deixar marcas que podemos não perceber.

      E aí ele recebeu um comentário que pode ser termômetro de uma indisposição com a qual ele não desejava e que poderá gerar problemas futuros:

      Ibrahim Hassan Aleksandr Said Nasser ontem

      Como pode chamar nós, muçulmanos, de estúpidos? Sendo que tu não conheces o mínimo de nossa religião? Eu repudio esse pensamento de que o Islam não dá direitos às mulheres… O Sr. Sakamoto reclama que as pessoas da direita o ofende sem conhecê-lo ou sem conhecer a tua ideologia. Mas, indo direto ao que interessa: Primeiro que, o Hijab é para proteger as mulheres de abusos… Sim, alguns países fazem uso da Burqa. Parabéns, senhor Sakamoto, acabas de perder o respeito que tinhas comigo, espero que não reclames mais de ser ofendido. Mas, o que o senhor conhece sobre o Islam, me diz?

      Tudo bem que o cara tomou “estúpidos muçulmanos” como se o blogueiro estivesse falando de todos os muçulmanos, e aí errando na interpretação (uma vez que existem muçulmanos inteligentes e que não jogam ácido na cara de uma mulher). E não adiantou uma sakamotete tentar amaciar para o lado de seu ídolo e explicar o erro interpretativo do cara me questão:

      Marthina thinaina-na 23 horas atrás

      então deixa eu te explicar uma coisinha da língua portuguesa: “Reclamamos de estúpidos muçulmanos QUE, do alto de uma interpretação bisonha do Corão, atacam mulheres que resolveram ser independentes”. Tá vendo essa caixa alta? Então, este ‘que’ quer dizer que ele é um pronome relativo que introduz uma oração subordinada restritiva: orações que funcionam como adjunto adnominal, e por esta em questão ser restritiva, ela restringirá o nº de muçulmanos, isto é, apenas são estúpidos os muçulmanos que atacam as mulheres. Logo, seu comentário foi equivocado pela sua má leitura e interpretação. Retomando, Sakamoto não chamou TODOS os muçulmanos de estúpidos, só os que atacam as mulheres.

      E aqui não posso deixar de achar que ele vai acabar provando um veneno muito parecido ao que provamos de feministas quando elas pensam que falamos do todo das mulheres quando criticamos o comportamento de algumas. Porém aqui estamos falando de muçulmanos que odiaram o que ele escreveu e, como sabemos, eles são bastante combativos. E já que os comentários são sempre ponto importante do cara que tem vergonha de ser homem, temos isto aqui (alguns são respostas a sakamotetes):

      pacorrj ontem

      Sakamoto se se sente mal sendo homem é facil resolver, apesar de vc não ser tão novinho ainda pode mudar de sexo, so consulte um médico antes, ainda dá tempo.

      omsilva ontem

      Considerando que a matéria informa que na pesquisa 66,5% dos entrevistados são mulheres, o que mostra que a pesquisa não apurou apenas as opiniões dos homens, mas sim de uma amostra constituída em sua maioria por mulheres, talvez você devesse ter vergonha de ser mulher, já que a maioria dos que opinaram são mulheres.

      Lúcida Juju ontem

      A questão não é ser homem ou mulher, É ser BRASILEIRO NA ERA DO PT. Atraso amplo, total e irrestrito

      Joao Pocos ontem

      Sakamoto, não tenha tanta vergonha assim. 66,5% dos entrevistados eram mulheres….

      Sérgio Leôncio ontem

      Pelo que entendi da tua conclusão, quando os alemães descobrem que seus antepassados fizeram na Segunda Guerra eles devem ter vergonha de ser alemães? Ah! Para com isso? Que “argumento” é esse? Desde quando ser ignorante tem a ver com o ser homem? Isto é autopreconceito, amigo. O problema não está em ser homem, mas em não ser homem, porque homem deve amar mulher e não usá-la, surrá-la ou matá-la. Mas, vivemos numa sociedade onde ser homem que se guarda para a mulher, que é fiel à esposa e que se dedica à família é coisa de retrógrado, alguém dos antigos formatos de família e não alinhado com os novos tempos. Além disso, Marcha das Vadias para quem não quer de jeito nenhum ser vista como tal, é coisa de quem não sabe o que fala ou faz. Não, não me chame de conservador, porque eu não te chamei de liberal.

      Abraão Soares ontem

      Esse é o problema da sua religião Sakamoto, pensar em gavetas coletivistas. Se conseguisse enxergar que cada ser humano é um indivíduo, e não o representante de alguma denominação coletivista, não precisaria ter vergonha de absolutamente nada que qualquer outro homem faz ou pensa. O lado ruim é que isso acaba com essa mania de botar a culpa dos seus atos em terceiros, que é a, na realidade, base da sua religião.

      vai levando ontem

      O Saka’s tem vergonha de ser homem mas não viu ou “esqueceu” de comentar que 60% dos que concordaram com isso são mulheres e não homens… ou seja tem mais mulher machista do que homem machista no Brasil… depois ainda fala “o Estado deve deixar claro que violência contra mulheres, seja ela física ou verbal, não pode ficar sem punição.” ou seja ele quer uma lei que prenda quem chamar a mina de gostosa na rua… Isso é patetico… a Lei Maria da Penha ta ai a 10 anos e não diminuiu nada os indices de violencia contra a mulher… é a prova que lei aqui não falta… falta é vontade de se cumprir a lei e prender vagabundo… mas se a policia prende vc vem aqui escreve outro texto e chama o cara de coitadinho excluido do sistema e a policia de facista e racista… como faz dai? Vc é muito fraco Sakamoto… na boa…

      PovinhoBesta ontem

      TENHO ORGULHO DE SER HOMEM! Mas, tenho vergonha da falta de cultura e inteligência das outras pessoas, que não sabem se comportar tanto em público quanto na vida privada. O simples fato de ser homem não deve causar vergonha a ninguém e, sem hipocrisia, não defendo nenhum dos lados pois, antes de tudo são, supostamente, humanos.

      Lúcida Juju ontem

      Meninos, vocês não devem ter vergonha de serem homens mas sim, de serem BRASILEIROS. Isso não é coisa de homem, é coisa de BRASILEIRO NA ERA DO PT. Um atraso amplo, total e irrestrito.

      gabs30 ontem

      Qual a próxima LIÇÃO, Sakamoto?

      Nando Filth ontem

      Mas a maioria das respostas vieram de mulheres!!! o cara!!…se vc está cansado de ser homem….ai o problema não é de nós leitores….

      Doutor Pangloss ontem

      Que moral você tem para criticar esse resultado, Sakanamoto? Não é você que diz que a culpa pelos assaltos provém, não dos bandidos, mas da “ostentação” das vítimas? Pois é, os entrevistados pensam a mesma coisa: a culpa dos estupros provém da “ostentação” das mulheres em relação ao seu próprio corpo.

      TB001 ontem

      se precipitou de novo, se a maioria que respondeu era mulher, nao precisa ter vergonha. mais uma vez comentou e fez escandalo sem se aprofundar, como no caso do menino q se matou e vc botou a culpa ate no senado (!!!!)

      lucasoc ontem

      O Josias de Souza tem um pouco de razão quando diz que a culpa deve ser da “mãe”, isto é, a culpa, realmente, é da educação que se dá aos filhos. Fiquei horrorizado, há uns dez anos atrás, quando li uma matéria onde o Colégio Dante Alighieri estava ensinando aos alunos, Bom Dia, Boa Tarde, Com Licença, Obrigado. Se isso estava acontecendo em um dos melhores colégios de São Paulo, imagine em outros locais. O fato é, não ensinamos aos nossos filhos, o básico. E além de tudo uma série de conceitos invertidos está reinando em nossa sociedade, por exemplo, semana passada ouvi uma noticia na tv onde uma escola no bairro de Heliópolis estava entregando na mão dos alunos o poder de chamar atenção de professores, convocar pais, instituir regras e etc. Como um indivíduo que não aprendeu o conceito de autoridade pode ser empossado da mesma? Se você se manifesta dizendo-se saudosista logo é taxado de reacionário, fascista e coisas mais escabrosas. Será que não podemos aliar o desenvolvimento da sociedade com um pouco de BOM SENSO?

      Reiki Cardoso ontem

      Li em outros sites: “Os primeiros resultados indicam que morar em metrópoles, nas regiões mais ricas do País, ter escolaridade mais alta e ser mais jovem aumentam a probabilidade de valores mais igualitários e de intolerância à violência contra mulheres.” Ainda não encontrei os percentuais por clivagens de regiões, renda, escolaridade, gênero e classe social ( parâmetros clássicos dos estudos sócio-estatísticos). Por ventura, teria o “jornalista” acesso a tais informações? Ainda que pese a péssima qualidade das perguntas da pesquisa, como por exemplo, o peso dado à palavra “merece”, o que levanta suspeitas sobre o viés ideológico do IPEA, seira interessante analisarmos os números coletados.

      Saatsexamen Marcelo ontem

      Eu não sinto vergonha de ser homem

      Carlos Steinsfield ontem

      Sakamoto, uma sugestāo de artigo: a refinaria nos EUA, pela qual a Petrobras pagou mais de US$ 1 bilhāo, mas, que só valia US$ 42 milhōes

      Fernando Ceolin ontem

      Do PT, ele nunca vai falar mal, ele ate esta defendendo o marco civil, agora se fosse o PSDB, a “elite”, ai ele ia encher os peitos pra falar.

      Michelle Luppek ontem

      Mais fácil a galinha tossir do que ele falar mal do PT, rs.

      thegrim_reaper ontem

      Então, não são só os homens que pensam assim. Muitas, mas muitas mulheres também pensam que “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas”. Lembra do caso da Geisy Arruda? Por usar um vestido curto, ela foi hostilizada por TODA UMA UNIVERSIDADE, incluindo ALUNOS e ALUNAS. A coisa não se resume a machismo simplesmente, ou homens maus contra pobres mulheres-boazinhas-vítimas-indefesas. É mais conservadorismo.

      garcia-jairo89358241 ontem

      Concordo totalmente com seu posicionamento! Mas não sei se o exemplo da Sra. Geisy é a melhor ilustração do problema, pois sempre achei os interesses dessa moça levaram à exata situação que a mesma desejava…….

      Hugo Coi-o3 ontem

      Na pesquisa, 66% dos entrevistados eram mulheres! Mas o Sakamoto e sua ânsia por feminismo e esquerdizismo pulou esse “detalhe”.

      Art Mantovani ontem

      Não deve-se sentir vergonha por ser homem,o ser humano,qualquer que seja, deve ter vergonha da falta de ética, de moral, e principalmente da falta de respeito que ele tem para com o próximo! E não só são mulheres que são vítimas, vítimas são de ambos os sexos… Acreditar que só um sexo é vítima de injustiça é no mínimo ingênuo e irresponsável! Existem milhares de mulheres prejudicando mulheres, mulheres prejudicando homens (vise-versa) e homens prejudicando homens! Existe de tudo ! Oque o ser humano deve lutar contra é a injustiça global e a falta de respeito! Não contra determinado sexo ou ou raça. Assim como não devemos ter orgulho só porque somos de determinado sexo, porque existem pessoas ruins de ambos os sexos! Devemos nos orgulhar sim pelo que já fizemos de bom para o próximo,assim como tudo oque conquistamos, e mais do que isso por sermos pessoas do BEM! Respeito e Amor ao próximo, é disso que o mundo precisa! Somos apenas seres humanos!

      Rafael ontem

      Agora pergunta pros entrevistados se alguém que usa um rolex, ou qualquer outro item caro no meio da rua merece ser assaltado. Afinal, essas coisas chamam a atenção dos bandidos, da mesma forma que roupas ousadas chamam atenção dos tarados. Na verdade nem uma coisa nem outra, pois bandidos roubam coisas de pequeno valor e estupradores atacam e matam mulheres de burca nos países muçulmanos. Portanto, estupradores não escolhem suas vitimas por causa das roupas e sim com base na situação. Entretanto o povo deixou claro que as mulheres que se vestem como querem “merecem” ser atacadas. Reflexo de um país de pessoas que se esforçam demais pra serem ignorantes. Pessoas intrometidas que não tem o mínimo senso do seu lugar no mundo e o lugar dos demais. São pessoas que não respeitam a liberdade alheia. Mas ao contrário do Sakamoto eu não tenho vergonha de ser homem não. Porque pra mim ser homem é respeitar as pessoas e não acreditar que as mulheres devam viver em função dos nossos desejos. Isso é coisa de animal, não de homem. Que os animais voltem pro mato e deixem a civilização em paz.

      John Flood ontem

      Olha, eu acho que mulher nenhuma deva ser atacada qualquer que seja o motivo. Quanto a roupa curta demais, que chegue a ser provocativa ou vulgar, é óbvio que vai gerar um questionamento quanto a personalidade da pessoa. Eu sou homem e tenho o direito de não gostar que minha mulher ande por aí de forma provocativa, mas nem por isso desceria a mão nela.

      Luiz Guerriero ontem

      Sr. Sakamoto. Tais atitudes e pensamentos nada mais são do que reflexo da péssima e quase inexistente educação formal que nos é imposta. Com “educadores” tipo Paulo Freire e outros que dizem o que importa é a educação “popular”. Assim nós aprendemos das ruas … E a educação formal, científica ? Ah ! Essa é difícil de ensinar, dá trabalho, tenho que estudar para dar aula … É o que escuto. Sr. Sakamoto. O senhor também é responsável pelos fatos que o senhor ataca neste texto. Defenda uma educação formal, científica, esquecendo os “bolivarianos” ou “socialistas do século XXI” (mais parecem do século XIX) que o senhor tanto defende. Viu a que ponto chegamos ?

      Hugo Coi-o3 ontem

      Embora seja tudo um absurdo realmente, que eu saiba 66% dos entrevistados eram mulheres. E aí, Sakamoto? Como vai sua dissonância cognitiva sabendo que seu argumento de crucificação do homem branco médio foi por água abaixo? É isso que dá concluir ex ante facto.

      sbe ontem

      Eu não tenho vergonha de ser homem, sou homem liberal educado e adoro mulheres iguais a mim. Adoro o sexo oposto Tenho ódio é de cafajeste, porem isso nao me faz sentir vergonha de mim ou das pessoas do sexo masculino do meu convivio

      Allan Spillmann ontem

      Bem, eu não sinto nenhum pouco de vergonha, e sabe porque? Porque eu fui educado por meu pai a respeitar, principalmente as mulheres. E até hoje sempre me dei ao respeito. Por isso não sinto vergonha não de ser homem. O homem que meu pai ajudou a construir.

      Esperador ontem

      O resultado desta pesquisa é perfeitamente coerente.Estes números mostram nada mais nada menos que o perfil do nosso povo. Se não me engano, equivalem ao percentual de eleitores que elegeram a atual presidente. Elementar. Queria o que? Resultado de uma Dinamarca?

      Ateu Fundamentalista ontem

      Mas pera lá: o mesmo percentual de machistas ajudou a eleger uma presidentA ? Me explica aí como isso funciona pfv

      Marcelo Galvão ontem

      O Estado brasileiro compactua com a enorme violência na qual estamos todos inseridos. Somos um país violento, sim! Na contramão de tanta violência vemos um estado inerte, apoiador do erro, manipulador da sociedade. Mata-se aqui por nada e o que o governo faz? Proibe alterações no código penal que resultem numa punição exemplar! Ora, se o crime é vantajoso e raramente punido está claro que, num país desigual e sem oportunidades, o elemento descambará para o crime. Alie-se a isso a política governamental do dividir para conquistar e estará traçado o quadro de “inferno na terra” em que vivemos. Quer diminuir ou até mesmo eliminar a violência sexual contra a mulher e as crianças? Castração química! Ah! mas nós, brasileiros, somos mais avançados que os alemães, que os ianques, etc, etc, etc…

      O Açougueiro ontem

      Em 1990 eu morava e trabalhava em São Paulo. Certo dia, numa tarde de sexta-feira, peguei o metrô República, troquei na Sé ára ir à vila Mariana. Lá na Sé, notei que , dentro do trem, dois garotos cabeludos encochavam uma garota. E não era apenas o balanço do trem, eu notei que eles realmente encochavam a moça. A uma certa altura não consegui me controlar de raiva, peguei os dois pelas cabeleiras e perguntei a eles se gostariam de ver alguem fazendo aquilos com a mãe ou irmã deles. Para minha surpresa todo o pessoal que estava no vagão começou a reagir contra os garotos e eu percebi que começava a se formar um movimento de linchamento. Imediatamente larguei os garotos e o trem parou e eles saíram correndo. A garota, coitada, envergonhada, saiu chorando logo na estação adiante. Até hoje não tenho certeza se a minha atitude foi correta mas tenho a certeza de que nunca tolerei nem tolerarei este tipo de atitude.

      HLDI ontem

      E o UOL, para quem vc trabalha, vai na mesma direção: basta ver o tal de “Belas da torcida”! No pais do futebol, lugar de mulher é no gramado, mas de calcinhas apenas… triste

      Narr 22 horas atrás

      Ué, Sakamoto agora é acionista da UOL? Editor-chefe? Em todo caso, há uma diferença entre tirar fotos com pouca roupa e autorizar o assédio, o abuso ou estupro, ou você não consegue ver essa diferença?

      Felipe Miguel ontem

      Boa! Explica essa Sakamoto.

      José Renato 48 ontem

      vergonha de ser homem ? meu, basta ter opiniões próprias. não precisa ter vergonha de nada, apenas não escreva o que vc acha que as pessoas querem ouvir.

      Herbáceo 23 horas atrás

      mas você é uma menina de 5 anos, porque tem vergonha de ser homem ?

      detesto o pt 22 horas atrás

      KKKKKKKKKKKKKKKKKK

      13582196 15 horas atrás

      Sakamoto, Se você está com vergonha de ser Homem, você sempre pode fazer um favor a si mesmo, indo para a Tailândia, para realizar cirurgia de mudança de Sexo. kkkkkkk. agora falando sério, uma faca de dois gumes é sua defesa dos direitos das mulheres, pois como a maioria delas repudiou as vestimentas inadequadas, é o direito delas, não é mesmo? e você como Homem defensor dos direitos delas, NÃO tem o direito nem o moral para dizer nem escrever nada criticando as decisões e opiniões delas.

      aduana 15 horas atrás

      Realmente a mentalidade brasileira assusta. Mas peraê Saka, não foi você que num texto anterior disse que a culpa pelo crime era da vítima? Ainda bem que agora você foi tomado pela lucidez…

      Abraão Soares 12 horas atrás

      Depende do crime. No caso de assalto, a culpa é de quem ostenta. No caso do estupro, não. Tem que andar com a cartilha no bolso para poder consultar caso a caso, com o tempo você vai decorando.

      FADL 15 horas atrás

      Realmente essa pesquisa é uma amostragem do quanto as coisas vão mal no Brasil… A ignorância e hipocrisia daqueles que dizem que a vítima, no caso a mulher, teria responsabilidade por usar roupa provocante ou por não se comportar de modo adequado é diretamente proporcional às do Sakamoto quando diz que quem usa relógios e bolsas de marca, tem bons carros, frequenta restaurantes caros, é responsável e está pedindo para ser assaltado… A mulher tem o direito de se vestir como quer, sim, e os bandidos que as assediam por isso devem ir para trás das grades e amargar prisão perpétua em casos de estupro… Justamente por causa desses facínoras que mais uma declaração do Sakamoto merece ser execrada… Em outro post ele declara que os pais não devem impedir as filhas de se vestirem como queiram… Ora, acredito que a maioria dos pais que fazem isso o faz não por machismo, mas justamente para proteger suas filhas desses criminosos…

      FADL 7 horas atrás

      Manubella, a pesquise enfoca as mulheres que se vestem de modo aos imbecis acharem que podem se aproveitar, seja passando a mão, encochando, estuprando… Não fala de estupros por conhecidos, amigos, parentes… Aí a comparação… Em qualquer um dos casos, seja a mulher usando a roupa que ela quer, seja uma pessoa ostentar um relógio importado, nada justifica qualquer tipo de assédio assim como não se justifica o assalto… E, embora muitos pais possam sim cometer estupro (e por isso deveriam amargar a perpétua), muitos se preocupam com os bandidos que podem abordar suas filhas por causa das roupas que usam…

      Manubella 10 horas atrás

      Comparação infeliz. Leia as estatísticas do estupro. Vai descobrir que é muito pequena a quantidade de abusos cometidos por desconhecidos. A maioria dos estupradores são conhecidos ou parentes das vítimas, cerca de 85%. Absurdo!!! Dos estupradores “desconhecidos” a maioria das vítimas usavam roupas normais, pois estavam indo para o trabalho ou escola. Não adianta esconder o corpo, não adianta não “ostentar” o corpo. O problema é a cultura machista. O “monstro” na verdade é o pai, o tio, o vizinho, o amigo. Isso é o mais triste, vem de onde não se espera e “nada” ou “quase nunca” tem a ver com a roupa.

      Maria Do Socorro Pereira 13 horas atrás

      Não passem às mulheres, de novo, a responsabilidade pelo pensamento patriarcal e machista, NÃO! O fato de “ter mulher pensando assim” ou participando da pesquisa não justifica a barbaridade imposta às mulheres, por homens violentos e violentadores. E são homens reais que pensam assim e violentam, não são somente “doentes”, não. São Pessoas que trabalham, estudam, viajam, tem filhas… são esses exemplares da espécie que não respeitam mulheres ou que odeiam mulheres. São os mesmos que dão cantadas, que insultam e que ofendem e desrespeitam a gente a todo momento, nas ruas.

      Cão Do Mato 10 horas atrás

      Acho que você não entendeu, minha cara…Ninguém está culpabilizando a mulher, mas apenas mostrando que nessa história não tem “bonzinho”. Não é uma questão de mulheres “boazinhas’ e homens “malvados”.

      PaGG 13 horas atrás

      Saka, horrível pensar que tem gente que realmente acha que a culpa do estupro é da vítima, né… Muito terrível e surreal, de fato… Agora… E aquele blogueiro que culpa o assalto ou latrocínio porque a vítima “ostentou” o seu iphone ou sua bolsa cara? Ops…

      PaGG 9 horas atrás

      Manu, fofa, eu conheço as estatisticas e não sou do time “pró-violencia”. Não precisa cuspir esse monte de argumentos para defender a postura do seu guru. O assunto em foco nesse post é alta porcentagem de pessoas que acham que a mulher que foi estuprada estava “provocando”, ou não?? Dessa forma, pense um pouco e trace um paralelo para o argumento que o seu Guru defende: Quem ostenta, merece ser vítima de crime. Se eu estou usando uma bolsa cara, mereço a violência, pois provoquei os bandidos (coitados)… PONTO. É esse o meu comentário e nada mais.

      Manubella 11 horas atrás

      Mas a mulher com roupas que mostram o corpo não estão “ostentando”. Você não conhece as estatísticas do estupro, a maioria deles (70%) são cometidos contra crianças e adolescentes. Do total chega a (85%) os casos em que a vítima conhece o estuprador (pai, padrasto, tio, vizinho ou amigo). A maioria é cometido dentro de casa ou próximo a residência ou trabalho. Apenas 12% dos abusos acontecem em baladas quando as meninas estão com as roupas “curtas”. Os “monstros” não são desconhecidos. São homens “normais” que convivem com as vítimas. Muitos abusos nunca são revelados, estima-se que metade deles. Os estupradores entrevistados em uma situação afirmaram que escolhiam as vítimas pela “situação fácil” e não pela roupa. É a cultura do estupro, nada tem a ver com a roupa, mas com uma relação de poder.

      Abraão Soares 12 horas atrás

      Esse é o problema da sua religião Sakamoto, você só consegue ver o mundo dividido em gavetas coletivistas. Se conseguisse enxergar que cada ser humano é um indivíduo, e não o representante de alguma denominação coletivista, não precisaria ter vergonha de absolutamente nada que qualquer outro homem faz ou pensa. O lado ruim é que fica mais difícil de botar a culpa dos seus atos em terceiros…

      Katia Antonio Oku 9 horas atrás

      Cooldoc, eu tenho vergonha de ser mulher quando vejo essas panicats rebolando quase pelada. Não digo que o que esta acontecendo nos trens com as mulheres é culpa delas. Mas, como dizia minha avó, antigamente o homem desejava uma mulher, hj algumas mulheres são desejadas apenas para satisfazer a necessidade do homem e não pra casar.

      Ricardo Wagner 9 horas atrás

      Para Sakamoto a culpa depende do que convém ao momento: ora é da sociedade, ora é do homem.

      cooldoc 10 horas atrás

      Exatamente. Nunca vi uma mulher dizer que tem vergonha de ser mulher quando ve uma “panicat” rebolar o traseiro para as cameras. Cada um que responda por si.

      Bruno Furtado Pedrazoli 12 horas atrás

      eu também sinto vergonha, mas n adianta só exigir mudanças nos homens, talvez encontrar um equilíbrio nas relações entre a passividade da mulher e a proatividade do homem seja um caminho a ser discutido.

      Cão Do Mato 11 horas atrás

      Se a maioria das pessoas que responderam a essa pesquisa eram mulheres, por que nós homens é que deveríamos nos sentir envergonhados?

      Isabelle D. 8 horas atrás

      Quem estupra mais: homens ou mulheres?

      Patricia Freitas Costa 9 horas atrás

      Vc tem razão cão do mato. Não são as atitudes dos HOMENS que humilham e agridem as mulheres não. Não são os HOMENS que matam pq a mulher resolveu não ser mais companheira dele. Vc tá certinho.

      Ricardo Wagner 9 horas atrás

      Para essa gente, Cão do Mato, tudo o que existe de mais podre, vil e nefasto vem do homem: se o pensamento da mulher em algum momento se ajusta ao do homem, é porque a mulher se contaminou com o homem. Para essa gente o problema é da esfera do gênero, não é um problema de natureza humana.

      Cão Do Mato 11 horas atrás

      A propósito, agressão verbal também é violência passível de punição? Se for, então uns 90% das mulheres deveria estar na cadeia…

      Cão Do Mato 5 horas atrás

      A suposta vergonha do Sakamoto se refere aos dados da pesquisa, não aos estupros em si…

      Cão Do Mato 5 horas atrás

      Cara Isabelle D. , eu me referi às agressões verbais proferidas pelas mulheres contra os seus parceiros…

      Marcelo Ronconi 6 horas atrás

      Excelente comentário. E por mais que tentem dissimular com essa eterna conversa de “a cultura é misógina”, o texto é flagrante em quem são os “vilões” na opinião dessa gente. E digo mais: eu conheço três homens, dois eram jovens e um já senhor, que cometeram suicídio devido a infernos psicológicos infligidos pelas parceiras. Uma delas inclusive, para assombro de todos, postou em seu perfil: “Ele era um fraco”. Então, meu caro, tentar dialogar com quem é viciado ideologicamente é como tentar debater Richard Dawkins com um talebã.

      Ricardo Wagner 9 horas atrás

      «Hoje é daqueles dias em que sinto uma vergonha enorme por ser homem», intitula Sakamoto o seu novo artigo sobre um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Segundo o mesmo, 42,7% da população concordam totalmente que «mulheres que usam roupas expondo o corpo merecem ser atacadas» e 22,4% concordam parcialmente com a afirmação; 35,3% concordam totalmente que «se as mulheres soubessem como se comportar, haveria menos estupros». Só que o churumélico japa — por má-fé ou por mero condicionamento — praticamente deixou de mencionar e não lhe foi interessante explorar um detalhe muito, mas muito importante (sorrateiro, citou o «detalhe» no fim do texto; diz que ressaltou, mas na verdade quase passa despercebido): havia mulheres envolvidas na pesquisa, e elas representaram 66,5% (mais da metade) da totalidade dos entrevistados. Ele desenvolveu e conduziu o artigo, tendencioso desde o título, de tal modo que a culpa sempre recaia sobre os homens. Hoje é daqueles dias em que sinto uma vergonha enorme por ser homem também, Sakamoto, mas não somente por causa do resultado da pesquisa — haja vista que ela não denuncia apenas o que homens pensam; na verdade ela revela, em números, que o machismo parte mais das fêmeas do que dos machos —, e sim por me dar conta de que vossemecê é um homem (suponho, ou laertizou-se também, reivindicou o direito não ao «afeto» e às «emoções» das quais abusa, mas ao de freqüentar ‹à l’aise› banheiros femininos?) que nunca abre mão da carga emocional com toques manginistas para envernizar o seu discurso em débito com a perspicácia. E, sobretudo, com a honestidade.

      Renato Rodrigues da Silva 5 horas atrás

      “Este sistema de homens conta com soldados de ambos os lados”. O que ele quer é simplesmente jogar para a platéia, satisfazendo o feminismo politicamente correto. E tenta justificar o fato de mais da metade dos entrevistados serem mulheres apelando para um “sistema de homens”. Que sistema de homens é este que elege prefeitas, governadoras e “presidentas” da república ? Hoje as mulheres são maioria numérica, são mais escolarizadas e preparadas que os homens, são diretoras, juízas, gerentes, ministras, presidentes da república… e as opiniões estúpidas são apenas dos homens ?

      Ricardo Wagner 7 horas atrás

      Tatiana Goulart: 1) dizer que escrevi bobagem não é o mesmo que provar que escrevi bobagem, tampouco é uma refutação do que comentei. 2) Segundo sua concepção coxa e visão embaciada desta realidade reduzida à dicotomia, tudo o que é de mais vil, nocivo e podre tem origem masculina, nunca feminina — se alguma idéia da mulher se ajusta à do homem, intui-se que ela se contaminou com esse homem, pois não pode se esperar nada de positivo do “macho”. Para você, o problema se restringe à ordem do gênero, não à esfera da natureza humana.

      Ricardo Wagner 8 horas atrás

      Deixa eu ver se entendi, Isabelle D. (é seu nome verdadeiro?): você está me acusando de ser estuprador ou de fazer apologia a ele?

      Mari Smith 9 horas atrás

      A pergunta que não quer calar: para o Sakamoto, quando acontece um estupro a culpa é exclusivamente do estuprador e não da vítima (e eu concordo com ele), mas quando é um assalto, a culpa é da vítima que ostentou os seu IPhone e da sociedade opressora, mas nunca do ladrão? Gostaria imensamente que você respondesse honestamente essa pergunta, sem fazer uso de ironia ou falácias.

      Pedro Nolasco 6 horas atrás

      Perfeito. Acabo e fazer um comentário que diz a mesma coisa. A esquerda trabalha assim mesmo. Com eles é um peso e duas pedidas.

      Manubella 7 horas atrás

      É muita maldade no coração dizer que a mulher “ostenta” peito e bunda, simplesmente ela não pode sair deixando essas partes em casa e estuprador NÃO escolhe a vítima por esse motivo. E não tem a ver com pobreza, mas com cultura. Quem estupra não é “um bandidinho”, quem estupra em 85% dos casos é conhecido ou parente da vítima. É uma relação de poder e submissão. Parem de tentar mudar o assunto do texto, é vergonhoso.

      Ricardo Wagner 8 horas atrás

      “Ostentar” peitos e bunda pode, já iPhone é abuso

      DESPERTO 33 7 horas atrás

      Tenho vergonha é do autor deste texto. – NÃO ME REPRESENTA. Mulheres há muito tempo não se comportam mais como as coitadas relatadas por ele no texto. Homens, me refiro aos bonitos, também são atacados diariamente, sobretudo com relação à sua sexualidade. Homens também não podem serem vistos sozinhos ou levantarão suspeitas. Mulheres quando abordam os homens também não toleram o NÃO. Perseguem, rodeiam, especulam e quando conseguem o relacionamento também tratam o namorado, ou noivo, ou marido como suas posses. Controlam horário, fuçam no celular, sufocam, levantam hipóteses de traição o tempo inteiro, estabelecem regras de comportamento, proibem amizades e principalmente: – Não admitem as saídas sozinhos. A saída da mulher sozinha não tem problema algum (até concordo). Pode ir para onde quiser, de preferência suma e não volte mais. Os homens porém… não sabem se comportar, são traidores e etc, etc, etc… Homens toleram golpes da barriga e do baú há muito tempo e ao invés de reagirem, o que fazem? Se casam com seus algozes ou são condenados a zelar por uma “pseudo-família” que nem em seu pior pesadelo sonharam em constituir. Os abusos da mulher são mais brandos, porém igualmente praticados. Contudo, NINGUÉM PERCEBE

      WelingtonGaethoEscola 7 horas atrás

      (CONTINUAÇÃO) …de modo que respeitemos a nós mesmos, e a todos aqueles que estejam a nossa volta. desmentindo a sua verdadeira “cruzada” contra as instituições, supracitadas, eu aprendi isso com meus pais (FAMÍLIA), com os ensinamentos cristãos (IGREJA) e os professores (ESCOLA) também fizeram a sua parte. Meu caro, lhe falta leitura, bem como abandonar seus preconceitos para escrever, com isenção, sobre COSTUMES. Sem mais, abraços!

      WelingtonGaethoEscola 6 horas atrás

      Sr. Sakamoto, deixa eu ver se eu entendi… quer dizer que de acordo com à sua opinião, em meio a uma sociedade que promove toda sorte de libertinagens, a culpa da violência contra a mulher é: da FAMÍLIA, da IGREJA e da ESCOLA. Ou melhor, do “machismo” que estas INSTITUIÇÕES “ensinam” aos mais jovens. Então, você deveria prestar um serviço à população brasileira denunciando pais que dizem para seus filhos serem abusadores; padres/pastores que, do alto de seus púlpitos, “pregam” para seus fiéis saírem por aí estuprando mulheres e/ou professores incitando seus alunos a cometerem esse tipo de crime. Uma sociedade que já chegou ao cúmulo do absurdo de estimular meninas, na mais tenra idade, vestidas como mulheres, a dançarem na “boquinha da garrafa.” Eu lhe pergunto: foi em uma IGREJA que você viu isso? Marcha das Vadias? São aquelas que vilipendiam SÍMBOLOS RELIGIOSOS? São as mesmas que tentam invadir TEMPLOS? São essas que querem respeito? Quem respondeu a essa pesquisa fez apenas um juízo de valor individual, ou seja, se fossem perguntadas o que achavam de alguém que atravessa uma avenida, de alta velocidade, embaixo de uma passarela ou de alguém que vai sacar dinheiro, no meio da madrugada, de um caixa eletrônico em um lugar ermo e, sabidamente, frequentado por toda espécie de meliantes. O que você considera que elas responderiam? E outra coisa: o que é ser atacada? Por que eles não perguntaram: ser estuprada? É por isso que a maioria das pesquisas não me convencem, pois, como nós podemos ver, faltou clareza e objetividade, pelo menos, na elaboração desta pergunta. Deixando sempre a dúvida de qual é a real intenção do pesquisador?? Na condição de pai, apesar de não ter filhas MULHERES, eu ensino para os meus filhos MACHOS, eh Sakamoto, eles são MACHOS e eu me orgulho disso, que todos, HOMENS E MULHERES, precisamos ter BOM SENSO no falar, no vestir, no agir e, até mesmo, no pensar… (CONTINUA)

      Carlo Ponzi 7 horas atrás

      Nossaaaaa o Sakamoto deturpou mais da metade da pesquisa…..que nojoooooo!

      Célia Gouveia 7 horas atrás

      Será que quem concorda que mulher “pouco pano” pede pra ser violentada também concorda com que vitrine de comércio mostrando objetos desejáveis está pedindo pra ser assaltada?

      K. Alice 4 horas atrás

      ArmandodaSilva lógica brilhante! Comparar mulheres com objetos, me faz lembrar algo!

      ArmandoDaSilva 6 horas atrás

      O blogueiro já sugeriu que restaurantes de luxo deveriam ser proibidos para justamente evitar esse desejo consumista explicito.. Quando convém a ele, defende esse ponto de vista. Quando não convém, esquece o que já publicou e usa outra lógica. É sempre assim.

      ARQ RAN 7 horas atrás

      O caso do modelo do metrô representa muito isso..dezenas de milhares de compartilhamento de um segurança bonito, onde as mulheres suspiram de vontade de acontecer algo mais que pagar um bilhete único no metro….isso infla mentes doentias que estão lá no metrô também..e causa um mal tremendo a imagem da mulher.

      Cão Do Mato 5 horas atrás

      Cara Manubella: você realmente acredita que a reportagem teve o único intuito de denegrir a imagem da mulher? Fala sério…além do mais,ainda que tenha sido essa realmente a intenção da reportagem (o que eu duvido muito), se as mulheres fizeram tais declarações,me parece que foram elas mesmas que denegriram a imagem delas e de todas as outras mulheres…

      Manubella 6 horas atrás

      Pois é exatamente muito estranho na mesma semana que estoura na mídia notícias sobre abusos em metrôs sai uma reportagem como essa…e ainda muitas mulheres fazendo “brincadeiras” com a imagem do rapaz, até pedindo para serem “abusadas” por ele. O que é um absurdo. Sendo a mídia controlada principalmente por homens eu entendo qual foi o intuito dessa reportagem, denegrir mais uma vez a imagem da mulher, afinal desde quando é notícia concurso de beleza de segurança de metro?

      Felipe Mendonça 6 horas atrás

      São tantos os valores que eu nem me espanto mais com noticias como essa. Vivemos num país onde há variedade étnicas, sociais e tantas outras diferenças culturais, que hoje, muitas das pessoas que fazem parte dos 42,7%, escutam nas suas casas músicas vulgares, assistem novelas e muitas outras porcarias, depois querem cobrar algo, valores, da sociedade, sendo que a única coisa que a diferencia de todo o resto é a sua forma de se vestir. Com meus estudos em criminologia, posso dizer que realmente há chances de uma mulher ser vítima de um estupro por causa de sua vestimenta, porém, isso não é a causa, e sim, apenas um fator dentre muitos outros. Buscamos os mesmos valores, mas nos esquecemos dos princípios que devemos ter em mente, afinal, roubar um real é pior que roubar um milhão?

      Elisabete Sanctus 5 horas atrás

      Recordo-me de uma empresa em que uma moça comparecia com roupas fora dos padrões e vestimentas da mulherada local então, as mulheres fizeram looby e trataram de expulsar a menina do trabalho. Quando eu soube fiquei aborrecida porque a moça era competente no seu trabalho e me tratava muito bem e, ao perguntar para a líder do boicote o motivo, ela afirmou que a moça era fora de padrões. Ou seja, botaram pra correr por inveja da beleza da outra. Então, não somente os homens agem mal, algumas mulheres também, vale notar que 67% demonstraram mentalidade tacanha.

      jose domingos 5 horas atrás

      O que o senhor Sakamoto está fazendo em relação a escravidão dos médicos cubanos,já que ele se auto-proclama “seu representante na Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo”.

      Paulo Ribeiro 3 horas atrás

      Sakamoto. Te esqueces que o homem, é um animal macho, domado, domesticado ou educado. Esqueces, também de mencionar que o homem é um visual, enquanto a mulher no o é. A midia estimula e incentiva as mulheres a mostrar “quase”tudo, e os homens “conter”seus instintos(sic). Isso é repressão difarçada. Os incultos ou desequilibrados não conseguem isso.

      Rogerio Godoi 2 horas atrás

      A pesquisa do Sistema de Indicadores de Percepção Social, do Ipea, sobre a tolerância social à violência contra as mulheres entrevistou 3.810 pessoas em todas as unidades da federação durante os meses de maio e junho de 2013, SENDO QUE AS PROPRIAS MULHERES REPRESENTARAM 66,5% DO UNIVERSO DE ENTREVISTADOS”.

      Rogerio Godoi 2 horas atrás

      Nao acho que esse titulo esteja certo. “A pesquisa do Sistema de Indicadores de Percepção Social, do Ipea, sobre a tolerância social à violência contra as mulheres entrevistou 3.810 pessoas em todas as unidades da federação durante os meses de maio e junho de 2013, SENDO QUE AS PROPRIAS MULHERES REPRESENTARAM 66,5% DO UNIVERSO DE ENTREVISTADOS”. envergonhados sendo homem ou mulher deveriam ser quem votou nisso ou pensa assim. Conheci os textos desse cara hoje e todos os que eu li nenhum condiz com a verdade… pessimo

      Uma comentadora de nome Manubella martelava continuamente que só homens estupram mulheres. Essa com certeza não assistiu ao documentário She Stole My Voice, que fala de estupro lésbico, nem viu aqueles casos de mulheres que abusam sexualmente de homens e meninos, alguns deles punidos como estupro pela nova lei. E já que ele fala que homens são programados para serem agressivos e que demonstrar afeto é coisa de mocinha ou bicha, o que dizer destes vídeos que passo abaixo?

      http://www.youtube.com/watch?v=AhqthYIuMSA

      http://www.youtube.com/watch?v=QmedWKGHb4g

      http://www.youtube.com/watch?v=Y4V8CUfTXVI

      • Luciano, só para constar, essa história foi ressakamoteada porque um idiota qualquer dono deste perfil do Face resolveu se expor no Face ao usar um papel com a frase “Já estuprei e estupro de novo” em contraposição à frase “Eu não mereço ser estuprada”, que viralizou na internet nos últimos dias.
        Se a tal pesquisa já parecia sob medida para que marxistas-humanistas-neoateístas fizessem a festa e arrebanhassem um monte de inocentes úteis, agora então a coisa está ainda mais potencializada. E desta vez não teríamos aquelas suspeitas de falsa bandeira como tivemos na Marcha da Família, pois dá para ver nitidamente que o tal cara é um oba-oba da vida que fez isso achando que ia abafar. Porém, como sabemos, MHNs se aproveitam de qualquer penduricalho e o usam para acusar toda a sociedade, se vierem de muitas fontes.
        Para piorar a coisa, a criadora do “Não Mereço Ser Estuprada”, Nana Queiroz, que dá para ver por seu perfil no Face que é feminista do tipo que tira a roupa, se pinta e sai andando na rua (bem como tem entre suas curtidas a página da Dilma Rousseff).

        E aqui é que começa a residir mais uma suspeita de que estejam querendo “transferir os ativos” da Marcha das Vadias, tentativa que fracassou no Toplessaço. Por que digo isso? Porque podemos ver na página da mesma Nana este link da Marie Claire. Por ora é só protesto virtual, mas para ir às ruas é dois tempos. E se a tal Nana Queiroz tem por costume tirar a roupa e pintar em si mesma frases remetendo a combate a estupro (e aqui “estupro” no sentido MHN do termo, que vai muito além da penetração não consentida por via vaginal, anal ou oral ou abusos sexuais praticados por via da força, da ameaça ou contra incapazes). Observe-se nesta postagem aqui que ela é uma daquelas que acha que um simples fiu-fiu seria uma tragédia daquelas.
        Também me parece que ela é o “Betinho” do feminismo, uma vez que é casada e em seu geral não segue aquele arquétipo de feminista que conhecemos. E todos aqui se lembram da guinada no marxismo-humanismo-neoateísmo que o irmão do Henfil deu quando começou a usar a caridade como forma de expansão da agenda de tal religião política. E aí, como sabemos, é grande o risco de agora a agenda feminista surgir com uma carinha amigável, assim como a agenda gramscista surgiu com cara das mais amigáveis após aquele que virou canção da Elis.

        Como disse anteriormente, essa coisa toda está parecendo feita excessivamente sob medida. Temos a tal pesquisa eivada de jargões MHNs, essa jornalista que curte a Dilma fazendo uma campanha que na prática ajuda a adiantar a agenda da presidente, ainda mais em ano que ela concorre à reeleição, e outras coisas. Parece que está com cara de coisa planejada antecipadamente. Se voltarmos à sakamotice, veremos que se menciona isto aqui:

        Centenas de perfis falsos foram criados e nosso evento bombardeado com frases machistas, pesquisas preconceituosas e montagens com fotos do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) com dizeres ofensivos. Uma imagem dele ilustrou até um evento criado para promover um estupro coletivo. Caro deputado, pense: o senhor se tornou o ídolo de pessoas que defendem o estupro. Não será a hora de pôr a mão na consciência ou no coração?

        Se isso não é tentativa de querer comprometer o deputado que os MHNs amam odiar (ainda mais que existe um grande número de páginas de apoio a ele), não saberei o que é. E novamente tudo excessivamente sob medida. Há também uma tal de Daiara Figueroa que resolveu falar do estupro de que foi vítima quando tinha 15 anos, segundo ela por pessoa de sua família. Porém, quem ler o depoimento dela (e vir o próprio perfil da mesma) notará que ela não só MHNizou o triste e lamentável episódio de que foi vítima (observe a mesma perguntando para meninas de 10 a 13 anos se elas já se sentiram incomodadas com cantadas e olhares na rua, como se isso fosse análogo a uma penetração sem consentimento ou um abuso sexual) como é MHN em seu todo (conforme poderão ver em seu perfil). Observe-se que tanto Daiara quanto Nana moram em Brasília, o que significa que desta vez pode estar vindo um movimento mais sob medida que outros originários de outros cantos que não a capital desta nação, ainda mais que por lá é comum as pessoas terem um acesso a políticos inferior aos seis graus de separação.
        Por ora fica difícil saber quem financia essa coisa toda, uma vez que escrever uma frase em um papel e tirar foto tem quase que só mesmo o custo de fazer o ato e publicá-lo na internet. Acabaremos tendo de esperar essa coisa escalar para passeatas na rua, que basicamente serão a tal “transferência de ativos da Marcha das Vadias”, pois irão ficar martelando sobre estupro (obviamente em sentido MHN do termo) até dizer chega, isso sem falar na criminosa insinuação de que homens têm por estado natural o estupro e por isso têm de ser ensinados a não estuprar, assim como ensinamos um cachorro a não morder ou latir em excesso.
        Só para complementar, e já que falei de uma ressakamoteada na coisa, seguem os comentários que fizeram por lá (e observem sakamotetes achando ruim, por exemplo, o destino que estupradores costumam ter na cadeia, uma vez que isso joga por terra a visão de que homens seriam coniventes com estupros e estupradores em sua essência. E há outros sakamotetes que querem tirar do PT a responsabilidade que lhes cabe ou defender que números sejam torturados):

        cosmo lemos 3 horas atrás

        O IPEA é petista quer desviar o assunto da Petrobras.O Povo brasileiro é bom com exceções.Se fosse verdade esta pesquisa as mulheres estariam hoje na praia de roupas como protesto.

        Ana Cristina Calderaro 2 horas atrás

        Suraya Sabbag, fique tranquila se nós não temos leis que punem exemplarmente os estupradores, na cadeia tem…..na cadeia os estupradores sofrem tudo que é tipo de torturas e barbaridades e muitos vão para o hospital várias vezes tomar “pontos” de tão rasgado que o sujeito fica ! Se a sociedade dita do “bem’ culpa nós mulheres, os piores assassinos e traficantes não pensam da mesma forma…..eles tratam os estupradores sem dó e nem piedade !

        Escorcio1 1 hora atrás

        olho por olho, dente por dente° …. DIGA NÃO A QUALQUER TIPO DE VIOLÊNCIA. Não devemos colocar nossas lutas nas mãos de quem tem valores distorcidos.

        Fernanda Tangerino 2 horas atrás

        O problema é conseguir fazer o cara ser preso, né.

        Miguel DAvila 2 horas atrás

        Semana passada houve recrudescimento e potencialização de campanhas para privilégios de conforto de mulheres em transportes coletivos. Como noutras campanhas feministas cria-se alarmante cenário de vitimização feminina e barbárie masculina. Houve em diversos canais televisivos e outros meios midiáticos vários programas e matérias com representação de selvageria masculina e trucidação feminina? Quem está por trás dessas campanhas sexistas de guerra de gêneros? E a pesquisa farsante do IPEA quem a determinou? Quais os objetivos das incessantes campanhas misândricas, misogâmicas e antiheteroxuais? Até uns 40 anos atrás já havia jogo sujo, em que mulheres até armavam barraco se um homem no ônibus sentava logo após mulher levantar. Acusavam tara e abuso sexual, imputando o ato como libidinoso e masturbação em buscar prazer pelo calor corporal que a mulher deixou no assento. Havia mulheres que até atiçavam maridos ou parentes para defesa da honra.

        Sumyk 1 hora atrás

        Sakamoto, quer dizer que agora você não defende mais o rolezeiro da foto acima? Quando ele queria fazer baderna no shopping usando o “Mizuno de mil reais” era um coitadinho, agora que ele ridiculariza esta campanha caricata do estupro “deve ser detido”? Esperava mais consistência nas suas opiniões.

        Marcelo H Carvalho 1 hora atrás

        O Saka até tenta, mas não consegue resistir a um ataque de vitimismo…. Ele se derrete todo…

        Sumyk 1 hora atrás

        Queria ter mais garotas comunistinhas no meu Facebook. Seria bem legal montes de fotos de garotas seminuas segurando estas paquinhas com dizeres idiotas! Infelizmente está campanha “que inundou as redes sociais” (sic) não chegou até meu círculo social.

        Evair Golero 1 hora atrás

        A defesa que o Sakamoto fez do Marco Civil quase me enganou.

        Cão Do Mato 1 hora atrás

        Não é a mulher que estupra e mata! (Assim como não é o Silas Malafaia que agride homossexuais na Av. Paulista, certo Sakamoto?).Ha, antes que alguém interprete de forma errada, não estou me referindo aos “argumentos” usados por quem respondeu a pesquisa, culpabilizando a mulher, e sim ao fato de as mulheres serem a maioria dos que responderam aquelas insanidades, ok?

        Marcelo H Carvalho 1 hora atrás

        O Sakamoto deveria agradecer ao governo bolivariano do PT pelas inócuas medidas adotadas nesses 12 anos visando proteger a mulher…. Nunca tivemos tanta violência como nos dias atuais….

        FabricioMReis 1 hora atrás

        Engraçado que foi o representante do PPB (atual PP) que falou “estupra mas não mata”. Estupros sempre existiram na mesma proporção, mas hoje se conta. Concordo que a política de combate à violência da mulher não avançou, mas não é culpa do “governo bolivariano do PT” (coisa que eu acho que a maioria dos que diz mal sabem o que significa) mas toda a cadeia de poder, incluindo o PSDB, PP, PSC…

        seth sp 1 hora atrás

        A mesma ladainha de sempre: “Machos que são sempre demonizados e mulheres que são eternamente vitimizadas”…Oras…Me poupem…Nem elas são tão vítimas assim e nem eles são tão demônios assim…O que acontece é que as feministas, sempre enlouquecidas, maximizam fatos e comportamentos (negativos) masculinos para que sempre haja um déficit que faça com que elas posem de vítimas e os caras paguem a fatura…Sabemos que o objetivo aqui não é ter os mesmos direitos (isso elas já tem e até os superam), vide as políticas especiais deste governo feminista que super valoriza as mulheres ao mesmo tempo que vive desqualificando os homens…. O objetivo delas é simplesmente desconstruir a masculinidade dos caras e assim, desta forma, tentar equalizar, mesmo que forçadamente, os gêneros….Porque a inveja das mulheres em relação à capacidade e genialidade dos homens é visceral e eterna…Vide esse pesquisa absurda do IPEA….Nunca vi mulher ser “atacada” por esta ou aquela roupa…Isso é coisa induzida, perguntas subjetivas, enfim jogo manjado, que só funciona para os ingênuos e incautos…Portanto, repito, me pupem dessa baboseira…(Bocejo)….

        seth sp 21 minutos atrás

        Ganham menos porque o homem tem maior produtividade…Eles simplesmente são inteligentes, criativos, tem incrível habilidade manual, são bem humorados, são estáveis emocionalmente, não tem restrições quanto à maternidade, são inventivos…Enfim, isso tudo cria uma conjunção para maior produtividade dos homens, que seria pura demagogia negar, e que o empresariado adora…Sem contar que, atualmente, os caminhos são igualmente abertos para homens e mulheres..Quanto aos direitos que vc tb se refere, te digo e repito o que disse acima: Elas dão a largada cheias de políticas especiais, sem contar que morrem mais tarde, se aposentam mais cedo e nem são obrigadas à prestar serviço militar…E PONTO FINAL!

        Guilherme Gomes 40 minutos atrás

        Primeiro, essa campanha não é somente direcionada aos homens. é direcionada contra o pensamento de que mulher merece estupro por estar “vulgar” tanto que varios homens apoiam. Segundo, ainda não existe os mesmos direitos entre homens e mulheres. Um simples exemplo é que mulheres ganham menos que homens ocupando o mesmo cargo. Por favor, considere esses fatos e mais o fato de que só em São Paulo 37 mulheres são estupradas por dia antes de dizer que é ladainha.

        Willi Lopes 50 minutos atrás

        Ai ai… que preguiça do seu comentário

        Flechas viventes 53 minutos atrás

        Apesar de parecer defesa,tirar da mulher a responsabilidade sobre seu comportamento,se constitui em subestimá-la.Proselitismo hipócrita e inconsequente é o que vejo nesta coluna.

        Flechas viventes 50 minutos atrás

        Imagino como devem ser as aulas deste jovem que, por ingenuidade ou outro motivo,enfia goela abaixo de seus alunos estes conceitos equivocados.(?)

        ROGER456 46 minutos atrás

        eu nao concordo que mulheres com vestes escandalosa meressa ser estuprada,da mesma forma que nao concordo que alguma pessoa exponha suas ideias sobre o assunto use isso para atacar alguem como essa senhora mal intencionada e com atitude oportunista use as redes para tirar vantagens em cima de alguem!!

        Acocasting 46 minutos atrás

        Sakamoto, na boa, não é assim que acabaremos, ou diminuiremos, essa barbárie que é o estupro. É a mesma coisa que achar que para acabar com o fanatismo religioso é preciso destruir Igrejas, Sinagogas e Mesquitas. Achei que estivesse mais do que óbvio para formadores de opinião como você que o caminho não é o enfrentamento escandaloso e barulhento, mas sim uma atitude educativa que mostre como é grave para a sociedade como um todo o crime de estupro (bem como o de abuso). Os orientais já nos ensinaram que em um combate a maneira amsi desejável de vencer um inimigo é usar a força do seu golpe contra ele mesmo.

        Lelo_1705 42 minutos atrás

        Uma pesquisa que entrevistou 3.810 pessoas e diz que a MAIOR PARTE DA POPULAÇÃO BRASILEIRA concorda que mulher merece ser estuprada. O pior é que vocês LERAM a matéria com os números e ainda continuam a falar isso. Entendo que querem levantar uma bandeira, mas aí a denegrir a população brasileira toda com esse argumento mostra que vocês não estão medindo armamentos para conseguir a atenção que querem, nem mesmo se for com manipulação/omissão de dados.

        Alex_Luthor 19 minutos atrás

        E você não sabe nada de matemática ou estatística.

        Apelido Inválido 692 20 minutos atrás

        Essa baderna ainda continua porque não se tem penalizações rigorosas por parte das leis e ficamos dependendo dos presos anti estupradores na cadeia.

        Leandro Dias 20 minutos atrás

        Ela é Jornalista!!Estudou muito pra falar besteira…… PARA NOSSOS POLÍTICOS….. O que é mais fácil!Procurar uma maneira das mulheres parar de andar com roupa curta OU colocar Leis mais Severa e segurança? A violência no nosso pais mata mais do que as guerras…..Temos um alto índice de estrupo no pais…. Vocês mulheres sabem que nossos políticos não vão fazer Leis Severas OU colocar segurança na rua…. Então,com essa situação no pais,VOCÊS vão querer sair por ai com roupa curta,em algum caso quase nuas para chamar atenção de “Homens”……Mulheres,você sabem que vcs não vão se protegida,INFELIZMENTE a maneira de ser PROTEGIDA no nosso pais,são vcs não usarem roupa curta…..O SISTEMA FUNCIONA ASSIM NO NOSSO PAIS,QUEIRA OU NÃO!! RELAXA MULHERES……Governos acha melhor e mais barato…. Proibir nós de sacar dinheiro depois das 22h…. Sai mais barato propor lei pra moto não ter garupa….. Sai mais barato colocar RADARES do que fazer vias pra diminuir acidente…. Sai mais barato soltar ladrão do que manter eles presos…. Sai mais barato fazer uma criança mudar de ano na escola sem saber ler e escrever do que manter ele até aprender….. Tudo isso ai tá diferente da nossa Leis Federal….Fazemos tudo ao contrario kkkkk

      • Luciano, depois de as postagens anteriores terem sido dessakamoteadas e devidamente constantinizadas (ainda que não tão inspiradamente), mourabrasilizadas (esse com bem mais talento) e sachsidadas (esse com ainda mais talento), o blogueiro em questão insiste em bater na mesma tecla e despreza o óbvio fato de ser uma pesquisa de amostra extremamente viciada quando comparada à realidade demográfica do país (conforme o Sachsida falou muito bem). Porém, observe-se o incrível contorcionismo marxista-humanista-neoateísta que ele usou para querer justificar que a tal pesquisinha teria validade:

        “Ah, mas foi uma maioria de mulheres que respondeu a pesquisa apontando que uma mulher merece ser atacada por mostrar o corpo.” E daí, amigo? Isso não muda coisa alguma considerando que homens e mulheres são vetores de propagação e manutenção de um sistema machista de valores. Mas, em última instância, são homens que assediam, encoxam, espancam, estupram e matam em nome desse sistema. Se você consegue juntar as peças de um Lego ou consegue usar xampu ao tomar banho, por que tem tanta dificuldade em entender isso?

        Por que tenho dificuldade de entender isso? Porque prefiro pesquisas que reflitam mais a realidade do país e que não tenham termos ambíguos (como “atacadas”, pois se o termo fosse “estupradas”, com certeza a maioria das pessoas acharia uma abominação sem tamanho, uma vez que é termo mais específico, uma vez que atacada poderia ser “atacada por comentários maldosos”, o que não compromete a integridade física da pessoa). E o pior disso tudo é ele querer pôr no mesmo balaio de pessoas sem noção como aquele que fez um cartaz falando “Já estuprei…” com pessoas que alertaram acertadamente dos erros da pesquisa, da esquisitice de um instituto de pesquisas econômicas fazer pesquisa social, o próprio teor da pesquisa em si parecer muito sob medida para gerar pretexto para MHNs fazerem festa e atacarem quem não pensa como eles e o surgimento daquela jornalista de Brasília que parece ser o “Betinho” do feminismo. Veja aqui:

        Diante desses comentários, o primeiro instinto, alheio à razão, tende a ser preconceituoso. A dificuldade de entendimento viria de falhas na educação formal. Mas vendo as intervenções bem escritas e constatando que uma parcela significativa dos dodóis cresceu na base do leite de pera, do berçàrio à faculdade, largo as soluções fáceis e volto-me à conclusão de que imbecilidade realmente não vê escolaridade ou classe social. Da mesma forma que um olho roxo ou uma tentativa de estupro da própria esposa pode ocorrer, sem pudores, nos Jardins ou no Grajaú.

        Sim, na cabeça dele, quem de cara alertar sobre erros da pesquisa será tachado de preconceituoso e vindo de uma educação que não seja paulo-freireana, bem como criança mimada e doente. A única coisa que ele acertou é que marido estuprar esposa pode ser em bairro nobre ou pobre, mas isso é um acerto tão grande e difícil de atingir quanto saber que um mais um é dois. E ele prossegue com um parágrafo que é praticamente uma aula prática de “tolerância repressiva” marcusiana:

        Ou seja, grande quantidade de informação repassada sem reflexão não leva à conscientização. A educação pode funcionar apenas como processo de transmissão dos mesmos valores que mantém homens como cidadãos de primeira classe, ensinando às engrenagens o seu lugar na máquina, ou pode ser libertadora. E, portanto, subversiva, dando ferramentas para reconstruir o sistema. E quando uma tentativa de “insurreição” desponta no horizonte, hordas fazem de tudo para manter tudo como sempre foi.

        E como argumentos novos ou mesmo construções frasais diferentes são coisa rara no blog em questão, eis que temos mais uma tentativa de dizer que somos robozinhos que fazem algo que lhes foi inserido (ué, se somos programados e somos gente, MHNs, que também são gente, são robozinhos também?):

        Pessoal, vocês podem se esconder atrás de argumentos baratos ou aceitar que a imensa maioria de nós, homens e mulheres, fomos programados para propagar o machismo. E é uma luta diária pesada nos livrarmos disso.

        Observe como ele diz que os argumentos são baratos, mesmo que tenhamos comentários como os que mostrei anteriormente que jogavam por terra o que ele pensa, assim como ele está dizendo que o Constantino (em que pese a refutação à pesquisa não ter sido tão boa quanto as de Moura Brasil e Sachsida, ele foi o único a direcionar uma parte da crítica ao blogueiro em questão) soltou argumentos baratos. Logo, a única opção para o Constantino seria aceitar que somos robozinhos que propagaríamos o machismo (essa palavra que para um MHN significa qualquer coisa na relação entre os sexos que não favoreça o avanço da agenda dele). E prossigamos, pois a viagem é longa e agora ele vai guinar completamente para tentar atingir outras coisas que interessam à agenda acima dele:

        Mas tomem cuidado. Quando você posta no Facebook, no Twitter ou em blogs não está tendo uma conversa particular. Pelo contrário, está falando ao megafone. E todo mundo está vendo a porcaria que está fazendo – o que pode ter consequências graves.

        Um copiloto da Avianca foi demitido na sexta (28) por conta de comentários preconceituosos contra nordestinos em seu Facebook no dia anterior.
        “Para manter o padrão porco, nojento, relaxado, escroto de tudo no Nordeste como sempre”, escreveu sobre o atendimento de um restaurante em João Pessoa (PB), entre outras coisas.

        Depois da grande repercussão na rede, ele apagou o comentário e se desculpou. Mas, aí, já era tarde.

        Não é a primeira vez que uma empresa demite o empregado por conta de postagens sem-noção em redes sociais. O caso mais famoso dos últimos tempos foi o de uma diretora de comunicação da InterActibe Corp, que publicou uma barbaridade antes de levantar vôo para a África do Sul. Quando pousou, descobriu que havia virado TT. Acabou demitida.

        “Indo para a África. Espero não contrair Aids. Brincadeira. Sou branca!”, escreveu. Ela só tinha 200 seguidores no Twitter, mas a informação rodou o mundo.

        Depois da eleição de Dima Rousseff, o Twitter amanheceu com uma enxurrada de preconceitos contra moradores da região Nordeste por conta da expressiva votação que a região garantiu a ela. Os microposts foram extremamente ofensivos e degradantes, revelando o que há de mais obscuro na alma das pessoas. Muitas pessoas não imaginavam que suas postagens iam se espalhar tanto. Ou serem alvo de investigação da polícia por discriminação.

        Um momento que é transformador – e aterrador – na vida das pessoas é quando elas tem aquele click e percebem que a vida delas não é uma ilha isolada, mas estão conectadas ao mundo inteiro através de suas relações sociais.

        Ou seja, aquela abobrinha postada na rede social ou blog do esquerdopata japonês, embaixo do cobertor, para os seus 200 amigos/seguidores, dizendo que “a vagabunda é que estava pedindo” ou que ” uma mulher de bem não seria estuprada porque não se presta a determinado papel” será amplificado e chegará onde você não imagina.

        Faça um teste: vá até a conexão das estações Consolação e Paulista do metrô e grite a plenos pulmões aquelas coisas fora da casinha que você costuma gritar na rede. Se ninguém estranhar, publique.

        Sim, observou a tentativa de querer envergonhar os anti-MHNs? E já estamos vendo os “agentes Smith” do marxismo-humanismo-neoateísmo se multiplicarem por aí. Fale algo contrário a essa religião política que não seja a simples indignação sem muita substância e verá como há o risco de surgir alguém do nada repetindo chavões daqueles do tipo “temos a solução para os problemas do mundo. Se alguém nos refutar, volte ao primeiro passo”. Logo, ele sabe que há um monte de inocentes úteis do tipo mais funcional possível que estão gerando clima de censura branca na dinâmica social normal, a ponto de por vezes você só externar suas opiniões anti-MHN com pessoas que sejam mais compreensivas. E ele está igualando às bobagens ditas no parágrafo a refutação cuidadosa, feita em tom calmo e sem deixar pontas soltas nas quais MHNs podem se agarrar. Porém a coisa não fica só nisso:

        Ah, mas é diferente, japa.” Sim, é. Na internet, é muito pior do que falar na conexão de um metrô ou em um auditório lotado.

        Atravessamos a adolescência da internet, em que as pessoas estão com os hormônios à flor da pele, descobrindo para que servem certas partes do corpo, e fazendo besteira loucamente. Os formadores de opinião têm uma parcela grande de responsabilidade em incendiar o pessoal que não estava acostumado com o debate público. E feito uma criança que nunca viu um gatinho, maltrata o bichinho quando ganha um.

        As pessoas ganharam acesso a meios de comunicação que podem atingir multidões, mas não sabem lidar com isso, muito menos com as consequências de suas intervenções. Seria ótimo contar com educação para a mídia, como já fazem algumas escolas, para que possamos entender o que esse maravilhoso mundo novo significa.

        Se está postando algo só para desabafar ou se gosta de repetir bobagens ditas por seus ídolos, a chance de dar merda é grande. Pois – guiado pelas emoções mais selvagens – você pode dizer ou reproduzir algo que não diria aconselhado pela racionalidade e o bom senso.

        Pois não me espantaria se alguns profissionais que postaram em redes sociais e blogs defendendo a supremacia masculina, com argumentos violentos que fariam corar o Capiroto, recebessem um bilhete azul.

        Sabemos do hercúleo esforço que empresas empreendem para construir a credibilidade de suas marcas. Diante do risco de serem associadas à violência de gênero ou racismo, elas vêm preferindo repreender ou eliminar o fator causador do problema do que arcar com campanhas contrárias a elas. Problemas como empregados que usam a hora do expediente para pregar a violência sexual na internet, por exemplo.

        Recebi uma série de mensagens de leitoras que reclamaram de seus colegas que usam o computador da firma para postar aberrações. Minha recomendação tem sido: denuncie.

        “Ah, japonês censor, você quer criar um clima de terror!” Não, desejo apenas que vocês que agem como crianças mimadas e violentas contra mulheres sejam finalmente responsáveis por suas ações.

        Portanto, antes de postar, pergunte-se: este comentário é realmente necessário? Não estou dizendo relevante porque provavelmente não é, tal qual este post. Mas ele é realmente necessário?

        Acho que não sou só eu que identificou aqui uma defesa ao Marco Civil da Internet sem falar o nome do mesmo. “Adolescência da internet”? O que seria a “idade adulta da internet”? Pelo que sei, internet é moralmente neutra, não tem existência independente da de pessoas e, por isso, moralmente neutro como qualquer objeto ou dispositivo. Porém, claro que ele está dizendo que os anti-MHNs seriam pessoas que não usam o raciocínio para mediar as coisas e partiriam para a raiva diretamente, bem como ele diz que falar que homens (de que ele tem vergonha de ser, como dito em postagem anterior) seriam naturalmente estupradores, bandidos e outras coisas (ué, mas Sakamoto não é homem? Pelo que sei ele o é, uma vez que um exemplar macho da espécie Homo sapiens, que em português é conhecido por “homem”, assim como um exemplar macho de Equus caballus é conhecido por “cavalo”, com os exemplares femininos dessas espécies sendo conhecidos por nomes completamente diferentes e que não são a mera troca da letra final). E mais uma vez vamos aos comentários (e como de costume, deixo alguns com respostas de sakamotetes e comentários de sakamotetes que são desmontados pelos anti-MHNs):

        maisvalia 11 horas atrás

        Não posto nada machista nem sou machista. Sou conservador liberal. Quero ver é que os seguidores do machista, racista, antigay Che vão comentar, né Saka?

        César Ricardo De Andrade 11 horas atrás

        Senti uma ameça velada no texto: “ou você concorda comigo, ou a militância petista vai cair de pau em cima de você”. Mas aposto que Sakamoto vai dizer que interpretei mal o que ele escreveu…

        Denise Vazquez Manfio 10 horas atrás

        Quantas vezes Sakamoto terá que dizer que não é petista? Quantas vezes vai ter que dizer que PT hoje é de direita e ele de esquerda?

        Gabriel Huguenin 11 horas atrás

        Lógica Sakamarota: Se possuir bens é ostentação e a culpa dos assaltos é de quem ostentou, então ser gostosa também é ostentação e a culpa dos estupros é da mulher que “ostentou seu corpitcho” por aí?

        Ricardo Wagner 7 horas atrás

        Como é que é, Denise Vazquez Manfio? «Sakamoto diz que a culpa dos assaltos é da sociedade, da violência que a desigualdade social gera»? Por que ele não sustenta, sem isenção, algo do jaez: «A culpa dos estupros é da sociedade que estimula a libertinagem desenfreada e estimula a libido precocemente»? Em casos de furto e roubo, a culpa é da vítima, em casos de estupro, a culpa é do autor. É o velho «um peso, duas medidas».

        Alex Kissilevitc 10 horas atrás

        Mais um caso de “deveria ter esperado para não falar tamanha besteira”… Primeiro, você comparou o corpo da mulher com um objeto, um bem… logo, é isso o que você pensa? Pois é o que escreveu. Ou você se fez de ingênuo perante a indagação, pois é muito fácil achar uma crítica irracional usando de um argumento onde você induz o que a outra pessoa tenha colocado, o que não é verdade. Então, melhor entender: Corpo não é objeto. Reflita.

        Denise Vazquez Manfio 10 horas atrás

        Ostentar o corpitcho?! Só pode estar de brincadeira. Não, nem uma coisa nem outra. Sakamoto diz que a culpa dos assaltos é da sociedade, da violência que a desigualdade social gera. E não, não ostentamos nossos corpos, apenas nascemos com eles, o que se ostenta em casos de estupro é uma mentalidade machista, que aprova que homens hajam como animais desprezíveis.

        Ricardo Wagner 7 horas atrás

        LÓGICA SAKAMOTIANA 1000 pessoas são entrevistadas*; 700 delas, que são mulheres, entendem que se uma mulher usa blusa decotada e saia curta ela merece ser molestada/estuprada; a culpa é 100% dos homens, pois a matriz do problema é (sempre) machista. Uma reprovação de cunho feminino nunca tem origem genuinamente feminina, pois sempre carrega na sua essência mais recôndita e insondável uma carga (negativa) de influência masculina; a mulher não formula opinião própria, autônoma, pura; ela não passa de uma sombra, de uma extensão intrínseca do pensamento masculino: quer constatação mais machista do que essa? A tréplica de Sakamoto reforça o seguinte: quando uma mulher, «grosso modo», reprova a conduta doutra mulher, ela necessária e inevitavelmente avaliza o denominado muitas vezes de maneira vaga de machismo, nunca algo inerente à sua própria natureza feminina, ou melhor, atinente à sua condição, antes de tudo, humana. Para Sakamoto, a convergência de opiniões de mulheres e homens se resume ao substrato impermeável do machismo, porque ele parte da falsa premissa de que a mulher, por si e em si mesma, não engendra nada negativo: só há uma única matriz e fonte do mal: o homem, ou aquilo que diz respeito a seu universo. Para Sakamoto, uma mulher que discorda de outra mulher é automaticamente a favor do homem, nunca dela mesma. Enfim: Sakamoto suprime a multiplicidade de níveis de consideração e a vastidão fatorial, tornando-se refém da falácia do falso dilema/do terceiro excluído, resignando-se a se fulcrar em parâmetros sempre binários para elaborar seus argumentos. Para ele, quem se opõe ao comunismo só pode ser nazifascista (perdão pelo «reductio ad hitlerum»!); quem combate o ateísmo só pode ser cristão; quem difunde a homofobia é, sem dúvidas, o homem branco classe-mediano hétero, nunca outra maioria — e jamais uma minoria. (*) Deixo esclarecido desde já que não abordo aqui o mérito da pesquisa, que não revela sequer a opinião de 0,000000783% da população.

        KyriaMaia 5 horas atrás

        Quem falou que precisa ser homem para ser machista? Ou que os machistas do sexo masculino estão mais errados do que as machistas mulheres? O machismo é, digamos, uma forma de pensar, e muitas mulheres lucram com ele. Ou, na minha opinião, pensam que lucram, porque um dia a conta chegará a elas. Mas ambos estão errados, homens e mulheres machistas.

        Bruno Thiago Ferreira 5 horas atrás

        Legal, mas precisava falar dificil assim? Era pra impressionar? De qualquer forma, sua crítica ao texto foi uma das mais coerentes que eu vi por aqui. Parabéns!

        Cão Do Mato 7 horas atrás

        Tem razão, Li. Mulheres defendem e propagam idéias machistas porque foram educadas assim. Homens também fazem isso, mas porque já nascem machistas. É uma questão genética, entendeu?

        Cão Do Mato 7 horas atrás

        “Mas, em última instância, são homens que assediam, encoxam, espancam, estupram e matam em nome desse sistema.” Rsrsrs, claro, assim como não é o Silas Malafaia que agride homossexuais na Paulista…Putz, meu, será que é tão difícil assim entender que ninguém está eximindo os homens da sua parcela de responsabilidade só porque as mulheres são maioria na pesquisa? O que se quer destacar é que nesse negócio não existe “bonzinho” (ou “boazinha”). Pior, as mulheres, que são as principais vítimas desse tipo de violência, ao defender e propagar essas idéias, não apenas incentivam, mas legitimam a violência (o que é muito pior).

        Cão Do Mato 3 horas atrás

        Em que parte do meu comentário eu justifico o estupro?

        Willianpm 6 horas atrás

        Cara e dai? Nada justifica estupro, é errado e ponto, nao existe argumento pra voce forçar uma PESSOA e na maioria das vezes agredir fisicamente uma mulher e deixa la traumatizada pelo resto da vida.

        Carol Matheus Luiz 6 horas atrás

        sakamoto, nao vai escrever nem uma linha sobre as perguntas tendenciosas, mal explanadas e 96% dos entrevistados serem de escolaridade media pra baixo. Achei que voce era mais imparcial, mas me enganei.Sakamo

        Bruno Thiago Ferreira 5 horas atrás

        Mas qual o percentual da população total que tem educação média para baixo? Não seria exatamente 96% mas seria a grande maioria, especialmente se consideramos o analfabetismo funcional. Além disso, acho que muitas perguntas eram bem claras.

        Marcioad32 4 horas atrás

        O assunto é sério. Agora, qual o motivo do IPEA/GOVERNO FEDERAL divulgar apenas agora, QUASE UM ANO DEPOIS DAS PESSOAS SEREM OUVIDAS? Estão brincando com o povo e em especial com as mulheres brasileiras! Observem os resultados das enquetes nos sites. Muito diferentes das pesquisas. Eu não acredito em um instituto de pesquisa econômica avaliando comportamento. As perguntas são capciosas e, ao observar o extrato da população que tem baixo nível de escolaridade, concluo que essa pesquisa coroa, na verdade a falta de investimento na educação, nos valores morais e de respeito à todos. As pessoas que se vistam como quiser. Mas o resultado da pesquisa mostra como nosso povo é desprestigiado pelos seus governantes. Mostra ainda como são ineficazes as ações do governo federal visando realmente a igualdade de direitos. Dizem que fazem e melhoram mas mostram um resultado como esse em pesquisa. Mais um tiro no pé do governo…e até agora, ninguém percebeu.

        13582196 4 horas atrás

        “Os formadores de opinião têm uma parcela grande de responsabilidade em incendiar o pessoal que não estava acostumado com o debate público” nesse caso aquele cidadão do IPEA que botou fogo no paiol com aquelas perguntas ambíguas, tendenciosas e manipuladoras. além do fato de que naquela pesquisa foram omitidos detalhes importantes que nem quero citar para não acender outro “incêndio”.

        Thiago Rdr 2 horas atrás

        Quero dizer mais uma coisa… eu não sou soldado de machismo nenhum e sou absolutamente contra qualquer tipo de violação ao direito inalienável à posse do próprio corpo. Só que eu tenho provas contundentes de que a tal pesquisa do Ipea foi manipulada por alguma força sobrenatural. Temos duas inconsistências: a primeira é a observação de que toda pesquisa só tem valor estatístico se seguir rigorosamente os princípios da aleatoriedade; a segunda, é que a probabilidade de uma amostra aleatória de 3800 brasileiros conter 66,5% de mulheres é ZERO. Se alguém contestar, eu tenho a demonstração matemática de que esse contingente representa mais de 18 desvios padrão acima da esperança, o que, em termos leigos, equipara-se à possibilidade de você encontrar um homem de 4 metros de altura na rua. Quero lembrar que o Ipea é um órgão estatal e estamos em ano de eleições, em plena era das redes sociais, bem ao gosto do grande sociólogo Manuel Castells. O resto fica por conta da sua imaginação.

        Para manter o costume, também posto o link do Facebook dele. E falando em Face, a campanha “Eu não Mereço ser Estuprada” (essa que suspeito que possa ser mais uma tentativa de “transferência de ativos” da Marcha das Vadias) já está sendo bem neutralizada em sua tentativa de florescer, como podemos ver nesta foto de Alexandre Seltz falando que “ninguém merece viver num país comunista”, bem como isto que vi no Bolsonaro Zuero. Também já lembraram daqueles desejos de Paulo Ghiraldelli para Rachel Sheherazade. Logo, estou com a nítida impressão de que voltaremos a falar da farra que fizeram com a Petrobras e que possivelmente esse expediente dos MHNs de desviarem de assunto não vai mais dar certo (vide a força que Marco Feliciano ganhou após ter sido usado para desviar a atenção da posse de José Genoino e João Paulo Cunha na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara), pois está sendo aproveitado pelos atacados para ganhar força e depois as vistas voltam para o assunto que eles não querem ver ser discutido.

      • Luciano, outra campanha que surgiu e que é informada pelo Felipe Moura Brasil: “eu não mereço ser enganada pelo IPEA”. É, pelo visto estamos vendo a solidificação de tentativas marxistas-humanistas-neoateístas de botar as asinhas para fora sendo mortas em seu nascedouro. Pode ser que não consigam fazer um protesto de rua que “transfira os ativos” da Marcha das Vadias, pois a coisa está sendo desmoralizada de cara, e por mulheres.

      • Mais sobre esse assunto:

        1) Dilma solidariza-se com Nana Queiroz com o seguinte tweet:

        http://twitter.com/dilmabr/status/450695807512367104

        Bem como estes outros:

        http://twitter.com/dilmabr/status/450695947035881473

        http://twitter.com/dilmabr/status/450696006859239424

        http://twitter.com/dilmabr/status/450696035485356032

        Como já disse anteriormente, estou achando a coisa toda muito estranha e feita sob medida para que o governo fique por aí querendo se promover (fora a suspeita de a pesquisa ter sido divulgada exatamente no momento em que o assunto é a Petrobras). Como já disse antes, a tal Nana Queiroz está parecendo para o feminismo algo como o Betinho para o todo do marxismo-humanismo-neoateísmo brasileiro.
        Diz a tal jornalista que não esperava tamanha repercussão e aqui, pensando que ela é marxista-humanista-neoateísta, pode ser simulação de falso espanto, supondo-se que a coisa toda seja um astroturfing daqueles;

        2) E como não poderia deixar de ser, além de estranharmos a foto da tal Nana estar muito profissa, também temos attention whores que no máximo são propagadoras inconscientes de gramscismo surfando na onda, como podemos ver com os exemplos de Geisy Arruda e Valesca Popozuda (ainda que essa última tenha sido adotada pelas feministas em sua tentativa de ficar perto daquilo que o povão gosta, no caso funk);

        3) Ainda falando da Nana que não é Caymmi, temos este artigo dela para a BBC (logo, leia-s que ela já é MHN beneficiária), no qual ela elenca uma série de casos de estupro, mas repete aqueles clichês feministas sobre estupro. Observe-se que ela fala de mais de um terço dos perpetradores serem menores de idade, mas obviamente amaciando para o lado deles (afinal, MHNs brasileiros odeiam ter de pensar que até em países MHNs que eles dizem ser exemplos têm maioridade penal menor do que a nossa), bem como vem querer amaciar a natural revolta que as pessoas têm pelo estupro e o pedido de penas mais duras para quem pratica isso.
        Por quê ela diz isso? Porque, como sabemos, se as penas fossem mais duras, muitos estupradores ficariam amedrontados e aí não daria para praticar a ação que ela quer porque quer e diz porque diz que seria a solução para tão hediondo crime:

        (…)O trabalho deve se concentrar em educar os homens para que não estuprem, as mulheres para que denunciem, os policiais para que não culpem as vítimas e os familiares para que não acobertem os casos de abuso intrafamiliares.

        O primeiro passo para evitar mais histórias como as de Marco, Marcelo, Maria e Joana é a mudança do discurso. Diga às suas filhas que elas são dignas e que seu corpo é só delas. Ensine seus filhos a respeitar as mulheres e buscar o sexo como uma experiência mágica a dois. Não deixemos esse movimento morrer. Eu lancei a pergunta, agora, a resposta é com vocês!

        Educar os homens para que não estuprem? Então ela está querendo dizer que o estado natural do macho da espécie Homo sapiens é o de estuprar as mulheres e ele deveria ser adestrado para que não faça isso, assim como um domador ensinaria um leão a não mordê-lo caso o mesmo ponha a cabeça dentro da boca da fera. Também podemos lembrar que o corpo de uma pessoa é daquela pessoa e só dela independente do que os MHNs digam, pois o corpo é a pessoa e até hoje não descobrimos como transferir a consciência de alguém para outro corpo. Observe-se também que ela fala de ensinar filhos a respeitar as mulheres e buscar o sexo como experiência mágica a dois (e aqui pode ser o tal lance de “Betinho” que falei anteriormente, pois o MHN preconiza que as mulheres devem ser socializadas em vez de ficar com um só homem, coisa que as Farc fizeram e fazem à risca com as mulheres que ingressam no grupo). Porém, por que ela não fala para que se ensine mulheres a respeitarem homens e buscarem o sexo como experiência mágica a dois? Ah sim, vamos lembrar que ela falou que homens devem ser educados para não estuprar (uma vez que eu, você e todos os homens que estão lendo este comentário são estupradores quer queiram ou não). Tal qual uma postagem do Sakamoto, no artigo que passo temos de prestar especial atenção aos comentários;

        4)Também vale a pena dar uma olhada no Facebook, pois já vi este, este e este outro comentário;

        5) Por fim, uma implicância das boas contra essa pesquisa do Ipea.

      • Luciano, mais sobre essa história toda da pesquisa do Ipea (vale a pena fazer comentário, ainda mais que isso tudo está com cara de uma mentira e suas consequências sendo mortas quando ainda estavam em estado embrionário e tudo isso não fez com que as pessoas desviassem seu foco do que ocorre na Petrobras):

        1) Você viu este texto de um blog de defesa dos homens falando sobre as distorções da tal pesquisa?

        2) Agora temos Zuenir Ventura dando sua cota de apoio à tal pesquisa distorcida;

        3) Uma crítica surpreendentemente cortante à tal pesquisa veio na forma de uma charge do Maurício Ricardo;

        4) E depois de mulheres dizerem que não merecem ser enganadas pelo Ipea, agora são homens que dizem não merecer falsas acusações de estupro;

        5) Joselito Müller também mitando no lance, ainda mais após terem prendido uma mulher que fez o preconizado por certas senhoritas que forma alvo de comentário seu anteriormente;

        6) E como não poderia deixar de ser, hoje tivemos mais uma sakamotice gravitando em torno desse assunto. Agora ele apela ao Dado Dolabella e a Luana Piovani para tentar seguir justificando a tal pesquisa do Ipea. E temos comentários:

        maisvalia 13 horas atrás

        Nenhuma, nem a Yoani, nem a Corina, nam a mulher do Netinho.

        Cioraneto 13 horas atrás

        Meus Deus do céu, por conta de uma pesquisa amadora, tendenciosa e mal formulada do IPEA os caras ficam repercutindo a vida inteira o mesmo assunto. Estuprador é estuprador, por livre arbítrio, decisão pessoal, antes de Cristo e depois de Cristo. Não vão ser os “argumentos” do Sakamoto e muito menos o PT que comoverá tais infelizes e a apregoada e suposta “cultura machista”. Fico com o grande Millor: machista não sou eu, é a natureza.

        Ana Costa 12 horas atrás

        E o que tem o artigo de hoje com a pesquisa do IPEA? Nāo dá para entender sua “xatiaçāo”…

        Cão do Mato 13 horas atrás

        Por que ninguém fala do Netinho de Paula que, além de ter agredido a mulher de maneira mais violenta do que o fez o Dado Dolabella, não só foi eleito vereador,como fez campanha junto com a feminista Marta Suplicy? E o ministro Joaquim Barbosa, ( o “herói” do mensalão) que também agrediu a mulher?

        jco 13 horas atrás

        “A Lei Maria da Penha estabelece que todo o caso de violência doméstica é crime” (Sakamoto). Pelo que eu me lembro, apenas os casos de violência contra a mulher são considerados pela lei, mas não contra o homem (embora alguns juízes já tenham tentado aplicar a pena a favor de homens). A lei seria ainda mais justa se incluísse homens vítimas de violência doméstica, embora tais casos sejam muitíssimos excepcionais se comparados com a violência contra a mulher. O fato de serem casos excepcionais apenas coloca essas vítimas em uma minoria a qual o estado tem obrigação de defender, como frequentemente nos lembra o próprio Sakamoto.

        jco 9 horas atrás

        Gustavo, Veja o texto da lei: é específico contra mulheres. Por isso virou manchete quando um juiz aplicou-a a favor do marido. O juíz utilizou como argumento a analogia. Esclareço que o meu comentário não foi uma crítica às teses principais do texto do Sakamoto, com as quais eu concordo, embora acredito que a lei particular só existe porque as mulheres vulneráveis precisavam dessa lei, já que as mulheres não vulneráveis não apanham caladas e recorrem à polícia e à advogados quando necessário – aí outras leis não dependentes do gênero se aplicam.

        Gustavo Madeira 11 horas atrás

        A lei vale para QUALQUER CASO DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA. Não para briga de rua. Pode ser aplicada de marido que apanhou da mulher, pais que apanham dos filhos, irmão de irmão.

        DuMello 13 horas atrás

        Sakamoto, só o fato de uma pessoa agredir a outra, já constitui um crime. Baseado nisto, a Lei Maria da Penha nem precisaria existir. O fato dela ser necessária, ilustra o caráter de nossa sociedade.

        Antihipócrita 13 horas atrás

        ditadura feminista ou seria “feminazi”.

        Antihipócrita 13 horas atrás

        Ora, pq são “negros”e é politicamente incorreto falar “mal”deles. simples

        rsim 13 horas atrás

        Lamentável texto. Jogar para torcida sempre é bom. Afinal tu conhece o que se passa na intimidade dos casais. Ninguém merece apanhar “doutor do conhecimento”, nem mulheres, nem homens, nem animais e nem eu com textos de tão baixa qualidade como este seu.

        Jorge Nogueira 11 horas atrás

        HAHAHAHA…É ISSO AI…EU ACHO QUE SOU MASOQUISTA..PORQUE DISCORDO SEMPRE DO TAL SAKAMOTO, MAS NAO RESISTO A VER SUAS ELUCUBRAÇÕES LUNATICAS……

        MISAB 12 horas atrás

        Mas, tem muita gente, e se vc acompanha, sabe, que acha que mulher botou uma roupa mais assim…pode ser estuprada, e porque não apanhar? Estes são os mesmos, e são muitos, colega.

        rogerio ferreira 13 horas atrás

        Sou hétero, cristão e um homem de bem. Meu pensamento precisa ser igual ao seu ? Preciso ser revoltado como você ?

        DSPC 13 horas atrás

        Sakamoto e suas questões empíricas não vão fazer com que a pesquisa do IPEA tenha mais valor! É questão política levantada para proteger a ‘eleitora’ potencial da Dilma. Palhaçada isso!

        Mengo_até_morrer 13 horas atrás

        Neste país, tudo tem que ter uma ideologia a pautar as discussões. Não sei nada sobre o fato. Mas o que me parece é que a lei Maria da Penha (LMP) não determina qual mulher pode apanhar, apenas tipifica um caso específico de crime de agressão. As agressões que não se encaixam na tipificação dessa lei, serão processadas , ou à luz do código penal, ou de outra legislação que trate do assunto. O Juiz de primeira instância não legitimou a “agressão” ( entre aspas porque não sei o que houve) , apenas a tirou da esfera da LMP. O STJ, ao que parece, recolocou o caso na referida lei. Discussões processuais, que deveriam estar adstritas a juristas. Creio que o mais importante era que o “agressor” ( idem) tivesse sido devidamente punido, pelo Código penal, Maria da Penha, estatuto da criança e do adolescente, qualquer um desses instrumentos. Mas a discussão beneficiou o transgressor. E a pena prescreveu. Mas o sakamoto aplaudiu. Que pena, a forma ser mais importante que o conteúdo.

        Malena123 11 horas atrás

        Gente, ninguém pode apanhar…a lei maria da penha é para proteção da mulher que depende do marido e por isso não reage.

        Ursocurioso 12 horas atrás

        Subjugar a inteligência da mulher transformando-a em coitadinha e indefesa, é tão violento quanto agredi-la fisicamente.A mulher não pode ser um meio por onde as ideologias tentam fazer proselitismo.

        Abraão Soares 11 horas atrás

        Pois é, pensei a mesma coisa. Essa caricatura da mulher não parece vir de alguém que realmente respeita as mulheres – ou sequer as conhece bem. As mulheres que eu conheço são fortes, sabem cuidar de si mesmas e não precisam choramingar esmolas estatais para serem alguém na vida.

        adegarcia 12 horas atrás

        Acho que a violência deve ser reprimida de qualquer natureza, à qualquer grupo, espécie, raça, sexo e tantas outras minorias. O que parece “absurdo” é a lei PROPOR que todos os seres do sexo feminino, são bobos, tolos , ingênuos, vulneráveis à “predadores”, quando sabemos e experimentamos diariamente, seres ruins, e de má índoles em todas as espécies, inclusive no Mundo Feminino”

        seth sp 12 horas atrás

        Lá vem a vitimização da mulher….Sakamoto, vc envergonha os homens com essa postura feminista, desqualificando seu próprio gênero…Me poupe desse papo furado…A questão não é SÓ A MULHER…Por que ficar privilegiando um gênero? Nem mulher, nem homem, nem animais, nem crianças….NINGUÉM MERECE APANHAR…E FIM DE PAPO!

        Ju22 11 horas atrás

        Você não leu o texto completo ou não sabe interpretar um texto? O tema do texto é violência doméstica sofrida pelas MULHERES, então não há que se falar de homens, animais….

        Bryan Junior 11 horas atrás

        gostei! realmente ninguem merece apanhar… disse tudo!

        plobato 12 horas atrás

        Como bem disse Mengo_ate_morrer, o Juiz de 1ª instância apenas determinou o foro que considerou adequado. Sakamoto, que não perdeu um minuto para considerar com lógica e isenção, foi logo empacotando a questão na sua caixinha cheia de preconceitos ideológicos.

        Butcho 12 horas atrás

        Que bom, o blogueiro acha que mulher não pode apanhar e que lugar de agressor é na cadeia. Vamos esperar o próximo texto em que ele vai defender que quem está na cadeia tem que sair ou nem para lá ir, especialmente se pertencer a alguma “minoria” ou for integrante de “movimento social”.

        Porcorini 11 horas atrás

        Nem as que alienadas comunistas brasileiras que apoiam as ditaduras islâmicas, e acham correto uma mulher ser apedrejada por Ayatolás iranianos, merecem apanhar.

        Porcorini 11 horas atrás

        Complementando: No blog Conversa Afiada, daquele jornalista condenado por racismo: “Dilma apóia inteiramente a política externa do Presidente Lula para o Oriente Médio.” Pra quem não lembra, O Brasil, de Dilma, se absteve de condenar a política de direitos humanos do Irã, na ONU.

        Simone de Beauvoir 80 11 horas atrás

        Realmente Sakamoto, agora entendo pq vc fala que estas pessoas que participam dos comentários fazem do seu blog um lugar divertidíssimo. Eu ia fazer uma discussão, mas nem vale a pena. O desconhecimento é muito grande. Excelente texto!!! Parabéns!!!! Como sempre, arrasou! Sou sua fã…

        Abraão Soares 9 horas atrás

        Simone de Beauvoir, aquela que considerava Che um exemplo de homem?

        Alan43 11 horas atrás

        Em resposta à pergunta do Srº Sakamoto, o tipo de mulher que mereçe apanhar são aquelas que por sua livre e espontânea vontade resolvem se envolver com bandidos e desequilibrados, na maioría das vezes por questões financeiras ou beleza física, tendo plena ciência que podem correr esses risco e é uma pena que hoje em dia há muitos e muitos desses casos.

        Quebrando a Banca 2 horas atrás

        E o que dizer de mulheres jovens que se casam com homens mais velhos, por puro interesse, mesmo sabendo que têm histórico de violência e mesmo entendendo que serão alvo de ciúmes, que poderão resultar em agressão. São melhores que eles, não conheciam os riscos, têm direito a privilégios estatais por quê?

        KyriaMaia 3 horas atrás

        E o que dizer de homens velhos que casam com mulheres jovens, claramente interesseiras? São melhores do que as mulheres interesseiras? Têm algum direito de agredi-las?

        Quebrando a Banca 9 horas atrás

        Pois é, Felipe. Se homens também fazem isso, se homens também são vítimas, qual a razão de haver privilégios? Nenhuma. Papo chato é feminismo. E pior é homem apoiando isso, se rebaixando e vestindo a fantasia de mau em troca de um elogiozinho vazio. Carência pouca é bobagem.

        Maybach 10 horas atrás

        O Brasil com a economia indo para o buraco, a petrobras a passos largos rumo à falência, Putin assustando o mundo, a ditadura venezuelana cada vez mais sangrenta, deputados com estranhos e suspeitos laços de amizade, 50 mil homicídios ao ano e outros tantos assuntos gravíssimos… e o senhor Sakamoto sempre com os mesmos temas, que são mais batidos que chão de terreiro de capoeira. Sempre se esquivando de determinados temas, mesmo sendo provocado ostensivamente por seus comentaristas. Acho que o blogueiro sempre trata desses mesmos assuntos somente para fomentar os comentários que tanto reprova. Isso me parece mais um estranho fetiche. Algum tipo de carência, sei lá. É normal termos em maior ou menor grau uma necessidade de reconhecimento por todos. Isso é um mecanismo de auto-afirmação. Mas o Sakamoto não. Sua ânsia é por comentários que reprovem suas ideias, opiniões. Está provado que esse espaço serve somente à sua militância e à obscuridade de seu ego. O jornalismo sério e relevante ficam e segundo plano mesmo.

        Quebrando a Banca 10 horas atrás

        A vítima é culpada? Ou deveria haver uma Lei Wendel de Souza? Ou isso é uma farsa, já que mulher é santa e não comete violência? A Lei Maria da Penha não está sendo usada nesse caso. Por quê não? Privilégio?! “Myriam Priscilla de Rezende Castro mandou dois homens cortarem o pênis do ex-noivo dela, Wendel José de Souza, que terminou o relacionamento três dias antes do casamento. O crime ocorreu em 2002, na cidade de Juiz de Fora, na Zona da Mata. Revoltada diante do término, conforme a investigação da Polícia Civil, Myriam e o pai dela contactaram dois homens e acertaram com eles a mutilação de Wendel. A vítima foi rendida pelos criminosos quando estava na companhia do irmão, que desmaiou ao presenciar a cena de violência. Os homens usaram uma faca para cortar o pênis do rapaz e disseram que estavam cometendo o ato a mando da mulher. Além disso, Wendel teve o carro e a casa incendiados após o fim do noivado. Ainda segundo a PC, após o fato, Myriam mudou-se para Barbacena, onde atuou como médica e morou até 2013. No fim do ano passado, partiu para o interior de São Paulo.”

        kalumor 9 horas atrás

        A verdade é que ninguém pode agredir ninguém. Não sei bem o que ocorreu entre o Dolabella e a Piovani, nem me interessa. O certo é que: agrediu, houve lesão corporal há que se aplicar o Código Penal e pronto. Esse excesso de leis, e muito das vezes de caráter bem demagógico, gera este tipo de discussão. Agressão, seja por parte da mulher ou do homem tem que ter a mesma aplicação.

        Abraão Soares 9 horas atrás

        Fiquei com uma pulga atrás da orelha… o que será que o Sakamoto acha que deve acontecer com agressores de mulheres que tenham abaixo de 18 anos de idade?

        Treze Por Cento 8 horas atrás

        Sakamoto, homem apanhar de mulher, pode?

        Luiz Messias 8 horas atrás

        Sou professor e digo para os meus alunos a regra tem que ser igual para todos. Neste caso se um homem agride uma mulher ele pode ser responsabilizado penalmente por isto. Naturalmente o inverso também deve ser verdadeiro, ou seja, se uma mulher agride um homem ela deve ser responsabilizada da mesma forma. Isto, apesar de as vezes, os ricos e bem relacionados aqui neste país conseguirem com alguma frequencia se esquivarem da lei.

        César Ricardo De Andrade 8 horas atrás

        Quando a blogueira cubana Yoani Sánchez veio ao Brasil, ela sofreu empurrões e puxões de cabelo e Sakamoto não disse nada.

        Abraão Soares 6 horas atrás

        No papel, pedra, tesoura que rege a hierarquia das opressões, a concordância ou não com o partido vale mais do que a questão da sexualidade, que vale mais que a questão de renda, que vale mais que a questão de gênero.

        Abraão Soares 7 horas atrás

        Na hierarquia da religião do Sakamoto, defender ou não o partido está acima da questão de gênero.

        WelingtonGaethoEscola 8 horas atrás

        Sr. Sakamoto, fica até difícil listar o sem número de falácias contidas no seu texto. Façamos um esforço… A quem está tutelado o direito ao CORPO DA MULHER? Ao Estado? Ao pai? Ao marido? Onde você leu isso? Não. Você não leu isso em lugar nenhum porque, no Brasil, as MULHERES são LIVRES. Isso é apenas um discurso sofismático cuja segunda intenção é defender a prática asquerosa do aborto. Que “povo” premiou um agressor de MULHERES? Você tem dados estatísticos provando que os telespectadores, deste programa, representariam a totalidade do POVO brasileiro? A generalização é a saída mais fácil encontrada por aqueles que sentem uma enorme preguiça de pensar. Omissão também pode ser entendida como crime, rapaz! Então, não se pode alegar, nesse caso, que o Estado, ou qualquer outro cidadão, não pode intervir na vida privada do casal. E aí você quer chegar na famigerada Lei da Palmada. E isso, sim, é uma intromissão inadmissível, do Estado, na forma com que os pais educam seus filhos. Se um pai provocar qualquer tipo de trauma físico, em seu filho, deve ir para cadeia. Entretanto, há um “abismo” entre uma palmada e uma lesão corporal. Os VALOROSOS ENSINAMENTOS CRISTÃOS… Eu tenho uma pergunta para você, Sakamoto, se essa sociedade de TRADIÇÃO JUDAICO-CRISTÃ é tão ignominiosa quanto você diz: Por que foram nos países, predominantemente CRSITÃOS, que as LIBERDADES INDIVIDUAIS mais avançaram? Ah, ainda há mais uma: Será que alguém, INTELECTUALMENTE HONESTO, poderia não ver a influência dos EVANGELHOS DO CRISTO JESUS na DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS? JESUS CRISTO nos legou muito mais do que uma RELIGIÃO. Deixou-nos um CÓDIGO MORAL inigualável, mas como “falar” em MORALIDADE para uma sociedade que parece caminhar na direção de um “relativismo suicida”. Por fim, eu não costumo sentir vergonha alheia, deveria sentir se tivesse que dizer, para um Dr. em Ciências Políticas, que nenhuma CIVILIZAÇÃO pode prescindir de um legitimo CÓDIGO MORAL? Sem mais, Abraços!

      • Luciano, vamos prosseguir nessa história de “não mereço ser estuprada”:

        1) Finalmente vemos apontamento de falhas metodológicas da tal pesquisa do Ipea fora do ambiente contrário ao marxismo-humanismo-neoateísmo, como se pode ver nesta notícia do R7;

        2) Temos o Pasquale Cipro Neto entrando nessa onda. Se bem que pelo teor do texto, fica mais parecendo propagação inconsciente de gramscismo do que MHN consentido;

        3) Porém, essa pesquisa distorcida agora repercute também no noticiário americano da maneira distorcida que repercutiu no Brasil;

        4) Diz Manuela D’Ávila que ao fazer a sua fotinho, foi ameaçada de estupro por perfis falsos. Porém, que ninguém se esqueça que ela quer concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa gaúcha este ano e toda e qualquer ação dela pode ter intenção eleitoral;

        5) Enquanto isso, na página “Eu não mereço ser enganada pelo Ipea”, duas zoeiras das boas, como pode ver por aqui e aqui. Também compartilhou isto.

  5. Luciano, esse Brasil247 é um blog muito sujo e criminoso. Eles não permitem comentário contrário à tese deles, mas deixam passar comentários recheados de palavrões de todo tipo contra aqueles que eles julgam ser inimigos da esquerda truculenta. Esse tal marco governamental da internet é o começo do fim da liberdade de expressão e pensamento na mídia e ainda tem louco que concorda com isso.

  6. http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/03/1432148-os-militares-nunca-foram-intrusos-na-historia-brasileira-diz-general.shtml Oi Luciano, queria que você viste essa matéria e apesar de você não ser a favor dos militares, essa entrevista não fala sobre isso, e sim como o golpe militar foi contra o comunismo e como a folha claramente nessa entrevista estava a provocar e negar qualquer tipo de ato falho do outro lado, sempre apontando para os militares.

  7. Eu estou acusando o PT de estar tentando fechar o congresso virtualmente (e de fato)para impedir a CPI da Petrobrás..
    E não é que colou, estão se defendendo o que denuncia que é uma verdade, mais um pouco eles vão admitir que se pudessem fechariam o congresso.
    E uma grande verdade quem acusa já sai ganhando.

  8. Luciano, boa noite!

    Sou novo aqui em seu blog, leitor novo. E já estou gostando muito! Espaço coerente e inteleigente!
    Sou blogueiro cristão, e vendo o seu blog, vi que tenho muita (mas muita mesmo) coisa a aprender, mais do que eu pensava.
    Atualmente tenho debatido com neo-ateístas e a maior dificuldade (se esse é o termo apropriado) é que por mais que você refute e mostre argumentos, pra eles sempre prevalecerão o que eles acham. Você me indica alguma leitura para me ajudar em debates?

    Grato desde já!

    Abração!

    • Ismael, obrigado pelas palavras.

      O problema maior dos teístas que debatem com neo-ateus é que o primeiro se defende e o segundo ataca. Aí é fácil para eles.

      Já falei um pouco disso: http://lucianoayan.com/2012/12/10/onde-a-apologetica-teista-falha-e-onde-a-contra-apologetica-neo-ateista-tem-sucesso/

      Entendo que as questões dos teístas não deveriam ser tentar provar a existência de Deus, mas desmascarar todas as ALEGAÇÕES POLÍTICAS dos neo-ateus.

      Exemplos:

      1. Uma sociedade exacerbadamente humanista é boa pq?
      2. O ateísmo vai dar que tipo de ganho a quem aderir a ele?
      3. Quais as evidencias de que o ateu é mais “racional” apenas por ser ateu?
      4. Por que alguns neo-ateus são de esquerda? (considerando que o esquerdismo é a fé mais perigosa e injustificada da história da humanidade)
      5. Como pode ser um grupo tão imoral a ponto de colocar as culpas do mundo na religião? (ex. as guerras ocorrem por questão de recursos, mas apontar a religião como causa de guerras é imoral pois impede que estudermos as verdadeiras causas de guerra)
      6. Como pode ser um grupo tão imoral a ponto de não se importar com vítimas de pedofilia causadas por não-religiosos? (ex. neo-ateus denunciam a pedofilia apenas se for cometida por padres e pastores, mas isso é uma crueldade terrível com as vítimas de pedofilia de outras profissões, pois tira o foco das denúncias dos outros – assim, a denúncia a crimes se torna um ato político, não uma manifestação de criaturas empáticas)

      E daí por diante…

      Este tipo de agenda te coloca numa posição de ataque, forçando-os a se defender.

      Abs,

      LH

      • Luciano,

        entendi perfeitamente, tanto que o próprio local do debate foi um post mentiroso no G+, com aqueles chavões de sempre, dizendo que a Bíblia incentiva preconceitos atrocidades e blá,blá, blá…
        E lá no post, um determinado cidadão citou um texto fora do contexto (novidade né? rsrss) dizendo que o livro incentiva o canibalismo. Foi fácil refutá-lo, inclusive provei erro metodológico, interpretação ridícula, descontextualização, várias falácias cometidas, como a do espantalho, do jogo de xadrez com papagaio e o Non sequitur. O problema foi que essa gente como sempre, parece que vive em outra realidade, é o famoso “discordo e/ou ignoro, logo estou certo”. É exatamente o que o Conde disse sobre a vitória de Pirro: http://www.youtube.com/watch?v=rv9JWxuFy1k

        Foi exatamente o que você disse, é como por exemplo o elemento surpresa, por exemplo num assalto á mão aramada onde o meliante já começa essa vantagem.
        Resumindo, o correto é colocarmos em prática o que os antigos já diziam: “Enquanto eles vem com a farinha eu já venho com o bolo pronto”!

        Mais uma vez muito obrigado! Já estou lendo e estudando o texto e os pontos citados por você!
        Obrigado e estou a disposição para qualquer apoio caso seja necessário!

        Tenha uma ótima semana!

Deixe uma resposta