Valentões tentam briga desigual e o inesperado acontece… e como isso pode ser útil para entender a sedução do esquerdismo?

29
139

Older student bullying and taking money from younger student

O vídeo que veremos ao final deste post possui três perfis de atores básicos: um garoto mais fraco, dois marmanjos que praticam bullying contra o primeiro, e um brutamontes maior que os dois anteriores, acabando com a festa e salvando o garoto mais fraco.

Embora o conteúdo dos 22 segundos da cena seja interessante por si só (pelo desfecho da cena), o mais interessante é avaliarmos as sensações evocadas pelo vídeo.

É difícil imaginar aquele que não tenha reagido com satisfação com o ocorrido, exatamente por ter visto um garoto indefeso ser salvo por alguém mais forte. Em suma, é uma cena que quase todos entendem como aquela de lavar a alma.

Nós somos biologicamente programados para nos sentirmos assim em relação aos desfavorecidos. Para todo aquele a ser percebido como desfavorecido, oprimido, injustiçado ou tratado com desigualdade, a reação natural do ser humano é perceber de maneira extremamente positiva aquele que surge para salvar os mais fracos.

O que uma cena de bullying que deu errado tem a ver com o esquerdismo? Absolutamente tudo.

Quando os esquerdistas resolveram criar métodos para obter poder a partir do inchaço estatal, capricharam na confecção de discursos (um mais fraudulento que o outro) de modo a serem percebidos como aqueles a protegerem os oprimidos dos opressores. Em suma, eles criavam conteúdo para evocarem o mesmo tipo de sensação em seus adeptos (e naquela parte da população influenciada por este discurso) que muitos tem em relação a este vídeo.

Por essa ótica, o esquerdismo não é uma forma de ver a política, mas um recurso psicológico desonesto usado por pessoas ávidas por poder para enganar incautos.

Se relembrarmos o que diz David Horowitz no sexto (e último) princípio da arte da guerra política, devemos saber que a “vitória está do lado do povo”. Quer dizer, devemos reconhecer que enquanto não falarmos para os oprimidos e os desfavorecidos, não temos um discurso político efetivo. Entretanto, se todas as vezes em que a esquerda “fala ao oprimido” está mentindo, podemos fazer o mesmo, falando ao mesmo público, mas dizendo a verdade.

E quais são os oprimidos causados pela esquerda? Pense em toda uma população que compra produtos caríssimos, por causa da alta taxação. Pense também em todos aqueles cidadãos humildes que são vítimas de criminosos violentos. Ou todos aqueles cujas crianças possuem suas vidas devastadas por uma educação de latrina (mérito de Paulo Freire e Antonio Gramsci), deixando de ter oportunidades na vida por causa disso.

De acordo com a arte da guerra política, devemos formatar nossas ideias de modo que consigamos mostrar a verdade: ninguém é mais opressor dos desfavorecidos que os esquerdistas. Enfim, devemos causar o mesmo tipo de sensação enquanto lançamos nossas propostas políticas e críticas ao esquerdismo do que aquela vista durante o vídeo.

Em síntese, aquela sensação que os esquerdistas buscam nas pessoas enquanto estão mentindo, devemos buscar enquanto falamos a verdade.

Anúncios

29 COMMENTS

  1. Não tenho a menor dúvida que o que é dito neste “post” é a mais pura expressão da verdade. Mas, me parece que a direita ainda não aprendeu esta lição. Ainda prefere os argumentos técnicos, de difícil compreensão do povo comum, como teorias econômicas.

    O mais recente exemplo que me vem a mente é a demonização maciça empreendida nos pultimos dias pelas esquerdas contra o movimento militar de 1964, a qual foi endossada, salvo raras e honrosas exceções, por praticamente toda a grande mídia. À exceção de alguns militares da velha guarda e de uns poucos comentaristas e blogueiros, ninguém apareceu para defender o movimento que, embora tenha sido desviado de seus objetivos declaradamente democráticos para a arbitrariedade, de fato salvou o Brasil de uma ditadura muito mais cruel e sanguinária.

    Ninguém contra-argumenta apresentando os fatos relacionados ao que estava acontecendo no Brasil no período que antecedeu 31 de março de 1964. Ninguém mostra como os índices econômicos de antes e depois do movimento militar, tornaram melhor a vida para o povo comum.

    Ninguém, sequer se levanta para provar com números o maciço apoio popular ao governo militar, como, por exemplo, a ovação recebida por Emílio Garrastazu Médici por ocasião da inauguração do Morumbi e registrada em crônica de Nelson Rodrigues.

    Nenhum grande jornal ou canal de televisão colocou claro que os únicos que detestaram a intervenção militar em 1964, foram os derrotados por ela em suas pretensões de terem sua própria ditadura.

    Obviamente não apoio nenhuma ditadura por isso também sou contra esse movimento de pedir a volta dos militares. A história prova que isso é abrir a caixa de Pandora. Ninguém pode prever como acabará. Mas me irrita profundamente ver toda a imprensa empenhada covardemetne em destruir a imagem e os feitos da Revolução perante a opinão pública, sem que nenhuma voz se levante para provar que as coisas não aconteceram bem assim.

    Em minha opinião, ao se omitir em defender com fatos e dados a revolução de 1964, a direita não só perde, mais uma vez, uma excelente oportunidade de se consolidar junto ao povo como uma alternativa melhor do que essa esquerda que aí está, bem como cede espaço a mais este bullying esquerdista.

  2. Fiquei imaginando um esquerdista comentando este vídeo. Considerando o fato de que esquerdistas adoram defender o crime e a bandidagem, provavelmente ele iria defender o valentão que bateu num mais fraco, mais que levou uma “banda” e um “cascudo” do “grandão opressor”.

  3. Amei a atitude do cidadão de camisa azul. Meu irmão também é assim. Uma vez, ele estava a caminho da padaria quando viu um rapaz cretino apertar os seios de uma menina que ficou super constrangida. Ele não teve dúvidas: cerrou o punho e mandou um direto na cara do safado. Ele não entendeu nada, deve ter ficado com medo e foi embora. KKKKKKK

    • Ah, mas pelo menos somos campeões em muita coisa! Em número de assassinatos, em péssima distribuição de renda, estupro de crianças e adolescentes. Chi! A lista é enorme.

  4. Esse é um dos pontos fundamentais que tenho insistido.O povo não compreende como os discursos,ou os métodos, esquerdistas em geral, podem limitar e deformar uma visão de mundo, e, com isso ,empobrecer-financeira,moral,e espiritualmente- e destruir toda uma sociedade.Muitos economistas e liberais, são contra a promulgação da guerra de classes promovida pela esquerda, ao mesmo tempo em que dificultam ou ocultam da população-propositalmente ou não- a compreensão da economia, através dos termos técnicos e dos jargões.
    Muitos são os que são contra a estratégia das guerras de classes, mas à alimentam querendo fazer-se parecer de uma classe supostamente superior.
    Num país relativamente pobre como o Brasil- principalmente,culturalmente-,essa é a receita de fracasso para qualquer candidato ou movimento da dimensão e da esfera política.
    As diferenças de classes sempre existirão,e as hierarquias (de qualquer natureza) são necessárias para a manutenção das estruturas-mas não à pobreza.
    “E quais são os oprimidos causados pela esquerda?”É exatamente isso que deve ser exposto,de uma forma contínua e cada vez mais simples e profunda,até atingir as camadas mais pobres da sociedade.

    • A Gangue do Lula precisa arranjar desculpas para sua incompetência administrativa (em corrupção a gang é ótima). Botar a culpa em oustros é mais fácil que justificar o próprio fracasso.

  5. Ion Gavrila Ogoranu, romeno que lutou contra o regime de ceausescu, explica como evitou ser capturado pela securitate(agência de inteligência romeno)

  6. Bom vídeo e texto melhor ainda! Além de mostrar a base de toda atuação esquerdista (que também pode ser vista nesse outro excelente texto), também adverte sobre quais os fatores que nós devemos adotar para criarmos de fato uma conscientização popular do que realmente é o esquerdismo.

    Bata mais vezes nessa tecla Luciano, pois essa assertividade na hora de falar para as pessoas sobre os perigos do esquerdismo ainda está em falta em boa parte da direita.

    Aliás, o autor da página “Meu professor de História mentiu pra mim” também já escreveu um ótimo texto sobre como conscientizar a população a respeito do risco que ela corre com esse governo atual. Para quem não viu: https://www.facebook.com/MeuProfessorDeHistoriaMentiuPraMim/posts/364373087036210?stream_ref=10

  7. Outro excelente post desmascarando o “dito jornalismo isento” :

    Imprensa Golpista 10 – Existe amor entre a Folha de SP e Haddad
    http://reaconaria.org/blog/reacablog/imprensa-golpista-10-existe-amor-entre-a-folha-de-sp-e-haddad/

    Este tipo de truque/fraude faz um estrago considerável na parcela da sociedade “sem posicionamento político”, pois acaba vendendo um produto (candidato, partido ou pauta da esquerda) embalado como jornalismo.

    Temos que combater neste campo também.

    Abs,

  8. Deve ter dado uma raiva danada nos esquerdopatas o hasteamento da Bandeira do Brasil, e ainda cantaram o Hino nacional.

    Nacionalhttps://www.youtube.com/watch?v=BrxRmqn-MgM

  9. kkkk bem feito!tentativa de bullying fail,eu bem que gostaria que tivessem me defendido desse jeito também quando vinham os valentoes praticar bullying comigo quando eu estudava no cólegio e era indefeso 🙁

Deixe uma resposta