Como um entrevistado de direita poderia vencer a mendacidade doentia de Rafinha Bastos?

93
149

rafinha

Rafinha Bastos é aquela típica figura vítima de bullying que molda para si próprio um comportamento desprezível para compensar seu antigo sofrimento.

Vítima de algumas campanhas asquerosas de politicamente corretos no passado, ele próprio hoje se tornou um esquerdista dos mais desonestos em termos intelectuais. Tanto que em seu programa Agora é Tarde na última terça-feira, 8/4, ele demonstrou tanta sordidez que seu convidado Bolsonaro não foi capaz de reverter a maioria dos frames.

Um amigo me perguntou: o que Bolsonaro poderia ter feito? Eu defendo que para adentrar na guerra política, especialmente quando nos defrontamos com mentirosos do nível de psicopatas, é preciso dominar a arte do controle de frame.

Para isso, é preciso entender que a comunicação com nossos adversários políticos da esquerda não se baseia principalmente na estrutura superficial da comunicação, mas na estrutura profunda. Em suma, toda e qualquer ação que eles cometem é estrategicamente planejada para causar efeitos psicológicos, especialmente para dificultar a auto-defesa humana contra embustes.

A regra mais fundamental que Bolsonaro deveria ter seguido é, antes de tudo, compreender que não há comunicação com esquerdista sem que este tenha segundas intenções. A partir dessas segundas intenções, a resposta deve neutralizar essas intenções.

É preciso, logo à partida, entender qual o sentido de toda e qualquer comunicação esquerdista. Como ele vive para dar poder aos burocratas do estado inchado, sempre tentará atacar aqueles que se opõem a este estado inchado. A partir daí, todo discurso que ele fizer será para criar frames para convencer o máximo de pessoas da plateia de que seu opositor da direita é cruel, insensível e coisas do tipo. Enfim, dentro de qualquer interação política, o esquerdista não entende a linguagem como uma ferramenta, mas uma arma.

Se você compreender o que está principalmente na estrutura profunda de toda e qualquer mensagem emitida pelo esquerdista, conseguirá reagir a elas, pois simplesmente precisará devolver o mesmo conteúdo, com muito mais embasamento, em direção ao oponente.

Pensar a comunicação desta forma muda quase por completo a visão que o senso comum tem da linguagem. Isso por que nós buscamos não apenas rebater as mensagens oponentes, mas neutralizar os ataques que estão contidos algumas vezes na estrutura superficial e na maioria dos casos na estrutura profunda. Para facilitar o didatismo, chamarei o conteúdo que está na estrutura profunda de conteúdo sub-comunicado.

Diante desse paradigma, vamos analisar como ocorreu a batalha política entre o esquerdista Rafinha Bastos e o conservador de centro Jair Bolsonaro no programa do primeiro. (O vídeo está no final desta mensagem)

00:10 – Marcelo Mansfield, ao apresentar a entrevista de Bolsonaro, disse que nem sabia o entrevistado, pois “não tinha lido o texto”. Mensagem sub-comunicada: “Bolsonaro é desprezível”. É preciso de muita habilidade para rebater esse tipo de ataque, portanto neste caso vamos deixar pra lá.

00:24 – A banda começa a tocar a música tema de Darth Vader na série Star Wars. Mensagem sub-comunicada: “Bolsonaro é uma pessoa má”. Novamente, aqui temos uma técnica de ridicularização, que normalmente não deve ser rebatida diretamente. Não há boas respostas para o ridículo.

1:00 – Rafinha tenta um frame que repetirá várias outras vezes na entrevista. Dizer que “Bolsonaro está preocupado com o rabo dos outros”. É um truque que os gayzistas dizem para dizer que o oponente é  hipócrita, além de rotulá-lo como homossexual, o que possui efeitos negativos em termos de dinâmica social. Todas essas mensagens poderiam ser retrucadas com a técnica da ridicularização, fazendo uso de várias comparações como: “Se for assim na sua lógica retardada, todos os que são contra alguma coisa, são essa coisa. Por exemplo, sua mania de me criticar mostra que você quer ser eu, lá no fundo. Essa técnica tua só engana crianças.” Enfim, o truque freudianista pode ser submetido a várias formas de ridicularização.

2:15 – Quando Rafinha Bastos perguntou “Quando você vê essa imagem, não dá um pouco de vergonha?”, a mensagem sub-comunicada é a de que o oponente diz e age de forma vergonhosa. Bolsonaro deveria ter rebatido da seguinte forma: “Quando você disse que queria estuprar o bebê da Wanessa, ficou com vergonha? Isso sim deveria ser motivo de vergonha. Já chamar uma idiota pelo que ela realmente é não deveria envergonhar ninguém”. Rafinha não teria como revidar isso adequadamente. Mas se Rafinha tentasse, cada vez mais poderia ser humilhado. Assim como no caso anterior, uma oportunidade de ouro não aproveitada por Bolsonaro.

2:57 – Rafinha até aqui usou várias instâncias de encenações dizendo coisas como “convenhamos”, que é a tentativa de sub-comunicar para a plateia a ideia de que ele pensa e julga a questão com sobriedade, enquanto o oponente não. Para neutralizar essa sub-comunicação, Bolsonaro deveria ter feito exatamente o mesmo: “Convenhamos, você sabe que ficar fingindo espanto diante de algo que não foi ofensivo é algo que não engana mais ninguém, certo?”.

3:09 – Veja quando Rafinha diz: “Chamar um ser humano de idiota não é demais?”. Novamente, Rafinha tenta sub-comunicar que o oponente “não é razoável e desrespeitoso com o ser humano”. Aqui, novamente Bolsonaro poderia ter jogado na cara de Rafinha aquilo que ele falou do filho de Wanessa Camargo. Ou mesmo quando ele disse que Roberto Carlos tinha “cara de cu”. Eis uma frase de retaliação que colocaria Rafinha em seu devido lugar: “Olha que no seu DVD de stand-up eu posso achar coisas muito mais fortes do que ‘idiota’. Ficar fingindo que chamar alguém de ‘idiota’ é exagero é no mínimo ridículo para alguém com sua carreira…”

5:35 – Até aqui Bolsonaro se defendeu muito da questão “da ditadura”. Deveria ter gastado um tempo denunciando os genocídios no Cambodja, Rússia e China e desafiar Rafinha Bastos para que ele apresentasse provas de que criticou estes regimes de forma tão dura quanto atacou o regime militar brasileiro. Nisso, ele poderia ter sub-comunicado que Rafinha é praticamente um monstro moral, além de alguém desprovido de qualquer senso de proporções.

6:27 – Aqui Rafinha pergunta: “Você acha que a presidenta está mentindo?”, fazendo o tradicional truque da simulação de falso espanto. Com a mesma sensação de espanto, Bolsonaro deveria ter respondido: “E você acha que a presidente está falando a verdade?”.

7:18 – Quando Rafinha disse “Já sei que o senhor apoia a ditadura” quis sub-comunicar que ele representa a democracia e seu oponente a ditadura. Bolsonaro poderia ter retrucado dizendo: “Exatamente por ser contra ditaduras, que mataram milhões (como os socialistas), eu apoiei o regime militar, que foi uma ditadura muito mais branda dos que a dos socialistas”.

8:04 – Quando Rafinha pegou a imagem de Bolsonaro sozinho soltando fogos pela ditadura militar, fingiu ter pena do inimigo, perguntando: “Você não se sente sozinho?”. Um bom revide seria: “Eu fui sozinho e não buscava plateia. É diferente do teu caso, que busca audiência mas deve se sentir sozinho com menos audiência que os outros talk shows? Por exemplo, você teve que comer baratas em troca de audiência. Como você se sente?”.

9:16 – Rafinha diz que se Bolsonaro conseguir convencer mais pessoas poderá transformar o Brasil quase “numa Alemanha Nazista”. A resposta de Bolsonaro não foi ruim, mas poderia ser complementada citando a Lei de Godwin, dizendo que normalmente quem cita o nazismo de forma descabida, com fez Rafinha, é por que já está sem argumentos. Comparações do nazismo com o marxismo também seriam muito bem-vindas.

11:00 – Quando Rafinha disse “Fumei [maconha] antes de entrevistar o senhor”, poderia ter sido retrucado com: “Agora entende-se por que você está tão histérico para defender a escória do PT. Droga por droga…”.

12:00 – Aqui é uma série de tweets de baixo nível que Rafinha usou para ofender Bolsonaro. A melhor resposta, nesse caso, seria dizer: “Esse é o nível da argumentação que o Rafinha endossa. Há alguns minutos ele dizia que chamar alguém de ‘idiota’ era muito forte. Agora parte para isso. [Para a platéia] Entendem o que é hipocrisia de esquerdista?”

14:00 – A partir daqui, momentos dantescos onde Bolsonaro tem um péssimo desempenho. Rafinha aqui usou aquele tal comediante afrescalhado que imita a Dilma para ofender Bolsonaro, que ficou sem reação. Esse tipo de bloqueio ocorre quando alguém não está preparado para o pior. Esse é o problema de grande parte da direita: não entende o quanto o adversário é vil e baixo. Por isso, ele ficou sem resposta. Mas se estivesse ciente de que se defrontava com pessoas do nível da psicopatia, poderia ter rebatido os frames do imitador de Dilma. Por exemplo, quando o comediante disse que “Bolsonaro era cruel com os gays”, devia ter rebatido mostrando que “Dilma é cruel com os heterossexuais, pois quer forçar os pais de alunos que não são gays a financiarem uma educação com Kit Gay”.

17:12 – Nesta parte do programa, Rafinha tenta mostrar Bolsonaro como um “antiquado”, dizendo que em um mundo “cabeça aberta” as pessoas já aceitam a homossexualidade como normal. Para rebater este frame, a melhor coisa seria falar da psicologia evolutiva e mostrar que biologicamente todas as espécies (incluindo a humana) são programadas para transferir seus genes para frente. Ele poderia concluir dizendo: “Antiquado é quem se recusa a estudar cientificamente o assunto, pois pessoas de cabeça aberta saberiam que é previsível que nossa espécie prefira ter filhos heterossexuais, para aumentar a chance de transferência dos genes para frente. Dica: estudar!”. Com isso, Bolsonaro teria sub-comunicado a mensagem de que o frame “antiquado” é mais digno de Rafinha do que dele.

17:25 – Rafinha diz que os gays “são os mais bem educados do mundo”. Aqui, o ceticismo puro já resolveria para neutralizá-lo: “Tem como provar?”.

17:50 – Quando Rafinha diz que “afirmar que um pai heterossexual não quer que o filho seja gay é uma ignorância”, o revide deveria ser mostrando que é uma “ignorância não saber o básico de Biologia para entender por que os animais humanos preferem ter filhos heterossexuais”.

18:20 – Rafinha aqui tenta o truque coringa dos gayzistas: chamar o oponente de homofóbico. A regra para o revide aqui é clara: (1) ridicularizar a tentativa, (2) dizer o quanto é imoral banalizar o termo homofobia para fazer política rasteira.

18:24 – Logo em seguida, Rafinha diz que “preferir filhos heterossexuais gera violência contra o homossexual”, em um dos truques mais sujos inventados pelos gayzistas. Aí é que Bolsonaro deveria soltar a voz e falar algo do tipo: “É muito ridículo ver alguém tentar fazer um truque desse tipo. Principalmente se considerarmos um comediante que foi importunado pela turma do politicamente correto fazer isso é vergonhoso demais. Você não é capaz de provar que é esse tipo de crítica que causa a violência contra os homossexuais. Alias, grande parte da violência contra os homossexuais é causada por parceiros gays deles. Seu argumento é mais furado que peneira. Você também acha que piadas contra gays causam violência contra eles?”. Dependendo da resposta de Rafinha, ele poderia ser demonstrado ao público como hipócrita e contraditório, dentre outras coisas.

20:30 – A intervenção do sujeito da banda (ao que parece é filho do Antonio Abujamra) tentou colocar Bolsonaro em xeque dizendo que o pai dele foi torturado e era apenas ator. Mas veja a evidência do filho de Abujamra: “ele é meu pai e me contou”. Bolsonaro poderia ter rebatido dizendo: “Os pais também contam aos filhos que Papai Noel existe. Você não precisa acreditar em tudo que seu pai diz, especialmente quando não tem provas do que fala”. Ou seja, o ceticismo seria uma ótima neutralização.

Veja o vídeo e compare a diferença entre o que eu sugeri que Bolsonaro fez e o que ele efetivamente fez (ou seja, quase nada de útil em termos de guerra política):

Pensando bem, se ele seguisse minhas dicas, talvez a pesquisa nem tivesse ido ao ar. Mas quem sabe aqueles que estão do lado de Bolsonaro podem aproveitar as redes sociais para esmagar Rafinha com os revides que o primeiro deveria ter feito?

Anúncios

93 COMMENTS

  1. Luciano, Alexander Dugin, um dos ideológos atuais da Rússia elogiou André Martins, por sua doutrina do Meridionalismo. Parece que ele vai ser uma espécie de Eurasianismo latino-americano e esta proposta parece ser bastante sedutora para os militares. Muito importante ver esse vídeo:

    • Foi meio torturante assistir quase uma hora disso mais aqui vão as observações que eu fiz:

      1- Ele diz que o Brasil não pode ser considerado Ocidental porque temos negros e índios, sendo assim os Estados Unidos também não uma vez que eles possuem também uma alta porcentagem de pessoas negras, índios tem menos mas existem lá também. Ou seja, ela está errado.

      2- India no hemisfério Sul?!?

      3- É inútil querer comparar o PIB do Brasil com os Estados Unidos, é que nem você comprar seu tempo de fazer 100 metros rasos com um corredor profissional… O Brasil tem que começar à fazer reformas para facilitar o crescimento do PIB. Essa idéia de traçar uma meta para o PIB é coisa de socialista; de achar que pode fazer a economia crescer à força com planejamento centralizado, um equívoco. Porém, ele tem razão de que precisamos investir em nossa infra-estrutura como os trens, expandindo a malha ferroviária.

      4- Em termos de ideologia, acho a palavra meia perigosa mas te digo o seguinte: os EUA tinha uma ‘ideologia’ que servia bússola para os americanos, “small government, individual freedom and god fearing people”, havia um consenso na população Americana, esses lemas guiavam o país. À partir do momento em que desviaram disso o país cada vez mais decai. E aqui no Brasil? Qual é o princípio que queremos, que valores guiarão a sociedade? O que é o ‘Brazilian Way of Life’? Que país queremos; um país onde se precisa de 1 ano para registrar uma empresa, pagar 50% de impostos e ter a prosituição e as drogas legalizadas… enfim. Nesse ponto me parece válida a pauta dele.

      5 – Só potencias marítimas podem atacar o Brasil…. meio evidente não é, nenhum país vizinho ou próximo oferece muito perigo… a segunda potência seria o Chile mas nós não temos problemas com eles e seria extremamente complicado para o Chile invadir o Brasil em termos de logística e tem uma população menor.

      6- Investir nas FFAA. Concordo. “O preço da liberdade é a eterna vigilância”. O Iraque foi invadido porque não possuía um exército e equipamentos adequados; o Iraque foi invadido apesar da ONU ter sido contra, ou seja, ONU é bonito no papel. Se um dia os EUA ou a China ou a OTAN resolverem por qualquer motivo atacar o Brasil, estamos sozinhos…

      7- Brasil como potência global (potência para ele não é igual à um país poderoso com uma economia forte e FFAA potente, mas sim um país com essas duas características que vai amordaçando outros, exemplos como a Rússia, China e os EUA) para quê Sr. Martin? Para mandarmos jovens Brasileiros para morrer em outros continentes e gastarmos bilhões em armas…. que burrice!

      • Concordo com boa parte do que voce disse Macuw. Acho inclusive que essas idéias circulam pelas forças armadas e podem estar amansando as forças armadas para as políticas esquerdistas.

  2. Na parte em que o Rafinha BOSTAS ficou todo putinho HISTÉRICO chamando a todo instante o Bolsonaro de ‘homofóbico”, o Bolsonaro deveria ter olhado na cara dele e falado o seguinte; – Ué, mais você não acabou de contar quase agora mesmo uma piada sobre o Romário ter saído com um TRAVISTI???? Detalhe Rafinha, que segundo os militantes GLBT, contar piadas com quem sai com travesti e etc. também é considerado “homofobia”, você que sofreu tanta CENSURA desse povo, deveria saber disso!!!
    Aposto que só isso, já teria quebrado BASTANTE as pernas compridas desse NEW cretino esquerdista rsrsrsrsrs!!!!

  3. Nos tempos 00:10 e 00:24 vocês falaram que no programa tentaram desprezar e ridicularizar o deputado. Ai eu tenho uma dúvida, isso não é a mesma coisa que vcs fizeram no começo do texto falando do rafinha bastos?

    • Ivo,

      De jeito algum. Eu falei os fatos: ele foi atacado pelo politicamente correto, um movimento intelectualmente desonesto e com falhas de caráter gritantes, e hoje se tornou um politicamente correto.

      Abs,

      LH

    • Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Se eu conto verdades sobre o rafinha bostos que servem pra mostrar como ele é um imbecil, isso não é agressão gratuita, é a verdade. Se vc não gosta da verdade, azar o seu. Totalmente diferente de ficar inventando besteiras pra atacar o Bolsonaro, ficar chamando de homofóbico, ficar falando que ele se preocupa com o cu dos outros, ficar botando musiquinha de darth vader…isso é ofensa gratuita do nível de moleques de treze anos de idade

  4. Bolsonaro é um caso perdido, ele não parece disposto a aprender nada de guerra política, está mais interessado em avacalhar, ganhar holofotes em programas da luciana gimenez e outras dessas aberrações, pois sabe que assim obterá muitos votos.

  5. 00:10 – Marcelo Mansfield, ao apresentar a entrevista de Bolsonaro, disse que nem sabia o entrevistado, pois “não tinha lido o texto”. Mensagem sub-comunicada: “Bolsonaro é desprezível”. É preciso de muita habilidade para rebater esse tipo de ataque, portanto neste caso vamos deixar pra lá.

    00:24 – A banda começa a tocar a música tema de Darth Vader na série Star Wars. Mensagem sub-comunicada: “Bolsonaro é uma pessoa má”. Novamente, aqui temos uma técnica de ridicularização, que normalmente não deve ser rebatida diretamente. Não há boas respostas para o ridículo.

    Aprendi muito cedo na vida a rebater os dois ataques supra citados de uma forma bem simples….

    Quando o adversário inicia um processo de ridicularização contra você, você deve ignorar a ridicularização dele como algo fraco….e partir para a ridicularização nível HARD EXTREME…..com nível cavalares de inteligência na ridicularização….inclusive usar a ridicularização que o oponente lançou contra você, contra ele em retorno (inversão) — é a chave para desmoralizá-lo.

    é como brincar de cubo mágico — ele te dá o cubo bagunçado, você remonta o cubo, bagunça e entrega devolta para ele. A mesma técnica pode também ser usada em argumentação — em debates sérios (quando o adversário vale a pena — nesse caso sem ridicularização).

    00: 10 – Por exemplo no caso de Marcelo Mansfield — o que ele apresentou como “desprezo”, bolsonaro poderia ter reconvertido em “Incompetência”:
    “Pois é, esses dias eu despedi um incompetente que não costuma “ler os texots” — mas aqui a incompetência é premiada, não? (em tom de sarcasmo) Fica tranquilo Mainsfield, se perder sua boquinha aqui, ainda poderá ser dependente do Bolsa Família.” — com o adicional de que Mansfield usou de mensagem subentendida, Bolsonaro partiria para o ataque DIRETO E CLARO — mas em um tom de voz branda e irônica — típico desses programas de comédia.(Saber PNL, ajuda um bocado nessas horas).

    00:24 – Na questão da música — a técnica é a do ACEITE E INVERSÃO irônica — Darth Vader — não é um vilão comum — é simplesmente o vilão MAIS TEMIDO e MAIS PODEROSO de toda a saga — responsável pela ascensão do império.
    O fato é que onde Bolsonaro verdadeiramente atua, é uma força a ser considerada — Bolsonaro então agradece o respeito, o temor e o elogio pela sua força.

    MAS PARA BOLSONARO ISTO É IMPOSSÍVEL…..tem que ter SACADA pra esse tipo de situação. Se um amigo meu me perguntasse o que bolsonaro deveria fazer, eu simplesmente responderia:

    – BOLSONARO DEVE DEIXAR DE SER BURRO E IGNORANTE com realação à dialética erística. BOLSONARO NÃO SE AJUDA. Já se lascou inúmeras vezes nesses programas de auditório, servindo apenas de caricatura e espantalho da direita e sparring da esquerda. Não adianta ser um leão contra esquerdistas e um cordeirinho contra àqueles que os promovem

    O lugar do bolsonaro falar e discursar é onde ele controla o frame…NO SENADO….
    fora de lá, ficar se colocando a disposição deste circo televisivo e esquerdista não é demonstração de ingenuidade, mas uma burrice PLENA. Simplesmente porque ficar tomando esculacho de apresentador de talk show, pega até mal para sua carreira política.

    Já Rafinha Bastos…..é a PROSTITUTA de atenção mor, de sempre — tá lá pra tampar o buraco que Danilo Gentili deixou, procurando polêmica pra ver se a audiência sobe. Como a moda é o gayzismo, ele queimará a rosca de forma satírica na televisão para ver se angaria mais seguidores no Twitter.

    • Amigos, desculpem os erros de digitação, pois estou morrendo de sono — Luciano está demorando pra postar os seus textos, e o faz depois da 0:00 — pô luciano….vai dormir….parace um morcego 🙂
      Tá com complexo de batman??? vivendo a boa vida de dia, e fazendo justiça à noite?

      • Aliás, tocar o tema de Darth Vader poderia ser revertido como um tiro no pé. Qualquer fã de quadrinhos e Sci-Fi admira mais os vilões fortes e temíveis do que os mocinhos fracotes. No fim das contas é um elogio ao Bolsonaro!

        De resto, eu acho que o Bolsonaro deveria ter partido para a piada pura e simples. Se você tenta levar o cara a sério, certamente será achincalhado. Ele não é um piadista? Aja como um na frente dele!

        Nisso, as ridicularizações seriam naturais. O cara fala “eu nem li o texto”, responde “é, cê tem que deixar de contratar incompetentes, isso vai falir seu programa – opa, ele já está falido…”.

        Ou na parte do idiota “Se chamar de idiota é muito, então fazer piada de preto e de grávida deve ser pouco, né? O que a Marcha das Vadias acha de você comendo a Wanessa Camargo?”

  6. Ótimo texto Ayan, eu acho que ele só deveria ter ido falar com aquele cretino se antes tivesse o consultado e pedisse dicas, assim como ele foi, despreparado, não valeu nada!

  7. Luciano, vamos lá. Sua análise foi técnica! Perfeita, como de costume. Porém, lembre-se: toda mensagem tem como alvo um público. Agora eu te pergunto: o público de Rafinha Bastos entende ao menos 10% da mensagem subliminar da qual você fala? Eu arrisco: de modo algum. E digo mais: dificilmente o público criou ojeriza pelo deputado. E digo ainda: Bolsonaro se virou muito bem na entrevista, ele manteve o tom de sempre e, creio, era isso que o público de Bolsonaro esperava. De 0 a 10 eu daria 9,5 para Bolsonaro durante a entrevista. Ele fez inclusive Rafinha Bastos dizer que é CONTRA o que propõe o PL 122. Luciano, imagina como seria essa entrevista se Bolsonaro fizesse tudo o que você falou. Seria horrível! Ele mostraria uma antipatia para o público. Ora… Ele se saiu muito bem, foi aplaudido no final. Por que dei 9,5? Porque ele não soube pedir desculpas. E isso seria uma oportunidade de humanizá-lo, só. Mas, de resto… Ora, Luciano! Ele foi muito, muito bem! Você não pode virar um tecnicista… Se Bolsonaro seguisse o roteiro que você deu ele teria feito de Rafinha um inimigo! E não é disso que ele precisa. Me permita: na prática, a teoria é outra.

    • cesar paulo. o luciano deu ótimas respostas. se vc achou elas antipáticas, bastaria colocar um sorriso no rosto e adaptá-las para um ambiente de comédia.
      e vc está enganado ao pensar q o povo veria respostas assertivas com maus olhos. pelo contrário, só engrandeceria a reputação de bolsonaro.
      e quem perdeu a linha foi o rafinha.

    • Agora eu te pergunto: o público de Rafinha Bastos entende ao menos 10% da mensagem subliminar da qual você fala? Eu arrisco: de modo algum.

      Mas essa é toda beleza da linguagem subliminar — não é necessário que a pessoa entenda, pois o aceite da idéia….a comunicação da mensagem…. ocorre em meio incosciente…A repetição da mensagem vai se afixando no incosciente até que a pessoa reproduz o comportamento desejado no consciente.

      Mesmo que Bolsonaro aplicasse as idéias expostas aqui, você deve considerar que a presença física, expressões faciais, tom de voz e gestos tem maior peso nessas situações….se bolsonaro soubesse utilizá-los em conjunto (as idéias, e a maneira de expressá-las) todo ataque que fizesse às idéias de Rafinha passariam como uma simples tiração de sarro em programa de entrevista humorística…
      mas ainda assim a mensagem estaria lá — em cada palavra, gesto e expressão.

      Mas o que ocorreu é o exato inverso.
      Bolsonaro pode ter sido aplaudido no final (como é de praxe em programas desse tipo) — mas ele foi ridicularizado, e as idéias dos adversário são as que prevaleceram no incosciente da platéia.

  8. O programa dele já tem uma audiência pífia, é naturalmente odiado pelos esquerdistas e é uma cópia sem carisma do seu antecessor. Quando rolar a “democratização da mídia” (no qual Jair Bolsonaro é um dos poucos que tem lutado contra) existe a grande possibilidade dele ser o primeiro a ser sacado fora. Pessoas com o mesmo gênio do Rafinha Bastos estão lotadas na nossa direita “chique”, que não sabe fazer uma saudável distinção entre quem é inimigo ou aliado e que tem como meta primária: A busca pela aprovação alheia (principalmente de esquerdistas).

    Não dá para monetizar com “humor politicamente incorreto” ao mesmo tempo em que se tenta puxar uma sardinha para os cães que estão querendo te morder. Na situação em que o Brasil se encontra, o jogo politico-social dele é uma corda bamba, e ele pode cair justamente por falta de prudência.

    Prudencia na qual, o Rodrigo Constantino já tem mostrado em seus textos:
    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/democracia/o-exercito-de-um-homem-so-ou-por-que-jair-bolsonaro-deve-ser-defendido/

  9. A mesma coisa que confere força a Bolsonaro, também lhe confere fraqueza. Ele não raciocina antes de falar. Em um discurso isso pode funcionar porque demonstra assertividade e firmeza. Como a maioria das coisas que ele diz fazem parte do senso comum, sua assertividade faz com que a plateia entre em sintonia com o discurso. Mas num debate ou numa entrevista, principalmente com um interlocutor ardiloso, a coisa muda de figura. É preciso saber raciocinar e ler as intenções do interlocutor antes de preparar a resposta. Tal tarefa exige preparo e não me parece que Bolsonaro teria, a essas alturas da vida, humildade para isso.

  10. Texto escrito é diferente de programa “ao vivo”. Já rola uma pressão natural do ambiente, o entrevistador já sai ganhando uma vantagem na disputa. Que pena que Jair Bolsonar não tinha na ponta da língua as respostas que você, brilhentemente, pôde elaborar com calma.

    • Bruno,

      Eu concordo que no texto eu pude elaborar com calma. Mas também é parte do meu DNA pensar automaticamente naquilo que o oponente está sub-comunicando. Eu acho que eu não conseguiria sair com todas as respostas ao vivo como fiz no texto.

      Entretanto, essas com certeza eu acertaria de primeira:

      – qualquer rotina gayzista
      – qualquer truque de imputar nazismo a quem é de direita
      – qualquer falácia do tipo “eu acredito por que meu pai me contou” (aí é só questionamento cético, como disse)
      – qualquer jogo de encenação dizendo “como você pode dizer que dilma mentiuuuu?”
      – qualquer rotina dizendo que alguém é “antiquado”

      E daí por diante.

      Abs.

      LH

      • Valeu, Luciano. Mas duvido que Rafinha o convide para seu programa, que ele é um idiota, mas não é trouxa. Bolsonaro realmente caiu em algumas das armadilhas pueris desse povinho dono do monopólio das virtudes. Talvez agora ele passe a frequentar o seu blog para aprender um pouco sobre retórica. Abs! 🙂

  11. Caro Luciano.
    A partir do momento que descobri seu site fiquei fascinado. Suas colocações são ótimas para entender o confronto político.
    Assisti ao programa e vi como o despreparo custa caro. Se do jeito que estão as coisas o sujeito não consegue nem rebater isso, imagina como seria se o governo fosse bom(eu sei utópico ^^).
    Você deveria participar do Lobão Entrevista(youtube/site) certamente(gostaria de uma avaliação sua das entrevistas realizadas, seria ótimo vê-lo com Lobão e Olavo).

    Abraços

  12. Qaundo entrou “dilma bolada” eu parei de ver por vergonha alheia (do Rafinha, claro) Mas até quele ponto achei que bolsonaro mandou super bem, se esquivando, do jeito que sabe, das tramóias e “frames” do patético Rafinha Bastos.
    Ô sujeitinho sem talento!

  13. na hora q marcelo mansfield disse que não sabia quem era o entrevistado, bolsonaro deveria responder em tom bem humorado: o cara que apresenta a entrevista não sabe nem quem é o entrevistado? ou seria mal de alzheimer? kkkkkkkkk (dando aquela risada característica dele).

    • Ele devia era ter dito pro Rafinha “o seu ajudante está muito desinformado e não fez o dever de casa, vai ver foi por isso que o Danilo foi embora e ele ficou pra trás”.

  14. quando a banda começasse a tocar a música tema de Darth Vader, bolsonaro deveria ter fritado assim:
    calma aí que o entrevistado de hoje não é a dilma. kkkkkk… mas tudo bem, eu sei q vcs são nerds, mesmo. então tá perdoado. kkk…

  15. quando rafinha dissesse q bolsonaro está preocupado com o rabo dos outros, ele podia ter respondido:
    olha, quem passa o dia pensando em rabo são aqueles q dão e comem rabo. da minha parte, eu só quero proteger o rabo das nossas crianças de pedófilos.
    (isso arrancaria aplausos da platéia e fritaria o rafinha bostas).

  16. quando perguntou “quando você vê essa imagem, não dá um pouco de vergonha?”
    bolsonaro poderia dizer: sim, vergonha alheia. kkkkkkkkkkkk xD

  17. rafinha diz: “chamar um ser humano de idiota não é demais?”
    eu diria: que pergunta idiota! se o ser humano for idiota, o q seria demais é chamar ele de gênio!

    obs: sempre num tom descontraído e bem humorado. 😀

  18. “você acha que a presidenta está mentindo?”
    responderia: dilma do PT mentindo? q absurdo! todo mundo sabe q a turma do PT nunca mente. = )

  19. Eu até gostava do Rafinha, até esta entrevista onde ele se mostrou um esquerdista, psicopata como todo comunista. O ataque dele ao Jair Bolsonaro foi absurdamente ofensivo e desprezível. Acho que todos os que lutam contra essa corja comunista deveriam contratar os serviços de um bom psiquiatra que estuda a mente dos psicopatas para se prepararem para esses embates!!!!

  20. rafinha: “Já sei que o senhor apoia a ditadura”
    resposta: não sabe de nada, bobinho! eu sou contra toda ditadura. mas dos males eu escolho o menor.
    por exemplo, se tratando de piadas, entre a dilma e vc, eu ainda escolho vc. ou seja, escolho as piadas menos piores.
    e entre a ditadura militar e a ditadura cubana, qual vc acha q eu vou escolher? pois é.

  21. pegou a imagem de Bolsonaro sozinho soltando fogos pela ditadura militar, fingiu ter pena do inimigo, perguntando: “Você não se sente sozinho?”. Um bom revide seria: “Eu fui sozinho e não buscava plateia. É diferente do teu caso, que busca audiência mas deve se sentir sozinho com menos audiência que os outros talk shows? Por exemplo, você teve que comer baratas em troca de audiência. Como você se sente?”.

    kkkkkkk… essa resposta do luciano foi fodástica. aliás, todas foram ótimas fritadas, mas essa foi estilo danilo gentilli. xD

  22. rafinha diz que se Bolsonaro conseguir convencer mais pessoas poderá transformar o Brasil quase “numa Alemanha Nazista”.
    resposta: só q no lugar dos campos de concentração eu construiria hospitais e escolas. coisa q o PT não valoriza.

  23. “Fumei [maconha] antes de entrevistar o senhor”, poderia ter sido retrucado com: “Agora entende-se por que você está tão histérico para defender a escória do PT. Droga por droga…”.

    kkkkkkk… luciano standup.

  24. rafinha aqui usou aquele tal comediante afrescalhado que imita a Dilma para ofender Bolsonaro
    resposta: FORA DILMA!
    VAI PRA CUBA Q O PARIU, DILMA!
    DESLIGA ESSE TELEFONE, VIADO!
    E A PETROBRÁS, DILMÃO?
    FILHO DA PUTA É VC, VIADO!
    VÁ TOMAR NO CUBA!
    TÁ APOIANDO O MADURO, NÉ, PILANTRA?
    CADÊ O DINHEIRO Q VC ROUBOU DOS BANCOS?
    E O FORO DE SÃO PAULO. EXPLICA PRA PLATEIA QUE TU FAZ PARTE!
    POSSO MANDAR O RAFINHA PASSAR O VÍDEO DO TEU MARIDO DECLARANDO Q VCS ASSALTAVAM A MÃO ARMADA?
    XÔ, DILMA!
    VC NÃO TEM MORAL, DILMA!
    PT NUNCA MAIS!

    enfim… essa era a chance de soltar vários slogans! o comediante afrescalhado q iria ficar bloqueado e bolsonaro ia sair rindo.

  25. rafinha diz que os gays “são os mais bem educados do mundo”
    resposta: eu vi a educação deles nas passeatas, mijando um na cara do outro e usando crucifixo como supositório.. kkkkkk.

  26. dizendo que em um mundo “cabeça aberta” as pessoas já aceitam a homossexualidade como normal.
    num mundo cu aberto, dar o cu é normal. num mundo cabeça aberta a homossexualidade é natural. o que é artificial é querer que a criançada vire uma geração cu aberto. kkkkkkkk
    maria do rosário quer q a criançada aprenda putaria na escola, mas como diria o lobão: MAS EU NÃO VOU DEIXAR!

  27. “preferir filhos heterossexuais gera violência contra o homossexual”
    resposta: é verdade. não tinha pensado nisso.
    e preferir mulher gera violência contra homem.
    preferir skol gera violência contra a brahma.
    preferir o the noite gera violência contra o agora é tarde.

    • hahahahaha… Excelentes ideias. Esse tipo de coisa deveria ser divulgada em memes, pois sempre que o esquerdista usar a rotina dizendo que “preferir filhos heterossexuais gera violência contra o homossexual” já teremos a ridicularização pronta para rebater.

      Outras opções:
      “Preferir filhos que virem advogados gera violência contra os gerentes de TI”
      “Preferir filhos que façam concurso público gera violência contra os funcionários da iniciativa privada”

      Abs,

      LH

  28. sujeito da banda (ao que parece é filho do Antonio Abujamra) tentou colocar Bolsonaro em xeque dizendo que o pai dele foi torturado e era apenas ator.

    resposta: se fosse na revolução cubana, teu pai seria fuzilado el paredon e vc nem existiria pra contar história.
    mas na ditadura militar teu pai sobreviveu. então prefiro o mal menor. e vc?

    prefiro as respostas do luciano, mas resolvi me testar e colocar as respostas q eu pensaria em falar no lugar de bolsonaro.

  29. Uma pergunta: essas mensagens subliminares são pensadas por quem? É o diretor esquerdista que pensa e treina o apresentador nelas? Ou é o próprio rafinha?

    • As mensagem subliminares sempre fizeram parte de nossas comunicações cotidianas.

      Mas em especial no ramo de publicidade, entretenimento e comédia, são usadas de forma proposital para se obter um efeito comportamental do público alvo.

      Imagino que a coisa toda é montada de acordo com a opinião pública que se tem do entrevistado, e o que o programa planeja explorar para arrancar risos, audiências mesmo que colocando o convidado em uma situação ridicularizante — e enquanto isso subcomunca-se a mensagem pretendida.

  30. Rafinha Bastas confirma que é mais um cooptado pela esquerda! O dinheiro e o prestígio de ter um programa e ser um “formado de opinião” falam mais alto que ter dignidade. Todos sabem que esse programete fuleiro que lhe deram (aliás, ele é só um reles tapa buraco) é sua última oportunidade de ficar na mídia, caso contrário, vai voltar a vender CD ou DVD em praças, com os pombos cagando em cima dele, ou fazer vídeos ridículos para o youtube. Só que, com o marco da internet aprovado, nem vídeos no youtube poderá faze futuramente.

  31. Agora que o Rafinha virou esquerdista ele realmente queria estuprar o bebê da Wanessa. Nada como um dia após o outro pra gente mudar de opinião….

    • Carlos Alberto,

      Eu não mudei de opinião.

      O que eu disse que deveria ser falado era algo usando o recurso “se for assim então”.

      Por exemplo, pelas regras de Rafinha, chamar alguém de idiota é “abominável, execrável”. Se for assim então, dizer que vai estuprar o filho da Wanessa é o que?

      Isso forçaria o Rafinha a se defender. Quando ele se defendesse, poderia ser dito: “Eu não acho que aquilo que você falou é uma abominação. E você não acha que aquilo que eu disse é abominável. Mas se você continuar com esse fingimento, será obrigado a reconhecer que não tem moral alguma para falar de mim. É você que finge indignação contra coisas que não são ofensivas. Não eu.”.

      A ideia desse frame é mostrar a hipocrisia de seu oponente para a plateia. 😉

      Abs,

      LH

  32. ’17:25 – Rafinha diz que os gays “são os mais bem educados do mundo”.’

    Pôxa, mas essa era uma oportunidade muito boa pra mostrar o que esse pessoal realmente é, ele podia ter falado que qualquer um pode ver no youtube como são os protestos desse pessoal, como eles acham bonito ficar duas lésbicas nuas no meio da rua e uma enfiar o crucifixo no cu da outra, ou os viados mijando ou cagando na bíblia, ou aquele pessoal na argentina cuspindo e gritando e sujando de tinta os cristãos que estavam defendendo a igreja de ser depredada pelos feministas/gayzistas, coisas do tipo

  33. Acredito que Bolosnaro não tivesse a intenção de debater com o entrevistador. Apenas deu o recado dele e tão bem dado que, em alguns momentos, o entrevistador partiu para a agredi-lo justamente pelo efeito irradiado pelos comentários do Deputado.

    Mas uma coisa é certa! Não se vai a um programa desse tipo sem conhecer muito bem a linha do entrevistador e, quando é um esquedista, o tipo de fraude que ele costuma empregar para desmoralizar o entrevistado. Acho que faltou esse tipo de preparo a Bolsonaro ou por falha da assessoria dele ou porque não era essa a intenção dele em comparecer ao programa (vencer um debate).

    • Só fico imaginando uma cena, na casa dos Abujamra(estendido a outros lares, onde alguém diz que foi torturado):
      -Papai, você foi realmente torturado?
      -Fui, meu filho.
      -Não está mentindo pra mim não, né?
      -Claro que não meu filho.
      -Aí, que alívio papai…

  34. SE nem eu sei que aquele e o tema do Datrh Vader, garanto que o Bolsonaro sabe menos ainda. E o que aquele prego do Abujamra, que nem tocar sabe esta fazendo na banda? Aqiulo e esquerda caviar ate a medula, mas nao e musico.
    Desculpe a falta de acentos. e parabens pelo artigo!

  35. Esse Rafinha Bastos é um gradissíssimo otário, amoral e preconceituoso, não sei como um imbecil desses possui um programa, vai te catar, trevoso!

  36. Luciano, gostaria de saber a sua opinião, sobre a estratégia de utilizar uma analogia com um objeto inanimado como os carros, para defender o estado enxuto: o chamado downsizing, que é a construção de motores menores, porém mais potentes. Com isso, penso que salientamos a importância de que a eficiência é a mais importante do que o tamanho, logo, para atender as demandas sociais de forma abrangente, não precisamos de um estado inchado, mas sim de um estado EFICIENTE. Isso resultaria em menos gastos com a máquina pública, e mais recursos para investir em melhorias para a população. Att

  37. É fácil analisar fatos com calma e tempo de interpretação dialética e teórica, mas na hora “H” por mais experiente que a pessoa seja, as pressões psicológicas são grandes e às vezes dificultam as respostas à altura das perguntas; mas no geral o certo é que ainda bem que existe alguém que bate de frente com esses esquerdistas, não importa o interesse real da pessoa, mas só em ele abrir espaço para o discurso de oposição à esquerda no mínimo faz com que eu me sinta, ainda, em uma democracia.
    OBS: tem MAV na área, sei que precisamos abrir diálogo e espaço para discussões inteligentes e embasadas mas que é foda estar em um ambiente direitista e ter que ler opiniões cheias de mensagens subliminares esquerdistas, mas eu aviso a vcs pertencentes às MAV, procurem outros sites onde as pessoas são ignorantes e manipuláveis, aqui vcs estão perdendo tempo, se bem que é até legal ver esses comentários para sentirmos na prática as técnicas de ação dos comunas, saímos um pouco da teoria e entramos na prática com exemplos reais, obrigado pelas aulas “queridos esquerdistas”.

  38. Este rafinha bastos e’ um doente, deveria estar internado!!! Um cara que fala que vai comer o bebe da vanessa de camargo, e’ processado e depois vai chorar em tudo quanto e’ programa de entrevistas do pais, e’ um demente!!! O Bolsonaro e’ muito gente boa, nem deveria ter ido a um programa comandado por este doente.

  39. Mesmo que o Bolsonaro tivesse usado isso tudo, o pessoal de lá faria a edição para colocá-lo como monstro (isso vem desde a época do cqc).

    Mas no final das contas o tiro que o Rafinha deu saiu pela culatra.

    Primeiro, ficou claro que aquilo não era uma entrevista, mas sim uma tentativa de atacar a honra do Bolsonaro, desde a “chamada” de Mansfield até a tentativa do músico de associar Bolsonaro a uma pessoa que acha que homossexualismo é doença (neste caso a resposta foi boa.Bolsonaro disse que não achava homossexualidade uma doença mas sim comportamento -o músico calou a boca rapidinho-).

    Segundo, a reação da entrevista na internet está sendo a pior possível para Rafinha.

    Terceiro, a afirmação de Bastos que a parte da maconha foi irônica (ironia sem graça?) só mostra que o próprio usou da desonestidade intelectual para rebater o que o Bolsonaro disse.

    http://entretenimento.r7.com/famosos-e-tv/rafinha-bastos-faz-tipo-e-nunca-fumou-maconha-diz-jornal-11042014

    Bolsonaro poderia ter fechado com chave-de-ouro quando Rafinha disse que ele era uma pessoa que não teve amor.O deputado poderia ter respondido, em forma de pergunta, que amor é esse que o entrevistador recebeu, que precisa ser preenchido com uso da maconha.

    Só lembrando o que aconteceu com o cantor Lobão:

    http://f5.folha.uol.com.br/televisao/2014/03/1422945-band-cortou-declaracoes-polemicas-de-entrevista-de-lobao-no-agora-e-tarde.shtml

    Vindo de uma emissora “independente”:

    http://natelinha.ne10.uol.com.br/noticias/2014/04/08/ordem-para-falar-so-bem-da-copa-do-mundo-gera-revolta-na-band-entenda-73716.php

  40. Mesmo que o Bolsonaro tivesse esse nível de assertividade na “entrevista”, creio que suas respostas não iriam para o ar. O Lobão, por exemplo, em sua participação no programa, se prestou a ouvir essa mesma ladainha e teve suas falas editadas pelo programa.

    Essa entrevista não me surpreendeu em nada, pois a campanha em prol da censura que o Rafinha Bastos fez já disse tudo sobre o caráter desse cara.

    Sabemos que hoje a maior parte da mídia é reservada para aqueles que não desafiam o “sistema”. A política atual é empregar os ignorantes ou os submissos, para os quais a carreira e a “fama” sejam mais importantes do que dizer a verdade.

    O Rafinha até demorou, mas agora abriu de vez as pernas para esse “sistema” atual.

    Enfim, o Rafinha Bastos é só mais uma prostituta que vendeu sua moral por um lugarzinho na mídia.

  41. Oi Luciano, mas será que atacar a imagem do oponente não fica parecendo Ad Hominem?! Tudo o que os esquerdistas fazem é xingar e xingar, e se nós fizermos o mesmo não nos igualamos a eles? O que você acha?

  42. Luciano li seu texto, assisti o vídeo e gostei das idéias. Acho que o princípio das suas idéias é a assertividade e o ataque no sentido que você não deixa passar nada, nenhuma caracterização ou insinuação que lhe mostre como uma pessoa má/errada. Ou seja, se te chamam de homofóbico você tem que ali mesmo na hora reverter a acusação mostrando que seu adversário na verdade quer direitos especiais enquanto você só não quer que crianças sejam expostas à material pornográfico. Para mim a analogia seria como naqueles campos de tiro, o oponente lança aqueles discos (acusações etc) e você tem de derrubá-las ali mesmo e para ‘derrotá-lo’ mandar os discos de volta com mais potência. E claro, saber a hora e a força para ‘devolver’ as patadas, se você está discutindo com um Rafinha Bastos vai sem dó, já com um esquerdista coerente tens que ser mais educado.

    Uma pergunta Luciano, eu me arriscaria à dizer que 50-60% dos brasileiros não entendem bem direita vs esquerda, especialmente o público de retardados que assiste um programa como este ou as meninas que estavam na platéia. Minha pergunta para ti seria: você formulou essas respostas como se você, Luciano Ayan, fosse o telespectador ou como uma anta da plateia ou até uma pessoa que não compreende política?

    Outra, já que o Bolsonaro está na Tv porque o cara não fala diretamente para a câmera e o telespectador? Exemplo:
    “Viu só, você mãe e pai de família que estão nos assistindo, esse sujeito acha que você prefere ter um filho homossexual e eu que sou o louco?!” – “E já que estamos falando desse assunto eu gostaria de deixar uma coisa bem clara” (agora olha para o RB, a plateia e volta à olhar diretamente para câmera) “Eu já ouvi vários comentários ridículos à respeito da minha pessoa como por exemplo de eu ser um homofóbico, racista e até hoje, eu ouvi a acusação mais ridícula de todas; a de que eu seria um Nazista. Primeiro eu gostaria de lembrar ao senhor (RB) que o Nazismo acabou há quase um século então não solte acusações ridículas contra uma pessoa que você nem conhece porque isso é coisa de moleque. Prosseguindo, a minha luta é contra o movimento LGBT que através de alguns deputados tentou, mas eu consegui derrubar temporariamente, implementar um projeto que, usando a desculpa de combater a homofobia, iria distribuir material pornográfico para crianças de 6-8 anos de idade; e eu uso essa palavra, ‘pornografico’, cuidadosamente; não como certas pessoas que usam palavras que pelo jeito nem conhecem (referência ao Nazismo).
    “Aliás, Rafinha, hoje, se eu te der uma surra eu vou preso, certo? E se você fosse gay e eu te surrasse, eu também iria preso. Portanto, hoje, já existem meios para punir quem comete violência contra alguém independentemente do sexo, raça ou da preferência sexual. Esse movimento LGBT, que quer distribuir pornografia para seus filhos (olhando para a câmera) é o mesmo que julga que os homossexuais desse país precisam de leis especiais para eles, como se eles fossem outra classe acima dos demais brasileiros e merecedores de direitos especiais. Sabe qual regime deu direitos especiais para uma grupo de pessoas e privou o direito de outras (olhando RB) o Nazismo, justamente o regime que você erroneamente me acusou de ser simpatizante. Portanto, se você não quiser fazer comentários idiotas como aquela repórter do outro dia, eu sugeria que você lesse mais história, assim como eu sugeri que ela lesse os arquivos do próprio congresso nacional.”
    “Para encerrar esse meu trecho aqui, eu queria falar sobre as acusações de que eu seria racista. Pois bem, primeiro gostaria de dizer que sou muito bem casado com uma mulata e que eu já disse antes, vocês podem procurar as gravações, que caso eu fosse presidente eu seria daltônico, ou seja, todos são iguais. Para mim o que importa é caráter da pessoa, inclusive no meu tempo de EB eu servi com soldados negros e todos nos dávamos muito bem.”

    Deputado Macuw na parada dominando… kkkkkk

    • E claro, saber a hora e a força para ‘devolver’ as patadas, se você está discutindo com um Rafinha Bastos vai sem dó, já com um esquerdista coerente tens que ser mais educado.

      Concordo contigo. Mas minhas sugestões de respostas foram educadas, não?

      Uma pergunta Luciano, eu me arriscaria à dizer que 50-60% dos brasileiros não entendem bem direita vs esquerda, especialmente o público de retardados que assiste um programa como este ou as meninas que estavam na platéia. Minha pergunta para ti seria: você formulou essas respostas como se você, Luciano Ayan, fosse o telespectador ou como uma anta da plateia ou até uma pessoa que não compreende política?

      Na verdade não é preciso que a plateia entenda de política ou mesmo o que é esquerda/direita para que os contra-ataques e ataques funcionem. Por exemplo, você pode tratar as respostas dizendo algo como “esse pessoal que fica dizendo X” ou “pessoas que promovem Y”. Em seguida, é só atacar.

      Outra, já que o Bolsonaro está na Tv porque o cara não fala diretamente para a câmera e o telespectador?

      Ótima ideia.

      • Suas sugestões foram educadas sim. Eu me referia mais no geral; eu vejo umas coisas no Facebook de gente cagando à pau em pessoas que não necessariamente entendem a direita VS esquerda; era mais para os coleguinhas aqui irem com calma com os que não entendem, e com força contra os pilantras 🙂

  43. Na hora que o Rafinha Bastos disse que fumou maconha antes de entrevistar o Bolsonaro, o Bolsonaro devia ter perguntado se tinha dado a bunda também devido a maneira como ele estava defendendo esta bandeira.

    • Ou podia ter levado na brincadeira e falado: ah, mas vc não tem problema em fumar maconha, vc não tem que se preocupar com ela matando seus neurônios porque vc já não tem nenhum!

  44. Esse sujeito sempre foi um bosta. Me admiro do Bolsonaro ter concordado em ir pra esse programa ridículo, não é preciso ser muito inteligente pra notar o que te espera.
    O fato dele quase ter tido a carreira destruída por causa da conversa do estupro lá, não significa nada. A esquerda adora as piadas mais imundas e mais baixas do mundo, contanto que não sejam feitas com algum grupo das minorias ungidas. Ele só deu azar de mecher com quem tinha amigos poderosos, não tem nenhum motivo aí pra se acreditar que ele é menos esquerdista que o resto da mídia comprada.

  45. Isso fez lembrar-me do Roda Viva com o dr. Enéas Carneiro. Não que eu concorde com as ideias desse ilustre cidadão, mas admitamos que o Enéas era um leão na oratória e retórica! Ele fez picadinho dos jornalistas que tentavam inserir determinados frames. Nesse sentido, o cidadão era preparadíssimo!

  46. O Bolsonaro é um político muito corajoso. Mas é muito ingênuo também. Só ultimamente tem aprendido um pouco mais sobre como enfrentar os esquerdopatas. Mas ainda assim dá muitas derrapadas. Qualquer um com um pouquinho mais de sagacidade intelectual colocava esse débil mental desse Rafinha Bastos no lugar dele.

  47. Concordo com quem disse aí que o Bolsonaro é burro. Gosto dele, mas o cara é muito burro. Insiste em defender a ditadura militar, insiste em defender controle estatal de natalidade (que é coisa de comunistinha de quinta categoria)… É muito burraldo. E sempre se coloca em situações de vulnerabilidade. O dia em que ele for bem assessorado, pega um cargo grande no executivo. A população brasileira está ávida por um político conservador daqueles bem old school, mas ele precisa aprender a avacalhar esquerdopatas com propriedade. Acho que é por ele ser militar que ele é tão travado, tão pouco sagaz. Os milicos são muito quadrados, tem dificuldades com a palavra, tem dificuldades com ironia, são péssimos com argumentos. Talvez seja melhor colocar esperança em algum dos filhos dele. Esses não são milicos, tem a cabeça mais arejada, devem ser mais espertinhos.

  48. Prezado Luciano, bom seu texto e suas recomendações.
    Mas tem um problema, você mesmo, rebateria na hora cada afirmação de Rafinha Bastos?
    Não é fácil comentar sobre o ocorrido, recomendando respostas?
    Difícil é ter as respostas na ponta da língua, no momento, sem saber que pergunta lhe será feita. Portanto, quem critica Bolsonaro ou qualquer outro na sua posição, gostaria de saber como reagiria se estivesse no seu lugar. Acho fácil comentar a posteriori.

  49. “00:24 – A banda começa a tocar a música tema de Darth Vader na série Star Wars. Mensagem sub-comunicada: “Bolsonaro é uma pessoa má”.”
    .
    Não, é uma SÁTIRA á diabolização de Como as pessoas vêem bolsonaro e o pinta.
    .
    “1:00 – Rafinha tenta um frame que repetirá várias outras vezes na entrevista. Dizer que “Bolsonaro está preocupado com o rabo dos outros””
    .
    Errado de volta, isso não foi um frame, mas uma DEIXA pro bolsonaro explicar e até eliminar este “reducto ad absurdum” sobre sua opnião política.
    .
    “3:09 – Veja quando Rafinha diz: “Chamar um ser humano de idiota não é demais?””
    .
    Essa critica é muito pueril, as perguntas de rafinha foram tão caricatas e pueris, que eu sempre achei que ele na verdade, estava fazendo as perguntas de modo mais ismples possível, para arrancar ma resposta de bolsonaro. Alguem que não consegue se defender de “Você chamou fulano de bobo, tb chamou o ciclano de idiota” que por favor, se mate.
    .
    “11:00 – Quando Rafinha disse “Fumei [maconha] antes de entrevistar o senhor”, poderia ter sido retrucado com: “Agora entende-se por que você está tão histérico para defender a escória do PT. Droga por droga…”.”
    .
    Eu não acho que bolsonaro deveria em algum momento qualquer ‘atacar’ o Rafinha. Neste caso específico ele deveria ter dito que a maconha que as pessoas compram(é possível apontar a rafiinha neste caso, mas como eu disse, acho desnecesário deixar o ambiente pesado. Não acredito que o Rafinha seja de esquerda…) é que faz as crianças morrerem. Tb éra possível dizer que mais pessoas começaram nas outras drogas pela maconha, do que pelo alcool.
    .
    “17:50 – Quando Rafinha diz que “afirmar que um pai heterossexual não quer que o filho seja gay é uma ignorância””
    .
    Deveria ser rebatido com Dados. Com certeza ja devem existir pesquisas que perguntaram á população se queriam ter filhos gays ou não. Isso é FATO. E é isso que bolsonaro deveria ter dito. Que oque ele disse, não é opnião, é fato, como diz(citar a peskisa-estudo de opnião…)
    .
    RESUMINDO: È isso, bastava o Bolsonaro fazer o café com leite normal.

  50. Foi realmente uma emboscada. Rafinha está decepcionando com esse petisco descarado.
    Esquece do final quano o abujanra quis colocar lenha na fogueira perguntando se o bolsonaro achava que homossexualismo era doença. Ele esperava um sim como resposta mas levou um não. E ficou sem reação. Um absurdo convidar pessoas para serem metralhadas, assim como com o Lobao, que depois ainda foi vingado no Cqc. Que aliás ontem colocou destaque ao lula de novo…. Puxou o saci na Espanha – única equipe de reportagem q apareceu lá. Parque q foi contratada pra fazer cobertura de um evento sem importância.

Deixe uma resposta