Juntando os pontos sobre a censura petista: a mordaça sobre Rachel, o recorde propagandístico de Dilma e a pressa de Franklin Martins

12
132

franklin

Uma dica fundamental para qualquer pessoa que queira se tornar um auditor é desenvolver a arte de “juntar os pontos”. Para seus casos, evidências podem aparecer em vários lugares.  É preciso prestar atenção (e as vezes ser paciente) para obter uma quantidade de provas que surgem aqui e ali.

Neste texto, vamos juntar apenas três pontos, suficientes para demonstrarmos que a ditadura petista ultrapassou todos os parâmetros conhecidos em termos de crime moral.

Ponto 1: O recorde de Dilma em publicidade

Aqui não tem por onde os petistas escaparem. Eles estão torrando cada vez mais dinheiro público em publicidade, como vemos na matéria “Dilma bate recorde em gastos publicitários”, publicada na Folha:

O governo federal gastou R$ 2,3 bilhões para veicular propaganda em 2013. O valor é o maior já registrado desde 2000, quando começou a ser divulgado esse tipo de dado.

Até o atual recorde estabelecido pela presidente Dilma Rousseff, o maior gasto havia sido o de 2009, sob o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com R$ 2,2 bilhões.

Essas informações foram divulgadas nesta semana pela Secretaria de Comunicação Social do Palácio do Planalto. Todos os números foram corrigidos pelo IGPM, da FGV, o indicador mais usado no mercado publicitário.

Em relação ao ano de 2012, o gasto do governo federal com propaganda aumentou 7,4%, acima da inflação oficial do período, que foi de 5,91%, segundo o IPCA, calculado pelo IBGE.

Os valores incluem toda a administração pública direta e indireta. Ou seja, as grandes estatais estão nesse bolo de R$ 2,3 bilhões. Quando são considerados só os órgãos e entidades da administração direta (ministérios e Palácio do Planalto, por exemplo), o total de 2013 foi de R$ 761,4 milhões, também um recorde na última década e meia.

De 2012 para 2013 os gastos totais do governo com pessoal, custeio e investimento subiram 7,2%, já descontada a inflação do período.

Em 2010, ano em que Lula estava interessado em eleger Dilma como sucessora, os gastos da administração federal direta com propaganda foram de R$ 576,7 milhões.

A Secom argumentou por meio de assessoria que “em 2013 o governo federal apresentou novas campanhas de utilidade pública voltadas à prevenção de acidentes de trânsito, de combate ao uso do crack e de lançamento do programa Mais Médicos”.

O governo também justifica o aumento com o fato de que “um terço do crescimento do volume publicitário de 2013 foi puxado pelas ações dos Correios, [empresa] que completou 350 anos em 2013”.

Essa empresa pública foi a que esteve envolvida diretamente no caso do mensalão, escândalo de 2005 e que envolvia o uso de agências publicitárias com contas na administração federal.

Há, dentro do governo, também uma insatisfação com a forma de coleta desses dados. Os valores são aferidos por meio de uma cópia de cada pedido de inserção de anúncio que as agências estão obrigadas a enviar aos veículos de comunicação no momento em que dão a ordem para publicar a propaganda. Às vezes, há cancelamentos.

A Secom acha que os dados “não representam necessariamente gastos efetivamente realizados”. A Folha apurou, entretanto, que as discrepâncias são mínimas.

Os R$ 2,3 bilhões gastos colocam o governo federal na quarta colocação do ranking dos maiores anunciantes brasileiros em 2013. O primeiro lugar ficou com a Unilever (R$ 4,6 bilhões), seguida por Casas Bahia (R$ 3,4 bilhões) e o laboratório Genomma (R$ 2,5 bilhões).

Os dados das empresas são divulgados pelo Ibope, que monitora esses gastos verificando o que é publicado. Há distorção no que é apurado, pois o levantamento considera os preços de tabela dos veículos de mídia -e, nesse mercado, há descontos altos, às vezes superiores a 50%.

Já no caso do que é apurado pelo governo, trata-se de uma cifra muito próxima ao que aconteceu de fato. O valor investido por Dilma supera até a gigante do ramo de bebidas Ambev, que, segundo o Ibope, gastou R$ 1,8 bilhão.

Quando se observa o tipo de veículo preferido pelo governo, a TV ganha com 65% do total. Os meios rádio, jornal, revista e internet ficaram com 7,6%, 7%, 6,3% 6% do bolo, respectivamente. Os anúncios estatais na web tiveram em 2013 aumento de 22% em relação a 2012.

Dilma conseguiu seu recorde: é a campeã em propaganda na história do Brasil. Por que não estou surpreso? Sempre que chegaram ao poder, os socialistas se especializaram em usar o estado inchado a seu favor. Nada mais nada menos que 2,3 bilhões de reais por ano são usados para publicidade estatal.

Por que Dilma está cada vez mais gastando em propaganda? A resposta é óbvia: os casos de corrupção começaram a se avolumar e uma crise está a espreita, especialmente quando estourar a bolha imobiliária. Quando isso ocorrer, será preciso gastar muito mais em propaganda para vender uma falsa imagem do governo.

Mas o que isso tudo tem a ver com censura? Vamos ao próximo ponto…

Ponto 2: A pressa de Franklin Martins

Franklin Martins é definitivamente uma das figuras mais repugnantes da história política nacional. Essa versão brasileira de Goebbels simplesmente não pensa em outra coisa que não em censura. A diferença é que agora ele está desesperado em prol de seu intento, como podemos ver no texto “Franklin: Brasil precisa ‘desesperadamente’ de regulação da mídia”, visto no Brasil 247:

O jornalista Franklin Martins, ex-ministro-chefe da Comunicação Social, voltou a defender a regulamentação da mídia. Ele comparou a “Lei de Meios” da Argentina com a legislação brasileira. “O Brasil precisa desesperadamente de regulação dos meios eletrônicos de comunicação. Mas precisamos da nossa lei, com as nossas características”.

Ele criticou o monopólio dos meios de comunicação na inauguração da nova temporada do programa ‘Aula Pública Opera Mundi’, em parceria com a TV Unesp. “No mundo inteiro, há regulamentação para evitar concentração e manipulação. No Brasil, porém, sempre que se tenta um projeto para debater a questão, os grupos de comunicação dizem que é censura e tentam demonizar o assunto. Isso é só uma tentativa de interditar um tema vital para o país: democratização da mídia”, argumentou Martins.

O programa ‘Aula Pública’ foi veiculado nessa segunda-feira, 14, no canal 45 UHF e também no portal www.tvu.unesp.br. Durante a gravação, Martins revelou preocupação com a dificuldade de promover debates sobre o assunto. “Grupos econômicos satanizam e intimidam quem trabalha pela regulamentação”.

Depois da censura à Rachel Sheherazade, Franklin parece ter sentido o cheiro de sangue e está todo ouriçado.

Assim como a fedorenta Ley de Medios argentina, a demanda inicial de Franklin é manjada: “quebrar o monopólio” das grandes empresas de comunicação. Segundo os petistas, esse monopólio impediria a livre circulação de ideias. O fato é que o tal monopólio jamais existiu, e o público tem várias opções para escolher.

Mas o que está por trás de uma ideia focada em particionar as empresas de comunicação em várias empresas menores?

Simples: o dinheiro estatal usado para propaganda tem mais poder sobre empresas menores. Quer um exemplo? O que seria de mídias como Brasil247 e Conversa Afiada se não fosse o dinheiro estatal? Simplesmente nada.

Quanto maior a empresa, menos ela é vulnerável à chantagem a partir do uso de verbas estatais. Para tornar as empresas mais vulneráveis a essa chantagem, os socialistas demolem o poder das empresas de comunicação, tornando-as submissas ao estado. Essa é a dinâmica.

Alguns poderiam dizer: “Luciano, mas e se anjos descerem na Terra e por trás das intenções do PT passar a existir realmente o interesse do consumidor? Esses anjos garantirão que os petistas jamais usarão o dinheiro para seus interesses”.

O discurso é até bonitinho, mas o fato é que não há evidência de que anjos desçam na Terra para “limpar a mente” dos burocratas petistas (nem de quaisquer outros), e os fatos mostram que as intenções do PT são as piores possíveis. É quando chegamos ao terceiro ponto.

Ponto 3: A censura fascista sobre Rachel Sheherazade como uma prova do que Franklin e Dilma querem

Basta uma navegada por este blog para vermos artigos falando da censura fascista contra Rachel Sheherazade. Depois do que aconteceu com ela, o uso do aparelho estatal para censurar alguém não é mais apenas uma hipótese, mas um fato comprovado a partir de ações tomadas a partir de petistas e seus aliados para censurar a opinião alheia.

A censura de Rachel Sheherazade no SBT foi feita a partir de chantagem, principalmente quando a deputada Jandira Feghali (do PCdoB, lembre-se do nome deste partido) ameaçou publicamente deixar de repassar R$ 150 milhões de reais por ano ao canal. Ou seja, o dinheiro estatal foi usado para chantagear empresas e conseguir implementar a censura de opinião.

O caso da censura sutil aplicada contra Rachel deveria se tornar um caso emblemático, onde temos finalmente uma prova viva de como a censura sutil funciona.

Juntando os pontos

Agora é só partirmos para a análise desses três pontos e prever as próximas reações petistas, bem como entender que tipo de esclarecimento precisamos dar à população para criarmos conscientização pública de que a luta contra a censura deve se tornar uma prioridade, especialmente para nós da direita. Se hoje em dia implementar a censura é uma prioridade para a extrema-esquerda, tentar desamarrar as mordaças e escrachar os censores deveria ser nossa uma de nossas principais iniciativas.

Se Franklin diz que precisa “desesperadamente” implementar suas leis de mídia, ele sabe que os 2,3 bilhões gastos em anúncio por Dilma não estão sendo suficientes para eliminar o contraditório. Ainda existem meios que dão espaço a pessoas como Reinaldo Azevedo, Rodrigo Constantino e Lobão, dentre outros. Mesmo que ainda dominados por esquerdistas, os meios de comunicação (e olhe que em casos raros) as vezes dão espaço para alguém que queira contradizer os petistas.

E com a situação do Brasil cada vez mais complicada, essa grana pode não ser suficiente. Basta olhar com cuidado os casos de corrupção ou ao menos do uso indevido de verbas públicas. Essas notícias de corrupção são divulgadas por serem do interesse do público dessas mídias. Seria preciso de muito mais dinheiro para impedir a divulgação de notícias deste tipo. E quando a Copa surgir e os desastres começarem a acontecer? Quanto custaria o silêncio da mídia sobre esses assuntos?

É claro que o desespero de Franklin é justificável, até por que a censura sobre Rachel Sheherazade não foi tão fácil quando os governistas pensaram. Foi preciso chantagear a emissora com R$ 150 milhões de reais (cerca de 6,5% de todo o dinheiro que o governo tem para gastar) para eles calarem Rachel depois de longos meses em que ela emitiu suas opiniões. E olhem que ela corre o risco de ir para outra emissora! (E sempre lembrando que a ação de chantagem partiu de aliados do governo, usados como testas de ferro. Exemplos: Ivan Valente, do PSOL, e Jandira Feghali, do PCdoB)

O governo, enfim, tem o dinheiro para usar contra seus oponentes, mas por outro lado existem empresas de mídia com tamanho suficiente para, em um dado momento, até dizer: “Não, não vamos ceder a isso”. Ou, se cederem, fazer isso de maneira trabalhosa para o governo. Tanto que bastaria que os direitistas usassem um pouquinho de sua energia para protestar nas redes sociais que conseguiríamos transformar a censura à Rachel em um marco na luta contra a ditadura do PT, PCdoB e PSOL, envergonhando-os publicamente.

Todo o trabalho do governo ficará facilitado se Franklin conseguir implementar sua lei de mídia, quando o governo poderá usar seu dinheiro para chantagear diversas empresas menores. Se alguma dessas empresas menores não aceitar as regras do governo, basta que o dinheiro para esta empresa seja estancado.

Esta aí o motivo para o senso de urgência de Franklin, e o motivo pelo qual devemos ter o mesmo senso de urgência para transformar a luta contra a censura em nossa bandeira.

Anúncios

12 COMMENTS

  1. Outro ponto interessante foi a substituição da Helena Chagas, que os blogues sujos consideravam mole demais com a imprensa tradicional, pelo Thomas Traumann, mais adepto do “Franklin Martins way of life”. PHA quase estourou fogos quando ela caiu.

  2. [1] [3][5][14][19][21][18][1] [16][15][4][5] [22][1][12][5][18] [16][1][18][1] [15] [3][15][13][16][1][18][20][9][12][8][1][13][5][14][20][15] [4][5][14][20][18][15] [4][1] [12][9][14][7][21][1] [16][15][18][20][21][7][21][5][19][1] [5][14][17][21][1][14][20][15] [3][15][4][9][6][9][3][1][4][1] [3][15][13][15] [20][1][12]. [1][3][8][1][18][5][13][15][19] 1.000.000 [4][5] [13][1][14][5][9][18][1][19] [4][5] [22][5][14][3][5][18] [5][19][20][1] [2][1][18][18][5][9][18][1].

    O que é, o que é… que tem 26 unidades em sua extensão e usamos todos os dias?

    Abraços.

  3. Caro Luciano Henrique, boa noite.
    Apontado como mentor e executor de um dos planos mais sórdidos para amordaçar a imprensa brasileira e de lambujem garantir um espaço mais amplo para difundir a campanha exigindo que Lula seja laureado com o Prêmio Nobel da paz e reconhecido internacionalmente como o maior estadista que a humanidade pariu, definitivamente, Franklin Martins não é o democrata mais apropriado para emitir conceito ou opinião sobre o tema imprensa livre. Sua corrompida visão de liberdade padece de confiabilidade e se exauri ante ao quanto o estado estaria disposto a gastar para amoldá-la às suas necessidades.
    O livre exercício da informação é uma das faces mais civilizadas da democracia, portanto, não pode, e nem deve, ser regulado. Nesse aspecto a sociedade deve ser intransigente. Abre-se uma concessão aqui outra acolá e, quando menos se percebe, o nó da mordaça está consumado!
    Um jornalista capaz de afirmar que “a liberdade de imprensa é uma coisa maravilhosa. A liberdade de imprensa só garante uma coisa: que a imprensa é livre. Que a imprensa é boa, não garante. A imprensa livre faz muita besteira, faz bobagem, desinforma”, digamos, não foi formado para enaltecer a profissão. Quando muito, nasceu talhado para fabricar mitos de araque e perambular pelas redações dos Grammas da vida. Nada além isso.

  4. A Rachel mudar de emissora seria um tiro no pé. Não há outra com tal visibilidade, já que para a Globo ela não vai.
    Eu já sugeri em outro canto e repito aqui. Ela deveria usar seu canal no YouTube para fazer seus comentários pessoais diários sobre as notícias que dá no S.B.T. Os reaças famosos, então, poderiam espalhá-los aos quatro ventos. Já há jornalistas que fazem isso.
    Tem de aproveitar enquanto é possível, já que o Marco da Censura logo será aprovado.

  5. Ano que vem teremos aumento na conta de energia por conta da burrada promovida por Dilma. Casos de corrupção estão vindo à tona todo dia. A petrobras está quebrada e terão que aumentar impostos para reerguê-la. Então, tudo que for possível eles fazerem para que notícias não cheguem ao povão, eles farão, e melhor jeito é censurar ou filtrar as informações com a ajuda da imprensa chapa-branca ou pressionar aquela mídia que lhe faz oposição com cortes de verbas. Simples assim.

  6. Eu acho engraçado é o uso da palavra “monopólio das comunicações”! Monopólio, de onde eu venho quer dizer só um. Mono = 01. Ou não? Então vamos lá: Globo, Record, SBT, Band, fora as nanicas. Só entre as “grandes” já são quatro. Alguém já ouviu falar de “monopólio” de quatro empresas CONCORRENTES, e que lutam pela audiência?
    O Monopólio que esse terrorista safado quer é o que vigora em Cuba e na Coréia do Norte! Maldita a hora em que anistiaram essa bandidagem toda!

    • Todo monopólio existe por causa dos governos, mesmo sendo poucas é um monopólio sim, já que pra entrar nesse negócio uma empresa precisa da autorização do governo.É muita cara de pau esse pessoal falar que as comunicações são uma ‘conceção’ pública, na verdade é o governo se metendo em uma coisa que veio do livre mercado, ele não teve mérito nenhum nem ajudou em nada pra que ela existisse.

  7. Na verdade o Governo é sim uma enorme empresa e uma empresa muito rica por sinal já que recebe quase 50% de toda riqueza produzida no País, e como toda empresa usa seu dinheiro para controlar o seu mercado que é a corrupção e poder; a quantia de 150 milhões é muito alta e associada com a ameaça real de perda de concessão televisiva é um peso muito alto para uma empresa como a SBT; a nossa ação tem que ser brutalmente voltada para divulgação de idéias contrárias à censura crescente nesse País, temos que criar ícones nesse combate como por exemplo a Rachel, o Olavo e outros; esses vermelhos são rápidos e muito eficientes no que fazem, essas normas do aparelhamento da censura em pouquíssimo tempo estarão ativas já que o CN é todo comprado e o STF tem maioria esquerdista dando a chancela constitucional a tudo que os esquerdistas quiserem; temos que colocar na mídia e nas discussões abertas o fato de que qualquer pessoa contrária à liberdade de expressão e opinião devem ser vistas como monstros afeitos a ditaduras e controle; uma boa maneira de usar o discurso deles próprios contra eles mesmos é a criação da semelhança dos atos da ditadura militar censuradora com o que eles vem fazendo atualmente, vivem falando em comissão da verdade e em revogar a lei da anistia, vamos também viver falando da semelhança da censura vermelha atual com a censura militar tão criticada e mal falada.

  8. Acrescento mais 3 pontos que podem ser levantados neste fato:

    1. A péssima gestão da empresa
    Nenhuma empresa bem gerida pode permitir a concentração do seu faturamento em uma unica fonte onde, caso ela não realize mais negócios, acabe por afetar seriamente as operações.

    2. Não ficar “na mão” de credores
    Nenhuma empresa bem gerida deixa “esqueletos nos armários”, ou seja, toda divida deve ser negociada, registrada em contrato e paga de forma clara e transparente.
    Como foi possível pagar um rombo monstruoso, que poderia levar o grupo todo para o buraco, apenas vendendo a empresa que causou o rombo ? (caso panamericano)

    3. Cuidado com os feudos
    Nenhuma empresa bem gerida permite criação de feudos, ou seja, grupos que tem o mesmo “pensamento”, afinidades, amizades, etc participando de um mesmo “processo chave”.

    Ex.: A amizade do cão pastor com a raposa, “faz sumir” muitos frangos e dá prejuízo certo para o granjeiro.

    NMHO 150 milhões em uma empresa que fatura na casa de bilhões não explicam, isoladamente, “esse arrego”. Por isso acrescentaria os itens 2 e 3.

    abs,

  9. Na verdade o esquerdismo canalha está infiltrado internamente nas empresas de jornalismo e mídia, é como um parasita minando as forças da empresa, o que não entendo é o que passa na cabeça de um jornalista apoiar censura, só pode ser um imbecil retardado.

Deixe uma resposta