A arte de duelar com psicopatas: mais um neo-ateu usando fraudes contra Rachel Sheherazade é pego mentindo de forma enlouquecida

73
328

se7en_morgan_freeman_brad_pitt_walking_in_the_rain1

No post anterior, falei da necessidade de um conhecimento fundamental para a direita: entender o funcionamento da mente dos psicopatas. Por causa da tese da moral psicopática, é esperado que os esquerdistas (especialmente aqueles da extrema-esquerda) se comportem exatamente como psicopatas enquanto abordam qualquer questão da política pública. Eu defendo que se nos prepararmos para enfrentar psicopatas, seremos muito mais criteriosos e perspicazes em nosso ceticismo diante do conteúdo proferido por eles.

Me foi pedido que eu refutasse um vídeo de 40 minutos de um tal de Pedro (vídeo este que fica ao final do post). Como de costume, encontrei várias e várias dezenas de fraudes intelectuais. E olhem que eu posso até ter esquecido uma ou outra fraude, mas entendo que todas aquelas mais importantes foram mapeadas e demolidas. O canal deste sujeito se chama “Ateu Informa”. Na verdade, melhor chamá-lo de “Neo-ateu desinforma”.

O discurso dele é o padrão da extrema-esquerda atual para tratar Rachel Sheherazade. Conforme esperado, ele usa um sem número de fraudes intelectuais para acusá-la de culpa por qualquer linchamento de inocentes.

Quase todo este post é focado na refutação à essas fraudes, mas deixarei algumas poucas linhas ao final para tratar de técnicas usadas por ele que devem ser utilizadas por quem é de direita. São técnicas de xingamento, acusação e ridicularização, todas elas essenciais na guerra política. A diferença é que Pedro usou essas técnicas enquanto proferia fraudes em uma quantidade vergonhosa. Se usarmos as mesmas técnicas enquanto refutamos as besteiras da extrema-esquerda com argumentos lógicos, é claro que estaremos em um patamar moral muito superior ao dele. Até por que seria impossível estar em um patamar moral mais baixo que Pedro…

Enfim, vamos começar o desmascaramento das fraudes:

0:10 – Ele começa afirmando o seguinte: “Hoje eu vou tentar fazer você entender que ciências sociais não são brincadeira de criança não”. Aqui ele tenta convencer o público de que conhece alguma coisa de ciências sociais. Ledo engano. O que veremos em todo o vídeo é um amealhar sórdido de fraudes intelectuais que no máximo parecem a prática mais suja da engenharia social.

02:10 – Após ele mencionar que “é um absurdo” o que ocorreu no Guarujá (e era mesmo), ele começa a falar de Rachel Sheherazade. As fraudes básicas que ele usa para fazer essa falsa associação eu já refutei aqui. Portanto, vou cuidar das fraudes mais elaboradas.

2:29 – Atenção quando ele diz que vai “provar” que a Rachel incentivava o crime. Só que as tais “provas’ serão todas fraudulentas, como você poderá notar.

2:40 – Fraude: dizer que os opositores criticam o governo por afirmarem que o “governo comunista tem um plano Illuminati”. Quem disse isso? Ninguém que tenha participado desse debate. Enfim, ele vai usar a falácia do espantalho mais vezes.

3:07 – Replay do truque, ao rotular seus oponentes: “bando de imbecil, vocês estão sendo manipulados” [aliás, o português da figura é assim mesmo, desastroso]. Engraçado é que para rotular o oponente de “manipulado” ele terá que apelar à uma teoria da conspiração, que é exatamente o que ele tentou satirizar nos adversários. Como se vê, Pedro é burro e precipitado. [A fraude em questão envolve usar a teoria da conspiração dizendo que “a Opus Dei é um poder político que manipula a opinião pública”]

3:13 – Fraude: “Conseguiram convencer vocês que só o poder político do governo é que manipula!”. O problema é que o único poder político ilegítimo, em termos de influência, é o governo. Isso por que o governo usa o nosso dinheiro. Quando ele diz que “manipulações surgem de vários lados, não apenas no governo”, se esquece de que a única manipulação imoral é a que vem do governo, pois é financiada com dinheiro de nossos impostos, além do mesmo governo ter o monopólio da coerção. Ou seja, ele sabe que está fraudando o debate de maneira deliberada para legitimar a coerção e manipulação feita pelo governo apoiado por ele.

3:30 – Fraude: ele repete que vai provar que as palavras de Rachel “foram um incentivo para o que está ocorrendo agora [o linchamento da mulher do Guarujá]”. Como já disse antes, estes truques já foram refutados aqui.

3:52 – Fraude: ele diz que depois que Rachel falou sua opinião, “muitas pessoas viram respaldo ao fazer linchamentos”. Mas ele não prova absolutamente nada disso. Pessoas falando “bandido bom é bandido morto” existiam há muito tempo (e nem foi isso que Rachel falou, muito pelo contrário). Então, a ideia de “respaldo só agora” é evidentemente uma invenção cretina.

4:00 – Fraude: ele diz que “a partir do que Rachel falou, as pessoas começaram, finalmente a falar, ‘sim, tem que fazer linchamentos'”. Dá para notar que ele não tem limites para mentir. Provavelmente isso ocorre por que ele é neo-ateu (não confundir com ateu tradicional, por favor). Neo-ateus são treinados a mentir em suas missões de fé para culpar religiosos “por causar guerras”, mesmo que todas as associações sejam mais falsas que propaganda de pasta de dente. O mesmo recurso será tentado por ele de forma alucinada contra toda a direita, como veremos. Em tempo: ele tem tantas provas de que as pessoas começaram “finalmente a falar ‘sim, tem que fazer linchamentos'” depois do discurso de Rachel como o tiozinho do sítio tem provas da existência da mula sem cabeça. Como sempre, o ceticismo do neo-ateu em relação à crendices é seletivo.

4:15 – Fraude: ele diz que “aconteceu um monte na Internet”. Ele quer dizer que surgiu “um monte” de vídeos na Internet. Qual a taxa de aumento? Qual a estatística? Qual a diferença entre “surgir vídeo” e existência de casos? Alias, o aumento progressivo do número de violência gravada é até explicado pela disseminação dos Smartphones. Mas nenhuma prova de que esse “aumento” é por causa da Rachel.

4:20 – Fraude: ainda com muita encenação (isso é que torna o esperneio dele mais divertido, pois sabemos tratarmos de alguém que mente por projeto), ele diz que “é obvio que um dia isso ia acontecer”. Como é? Ele quer dizer que o “linchamento de um inocente” é uma novidade? Realmente, ele não tem vergonha na cara. Como disse o comentarista Cidadão, temos a entrevista de José de Souza Martins em 2008 tratando o Brasil como o país dos linchamentos… É nisso que dá, Pedrinho, falar em ciências sociais sem ter a menor ideia do que isso significa.

4:50 – Fraude: ele chama o discurso de Rachel de “joguete político”. É quando ele manipula frases para confundir a audiência, colocando as críticas que ela faz ao governo na mesma classe de críticas que ela faz à violência contra o trabalhador. É claro que como ele vai fraudar o debate para atacar essa última classe de críticas da Rachel, ele quer condená-la por tabela por criticar o governo. É Pedrinho, não consegues disfarçar mesmo, não é? Em tempo: quase todo discurso humano é um discurso político. O problema é que quando Rachel simplesmente aponta os fatos, ela não pode ser acusada de “joguete político”, que é o discurso que falsifica a realidade. Enquanto isso, quem foi pego falsificando a realidade mais de 10 vezes até aqui (e não chegamos nem aos cinco minutos de vídeo) é o Pedrinho…

5:16 – Fraude: ele garante que depois da Rachel, surgiu o “orgulho do linchamento, que antes não existia”. Mais uma afirmação sem provas, como tudo que ele diz.

6:10 – Fraude: ele afirma que a fala de Rachel dizendo que o marginalzinho do poste era mais sujo que pau de galinheiro contra-ataca o argumento de quem diz que “pessoas não podem ser amarradas ao poste, por causa da presunção de inocência”. Como sempre, ele está mentindo. A frase de Rachel apenas aponta os fatos. Ninguém pode ser moralmente criticado (em um discurso dialético) por mencionar os fatos, que são mais claros que a neve. O burro do Pedrinho está tratando a apresentação de um fato como se fosse um argumento. Daí ele (provavelmente prevendo que alguém iria descobrir sua fraude) arruma uma distinção de emergência, dizendo que o problema está na forma irônica e sarcástica com que ela falou isso. Mas ironia e sarcasmo são legítimos na comunicação. Aliás, quem viu o vídeo de Pedrinho até aqui sabe que ele também usa ironia e sarcasmo. A diferença é que Rachel usou ironia e sarcasmo apontando os fatos, enquanto ele usa os mesmos recursos, só que enquanto lança uma fraude atrás da outra.

7:05 – Fraude: segundo ele, o problema é que Rachel fala para muita gente. Esse é outro tipo de argumentação bizarra. Se Rachel fala para rede nacional, sorte dela. Se Pedrinho tem poucas centenas de acessos, problema dele. O fato é que um argumento é moralmente válido ou inválido dependendo de sua lógica interna e da moralidade residente neste argumento, e não de “quantas pessoas vão ouvir”. O discurso dizendo que “o problema de argumento X está no fato dele ser falado em rede nacional” é digno de vergonha alheia.

7:25 – Fraude: para ele, o problema é que se Rachel fala em rede nacional, podem existir interlocutores que entendam errado o que ela diz. Eu vi na caixa de comentários do YouTube que esse energúmeno pretende ser advogado. Se for, avisem aos que se opuserem a ele no tribunal, pois suas fraudes são óbvias até demais. Fato jurídico: ninguém pode ser punido pela interpretação errada de suas ações. Na verdade, as evidências devem apontar os fatos. Se Rachel não incitou ao crime, e, supondo, a título de argumento, que alguém entendeu que ela tenha incitado ao crime, isso não configura nenhuma culpabilidade à Rachel. Por exemplo, Pedro pode ser acusado de ter propagado cerca de cinco ou seis dezenas de fraudes intelectuais em um vídeo de 41 minutos. Mas se alguém se suicidar por causa do vídeo dele, distorcendo o que ele falou, Pedrinho não será culpado deste suicídio. Mas isso é o básico de Direito, que, surpreendentemente, Pedro não conhece. Se ele já é um ignorante em Ciências Sociais, também o é em Direito. [Aliás, ele se entrega ao dizer que para tentar passar no exame da OAB, vai precisar “decorar” um tanto de coisas. Pois é. Decoreba é coisa de quem não entende o que lê…]

7:35 – Fraude: vejam a argumentação do infeliz, com a coleção de saltos indutivos: “É por isso que eu digo que se você é um jornalista em rede nacional e fala um negócio desses, sabendo que vai ter gente que vai entender errado, ou você é mal caráter ou você é ignorante”. Vamos rever as mentiras dele. Pedro mentiu ao dizer que o crime ocorreu por causa da opinião de Rachel. Também mentiu ao dizer que a quantidade de pessoas ouvindo uma frase culpa o interlocutor por um suposto entendimento errado desta frase. Outra mentira é quando ele diz que pessoas que podem ser compreendidas de forma errada sabem antecipadamente de todos os entendimentos errados que ocorrerão, e portanto, se responsabilizam por esses entendimentos errados. Aí é quando ele usa o método dizendo que Rachel é “mau caráter ou ignorante”. Mas como tudo que ele disse é fraude do início ao fim, sabemos que Pedro com certeza é mau caráter. Vamos corrigir essa “bosta” de opinião que ele vomita. Ninguém é responsável pela distorção do que disse, e o fato de algo ser expressado em rede nacional não configura nada contra um argumento apresentado. Quando alguém diz que uma pessoa “tem certeza” de que um determinado erro de entendimento vai ocorrer em cima de sua opinião tem que provar que realmente o acusado tinha certeza. Mais ainda: se a pessoa não “sabia” o que ocorreria, isso ainda não prova que ela deveria saber. Ou seja, o joguete dizendo “é mau caráter ou ignorante” não se aplica neste caso. Só no caso de Pedrinho, que ou é mau caráter ou ignorante. Na verdade, duvido que seja a segunda opção.

7:45 – Fraude: ele diz que Rachel ridicularizava “a presunção de inocência’. Não, ela ridicularizava um caso específico.

7:50 – Fraude: para esconder a fraude anterior, ele diz que “você não pode pegar um caso específico e isolar da sociedade”. Ele continua com a mesma farofa de sempre, dizendo que Rachel é responsável pelo entendimento errado do que ela falou. Cara de pau é pouco para o Pedrinho…

8:05 – Fraude: na sequência das duas fraudes acima, ele tenta o truque de dizer que “isso causa um efeito cascata…”. Falácia da bola de neve.

8:20 – Pausa para risadas: ele disse que vai fazer um vídeo sobre epistemologia. Fico imaginando esse palhaço falando de epistemologia. Ele vai ter que caprichar no decoreba, pois entender que é bom…

9:45 – Fraude com encenação: “Não, mas você tem responsabilidade, porra!”. Mas, como já vimos, qualquer pessoa em sã consciência sabe que ele está mentindo. Se eu disser “suma daqui” para alguém e essa pessoa entender que deve pegar e uma bomba para “se explodir”, o problema não está comigo. De novo: qualquer pessoa intelectualmente honesta percebe isso. Como Pedro é um prodígio da desonestidade intelectual, é claro que ele ou percebe que está mentindo (sendo um mau caráter), ou não percebe e é um ignorante.

10:10 – Fraude: é inacreditável, mas ele se revolta com o fato de Rachel ter dito algo que ele mesmo considera verdadeiro (e olhe que para um radical de esquerda considerar algo que alguém de direita disse como verdade é preciso de um verdadeiro milagre). Ele está bravo por que Rachel disse que o estado brasileiro está falido e é incapaz de dar segurança. Ué, se ficou bravinho, prove que ela está errada, oras. Mas como não pode provar que ela está errada…

10:30 – Fraude: ele afirma que Rachel disse que “tudo no universo é culpa do governo”. Mentira. Ela estava falando especificamente de segurança pública, cuja responsabilidade é do governo. Ela não falava em “tudo no universo”… O governo não deve ser responsável por “tudo no universo”. A percepção de que o governo deve se responsabilizar por tudo no universo ocorre apenas na mente enlouquecida de gente da extrema-esquerda, como Pedrinho.

11:10 – Fraude: ele vai dizer que “religião é política” e “estão usando vocês”. Ué, mas ninguém é mais “usado” do que Pedrinho por esse governo. Ele é um serviçal manipulado. Ou recebe verba do governo. Em tempo: religião não é “política”, mas pode ser usada politicamente sim. Mas esquerdismo é sempre política suja. Enfim, ele projeta sua religião política em outros que não tem a mesma fé política que ele. A parte mais divertida de analisar o vídeo de Pedrinho é saber que não é possível alguém ser mais manipulado do que ele. E ele ainda tem a cara de pau de dizer que os outros é que são “manipulados”.

11:40 – Fraude: acreditem se quiser, ele diz que “o problema dessa parte certa do que ela diz é que ela pode convencer o povo a acreditar no resto que ela disser”. Cá entre nós, eu já vi argumentador reclamando de erros lógicos do oponente, mas reclamar por acertos lógicos já é o fim da picada. Mas pelo menos Pedrinho não tem esse problema: ele não comete um acerto lógico sequer.

14:00 – Fraude: ele gasta alguns minutos para tentar vender a ideia falsa de que Rachel teria dito algo como “se a polícia não funciona, melhor buscar outra forma de agir”. Ou seja, um alegado “desprezo” pela ação policial. Essa fraude é tão grotesca que ela é refutada com um fato: a Polícia Federal elegeu a Rachel como a melhor jornalista do Brasil.

16:10 – Fraude: ele diz que a frase “a única coisa que resta ao cidadão de bem é se defender, claro” significa que “a única coisa que resta ao cidadão de bem é agir como essas pessoas agiram [ao linchar a mulher no Guarujá]”. Mas ele sabe que está mentindo ao fingir esse significado. O que Rachel quis dizer é que existem situações claras onde temos criminosos retintos atacando civis, assim como situações onde o cidadão só pode realmente se defender se não quiser ser vítima da violência. Mas qualquer pessoa que discorda disso estaria negando os fatos. Exemplo: imagine uma mulher que dê uma joelhada nos ovos de um sujeito tentando estuprá-la e consegue fugir. Quem afirmar que ela “só tinha essa opção, se não quisesse ser violentada” está apontando os fatos. O que é totalmente diferente de dizer que ela pode dar joelhadas em inocentes… Pausa: se alguém falou que refutar esse idiota seria um “desafio”, provavelmente se impressionou com os truques de encenação dele e com o empilhamento absurdo de fraudes em sequência. Mas que ele é muito frágil em termos lógicos, tornando a vida de seu refutador uma moleza, quanto a isso não há dúvidas. É por isso que eu digo: o segredo está em nos prepararmos para duelar contra alguém com falsidade digna de um psicopata, sempre que formos contra-atacar os radicais da extrema-esquerda. Depois dessa conscientização, tudo fica mais fácil.

17:00 – Fraude: ele diz que quando Rachel fala que “o que resta ao cidadão é se defender” isso significa que ela diz que o cidadão “tem que se defender”. Nada disso. É um fato que em situações de ausência do estado, a única coisa que resta a um cidadão é se defender, se isso for possível e se ele não quiser ser vitimado pela violência. Isso é uma constatação lógica. Por exemplo, se um estado não está presente e o cidadão é vítima da violência, o que resta a ele? Se tornar uma vítima ou se defender. Isso não diz que a pessoa “tem que fazer justiça com as próprias mãos”. Aliás, a legítima defesa é um direito do cidadão.

17:05 – Fraude: ele ataca Rachel por que ela diz que “o estado não faz nada e o cidadão ainda está desarmado”. Segundo ele, essa linha argumentativa convence os outros facilmente. Mas isso não é nem “linha argumentativa”, mas o apontamento dos fatos: (1) o cidadão está desarmado pelo estado, (2) o estado é ineficiente ao dar segurança para a população. Os itens (1) e (2) são verdadeiros. Ou ele prova que não são verdadeiros ou deveria ficar calado. Esse é o ponto da discussão. Como ele sabe que não pode refutar os itens (1) e (2), volta para o truque de dizer que “as pessoas podem se convencer a avançar para além de X”. Ou seja, a mesma ladainha fraudulenta com que ele iniciou o vídeo.

17:10 – Fraude: o discurso dizendo que “o cidadão está desarmado” é da direita, portanto “estão te manipulando”. A fraude aqui está em chamar o reconhecimento dos fatos (“o cidadão estar desarmado”) de manipulação. Errado. Manipulação seria se algum amiguinho do Pedro convencesse alguém de que o cidadão brasileiro tem a mesma liberdade que os norte-americanos quanto ao direito de se defender. Ou seja, ele é o manipulado tentando visualizar os outros como tal. Pedro discursa feito retardado.

17:40 – Fraude: aqui temos um discurso neo-ateísta detectado, quando ele finge que se alguém entende que há criminosos e civis está fazendo um discurso de “bonzinhos contra malvados”. Ele também diz que isso é igual ao discurso que faz alguém entrar em um avião e se jogar no World Trace Center ou iniciar as Cruzadas. O débil mental não percebe que as Cruzadas ocorreram por motivos estratégicos e que a ação de terrorismo suicida não tem absolutamente nada a ver com uma ação de auto-proteção. Quer dizer, a reação de um cidadão honesto a criminosos, o ataque ao World Trade Center e as Cruzadas estão tão próximos um do outro quanto uma bola de futebol, um comprimido de Dorflex e um DVD da Rihanna.

19:00 – Uma sucessão incrível de fraudes intelectuais, mas como ele descamba para o neo-ateísmo mais infantil e oligofrênico, melhor citar as rotinas mapeadas mostrando fraudes que essa escória usa para tentar culpar os cristãos pelo nazismo. Ler a sub-seção Ad Hitlerum.

23:20 – Fraude: ele afirma que o comunismo só “matou gente por que ocorreu no meio de guerras mundiais”. Será que o Pedrinho não tem vergonha? No Cambodja (em 1975) não havia nenhuma “guerra mundial” e o regime de Pol Pot exterminou um terço da população do país. Na China, a revolução de Mao ocorreu em 1949, um bom tempo depois da Segunda Guerra Mundial. Ademais, as guerras mundiais não justificam que um governo extermine seu próprio povo, como fizeram os russos. Ou seja, comunistas matam por que seguem uma doutrina criada por psicopatas com sede de sangue.

24:45 – Fraude: para ele, quem critica o governo está “demonizando o estado”. Na verdade, não se cria algo que já existe. O estado tem o poder de coerção sobre o cidadão e recebe impostos abusivos para desarmar o cidadão. Apontar os fatos em relação ao que o governo hoje representa não é “demonização”. Se ele acha que as pessoas não devem reagir contra isso, ou ele é mau caráter ou é ignorante. Ops, esqueci que eu já havia eliminado a última hipótese.

25:30 – Momento divertido: ele diz que “isso [demonização] é estratégia política”. Só que o que o Pedrinho faz durante todo o seu vídeo senão demonizar seus opositores? Ou seja, ele não tem moral nenhuma de reclamar da estratégia política oponente. Por exemplo, quem assistir o vídeo dessa figura poderá, com toda legitimidade, apontá-lo como mau caráter, sórdido, desonesto, manipulado, paga pau do governo e daí por diante. Eu estou usando apenas o mesmo tom dele, só que amparado pelos fatos, enquanto ele se sustenta em fraudes. E é exatamente pelo fato dele se sustentar em fraudes do início ao fim de seu discurso que posso rotulá-lo com muito mais severidade ainda.

25:40 – Fraude: “direita e esquerda nem deveria ser usado mais”. Brincou que vai usar o truque de dizer que não há diferença entre direita e esquerda? (risos).

26:40 – Fraude: “vocês que acreditam na dicotomia entre esquerda e direita são massa de manobra”. Na verdade, quem se deixa enrolar pela ideia de que não há dicotomia entre esquerda e direita (o que é o mesmo que dizer que não há diferença entre estuprar e não estuprar) é que está sendo manipulado pelo discurso omitindo que direita e esquerda se posicionam em campos opostos em dilemas. Ou seja, não dá para superar dilemas como ser servil ou não ao estado, ser individualista ou coletivista, ser democrático ou totalitário, etc. Em tempo: ele gastou tanto esforço para dizer que “superou esquerda e direita”, mas tentou usar a fraude esquerdista dizendo que nazismo é de direita. Fraude essa já refutada aqui, aqui e aqui.

27:10 – Fraude : “nazismo é de direita por que não é igual ao marxismo”. Rotina já refutada nos links que citei anteriormente. Basicamente, é o mesmo que dizer que “Vasco não é um time de futebol por que não é o Flamengo”. É o típico truque de manipulação de categorias, que só engana débeis mentais.

28:20 – Fraude: “esquerda é igualitarismo, por isso nazismo não é de esquerda”. Esse truque é o mesmo que dizer que o bandido é sempre inocente por que “se declara inocente” ou a mulher adúltera é sempre fiel por que diz que “não é isso que o marido traído está pensando”. É Pedrinho, aqui não vai passar uma fraude sequer. Estou mapeando o comportamento de alguém que ou é um psicopata ou age igual a um. Nos três links que citei acima esta rotina de dizer que “esquerda é igualitarismo” está definitivamente esmagada.

28:29 – Comédia: já que ele tenta pela enésima vez o truque de dizer que quem é de direita está “sendo manipulado, seu idiota”, relembro as últimas duas fraudes que ele tentou. Essas fraudes tentadas demonstram que ele está sendo manipulado por algum professor doutrinador que abusou de sua inocência. Quem leu e foi estudar, livrando-se da doutrinação marxista, já não cai mais nesses truques. Em tempo: quando for tentar convencer a plateia de que se “superou direita e esquerda”, evite usar tantos truques da extrema-esquerda, pois assim você entrega o ouro, Pedrinho… Entendeu, Pedrinho, seu manipulado, idiota, retardado?

29:50 – Fraude: mais uma vez ele tenta encontrar falhas em uma citação de Rachel que apenas aponta os fatos. Ela diz: “O Estado é omisso. A polícia, desmoralizada. A Justiça é falha. O que resta ao cidadão de bem, que, ainda por cima, foi desarmado? Se defender, claro! O contra-ataque aos bandidos é o que eu chamo de legítima defesa coletiva de uma sociedade sem Estado contra um estado de violência sem limite”. O doidinho não consegue refutar nada disso e fica irritado.

31:20 – Fraude: diz ele que “Yves Gandra denunciou o PNDH3, portanto não gosta de direitos humanos, e você está manipulado pela Opus Dei”. Engraçado que o sujeito tentou ridicularizar os oponentes dizendo que eles “acusam o governo de ser Iluminatti” (ou seja, ele criou um espantalho) e o próprio usa uma teoria da conspiração para colocar o Opus Dei na lista de organizações “contra direitos humanos”. Primeiro: Pedrinho e seus amigos da ultra-esquerda jamais representaram os direitos humanos. Segundo: a crítica de Yves ao PNDH3 denunciava o mau uso da expressão “direitos humanos”, e só, sem falar nada contra os Direitos Humanos em si. Terceiro: o discurso de Yves é de quatro anos atrás e nem foi citado na defesa atual a Sheherazade. Fica evidente a desonestidade intelectual. Pedrinho, além de mais um ultra-esquerdista mau caráter, é também um adepto de teorias da conspiração da pior espécie. É o mesmo tipo de gente que Nicolás Maduro. A diferença é que Maduro ganha dinheiro fazendo teorias da conspiração contra os oponentes (“os Estados Unidos querem acabar com a Venezuela”), enquanto Pedrinho, aparentemente, não leva nada. Está provado por que ele é o manipulado da história…

31:30 – Fraude: ele esperneia ao dizer que “Opus Dei é instituição política”. Não, não é. É uma instituição religiosa. E eles são bem ruinzinhos em guerra política.

34:00 – Fraude (combo): defesa da censura de Rachel. Para isso, basta ver o texto onde refuto todas as fraudes de Yuri Grecco neste sentido.

35:00 – Propaganda: aqui é o truque de auto-promoção que os neo-ateus aprenderam desde cedo. Basta dizer “eu pondero mais antes de tomar minhas decisões, estudo muito e blá blá blá”. O problema é que com tantas fraudes como as que mapeei aqui, fica claro que Pedrinho tem a mesma racionalidade de um babuíno.

39:40 – Momento priceless: “Eu posso discordar de você, mas não preciso ficar falando que você é o demônio”. Ué, mas foi exatamente isso que ele fez o vídeo inteiro. Ele demonizou todas as pessoas racionais que não caíram no discurso da esquerda de apologia ao crime, usou um sem número de jogos sujos, um empilhamento grotesco de fraudes intelectuais e uma quantidade de técnicas de ridicularização. Ou seja, não é possível alguém ganhar de Pedrinho em termos de demonização de oponentes. Alguém pode até chegar perto, mas superá-lo? Não há como. Mas isso só mostra o nível da hipocrisia dele. É o nível da psicopatia.

Em suma, essas são as principais fraudes. Para além disso, existem os métodos retóricos que ele usou e que acho interessante serem utilizados pela direita também. Ou seja, se alguém quiser refutar Pedro e suas mentiras em algum vídeo no YouTube, recomendo prestar atenção especial a essas dicas.

Dica 1: ridicularizar sempre (recomendável)

Observe em várias instâncias do vídeo (especialmente em 30:35) quando ele ridiculariza seus opositores. Segundo as regras de Pedro, não há limites para a ridicularização. O recurso de usar a “voz de retardado para citar discursos opositores” é nítido. O detalhe é que como Pedro mentiu feito louco, conforme mostrei, qualquer um refutando-o pode citá-lo usando o mesmo tipo de recurso. Ele acabou de nos dar um exemplo de como se faz para ridicularizar um oponente na guerra política. Cabe à direita usar o mesmo recurso contra ele. (Isso especialmente para quem quiser usar vídeos em seus intentos, é claro)

Dica 2: xingar sem limites (recomendável)

Sempre que estiver falando de discursos da extrema-esquerda, aproveite para falar em direção ao vídeo, xingando seus interlocutores da esquerda. Dizer coisas como “você é um idiota” ou “você é um imbecil”, sempre que se referir aos crentes da esquerda, é um padrão a ser utilizado. Atenção: não se refira a pessoas em especial, para evitar processos. Use sempre “você que defende X” ou “você que apoia Y”.

Dica 3: definir o oponente como manipulado, sempre (recomendável)

A definição do oponente como alguém “manipulado” é útil pois isso serve para tirar a legitimidade das ideias do outro. Ou seja, enquanto alguém se vende como alguém com “ideias claras, alcançadas através de estudo e reflexão”, as ideias do oponente são apresentadas como falsas e o adversário somente as aceitou “por que foi manipulado”. Mesmo que fique bem claro que as ideias de Pedro são todas mais falsas que menstruação de travesti, ele usa o recurso da ênfase para dizer que os adversários dele é que “foram manipulados”. Ele também usa a estratégia da repetição.

Dica 4: pedir moderação enquanto se pratica tudo isso (recomendável)

O vídeo de Pedro é claramente um discurso de lançamento de ódio contra direitistas que apoiaram Rachel Sheherazade. Ao mesmo tempo, ele diz que “o discurso de ódio é inaceitável”. Como ele faz isso? Simples. Ele usa essa técnica para fingir que o oponente é que está lançando “discurso de ódio”, enquanto o dele é de moderação. Mas quando você ver essas técnicas todas sendo utilizadas para demonizar o oponente com jogos sujos, notará que não é possível superar Pedro em termos de “discurso de ódio”. Aliás, o discurso de demonização não é um problema moral se estamos apontando os fatos. O problema é que Pedro não possui nada além de fraudes intelectuais enquanto executa suas verbalizações.

Dica 5: demonstre indignação com a ideia do oponente (altamente recomendável)

Lembram-se do texto Pelo fim da direita conformista e o advento de uma direita indignada? Pois bem. O vídeo de Pedro é um ótimo exemplo desta técnica. Lembre-se que ele executa a técnica de se mostrar altamente indignado (e inconformado) com a opinião adversária enquanto executa fraudes. Temos que usar o mesmo tipo de indignação para tratar tudo que os esquerdistas dizem enquanto lançamos a verdade sobre os fatos. Preste atenção em especial nesse quesito, pois o nível de indignação que mostramos em relação ao discurso oponente resultará no nível de ação política que será exercida contra o oponente. Ou por que você acha que eles conseguiram censurar Rachel tão facilmente? (Aliás, recentemente Rachel renovou com o SBT e em breve terá um programa solo, onde poderá opinar. Mas que a esquerda teve uma vitória temporária, isso é um fato. Eles conseguiram isso por terem sido indignados o suficiente enquanto protestavam contra Rachel, mesmo que mentissem até dizer chega.)

Dica 6: faça aulas de teatro (use com moderação)

A encenação é importantíssima para definir como seu oponente será percebido. A título de curiosidade, quem quiser pausar o vídeo de Pedro algumas vezes e avaliar a leitura corporal, notará com facilidade que quase tudo que ele faz é encenação teatral. Toda indignação dele é fingida e refutada por sua linguagem corporal. Ele sabe que está mentindo. Entretanto, se você estiver dizendo a verdade, por que não usar tons adequados para fazer com que a plateia perceber suas ideias com mais intensidade? Deve-se tomar cuidado adicional, pois recomendo que ridicularizemos a esquerda sempre que ela estiver encenando. No caso, portanto, eu defendo que não devemos tomar a encenação como um padrão comportamental, mas apenas como um recurso a ser usado contra alguém usando encenações teatrais. Para um revide ao Pedrinho, seria bem interessante, por exemplo.

Dica 7: o oponente sempre diante de duas opções: mau caráter ou ignorante (use sem moderação)

Após todos os métodos serem utilizados, recomenda-se apontar o oponente, por aceitar a ideia dele, como “mau caráter ou ignorante”. Segundo Pedro, quem apóia Rachel é “a favor de violência, portanto é mau caráter ou ignorante”. Mas como todas as frases que ele profere em seu discurso são fraudulentas, podemos retornar a pergunta a ele: “Pedro, ou você é mau caráter ou ignorante?”. Eu aposto na primeira opção.

Enfim, essas dicas mostram como podemos aprender com nossos oponentes, e Pedro fornece um exemplo vivo de tomo usar sete técnicas fundamentais para interação na guerra política. Mas, como sempre, todas as técnicas dele são amparadas por fraudes.  Para estarmos em uma posição oposta no espectro moral, basta usarmos as mesmas técnicas, mas amparados pela lógica e pelos fatos.

Em relação ao comportamento vergonhoso de Pedrinho, temos mais um motivo para sermos contra o estado inchado da esquerda. O nível moral das pessoas que vão para o exército de defesa do estado inchado é o deste tal do canal “Neo-Ateu Desinforma”. Sempre são pessoas sem o menor traço de escrúpulo, honra e dignidade.  Será que estou exagerando? Então veja o vídeo abaixo:

Anúncios

73 COMMENTS

  1. Puts cara!

    Eu tenho que dizer: eu não me alinho muito bem ao seu posicionamento político (apesar de “na media” possuir um pensamento liberal e “conservador moderado” – dando nome aos bois).
    Mas quando se trata de desmascarar fraudes intelectuais você é um gênio!! Genial seu post!!
    Eu vi esse vídeo, e des do começo fiquei com dezenas de pulgas na orelha, conseguia refutar somente as mais descaradas, mas você fez um ótima faxina aqui!

    E o negócio dos neo-ateus tá foda. Pode-se dizer que “sou ateu”, apesar de preferir muito mais o termo “Agnostico” por ser mais limpo… Agora esses ateus que ficam criticando o que não entendem, ficam usando a falácia do espantalho 99% do tempo, criando a idéia maluca que a religião é a origem de todos os males da humanindade.
    Vou contar um caso que aconteceu comigo hoje: vi um vídeo de um ateu, e postei nos comentários as fraudes e falacias que foram usadas, de maneira educada, e ainda dizendo o que o cara poderia ter cortado, para que o vídeo ficasse bom. Daí, chegou um outro merdinha dizendo “você se acha inteligente por usar termos difíceis, e esse lixo de deus jesus e espirito santo não existem”… olha o nível boçal do raciocínio do cara…. tipo, não é por nada não, mas acho que seria mais saudável um cara desse possuir alguma religião falando o que ele pode e não pode fazer, do que ele simplesmente ficar solto por ai (acho que você me entendeu)

  2. Engraçado que tenha tanta gente querendo vê-la fora da TV, mas não vi NINGUÉM se mobilizando para tirar os vídeos dela do Youtube. Afinal, se a declaração dela é tão criminosa assim, muito mais importante do que impedir que ela dê novas opiniões, que são únicas e irrepetíveis, num programa ao vivo de alcance limitado , é evitar que essa declaração específica continue plenamente acessível a milhões de pessoas a qualquer momento. Não vão exigir isso, porque sabem que não podem, pois sabem que sua declaração não possui uma linha sequer que possa ser enquadrada como criminosa.

  3. Sugiro, a quem queira se aprofundar nas informações contra a esquerda, o vlog do Conde Loppeux de Villanueva. É um cara muito inteligente que tem como alvo (a julgar pela quantidade de vídeos) neo-ateus e comunistas. Das dicas que Luciano dá ao final deste texto, a única que não sei se o Conde aplica em seus vídeos é a de aulas de teatro, as outras são usadas a exaustão, e com maestria, na minha opinião. Tanto é que, no youtube, a maioria dos vídeos dele são mais negativados que curtidos, lógico, por causa da alcatéia neo-atéia (rimou, rs) enfurecida pela cagada que o conde dá na cara destes imbecis. Segue um vídeo, para apreciação. A propósito, Luciano, vc já tinha conhecimento do Conde Loppeux?

    • Conheço o trabalho do Conde e recomendo. E concordo com sua análise. Acho que deviam prestar mais atenção na assertividade e na postura do Conde em seus vídeos, pois é importante esse tipo de abordagem ao tratar a esquerda.

  4. Luciano, gostaria de agradecer seu empenho em mostrar os trustes intelectuais desse tipo de gente.
    Assisti parcialmente o referido vídeo ontem, estava pensando em fazer uma análise deste tipo (comentando as bobagens x tempo de vídeo).
    Mesmo sem sua bagagem (ainda não li nem 1/4 dos livros indicados) consegui com certa facilidade identificar várias desonestidades deste Pedro. Parei ontem perto dos 20 min, quando ele cinicamente tentou desqualificar a fala da Rachel com base em ser uma bandeira de direita, quem pensa igual é alienado e tal; depois disso tive que sair, mas até então já tinha identificado boa parte das fraudes elencadas. Essa facilidade se deve principalmente em acompanhar suas análises, assim como as feitas pelo Flavio Morgenstern, Felipe Moura Brasil, entre outros.
    Esse tipo de texto é importante para que cada vez mais pessoas com pensamento liberal ou conservador consigam perceber que a maioria das argumentações esquerdistas se baseiam em premissas falsas, distorções da realidade, quando não na mentira descarada mesmo. E sempre de maneira parecida.

  5. Parece que Pedrinho (inho inho inho inho inho inho) disse que vai reponder (refutar) ao seu artigo luciano…

    (Pausa para o riso) KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Será??????????????

    Luciano, seu artigo está pronto pra se transformar em um vídeo.
    Precisa arrumar quem poste isso.

  6. Luciano, só para constar, eis que uma estudante universitária impede que um ladrão seja linchado. A cena toda pela maneira que foi narrada lembrou-me um pouco a passagem bíblica em que Jesus evita o apedrejamento da adúltera e, pelo que vi, O Globo baseou-se neste relato da própria em sua página no Face. Fica meio difícil saber de tudo envolvendo o ocorrido, pois só sabemos que é no bairro carioca de Freguesia e que data de 6 de maio, sem maiores detalhes.

  7. Gravem o vídeo deste vagabundo para evitar que ele consiga sumir com o vídeo. Já ví varias pessoas refutadas pelo Luciano apagarem seu conteúdo. Não vamos deixar o Pedrinho (inho inho inho) ter o mesmo privilégio. Eu já baixei o vídeo aqui e vou ajudar a subir o vídeo na Internet se ele apagar. Desonestos merecem ser desmascarados e expostos.

  8. Uma das coisas que mais me impressionou no vídeo é que ele não apresenta evidência empírica para nada do que ele fala.

    Outra coisa também é o pressuposto de que alguém seria responsável por todas as consequencias daquilo que faz, porém não dá para prever todas as consequências de tudo que alguém faz. O discurso da Sheherazade pode ter incentivado coisas ruins? Pode, mas não dá para prever todas as coisas ruins, muito menos eliminar todo discurso que pode ter consequências negativas, sem eliminar a liberdade no processo.(toda ação humana tem algumas consequências negativas.).O racio-SÍMIO(Como diria Reinaldo de Azevedo), transfere a responsabilidade do povo e do Estado, para quem denuncia as causas da situação(que foi o que a Rachel Sheherazade fez).

    Se não há Estado para fazer valer a lei e isso faz com que as pessoas reajam(até mesmo legitimamente, pois não há Estado), a conclusão do idiota é acreditar que a Rachel defende que a necessidade desta reação ser necessária é o melhor dos mundos.

  9. Veja o que ocorreu nos comentários do vídeo no youtube:

    ===========================

    Herbert Pedroso: Não pensei que iria viver o bastante para ver isto: um olavete de esquerda.
    No mais… http://lucianoayan.com/2014/05/11/a-arte-de-duelar-com-psicopatas-mais-um-neo-ateu-usando-fraudes-contra-rachel-sheherazade-e-pego-mentindo-de-forma-enlouquecida/

    ateuinforma: Nossa, o texto é horrível e travestido de seriedade e eloquência. Cheio de ataques, mas com sutileza, aduz tratar-se de algo sério. Pode deixar que eu já to escrevendo resposta.

    ViktorNovak2010: No aguardo de respostas com conteúdo ao texto do Luciano Ayan. Até agora só vi críticas superficiais, como texto horrível, travestido, sutil, etc.

    ViktorNovak2010: Aguardo respostas contendo fatos e provas, Pedrinho. Acho que vc pode fazer melhor do que usar rótulos pejorativos, como horrível, bobo, feio e chato, né? hahahaha.

    Pizzaria Brasil: Nossa, que paulada linda que esse moleque tomou do Luciano!!! Por favor, onde eu deixo 10 mil likes no posto do Heberti Pedroso?

    Pedro Henrique Conciani Corso: Será divertido ver você apontar fraudes no texto de um investigador de fraudes, como é o Luciano Ayan. Aliás, ele costuma utilizar uma linguagem muito simples e clara nos seus textos. Você encontrou alguma sutileza mesmo, ou achou algumas partes difíceis demais pra você entender?

    ateuinforma: Adorei conhecê-lo. É exatamente o tipo de gente que critiquei nesse vídeo! Vai me dar muito material.Vou poder analisar exatamente o processo de convencimento pelo qual vocês passam. É interessantíssimo notar como me critica o Viktor por eu ter chamado alguém de “feio chato e bobo”, como se nada do que tivesse dito fosse diferente de insultos e como se o texto citado (e outros do blog que vi) não estivessem recheados disso. Bom notar que você, Pedro, acha que ele é um “investigador de fraudes” e que será divertido tentarem apontar fraudes em um texto de alguém assim. Vocês sabem que compõem um grupo político que se alimenta e vem crescendo tomando de assalto o título de “direita” deixado às moscas por terem ficado os políticos brasileiros com medo de ser “contra o povo”, uma vez que historicamente assumem os ignorantes que a esquerda “luta pelo povo coitadinho”. Vocês têm identidade certa e trabalham a todo vapor em processo de convencimento. Vi que você, Pizzaria, faz vídeos nessa linha.
    É um prazer conhecer alguns de vocês de maneira mais próxima. :)

    Pedro Henrique Conciani Corso: Relaxe cara, esses foram só nossos comentários acerca do seu vídeo, da sua futura resposta, ou de um possível “debate” entre você e o Luciano, não são argumentos pra você rebater. Pagar de pesquisador e dizer que vai nos tomar como seu objeto de estudo, pra depois comentar (baseado em não-sei-o-quê) isso tudo sobre a direita brasileira ANTES de responder de forma aceitável ao texto do Luciano, não sei se você percebeu, só faz você parecer ainda mais ridículo.

    Deixe de picuinhas e continue a elaborar a tal da sua resposta.

    ===========================

    O cara está levando pancadas antes mesmo de ter escrito qualquer resposta! Haha!

    • Anon, já dá para sentir o esperneio.

      Essa parte é interessante: “Adorei conhecê-lo. É exatamente o tipo de gente que critiquei nesse vídeo!”.

      Ele já começou mal, pois acho que ele nem me pesquisou, senão saberia que sou ateu. Ademais, eu não admito qualquer teoria da conspiração, especialmente por pragmatismo político. Quer dizer, o cara nem pesquisa o adversário e acha que vai pontuar? Assim minha retribuição à “refutação” dele vai ser uma moleza. Acho que vou passar metade do tempo desafiando “Onde eu disse isso?” e qualificá-lo nesses momentos como mentiroso. 😉

      Mas vou aguardar. Espero que ele me surpreenda e torne minha investigação de fraudes mais desafiadora. rs.

      • Ele já até mudou o “thumb” do vídeo, que antes continha a imagem dele, por uma ilustração — prevejo vergonha alheia em DOSES CAVALARES.

        É que o pessoal não é chatinho como eu….pois tenho o costume de pegar CADA FRASE do cara, por exemplo (sobre o artigo do luciano):

        “aduz tratar-se de algo sério. Pode deixar que eu já to escrevendo resposta.”
        Se o texto apenas “aduz”, ou alega ser algo sério, mas em realidade (segundo Pedrinho inho inho inho) não é………. porque se incomodar em escrever uma resposta????

        “Vou poder analisar exatamente o processo de convencimento pelo qual vocês passam”
        Pedrinho inho inho inho, intimidado pela frase “investigador de fraudes”, pra contrabalançar o temor de passar por uma ridicularização monstruosa (que já se iniciou em seu próprio canal), irá similuar que o “investigador” é ninguém senão ele mesmo….
        Moral psicopática é pouco…..aparentemente o sujeito já está sofrendo de uma espécie de ‘delirium tremens’ (vide o esperneio do seu vídeo) a partir da sua dissociação com a realidade.

        É interessantíssimo notar como me critica o Viktor por eu ter chamado alguém de “feio chato e bobo”, como se nada do que tivesse dito fosse diferente de insultos e como se o texto citado (e outros do blog que vi) não estivessem recheados disso.

        Faz já um tempo que eu observo a CONCATENAÇÃO de fraudes…
        Aqui, caros amigos é a técnica do “tu quoque”, onde Pedrinho inho inho inho, sujere um evento o qual NÃO DEMONSTRA EVIDÊNCIA ALGUMA (blogs recheados de insultos aos esquerdistas), e usa esse evento imaginário, como se fosse real para lançar o “tu quoque” sobre ele. Ou seja é a simulação da realidade + o tu quoque.

        O que ocorre em realidade é EXATO OPOSTO. O comportamento neo ateu e esquerdista resume-se SEMPRE em criticar o adversário SOMENTE por manifestar a opinião adversa da dele…e pra isso usam o expediente “chato e bobo” em uma recusa ou incapacidade (dada a dissonância cognitiva) de ler o material que contradiga suas crenças. Por outro lado, aqueles de direita que estão preparados para o debate político, QUALIFICAM seus adversários de acordo com o CONTEÚDO do que apresentam. Nesse caso em específico a qualificação não é um mero “chato e bobo”, mas a demonstração de que o adversário simula o comportamento e mente como psicopata.

        —-

        Vocês sabem que compõem um grupo político que se alimenta e vem crescendo tomando de assalto o título de “direita” deixado às moscas

        KKKK, Aqui Pedrinho inho inho inho, tenta um truquezinho amador de PNL…ele faz afirmação sobre um grupo político que desconhece, de uma ‘direita’ que conhece menos ainda, e faz uma acusação grotesca sobre o assalto do título.
        O interessante é que ele inicia a construção com a frase “Vocês sabem”…para iniciar um comportamento que levará as seguintes conclusões:

        1 – Se o adversário calar-se sobre essa frase, aceita automaticamente como verdade a afirmação de Pedrinho….

        2 – Se o adversário discordar da afirmação, Pedrinho inho inho, irá iniciar um processo de “apelo à ignorância” de modo INVERSO. Afirmará que o adversário só não concorda porque é um manipulado, e portanto ignorante à própria manipulação que sofre.

        Já que pedrinho tenta usar um truquezinho tão safado de PNL, vamos testar um GATILHO:
        Nesse caso é só perguntar ao coitado…..já que os supracitados estão tomando o título de “direita” por assalto, como seria a “verdadeira” direita?, ou o como seriam os verdadeiros representantes da direta?………. e ver pedrinho REPETIR a propaganda esquerdista e neo atéia que prega em seu vídeo como crente fanático.

        Pedrinho cita coisas como grupo político (como se ele não pertecesse a nenhum), e um título de uma direita, a qual ele provavelmente não sabe no mínimo 3 princípios.
        E essa é toda a base de argumentação de pedrinho, ele realmente quer fazer as pessoas acreditarem que ele não pertence a um grupo, que ele é imparcial, cheio de boas intenções, que sabe tudo a respeito da direita, e ele sabe tudo a respeito dos verdadeiros inimigos da nação: A “Opus Dei”.
        Fazia um tempo que não me divertia tanto 🙂

        Vocês têm identidade certa e trabalham a todo vapor em processo de convencimento.
        Essa é a cereja do bolo….Pedrinho inho inho reconhece que o pessoal do pizzaria brasil “trabalham a todo vapor” em processo de convencimento….
        Ora…..não é exatamente o que faz pedrinho inho inho, que possui um canal de internet denominado “Neo ateu informa”?????

        Mas se pedrinho está assim incomodadinho…é porque pizzaria brasil aplica uma forma de transmissão de informação que funciona 😉

        —–

        Depois quando demonstramos que grupos políticos como neo ateus, e esquerdistas simulam estrionicamente o comportamento de psicopatas, serem completamente despreparados para viver em sociedade e dissociar da mais simples observação da realidade…ele choram.

        Para tipos esperneadores como ele, ridicularização é pouco, tem que sofrer humilhação pesada como ônus de tanta merdice que joga pra platéia.

      • Pecador, quem te falou que isso aí é PNL? Tem muita coisa séria e boa na PNL, apesar dela ter sido ‘adotada’ pelos enroladores de plantão

        Pessoal, na boa…vocês precisam aprender a ler as coisas…onde foi que eu, ou outra pessoa sequer disse que a PNL não tem coisas sérias e boas?

        Aliás, você me pergunta “quem te falou que isso é PNL?”, será que eu não saberia reconhecer o vestígio ou uma aplicação da PNL que já se tornou comum em táticas de retórica e discursos para as massas, ???Se você mesmo afirma que a PNL foi adotada por enroladores de plantão, não percebo o sentido de me perguntar quem me falou que isso é PNL.

        Apenas indiquei que esse é um truquezinho barato que se utiliza da mesma.
        Os turquezinhos de PNL estão aí por toda a net, pra quem quer “pensar positivamente e ficar rico” através de gatilhos e frases de efeito, ou vendida através de livros de auto ajuda. Muitas técnicas de venda, possuem PNL embutida.
        Discursos de guerra política além de “venderem” a idéia, dão uma espécie de “autoridade” à quem está realizando o discurso.

        A frase de Pedrinho inho inho, “vocês sabem…” é uma frase de apelo ao senso comum, e o efeito se ancora na ingenuidade do oponente em aceitar que a direita vem crescendo, quando na realidade é a REAÇÃO de direita que está crescendo…pois a direita permanece praticamente a mesma.
        Quando afirma “vocês sabem” ele além de se dar razão, obtém razão automatica validada por seu adversário, quando este se cala…assim, ele não precisa demonstrar o que diz.

        —-

        A PNL é frequentemente usada, em seu sentido mais perigoso, em discursos ideológicos….na criação de pacotes conceituais: frase prontas em discurso retórico, ou contra argumentação, com o intuíto de ancorar rótulos e idéias, mesmo que simplistas, para gerar reações no subconsciente do ouvinte.

        Não é que Pedrinho é um gênio da PNL, é possível que ele não faça qualquer idéia sobre isso (assim como o restante das coisas que fala), mas a questão é que o uso da PNL se cristalizou na “forma” de discursar de neoateus e esquerdistas, e não é a toa que utilizam o mesmo comportamento, e as mesmas frases. Quando sabemos que a maior tragédia humana se acumula nas ideologias vermelhas e sua relação com o neo ateísmo (ateísmo militante), algo como a PNL é extremamente necessário para poder conseguir adeptos através de uma mensagem que passe pelo subconsciente do alvo, sem disparar qualquer alarme moral sobre as consequência da aplicação de tais idéias. A partir daí encontrar o uso de PNL de forma mais simplificada para a proteção do conceito cristalizado no subconsciente, é comum nos debates ideológicos. Eles foram inconscientemente treinados para reagir desta forma, utilizando tais frases e comportamentos, mas obviamente são responsáveis pelo seu comportamento consciente.

        http://www.youtube.com/watch?v=b8EQo-VliVc

        http://www.golfinho.com.br/artigospnl/artigodomes200710.asp
        leia até a parte “A verificação da conveniência”, pois o resto é feminismo abjeto — mas ler o restante seria bom, para perceber como a PNL é empregada por uma feminista.

      • O cara quer se meter a entendido nessas questões de direita/esquerda e ainda NEM SABIA da existência do Luciano Ayan? Onde ele estava…em marte??? Ainda mais sendo um Neo-Ateu já deveria ao menos ter vistos os con[des]crentes dele falando [mal] do Ayan e esperneando por serem rotulados como NEOateus.

        Acho que a pessoa que se envereda por ser um militante do esquerdismo e do neoateísmo tem de conhecer os principais nomes de seus debatentes rivais, correto? Se ele não conhece, só demonstra o quanto é manipulado, doutrinado a viver e respirar apenas seu ambiente controlado, seu pequeno mundinho com companheiros e fontes todas da “religião politico-humanista” da esquerda.

      • @Pecador, sem querer vc respondeu a minha pergunta: quem te falou foi o golfinho. Quando eu digo que tem enroladores na PNL não to falando só de esquerdistas, tem muita porcaria escrita e publicada sob o rótulo de PNL.
        Quando eu falo PNL me refiro a Bandler e Grinder, o resto passa a anos luz desses dois.

      • O Robert Dilts também é muito bom. O John Connor escreveu um “Manual da Programação Neuro Linguística” que também é bem interessante.

        Mas concordo que também há muita porcaria nessa área.

        Abs,

        LH

      • sem querer vc respondeu a minha pergunta: quem te falou foi o golfinho

        Slaine, eu raramente faço coisais sem querer, e não fiz agora.

        o golfinho não me disse nada….
        – Primeiro porque o artigo do golfinho é de Shelle Rose Charvet.
        – Segundo (antes que você diga….’ok então foi Rose que te disse’) o artigo do golfinho eu acessei apenas para demonstrar meu ponto, após o seu questionamento.

        Mas sério… não me importo muito com os escritores da PNL, mas sim com aqueles que demonstram a aplicação da coisa (Ou) sua mesclagem ao discurso comum e em especial à propaganda para efeitos coletivos.

        Gosto de escritores como Philippe Breton que, independente da ideologia (dele), aborda a questão por este prisma. E embora Blander seja considerado o “papai” da PNL, parece óbvio (pelo menos pra mim) que ela já era perceptível em Montesquieu, estudada por Eric Arthur Blair, frequentemente utilizada por Goebbels, Lênin e Hittler que EM APLICAÇÃO, deixam Bandler completamente obsoleto, embora este último apresente uma metodologia “popular” para a coisa — a provável origem secreta dos PUAS 🙂 just kidding.

  10. Luciano, excelente texto!
    Eu conheço esse Pedro, e lhe adianto: o cara é um boçal. Faz faculdade em uma particulixo em Brasília e está para se formar, em Direito, como se não bastasse!
    Bom, em todo o discurso dele eu pude identificar o uso de anacronismos, quando ele insiste em comprar livros e fatos históricos de anos atrás com o establishment atual. Outro erro dele foi misturar marxismo, marxismo cultural, socialismo utópico e comunismo, batendo tudo num liquidificador e fazendo uma limonada muito azeda!
    O cara faz Direito, logo, tem que defender o Estado inchado e a corja de marginais. Afinal, se não houver Estado inchado e marginais, vai lhe faltar trabalho, certo?
    O que me irritou ao ver o vídeo foi, a todo momento, ele não citar na íntegra o discursos da Rachel e, como todo esquerdista funcional, deturpar suas palavras e encontrar um bode expiatório para justificar a patifaria do governo que defende.
    Porém, o que mais me irrita nesse cara é o ar de superioridade, em achar que só ele é o dono da verdade, que sabe de tudo, é auto-suficiente e todo o resto do mundo está errado.
    Uma pena que muita massa de manobra o assiste e concorda com suas asneiras.

    • Me desculpe Larissa, se discordo do que escreveu. Seu post foi todo um ataque “ad hominem” o que, em minha opinião, deveríamos evitar para termos um debate realmente honesto (OK! Sei como isso é difícil quando se trata de fanáticos da religião política – quer direita ou de esquerda – mas ainda acho que vale, a partir do momento que não esperamos converter o próprio fanático religioso, mas ajudar a pensar aqueles da assistência que ainda podem raciocinar).

      Um advogado não precisa de um governo inchado para trabalhar. O que ele precisa é do estado de direito onde a liberdade de expressão permita que as pessoas sejam julgadas por seus atos – e não pelo que falam ou escrevem – onde sua culpa ou inocência possam ser colocadas numa balança e serem pesadas pelas evidências apresentadas, fazendo a justiça o seu trabalho.

      Em tempo, não sou advogado, nem estudante de Direito, sou engenheiro e, sempre que possível, procuro basear minhas decisões por fatos e dados, não na opinião de outrém, por esse motivo, principalmente, o vídeo do Pedro não me incomodou muito, já que não apresentou um número sequer em apoio de seus argumentos os quais interpretei apenas como a opinião pessoal dele.

      É óbvio que ele tem o público dele, que o aplaude e que concorda com tudo que ele diz. A Regina Casé também tem, assim como a Raquel Sheherazade.

      • O que ela disse foi que NO CONTEXTO ATUAL a maior probabilidade é que o sujeito que faz direito, já faz pensando no gordo salário de funça. Uma pequena minoria quer advogar, e olhando pro discurso esquerdófilo desse cara, fica claro que ele não faz parte dessa minoria.

        E não acho que seja ad hominem chamar um boçal de boçal. Boçal é aquele sujeito arrogante, que se acha muita coisa sem ser. Direito principalmente está cheio de tipos assim.

      • Mais Ad Hominem que o discurso do Pedro, impossível. Bom, válidos seus argumentos, mas ainda sigo na linha de que se estivéssemos no minarquismo, não haveria tanto trabalho para nossos advogados e senhores da lei. Não faço Direito nem Humanas, apenas sei que nada sei, mas tenho alguma opinião até que provem o contrário. Não compare Regina Casé com Rachel Sheherazade da próxima vez. Passe bem.

    • Larissa, concordo com o que você disse, com exceção ao fato de que quem faz Direito defende o Estado inchado. Fiz esse curso e atuo no ramo, mas nem por isso sou defensor do inchaço estatal. Bem pelo contrário.
      E vai faltar trabalho para o garoto justamente pelo fato de ele ser um jovem desqualificado e utilizar linguagem inapropriada para defender suas ideias.
      Aproveito o momento para um fato interessante sobre o vídeo: a) Pedro julga que a Rachel fez apologia ao crime, b) logo, ele acha inapropriado que seja dado espaço para que ela exponha suas ideias na TV, visto que sua mensagem atinge muitas pessoas; c) mas Pedro cita o Mein Kempf, de Hitler, para embasar suas teorias deturpadas; d) Hitler promoveu o holocausto nazista, sendo assim um criminoso; e) deste modo, a citação do Mein Kempf é inválida como fundamento para as ideias de Pedro, de modo que ao fazê-lo, contradisse toda a sua ideia.
      Na realidade esse Pedro não passa de um garoto iludido com o curso de Direito, se achando superior aos demais. Conheci vários desse tipo na minha época de faculdade. Ou crescem e notam que estão sendo ridículos ou pioram com o tempo. Aposto mais na segunda opção.

      • Eu conheço o Pedro, por isso já o acompanhava no YouTube. Encontro vários vídeos dele que o contradizem. Ele entra em contradição a cada vídeo, tudo para buscar uma aprovação de sua crença cega. No UniCeub, faculdade onde ele “estuda”, existem vários professores de Direito esquerdistas, talvez seja por isso que, o repetidor de ideias, defende um discurso tão fraudulento quanto esse, sem nem sequer fazer elucubrações a respeito. Bom, como não faço Humanas, posso dizer que não tenho propriedade para argumentar na área, mas ao menos uma opinião tenho. Sua opinião foi acatada por mim, obrigada pelo feedback.

  11. Por favor, não perca tempo e nem dê espaço para o débil do vídeo, respondendo seus ataque de bicholismo esquerdista de quem “conhece tudo de sienssias çossiais”…

  12. Esse tal de Pedro então conseguiu parte do que ele queria: aparecer. Só que apareceu de verdade, nada maquiado: ridicularizado, humilhado, babaca e criminoso (afinal, quem incita ao ódio como ele faz no vídeo, à Sheherazade e a qualquer um que seja contra seus pensamentos, é um criminoso. Aprendeu bem com os amigos esquerdistas a ser um). Enquanto ele fica latindo na esperança de que seu vídeo seja reconhecido como a salvação da lavoura, Rachel renova com o SBT e suas opiniões voltarão, pra que ele e seus parças sanguinários engulam sem cuspir. Todo o alarde que fazem em torno da Rachel só torna o nome dela mais conhecido e reúne mais admiradores. Os trouxas dando tiro no próprio pé e se enforcando com as próprias cordas… uma delícia de se observar. Continuem.

  13. Luciano, você é demais cara! Um dia eu espero detectar fraudes como você (hahahahaha). É sensacional ver esses babacas da esquerda mijando na calcinha.

    • Achei que o Flávio pecou um pouco nesta palestra por ter sido pouco assertivo, embora eu admita que é muito difícil debater com um sujeito que mente o tempo todo. Em termos de conhecimento, no entanto, o Prof. Fuser é muito, muito mais fraco que o Flávio.

  14. Luciano, não deixe de comentar o debate do professor Igor Fuser contra o Flávio Morgenstern. É um prato cheio pra você. O professor esquerdista levou uma sova no debate, nos comentários do vídeo e soltou várias pérolas que vão nos garantir um estoque de piadas prontas. Sensacional!

      • Só para lembrar que essa acusação da Nádia Lapa à Carta Capital acaba por se somar a este episódio envolvendo a Caros Amigos, significando que a mídia assumidamente marxista-humanista-neoateísta pode estar em uma draga de dar dó, mesmo que em alguns casos estejam recebendo fartos financiamentos de governos MHNs nas muitas esferas.
        Porém, há o fato óbvio de que mesmo governos MHNs irão preferir aquelas mídias nas quais tenham mais visibilidade. Em qual meio é mais provável que alguém veja um anúncio: na dita mídia alternativa ou na grande mídia?

        E nessa, os meios de comunicação abertamente MHNs acabam por se expor ainda mais, gerando desconforto àqueles que porventura pensaram em trabalhar para eles. Talvez seja por isso também que vimos na grande mídia alguns pondo as asinhas mais de fora e MHNizando mais acentuadamente, uma vez que estão dentro de uma estrutura empresarial mais robusta que a frágil estrutura dos tais meios menores.
        Se formos pensar na estrutura dos quartéis-generais midiáticos assumidamente MHNs, podemos considerar que eles não irão mesmo atrair muitos anunciantes além de governos, no máximo recebendo financiamento de pequenos comerciantes que viram naquele espaço uma possibilidade mais em conta de divulgar sua marca. Porém, ainda assim esses mesmos pequenos anunciantes podem considerar mais confortável e politicamente neutro ter fanpages no Facebook, perfis no Instagram e no Twitter e gerenciar tudo via Hootsuite, uma vez que não estão associando suas marcas a uma ideologia, bem como cortam o intermediário em relação ao cliente final. Logo, vamos considerar que as mídias modernas podem estar sendo usadas por militantes virtuais da vida que interditam o debate de posições diferentes, mas também estão servindo para cortar a fonte de financiamento que a mídia explicitamente MHN teria. Provavelmente até aquele “bar do comunista” pode estar considerando mais viável usar a mídia gratuita (e se o marxista dono do estabelecimento for de matiz cultural, aí sim achará perfeitamente normal usar esses meios).

        Logo, parafraseando o Lobão, é possível que a esquerda esteja tirando o hype de si própria pelo fato de as fartas verbas não estarem sendo administradas como deveriam. Já em relação a Nádia Lapa, não considero que ela vá demonstrar publicamente uma percepção de ter servido de inocente útil (mesmo que de repente esteja consciente isso) ou mesmo deixar de ser feminista, uma vez que investiu muito de seu tempo (e dinheiro) nisso e já está em algum grau de beneficiarismo em seu perfil majoritariamente funcional.

      • Vomitaria em cima dessa Carta Capetal. Não limparia a bunda com ela, pois imagino que deva ser desconfortável. Uma revista que diz que amarrarem o bandido ao poste foi maldoso na mesma proporção que matarem a mulher no Guarujá foi a cartada final que eu precisava pra poder cagar sem culpa em cima dessa revista. Esse link compartilhado me deliciou. Muito obrigado.

      • “Acredito, também, que não existe empoderamento sem dinheiro numa sociedade capitalista. Não adianta você querer quebrar com os paradigmas de corpo, beleza, sexualidade, se no fim do mês a Eletropaulo vier cortar sua luz.”

        ROLEI DE RIR………
        Um dia a ficha cai……..e quando cai, O BARULHO É IMENSO.

    • Depois que este Igor disse que a Globo transmitia valores conservadores nem me deu mais vontade de assistir.
      Ainda bem que ele pegou pela frente um cara fraco para argumentar como este Flávio, que admito escrevem bem.

    • Eu ia até sugerir ao Luciano que visse esse vídeo. Já que você postou, já está beleza. Morga detonou e deixou o Igor Fuser nocauteado desde o começo do debate. A partir da metade do debate, o Fuser pareceu uma criança confusa e chorando, pedindo a mamãe. Que surra!!! Se assemelha a surra que o Safatle tomou do Stephan Molineux, só que com o Morgenstern sendo mais honesto intelectualmente do que o canadense.

  15. Luciano, se tiver um tempo, dê sua impressão a respeito do debate entre o Flavio Morgenstern e o Igor Fuser para o grêmio politécnico da USP. Ver o vídeo abaixo. Na minha opinião, o Flavio deveria ter destroçado o petralha e não o fez porque estava desorganizado, não concatenou bem as idéias e deve ter suposto que “estar certo” seria suficiente. Faltou ironia, desacreditar o oponente, apresentar alguns dados (mesmo que poucos) para robustecer a própria posição etc. Um debate que era para ser um massacre foi um “empate técnico”. Pareceu a apresentação de posições antagônicas e igualmente válidas. Houve um ou outro frame positivo, como tentar colar no petralha a pecha de apoiador de ditaduras e mostrar que o Estado é composto de políticos, não do povo. Mas foi muito pouco diante das chances apresentadas. Há, por exemplo, argumentos e literatura de sobra para provar que a crise de 1929 e a de 2008 não foram causadas pelo liberalismo, mas nada foi dito a respeito.

    Apesar da atuação aquém do esperado, no próprio vídeo há os comentaristas puxa-sacos que falam sobre “massacre” e coisas do tipo. Me preocupa muito que a direita não saiba reconhecer quando não vai bem ou quando se apresente para a briga sem estar devidamente preparada. Claro que o objetivo de curto prazo é derrotar os petralhas nas urnas, mas é preciso construir uma base sólida para enfrentá-los no futuro. Isso passa pela seleção das pessoas mais capazes e aptas para efetivamente esmagá-los no debate público. Sou fã do Flávio. Aliás, essa nova geração escreve muitíssimo bem. Porém, é preciso saber juntar dados, organizar as idéias e apresentá-las num debate cara-a-cara. Se o Constantino, o Morgenstern, o Moura Brasil etc não são capazes disso, precisamos achar pessoas que sejam.

    Aqui vai o vídeo:

    • Foi justamente o contrário! O próprio Flávio comentou que a plateia gostou muito da sua participação. Ao permitir que seu adversário ultrapassasse os tempos de respostas, cortá-lo, usar rótulos, chavões, ser mal educado e apelar para ofensas pessoais – Ele acabou fazendo um judô no discurso dele, pois ficou claramente subentendido que o professor é um mero militante inseguro. Ao passo que o Morgenstern se mostrou um sujeito educado e preocupado com as questões de ordem superior (e isso se manifesta até de forma estética, basta observar a sua linguagem corporal, tom de voz e serenidade).

      Um bom exemplo deste “judo”, foi o que acabou acontecendo com o debate entre o David Horowitz e Slavoj Zizek, apesar de que tudo que o Horowitz dissesse fosse embaçado em fatos comprovados, o seu excesso de chavões, rótulos, cortes, alterações emocionais e ataques pessoais acabou fodendo a sua perfomace. E por conta disto, o publico leigo acabou caindo nas graças do Zizek. Pois o Horowitz pisou na armadilha caricatural que os esquernazistas fazem dos sionistas conservadores.

      • EU tive uma percepção diferente do debate ente Horowitz e Zizek — horowitz perdeu um pouco da calma sim, mas nada comparado ao Zizek que comportou-se como um verdadeiro estérico simulador de psicopata…..o cara gritava mais que puta fingindo orgasmo.

      • Esse Zizek é a prova viva de que ser socialista faz mal para a saúde mental da pessoa. O cara é completamente maluco, não diz coisa com coisa. Não tem jeito, se a pessoa é socialista está fadada a ter 3 destinos: ou fica maluca como o Zizek, ou fica rica ou toma jeito e larga essa m…, virando conservadora liberal

      • Não vejo dessa forma. O próprio Olavo de Carvalho fez o seguinte comentário no Facebook a respeito do debate: “O Flávio é melhor escrevendo do que falando”. Se isso não é uma reprovação a atuação, eu não sei o que é. Não digo que Flavio foi arrasado, mas sim que ficou muito aquém do desejável e bastante longe longe do massacre aplicado que alguns querem vender.

        Nós precisamos ser humildes e buscar a verdade sempre. Um bom debatedor não é aquele que diz as coisas com as quais concordamos, mas sim aquele que convence os indecisos. Nesse debate, ficou parecendo um empate técnico, com duas opiniões divergentes, porém moralmente válidas. E quando se debate com um sujeito que defende posições absurdas, como esse petralha Igor Fuser, massacrar é uma obrigação.

        Flávio, de quem sou fã, reitero, perdeu dezenas de oportunidades de criar frames, de associar o petralha a um idiota que defende as coisas mais abomináveis e que cai em contradições a todo momento. Fez isso duas ou três vezes, se muito. Uma análise minuciosa do debate pode facilmente apontar essas oportunidades perdidas. No final, ainda foi corrigido por um petralhinha da platéia a respeito de um conceito trivial.

        Claro que ninguém gosta de ser criticado. Mas se nós da direita quisermos derrotar a esquerda de maneira constante e duradoura (e julgo isso ser uma obrigação nossa), temos que fazer freios de arrumação e avaliar nossa atuação sempre. O Flávio é ótimo escrevendo, assim como o Felipe Moura Brasil. Porém, pode ser que falando em um debate, não sejam tão bons assim ou ainda estejam em processo de desenvolvimento. Sendo esta última hipótese, não convém se apresentar para o debate enquanto o desenvolvimento não chegar a um nível melhor. Já se não houver o talento natural, que cada um fique no seu quadrado e achemos representantes mais apropriados para o debate público. Estive numa palestra com o Paulo Martins e ele tem muito talento na apresentação pessoal, em que pese o fato de não ter 1/10 do conhecimento do Flávio ou do Felipe.

        Finalmente, vale aqui a máxima de Santo Agostinho: “Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me adulam, porque me corrompem”. O maior flanco que a esquerda abriu para nós foi justamente acreditar que por já ter dominado os setores estratégicos e institucionais da sociedade brasileira, não precisava mais estudar e se preparar. Isso criou essa geração de Jeans Wyllys e Sakamotos, que é o grande calcanhar de aquiles deles hoje. Nós, ao contrário, diante das dificuldades, tivemos (e ainda temos) que nos preparar, estudar mais e mais, ouvir nossos mestres, evoluir constantemente e preparar novas pessoas. Foi isso que o Olavo se dispôs a fazer e cujos frutos estão aí sendo colhidos agora. Nós não temos o direito de relaxar e achar que os poucos avanços de uns tempos para cá são suficientes.

      • Thomaz…concordo contigo.
        Mas não sei se este foi o primeiro debate do flávio, então estou dando um desconto. Em termos gerais ele usou informações as quais já estamos familiarizados……a oratória melhorará com o tempo e estudo específico.

        A parte de tudo isto, nota-se que a platéia era pouca, e isto as vezes desanima bastante.

        Há uma série de técnicas que flávio não usou, e oportunidades que perdeu, onde poderia ter usado a assertividade e explorado a baixíssima moral do professorzinho.

        Primeiro que o professor começou com o típico comportamento de torcida, nota-se que é um militante. Flávio já poderia apontar este fato de forma um pouco humorística:
        “Bom, não sabia que o debate se daria com um militante do governo…” E isso já colocaria o professor em defesa….

        Flávio já começa mal, com a desnecessária humildade “vamos ter que nos contentar comigo mesmo”(…)” espero não amolar muito”….depois que o professor fingiu que nem sabia o nome dele — o que em sí pode ser considerado como mera desatenção ou uma técnica pra demonstrar que o interlocutor é um desconhecido de baixa autoridade — cria para o ouvinte um déficit de credibilidade na habilidade dele para debater.

        Outro problema que flávio apresentou, foi apresentar números se citar fontes (caso dos 40% de concentração de “poder estatal”). Aliás nesse debate, o que não faltou de ambas as partes foi a citação de números e eventos que nenhum dos dois citou fontes. Seria interessante que de uma próxima vez, flávio que tinha conhecimento prévio do que seria abordado (a ditadura e a américa latina) levasse consigo material de referência para citar números e eventos.

        O professorzinho recrimina os 40% de flávio, e joga 98% de informação que é “controlada” no brasil, pelo “pensamento único, conservador e direitista”.

        “Desafio você a provar o que você está dizendo” diz o professor por volta de 21:53: Por isso digo que era vital, que flávio tivesse levado consigo, notícias de diversos meios de comunicação nacionais e internacionais como referência.

        22:12 “A probreza diminuiu está diminuindo de maneira drástica na américa do sul”…

        Ora aqui é fácil, só no Brazil temos 13 milhões de inscritos no bolsa família,um aumento exponencial desde sua estréia, demonstra que o número de pobres dependentes do governo, só aumentou.

        http://ultimosegundo.ig.com.br/bolsa-familia/2013-10-17/bolsa-familia-em-numeros-confira-resultados-de-dez-anos-do-programa.html

        http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/numero-de-beneficiarios-do-bolsa-familia-so-cresce

        “Mas ninguém discute isso, isto nem está na agenda” diz o professor aos 20:23 este é um truque semelhante ao de PNL que citei em outro caso….o professorzinho assume-se como a entidade representativa da sociedade, dizendo o que é, ou não,discutível — e se o interlocutor se cala com respeito a isto, dá essa autoridade ao adversário…e ainda fica com a alcunha de estar dessenterrando assunto morto.

        Quando um pouco antes o tal do professor disse que a diferenciação entre autoritatismo e totalitarismo é indiferente pra quem foi preso e torturado…flávio TINHA A OBRIGAÇÃO DE TER ANOTADO ISSO…pois quando o esquerdista faz um julgamento moral qualquer, devemos guardar esse julgamento para depois fazer o esquerdista jogar no mesmo livro de regras….

        Flávio foi muito bem na segunda resposta…o frame corretíssimo, bem aplicado fez o professorzinho começar o teatrinho:

        33:08 — “é desinformação……é desinformação, o imposto do país vai parar nas mãos da rede globo”
        KKKKKKK Nessa hora se eu fosse flávio, RIRIA ALTO. Professor universitário com teoria da conspiração é hilário.

        33:24 — o professorzinho fala sobre a lei de anistia, mas devemos lembrar que os julgados neste exato momento, são os militares.

        33:44 — ISTO MERECE SER ESCRITO NA ÍNTEGRA:

        “A violência durante a ditadura militar, foi uma violência do regime, os atos de violência dos grupos de resitência armada, se você olha o conjunto deles foram numa quantidade irrisória comparada com os atos de violência da ditadura”

        Flávio deveria ter usado a tal regra:
        “Pra quem é estuprado, torturado e morto, não importa se a quantidade é irrisória — a violência é a mesma, e exercida sobre INOCENTES. E repetia o frame de que a violência contra inocentes, seja exercida por militares, ou por guerrilheiros é abjeta.

        Por volta de 36:00 o próprio professor afirma que a petrobrás é um instrumento do enchimento de estado na venezuela. Nega a ditadura da venezuela, acusa a oposição das mortes venezuelanas…e fala sobre o arame farpado contra os motoqueiros…

        Só que o que professorzinho não cita, é a HORDA DE MOTOQUEIROS MILICIANOS PRÓ GOVERNO, QUE MATARAM VÁRIAS PESSOAS, INCLUINDO UMA EX MISS…

        http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/files/2014/02/Captura-de-Tela-2014-02-21-%C3%A0s-15.04.20.png

        http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/socialismo/venezuela-sob-ataque-de-milicias-cubanas-ligadas-ao-governo-as-cenas-que-voce-nao-vera-no-jn-e-que-o-pt-defende/

        http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/155257-maduro-pede-que-milicia-repreenda-atos.shtml

        http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/02/morre-miss-baleada-em-protestos-antigoverno-na-venezuela-diz-familia.html

        http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/venezuela-miss-leva-tiro-na-cabeca-durante-protestos

        Mas o professorzinho acha que só tem motoboy chavista na venezuela….e está o que está de fato ocorrendo é uma outra CONSPIRAÇÃO para matar motoboys chavistas 🙂

        O que DESMENTE categoricamente o professor, é quantidade de assassinatos do regime ditatorial com adicional de PRISÃO E TORTURA, onde flávio poderia NOVAMENTE APLICAR A REGRA, de que “pra quem está sendo preso e torturado apenas por protestar” mesmo a violência cometida por quem tem o monópolio da força, é abjeta.

        http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/protestos-na-venezuela-ja-deixaram-28-mortos-e-mais-de-300-feridos

        Flávio cita que a pessoa pode procurar os vídeos na internet…MAS ISSO NÃO É SUFICIENTE….novamente fica demonstrada a importância de levar consigo, material de referência, uma especie de dossiê para debates….não é vergonha alguma fazer isso, é a demonstração de preparo e antecipação do que o oponente vai tentar manipular.

        Ninguém ganha debate, só com autoconfiança.

        Veja olavo de carvalho….ele cita fatos DE MEMÓRIA, com fonte e ano. Mas se a memória não funciona, leve notas.

        “O fascismo é baseado em eleições” — dentro do contexto do debate, ótimo frame de Flávio — e boa explanação a partir disso, mas não sei se o usaria com uma platéia mais massificada.

        Boa lembrança da riqueza de maduro e Chaves, mas faltou o link entre a riqueza deste, e a probreza de seu povo, de uma forma mais ENFÁTICA. Poderia adicionar aí a seguinte informação:

        http://oglobo.globo.com/mundo/presidencia-de-maduro-custa-us-25-milhoes-por-dia-11342792

        Opinião pessoal minha: citar Foro de São Paulo em um debate, sem preparar a platéia de alguma forma para tal colocação, é imprudente e contraproducente. Se encaixa em teoria da conspiração, e o tempo para demonstrar o contrário é insuficiente.

        Flávio preveu a questão do embargo, e isto o favoreceu no debate, pois privou o argumento do adversário, se bem que o professorzinho já havia falado que cuba é um regime ditatorial e fugiu do assunto. Pórem essa terceira colocação de Flávio fez o professorzinho apelar pro ad hominem DIRETO…

        46:10 – O professorzinho está acostumado com ‘debate acadêmico’, posteriormente no debate ele revelará que só debate com gente de esquerda. É o mesmo padrão da “Socialista Morena” que só debate com “os iguais”, portanto as “idéias diferentes”, debatidas no meio acadêmico é com respeito ao nível de violência necessária na ditadura do proletariado….alguns querem matar mais, outros menos, e essas são as idéias diferentes dos amiguinhos do professor. 🙂

        No restante é o mais do mesmo.
        Na boa, eu tentaria no lugar de Flávio, fazer o professor ESPANAR NO LIMITE e abandonar o debate. Não tenho qualquer interesse em permitir que o camarada MINTA, MINTA, MINTA como mentiu e sair impune.
        O cara falar que está havendo uma redistribuição de riqueza na venezuela, ao passo que o povo enfrenta filas homéricas pra comprar papel higiênico, item básico faltando em todo o país…..já me diz que ele não tem um pingo de moral nem vergonha na cara, é um embusteiro militante fingindo ser professor… professor de TEATRO fuleiro.

        Conclusão:
        De maneiras gerais em termos de conhecimento, é óbvio que o flávio foi superior……me pareceu que estava mais preocupado em propagar o conhecimento e difundir os questionamentos, do que com seu adversário, que já havia demonstrado desiquilibrio emocional a partir da primeira fala.

        Porém achei desnecessária a tamanha polidez, a banca de humilde sem ganhar nada com isso após o adversário o desmerecer fingindo nem mesmo lembrar seu nome…..foi rotulado pelo seu oponente como “baixo nível”, e permitiu que seu adversário mentisse como psicopata efetuando o teatrinho do “estou chocada gente!!!”, sem lhe impor qualquer tipo de ônus moral por este comportamento.

        Deu uma carregada grave pra cima do Bem Shapiro…quem for investigar verá que Ben não é o tal “graaaaaaande pensador americano”….menos…bem menos.
        Tentou até com um pouco de felicidade explicar o esquema da rotulagem quando usou o exemplo da ‘KKK’….mas ainda muito didático, e sem muito dano moral para o adversário.

        PS: Flávio também baixou a cabeça pro garotinho da pláteia que disse algo como “isto é uma universidade, não um blog” — se flávio estivesse amparado por material de referência, debulharia o garotinho crente de universidade em menos de 2 segundos.

    • Discordo ao dizer que o Flávio foi desorganizado, acho que ele massacrou o prof. esquerdista, e não teve muito trabalho pra isso, poucas verdades já massacram quem não tem argumento algum. Qualquer um que queira justificar milhões de mortes cairá em um debate de maneira muito fácil.

      • Também achei que faltou assertividade ao Flávio. Embora ache que ele tenha vencido bem o debate ele perdeu a oportunidade de humilhar publicamente o (con)Fuser. Faltou deixar mais claro as fraudes, usar mais ironia e ridicularizar o oponente.

    • Bem equacionada sua análise Saboia.

      Foi exatamente a mesma impressão que tive a respeito do desempenho sofrível do Flávio, que como debatedor, mostrou-se um excelente escritor.

      Existe uma grande diferença entre analisar posteriormente as exposições dos interlocutores, de modo confortável, e agir em tempo real durante um debate. São estratégias e talentos distintos entre si.

      Sou apreciador da boa literatura, mas reconheço que num mundo cada vez mais dinâmico e tecnologizado, com uma miríade de informações necessárias à nossa vida social, as pessoas em geral não dispõem de tempo para extensas leituras, então os debates se tornam o principal meio de esclarecimento das massas.

      “Porém, é preciso saber juntar dados, organizar as ideias e apresentá-las num debate cara-a-cara. Se o Constantino, o Morgenstern, o Moura Brasil etc não são capazes disso, precisamos achar pessoas que sejam.”

      É isso ai Saboia!

  16. Ótimo texto de identificação de fraudes, ao meu ver concordo com a colocação de que só existem 2 tipos de esquerdistas: os mau caráter ou os ignorantes; acho que o que diferencia esses dois tipos sórdidos é o grau de vantagem que eles tiram do sistema; os ricaços supercapitalistas que lucram com a corrupção e poder que o esquerdismo lhes proporcionam fazem parte do grupo dos mau caráter; já os imbecis pobretões que ficam defendendo essas técnicas esquerdistas são pobres ignorantes, massa de manobra, exército energúmeno e idiotas úteis; esse tal de Pedro me parece mais ignorante-60% que mau caráter-40%. Não sou da área de humanas mas convivi por longos anos com universitários dessas áreas e é incrível como o esquerdismo canalha está entranhado nas universidades, são professores, alunos, diretrizes, todo lá respira martelo e foice, fico perplexo por ver pessoas que dispõe de tanto acesso ao conhecimento serem tão sectárias e fechadas ao diálogo sério. O vídeo desse cara é uma coisa hilária e agressiva ao mesmo tempo mas representa o padrão do método usado por eles na explicitação do medo que estão sentindo do renascimento do pensamento conservador no Brasil; só para mostrar uma certa força vejam esse link abaixo onde os gayzistas estão sentindo uma perda de força nos últimos anos, ninguém aguenta mais esse blábláblá desses caras defendendo libertinagem, ninguém aguenta mais essas feminazistas dizendo besteira sobre tudo, ninguém aguenta mais neoateus chamando todo teísta de ignorante e fundamentalista religioso; isso tudo já passou dos limites e até os culturalmente pouco funcionais já estão de saco cheio dessa merda toda, esse lixo propagado pelo governo já fedeu demais, basta disso, chegou a hora de verem que o Brasil não é uma rampa de lixo, que no Brasil tem um povo que não aceita ser tratado como idiota o tempo todo( só parte dele). Temos que ser mais incisivos no combate, gostei das dicas finais do texto e inclusive já as utilizava com frequência, um dia desses chamei um amigo de comunista na cara dele quando ele se disse à favor do aborto e liberação da maconha, ele de início estranhou e depois de uma boa conversa ele realmente se deu conta de que estava sendo manipulado à lá técnicas de Noam Chomsky, mais um para o clube dos direitistas.
    http://igay.ig.com.br/2014-05-12/movimento-lgbt-nao-avanca-sem-representacao-maior-no-congresso.html

  17. Há uma tendência, especialmente nos dias de hoje, em reduzir toda a análise política a uma fórmula ideológica e julgar tudo de acordo com essa mesma fórmula. Tal reducionismo é usualmente errôneo – e até mesmo perigoso – quando aplicado em um mundo complicado como este. Evidentemente é muito mais fácil simplificar tudo em nome da compreensibilidade, mas o mundo não se tornará mais simples se recorrermos ao reducionismo ideológico. Quem se tornará mais simples seremos nós – ao ponto de tornarmo-nos estúpidos.

    Muitos recorrem ao reducionismo ideológico por estarem distraídos ou por não terem tempo para estudos políticos ou históricos, e então eles adotam um modelo ideológico pronto. Isso possibilita a eles categorizar imediatamente todos os fenômenos políticos em duas categorias: (1) aqueles que concordam com aquele modelo ideológico pronto que se adotou; (2) aqueles que discordam daquele modelo ideológico pronto que se adotou. Essa nefasta prática serve para dizer se um fenômeno discordante à ideologia adotada é errado ou mau; Se o fenômeno for concordante, ele é justo e apropriado. Em outras palavras, sob o manto da simplificação ideológica não podemos julgar nada honestamente, pois quando julgamos pela régua ideológica nós nos esquecemos que a ideologia não é a realidade.

    Hoje em dia é incontestável que todos têm uma ideologia. Até mesmo a negação da ideologia é tomada como uma ideologia. As pessoas se concebem como pertencentes à Direita ou à Esquerda. A divisão em cada um dos lados é também fragmentada em facções ou grupos. Alguém recentemente me perguntou quais as minhas crenças políticas. A resposta será dada em alguns dos próximos parágrafos.

    James Burnham disse que a política trata-se de três coisas: (1) poder; (2) poder; (3) poder. Em outras palavras, a política trata de quem possui o poder político e se esse poder é concentrado ou separado, legítimo ou ilegítimo. Evidentemente pode-se perguntar o que significa a palavra “poder”. O grande historiador cultural, Jacob Burckhardt, disse que “o poder é o mal”. Ao meu ver, essa verdade é a fundação de toda a sabedoria política. Já o lorde Acton é famoso pelo dito “O poder tende a corromper, e o poder absoluto corrompe absolutamente”. Ele também disse: “Grandes homens são quase sempre homens maus”. Essa sombria verdade é engolida com grande dificuldade pelos entusiastas da política, pois os homens querem acreditar em heróis políticos e também querem acreditar em salvação política. Contudo, não há salvação como comumente se acredita, salvo no caso da limitação do poder. Burckhardt estava certo em dizer que o poder é mau, e o lorde Acton estava certo em dizer que o poder tende a corromper. A lição que fica, portanto, é aquela dos Pais Fundadores da América (Founding Fathers): limitar o poder do Estado e a corrupção que flui no poder estatal.

    Esse princípio de poder que foi aplicado ao Estado também se aplica ao indivíduo. Olhar para si e dizer “farei tudo aquilo que quiser” é entrar no caminho da autodestruição e da desmoralização. Esse dito, entretanto, é o que anima nossa era (tanto o governo quando o indivíduo). Imagina-se, de alguma forma, que a propriedade é uma forma de opressão a qual o indivíduo deve ser libertado; e assim, por todos os lados, deu-se início a um processo de libertação. Mas no final das contas isso é apenas um processo corruptor em que o indivíduo dito libertado se torna cada vez mais degradado – às vezes até mais brutalizado e decadente.

    Governos que desfrutam de poder ilimitado sobre seu povo também se tornam degradados e brutais. Considere o exemplo de Hitler, cuja brutalidade pode ser vista quando ele culpa o povo alemão pelo fracasso das suas políticas militares agressivas; ou considere Mao Tsé-Tung, o ditador da China comunista, que dormiu com diferentes garotas em diferentes noites, desejando dar a elas quaisquer doenças venéreas que ele possuía à época.

    Se a política trata-se de poder, como disse Burnham, e o poder é mau, como disse Burckhardt, então um sistema político relativamente bom deve ser baseado em freios e contrapesos. Já um sistema político pernicioso provavelmente idealizará a concentração de poder (i.e., como se dá na ideia comunista do “centralismo democrático” ou no “Führerprinzip” de Hitler). Projetos utópicos também são perigosos: o socialismo igualitário porque seus partidários precisam de poder ilimitado para trazer a igualdade universal; o comunismo porque para se ter um controle absoluto sobre a economia é necessário um poderoso estado policial; o nacional-Socialismo porque todo poder está concentrado na mão de um homem, Adolf Hitler. A concentração de poder no século XX nos trouxe guerras catastróficas, escravização generalizada em campos de concentração e perdas econômicas.

    Aqueles que pedem poder total em nome de uma causa (seja ela qual for), ou são tolos perigosos ou criminosos. Não se deve confiar o poder a eles porque eles irão usá-lo para obter mais poder, e assim continuarão a acumulá-lo sem levar em conta os danos que possam causar ou as pessoas que possam vir a machucar. As únicas pessoas que se deve confiar o poder são aquelas que não o querem por saber que o poder é mau e aqueles que sentem que o poder é um fardo e não uma vantagem.

    Há, todavia, uma ressalva nisso tudo que não pode ser facilmente conciliada. Quando uma comunidade é ameaçada pela guerra, o poder deve ser concentrado nas mãos do comandante-em-chefe. Isso não pode ser evitado, pois é necessário aplicar o princípio da unidade de comando. Guerras não podem ser vencidas sem estratégia, e estratégia requer um comandante que dá a última palavra em todas as coisas. Aqui podemos vislumbrar porque um sistema bélico coincide com as aspirações totalitárias. A guerra ajuda a justificar o ditador, enquanto a paz o faz parecer supérfluo. Assim temos a base para duas formas de sociedade: sociedade livre e sociedade totalitária.

    Aplicar esses preceitos delineados acima em uma dada situação política não é sempre tarefa fácil.

  18. Tão bom como o seus textos é a contribuição dos comentários, cada dia mais qualificados.
    Eu espalho por tudo que é canto da internet, especialmente no Nassif online, “urinando no terreno inimigo”.

  19. Olá Luciano,tava vendo um vídeo do sujeito que ele fala que é ok dar tiro em estuprador,e bater em quem agride um amigo seu.pergunta: isso não é incitação ao crime pela lógica do próprio asno?

  20. Concordo que a simplificação ideológica acaba impreterivelmente levando ao sectarismo, mas vejo que o aprofundamento da discussão ideológica é algo para pessoas aptas a isso, seriam os cabeças do sistema, vejam no caso brasileiro, os cabeças são difusos e em pequena quantidade, no máximo se desconfia de x ou y como sendo propagador ideológico, na base existem milhões dos chamados idiotas úteis que levam o processo ideológico adiante; o que quero dizer é que durante a vida de cada um e dos seus aportes intelectuais intrínsecos surgem naturalmente a autodefinição do que se acredita ou do que se defende, uma superanálise de todos os fatores universais e filosóficos que envolvem o comportamento é algo buscado por todo ser humano do mundo e até os mais inteligente e filósofos não conseguiram definir o globalmente lógico e inatacável, sempre um lado deverá ser escolhido não por puro sectarismo mas porque as próprias definições fazem com que esses lados existam no mundo real, um lado só existe porque o outro também existe; o muro é algo cômodo mas é inútil para gerar mudanças. Os cabeças são necessários para manter a discussão em alto nível e propaga-las para um nível médio e destes para o nível mais baixo de compreensão, sem essa simplificação temática o conhecimento ficaria isolado em um casulo hermeticamente fechado ao conhecimento geral; sabe porque o discurso esquerdista é tão metastático e se dissemina com tanta eficiência, é o uso de técnicas de Gramsci e das manipulações midiáticas de Chomsky, tais técnicas são universais do ponto de vista manipulativo e forte arma psicológica política; enquanto eles se deleitam nesse processo usado à exaustão, a direita fica mergulhada no tecnicismo, veja o vídeo da discussão do Flávio com o esquerdista, pergunto a vcs, qual a porcentagem de brasileiros tem condições de entender plenamente as falas dos discursantes? poucos, muito poucos; a simplificação ideológica é um passo básico e importante para por real o processo de transformação, muitos criticarão: mas aí criaremos idiotas úteis defensores do direitismo? eu diria apenas que se deve usar os recursos inteligíveis por parte do ouvinte e deixar que ele decida seus caminhos, deixa-los à mercê de uma única ideologia é entrega-los à própria sorte( ou azar); todas as pessoas são inteligentes para após ser expostas aos dois lados se decidir por si só o quer fazer em que acredita.

  21. Luciano, pelo visto a maré contrária ao marxismo-humanismo-neoateísmo que bate forte nas costas catarinenses aogra também bate com mais força nas gaúchas: o jornalista Cléber Benvegnú denuncia alguém que se identifica como ligando da Receita Federal que ligou para ele umas dez vezes ontem. O jornalista gravou uma das ligações e o caso também foi parar no Reinaldo Azevedo.
    O que esse cara que ligava incessantemente fazia? Ficava acusando o Cléber de não ser isento por criticar o Tarso Genro e dizia que o governador gaúcho estaria enfrentando um “PIG” local. Aí o Cléber perguntou ao cara como é que ele conseguiu o celular dele e disse que não continuaria a falar se ele não dissesse como conseguiu. Tenho cá minha impressão de que teve X9 dentro da estrutura do Zero Hora que passou o número para o tal cara que dizia ser da Receita Federal (que depois desdisse o que havia dito), ainda que não possamos descartar uso de informações confidenciais de órgãos públicos.

    Eu acho que a maneira como o jornalista e advogado conduziu a coisa foi bem adequada. Não perdeu a calma geral, raciocinou bem e foi encurralando o tal cara. Não sei se dá para usar essa prova para caracterizar crime de ameaça, uma vez que este exige que o que se ameaça seja a morte ou de algo injusto e que isso seja verossímil. Ainda assim, dá para desmoralizar bem os marxistas-humanistas-neoateístas no poder.
    De brinde, segue este documento do mais recente congresso do Partido Comunista Brasileiro (dissidência do Partidão original) em que o item 44 é o mais alarmante, pois fala abertamente de se usar recursos que não os da democracia para fazer valer uma determinada vontade. Também vem este artigo do coronel Gelio Fregapani falando que o país estaria a três passos de uma guerra civil. No caso desse último, ainda dá para irmos com certa ponderação, pois militares têm de sempre pensar nos piores cenários possíveis, ainda que os indícios sejam bem razoáveis. No caso do documento do PCB, temos o problema de ser partido pequeno de ultraesquerda (a exemplo de PSTU e PCO) e portanto terem sim dentro de sim um germe que transcende o gramsciano, uma vez que é um dos herdeiros do PCB original (que também se fragmentou em PPS, bastante gramscista-fabiano e PC do B, mais gramscista mesmo). E esses partidos, como não conseguem se firmar nas urnas, obviamente tentarão por outras vias (vide PSTU nos protestos recentes) imporem algo de si próprios a uma sociedade que os rejeita.

    Reforçando minhas suspeitas de que o Foro de São Paulo em sua ala brasileira está com brigas fortíssimas que na prática são o MHN combatendo o próprio MHN, eis que temos esta carraspana do Romário, do PSB, no partido de Lula. O PSB deve estar bem p da vida nos últimos tempos, uma vez que tivemos a greve da polícia em Pernambuco, resultando em diversos saques na área metropolitana do Recife e perigo geral para a população comum, e protestos violentos em Belo Horizonte, que é governada por político peessebista (em um acordo de bastidores entre PT e PSDB para que nenhum dos dois lançasse candidato e apoiasse um único candidato na capital mineira, de maneira a não paulistar a disputa). Porém, como sabemos, esses episódios de protestos violentos e black blocs só estão ocorrendo em lugares governados por PSDB e PSB, o que significa alta suspeita de poderem servir a interesses petistas de querer desmoralizar a concorrência.
    Para rir (e se preocupar) um pouco, a fala de Gilberto Carvalho dizendo que a esquerda é usada pela direita em protestos anti-Copa, sendo que a referida esquerda que protesta nas ruas o está fazendo contra a esquerda fabiana (PSDB) e pode ser que esteja fazendo contra o PT (caso se confirme a tese do Reinaldo de que o PT perdeu o controle sobre esses movimentos MHN extremistas).

  22. Bom dia, Ayan!

    Se me permite, creio que você esqueceu de apontar a óbvia contradição entre, de um lado, afirmar-se com veemência que o discurso dela é equivocado e nocivo, e, de outro, que ela deveria saber que seria mal interpretada (!!), quando é muito claro que, para a segunda hipótese ser verdadeira, a primeira deve ser necessariamente falsa (se ela tem culpa por ser mal interpretada, é porque emitiu um discurso baseado em fatos e coerente, embora passível de má interpretação).

    Sobre outros artigos, não sei se você já leu, mas recomendo fortemente o livro “Conflito de Visões”, de Thomas Sowell (entre outros livros dele, como o excelente “Os Intelectuais e a Sociedade”), que, para mim, é a obra que melhor sintetiza as premissas de que partem ambos os lados do espectro político. Pensei imediatamente nela quando li em um post seu a afirmação de que Direita e Esquerda se diferenciam porque um lado quer Estado Mínimo e o outro que o Estado se intrometa no máximo de assuntos possíveis.

    Bom, essa é uma meia verdade, pois, embora seja verídica na realidade atual, não pode resumir as diferenças entre os dois lados, que são bem mais profundas do que isso.

    Em suma (e sem querer esgotar o assunto, já que até mesmo a leitura do livro somente serve para uma breve introdução do mesmo), os esquerdistas partem da falsa premissa de que, havendo poderes e boa vontade suficientes, é possível que um grupo de iluminados, intelectuais, estudados, etc. resolva os problemas do mundo através da razão pura (o que é curioso, pois a aplicação prática de suas soluções geralmente encarnam o suprassumo da irracionalidade). Baseados na tradição racionalista francesa, pelo menos desde Rousseau e seu “bom selvagem”, creem fortemente na perfectibilidade humana e na possibilidade de um grupo de pessoas, desde que inteligentes e bem intencionadas, corrigindo comportamentos supostamente indesejáveis, saber o que é melhor para cada indivíduo na sociedade e, por consequência, para ela como um todo. Desprezam a sabedoria “mundana” do povão, e julgam que ele é incapaz de saber o que é melhor para si mesmo. Desconfiam fortemente das tradições e costumes (rejeitam-nos como fonte de conhecimento), pois têm a certeza de que são eles os causadores dos problemas do mundo (o raciocínio simplório é esse: “se algo foi feito desde sempre e se algum pensamento está arraigado nessa sociedade, isso só pode ser o responsável pelos problemas do mundo hoje”). Quase sempre buscaram fazer isso pelas mãos do Estado (o grande centralizador de Poder), mas continuariam a raciocinar dessa forma para todo o sempre, mesmo que o Estado fosse abolido.

    Os direitistas, por outro lado, desconfiam da perfectibilidade humana e de que a razão aplicada às ciências sociais (a famigerada engenharia social) seja capaz de resolver os problemas do planeta. Enxergam a obviedade dos problemas da concentração de poder não apenas como um efeito colateral indesejável da tentativa de melhorar as coisas, e sim como o principal problema a ser combatido, justamente em razão da impossibilidade teórica e prática de qualquer planejamento central, seja econômico, seja social – o que, para eles, SEMPRE dará errado, não importa o quão inteligentes e bem intencionados sejam os planejadores. Para um direitista, a pessoa mais burra do Planeta Terra sabe melhor o que é bom para si própria do que o maior dos gênios. Baseados na tradição inglesa de pensamento, representada por nomes Hobbes, Hume e Smith, têm como certo que o humano original não era perfeito (e sim um selvagem em estado de guerra de todos contra todos), e que se aperfeiçoou através das instituições, costumes e tradições (se não estamos nos matando agora loucamente, se estamos civilizadamente discutindo nesse espaço, é em muito mais em razão deles que por algum sistema racionalmente desenvolvido por alguma mente iluminada). Têm os costumes e tradições em alta conta quando se trata de saber qual o tipo de conhecimento mais útil às ciências sociais: o conjunto de decisões, usos e presunções de cada ser humano que já pisou na Terra – costumes e tradições – é por certo mais acurado, útil e aplicável às relações humanas que qualquer sistema bolado pelas mentes mais iluminadas que já possam ter aqui vivido. Buscam, enfim, através das instituições consolidadas (e resultado do equilíbrio de forças e interesses, descentralizados, de todas as gerações anteriores à nossa), o melhor mundo possível, e não o mundo perfeito, já que é humanamente impossível um sistema racionalmente concebido, centralizadamente, coordenar de maneira satisfatória qualquer área da vida em sociedade (como os comunistas demonstraram de forma clara e irrefutável).

    Como bem apontas, tal mundo perfeito pode ser fartamente prometido através de fraudes, mas jamais colocado em prática sem causar desastres de proporções épicas, quando não fatais para a espécie.

    Abraço!

    • “Tradição britânica” fica melhor que “tradição inglesa”, né? heheh, já que mencionei Hume e Smith (escoceses) e ainda esqueci do gênio Edmund Burke (irlandês)

  23. Olá, Eu ainda sou leigo nessa história, mas deixa eu entender, se isso tudo é sobre a verdade… MAS QUAL É A VERDADE? SE uns falam uma coisa outros falam outra coisa, eu só sei que temos que diferencia a “REALIDADE, VERDADE, IDEALIDADE”, não só as palavras em si, mas quem vive elas e colocam elas em pratica. Pois tem muita VERDADE oculta, inversão da REALIDADE e implantando um IDEAL que no final não tem sentido. eu creio sim que tem uma mente brilhante e poderosa usando o poder que tem na mão. Bom desculpa se não me expressei direito, mas é isso que eu penso.

    • Eu sei que não uso palavras difíceis, e filosofias, que tende se ser a melhor como filosofia russa ou inglese ou sei lá o que, e por mais que seja meio ilusório as minhas palavras, esse poder por trás de tudo isso já faz muito e muito tempo que trabalha para chegar a este ponto. no meu parecer isso seria um “crime perfeito”.

Deixe uma resposta