A mais importante de todas as batalhas da guerra política entra em momentos decisivos: Lula começa a promover a censura de mídia

29
128

lula_mensalao

Você já parou para pensar sobre as batalhas da guerra política? Lembremos algumas delas: liberação das drogas, desmilitarização da PM, ataque às instituições, etc. A todas essas questões podemos nos referir como “batalhas” dentro de todo o conjunto de esforços na guerra política, venham esses esforços do lado da direita ou da esquerda, que normalmente se posicionam em pólos opostos nestas batalhas. Nenhuma dessas batalhas, porém, é mais importante e estratégica do que aquela que acaba de entrar em seus momentos decisivos no Brasil: a luta pela censura de mídia em prol de um governo socialista.

Conforme matéria do Brasil247, Lula abandonou os meios tons e implementou o senso de urgência ao definir as prioridades da extrema-esquerda nessa questão: o PT vai com tudo tentar implementar a censura de mídia. Lula disse que a “questão da regulação da mídia é imperiosa”. Há pouco tempo atrás, Franklin Martins, o Goebbels brasileiro, já havia dito que era preciso “desesperadamente regular a mídia”.

Como em todo e qualquer discurso mau caráter de censores dissimulados, o que mais vemos é o empilhamento inacreditável de fraudes intelectuais. Lula começa:

Todas as sociedades democráticas do mundo contam com mecanismos de regulação dos meios de comunicação […] Nos Estados Unidos, há a proibição da chamada propriedade cruzada. Em outros países, como Espanha, Portugal, França e Itália há leis que tratam dos meios de comunicação. Não venham dizer que isso é censura, ou que estamos querendo controlar os meios de comunicação. Estou citando países capitalistas. Não venham dizer que sou esquerdista, nem citei a Venezuela do saudoso presidente Chávez.

Ele realmente é um campeão da patifaria intelectual. E, como de costume, existe a desonesta mistura de verdades e mentiras para tentar dar uma sensação de limpeza em toda essa proposta fecal do governo.

Por exemplo, é verdade que existe “regulação” de mídia em vários países, principalmente para evitar o monopólio. Porém, estamos na América Latina, cada vez mais comandada por bolivarianos e demais ultra-esquerdistas, governos com uma mania obsessiva de deter um controle excessivo e manipulativo sobre a publicidade estatal, geralmente implementando a censura sutil. Em países mais civilizados (e livres), esse poder não existe. Assim, se existe “regulação” em países civilizados, ela não é a mesma “regulação” proposta pelo PT. Na verdade é praticamente oposta.

Ele mesmo se entrega abaixo:

Tenho viajado pelo mundo todo fazendo esse debate, mas o que vejo aqui é uma mídia que desanca o País […] Queria que ficasse claro que ninguém quer censurar ninguém, queremos apenas gritar mais alto ‘Liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós’.

O discurso parece nonsense mas é a farofa costumeira. Enquanto finge pedir “liberdade”, Lula pede uma censura à imprensa livre ao dizer que ela é “contra o País”. Mas já demonstrei no passado que tudo que o PT fala sobre a imprensa brasileira é mentira. Na verdade, a mídia é até favorável demais ao partido. E, mesmo assim, o PT acha que esse apoio é insuficiente. Para eles, ou existe babação de ovo estilo Pravda ou eles dirão que “a mídia é contra”.

O fato é que o PT sabe que está à deriva e tenta fazer todos os jogos sujos possíveis para manter o poder. Essa dinâmica é exatamente a mesma ocorrida na Venezuela e na Argentina.

Partidos socialistas tem um objetivo e um objetivo apenas: obter poder para seus líderes, drenando todos os recursos possíveis do estado. Uma hora as pontas soltas começam a aparecer, e é exatamente neste momento que os projetos de censura de mídia aparecem.

Ou você acha que é apenas coincidência o fato de hoje em dia Venezuela e Argentina terem suas leis de mídia socialistas (o que é exatamente o oposto das regulações de países civilizados) e estarem em uma pindaíba de dar dó? Mas o poder de seus líderes (vivendo uma vida nababesca, evidentemente) continua.

E isso só é possível a partir do momento em que o estado consegue regular a mídia, tendo o poder de chantagear as empresas de comunicação para que elas publiquem exatamente o que o governo quer. A recente censura de Rachel Sheherazade no SBT é uma evidência do que o PT quer fazer com mais facilidade. Toda a proposta de lei de mídia se resume a este tipo de objetivo e nada mais. Não há um traço de boa intenção nesse tipo de proposta.

Com o particionamento de grandes empresas de comunicação em várias empresas menores, elas ficam mais vulneráveis à chantagem governamental. Para facilitar seus intentos, o governo começa a promover várias leis (propondo, por exemplo, proibir publicidade infantil e limitar anúncios de cigarros e cervejas) para tornar as empresas mais dependentes do dinheiro estatal.

A censura sutil, usada em países bolivarianos, é a pior forma de censura. Isso por que é uma censura canalha, que atua de forma velada (feita a partir de chantagem governamental, ao invés de sanções oficiais) e, exatamente por isso, é uma forma mais dissimulada de censurar a opinião divergente. É uma mistura do pior tipo de ditadura com o pior tipo de corrupção.

Qualquer proposta de censura de mídia feita por líderes socialistas de baixo nível moral na América Latina é tão depravada quanto uma proposta sugerindo liberar o estupro. É uma proposta que ofende a liberdade individual e transforma o dinheiro público em um meio de chantagem do governo para limitar cada vez mais os direitos dos cidadãos, além de obter um passe livre para drenar o que sobra dos recursos do país, em prol de um bando de pessoas com as piores intenções possíveis.

Consequentemente, quando um governo socialista alcança o sucesso na implementação do controle de mídia, vai automaticamente conseguir drenar o que sobra de riqueza, pois terá o apoio de uma mídia comprada (por anúncios governamentais). Essa é uma grande vitória para os criadores de “projetos” socialistas. A partir daí, esse tipo de governo nefastos só vai correr riscos de perder o poder quando o país estiver praticamente destruído, como ocorre com a Venezuela hoje. E olhe que isso não é tarefa fácil, pois a mídia comprada vai maquiando a realidade o quanto for possível. Mas é claro que chega um momento onde nem a mídia comprada consegue esconder o alto grau de destruição do país.É aí que surgem movimentos como os protestos contra Nicolas Maduro. Se o PT conseguir implementar sua lei de mídia, só vai sair do poder quando o país chegar à mesma condição que a Venezuela, o que necessariamente vai ocorrer, pois o “projeto” de qualquer partido socialista é baseado nisso.

Enfim, é esse tipo de batalha política na qual o PT resolveu apostar todas as suas fichas. Agora, para eles, é tudo ou nada. Exatamente por isso, lutar contra a censura de mídia deveria se tornar uma prioridade para a direita.

Anúncios

29 COMMENTS

  1. Luciano, eu tenho curiosidade para saber exatamente como funcionaria essa regulamentação. Pelo seguinte: a Record é pro-PT, o bispo Macedo se reuniu com eles recentemente; a Globo em grau menor (ou igual?) mas adora uma novela e programas que promovam o marxismo cultural, ataquem a PM e cia. O SBT do Sílvio Santos só recentemente pôs a Scheharazde lá, ela incomoda o PT mas não é uma ameaça. A VEJA faz umas denúncias contra o PT aqui e ali mas é longe de ser um órgão de imprensa que revele os maiores podres que ameaçam o país.

    Ou seja, se a Globo e os demais órgãos da grande mídia estivessem realmente com medo de serem censurados eles já teriam feito barulho! Consequentemente, temos de concluir que eles não vão perder nada com isso. Vou repetir, essas leis de regulamentação da mídia não vão afetar a grande imprensa, se ele fosse ser prejudicada com isso ela já teria se colocado contra.

    Essas regulamentações de mídia vão ser direcionadas contra emissoras/jornais/revistas menores que ainda tenham alguma independência e falem algumas verdades!

    Outra: o PT é esperto pra xuxu, comprou a mídia para maquiar a situação, confundir e distrair o povo. Além disso, garantiu aos bancos (que realmente mandam nesse país) os maiores lucros para não haver ameaça ali. Esses próximos meses serão interessantes porque o establishment não gosta de incertezas e a possibilidade de revoluções/movimentos de massa. Se o descontentamento ficasse generalizado e houvesse o ‘risco’ de alguém sério e honesto de subir no poder, as mesmas empreiteiras, mídia e bancos que colocaram o PT no poder tiram ele de lá. Assim o povo se acalma, todos comemoram terem ‘restaurado’ o país mas somente se mudam as moscas pois a m**** continua igual. (Fernando Collor? Fernando de la Rua?) E porque? As empreiteiras continuam lá, a mídia é a mesma e os banqueiros são os mesmos. Essa é a deliciosa democracia 🙂

  2. Muito boa essa parte dum artigo no MSM:

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/globalismo/15197-2014-05-16-21-12-07.html

    Com as seguintes palavras Ion Mihai Pacepa descreve a realidade da nomenklatura (“a elite”) comunista:

    “(…) Para a população romena normal, a palavra nomenklatura significa a elite, a superestrutura social reconhecível por seus privilégios. As pessoas da nomenklatura não viajam de ônibus ou de carros. Eles utilizam carros do governo. A cor e o modelo do carro indicam a graduação do seu dono na hierarquia: quanto mais escuro, mais alta é a sua posição (…) Os integrantes da nomenklatura não vivem em apartamentos construídos no regime comunista. Tal como eu recebi, eles recebem villas nacionalizadas ou apartamentos de luxo que anteriormente pertenciam aos capitalistas (…) Durante o verão, as pessoas da nomenklatura não são vistas nas lotadas e suadas praias públicas de Bucareste. Eles vão a balneários em áreas especiais ou passam o fim de semana numa villa em Snagov, um resort há 40 km de Bucareste. Os integrantes da nomenklatura não passam suas férias aglomerados como sardinhas nas colônias em estilo soviético. Eles possuem as suas próprias casas de férias. Quanto mais escuro o automóvel, mais próxima à casa de férias fica da casa de veraneio de Ceausescu (…) Eles não ficam numa fila ao relento defronte uma policlínica de modelo soviético, onde o tratamento é gratuito, mas você é mal tratado desde o porteiro e onde não é possível gastar mais que 15 minutos com um doutor que tem de atender pelo menos 30 pacientes no seu turno de oito horas. Eles não têm de ir a hospitais normais, onde duas pessoas têm de dividir o mesmo leito. Eles possuem hospitais luxuosos no estilo ocidental dos hospitais Hellias, que foram construídos como uma fundação privada na época antes do comunismo (…) Quantos hospitais só seus a Rainha da Inglaterra tem? (…) Nenhum. Este é o número. O Camarada [Ceausescu] tem um hospital só para si. E médicos que tratam exclusivamente dele e da família dele. (…)”
    (Red Horizons. Pg. 171-172 e 419)

    Isso é um dos principais motivos pelos quais aqueles ratos de esgoto ficam desesperados para controlar a mídia. Apesar da quantidade de regalias que os parlamentares têm no Brasil, há coisas que não poderão passar e tudo tem um limite, certo?
    O problema é, o que pessoas que não possuem um grande raio de ação na sociedade podem fazer à respeito do controle midiático? Ficar postando coisas nas redes sociais ajuda mesmo? Parece-me que as pessoas obtêm informações de grande relevância mas ao mesmo tempo não sabem o que fazer com isso.

  3. Esquerdistas, de fato, são doentes mentais. Olhem a frase do cidadão blogueiro:

    “Não venham dizer que sou esquerdista, nem citei a Venezuela do saudoso presidente Chávez”

    Olha, uma análise rápida da realidade nos mostra que nenhum direitista sentirá saudades (este é o status de quem se diz saudoso por algo/alguém) de Hugo Chávez. Portanto, como assim, não é esquerdista, e acha que Chávez é digno de que sintam saudades dele?

    Pura loucura insandecida esquerdopata.

  4. Luciano, você viu que os petistas/MAVs estão revoltadíssimos com a TV Revolta? E isso porque a TV Revolta não é assim tão contrária ao marxismo-humanismo-neoateísmo quanto se faria supor. O motivo é que o João em questão começou a bater mais forte na cabeça dos marxistas-humanistas-neoateístas que estão no poder, também com direito a montagens em sua página de Facebook, que já geraram revolta (com o perdão do trocadilho) e “análises” que só demonstram que o cara está alucinado com algum bolor que estava em uma coxinha que comeu, de tanto que não tira “coxinha” da boca ou das mãos. Enquanto isso, os chamados de “coxinha” também têm outros pratos mais interessantes para comer, como quibe, esfiha ou refeições em si. Eu tenho cá minha impressão de que os MHNs deixaram de ser religiosos políticos para começar a assumir comportamentos de seita e isso está cada vez mais flagrante.

  5. Acredito que certas coisas devem ser enfatizadas sub-repticiamente.

    O ator Carlos Vereza – um dos responsáveis, assim como Reinaldo Azevedo, pela disseminação do vulgo de “Apedeuta” atribuído ao bandido Lula) – publicou um vídeo que deve ser visto e repassado pelo maior número possível de brasileiros do Brasil que presta.

    Sobre as ameaças e fomentações de assassinato ao Ministro Joaquim Barbosa.

    https://www.youtube.com/watch?v=2PhQESt8V2Q

    Divulguem, divulguem, divulguem e divulguem mais e mais e mais…

  6. Republicou isso em Arwen Releiturase comentado:
    Conforme matéria do Brasil247, Lula abandonou os meios tons e implementou o senso de urgência ao definir as prioridades da extrema-esquerda nessa questão: o PT vai com tudo tentar implementar a censura de mídia. Lula disse que a “questão da regulação da mídia é imperiosa”. Há pouco tempo atrás, Franklin Martins, o Goebbels brasileiro, já havia dito que era preciso “desesperadamente regular a mídia”.

    Como em todo e qualquer discurso mau caráter de censores dissimulados, o que mais vemos é o empilhamento inacreditável de fraudes intelectuais.

  7. Luciano, não seria uma boa falar do quanto que o marxismo-humanismo-neoateísmo no poder está sentindo a perda de membros de gabarito do mundo artístico? Temos o caso de quem flertou com o MHN mas se distanciou e se opôs (vide Lobão falando disso em Manifesto do Nada na Terra do Nunca), aqueles que normalmente estão distantes de política partidária mas resolveram se pronunciar sobre acontecimentos políticos (vide Ney Matogrosso em entrevista na mesma RTP que pouco antes entrevistou o Lula e, mais recentemente, o Rogério Flausino descendo a lenha nos pichadores) e aqueles que nunca foram marxistas-humanistas-neoateístas e se tornaram famosos (vide Danilo Gentili).
    Ainda são poucos, mas já estão se tornando incômodos o suficiente para que vejamos órgãos dos MHNs empoderados soltarem diversas cobras e lagartos contra eles, algumas delas com linguagem mais castiça e pretenso viés científico, como este exemplo do site Revista Fórum que meio que tenta dar a entender que compreende a coisa. Observe-se como eles ampliaram o leque da metralhadora não só para os clássicos caso de Roger e Lobão, mas agora também começam a atirar contra o Dinho Ouro Preto, o Leo Jaime ou mesmo os Titãs. Acusam os caras de “protofascismo” ou “neoconservadorismo”, mas também de quererem aparecer por supostamente estarem em trajetória descendente depois do muito sucesso que tiveram nos anos 1980. Observe-se também que acusam esses artistas de não conseguirem se reinventar, como se fosse obrigatório que fizessem isso (alguém aqui reclama de Cauby Peixoto fazer o mesmo que sempre fez há mais de quatro décadas ou sabe que é justamente por fazer isso que ele é bom?).

    Porém, que se observe o quanto de vezes que o texto que te passo faz menção a um ódio pelo PT, ainda que tentem disfarçar a coisa ao falar de uma descrença geral na política ou outras coisas. Logo, vamos considerar que eles estão mais P da vida de o PT estar sendo vidraça por estar no poder do que ficariam se de repente esses artistas falassem contra PSDB, PSB (aqui pensando na tal briga intra-Foro que estamos vendo), PSOL ou os MHNs nanicos (PCO, PSTU, PCB).
    Observe-se a linguagem pseudopsicológica (e que muito lembra aquela história dos regimes MHNs de considerar dissidentes como doentes mentais), acusando que eles estariam sob impacto da cultura hiperinflacionária (sendo que deveríamos sempre lembrar disso para que nunca se repita e falar para quem for nascendo). Que também se veja o quanto que acusam o todo da corrente anti-MHN que surgiu com termos pomposos como “retrofascista” e querendo imputar a quem é anti-MHN a culpa por linchamentos (que podem ter sido praticados por propagadores inconscientes de gramscismo ou mesmo bandidos de crime organizado que teoricamente seriam vítimas da sociedade) ou o desejo por golpe militar (sendo que aquela Marcha pela Família, além de ter sido ridicularizada por vários anti-MHNs, pareceu estranhamente sob medida para se contrapor à Marcha Antifascista programada para aquele mesmo dia 22 de março e que fazia parte de uma ação mundial), entre outras coisas. Ainda na linha de querer dizer que oposição a MHN é doença mental, que se veja o uso da obra de psicanalistas falando da cultura hiperinflacionária e a tentativa de comparar a hiperinflação brasileira com o fenomeno alemão (que foi imensamente pior) e tentar insinuar que as pessoas estariam com vontade de que subisse um equivalente brasileiro a Hitler. E tome acusação de que eles seriam traumatizados (por acaso um judeu que não viveu a Segunda Guerra mas se concentra no combate ao nazismo é alguém traumatizado ou alguém que aprendeu com um passado que não viveu e não quer que ele se repita?).

    Por fim, que se veja o tamanho da acusação de que os tais artistas seriam robozinhos dos anti-MHNs e que supostamente não seriam pessoas racionais o suficiente para tomarem as próprias decisões e terem suas ideias. Quer dizer, se mudam de ideia e se distanciam dos MHNs, passam a ser robozinhos, mesmo que tenham em algum momento notado que estavam sendo inocentes úteis dos MHNs.

    • E mais um das artes desce a lenha no governo petista: Paulo Coelho. Parece que a onda vai virar tsunami, pois no Roda Viva desta semana a Irene Ravache acabou de também falar contra o partido que um dia apoiou:

      http://www.youtube.com/watch?v=Xu5mLZ7CLk0

      E também acho que poderemos ter mais artistas contrários aos MHNs no poder após o que ocorreu nessa última Virada Cultural (cem detidos, 59 feridos, três baleados e dois esfaqueados, além de 18 arrastões e um total de 13 mil abordagens policiais). Tivemos a indignação dos Demônios da Garoa com as condições oferecidas a eles (como proibirem o produtor da banda de usar a própria mesa de som da banda), bem como a banda de rap Pollo recusou-se a tocar por falta de segurança e um saque a uma loja. E os ocorridos desta edição já receberam comentários do Reinaldo, que também incluiu na conta aquele movimento “Existe Amor em SP”, que fez aquela famosa campanha pseudoativista contra Celso Russomanno, que chegou a liderar a disputa pela prefeitura paulistana (e sendo termômetro de os brasileiros estarem cansados do Fla-Flu atual da política).

      • Luciano, falando na conturbadíssima Virada Cultural 2014, que se veja este artigo da revista Vaidapé reproduzido pela Mídia Ninja e escrito por um tal de Paulo Motoryn em que ele quer insinuar que se está exagerando em relação aos 18 arrastões, três baleados, dois esfaqueados, 59 feridos e 100 detidos, mais as 13 mil abordagens e os shows cancelados por falta de segurança. Vem ele dizer que quem perdeu um celular está de mimimi e que seriam fruto da desigualdade e da criminalização do jovem pobre.
        Claro que o cara revelou a quem quisesse que é só mais um gramsciano quando menciona Foucault e a tese dele de que violência seria resultado de relações de poder e que o poder deveria ser combatido (obviamente que só por um poder maior que esse poder que se quer combater). E diz ele que é sobre isso que as pessoas que tiveram celulares roubados ou furtados no evento devem refletir. Porém, o título do texto já diz o que o cara tem a dizer em relação às pessoas, mesmo as mais pobres, que tiveram seus aparelhos subtraídos durante o evento: “Seu celular foi roubado na virada cultural? Foda-se.”.

        E o mais interessante é a chuva de comentários detonando o tal cara.

Deixe uma resposta