Crescimento da pobreza se acelera na Venezuela… e por que eu não estou surpreso?

28
87

chavez-magnoli

A matéria do Estadão, intitulada “Crescimento da pobreza na Venezuela se acelera e põe em xeque retórica chavista”, publicada hoje (8 de junho), é mais do que previsível.

O discurso chavista sempre foi aquela farofa costumeira. Eles diziam que “o importante é defender os mais pobres”. Para eles, apontar a redução da pobreza era tratado como prova de sucesso.

Na verdade, é esperado que exista algum ganho (muito pequeno, sempre) para os mais desfavorecidos na fase inicial dos programas de aparelhamento estatal com ênfase em “redistribuição de renda”. Para chegarmos a essa constatação, não é preciso elaborar nenhum raciocínio complexo: quem recebe uma “bolsa” e antes não a recebia irá ter algum ganho.

O problema é que isso sempre é feito a partir de iniciativas artificiais que prejudicam a economia e reduzem o crescimento econômico, este sim o verdadeiro responsável pela melhoria da qualidade de vida dos mais pobres.

Como resultado, o efeito de políticas hipócritas como aquelas feitas por Chavez tem seu efeito cobrado a médio prazo. Nenhuma pessoa intelectualmente honesta deve se surpreender quando as estatísticas oficiais passam a mostrar que a pobreza aumenta rapidamente na Venezuela.

Leia mais:

Há algumas semanas o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) trouxe uma prova de que um a cada três venezuelanos é pobre – há 12 meses essa proporção era de um para quatro. Como parte importante do discurso contra a oposição é de que o governo, e apenas ele, é responsável pela redução da pobreza, esta é uma variação importante.

Para determinar o índice de empobrecimento, o INE calcula o custo de uma cesta de produtos que inclui alimentação, vestuário, habitação, transporte, saúde, comunicação e educação. A cesta é uma amostra do tipo de coisas que uma família de nível médio consome durante um ano. Se a renda per capita cai abaixo do custo desta cesta, a pessoa é considerada pobre.

Com base neste sistema de medição, o número de venezuelanos pobres aumentou no ano passado em 1,8 milhão de pessoas. Aproximadamente 6% da população venezuelana, de 30 milhões de pessoas, ficaram pobres só no ano passado.

A situação é ainda pior quando se trata da pobreza extrema, ou seja, o número de pessoas cuja renda não é suficiente nem mesmo para comprar uma cesta de alimentos. No ano passado o número de venezuelanos nesta situação aumentou em 730 mil, totalizando quase três milhões – aproximadamente 10% da população.

A matéria ainda ressalta que existiu um pequeno aumento de qualidade de vida dos pobres entre 2003 e 2007. Mas de lá para cá, o nível de vida deles degringolou.

O fato é que as tais melhorias socialistas nunca são feitas com base em busca de uma expansão econômica. Ao contrário, sempre são feitos artifícios para a criação de vantagens temporárias, com fins unicamente eleitoreiros.

A explicação é bem simples:

Isso deve-se à política econômica chavista. Quando o preço do petróleo subiu, há cerca de 10 anos, o Estado venezuelano encheu seus cofres com o enorme fluxo de receita e usou os recursos para criar uma enorme rede de subsídios e controles de preços. Ao mesmo tempo, usou os ganhos com o petróleo em programas sociais e subsídios para reforçar o apoio das classes menos favorecidas.

A pobreza na Venezuela de Chávez em meados dos anos 2000 de fato diminuiu e o governo manteve os preços artificialmente baixos graças à moeda sobrevalorizada e à importação subsidiada. As pessoas que se beneficiavam dos programas sociais do governo encontravam tudo o que precisavam para comprar uma vez que o governo garantia as importações e os preços baixos. Isto não podia durar.

Durante a campanha de 2012 para reeleger Chávez, os gastos do governo mais do que duplicaram. De repente o boom do petróleo não era mais suficiente para sustentar as necessidades sociais crescentes. Naquele ano o déficit orçamentário disparou para mais de 10% do PIB. O preço do petróleo já não aumentava tanto e o financiamento externo começou a diminuir. Embora o governo continuasse a ter apoio nas urnas, a bolha estava prestes a explodir para os pobres da Venezuela.

Desde que assumiu no ano passado, o presidente Nicolás Maduro viu a moeda local se desvalorizar de 4,3 para até 70 bolívares por dólar, dependendo da taxa de câmbio utilizada. Assim, os preços da maior parte dos produtos de consumo também aumentaram. A inflação anual está próxima dos 60%.

A abrupta queda do nível de vida foi o que levou os manifestantes para as ruas do país. Muitas das pessoas que protestam são o que podemos chamar de “pobres emergentes”, que foram de classe média durante o boom, mas viram sua situação econômica piorar desde então.

Quando a hora da verdade chega, a conclusão é mais do que óbvia:

No final, a vitória do chavismo contra a pobreza é apenas retórica. Os poucos ganhos foram devidos a um governo que converteu a alta do petróleo num crescimento do consumo passageiro. Essa fase terminou e a pobreza retorna para sua tendência de longo prazo. A hora da verdade aproxima-se rapidamente para o modelo chavista populista. A rapidez com que chegará vai depender do preço do petróleo. Mas se o preço do petróleo cair, a pobreza continuará aumentando e os novos pobres continuarão nas ruas.

Ou seja, não existe almoço grátis. E o socialismo, como sempre, só funciona até acabar o dinheiro dos outros.

Anúncios

28 COMMENTS

  1. Eu nem me surpreendi também com esse resultado, e se os PeTralhas ficarem por mais quatro anos (ainda há esperança de tirar essa corja do poder em outubro), a pobreza vai voltar a aumentar e piorar a vida daqueles que acharam que haviam saído dela.

    Mudando só um pouquinho de assunto, a criação da “Secretaria de Coordenação Estratégica para o Pensamento Nacional” foi uma piada de péssimo gosto criada pela senhora Kirchner.

    http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/cristina-kirchner-cria-secretaria-do-pensamento

    • Que bizarro, é o “Ministério de Controle e Homogeneização de Consciência”!!! Ainda bem que temos essas pérolas produzidas antes por Argentina e Venezuela (melhor que não tivéssemos nada disso mas…) assim podemos organizar resistência antecipada pra combater esse tipo de idéia aqui no Brasil.

  2. Luciano, tem algo que tem me preocupado em relação ao pensamento da direita. Tem algumas pessoas, conservadoras ou liberais, que tem adotado um pensamento do tipo “é agora ou nunca” em relação as próximas eleições. A minha preocupação é, e se o PT ganhar ou algum partido do foro de São Paulo? Os direitistas irão desistir desmoralizados? Se isso acontecer, então muito provavelmente o PT já ganhou, pois no momento eles tem bastante recursos e não tem pudores de fazer todo tipo de coisa para ganhar, e sabendo dessa tendência de desmoralização depois das eleições, a simples vitória pode significar o fim da possibilidade de uma direita atuante por desistência.

  3. Prosperidade no socialismo é só fogo de palha, ou melhor, é só dinheiro torrado pois investe-se apenas no consumo e na distribuição e valoriza-se pouco, ou até mesmo puni-se, quem produz bens e serviços, as verdadeiras riquezas.

    É preciso que a realidade da Venezuela seja exposta de forma ostensiva no Brasil.

  4. Luciano, desculpe comentar sobre algo fora do tópico, mas você já viu a matéria do fantástico sobre corrupção? http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/06/assessores-e-ex-deputado-revelam-como-funciona-esquema-de-corrupcao.html

    Você não acha que a Direita deveria levantar a bandeira da querra contra a corrupção pelo fato de que nós defendemos um estado mais enxuto(menos impostos = menos dinheiro na mão dos políticos = menos corrupção).

    “Quem deve ter o dinheiro para investir é o pai e mãe de família que tem um rosto para olhar sobre suas decisões enquanto os esquerdistas só olham números e o que conseguem colocar nos bolsos.”

  5. ———-

    Gênesis ou Gênese de um “Rafa”.

    ———-

    Definições preliminares:

    1.) “Rafa” é o substantivo usado para designar cientificamente os curiosos e pitorescos exemplares espécimes constituintes de uma nova espécie recém descoberta denominada “Rafa-Orificius-Publicus” (or by the cool terminology “Rafa-Public-Ass”).

    2.) “Rafa-Orificius-Publicus” é o substantivo coletivo usado para designar cientificamente a curiosa e pitoresca nova espécie recém descoberta, cujos exemplares espécimes são designados por “Rafa(s)”.

    ———-

    Podemos então, seguir em nossa missão,
    Qual seja com exatidão, a gênese de um meninão.
    Que tendo sido engajado pela professorinha,
    Seguiu rumo aos píncaros da cheirança de farinha.

    [ O termo “cheirança” é usado aqui com a devida licença poética, of course.]

    ———-

    Vamos então à gênese do espécime “Rafa”.

    Certo dia em algum lugar de um país latino americano conhecido pelo vulgo de Banânia, havia lá uma senhora com o terrível problema de cólicas intestinais agudas. Essa senhora dirigiu-se então urgentemente ao mais próximo W.C. (Wanderley Cardoso ou Water Close, como queiram), e adentrando um dos reservados sentou-se para iniciar em seguida o nosso bem conhecido procedimento de “pensar na vida” (“thinking about life”).

    Aquela pobre senhora ficou ali por muito tempo refletindo sobre os problemas mundanos, e tendo finalmente atenuado suas terríveis cólicas, ergueu-se para apertar o botão do dispositivo ejetor dos subprodutos excrementais causadores das tais cólicas, e olhando para o interior do vaso constatou atônita e surpresa a presença do espécime da nova espécie, que ela havia inexplicavelmente criado.

    Sim! No vaso! Inexplicavelmente lá estava ele! O Rafa!

    E contemplando então, a sua obra, no vaso, com timidez a pobre senhora anunciou ao mundo:

    “Rafa ! Jactus et Defecatus Est !”.

    E assim “nasceu” o “Rafa” e essa é a sua “nobre” origem ou gênese.

    ———-

    • ———-

      Reflexões filosófico existenciais de um “Rafa”.

      ———-

      “Rafa” é o espécime que um dia sonhou ser um “rafador”, e terminou descobrindo ser apenas um mero “rafado” pelo mundo malvado.

      Estando o “Rafa”, num não tão belo dia, acometido de problemas de origem gastroenterológica decorrentes de degustações não recomendadas, e então premido por eventos internos de demanda emergencial dirigiu-se ao vaso. E lá sentando-se, para esvaziar e aliviar sua caixa craniana, teve uma “magnífica” e “elevada” inspiração metafísica que culminou com as pérolas de reflexões visionárias a seguir.

      ———-

      Vislumbrou (o “Rafa”) estar ocorrendo o surgimento de um novo tipo de modismo específico, que, por falta de uma terminologia apropriada, designou de “neo pós hiper modernista “cool” masquerade brazilian lefty way of life”, objetivando uma revisão e reavaliação da reformulação fundamentalista da significância categórica existencial pós bug-niana leninista e proto neo bag-niana socialista, que é deveras importante para uma reestruturação e reformatação pós socio desconstrutivista da objetivada dissolução do “eu individual” no “eu coletivo” “politicamente correto e certo”.

      Observou (o “Rafa”) claramente essa tendência nos ditos “mestres” de nossas pífias universidades atuais, que baseados na doutrina do materialismo dialético hegeliano tentam validar o fortalecimento da proto neo bag-niana simbiótica “cool” lefty middle class emergente, contra-argumentando os dogmas marxistas gramscianos pós bug-nianos leninistas. Observou em seus argumentos ou contra argumentos a clara tendência para o new “cool” trans humanitarianism lefty como uma prerrogativa essencial de sua fundamentação terminológica ambiental, objetivando obsessiva e incansavelmente a singularidade socialista para o “The Brave New World”. Nesse contexto de premente necessidade a disseminação e introspecção de novos contextos semânticos torna-se imperiosa para a alteração dos padrões de pensamento post political impeachment compliance e proto neo lefty attachment compliance.

      Constatou (o “Rafa”) então o absurdo a que são levados esses novos “intelectuais” acadêmicos, e considerou a necessidade de auto preservação desse proto pós new “cool” approach of the reality, que é, segundo suas elevadas conclusões, um false “cool” reality approach.

      ———-

      Assim cogitou o “Rafa”, auto designado (sedizente) o maior “filósofo” do submundo dos crustáceos (que armazenam na cabeça os subprodutos digestivos).

      Também conhecido por sua alcunha “o Rafeta” heis que, senão quando, enunciou ao mundo a grande máxima “filosófica” rafiana ou rafetiana, como queiram:

      “Mama mia defecati me ! Defecto Ergo Sum Rafa !”

      ———-

      E assim filosofou um “Rafa”, e estas são as reflexões filosófico existenciais de um “Rafa”.

      ———-

  6. Ai Luciano.

    Repare bem na foto do Hugo Chávez que você postou.

    Ele ficaria bem melhor na pose: deitado de bruços numa bandeja de prata e com uma maçã na boca.

    Seria uma expressão mais realista de sua natureza mais íntima.

    E falando nisso lembrei-me do Barba-X9 Apedeuta Bravateiro.

    Por isso que os fazendeiros não desperdiçam tempo lavando os porcos, pois eles sairiam do banho limpinhos e imediatamente correriam pra se chafurdarem na lama novamente.

    Natureza é natureza né?

    • Precisamos reacender em São Paulo.

      E de São Paulo para o Brasil.

      O ESPÍRITO da REVOLUÇÃO CONSTITUCIONALISTA de 1932.

      M.M.D.C. == MARTIM, MIRAGAIA, DRÁUSIO E CAMARGO !!!

      Lembremos do grande significado do monumento no Parque do Ibirapuera !!!

      • ———-

        Vai ai um pequeno resumo de História Brasileira e Paulista.

        História da Revolução Constitucionalista de 1932.

        MMDC — Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo.
        Levante Revolucionário Paulista contra a ditadura do Estado Novo de Getúlio Dornelles Vargas.

        ———-

        http://www.historiabrasileira.com/brasil-republica/mmdc/

        MMDC é o nome de um levante revolucionário paulista que precedeu a Revolução Constitucionalista de 1932.

        Em 1930, Getúlio Vargas acabou com o modelo oligárquico republicano que existia desde a proclamação através de um golpe que ficou conhecido como Revolução de 1930. Seria o início de um longo período de 15 anos de permanência do político gaúcho na liderança do governo brasileiro. Todavia, esse período não seria calmo, mas repleto de discordâncias e circunstâncias que o próprio Vargas utilizaria para se manter no poder.

        O governo de Getúlio Vargas, inicialmente, não era regido por uma Constituição formal, pois, ao tomar o poder, teve início um governo provisório que procurava romper com a oligarquia e implantar novas relações no Estado. Obviamente, São Paulo, que era um dos estados proeminentes no jogo de poder, não ficou satisfeito com a ascensão de Vargas e a reordenação que fazia do Brasil. Getúlio Vargas, inclusive, estabeleceu uma série de sansões aos paulistas, aumentando o descontentamento dos políticos provenientes daquele estado. Foi assim que logo começaram as primeiras manifestações contra o governo de Vargas. Os estudantes paulistas prepararam manifestações que ocorreram na capital do estado e o clima de revolta foi se expandindo.

        Um momento crítico da manifestação dos estudantes paulistas contra o governo de Getúlio Vargas aconteceu no dia 23 de maio ainda do ano de 1930. As dependências de uma célula apoiadora da Revolução de 1930 em São Paulo, chamada Liga Revolucionária, foi invadida por jovens opositores do governo do momento. Houve um combate que resultou na morte de quatro jovens paulistas: Mario Martins de Almeida, Euclides Miragaia, Dráusio Marcondes de Sousa e Antônio Camargo de Andrade. Os jovens paulistas revolucionários eram conhecidos respectivamente como Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. As iniciais de seus nomes gerariam o movimento conhecido como MMDC.

        O MMDC foi o movimento clandestino que oferecia treinamento de guerrilha aos paulistas. Prestando homenagem e tomando como nome as iniciais dos quatro jovens assassinados pela organização que apoiava o governo de Getúlio Vargas em São Paulo, o MMDC procurava organizar um movimento consistente e treinado militarmente para enfrentar o governo nacional com fins de conseguir a derrubada do presidente.

        Além dos quatro jovens mortos em maio de 1930, houve outro, Orlando de Oliveira Alvarenga, que ficou gravemente ferido no confronto, mas só faleceu três meses depois. Por este motivo, é possível também encontrar a sigla MMDCA para representar o levante revolucionário. De toda forma, o certo é que o movimento revolucionário que se inspirou na morte dos jovens para definir seu nome desencadeou uma onda crescente de manifestações e enfrentamentos ao governo que culminou com os combates da Revolução Constitucionalista de 1932.

        ———-

        Fontes:
        http://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=3732320
        http://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=qg8VtfL00nwC&oi=fnd&pg=PT10&dq=MMDC+paulista&ots=QoJuEkuF00&sig=wGsbV5tNl7TG3HdDUG0yyEpR848#v=onepage&q=MMDC%20paulista&f=false

        Data de publicação: 04/06/2012
        Categorias: Brasil República

        ———-

  7. Não defendendo o bolivarianismo mas tomaram o poder antes pela incompetência da direita em responder as demandas da sociedade do que que pelos seus méritos bolivarianos.
    A Venezuela pré Chaves não era um mar de rosas tinham demandas graves não atendidas.
    A direita tem que mostrar projeto e lutar por ele.

  8. Já até imagino a resposta dos comunistas ante essa matéria do Estadão:

    – “É tudo invenção da mídia golpista! É tudo intriga do imperialismo americano! É tudo culpa do PIG e das Zelites!”

    Ou seja, eles [os comunas] darão a mesma e embolorada resposta de sempre, resposta esta que ainda faz muito coração vermelho [de ideologia comunista, é claro] bater forte…

  9. Nem dá gosto bater em cachorro morto. Tô cansado de apresentar nossa vizinha Venezuela aos meus amigos aqui do Norte. Há dois meses estive em Boa Vista e dei um pulo na Guiana. Como sempre, apinhada de turistas amazonenses, roraimenses, etc. Povo e autoridades acolhedoras.
    Já na fronteira com a Venezuela, só moscas: desânimo no rosto dos venezuelanos, as lojas vazias, enfim… o evidente e estrondoso fracasso dessa bosta que é o bolivarianismo do século XXI.

  10. A reportagem sobre o tal Manual da corrupção eleitoral mostra claramente que o grande e real problema nada tem a ver com direitismo ou esquerdismo, mesmo porque os políticos atuais se apoderaram e se utilizam de teorias de ambos pensamentos para se perpetuarem no poder, ora atuam como legítimos marxistas usuário do mais puro Gramscismo, ora atuam no mais puro capitalismo Kelseniano, é claro que existe um boom de esquerdismo na américa latina e em todo o mundo, mas muito mais claro são as reais feições do Estado brasileiro moderno, vivemos na mais completa CLEPTOCRACIA, todo ato dos detentores de poder é voltado para a corrupção, desvio de verbas e locupletação com dinheiro público; a questão toda é que para esses bandidos continuem sua saga de enriquecimento ilícito eles necessitam estar no núcleo de poder e para entrar e permanecer no poder eles se utilizam de todo tipo de artifício ideológico e teórico para esse fim.
    O direitismo para permanecer no poder exige um grau elevado de cultura intelectual e política da população para que ela entenda, por exemplo, que receber dinheiro de esmola eleitoreira é a perpetuação da mediocridade e pobreza; já o esquerdismo é mais facilmente engolido pela massa de imbecis, semianalfabetos e despolitizados gestada pelo próprio esquerdismo. Vejam o esforço do governo em manter a população imbecilizada por escolas lixo e faculdades que formam 30% de pessoas analfabetas funcionais, o que mais amedronta o governo é a melhora intelectual da população; vejam que o esquerdismo de hoje, creio eu, pouco tem a ver com escolas ideológicas A ou B, eles apenas usam técnicas mais baratas e eficientes de controle eleitoral que é a manutenção da mediocridade e analfabetismo político das pessoas, é óbvio que o esquerdismo moderado se faz muito útil para esse fim, mas tudo com o único fim de se manter no poder.
    A máquina estatal criou um sistema fechado de interações políticas que impedem qualquer tipo de mudança a curto e médio prazo, as eleições são importantes apenas para, como disse o Danilo Gentilli, tirar um Godzila monstruoso e gordo do poder e colocar um filhote de Godzila magrinho, mas logo o filhote engorda e bicho pega novamente, mas isso nos dará tempo para um lento processo de conscientização das pessoas e alfabetização política da massa; o poder emana das massas e os políticos apenas atuam fazendo aquilo que as massas aceitam que eles façam, esse é o motivo dos políticos manipularem as massas antes de agirem; o erro dos petralhistas nos últimos tempos foi achar que todos estavam doutrinados aí eles começaram a fazer coisas que desagradaram alguns e aí surgiu o movimento de direita atual, a grande luta é a longo prazo( como eles próprios fizeram com o marxismo cultural) com a modificação do pensamento das massas e para isso somente a educação formal é arma eficiente, a luta é por escolas de qualidade e sem implante ideológico precoce, é por diversidade de opiniões em universidades infectadas por esquerdistas, temos que ver universitários de humanas com camisetas com a foto do Adam Smith, quando tudo isso acontecer aí sim acreditarei que mudanças efetivas ocorrerão, a M. Tatcher só recuperou UK porque a massa aceitou e absorveu as mudanças propostas na década de 80; enquanto tiver no Brasil um só imbecil feliz pelo Bolsa Família ter aumentado o número de beneficiários esse país não sairá da lama.
    Não me acho direitista depressivo, apenas acredito que o verdadeiro pragmatismo deve se alicerçar da realidade dos fatos, a luta será ao longo do tempo e não através de fórmulas mágicas sempre fadadas à ruína.

    • “O lobby em favor da proibição da doação legal de empresas tomou a imprensa — não por acaso, esse é um dos cavalos de batalha do PT.”

      Num meu comentário aí pra cima que não apareceu (não sei se sumiu, foi pro spam ou o Ayan achou pessimista) era isso, o Fantástico vem com o problema das doações e o PT vem com a solução: Financiamento Público Exclusivo de Campanha.

Deixe uma resposta