Candidata do PT deseja morte de jogador da Colômbia no Twitter. Jandira Feghali e Ivan Valente, onde estão vocês?

28
202

Por Ramiro Furquim/Sul21

Nada como um dia após o outro.

No início deste ano, a extrema-esquerda protestou contra Rachel Sheherazade. Sempre derramando lágrimas de crocodilo, fizeram toda uma campanha pedindo a censura de Rachel apenas por ela ter compreendido os fatos: o Brasil vive uma escalada de violência, o estado está falido em termos de prover segurança e o cidadão de bem (desarmado pelo próprio estado) não tem a quem recorrer. Ninguém precisa ser um estudioso de guerra política, na ótica bizarra dos marxistas, para saber que eles estavam encenando indignação para atacar uma jornalista que falava (e ainda fala) as verdades contra pessoas que não dão a mínima para a população.

Pois bem. Agora, Luisa Helena Stern, candidata do PT a uma vaga na Assembleia do Rio Grande do Sul, desejou que o jogador Juan Zuñiga, da Colômbia, tivesse o mesmo destino que o atacante colombiano Escobar, que foi morto em 1994 pelo crime organizado de seu país. Ou seja, que fosse morto. Tudo por causa da jogada violenta de Zuniga contra Neymar, causando uma lesão na vértebra deste último.

Vamos conhecer, antes de tudo, nossa investigada do dia, Luisa Stern:

stern1

Militante dos “direitos humanos”? Que eu me lembre, a extrema-esquerda tem a mania de se definir como militantes dos “direitos humanos”, pois sabem que o frame “direitos humanos” evoca sensações positivas na plateia. Para eles, no entanto, é sempre uma palavra vazia, principalmente por que suas ações são sempre focadas em discursos de ódio. Mas nada melhor que partimos direto para a demonstração.

Veja abaixo o primeiro ato discursivo de Luisa contra Zuñiga:

stern2

Escobar foi alvejado por 12 tiros, na saída de uma discoteca. Como vemos, a declaração acima é bem clara e não deixa dúvidas. E falamos de eventos factuais (como a morte de Escobar). Não há metáfora ou figura de linguagem aqui. Ela simplesmente foi protagonista de um momento bizarro onde mais uma vez um ultra-esquerdista participante da política pública foi irresponsável em suas declarações. Sigamos:

stern3

Eu não sei a quem ela se referia: se aos seus críticos por ter proferido uma incitação à violência tão explícita ou aos colombianos. Ou mesmo aos adversários. O que importa é ela dizer a expressão “não fazem diferença nenhuma” se as pessoas não são seus potenciais eleitores. Declarações assim não podem ser subestimadas: elas manifestam um compromisso com o comportamento antissocial, com ênfase no uso da desumanização de quem não está ao seu lado.

stern4

Observe a que ponto chega o cinismo dessa aí. Se alguém a repreende por ela ter desejado a morte de alguém, ela lança um ataque torpe e covarde: dizer que o outro está “defendendo a agressão do Zuñiga”. Difícil algo que mostre com tanta exatidão o grau de perfídia da extrema-esquerda.Mas a cereja do bolo está aqui embaixo:

stern5

Difícil ela tentar nos convencer de “figura de linguagem” depois de dar uma ordem clara:  “Zuñiga não pode sair vivo do Brasil”. Em termos de debate público, não é possível existir uma incitação à violência tão clara quanto essa.

Alias, que bela recepção aos estrangeiros essa aí promove. Mais um motivo para notar que a recepção aos estrangeiros, feita de forma primorosa pelos brasileiros, não é mérito do PT.

Tem mais, agora na reação dela a pessoas notando o absurdo de seu discurso:

stern6

Lembremos que o “leva pra casa” é um frame extremamente criticado pela extrema-esquerda. Ocorre que quando uma pessoa normal vê um esquerdista defendendo criminosos violentos (sequestradores, estupradores, assassinos, etc.), muitas vezes utiliza este frame, dizendo “Ora, você está com dó do bandido? Leva para casa…”.

O grotesco é ela utilizar o mesmo frame para se referir a um jogador de futebol que fez uma jogada violenta, mas que ainda assim é do jogo. Típico caso do jogo político Ausência Deliberada de Senso de Proporções.

A coisa ainda piora na desculpa esfarrapada tentada no blog de Luisa, onde ela disse que tudo foi uma mistura de figura de linguagem mal compreendida e exaltação no momento do jogo:

Começo essa postagem destacando duas expressões populares, que muitos estão acostumados a ouvir, em diversas situações.

Uma delas é “cachorro que come ovelha, só matando”, utilizada de maneira figurada para qualificar pessoas que tenham uma conduta reprovável e repetida, na opinião de quem a enuncia. Em momento algum, pode se depreender que o uso dessa frase tem a intenção de pregar a morte de alguém ou a violência contra os animais. Embora, nesse caso, pudesse ter existido violência na prática reprovável que deu origem à expressão.

A outra é “tem que dar com um gato morto na cabeça, até fazer o gato miar” ou a variante “nem dando com um gato morto na cabeça”, nesse caso também usada contra pessoas que tenham uma prática reprovável ou dificuldade em compreender certas situações. Isto sempre na opinião de quem a enuncia, que pode ter um ponto de vista diferente do resto do mundo. Também não se compreende que o uso dessa frase signifique incentivo à vilência contra seres humanos ou animais.

Lembro que o meu saudoso pai usava a expressão do gato morto em muitas oportunidades e era um sujeito extremamente tranquilo, incapaz de matar uma mosca, nunca levantou a voz nem fez menção de bater nos filhos.

No futebol, por sua vez, também temos expressões que se limitam ao campo do jogo e pós-jogo. Diz-se que em uma competição eliminatória como é a Copa do Mundo a partir da sua segunda fase, os jogos são de “mata-mata”, que os atacantes que fazem muitos gols são “matadores”, que um time “matou o jogo (ou o adversário)” quando abriu vantagem no placar impossível ou inviável de ser revertida.

Ainda, quem frequenta estádios certamente já ouviu e pode ter gritado junto algo como “uh, vai morrer”, em relação ao árbitro da partida ou a algum jogador adversário, sem que isso implique diretamente em prática ou apologia à violência.

Tudo isso é necessário para explicar que ontem, ao saber que Neymar estava fora da Copa, com suspeita de ter fraturado uma vértebra, em decorrência de ter levado um joelhaço nas costas por parte do jogador colombiano Zuñiga, no calor do pós-jogo e muito irritada com a situação eu postei na minha conta do Twitter, entre outras coisas os seguintes comentários [vistos anteriormente].

[…]

Quero dizer que essas expressões foram postadas no calor do momento, em tom de desabafo e no contexto de pós-jogo, com o mesmo sentido figurado das outras que comentei anteriormente e que em nenhum momento desejei a morte ou violência real praticada contra esse atleta ou contra qualquer outra pessoa.

O caradurismo realmente supera todos os limites conhecidos.

As expressões “cachorro que come ovelha, só matando” ou “tem que dar com um gato morto na cabeça, até fazer o gato miar” são realmente figuras de linguagem. O problema, para a hipótese dela, é que não existe nenhuma figura de linguagem dizendo “o Zuñiga precisa ser morto”. Numa boa, eu já vi desculpas esfarrapadas. Mas esta simplesmente transcende qualquer limite conhecido de fanfarronice.

Ademais, ela precisa se decidir: é figura de linguagem ou raiva no momento do jogo? Pois se for figura de linguagem, então a defesa dela poderia terminar aí. Mas se ela quer justificar algum comportamento dizendo que “estava nervosa durante o jogo”, então há algum equívoco a ser justificado. Discursos dizendo “eu estava de cabeça quente” sempre resultam de alguma ação moralmente repreensível praticada. Mas se fosse mesmo apenas o uso de figura de linguagem, então ela nem sequer precisaria dizer que “estava de cabeça quente”. Seja lá como for, muito provavelmente ela mesmo sabe que a alegação de “uso de figura de linguagem” é tão ruim que já surgiu com a desculpa da “cabeça quente”. O fato é que ela entrou em contradição.

De fato Luisa disse: “reitero que foi apenas algo publicado em tom de desabafo, sem qualquer desejo concreto de que se torne realidade”. Mas é exatamente isso o que joga a hipótese de “uso de figura de linguagem” por terra.

Quem me conhece sabe que tenho uma trajetória como militante do Direitos Humanos, dos direitos LGBT, de travestis e transexuais. Tenho posicionamento absolutamente contrário à pena de morte, a justiçamentos e à qualquer forma de violência contra a pessoa.

Com muita calma, muita calma nesta hora, Luisa até pode escrever isso. Mas quando exaltada, ela diz coisas muito diferentes. Estamos acostumados com esse perfil.

Agora, vamos aos fatos: temos de novo um exemplo do relativismo moral da extrema-esquerda. Essa é a essência da moral psicopática. Trotsky já havia estabelecido, ao definir este parâmetro moral, que aqueles “que se opõem à revolução” devem ser mortos.

Os petistas estão usando (desonestamente) a seleção brasileira como um símbolo, assim como a ditadura militar fez na Copa de 1970. É o eterno truque “Brasil, ame-o ou deixe-o”, onde o ufanismo é usado para esconder as chagas de um governo. Detalhe que nessa época, os marxistas diziam que o futebol era o ópio do povo. Devido ao relativismo moral, não se importam em dopar a população, não com o futebol, mas com um discurso torpe e vergonhoso dizendo que “a vitória do Brasil é a vitória do PT”.

Com medo de que uma derrota do Brasil no mundial prejudique as intenções de voto para Dilma, eles passam a visualizar como inimigo qualquer que os atrapalhe neste sentido. Agora, resolveram lançar discursos de incitação ao crime contra Zuñiga. A diferença apenas é que Luisa Stern exagerou na dose. Simples assim.

Claro que Zuñiga deve ser punido, mas pelas regras da FIFA. Alias, o maior culpado pela violência exacerbada do jogo (praticada tanto por colombianos quanto brasileiros) é do Sr. Juiz Carlos Velasco Carballo, que se recusou a dar cartões durante maior parte do tempo. O resultado foi a partida com mais faltas em toda a Copa do Mundo. Mas esperar análises mais profundas dos petralhas é uma ilusão.

Enquanto isso, do lado de Ivan Valente (do PSOL) e Jandira Feghali (doPCdoB), que lutaram tanto para censurar Rachel Sheherazade de maneira injusta e covarde, só ouvimos o barulho do grilo quanto às aberrações proferidas por Luisa Stern.

Por que não estou surpreso?

Anúncios

28 COMMENTS

  1. quando eu vi a foto, pensei : que bixo feio parece traveco kkkkkkkk

    “direitos humanos” que retardado mental, será que esquerdista não consegue não ser auto-contraditório… sei lá, pelo menos disfarça…..

  2. Luciano, não sei se voce já tratou do assunto, mas o que acha de atacar o mito de que a esquerda é contra a desigualdade? Não falo só da hipocrisia das atitudes e ações políticas dos esquerdistas, mas também das motivações para manter e agravar a desigualdade. A desigualdade aumenta a quantidade de eleitores e gente para apoia-los, como o Ben Shapiro já apontou. Para apontar isso, sugiro uma estrutura para auxiliar a análise e entendimento das políticas esquerdistas. Considero que cada política esquerdista visa pelo menos 5 pontos importantes:

    1. Ganhar votos de um setor da população afetada: Essa é a essência do populismo, as pessoas precisam se sentir beneficiadas diretamente pelas políticas e votam por uma questão de egoísmo(mas não individualismo! Elas precisam acreditar estar sendo diretamente beneficiadas, mas não necessariamente se preocupam em ganhar autonomia como indivíduos.).

    2. Manter esse setor votando e apoiando o partido: Para isto, este setor precisa de estar com medo constante de perder os tais “benefícios”, caso o partido não ganhe as eleições. Além disto, é necessário manter esse setor o mais dependente possível destes “benefícios”. Por isso, a bolsa família tem que ser grande o suficiente para as pessoas que recebem se sentirem beneficiadas, mas não pode ser grande o suficiente para não deixar esse setor de apoiadores saírem de sua condição. Daí, vemos cada vez mais gente entrando e pouca gente saindo do programa do bolsa família

    3. Criar as políticas de forma que aumente ao máximo o “benefício” para setores secundários: Por exemplo, ao criar uma política pública, aumentar o máximo de empregados públicos(mesmo gerando gastos desnecessários), criar burocracias que facilitam a corrupção levando a políticos a apoiar estas políticas etc. Esse “benefício” de setores secundários

    4. Aumentar o setor da população afetada diretamente: Uma política como o bolsa família, precisa de impostos para ser mantido. Esses impostos, leva as próprias pessoas a terem menos dinheiro, e então a serem mais propensas a ter que receber o benefício. Por isto, a incidência do imposto é maior sobre as classes mais baixas, pois estas são as classes mais prováveis de precisar do programa. Ao invés de propor a redução dos impostos para pobres, os esquerdistas defedem o aumento de impostos para ricos, pois assim, o povo de um modo geral continua propenso a precisar do programa.

    5. Uma política pública deve ter o máximo de afinidade com os princípios do partido(por razões óbvias): O bolsa família tem um efeito similar a uma redução de impostos(embora esta redução seja muito mais eficiente, com menos gastos desnecessários), porém reduzir impostos é contrário as idéias de esquerda, como aquela recomendação de Lênin sobre o aumento progressivo de impostos.

    O vídeo do Ben Shapiro:

  3. Véi, eu levei um tempinho pra perceber que não se tratava de Pablo Escobar. Passei o post inteiro achando que ela havia dito que o traficante era inocente o_O O pior é que sendo adepta do PT, era bem possível que ela achasse isso, que Escobar era uma vítima do sistema, e blá blá blá.

    Luciano, mudando de assunto, você já pensou em fazer um paralelo entre a defesa da esquerda em defender a liberação das drogas, e a defesa da direita em defender o armamento da população? Pense assim:
    -A esquerda diz que proibir não dá certo, as pessoas vão conseguir a droga de qualquer jeito. Bem, proibir o a armamento da população também não tá dando muito certo não, né?
    -A esquerda diz que a proibição das drogas leva ao tráfico de drogas, que leva à mortes, crimes, etc. Opa, existe um tráfico de armas também…
    -A esquerda cita exemplos de países que liberaram as drogas e não são uma tragédia humanitária, tipo a Holanda. Hmmmm, presta atenção nesses países aqui que liberaram o porte de arma: Suécia, Finlândia, Suíça…
    http://www.em10taque.com/10interessante/os-10-paises-com-mais-armas-por-habitante/
    Enfim, é só uma sugestão 😉

  4. Se eu tivesse PELO MENOS 20 pessoas disciplinadas e dispostas a ceder umas 2 horas por dia para ficar na internet eu poderia acabar com toda esta palhaçada de movimentos sociais, mas o ideal seria pelo menos umas 50.
    Em uma hora desta iria jogar o pessoal do movimento negro contra o pessoal do movimento gay e iria assistir rindo de camarote tudo isto.

  5. Precisamos diferenciar entre ativistas de qualquer extremo, portanto sem equilíbrio, e pessoas bem nascidas, lares humildes ou não, mas que tem valores a mostrar nas relações humanas e não o uso conveniente de expressões para atingir seus fins espúrios e que na vida politica são politiqueiros de plantão e estão à serviço do mal que existe em suas almas inundadas por maléficos intentos.

    Mas o que é ser Político numa visão poética humanista cristã? Reflitam sobre o que segue.

    Ser Político

    Sempre me trará à memória que é histórico
    Pois todo cidadão é um sujeito mais que episódico
    Sua vida é fruto de um interagir geopolítico
    Onde a individualidade não permite a falta de senso crítico
    Mas um agir comunitário de nível altruístico

    Ser Político

    Sempre me trará à memória que é humanístico
    Pois o agir do indivíduo se faz no dialógico
    Para remover qualquer atropelo tirânico
    Que impeça o caminhar social lícito
    Onde o direito é um bem comum recíproco

    Ser Político

    Sempre me trará à memória que é função ética
    Pois tem em seus princípios toda uma dialética
    Para ao final promulgar uma síntese genética
    Que renova os ditames da desejada sócio-política
    Por uma cosmovisão higiênico realística

    Ser Político

    Sempre me trará à memória que é de arco oftálmico
    Pois a visão que tenho do mundo não pode ser apolítica
    Que faz que eu seja vítima de um viés dicotomista
    Onde os que gostam por uma razão errática
    Tiram vantagem de tudo que devia ser comum à nossa vista

    Ser Político

    Sempre me trará à memória que é de base teológica
    Pois sua gênese tem origem, no Pai, não paternalista
    Que ao criar o ser, o fez com propósito libertacionista
    Onde o livre-arbítrio nos dá o fundamento da didática
    Ao apontar “O Caminho, A verdade e A Vida” salvífica – (DSB)

  6. Caro Luciano.

    In adendum de corroboração a seu artigo vai aí o excelente artigo de Rodrigo Constantino publicado hoje (domingo 06/07/2014) em seu blog na Veja.
    ———-

    O mais que suspeito silêncio da OAB

    http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/democracia/o-mais-que-suspeito-silencio-da-oab/
    ———-

    06/07/2014 às 8:59 \ Democracia, Instituições

    O mais que suspeito silêncio da OAB

    Poucas vezes na história republicana do Brasil tantos e tão graves acontecimentos puseram em risco o Estado Democrático de Direito. E, ainda assim, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) faz um ensurdecedor silêncio, mostrando-se conivente e cúmplice de um ataque sistemático à democracia. Quem diz não sou eu, ainda que concorde totalmente; é seu ex-presidente nacional Reginaldo de Castro, em coluna de hoje no GLOBO.

    A OAB se mostra ativa até demais, mas só quando é para se alinhar ao que há de mais podre, quando é para defender os bandidos ou relativizar alguma barbaridade cometida pelo governo. Quando é para defender o “direito dos mano”, em vez de os “direitos humanos”, os representantes da OAB saem em campo. Já para preservar nossas instituições mais importantes, nada! Diz o autor:

    Estamos diante de uma agenda política assustadora. Teme-se pela independência do Judiciário e do Legislativo. O aparelhamento do Estado, síntese desses temores, culmina com a edição do decreto 8.243, que o entrega ao arbítrio dos “movimentos sociais”, sem que se defina o que são, já que podem ser institucionais ou não, segundo o decreto.

    Antes, tivemos o mensalão, pontuado de agressões por parte dos réus ao STF e ameaças de morte a seu presidente, Joaquim Barbosa. E ainda: a tentativa de regulamentar (eufemismo de censurar) a mídia; a inconstitucionalidade do programa Mais Médicos; a desobediência do presidente do Senado ao STF quanto à instalação da CPI da Petrobras; a violência dos black blocs nas manifestações de rua; as ações criminosas de milícias armadas do MST e do MTST, entre numerosas outras ilegalidades que reclamam uma palavra firme de condenação por parte da advocacia brasileira. E o que se ouviu da OAB? Nada.

    São assassinadas no Brasil anualmente mais de 50 mil pessoas, a maioria, jovens e pobres, em decorrência do narcotráfico. Hoje, o Brasil é, além de rota preferencial do comércio de drogas, o segundo maior consumidor mundial de cocaína e o primeiro de crack. O PT, há quase 12 anos no poder, não inclui esse combate entre suas prioridades. E o que diz a OAB? Nada!

    Por que tanta omissão? O autor não faz rodeios: ela não é gratuita. Tem substância política. Como exemplo, Reginaldo cita o nome de seu atual presidente, cotado para o STF. Seria um velho toma-lá-dá-cá? Seria uma “justa paga” a seus inestimáveis serviços prestados ao governo, e não à nação?

    O PT aparelhou tudo que foi possível, comprou todos que estavam à venda. É como costuma agir. O fato de até o STF não ter sido blindado dessa tática, tendo visivelmente alguns ministros que estão lá para defender um partido em vez de as leis – denúncia que o ex-presidente Joaquim Barbosa fez novamente ao se aposentar – é algo assustador.

    Por falar em STF e Joaquim Barbosa, quando ocorreu o assustador episódio de um advogado de um mensaleiro que estava supostamente bêbado e fez ameaças ao presidente da Corte, a OAB emitiu nota contra… o presidente Joaquim Barbosa, que expulsou o baderneiro!

    “Não podemos confundir autoridade com autoritarismo, com esta atitude o presidente do Supremo foi ditatorial, arbitrário e autoritário, nem na época da ditadura militar se ousou ir tão longe contra as prerrogativas dos advogados”, disse o presidente da OAB Marcus Vinícius Furtado Coêlho. Não custa lembrar que, segundo os seguranças do STF, o advogado de Genoino disse que daria um tiro em Barbosa se tivesse uma arma!

    A OAB, em vez de tomar o partido das instituições republicanas, tem preferido um silêncio mais que suspeito, lançando na lama sua credibilidade. Quando sai do silêncio, é invariavelmente para tomar o partido errado, adotar postura conivente com aqueles que vêm minando as estruturas de nossa democracia. É lamentável. E muito perigoso…

    Rodrigo Constantino.
    ———-

    • Ataque Aberto.

      Cadê você OAB?
      OAB cadê você?

      A República está ameaçada,
      E a OAB vê-se alcoolizada,
      E totalmente embriagada.

      OAB fique esperta, acorde de seu sono,
      Pois é fato: “cu de bêbado não tem dono”.

      OAB cadê você?
      Cadê você OAB?

      ———-

  7. Prezado Luciano,
    estou errado neste raciocínio,
    estou delirando completamente????

    Ou você acha que faz sentido,
    o que escrevo abaixo???

    Para você entender bem,
    como é fácil administrar uma cidade
    como Florianópolis,
    exagerei nos valores (infelizmente, pois são os valores
    que realmente deveriam ser pagos de salário) e mostro
    que é fácil, e simples termos
    saúde, educação, segurança e estradas!

    Então, vamos simular

    Florianópolis – 500.000 habitantes (número exagerado)

    5.000 professores pagos pela cidade,
    para
    Universidades públicas, colégios públicos e berçários (creches)
    R$ 10.000,00 para todo professor (que sonho hein?)
    Totaliza-se: R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões) /mês

    8.000 policiais para garantir segurança
    para cidade com salário médio mensal
    de R$ 10.000,00 (que sonho… “novamente”)
    Totaliza-se: R$ 80.000.000,00 (80 milhões)/mês.

    Hospitais e pronto socorros:

    3.000 enfermeiros recebendo salário mensal
    de R$ 5.000,00 (utopia???)
    Totaliza-se: R$ 15.000.000,00 (quinze milhões)/mês.

    1.500 funcionários recebendo salário mensal
    de R$ 3.000,00
    Totaliza-se: R$ 4.500.000,00 / mês

    600 médicos recebendo salário digno mensal
    de R$ 30.000,00.
    Totaliza-se: 18.000.000,00 (18 milhões) / mês

    Medicamentos distribuídos gratuitamente pelo SUS
    R$ 5.000.000,00 mensais
    preço justo e sério, sem negociatas dos políticos

    Gastos com ultrason / Tomografias / Raios x etc… (mensalmente)
    R$ 1.500.000,00 mensais
    preço justo e sério, sem negociatas dos políticos.

    07 carros novos para polícia/Mês : R$ 500.000,00

    05 ambulâncias + 02 carros bombeiros/ mês: R$ 5.000.000,00

    85 km asfaltados todo mês (asfalto de primeira) R$ 38.000.000,00

    3.500 funcionários da prefeitura com salário médio de 3.000,00/mês
    Totaliza-se R$ 10.500.000,00 (10 milhões e 500 mil reais)

    Total acima R$ 228.000.000,00 (228 milhões de reais / mês)

    Considerando que o principal e mais caro está descrito acima,
    e sabendo que arrecadação de impostos totais (municipal/estadual/federal)
    mensal corresponde a R$ R$ 333.300.000,00 / mês
    (olhe mais abaixo)*
    Sobra ainda R$ 105.300.000,00 (cento e cinco milhões de reais)
    para pagar indenizações, luz, água, benefícios, e muito mais.

    Juntando todos impostos:

    ITCMD, ICMS, IR, IOF, ISS, IPVA,
    IPTU, IOF, e todos os outros…

    Dão uma arrecadação de :

    R$ 5.000.000.000.000,00 (5 trilhões) / ano

    Ou seja,
    Se você dividir estes 5 trilhões,
    por 5.570 cidades,
    e separando as proporções óbvias
    de São Paulo e Rio de Janeiro,
    ficaria assim:

    Em um ano,
    arrecadado em São Paulo (juntando TODOS os impostos,
    ou seja estadual, municipal e federal) : R$ 15 bilhões / ano
    … ou…… R$ 1.250.000.000,00 / mês (1 bilhão, 250 milhões / mês)

    arrecadado em Rio de Janeiro (juntando TODOS os impostos,
    ou seja estadual, municipal e federal) : R$ 7 bilhões / ano
    ….. ou ….. R$ 583.000.000,00 / mês (583 milhões / mês)

    Cidades turísticas e capitais:

    568 cidades
    (juntando TODOS os impostos, ou seja estadual, municipal e federal)
    R$ 2.272.000.000.000,00 / ano ( 02 Trilhões, 272 bilhões /ano)
    Dividindo entre as cidades …….. 4.000.000.000,00 (4 bilhões / ano / cidade)
    Ou,
    *Das 568 cidades (principais, com exceção de Rio e São Paulo)
    cada cidade arrecada por mês: R$ 333.300.000,00 / mês
    (333milhões e 300 mil reais / mês)

    Juntando o restante das cidades,
    consideradas, pequenas e médias, porém afastadas,
    e utilizando a média da sobra,
    faz-se assim:

    5.000 cidades total de arrecadação destas anualmente:
    R$ 2.706.000.000,00 / ano (2 trilhões, 706 bilhões)

    Cada cidade arrecada anualmente: R$ 541.200.000,00
    (541 milhões e 200 mil reais / ano) ou seja:
    R$ 45.100.000,00 (45 milhões e 100 mil reais/ mês)

    DEU!!! Chega!!!! O povo cansou…. ninguém mais quer ser estuprado…
    ou acabamos com os políticos,
    ou eles acabam com a gente

  8. ”a minha trajetória como militante LGBT e dos Direitos Humanos é reconhecida publicamente e inatacável…”, tuitou. Isso já por si só já é ironia e motivo de riso.

    A esquerda coletiviza tudo e até o pensamento, ela só enxerga uma massa homogênea, então podemos acusá-los todos em nome de uma só pessoa, mais ou menos como quis fazer o Trajano com o Reinaldo Azevedo e com outros, embora a direita preze o individualismo. Reinaldo Azevedo e os demais não podem responder pelo que as pessoas falam por si mesmas e não em nome de outras pessoas. Mas é isso que os esquerdopatas vêem, para eles, quem tem opiniões de direita – essa que muitas vezes contende entre si, e por nada, respeitando as individualidades – é seguidor de seus articulistas, um subterfúgio, esse sim, cheio de ódio e inveja para atacar essas pessoas.

    Eu sempre costumo repetir isso de Camões, que põe na boca de Baco, que se refere a Marte: ”Que essa razão sua logo passe pois vem de estômago danado.” Quantas pessoas não exclamam estomagadas! Isso é antigo, mas vale recapitular, Hebe Camargo foi inquirida até pelo ministério público, e, adivinhem por quem?, Ivan Valente, por dizer do Champinha: “Eu vou fazer uma entrevista com você. Vou mesmo. Se me deixarem eu vou. Mas eu vou armada. Eu saio de lá e vou para a cadeia, mas ele não fica vivo”. Mas depois ela se desculpou com a mãe do assassino. Razões estomagadas, nada que não diríamos – e ainda mais nesse mundo politicamente correto.

    Contudo, as bravatas da petista procedem, como as de Alberto Cantalice; e como bem lembrou você, Ayan, ”(…) Trotsky já havia estabelecido, ao definir este parâmetro moral, que aqueles “que se opõem à revolução” devem ser mortos.” Enquanto uns falam estomagados, injuriados, da boca pra fora, os canalhas esquerdistas falam seriamente. O desejo deles é esse mesmo, dizem ”não curtir” stalinismo, mas de vez em quando – tanto! – dizem sentir saudades dos fuzilamentos. E o fazem, porém são mais sofisticados: seus sicários usam silenciador, sem alardes.

    A moral psicopática da esquerda é estupefaciente. É bom que esses patrulhadores ideológicos – hipócritas! – provem do próprio veneno, como provou Ghiraldelli, quando um séquito foi caçá-lo na universidade porque ele desejou que Sheherazade fosse estuprada, e ele dizia e escrevia, tão hilariamente, ”Eu sou de esquerda, eu sou de esquerda…”, tipo, não me ataquem. Uns sentem saudades dos fuzilamentos, mas mal sabem eles, ou não querem perceber (a ideologia os cegou), que esse é o destino dos idiotas úteis. Tem que ter muito estômago para lidar com a esquerdalha, mas temos que respirar fundo, contar até dez e usar a lupa e o crivo do ceticismo para desmascará-los. Assim eles perdem a linha.

    Saudações, Luciano Ayan.

    ♔ ♕ ♖ ♗ ♘ ♙ ♚ ♛ ♜ ♝ ♞ ♟

  9. Poxa, nem conhecia essa feiosa, mas posso dizer a ela: OBRIGADO! Obrigado pelo show de ridicularidade, obrigado pelo “calor do momento”, obrigado pela má situação que deixa seus amigos Jandira (outra feia, por sinal) e Valente (valente só com a Sheherazade, né?) em silêncio constrangedor, obrigado por mostrar que é sanguinária quando se trata de algo que é do teu interesse.
    Ri bastante dos exemplos que citou, gato, cachorro, sentido próprio e figurado… olha, ainda bem que não apagou os tweets e sim resolveu usar esses dedos cansados de se masturbar (afinal, quem come isso aí?) pra digitar esse monte de asneira.
    Obrigado, candidata ridícula, por desmoralizar seu partido e sua ideologia.
    Obrigado também pelo silêncio, Valente-Mulherzinha-Covarde e Jandira-Feiaghali, pelas máscaras ridículas indo ao chão, mostrando a podridão de valores que vocês carregam, LIXOS.

Deixe uma resposta