Lula usa pão e circo para esconder a violência endêmica do Brasil

24
123

lula-da-silva

No último dia 3 de julho Lula foi à convenção petista no Paraná para ajudar a candidatura de Gleisi Hoffman. (Dica do site Liberzone)

Não sei se ele estava sóbrio ou tinha tomado alguns tragos, mas o fato é que ele parecia muito mais animado que o padrão. E com a língua mais solta que o costumeiro. Entre um delírio e outro, Lula encontrou sua fórmula para resolver a violência do Brasil:

Ai gente, como tá boa a Copa do Mundo, gente do céu! A gente não vê mais aqueles programas da tarde, que morre gente toda hora e que cai… Puta merda, como era bom ter jogo à uma, ter jogo às quatro. O povo tá mais bem humorado, olha a cara de vocês, como é que tá! Mais feliz! Puta merda! Porque tem programa que a gente assiste, dá vontade da gente nem sair de casa, se trancar embaixo do cobertor e ficar lá…

Não podia, é claro, faltar o “puta merda” vindo de um ex-presidente que semanas atrás fazia o maior mimimi por causa do VTNC lançado contra Dilma.

Mas o mais bizarro é a forma como um petista trata o gravíssimo problema da violência crônica do Brasil: basta não exibir nos noticiários (colocando jogos de futebol no lugar) que os problemas magicamente “somem”.

Vai ver está aí a explicação de como foi tão fácil para os genocidas russos, chineses e cambodjanos esconderem tantos cadáveres. É só usar propaganda, pão e circo em quantidades volumosas, controlar a imprensa e sair dizendo que tá tudo “bom demais”.

Veja o vídeo, com um Engov à mão:

Em tempo: nada contra a Seleção Brasileira, e tudo contra a forma torpe e canalha como o governo tem usado o truque “Brasil, Ame-ou ou Deixe-o” junto com a técnica da “Pátria de chuteiras” para fazer politicagem do nível do chiqueiro.

Anúncios

24 COMMENTS

  1. O Lula e a Malévola (falo da personagem, não da atriz/intérprete no cinema) só diferem pelo sexo, pois na maldade e nos poderes de persuasão, são iguais.

  2. Então Luciano?

    Estamos ou não em plena NOVA ERA da PONEROMAQUIA ?

    Estamos em plena era da apologia do apedeutismo e ascensão da barbárie.

    Os religiosos fanáticos chegaram a afirmar que o anti-cristo era o Obama (ou Obammer, hehe), mas cá pra nós, Luciano, sei não viu… parece que o “coisa ruim” veio daqui mesmo, lá de Pernambuco…
    ———-

    • Artigo relevante ao tema.

      Análises e reflexões em ciência política, por Olavo de Carvalho.
      ———-

      Sonho mau

      http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/15305-sonho-mau.html
      ———-

      Sonho mau

      Escrito por Olavo de Carvalho | 02 Julho 2014

      Artigos – Cultura

      [ Em qualquer grupo social pode-se avaliar sem muita dificuldade se ali predominam a percepção alerta, a presteza e criatividade das reações, ou o apego indolente a chavões e frases feitas que se repetem como mantras enquanto a realidade vai correndo, mudando e passando como um trator sobre a multidão de sonsos. ]

      Muitas previsões, dizia Thomas Mann, são enunciadas não porque vão se realizar, mas na esperança de que não se realizem. Todas as que fiz, especialmente as mais alarmantes, foram assim. Com uma diferença: as previsões sempre se realizaram, a esperança nunca.

      Nos assuntos humanos, a certeza absoluta é geralmente uma utopia. O máximo que se alcança é uma probabilidade razoável. E o culto devoto que o homem contemporâneo consagra aos números não o levará mais longe: uma probabilidade, calculada até os centésimos de milionésimos, continuará sempre sendo o que é — uma probabilidade, não uma certeza.

      No entanto, continua válido o preceito de que a exatidão de uma ciência se mede pela sua capacidade de fazer previsões corretas. Nas ciência humanas, e especialmente na ciência política, a previsão deve sempre assinalar as variáveis que podem modificá-la no curso do processo. Muitas dessas variáveis dependem da criatividade, da iniciativa e da coragem dos personagens envolvidos. Se as previsões mais deprimentes se realizam com exatidão quase matemática, isto se deve mais à ausência desses três fatores do que aos méritos científicos de quem as enuncia.

      Numa apostila já velha, que nunca tive a ocasião de corrigir para publicação, expliquei que a liberdade é uma propriedade vital da psique humana, mas que esta não a possui como um dom perfeito e acabado, e sim apenas como uma possibilidade que de certo modo se cria e se amplia a si mesma na medida em que se assume e se exerce. Por isso é que a famosa controvérsia de determinismo e livre arbítrio não tem solução geral teórica: esses dois fatores não pesam uniformemente em todas as vidas, mas se distribuem de maneira desigual conforme um jogo dialético muito sutil que varia de indivíduo para indivíduo, de situação para situação, de caso para caso. Não há como provar a liberdade senão exercendo-a, mas colocá-la em dúvida é já abster-se de exercê-la, provando portanto sua inexistência mediante uma profecia auto-realizável.

      Inversa e complementarmente, a própria psique se torna rala e evanescente quando, por abdicação voluntária ou sob a pressão de condições adversas, a liberdade cede o passo à intervenção de fatores “externos”: a pura fisiologia, os hábitos inconscientes, o jogo das influências ambientais, o acaso, etc. Numa situação extrema, já não há mais atividade psíquica livre: a psique torna-se o reflexo passivo e mecânico de tudo quanto lhe é estranho.

      Essa distinção aplica-se aos indivíduos como às sociedades. Em qualquer grupo social pode-se avaliar sem muita dificuldade se ali predominam a percepção alerta, a presteza e criatividade das reações, ou o apego indolente a chavões e frases feitas que se repetem como mantras enquanto a realidade vai correndo, mudando e passando como um trator sobre a multidão de sonsos.

      Depreciando instintivamente as mudanças e diferenças, a mente letárgica apega-se à “heurística disponível”, que o manual de psicologia forense de Curtis R. Bartol, muito usado nos EUA, define como um atalho mental construído com os fatos mais vulgares e acessíveis – em geral os fatos repetidos pela mídia –, simulando uma explicação.

      É assim que os riscos e ameaças mais graves e iminentes passam despercebidos sob uma afetação de segurança tranqüilizante. E foi assim que os planos do PT para a implantação do comunismo no Brasil, registrados nas atas de assembléias do partido, repetidos nas do Foro de São Paulo e insistentemente explicados nos meus artigos e conferências, foram solenemente ignorados como se fossem meras tiradas verbais sem a menor conseqüência, até que agora podem ser postos em prática diante dos olhos de todos, com a certeza de que a o povo e as elites, degradados e estiolados por décadas de indolência mental e repetitividade mecânica, nem saberão como reagir.

      Não é preciso dizer que, deteriorada num grupo humano a capacidade de percepção rápida e reação criativa, o curso das coisas vai se tornando cada vez mais previsível graças ao império geral da passividade mecânica. O que era apenas uma probabilidade, manejável pela livre vontade humana, torna-se o cálculo matemático de uma fatalidade.

      Pela milésima vez: Quando um homem normal diz “sociedade civil”, ele designa com isso a totalidade das pessoas dotadas de direitos civis e políticos. Quando um comunista usa o mesmo termo, ele sabe que os profanos o ouvirão exatamente assim, mas que os iniciados saberão perfeitamente que se trata apenas de um reduzido círculo de organizações e movimentos criados pelo Partido para fazer a parte suja do serviço sem comprometê-lo diretamente.

      Na estratégia comunista, trocar a representação eleitoral pelo governo direto dessas organizações e movimentos é, desde há mais de um século, a virada decisiva, o “salto qualitativo” que, após uma longa acumulação de subversões e corrosões, marca a passagem de qualquer regime para uma ditadura socialista.

      Para quem quer que conheça a história do comunismo, isso é uma obviedade patente, mas quem está acostumado a pensar segundo a “heurística disponível” da mídia usual, quem se recusou por mais de vinte anos a enxergar o que se preparava, talvez não venha a enxergá-lo nem mesmo depois de realizado. Muitos irão para o Gulag ou para o “paredón” jurando que é apenas um sonho mau.

      ———-

      Publicado no Diário do Comércio.

      ———-

      • ‘‘(…) Pela milésima vez: Quando um homem normal diz “sociedade civil”, ele designa com isso a totalidade das pessoas dotadas de direitos civis e políticos. Quando um comunista usa o mesmo termo, ele sabe que os profanos o ouvirão exatamente assim, mas que os iniciados saberão perfeitamente que se trata apenas de um reduzido círculo de organizações e movimentos criados pelo Partido para fazer a parte suja do serviço sem comprometê-lo diretamente (…).’’

        Esse parágrafo vem a calhar com esse artigo, ‘‘O mal é o que sai da boca do intelectual de esquerda’’, de Alceu Garcia: http://www.olavodecarvalho.org/convidados/0153.htm

      • Vcs ainda tão nessa fase? PQP, quanta merda o olavo ainda vai ter que falar pra vcs entenderem que ELE transforma a direita brasileira em motivo de piada?
        A última pérola foi que ouvir rock deixa as pessoas burras (facepalm)…

      • Ele criticou especificamente o HEAVY METAL. Eu gosto de heavy metal e não estou nem aí. Acho que é aquela mania eterna: ampliar excessivamente o que ele diz sobre fatos corriqueiros.

        Estou fazendo uma revisão dos textos de Olavo, desde aqueles publicados nos anos 90. É impressionante o nível de previsão do que ocorreria no Brasil, que ele tinha naquela época.

        Não é o fato dele ter mal gosto musical que mudará esta obra.

      • Luciano, não foi só metal não, leia os recentes:

        ‘Rock e Heavy metal foram feitos para excitar multidões, se possível até à histeria, infundindo-lhes uma espécie de temor apocalíptico e um impulso de mergulhar no caos.’

        Ah rapaz, tá explicado, toda vez que eu ouço rock me dá um temor de mergulhar no caos que é uma coisa absurda! Esse olavo é um gênio!

  3. Segue uma leva do que peguei hoje e que vale a pena falar um pouco:

    1) Não seria bom falar sobre a perseguição promovida pelos marxistas-humanistas-neoateístas ao grito de “eu sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”? Observe-se que em mídia explicitamente MHN ficaram dizendo que isso seria grito de “coxinha” e “elite branca”, sendo que no Fantástico entrevistaram o criador de tal grito, que data de 1949 e foi espontaneamente adotado pelo povo (tendo sido também usado nas passeatas de junho de 2013 em que os MHNs foram enxotados e que iniciou a demonização do brasileiro comum, tachado de “coxinha” e intimidado por black blocs). Eis que temos uma sakamotice que fala desse assunto, entre outros e que já recebeu refutações, uma vez que ficou querendo amaciar para o lado dos sem-terra, sem-teto e outros queridinhos do marxismo-humanismo-neoateísmo quando esses fazem coisas que quando são feitas por “opressores” receberiam toda a condenação desses mesmos MHNs:

    Butcho 1 hora atrás

    Não entendo por que os integrantes desse nosso povinho que querem levar vantagem no trânsito, rotulados no texto de falsos patriotas, sejam diferentes dos integrantes do nosso povinho que querem levar vantagem em outras áreas (falsos sem-teto, falsos sem-terra, falsos manifestantes e falsos índios).

    Pedro Nolasco 9 horas atrás

    Perfeito!!! Os esquerdistas querem sempre mamar na teta do estado. Por isso clamam constantemente pelo aumento de seu tamanho e arrecadação. Notem como Sakamoto insinua que quem não defende os sem-terra, por exemplo, não tem amor ao Brasil ou coisa do tipo. É o “monopólio das virtudes”, arma clássica da esquerda. De duas, uma: Ou concorda com a gente, ou você só pode ser um pária!

    PaGG 10 horas atrás

    Dois pesos, duas medidas… Assim são os esquerdinhas…

    PauloHP 27 minutos atrás

    Poxa, começou tão bem o texto… Se tivesse ficado só no civismo (incluido o que aprendíamos nas aulas de Moral e Cívica e OSPB), sem desconsiderar o anticivismo dos grupos que querem a pulso tomar propriedade de outrem e impor ideologias, teria meu apoio 100%. Abaixo aos intransigentes, sejam tomadores de terras ou de vagas para deficientes.

    Abraão Soares 13 minutos atrás

    Os “sem-teto e sem-terra” só são considerados criminosos quando invadem, roubam, depredam, incendeiam, sequestram e matam – como, aliás, qualquer outra pessoa que cometa esses crimes.

    Pedro Nolasco 9 horas atrás

    Verdade, mas segundo Sakamoto quem não os defende não tem amor ao Brasil como os esquerdistas ou coisa do tipo. É rir para não chorar.

    PaGG 10 horas atrás

    Tô aqui de boa, esperando o Sakapouco dar um ctrl+C ctrl+V nos textos dos anos anteriores sobre 9 de Julho, metendo o pau em São Paulo e nos Paulistas…. Culpando SP por todas as mazelas do universo…………………

    Luís Otávio Zaneti 10 horas atrás

    Tá tá tá. Solta logo o texto do 9 de julho pra nós podermos dar umas risadas.

    Cão Do Mato 10 horas atrás

    Bem lembrado! 9 de julho foi eleito pelo Sakamoto como o “Dia Nacional de Fazer São Paulo de Saco de Pancada”…

    13582196 9 horas atrás

    Então o dito tem Ódio de algo, e segundo ele, violar a LEI e a CONSTITUIÇÃO agora é legal. e ainda diz que não é petista..

    menosvalia 8 horas atrás

    Faz décadas que os esquerdistas desprezam os deveres e agora o colunista se deu conta, hehehe.

    NextGenGames 7 horas atrás

    Muito bom seria olhar o que aconteceu nos chamados “anos de chumbo” e compará-los ao que aconteceu com países onde a revolução comunista foi vitoriosa como China, Russia, albania, coreia do norte, cuba, etc.

    ruizmar 7 horas atrás

    Caro bloguista, neste país nada explode, a não ser a inflação real, aquela que afeta o bolso de todos os que sustentam os corrompidos poderes da nação, executivo, legislativo e judiciário. O que você acha que aconteceria num país mais sério e menos corrupto no qual o “ministro da fazenda” desse país, durante todo o período de sua investidura, errasse todas as previsões econômicas, as quais e através de cadeia nacional ou pela imprensa mais assistida e ouvida, fazia?

    Edmundo animal 6 horas atrás

    Cada bobagem que o doutor Sakamoto tem falado!! Deve ser fruto da falta de assunto e de tempo, pois o mesmo tem assistido a TODOS os jogos da Copa e viajado bastante para a Praia Grande. Sim, pois COM CERTEZA, Sakamoto não deve ir para locais do tipo Guarujá ou litoral norte, regiões infestadas pelos “nefastos” playboys coxinhas. É lógico que” esquerdistas caviares” como Sakamoto, gostam de ficar ao lado do povo, comendo frango com farofa na praia. Com efeito, obviamente na Praia Grande ninguém joga sujeira no chão. Lá parece Ibiza, ou a Côte D’Azur francesa de tão limpo.rs Mas deixemos de lado, o fato de Sakamoto ser um dos poucos brasileiros a ter tempo para assitir a TODOS os jogos da Copa e voltemos ao texto. Duvido que Sakamoto tenha “visto” as supostas situações dos “três causos”, ocorridos em São Paulo, EXATAMENTE, com três carros alegóricos, cheios de bandeirinhas do Brasil. Sakamoto inventa e força a situação, como sempre, no afã de atacar a classe média. Concordo, que no Brasil, SOMOS muito mal educados, em relação a limpeza, regras de trânsito e muitas outras coisas, mas convenhamos, isso não é um predicado somente da classe média paulistana, ou da chamada “Elite Branca”! Ademais oque tem a ver “patriotismo”, com maus hábitos ou falta de educação? Oque tem a ver “civismo”, com ditadura? Ora, absolutamente nada! O sujeito pode ser um nacionalista patriota e ser um débil mental, mal educado!!! O encadeamento lógico do texto de Sakamoto, faz ligações tão inverossímeis, quanto a cor preferida de um carro novo e a classe social do sujeito. Seria mais ou menos assim. Ah, se o carro do cara é preto, então ele é playboy coxinha, se é amarelo ele é do povo e gente boa!! Não tem nada a ver!!!!rs Independente do credo, classe social, ideologia, nós os brasileiros, somos mal educados! Isso é um “hábito” arraigado da colonização portuguesa. Mas Sakamoto, explica pra gente, como voce tem tanto tempo pra assistir a TODOS os jogos da copa??? Tenho dito!

    Sacopleno 5 horas atrás

    Parabéns, Edmundo. Excelente contraponto!

    Daisy 6 horas atrás

    Pois eu já penso que falta patriotismo ao brasileiro. Mas não o “patriotismo” festeiro e passageiro da Copa, mas o real, que faz o cidadão, ao amar sua pátria, lutar por ela, execrar partidos/políticos que corrompem nosso país, que trazem ideologias estranhas à nossa gente, que se alçam ao poder esquecendo toda a ética e moralidade que pregaram enquanto oposição, que continuam comprando votos com bolsas consciência para um povo que insistem em manter no cabresto, como o velho coronelismo que prometeram combater. E sim, Sr. Sakamoto, considero mais importante o povo saber o hino e entoá-lo do que saber quem foi Guimarães Rosa, pois é com emancipação e amor ao que é seu por direito que o povo vai aprender e se educar e não só sobre Guimarães Rosa, mas sobre toda a realidade que o cerca.

    abcdasilvad 5 horas atrás

    Parece que todos os fanaticos de Marx sofrem de uma profunda falta de amor a patria, travestida de luta por melhoras. “O ultimo refugio de um canalha”, epifania preciosa, com seu sentido descaracterizado neste texto.

    Brain 4 horas atrás

    A maior prova de amor ao país, é não querer que o Brasil vire uma Venezuela ou uma Cuba.

    Mamaluco 2 horas atrás

    A maior prova de amor, será expulsar o pt do governo.

    Mont 4 horas atrás

    Talvez porque o governo não represente uma parte da população com essa roubalheira toda? Ou talvez porque fique de saco cheio de alguém sempre ficar dizendo que devemos fazer isso ou aquilo. Afinal, tenho ou não tenho o direito de vestir verde e amarelo só na copa e achar o resto do tempo ruim, por exemplo??? Acho que nào, né ? Devemos ter o Sakamoto nos lembrando o que devemos e o que nào devemos fazer. Tenha a santa paciência.

    ToLima Duarte 4 horas atrás

    o JAPA tá mais pra catequizador da educação MORAL E CÍVICA, do que qualquer professorzinho do começo da década de 80. Beira a um SERMÃO RETICENTE do que realmente pretende com esse papinho de bispo universal. Seu PATRIOTISMO mora do OUTRO LADO do planeta, sua BANDEIRA tem duas cores (vermelha entre elas) e pode viver a vontade entre nós. O BRASIL ACEITA TODOS!

    Wilton Oliveira 2 horas atrás

    DIZES ISSO POR SER FAMOSO E BAJULADO POR ESTA SOCIEDADE DE CIRCO QUE TEMOS.

    Edmundo animal 3 horas atrás

    Boa Lima!!!!!rs

    zé epa 3 horas atrás

    Parece que o nobre jornalista, se assim o posso chamar, nivelou por baixo homens de bem que gostam de futebol e seleção, com uma corja que veste verde e amarelho e se disfarçam de torcedor. Reflita em suas palavras, dá uma impressão danada que somos todos canalhas só porque amamos o futebol e nos vestimos com as cores da bandeira. Não é porque o nobre jornalista presenciou fatos desagradáveis que todo o Brasil seja igual. Lindas palavras para dizer o nada.

    MARKBRASIL 3 horas atrás

    Nunca tinha ouvido falar ou ter lido nada sobre esse Sakamoto. Li três reportagens escritas por ele e todas são negativas , pessimistas e para baixo. Amigo procure algo de bom para escrever. Quer ideias ? Tenho algumas.

    sandroandradense 3 horas atrás

    Pisou no tomate, como se diz no interior. Lembrou de OSPB mas falou como professor de tal. Como se todos não tivéssemos telhado de vidro. Inclusive você.

    Caio.bbdouro 3 horas atrás

    Adoro ler os comentários da coluna. Principalmente aqueles que falam dos “homens de bem”. Ah os cidadãos de bem, o que seria do Brasil se eles não existissem kkk. Eu continuo tendo medo do cidadão de bem

    Edmundo animal 1 hora atrás

    FALA MUITOOOOO!! Defina o que é Cidadão do bem e sei oposto!!!

    2) Novamente um ótimo momento em que os anti-MHNs podem economizar munição pelo fato de os MHNs estarem se digladiando entre eles. Quem nos fornece tal momento é o Brasil 247, que escreveu um texto elogioso a uma charge do Laerte, mas se deixou penduricalhos que deram margem para que MHNs descessem a artilharia no meio de imprensa que noticia para eles. O penduricalho? É a foto adotada para o Laerte. Seguem as saraivadas:

    Absalão Bussamra 1.07.2014 às 09:56

    Por que não publicaram uma foto ATUAL do Laerte? Por acaso este site é homofóbico?

    LAERTE É AQUELE QUE SE VESTE DE TIA VELHA??? 1.07.2014 às 10:09

    AH, BOM!!! …………… É BEM A CARA DA TURMA DOS MACACOS…… SE FANTASIANDO PARA NAO SER RECONHECIDO EM PÚBLICO …………………. …………………………………………………….. ……………………………………………………… HUAUHAUHAHUAUHAUHAHUAUHAUHAUHAUHA UHAHUAUHAUHAUHAUHAUHAUHAAHUAUHAUHAHU UHAHUAUHAUHAUHAUHAHUAHUAHUAUHAUHA AUHUAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHA

    Pedrão “O Doutrinador” da Ala 13 1.07.2014 às 10:27

    Tirou a saia?

    Joe 1.07.2014 às 12:09

    Por que não colocam uma imagem do Laerte atual, é preconceito? Ele hoje é Crossdresser e diz que irá colocar silicone para virar travesti. Sejam coerentes com os fatos atuais. Gosto muito do Laerte e as fotos antigas não fazem jus à sua criatividade atual!

    Emanuel da Silva 1.07.2014 às 13:21

    O Laerte voltou a ser homem? Troquem a imagem, pois a direita vai falar que a esquerda tem preconceito. Vai por mim.

    Marcos Brogna 1.07.2014 às 14:39

    Me pareceu estranho o uso desta foto do Laerte. Algum problema em publicar a forma como ele se apresenta hoje?

    Davi 2.07.2014 às 14:39

    Charge perfeita. Mas por que vocês usaram uma foto antiga do Laerte na abertura da matéria? Algum tipo de preconceito?

    henrique 3.07.2014 às 21:57

    TRANSFÓBICOS!

    Luiz Claudio Lins 6.07.2014 às 19:35

    Caro sr. editor do site Brasil 247: Por favor edite essa imagem do Laerte o mais rápido possível. Laerte hoje, como você bem sabe, assumiu sua identidade de trânsgenero femino e deve ser retratado como tal. Há centenas de fotos espalhadas pela rede para essa substituição Certo da sua atitude

    Betzaida 6.07.2014 às 07:16

    A charge é atual, a matéria é atual, por que uma foto antiga? Transfobia mesmo!

    Ulisses Rodrigues de Oliveira 7.07.2014 às 01:54

    Por que vocês mantém essa foto antiga do Laerte?

    a 7.07.2014 às 15:19

    A imagem do Laerte está tão apropriada a sua realidade atual quanto a leitura que o senhores fazem da charge está apropriada ao que ela pode realmente dizer. Enfim, um show de equívocos.

    Não podemos dizer que o Laerte não seja democrático, pois gerou polêmicas tanto entre não-MHNs quanto entre MHNs, ainda que esta última tenha sido totalmente involuntária;

    3) E eis que o sábado passado foi dia de Marcha das Vadias em Curitiba. O resultado disso foi aquele de costume: mulheres desnudas dizendo que homens devem ser educados para não estuprar, fotos feitas em plano próximo para não mostrar que eram só algumas centenas de pessoas, crianças sendo levadas para a Marcha sem que tenham condições de consentir com aquilo que a passeata tem por pauta, “feministos” ou “esquerdomachos” achando que as mulheres que estão lá supostamente aceitam o apoio que eles dão e outras coisas. Aquelas mulheres desnudas, que vivem na base do “mexeu com uma, mexeu com todas”, o que significa agirem como boiada, viram na praça 19 de Setembro o Monumento à Justiça, popularmente conhecido por Mulher Nua, estátua de autoria de Umberto Cozzo e que foi inaugurada em 1972. É verdade que essa estátua é pichada com certa frequência, como o próprio link que te passei mostra, ainda que sejam pichações de gangues de pichadores e, portanto, garatujas incompreensíveis. Desta vez pintaram a Mulher Nua com aquelas pinturas típicas das vadias marchantes, como símbolos do feminino e frases de ordem como ““vai ter golpe transfeminista”, “vⒶdiⒶ”, mas também pinturas de stêncil, bem como colados cartazes com os ditos “se não podemos ser violentas não é nossa revolução” e “anti fascismo”, “antisexismo” (sic) e “antiespecismo” acompanhado de um desenho de bandeira de anarcocomunismo.
    Como esperado, essa sujeira causou revolta na população comum e teve gente do povo que foi limpar aqueles dizeres. Adivinha quem foi? Sim, como você pode ver, foi gente da “elite branca”, “coxinha”, “reaça” e “fascista”. Seguem os links dos vídeos:

    http://www.facebook.com/photo.php?v=721377161233826

    http://www.facebook.com/photo.php?v=721407954564080

    E como quem limpou é homem, muito menos “feministo” ou “esquerdomacho”, obviamente que na cabeça das vadias marchantes eles são estupradores presumidos que devem ser educados para não estuprar, pois isso supostamente seria algo natural de quem é da espécie Homo sapiens e tenha cromossomo Y. Também são “patriarcais”, “machistas”, “transfóbicos” e outras tantas coisas, se formos nos guiar por aquilo que as feministas dizem que nós seríamos. Ao menos mostraram que a Mulher Nua só é nua mesmo, e não vadia. Quem for olhar nos comentários dos vídeos verá que os MHNs reclamaram dos moradores de rua limpando a estátua por conta própria, dizendo que a chuva daria conta de tirar o guache (daria conta também de tirar os stênceis?).

    • Em relação aos moradores de rua que limparam a Mulher Nua, observe-se que já há reações de feministas a isso, tais como este evento que, em vez de enxugar gelo, prefere pintar a tal estátua até que a violência contra a mulher acabe, bem como aquela clássica falácia de perguntar se a pessoa pesquisou sobre um determinado assunto antes de sair publicando notícias, link esse de um “feministo”/”esquerdomacho” que, como sabemos, pela Marcha das Vadias paulistana, não é bem-vindo pelas próprias vadias marchantes. E também temos uma participante da Marcha insinuando que os mendigos teriam sido pagos para limpar a estátua, caindo naquele lance de acharem que pelo fato de serem financiadas por órgãos fomentadores de marxismo-humanismo-neoateísmo pelo mundo, aqueles que se opõem ao marxismo-humanismo-neoateísmo estariam sendo financiados por uma direita-espantalho que supostamente seria muitíssimo mais poderosa que um movimento que conta com diversas fundações internacionais bancando. Aliás, insinuar que os moradores de rua estariam sendo pagos para limpar a estátua da praça onde sempre estão pode ser considerado como uma forma de subestimar que mesmo aquelas pessoas que estão no degrau mais baixo da pirâmide social seriam incapazes de tomarem decisões por si próprias, terem opinião e senso estético ou se sentirem agradadas com as coisas exibindo ordem. Ao insinuar isso, caímos muito naquela história de “pra quem é tá bom”, em que fazem dispositivos populares (moradias em conjuntos habitacionais, praças periféricas, linhas de ônibus em bairros pobres etc.) sem terem um mínimo de preocupação com beleza, praticidade, espaço e outras coisas que fazem as pessoas se sentirem sendo tratadas como pessoas em vez de gado.
      O próprio autor dos vídeos respondeu à participante em questão, como se pode ler aqui, demonstrando que os tais que foram lá limpar são lavadores de carros, o que significa que são donos de meios de produção que também podem ser usados para limpar uma estátua, como foi o caso.

      Podemos resumir a coisa da seguinte forma: vadias marchantes (ou também alguns “feministos” e “esquerdomachos”, com os quais elas não fecham) pintaram com guache a estátua, moradores de rua foram lá limpar, um cara filmou os caras falando e agora tanto moradores de rua quanto o cara que filma e aqueles que apoiaram a limpeza são vistos como machistas, fascistas, patriarcais, transfóbicos, coxinhas e outros xingamentos típicos de marxista-humanista-neoateísta.

    • Vejam que estorinha interessante.

      Obs.: Feministas, atenção! Leiam com muito cuidado. E no! no! se esqueçam disto!

      Antigamente na Magna Grécia os homens direcionavam o foco de suas consciência às alturas, olhavam para o alto, e contemplando O Cosmos identificavam o esplendor, a grandeza e a nobreza dos deuses, e buscavam, então legitimamente, a equivalência aos deuses, igualarem-se aos deuses.

      Atualmente temos aí as feministas direcionando o foco de suas consciências embotadas às alturas, olhando para o alto, e contemplado, lá no alto, a grandeza esplendorosa do Homem, e buscam, então legitimamente, a equivalência aos Homens, igualarem-se aos Homens.

      Bem… Temos que reconhecer, ao menos, o BOM GOSTO dessas moçoilas, né?
      ———-

  4. A hipocrisia da esquerda não tem limites …

    Faz hoje aquilo mesmo que os militares fizeram, capitalizando politicamente a conquista do Tri em 1970. Até hoje, os imbecis esquerdopatas chegam ao orgasmo quando referem-se à “alienação” do povo com a Copa do Mundo no México, daquele ano, relacionando-a (erroneamente) à aprovação do governo Medici. Lembro-me até de um filme sobre o tema (o protagonista era interpretado pelo Reginaldo Faria).

  5. O mais incrível sobre esse tal de Lula é a enorme facilidade com que ele usa técnicas simples e até infantis para dominar massas: dá o pão e o circo como é o padrão populista típico, usa um linguajar popular, tem trejeitos vocais e corporais que faz com que os pobres se identifiquem com ele, fala o que os ouvintes querem ouvir. A fórmula é simples, manipuladora e muito, mas muito eficiente, tudo isso unido ao domínio da máquina estatal que lhe fornece quantidades imensas de dinheiro o tornam uma máquina eleitoral sem precedentes. Mal foi liberada a campanha eleitoral, aqui em Brasília as ruas já estão cheias de cartazes e carros cheios de adesivos; é amigos, tirar essa petralhada do poder é façanha difícil de se fazer; mais 4 ou 8 anos de PT no poder esse País vai ficar detonado por décadas, vai ficar adoentado gravemente e talvez incuravelmente.
    Dar esmolas públicas( com o nosso dinheiro), fazer de conta que é um deles( depois viaja de jatinho particular), fazer tudo protegido pelo manto inatacável dos direitos humanos( usa as minorias e depois as descarta)………….. Isso é coisa antiga, acho que até os Sumérios já faziam isso, só otário cai nessa onda, e pelo jeito a quantidade de otários no Brasil é fabulosa.

  6. Não consigo ver lula falando sem que isso faça aflorar meus piores instintos. Evito. por motivos de saúde. Mas basta ler a transcirção para ver que ele continua a ser o mesmo cretino, velhaco, desonesto, mentiroso, populista e manipulador que sempre foi.
    Só que parece que a cada dia vai ficando pior!!!

Deixe uma resposta