Alemanha 7 X 1 Brasil. Mas há um time que deu vexame muito, mas muito maior…

25
134

alemanha

Eu não sou muito ligado em futebol. Posso dizer que hoje em dia, em termos de futebol brasileiro, não torço para ninguém, até por que não me interesso pelos resultados dos jogos. Dos últimos quatro campeonatos brasileiros, não assisti a um jogo sequer.

Tudo por causa do livro The Secret Lives of Sports Fans, de Eric Simons, onde cientificamente é demonstrado o mecanismo que nos faz torcer por futebol. E este mecanismo (o processo vicário na busca de conflitos) pode ser manipulado a nosso favor.

Nessa Copa 2014, no entanto, resolvi assistir a alguns jogos. Acabei me contagiando com o “clima de Copa”, e com o orgulho de ver como o povo brasileiro contribuiu para o espetáculo. Tudo ficou com uma “cara” similar à da Copa da África do Sul de 2010, quando a população de um país pobre se orgulhou de receber bem os estrangeiros. Isso é normal em lugares pobres: a população tende a se superar na recepção a quem vem de fora, com medo de fazer feio.

Cheguei a pegar um trânsito de três horas (em um percurso que normalmente demoraria 20 minutos para fazer) no dia em que o Brasil empatou com o México. Hoje nem saí de casa, mas soube que o trânsito aqui em São Paulo novamente foi pavoroso. Mas, como já disse, mesmo diante desses empecilhos, a população se empenhou para fazer o seu máximo.

Dos jogos que vi da seleção brasileira, nenhum me empolgou, embora eu tenha gostado bastante dos jogos da Holanda e da Alemanha.

Pois foi a Alemanha que passou feito um caminhão sem freio por cima do Brasil hoje, nos impondo a maior goleada da história de nossa seleção. Foi um verdadeiro vareio de bola. Tanto que até os próprios alemães, torcedores e jogadores, dizem que não esperavam tal resultado. Óbvio.

Embora eu tenha assistido o jogo mais como diversão (quero ver é gol, não importa quem faça), não nego que me solidarizei com o choro do torcedor brasileiro. Mas em campo o que se viu é a seleção brasileira dando um verdadeiro vexame. Basicamente, o time assistiu a Alemanha passear em campo. Foi o jogo mais desigual de toda a Copa. Simples assim.

Porém, os jogadores brasileiros fizeram o que puderam, diante do estado emocional em que estavam, da qualidade técnica que possuíam (é de fato uma das piores seleções de nossa história) e das opções ruins tomadas por Felipão. O vexame que a seleção brasileira deu limita-se ao aspecto técnico.

Vexame muito pior deu o PT, junto com a BLOSTA (Blogosfera Estatal). Esses agentes de mídia, que vivem de receber verba estatal para anúncios, deram um dos maiores papelões éticos da história da política. Copiando o pior do discurso da ditadura militar, eles simplesmente adotaram o lema “Brasil, ame-o ou deixe-o”, junto à tomada da seleção como “a pátria de chuteiras” (abusando do pior do nacionalismo), eles resolveram fazer sua maior especialidade: tentar dividir o Brasil, usando discurso de ódio.

Os petralhas começaram a demonizar todos aqueles que estavam pessimistas com a realização da Copa 2014 por aqui. Foi quando eles resolveram apelar a uma mesquinharia inacreditável. Não raro, diziam que esta Copa “calou a boca dos pessimistas da oposição”. Não ocorre a estes fanáticos notar o básico: em qualquer situação, sob qualquer governo, ficaríamos tensos em relação à possibilidade de uma Copa ocorrer aqui, assim como criticaríamos gastos em uma Copa quando não temos o mínimo em termos de infraestrutura.

Para piorar, os méritos da população brasileira e do sucesso natural inerente a qualquer Copa do Mundo foram usurpados pelos petistas, que resolveram “tomar” a Copa para eles. A partir daí, começamos a ver um bando de colunistas da BLOSTA, que jamais se interessaram por futebol, fazendo crônicas esportivas a todo momento. Uma situação digna de vergonha alheia.

O que se via é “vamos juntos, calar a boca dessa elite” (que, segundo eles, compõe todos os brasileiros que não se animavam com a Copa, ou a criticavam). Tanta mesquinharia fez com que de fato alguns torcedores abandonassem a seleção. Mas nosso time não merecia essa reação, causada de forma deliberada por um partido que só consegue fazer política dividindo a população com discursos de ódio.

O “currículo” de realizações dos petralhas nesta Copa é de dar nojo. Por exemplo, temos:

  • usurpação dos méritos da população brasileira de maneira desonesta
  • usurpação dos esforços de nossa seleção de forma cínica
  • aproveitamento de um momento de festa para criação de campanha de ódio contra opositores

Ou seja, não dá para descer mais baixo do que isso, em termos éticos. Uma Copa do Mundo (em qualquer lugar do mundo) deveria ser um momento de integração, não de geração de ódio por um partido incapaz de demonstrar qualquer padrão ético aceitável para a vida em uma sociedade civil.

Vamos deixar as coisas bem claras para qualquer petralha: se a seleção brasileira vencesse a Copa, este seria um mérito desta seleção, não do governo. A seleção pertence ao povo brasileiro e tudo que eles conquistaram dependeu de seus esforços individuais. Todos aqueles atletas em campo lutaram da mesma forma que conquistaram em suas vidas até agora. Eles não são pessoas dependendo de mamatas no estado. Então, que os petralhas se coloquem nos seus devidos lugares éticos, ao tentar vender de forma torpe a seleção como se fosse representante do governo. Nunca foi, jamais será. Isso significa banalizar de forma cretina tanto o choro do povo brasileiro, quando o esforço dos profissionais de futebol.

O povo brasileiro chorou. A seleção brasileira perdeu de forma vexaminosa. Mas o PT deu um dos maiores vexames éticos da história da política nacional.

Anúncios

25 COMMENTS

    • O que está escrito naquela página poderia ser refutado por uma criança de 10 anos. Mesmo assim, postei um comentário lá, que foi removido. Postei a segunda vez, foi removido. Perguntei se a exclusão do comentário era motivada por divergência, ou se era censura pura e simples. Removeram também… rs.

  1. Senhores!

    Vejam o aspecto positivo da questão.

    A culinária de Banânia terá agora uma inusitada receita:

    “Blitz alemã de Chocolate na Jabuticaba ao Molho Vermelho”.

    ———-

  2. Muito bom. Eu fiquei indiferente à Copa por causa das sujeiras, mas a seleção até que chegou a me empolgar uma torcida fervilhante. A ”Copa das Copas” no Brasil foi um fiasco, o Brasil foi desmoralizado e humilhado dentro e fora dos gramados. A FIFA e o PT (vide o viaduto que caiu) estupraram o Brasil, e a seleção alemã humilhou tanto a seleção brasileira, que o que mais deu dó foi a piedade deles para com a seleção – eles tiraram o pé e, depois de um chocolate desse, nem acharam graça e nem comemoraram direito. Nem eles acreditaram, aliás, ninguém acreditava num placar desse. Vexame mundial. O efeito do ópio não poderia ter passado de pior jeito. Contudo, é patético os prognósticos que os comentaristas fazem, com psicologismos e cheios de fé em quem faz corpo mole, como se isso fosse primordial para uma nação. Só no futebol se vê isso. Na política não se vê esse pragmatismo, só a demagogia e a falsa ciência política, do socialismo, que é a episteme do fracasso e da miséria. O Brasil tem que se reerguer em outubro, expurgando o espectro do socialismo; se hoje invejamos a proficiência, o pragmatismo e a frieza alemã, é hora de assimilarmos essas vantagens. Chega de emotividade piegas, não foi o fim do mundo, como o Galvão costuma dizer quando o Brasil perde.

    ACORDA, BRASIL!!! DIGA NÃO AO SOCIALISMO!!! FORA, DILMA; FORA, PT!!!

  3. Por mais vergonhosa que seja, a derrota em campo teve um aspecto positivo: impedir a capitalização política em cima do que poderia ter sido um título.

  4. Considero algumas coisas e aqui falo tanto de governo quanto de futebol brasileiro:

    1) Não haverá como os marxistas-humanistas-neoateístas fazerem promoção em cima da Copa. É mais ou menos como o Hitler ter de engolir a vitória de Jesse Owens em pleno Estádio Olímpico de Berlim após propagar as virtudes da “raça ariana”;

    2) Ficou consagrada a decadência total da crônica esportiva nesta Copa, algo que já havia acontecido antes mesmo do vexame de hoje. Lembremos que o futebol brasileiro fez exatamente aquilo que essa crônica havia dito que seria a salvação de nosso futebol (Brasileiro de pontos corridos, estaduais durando dois meses em vez de ocupar um semestre inteiro de um ano e outras coisas). E o resultado é que o penta foi justamente quando ainda tínhamos estaduais fortes e Brasileirão com chaveamento e final, com o Brasileiro de 2003 em pontos corridos sendo insucesso de público em relação ao último certame nacional com uma final. Como disse em outra ocasião, suspeito que a ala MHN da crônica esportiva tenha feito lobby por um “gramscismo de chuteiras”, em que propositadamente se destrói algo importante para a cultura de um povo para que dali surja o novo. E o futebol é importante para nosso povo, da maneira toda particular que adotamos esse esporte de 17 regras e quatro linhas;

    3) Porém, como já dito antes, não há mais como a MHNzada faturar em cima da Copa ou querer associá-la a suas realizações. A Copa vai virar um inocente útil e será descartada;

    4) O brasileiro olhará tanto o futebol quanto a situação atual do país de maneira mais crítica. O ponto a que chegou nosso futebol é mais fácil de entender do que o ponto a que chegou o país, pois há uma associação mais fácil: adotou-se pontos corridos e isso elitizou a disputa. Reduziu-se o número de clubes na Série A do Brasileirão para 20 e isso tirou boa parte da diversidade de nossa nação, a ponto de não termos nenhum representante da região Norte. Os estaduais passaram a durar só dois meses e isso fez com que os clubes menores, grandes celeiros de craques, não tenham mais um longo tempo para expor seu trabalho e seus jogadores (Mauro Silva, por exemplo, foi revelado pelo Bragantino). Com a desmoralização da crônica esportiva (e principalmente da parte MHN da mesma), não acho que haja clima para impor aquele outro passo que suspeito ser gramscianizante em nosso futebol (calendário à europeia, começando em um ano e terminando em outro, em desrespeito total à ordem de estações e regime climático do Brasil).
    No caso da situação do país, aqui será algo em tom mais emocional mesmo e imediatista. O cara vai ver o quanto que se gastou nesta Copa, perguntar o quanto de retorno financeiro teve, perguntar o que farão com estádios em cidades sem tradição futebolística maior, bem como a situação que ele vive agora;

    5) Já tivemos “ei, Dilma, VTNC” no Mineirão hoje. Aqui é algo mais esperado, uma vez que Minas é reduto aecista. Porém, também já tivemos isso em São Paulo, que é reduto alckmista. Pode ser que vejamos isso também em redutos petistas ou governistas. Aliás, é extremamente provável e não duvido que possamos ouvir esse grito também nos jogos do Brasileirão, que virá com tudo neste segundo semestre;

    6) Provavelmente veremos uma cisão mais forte entre futebol e governo. Logo, é possível que pessoas muito ligadas à Copa e possíveis candidatos a algum cargo proporcional sejam escondidos justamente por causa desse 7 a 1. Lembremos que historicamente há aproximações e distanciamentos entre futebol e governo no Brasil (vide nos anos 1970 com a capitalização do Tri e posteriormente o “onde a Arena for mal, mais um clube no Nacional. Onde for bem, também”, que gerou um Brasileirão de 94 clubes totalmente inchado e confuso) e agora com certeza é um momento em que a CBF não quer ser vista perto de governantes ou pessoas ligadas ao governo de alguma forma;

    7) Também poderemos ver uma olhada rigorosa nas obras de infraestrutura para a Copa, tanto as que foram concluídas como as que não foram acabadas (isso sem falar do viaduto que caiu em Belo Horizonte e matou duas pessoas). As pessoas irão se perguntar se são obras bem feitas e que durarão bastante ou se é algo para inglês (e também alemão) ver e pouco depois ficar deteriorado;

    8) Sequer dá para falar que a Alemanha é uma “elite branca” que pune os “pobres e negros” do Brasil, uma vez que há o mulato Boateng como titular absoluto da equipe que jogou vestida à Flamengo, bem como jogadores de origem turca e árabe, fora o agora maior artilheiro de todas as Copas Miroslav Klose ser polonês naturalizado (e poloneses, como sabemos, são vistos pelos alemães como mexicanos seriam vistos por americanos). Aliás, vejam como os MHNs descartaram com rapidez o lance de que “ei, Dilma, VTNC” seria obra da tal “elite branca”, tanta a reação do povo e as piadas que fizeram;

    9) Se os anti-MHNs souberem aproveitar, pode ser um momento de ouro para o aumento de conscientização do povo sobre o que é gramscismo. No campo do sentimento popular, já vemos há muito tempo a revolta contra o “nós contra eles”, “negros (leia-se a soma fraudulenta das categorias “preto” e “pardo”, essa última significando “mestiço”, do IBGE) contra brancos”, homossexuais contra heterossexuais e outras coisas. Logo, há abertura histórica de nossa sociedade para que se conscientizem do que estão querendo fazer com um povo que consegue ter unicidade em sua diversidade.

  5. Muito bom, Luciano.

    Já havia percebido como esquerdistas que apoiam o PT e a Dilma estavam usando lemas semelhantes com a Ditadura Militar para essa Copa, mas você conseguiu escrever de maneira coesa e direta. Parabéns.

  6. Você deveria começar a relevar a possibilidade de sair de São Paulo a vida ai é muito prejudicada … Compare com quem mora no interior … Uma vida muito mais saudável, leva-se uma vida e nao se “corre” a traz dela.

    • interior? Nem me fale… depois de 17 anos morando em São Paulo, meu pai me trouxe pra Ribeirão Preto. É horrível! Não tem nada do q tem na capital, fora o calor horroroso o ano inteiro

  7. Acredito que vocês estão subestimando o ‘khmer vermelho’. Li um comentário acima que vai de encontro ao meu pensamento: O objetivo do PT com a ‘copa’ é destruir também o futebol, para transforma-lo: estatização completa do futebol. Hoje é disfarçada com patrocínio estatal.

    Hoje pela manhã já ouvi, no rádio, jornalistas chapa branca falando o óbvio: “Devemos transformar o futebol”… “O futebol no Brasil deve ser revisto”.

    Não sei se o vexame da seleção em campo foi ‘tão acidental’ assim. Parece haver caroço nesse angu. Nunca se esqueçam: ‘transformar’ para o PT significa estatizar.

  8. Gostei do BLOSTA. ehehehe. Onde eu puder, vou usar essa.
    Isso deu uma idéia de termos um glossário, com os chavões petistas, para publicar como forma de alerta.

    Ainda encontro gente impressionada, e que me diz “caramba, foi do jeito que você falou. Os caras gritaram que é culta das ‘elites’, dos ‘burgueses’, das estrelas”. Como pode existir gente que ainda não conhece essa manjada tática esquerdosa?

    Agora, espero que a CPI da Petralhabrás ande para frente.

  9. De olho no uso político de (mais) um título mundial de futebol para o Brasil, secretamente torci contra o meu país em todos os jogos, mas em especial neste contra a Alemanha, em que estava caracterizada uma disputa da meritocracia, da competência e do esforço contra a velha e boa malandragem brasileira. Nem em meus mais trsloucados sonhos poderia imaginar que meu desejo seria TÃO atendido!

  10. Luciano,

    Pra mimi, foi a demonstração clara de que desastres acontecem conosco também, é só darmos chance. E vou levar isso para o campo político em todas a oportunidades.

    Abs.

  11. Nossa , o funeral mal começou mas Tite já está sendo cotado para assumir a seleção e os planos para 2018 iniciaram . Têm que correr , porque estão bem atrás do Carnaval , que já deve estar com todas as alegorias prontas , em contagem regressiva . Oh coisa boa país que não tem nenhum problema , né …
    A cúpula do governo já está reunida desde ontem tentando achar uma maneira gentil de se desvincular da Copa . Inclusive , cogitando que a presidente não faça a entrega da taça na final . Falta total de fair play … eles não queriam a Copa de qualquer jeito … Não brigaram e ofenderam a população contrária ao mundial no Brasil … E agora querem pular fora do grande evento …
    A Copa foi , e está sendo linda . Graças ao povo brasileiro . Todos os elogios de estrangeiros estão voltados à simpatia , gentileza , calor humano , receptividade , facilidade para se comunicar em qualquer idioma sem precisar falar uma palavra . Às excelentes ofertas de serviços privados ( bares , restaurantes , hotéis , lojas , etc ) . As críticas , para todas as cidades sede , estão em torno dos serviços públicos ( trânsito , transporte , limpeza de vias , buracos nas ruas , falta de segurança , pedintes , etc ) .
    Foi tudo tão impensado pelas ” grandes cabeças ” governantes , que eles não cogitaram a derrota do Brasil . Tanto é que , a certeza da vitória da seleção vinha da possibilidade da Copa ter sido comprada , como a Argentina fez em 1978 . Nós , desde o início sabíamos que seria difícil ser campeão . Seja o povo que , segundo um certo ” doutor ” , de um lado é pobre , feio , nordestino que tem cara de que passou fome , e do outro pertence à seleta elite branca paulistana que não quer que o Brasil cresça .
    Para parte dessas pessoas nada muda . Amanhã se retorna ao trabalho , à vida do dia a dia , à luta pela sobrevivência . Contas de luz aumentaram 20% , plano de saúde 18% … mas a inflação é só de 6% ( então tá !!! ) . Para a outra parte do povo talvez o dia a dia vá trazer certas reflexões , ainda que muitos achem que eles são incapazes de refletir . Mas , pasmem , eles pensam sim !!! E a elite branca paulistana , diferentemente dos benfeitores públicos , sabe disso porque convive , conversa e ajuda de fato essas pessoas .
    Ontem , o porteiro noturno , quando mencionou conosco a vergonha da derrota , questionou sobre o que seria feito agora com todos esses estádios caros que construíram para a Copa , com todo o $$$ utilizado para o evento , já que o Brasil não vai ganhar . Ou seja , graças à Deus , ou à blitzkrieg alemã , quem sabe essa Copa será a nossa vitória .
    Existe sim uma luz no fim do túnel . Eu acredito !!! No pós-Copa é a hora de ser brasileiro com muito orgulho e muito amor .

  12. A Alemanha, visivelmente, não quis fazer mais gols. Teve lances onde eles nem corriam mais atrás da bola, porque se corressem, era gol. O Brasil poderia ter tranquilamente tomado de uns 10×0. Enfim, o comentário que mais gostei dessa lambança toda foi:

    “Ontem o Brasil teve um choque de realidade, em todos os sentidos”.

    Lendo os comentários dos PaTetas em outros sites, vejo que eles agora tentam desesperadamente desvincular o PT da copa, usando a velha tática: culpando os inimigos pela derrota da seleção.

  13. Luciano, falando em discurso de ódio, ao claro no PT mas insistentemente negado por eles, óbvio, via o já sabido acuse-os do faz…e tal, você reparou nesse “ato falho” do Lula na ultima convenção do partido? Essa pérola merece ser reproduzida a exaustão. Em dado momento do discurso ele solta: “A elite brasileira está conseguindo fazer o que NÓS NUNCA CONSEGUIMOS: despertar o ódio de classes. Ela está conseguindo fazer com que o ódio tome conta de uma campanha.”

    Segue o vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=45Rp6QiLHpY#t=1297

  14. HUMILDADE 7 X 1 ARROGÂNCIA
    Arrogância

    Ontem, enfim, a Seleção Brasileira mostrou ao mundo todo, no gramado do Mineirão, o quanto a arrogância, a falta de organização e a equivocada estratégia aplicada no nosso futebol tem forte relação com tudo aquilo que acontece com a nossa economia e com a nossa política.

    Igual a Economia

    A proposta de jogo adotada pelo técnico Felipão, para enfrentar a Seleção da Alemanha na primeira semifinal da Copa do Mundo, realizada ontem, é um espelho límpido daquilo que o ministro Mantega vem fazendo com a nossa economia no enfrentamento com os competidores internacionais.

    Vencer no futebol

    O que é de se lamentar é que, por absoluta falta de conhecimento e/ou discernimento, o pobre povo brasileiro tem sido levado, tanto pelo governo quanto pela mídia, a entender que vencer no futebol é tudo que interessa para ser melhor do que os demais países do mundo.

    Economia Bolivariana.

    Pois, a Seleção da Alemanha, ou a elite branca do futebol, como diria o filósofo do atraso e ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, jogando um futebol simples e burocrático, aplicou no nosso pobre país, em pleno Mineirão, sem dó nem piedade, a mesma goleada que os países capitalistas impõem, diariamente, na nossa economia bolivariana.

    Mensagem

    O que aconteceu ontem, como consta numa ótima mensagem que recebi sem identificação de remetente, foi mais que um simples jogo. Foi a vitória da competência sobre a malandragem. Serve de exemplo para gerações de crianças que saberão que para vencer na vida é preciso ralar, treinar, estudar. É preciso acabar com essa história de jeitinho malandro do brasileiro, que ganha jogo com seu gingado, ganha dinheiro sem ser suado, vira presidente sem ter estudado.

    Legado

    O grande legado desta copa, segue a mensagem, é o exemplo para gerações do futuro. Que um país é feito por uma população honesta, trabalhadora, e não por uma população transformada em parasita por um governo que nos ensina a receber o alimento na boca e não a lutar para obtê-lo.

    Pátria amada.

    A Alemanha ganhou com maestria e merecimento. Que nos sirva de lição. Pátria amada Brasil tem que ser amada todos os dias, no nosso trabalho, no nosso estudo, na nossa honestidade. Amar a pátria em um jogo de futebol, e no outro dia roubar o país num ato de corrupção, seja ele qual for, furando uma fila, sonegando impostos, matando, roubando? Que amor à Pátria é este?
    O Brasil cansou de ser traído por seu próprio povo. Que sirva de lição para que nos agigantemos para construirmos um país melhor: educar nossos filhos para uma geração de vergonha. Uma verdadeira nação que se orgulha de seu povo, e não só de seu futebol!!
    ELEIÇÕES- Não tenho certeza de que a derrota do Brasil influencie nas eleições, mas vou fazer de tudo para que isto aconteça. Se o Brasil é o país do futebol…
    GOLEADAS- O povo brasileiro já vinha sofrendo goleadas na Educação, Saúde e Segurança, Liberdade, Desenvolvimento Humano, Burocracia, Tributação, Corrupção, etc. Agora tomou uma goleada no futebol. Resta alguma coisa?
    É TOIS- Afinal, o que Dilma e os selecionados(?) querem dizer com o -É TOIS?- Imagino que é ALEMANHA!
    ARROGÂNCIA- Motivados por grande parte da mídia, um enorme contingente de brasileiros não suporta os argentinos. Dizem que os hermanos são muito arrogantes. Pois, o que tenho visto é que nesta competição a arrogância mora no Brasil faz tempo.
    CONHECIMENTO NÃO É AQUILO QUE VOCÊ SABE, MAS O QUE VOCÊ FAZ COM AQUILO QUE SABE.
    fonte blog: pontocritico.com.br
    Aldous Huxley

  15. Adoro o futebol,vejo que não tem mais bobo, nas quartas de final, todas as seleções foram primeiras em suas chaves, não torci para o Brasil, e sim para quem for o melhor nessa copa, a Alemanha é potencia em tudo e ainda sabem curtir um relax num resort tropical como Santa Cruz Cabrália e ainda interagir com os nativos na boa, Em seus clubes, tem formação de categorias de base, onde o jogador é aluno, tem projeto, tem respeito e tem seus lideres junto para apoiar.. Agora voltando, Estatizar o futebol da CBF, como eles do PT querem desde criancinha, sou contra. Pois ai vai virar um lixo,…Enfim vamos torcer para que a CBF, mude seu presidente, uma pessoa nova, que conhece o futebol nos países de primeira, sua administração e mostre aos clubes como evoluir, pegando a Alemanha e seus clubes como fonte de inspiração.
    Parabéns para o blog que é um sucesso e a todos que postam e dão sua opinião com liberdade e respeito…pois é isso que precisamos nesse lindo pais chamado Brasil..
    Abraço forte a todos

  16. Alemanha jogou futebol o Brasil brincou de bobinho e acabou virando humilhação…
    O lado bom da Alemanha é que eles valorizam todos os jogadores, já o erro do Brasil é achar que eles só tem um jogador (Neymar).
    Agora eu acharia lindo a Argentina ganhar a copa em solo Brasileiro…

    Bom Convido-lhe a visitar o nosso blog literário http://regozijodoamor.com/
    E pra quem gosta de algo mais visual #FicaUmaDica http://artofclick.wordpress.com/

  17. O resultado do jogo 7×1 é real, porém entendo eu, que a humilhação do Brasil e do povo brasileiro veio do jogador da colômbia quando machucou neymar, a partir daquele momento o Brasil foi sinônimo de superação.

Deixe uma resposta