Aécio diz que Lula e Dilma são “de direita”. Ele pirou? Não, nem um pouco…

48
254

aecio

Quando eu li “A Arte da Guerra Política”, de David Horowitz, estava em época de estudos da dinâmica social. A mistura de psicologia evolucionista com psicologia social, além da imersão no material de Horowitz, mudou minha concepção de política. Posso dizer que a partir daí esse blog mudou toda a perspectiva, adquirindo um realismo político e pragmático que definiu meu paradigma de investigação política.

“É a política, estúpido” foi uma das frases mais repetidas no livro de Horowitz, sempre quando nos defrontávamos com elementos que fugiam ao senso comum. Na política pública, muitas vezes as coisas não são tão óbvias, pois trabalhamos com muitos fatores.

Eis que Aécio Neves rebateu Eduardo Campos e disse que Lula e Dilma tinham características “de direita”. Alguns eleitores de direita que bandeavam para o lado de Aécio ficaram indignados. Eis que lhes digo, a la Horowitz: “É a política, estúpido!”.

Antes de tudo, vejamos do que estou falando. Em sabatina no UOL, Aécio rebateu crítica de Eduardo Campos, o qual afirmou que o programa de governo do tucano tinha viés conservador. Aécio disse:

Um governo, por exemplo, que propiciou os maiores lucros da história ao sistema financeiro e, como contraponto, um governo que colocou 97% das crianças na escola. Se fizesse uma avaliação, qual é de esquerda e qual é de direita, a maioria iria dizer que aquele que propiciou lucros estratosféricos ao sistema financeiro seria de direita e o que investiu na educação, de esquerda. Nesse caso, o mesmo presidente Fernando Henrique [Cardoso] seria de esquerda e o governo da presidente Dilma e do presidente Lula seria de direita.

Ele ainda afirmou:

Acho que esses conceitos conservador, progressista, esquerda, direita, são conceitos muitos abstratos, têm pouca conexão com a realidade.

Em ambas respostas, ele está correto em termos de estratégia política, pois ao superar o debate direita x esquerda, ele transmite a mensagem: “Não me importa de onde venham as ideias, eu vou implementar o que funcione”.

Assim, nenhum candidato querendo aparecer como o moderado (e, na dúvida, as pessoas optam pelo centro) deve se posicionar entre direita e esquerda.

Note que, em termos intelectuais, eu ataco ferrenhamente a esquerda, como faço neste blog, mas eu não sou candidato. Eu não estou vendendo minhas propostas a uma parcela do eleitorado que acostumou-se a confundir termos como direita e esquerda.

Outro detalhe: o PT reconheceu ser de esquerda. Mas ao apontar o partido de Lula/Dilma como responsável pelo aumento do lucro dos banqueiros, Aécio transmitiu a seguinte mensagem ao eleitor: “eles são hipócritas”.

Quer dizer, ao mesmo tempo em que ele se colocou numa posição moderada (de “superação” das ideologias políticas), mostrou o oponente como contraditório, partidário e hipócrita.

Gostei bastante da postura, que chega a me surpreender positivamente.

Em tempo: abaixo temos um dos melhores memes feitos em homenagem à Aécio. Ao que parece, não foi feito pelo comitê de campanha do tucano. Que pena, pois seria um gol de placa.

Veja:

tancredo_aecio

Anúncios

48 COMMENTS

  1. Oi Luciano.

    Sim! Sem dúvida foi uma jogada (enxadrística) genial.

    Mas, Luciano, cá pra nós, o que você acha? Essa bela ideia foi dele ou da assessoria? Hein?
    .

      • Eu também achei que o crédito é devido à uma excelente assessoria. Então devemos concluir, por imposição lógica, que ele tem, ao menos, a competência necessária para formar um time de primeira, e compor uma assessoria técnica amplamente qualificada. O que, sem dúvida, será bom para o Brasil nessa fase do campeonato.

        Abs.

        Apolo.

      • Depois de vencidas, caso sejam, as eleições de outubro pelo PSDB, e tendo então chutado o PT pra fora do governo, poderemos iniciar a fase seguinte da oposição cerrada ao PSDB.
        .

      • Eu não iria com tanta pressa. Eu optaria por uns quatro anos pressionando o PSDB para acabar com as ameaças bolivarianas. Propor medidas como

        * não-obrigatoriedade de contribuição sindical
        * fim da lei rouanet
        * transformação de pedido de censura estatal em crime inafiançável

        E daí por diante.

        Abs,

        LH

      • Luciano, que vai ser necessário pressionar o Aécio Neves, caso seja eleito, para que ele faça coisas que prestem e nâo dê continuidade a políticas esquerdopatas, não há dúvida. O sujeito é um tanto escorregadio e embromador, e muitas de suas posições não diferem das do PT.

        Quanto a exigir dele que criminalize a censura promovida pelo Estado, vai ser realmente um grande desafio.

        Basta ver que Aécio, enquanto governou Minas Gerais, praticou censura braba, não por meio de decreto ou lei, mas “informal”, na base de perseguição a jornalistas críticos a seu governo, e colocou a imprensa no cabresto governista. Cabresto que permanece até hoje, já que o atual governo de MG (Anastasia) continua sendo uma seqüência do governo Aécio.

        Aliás, mesmo agora, sem cargo, a fúria censória de Aécio continua atacando onde pode, contra blogueiros, usuários de redes sociais, etc. Vamos ver o quê mais vai estar na sua mira, caso o sujeito ocupe o trono máximo da nação.

      • Desculpem a delonga, mas mais uma coisa:

        Se é pra pressionar o Aécio para que tome medidas decentes, o ideal seria não esperar seus quatro (quiçá oito) longos anos de governo, mas fazer isto DESDE JÁ, questionando-o sobre os diversos temas, esclarecendo seus posicionamentos, cobrando COMPROMISSOS (e não ficar simplesmente o adulando e blindando, só porque queremos nos ver livres da petezada e, pra isso, topamos qualquer negócio).

        Caso contrário, é meio dar um cheque em branco pra um cara um tanto nebuloso, na esperança de que depois ele irá topar fazer as coisas que quem agora o apóia acha que ele deveria fazer, e IMAGINA que ele fará.

        Abs.

  2. Perfeito texto e contexto.

    A principal característica evidenciada neste caso é o combate ao mindset falacioso da extrema-esquerda: nós estamos aqui pelo social e pela igualdade, pelo povo sofredor da base da piramide.

    Este mindset deve ser refutado por Aécio, ou todo o PSDB, de que o PSDB é ruim porque é de direita – não que o povão mediano entenda alguma diferença nisso – mas já que apregoa-se que ser de direita é ir contra o Zé Povinho, ou ainda contra as bolsas esmolas, (que sabidamente Aécio chama de “redistribuição de renda”); que ser de direita é ser a favor dos banqueiros e “dazelite” – que ninguém sabe quem é – !

    Exemplo, na guerra política é sabido que o lulismo fala errado quando quer “se igualar” ao povão, para ganhar autoridade.

    Falar chulo ou com o palavreado do povão tem um objetivo, o de ser entendido por uma parcela maior da população. Pois a erudição ou o falar complexo, como por exemplo, discorrer sobre química orgânica, faz com que somente uma ínfima parcela consiga interpretar o tema.

    Em política eleitoral, num país de analfabetos funcionais e semi-analfabetos acima de 65% do eleitorado, baixar o nível de erudição é uma obrigação na guerra política.
    E, em contra-partida, aos formadores de opinião é necessário desmascarar o mindset implantado pelos “inteligentinhos” da esquerda bolivariana.

    Aécio está usando uma política de fechamento de negociação. Se não vejamos como exemplo, ao se vender um produto, como um software, que um cliente está disposto a desembolsar algo em torno de R$30.000, deve-se utilizar a Regra do Três.

    Elabore a melhor proposta possível custando R$28.000, mas também ofereça uma de R$45.000 com maiores recursos, garantias, suporte, atendimento e atualizações, e uma terceira, com ápice de tudo que possa ser adicional por R$65.000.

    Eu comparo isso a dizer que se está oferecendo uma oferta com desconto, e que se está disposto a fechar abaixo da meta, ou seja por R$28.000. Inclusive ele deve mostrar-se disposto a fechar nesta base contratual aparentemente desvantajosa e só depois de ter convencido, mostrar as outras proposta complementares.

    O indivíduo, e eleitores também, sempre tenderá a fechar pela proposta do meio, ou seja, a de R$45.000. Essa é uma técnica de fechamento de negociação conhecida, principalmente para indivíduos com perfil afável ou pragmático.

    Venha de onde vier, a extrema-esquerda sabe usar as palavras não só como armas, mas como mindset que influenciam as decisões mais emocionais e profundas no córtex (ou sistema reptílico) para só então ser analisada pelo neo-córtex, o que no final, sempre acabará pendendo para decisões emocionais.

    Aécio está se saindo muito bem. E acima de tudo sabe ser um aglutinador.

    • Opinião – O Globo – 17/07/2014.

      Mau sinal

      ACONSELHA-SE a consultar histórias dramáticas ocorridas na Europa, há mais de 35 anos. principalmente em Alemanha e Itália, sobre grupos de jovens que radicalizaram a tal ponto a atuação política que desembocaram no terrorismo, com a prática de assassinatos e atentados.

      NA AMÉRICA Latina, há casos semelhantes, com o meio universitário fornecendo mão de obra criminosa a organizações violentas. O sanguinário Sendero Luminoso, falange maoísta peruana, é um deles.

      POR ESTA perspectiva. é nada animador o noticiário acerca de investigações da polícia sobre black blocs e assemelhados. Até uma bomba, segundo agentes da Delegacia da Repressão a Crimes de Informática (DRCI), foi encontrada na casa de ativistas. Um deles, a professora da Filosofia, na UERJ, Camila Jourdan.

      SOMADO AO avanço agressivo de organizações ditas sociais, aliadas do governo federal, isso é um mau sinal.
      ……….

    • O ESTADO de SÃO PAULO – 17/07/2014

      DORA KRAMER

      Gentil patrocínio

      Ficou assim combinado entre a Câmara e o Senado: daqui até as eleições não tem trabalho, mas tem salário integral de R$ 26,7 mil sem desconto por faltas.

      Suas excelências vêm de um mês de Copa do Mundo de quase nenhuma labuta e teriam pela frente no mínimo a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015 sem a qual, reza a Constituição, não poderiam entrar no recesso do meio de ano.

      Mas, se ficassem no Parlamento para cuidar do Orçamento do próximo ano, atrasariam os preparativos para as respectivas campanhas eleitorais. E aí, ligeiros como sempre quando estão em jogo seus interesses, os líderes partidários e os presidentes das duas Casas encontraram a solução: suspenderam as sessões deliberativas daqui até as eleições.

      São sessões em que há votações. Só elas permitem contar as faltas que geram descontos nos salários e, dependendo da quantidade, até a perda de mandatos. Canceladas, dão margem à tentativa do presidente do Senado, Renan Calheiros, de conferir normalidade à situação.

      “O Congresso continuará funcionando. Vamos é compatibilizar esse funcionamento com a realização das eleições. Não haverá ordem do dia, só nos dias 5 e 6, as outras sessões serão de discussão”, disse.

      Nos próximos dois meses e meio o Senado funcionará dois dias em agosto e a Câmara, quatro – dois em agosto, dois em setembro. E por “funcionar” entenda-se a realização das tais sessões deliberativas às quais estão dando o nome de “esforço concentrado”. De 144 horas ao todo. Que tal?

      Nas demais, o presidente do Senado assegura que o Congresso continuará com suas atividades, debates e trabalhos de comissões. As CPIs da Petrobrás, inclusive. Ocorre que para haver atividade é necessário que haja parlamentares presentes. E suas excelências estão devidamente dispensadas de comparecer ao trabalho por decisão dos líderes partidários, concordância das presidências e assentimento do colegiado por intermédio do voto simbólico.

      Falta acrescentar: e com o gentil patrocínio do dinheiro do eleitorado, em mais uma das já diversas formas existentes de financiamento público de campanhas eleitorais.

      Sim, porque veja como é simples perceber quem paga parte dessa conta. Se deputados e senadores continuam a receber salário que é pago com recursos do Orçamento e nesse período se ocupam das respectivas campanhas, obviamente estamos nós, os contribuintes, entrando com uma parcela das doações. Enquanto cuidam cada qual de sua sobrevivência política os congressistas deixam pelo meio do caminho assuntos que segundo eles mesmos eram urgentes.

      Na Câmara, o projeto que torna o Orçamento impositivo em relação às emendas parlamentares e a lei de responsabilidade fiscal para os clubes de futebol, tão falada depois do vexame da seleção durante as discussões sobre a necessidade de “reformulação já” no esporte.

      No Senado, a lista de espera inclui projetos do Super Simples Nacional, alterações na Lei de Licitações e projetos de interesse da magistratura. Assuntos que precisam ser resolvidos e que dizem respeito aos representados enquanto os representantes preferem dar prioridade à renovação de seus mandatos.

      O eleitor não tem nada a ver com isso. O mandato conquistado numa eleição vale por quatro anos. Não vale por três e pouco, como nossos parlamentares parecem entender ao não cumprir o período integralmente, suspendendo a vigência por três, quatro meses sem dar satisfação e ainda achando que o contribuinte não faz mais que a obrigação de “comparecer” com a sua parte em moeda sonante.

      Retrato disso é o fecho das declarações do presidente do Senado a O Globo, que lhe perguntou se o ano legislativo não estaria perdido: “Não. Precisamos ganhá-lo nas eleições”.

      Sendo essa a credencial da elite (branca?) da política, fica a dúvida: precisamos quem, cara dura?
      ……….

      • É impressionante como um VAGABUNDO MAU CARÁTER como esse Molusco-Ébrio-X9, progrediu,e muito, cá em nosso Brasil.

        A única explicação plausível para esse “fenômeno” psicopático abjeto, que pode ser definido como “banânico-jabuticabesco”, é o MAU CARATISMO dos seus seguidores e eleitores.

        Muitos reclamam dos candidatos que se revelam bandidos a posteriori das eleições, mas não querem admitir que, em verdade, foram trouxas elegendo e delegando o poder aos bandidos que se apresentaram como candidatos a priori das eleições.
        ……….

  3. Será que eu captei corretamente?

    Jair Bolsonaro está, finalmente, aprendendo a lidar com a escória de psicopatas e histéricos?

    Bolsonaro x Jandira Feghali | Palestina x Israel

    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=cTQkFf5_JjU
    ……….

    O bate-boca de Jandira Feghali com Jair Bolsonaro e o conflito Israel-Hamas – Vamos desenhar para a deputada?

    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/07/16/o-bate-boca-de-jandira-feghali-com-jair-bolsonaro-e-o-conflito-israel-hamas-vamos-desenhar-para-a-deputada/
    ……….

    • Esse texto do Felipe é sensacional. Não que ele esteja apresentando algo novo, mas conseguiu reunir um material capaz de destruir a argumentação de qualquer esquerdista proferidor de clichés. Favoritei.

    • VITORIOSA DERROTA.

      http://averdadesufocada.com/index.php/textos-de-terceiros-site-34/11046-170714-vitoriosa-derrota
      ……….

      17 / 07 / 2014

      VITORIOSA DERROTA

      Aileda de Mattos Oliveira.

      Para quem pertence à “pátria de chuteiras”, a derrota contra a disciplinada e desenvolvida Alemanha foi vergonhosa e ultrajante.

      Para quem pertence à Pátria Brasileira, ultrajada no âmbito internacional por desajustados representantes de um partido, roubada cinicamente pelas ratazanas do governo, dividida racial e socialmente pela gangue nefasta de mafiosos responsáveis pelo maior número de assalto ao dinheiro público e que ocupa há doze anos o centro da podridão republicana, esta foi uma vitoriosa derrota.

      A derrota das concessões, da malandragem política, do superfaturamento na construção das “fantásticas e belíssimas arenas”, do servilismo à FIFA, do cinismo da presidente, da estúpida prolixidade do ‘ex’, da “Copa das Copas”, “do Brasil grande”, e de outras tantas e demagógicas expressões fossilizadas da imprensa falida que se abastece no seio das financeiras nacionais, em troca do silêncio traidor.

      O Brasil Democrático saiu vitorioso ao perder para a Alemanha, destruída pela guerra, hoje, uma potência, um exemplo de desenvolvimento, educação e progresso.

      Parece que Deus atingiu os brasileiros de chuteira pelo que mais tem apreço. Que os faça acordar dessa preguiça letárgica e os faça trabalhar pelo País, pondo para fora aqueles que desejam mantê-los na miserável ignorância, entravando-lhes qualquer possibilidade de progresso, a fim de se manterem no poder, indefinidamente.

      Esta foi a grande vitória da Pátria Brasil nestes doze anos somente de perdas.

      Aileda de Mattos Oliveira (Membro da Academia Brasileira de Defesa).
      ……….

  4. diz: O discurso politicamente correto, tal como esse de Aécio, deve ser sumariamente rejeitado. A história nos ensina pelo menos duas coisas acerca desse tipo de discurso: 01. são na maioria das vezes INcorretos; 02. só servem para embalar trouxas. Fora Dilma, e leve junto o PT e similares.

  5. Aécio disse que irá rever o programa “Mais antas” Ops! “Mais médicos” e que não aceitará imposições do governo cubano. Ora, Aécio tem que rescindir esse contrato que não passa de uma pouca vergonha. E de quebra, deve ser inconstitucional.

    • Maria.

      A política é pragmática, e desse modo temos de usar os recursos e as opções existentes e mais convenientes que tivermos em mãos no momento. Não é uma questão simples de apenas “querer fazer”, mas sim!, de “poder fazer”, do melhor modo.

      As vezes temos de fazer das “tripas” o “coração”.

      Leia o texto que o Luciano te indicou, que é excelentemente didático a respeito desse tema. Valerá muito pra você o investimento de seu tempo nesse estudo.

      Abs.

      Apolo.

    • Hehehe !!!

      Boas meninas boas, essas ai do vídeo, né ?

      Hehehe…

      Temos que admitir que o Alex Jones é muito bom no “marketing’s mindset frame”.

      Hehehe…
      ……….

  6. Não espero que ele se assuma de direita porque ele não é, mas falar que Lula e Dilma são de direita é fanfarronice para confundir o eleitor, para falar mais claro, é mentira, e esse truque já foi usado outras vezes, cada um acusando o outro de ser de direita como se fosse um xingamento, não ajuda em nada o esclarecimento ideológico para a população. Quer dizer que investir na educação e colocar gente na escola é coisa de esquerda, suponho que a direita goste de deixar gente fora da escola, e essa de lucro de banqueiros não dá para colar hipocrisia no PT, talvez para os incautos que achem uma contradição entre lucro de grandes corporações e governos de esquerda, a diferença é que em um governo de esquerda as grandes corporações estão mancomunadas com o governo, presas ao BNDES por exemplo, enquanto em um governo de direita estão lucrando por méritos em um ambiente de livre-mercado, não dá para defender essa besteira do Aécio que já foi usada pelo Serra, e acho que pelo Alckmin.

  7. Vinda de um tucano, a resposta do Aécio é totalmente previsível, visto que os políticos do PSDB têm verdadeiro pavor de serem rotuladas como “de direita”.

    Não só o PSDB é, a rigor, um partido de esquerda (ou de centro-esquerda, como dizem alguns), como geralmente as principais figuras do partido sempre batem no peito, afirmando serem, orgulhosamente, “esquerda de verdade”, “mais esquerda do que o PT”…

    Frequentemente, FHC, Aloysio Nunes e outros tucanões afirmam isso, cheios de orgulho…

    Outros esquerdopatas esquisitos fazem o mesmo, como aquele picaretão do Roberto Freire (PPS, ex-Partido Comunista), que diz que ele é que é esquerda boa, “esquerda de verdade”, que “PT é direita”, etc.

    Como se vê, nosso quadro político-eleitoral-eleitoreiro, com esquerdomaníacos pulando por todos os lados, é meio trágico, mas não deixa de ter sua graça, involuntária.

    O problema é que, depois de qualquer uma dessas titicas ganhar a eleição e começar a “governar”, talvez não vamos achar muito graça.

  8. Só faço um reparo ao bom texto: toda política é pública, não se faz política em casa ou na esfera privada. Daí advém a concepção de Esfera Pública.

    • Tocqueville, o termo política pública é aplicado, em meu framework, às questões do estado.

      Já quando você está fazendo política para derrubar um outro gerente, por exemplo, já não temos mais questões do estado. É OUTRA seara da política.

      Já quando se usam jogos para seduzir uma garota, é OUTRA esfera da política.

      Em minha definição: política é apenas a capacidade humana de obter benefício para si ou seus grupos a partir de interações sociais, ou seja, não diretamente coercitivas.

      Abs,

      LH

  9. Explico o meu comentário: a Teoria da Democracia se divide em dois grandes campos: a democracia (ou política) como mercado (de grupos que lutam por votos) – e Joseph Schumpeter é a grande referência teórica neste caso – e a democracia como fórum de deliberação (ou Espaço Público), cujos autores mais conhecidos são Habermas, Joshua Cohen, Hannah Arendt, etc. Eu me escorei em Hannah Arendt, sobretudo na obra “A condição humana”, para fazer o comentário aí acima. Mas obrigado por explicar, com muita polidez e objetividade, a tua posição sobre o que seja política.

  10. Bom texto, pondo os pingos nos ii. Congratulações ao autor. Um tema interessante a se refletir: por que ser conservador torna a pessoa uma espécie de persona non grata para a sociedade? Não sendo exatamente entusiasta pelo candidato do PSDB, ele acabou por ser minha escolha praticamente inevitável. Embora veja com aprovação o pouco que o Pastor Everaldo já expressou, não considero salutar uma ligação mais estreita entre política e religião no posto maior do país. E Eduardo Campos somando um passado que o condena (sua estreita ligação com Lula), um presente de associação com Marina Silva, a musa das selvas, com atitudes como a que vai no texto, está automaticamente descartado.
    Só espero que Aécio possa se livrar da culpa de ser “rico”, que é disso afinal que se trata a defesa de ideais social-democráticos quando a pessoa não é aspirante a tiranete, para se empenhar em tornar todos os brasileiros o mais ricos possíveis.

Deixe uma resposta