O delírio não tem fim: Rogério Ceni quer que Dilma resolva o problema do futebol brasileiro

12
125

ceni

O jogo final da Copa 2014 entrou para história pela baixaria dos petistas do início ao fim do torneio (acho que nos próximos dias eu farei uma Retrospectiva da Extrema-Esquerda no torneio), mas nada se comparou ao papelão feito por Dilma no último dia 13/07, data em que a Alemanha venceu a Argentina e sagrou-se campeã no torneio.

Dilma faltou à cerimônia de encerramento, ficou emburrada durante o jogo, e mais ainda quando a Alemanha fez o gol, além de entregar a taça de forma apressada e de cara amarrada. O resultado final, para ela, foi um cenário mais feio que tombo com a mão no bolso. É natural que o VTNC (e não apenas por esses motivos) lançado contra ela tenha soado como música para nossos ouvidos. Alias, ela foi vaiada todas as vezes em que apareceu no telão.

Não deve causar surpresa que o PT não queira mais tocar no assunto Copa do Mundo. Andei perambulando pela BLOSTA hoje e não havia mais discursos sobre o torneio, nem mesmo com o uso dos tradicionais truques onde eles tentam dizer que “o governo venceu com o sucesso extra-campo da Copa”.

Enquanto isso, uma turminha continua caindo na conversa petista de estatização do futebol. Um deles é Rogério Ceni, goleiro do São Paulo FC. Vejam a dimensão do delírio:

A derrota foi reflexo do nível dos times da Alemanha e do Brasil. Eu até acho a Alemanha superior, mas a diferença não é desse tamanho. Agora, as mudanças no futebol precisam vir de cima para baixo, de quem está no poder. Aqui, tem isso de se perpetuar, essa mania do brasileiro levar vantagem em tudo.

Essa figurinha é realmente contraditória, já que fala da “mania do brasileiro levar vantagem em tudo”, e é exatamente isso que ele está fazendo, seja por ignorância ou má fé. O Brasil ganhou várias copas sem a ajuda estatal.  Bastou perder uma em casa, com goleada, para precisar de “mudanças que venham de cima”? É claro que é enrolação.

Esse tipo de discurso é no mínimo uma afronta, já que ele está nos dizendo que a função do estado agora é “cuidar do futebol”. Já não bastasse o estado inchado e ineficiente, deixando de cuidar do que deveria e dando uma de enxerido onde não é chamado, ele agora quer inventar mais uma forma de criação de ineficiência e potencial para distribuição de cargos?

Ademais, se o governo é tão eficiente para “gerir futebol”, por que não fez nada antes do desastre da seleção diante da Alemanha? Por que eles não demonstraram sua “competência” avisando, em alto e bom tom, que Felipão iria nos levar para o abismo dias antes do jogo? Reclamar do resultado depois é coisa que qualquer um faz. Não é preciso de nenhuma qualificação administrativa para chorar pelo leite derramado.

A capacidade de antever o futuro é um exemplo de potencial administrativo. Por outro lado, aparecer depois da derrota dizendo “precisamos arrumar tudo” é, no caso especial dos petistas, oportunismo cínico. Coisa que mereceria no mínimo expulsão de sala. É este tipo de gente que Ceni quer trazer para “mudar o futebol”?

Agora veja este outro bloco:

Não tem nem metade do público da Copa nos estádios, porque não oferece nada. A CBF é extremamente rica, e nada é feito. A CBF tinha que ajudar os clubes, e não faturar e deixar eles nessa pindaíba […] Quem sabe agora, com campanha, a presidente não tenta se mexer um pouco. Em época de eleição, as pessoas acabam se mexendo.

Que história é essa? Ele resolve chamar para dar um “corretivo” no futebol gente que conseguiu aparelhar a Petrobrás e concretizar coisas como o escândalo da refinaria de Pasadena? Parece que a lógica de Ceni resolveu dar um passeio e se esqueceu de voltar. Lembrando que se ocorrerem rombos como esse no futebol teríamos times caindo para a segunda divisão…

Surpreende que um sujeito cuja vida transcorreu nos gramados, onde ganhou diversos títulos, se deixe levar pela ideia de que o governo pode “ajudar” os times de futebol. Alias, a memória de Ceni também resolveu dar uma saidinha. Deve ter dado a desculpa de ter ido buscar a lógica, mas assim como esta também decidiu não voltar mais.

Bastaria alguém lembrá-lo que uma recente intervenção do estado no futebol fez com que o estádio do Morumbi fosse retirado da Copa do Mundo, e, por causa de politicagem do mais baixo nível, o Corinthians conseguiu um estádio de forma suspeitíssima. Nada contra o Corinthians, e nem a favor do São Paulo. Mas dinheiro de contribuinte não é capim…

Não há do que reclamar aqui: politicagem do nível do chiqueiro, como esta ocorrida na questão Morumbi X Itaquerão, é um padrão da ação estatal. Perto desse tipo de gente (que “toma conta” do estado brasileiro), o pessoal da CBF possui um padrão ético e moral elevado. Lembrando que estar em um padrão ético e moral elevado, em comparação com essa turma que hoje cuida do governo, não significa absolutamente nada. Não estou elogiando a CBF.

Eu acho que Dilma e seus amiguinhos petistas vão deixar o futebol um pouco de lado. Enquanto isso, vamos ter que aturar a turma do Sem Noção FC, novo movimento criado por gente querendo estatizar o futebol.

Anúncios

12 COMMENTS

  1. Dou duas sugestões para a propalada modernização do futebol brasileiro: a) dotar os clubes brasileiros de gestão capitalista eficiente, dispensando qualquer socorro seja do governo federal, seja da CBF (de que outra maneira os clubes se tornarão competitivos!?); e b) tornar o Judiciário Desportivo realmente independente da CBF e federações (de que outra CBF e federações de futebol estaduais serão punidas!?)

  2. Sou saopaulino e na defesa do MITOCENI ele tem todo direito de emitir opinião já que estamos numa democracia,poderia ele até elogiar chequervara e no máximo ser contestado.Agora, preocupante mesmo é o projeto de lei do Álvaro Dias de que o governo deve fiscalizar as contas da CBF.Preocupante é essa oposição que está lá no congresso.Creio que não seja má fé, tanto do MITOCENI ou do Álvaro.Acho q é burrice mesmo, ou talvez é o pensamento enraizado no brasileiro de que o estado deve prover tudo.

  3. Mais um jogador de futebol que engrossa a lista dos falastrões e fanfarrões que não tem a menor ideia do que estão dizendo, mas são orientados ou acham lindo dar palpites. Ou talvez queira se promover visando algum cargo após encerrar a carreira, como tantos outros também fizeram. De qualquer forma, presta um desserviço ao esporte e contribui para a decadência do futebol brasileiro.

  4. A respeito, Luciano, veja este post, publicado no blog do Instituto Liberal:

    Liberalismo e futebol

    Por Instituto Liberal em 17/07/2014

    João César de Melo*

    O que seduz bilhões de pessoas numa Copa do Mundo?

    Erra quem diz que é o amor ao esporte, já que apenas uma pequena parte do público entende de futebol.

    O que as move é o culto à vitória. Vitória de alguns sobre muitos.

    A exemplo de todas as outras espécies de animais, o homem procura suas referências nos mais fortes e talentosos. Assim como cada espécie tem sua forma particular de identificação de seus indivíduos alpha, o homem tem as suas, sendo o esporte uma delas.

    Quanto mais gols um jogador faz, mais aplausos recebe sem que ninguém fique com pena do time ou da torcida adversária.

    A vitória de uma seleção agrega valor à imagem de seu país. O mundo o enxerga melhor, descobrindo belezas até entre as piores mazelas; seu povo infla-se de auto-estima porque enxerga na vitória de uns poucos jogadores, suas possíveis vitórias.

    O povo ama apenas os vencedores.

    Não há sequer um ser vivo que não queira ser reconhecido como um vencedor.

    Fora dos gramados, os socialistas argumentam que o problema do mundo é a má distribuição de renda. Culpam a ganância dos agentes capitalistas por eles se negarem a dividir seus lucros com os mais pobres. Afirmam que a pobreza de muitos é resultado da riqueza de poucos – “toda riqueza é injusta!”, gritam. Apontam questões raciais e sociais como justificativa para o fracasso de indivíduos. Insistem que o Estado deve arbitrar sobre a distribuição das riquezas através de um pequeno grupo de pessoas com poder para tirar de uns e entregar a outros.

    Diante disso, lanço outras perguntas:

    Qual torcedor apoiaria a criação de uma instituição que se dedicasse a tornar o futebol um esporte igualitário, acabando com a concentração de títulos e aplausos num restrito grupo de jogadores, clubes e seleções?

    Qual torcedor apoiaria um pequeno grupo de pessoas, que nunca pisou num gramado de futebol,com poder para arbitrar as seguintes normas:

    1 – Jogadores só podem fazer dois gols por partida, para assim não tirar a oportunidade de outros jogadores também fazerem os seus gols e receberem os aplausos do público;

    2 – Todos os torneios devem ter um sistema de taxação progressiva sobre as equipes que acumulam vitórias, para que seus pontos sejam distribuídos entre as equipes com piores colocações na tabela;

    3 – Toda vez que uma equipe marcar dois gols de diferença, deve permitir que a equipe adversária marque um gol, para que esta possa voltar a ter chances de competir com igualdade;

    4 – Toda equipe com pelo menos um jogador afrodescendente deve obrigatoriamente ser dirigida por um técnico também afrodescendente para, assim, eliminar qualquer suposição de dominação racial;

    5 – Os patrocínios capitalistas devem ser eliminados para que o esporte não fique refém da ganância de empresários;

    6 – Todas as equipes devem ser financiadas com dinheiro público, com todas recebendo os mesmos valores, para que nenhuma tenha vantagem sobre as outras;

    7 – Não deve haver distinção salarial entre jogadores, técnicos e comissão técnica, para que ninguém se sinta mais importante que o outro;

    08 – Os ingressos dos jogos devem ser cobrados apenas da classe burguesa capitalista, para que a renda seja usada para financiar os ingressos da classe trabalhadora;

    09 – Todas as equipes devem destinar 50% das vagas para jogadores afrodescendentes, indiodescendentes, gays e provenientes da classe trabalhadora como forma de reparação pela histórica discriminação e exploração que sofreram;

    10 – Filhos de membros da diretoria da Confederação Revolucionária de Futebol (CRF) também devem ter prioridade de vagas nas equipes, porém, sendo imunes a penalidades, afinal, representam os heróis revolucionários do futebol;

    11 – Em todos os estádios devem ser ostentadas imagens do líder da CRF para que o povo sempre tenha a oportunidade de reverenciar o responsável pela revolução do futebol;

    12 – Os hinos dos clubes devem fazer referência à revolução e à igualdade no futebol;

    13 – Todos os uniformes devem ser na cor vermelha, contanto que alguns sejam mais vermelhos que outros.

    Qual amante do futebol aceitaria isso? Nenhum. Nem aquele que se diz socialista.

    Quais as diferenças conceituais da proposta acima em relação ao sistema político, social e econômico implantado em Cuba e na Coreia do Norte?

    Apenas os itens 04 e 09.

    Por mais idiotas que sejam as treze (com trocadilho) propostas acima, elas representam a essência do socialismo que, em pleno século XXI, ainda insiste que o Estado deve controlar os talentos, os desejos e as ambições humanas.

    Se o sistema descrito acima fosse implantado, obteria os mesmos resultados obtidos pelos países que adotaram o socialismo: desmotivação produtiva. No futebol, atletas perderiam a motivação de jogar bem e o público perderia o interesse pelo esporte por não vê-lo mais como uma vitrine de talentos. Na economia, empresários perderiam a motivação de produzir e o consumidor se veria diante de prateleiras com cada vez menos produtos a preços cada vez mais altos.

    É imprescindível entendermos que todos os comportamentos humanos estão correlacionados.

    Quando Ludwig von Mises diz que o liberalismo econômico oferece um “plebiscito diário e contínuo” sobre os produtos, ele remete à nossa característica de desejarmos apenas o melhor para nós; e nosso poder de identificação do que seria o melhor depende da diversificação da oferta, que depende de liberdade produtiva, que é movida pelo lucro que os produtores enxergam poderem obter.

    Não é um decreto presidencial que indica o craque de um time ou de um campeonato. É o público, avaliando seus resultados em campo, independentemente da raça ou origem social do jogador. O público quer gols! Muitos! Seja lá de quem for.

    Não é o desejo de ver o público feliz que motiva um jogador a fazer seus gols, mas sim as recompensas materiais que receberá.

    Sem a possibilidade de se tornar rico como jogador de futebol, um jovem provavelmente tentará ser um empreendedor ou um profissional de sucesso mas, se não tiver talentos relevantes, só lhe restará tentar ser ativista, sindicalista ou político – quem sabe, presidente do Brasil!

    *Arquiteto e artista plástico; autor do livro Natureza Capital e colunista do Instituto Liberal

  5. Na minha opinião, a salvação do futebol brasileiro só será viabilizada com a nomeação do Juca Kfoury para presidente da Futebras, e o José Trajano de vice, ou no lugar do Gilmar Rinaldi. A melhor qualidade de ambos é que eles falam “presidenta”. Aí a coisa vai… O engraçadao é que quando eu comento isso no blog dele, ele censura. Muito estranho.

  6. E a lista de profetas do passado só aumenta, olha aí mais um.

    Vamos nos ater apenas a esta pseudo-lição de moral e ética:

    Aqui, tem isso de se perpetuar, essa mania do brasileiro levar vantagem em tudo.

    Agora vamos fazer uma viagem ao passado, calma, é logo ali, não precisa ir tão longe:

    Exame grafotécnico derrotou Rogério Ceni na Justiça
    http://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/11/27/exame-grafotecnico-derrotou-rogerio-ceni-na-justica/

    Documento demonstra que Rogerio Ceni não precisava falsificar assinatura
    http://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/11/30/documento-demonstra-que-rogerio-ceni-nao-precisava-falsificar-assinatura/

    De que mania mesmo ele estava falando ?

  7. Sao mesmo umas bestas essas pessoas que acham que o Estado ë uma panaceia universal, com seus anjos caidos do cëu a resolver todos os nossos problemas…

  8. A mídia toda está tentando convencer o povo que a solução é o estado e o Rogério Ceni caiu nessa, é de conhecimento de todos que ele não tem grande simpatia pelo pt e assemelhados, o que ajuda a esse pessoal da grande mídia a ter um certo ódio contra ele. Acredito ser um ato falho, ele deveria ter repensado as conexões que levam a essa campanha pela intervenção. Vale lembrar que a coreia do norte não é grande coisa no futebol, e se o governo se meter teremos algo como o cska na extinta união soviética ou o schalk no 3 reich com clubes sendo beneficiados.

Deixe uma resposta