Traduzindo Guilherme Boulos OU Como LER a extrema-esquerda enquanto ela simula críticas à nova direita

34
188

Boulos

Imagine que um sujeito fraudulento resolva lhe dar conselhos com o  único intuito de obter vantagem sobre você? De que maneira deveríamos ouvi-lo? Se um fraudador diz que você deve comprar um bilhete premiado da Loto, devemos entender que é preciso validar o bilhete antes de fazer qualquer transação. Se um fraudador espera que você clique em um e-mail de phishing, com intenção de roubar suas senhas, devemos não apenas evitar o link como denunciar a fraude de forma a conscientizar seus iguais.

Isso é o que veremos agora na “tradução” do texto de Guilherme Boulos feito hoje na Folha. Intitulado Reinaldo Azevedo e a direita delirante, o sujeito, que um dos líderes do MTST, nos mostra que estamos no caminho certo. Basta, é claro, fazemos uma tradução do que ele realmente “nos diz”, mesmo que não queira que tenhamos a verdadeira compreensão de seu conteúdo.

A direita brasileira já foi melhor. Teve nomes como Roberto Campos e José Guilherme Merquior entre seus quadros, formulando sobre teoria econômica e política internacional. Naquele tempo, a direita recorria a argumentos, além do porrete. Hoje restou apenas o porrete, aplicado a esmo sem maiores requintes de análise.

O que ele está nos dizendo é que a direita brasileira já foi muito pior, pois mesmo tendo nomes como Roberto Campos e José Guilherme Merquior, estes faziam apenas formulações sobre teoria econômica e política internacional, argumentando de forma ingênua em termos de batalha política. A nova direita hoje é mais apta para o tipo de guerra política feita pela esquerda, e, portanto, muito menos vulnerável aos embustes esquerdistas. Boulos tem motivos para babar de ódio.

Impressiona o baixo nível intelectual dos representantes da direita no debate público nacional. Não elaboram, não buscam teoria nem referências. Não fazem qualquer esforço para interpretar seriamente a realidade. Apenas atiram chavões, destilando preconceitos de senso comum e ódio de classe.

O que ele nos diz é que a nova direita tem muito boa capacidade de mapear clichês da esquerda, denunciar preconceitos e o tradicional truque de ódio entre classes, o qual foi criado pela esquerda. O que nos mostra um alto nível intelectual de alguns representantes da nova direita. Cada um deles com certeza lê mais do que dez intelectuais esquerdistas juntos. É por isso que a nova direita tem mais capacidade de mapear uma estratégia gramsciana, enquanto a “direita antiga” (que Boulos adorava) não conseguiu fazê-lo. Aliás, quem lê Olavo de Carvalho dificilmente encontrará tempo para ler todos os livros que ele indica.

Reinaldo Azevedo é hoje o maior representante dessa turma. Com 150 mil acessos diários em seu blog mostra que há um nicho de mercado para suas estripulias. Ao lado dele tem gente como Rodrigo Constantino, aquele que se orgulha das viagens a Miami e se despontou como legítimo defensor dos sacoleiros da Barra da Tijuca.

150 mil acessos diários? Parece que é muito mais. Este blog mesmo tem média de 10.000 acessos diários, sem qualquer ação publicitária ou de larga escala, além de apoio de meios de comunicação. Eu creio que Reinaldo deve ter umas 50 vezes mais do que eu, no mínimo. O engraçado é que Boulos avalia uma “maior representação” por quantidade de acessos. Decerto, Reinaldo Azevedo é o colunista mais acessado, até por que escreve em grande quantidade, mas o critério de Boulos demonstra que o nível intelectual da extrema-esquerda anda muito ruim, pois ele deveria avaliar alguém por nível de influência, e não apenas nível de acessos.

Um exemplo da incapacidade de Bolos é o ataque feito por ele à Rodrigo Constantino, do nível da discussão entre prostitutas. Mas lembremos que este é o senhor querendo “validar” nível intelectual da direita, o que torna tudo involuntariamente cômico. Qualquer pessoa em sã consciência não escolheria Boulos nem sequer para “validar” discurso filosófico entre torcedores de Palmeiras e Corinthians em “encontros amigáveis” próximos ao estádio em dias de clássico.

Antes os intelectuais de direita iam fazer estudos em Paris. Agora vão comprar roupas em Miami. Sinal dos tempos e das mentes.

Observem o nível da comparação do “intelectual” Boulos. Ele compara “estudos em Paris” com “compra de roupas em Miami”. É o mesmo que dizer “antes ia comer macarrão no Leblon, e hoje está usando penteado estilo Neymar”. O que tem uma coisa a ver com outra? Devemos entender que a extrema-esquerda hoje não consegue nem sequer organizar categorias para elaborar um parágrafo. O sinal dos tempos nos mostra que a espiral do delírio foi implacável com a extrema-esquerda. Mais um ou dois anos e Boulos estará escrevendo textos escrevendo “au au” ou “miau”.

Dispostos a tudo para fazer barulho no debate público, mas sem substância em suas análises, aproximam-se frequentemente de um discurso delirante.

É isso aí, Boulos! Lendo a nova direita, muitos conhecem autores como Ludwig von Mises, Andrew Lobaczewski, Milton Frieman, F.A. Hayek, Adam Smith, Michael Oakeshott, Eric Voegelin, John Gray, Francis Fukuyama e milhares de outros, além de autores da própria esquerda, avaliados de forma crítica, como Noam Chomsky, Saul Alinsky, Antonio Gramsci, Theodor Adorno, Max Horkheimer, Erich Fromm e George Lakoff, dentre muitos outros.

A capacidade de conhecer a fundo o conteúdo oponente (coisa que Boulos jamais conseguirá fazer) é o que traz substância para a nova direita. Mas reconheço que há ainda o que melhorar em termos de estratégia política. Mesmo assim, traduzindo o que Boulos que dizer, o caminho já percorrido foi o suficiente para deixá-lo incomodadíssimo, principalmente por que conseguimos hoje identificar os delírios marxistas com muito mais facilidade.

Reinaldo Azevedo jura que o governo petista quer construir o comunismo no Brasil. E vejam, ele não está falando do Lula de 1989, mas do governo do PT de 2003 a 2014. Sim, o mesmo que garantiu lucros recordes aos bancos e empreiteiras na última década. Que manteve as bases da política econômica conservadora e que nem sequer ensaiou alguma das reformas populares historicamente defendidas pela esquerda. Neste governo que, com muito esforço, pode ser apresentado como reformista, ele enxerga secretas intenções socializantes. Certamente com o apoio da Odebrecht e de Katia Abreu. Só no delírio…

Será que Reinaldo Azevedo jura que o governo petista quer construir o comunismo no Brasil? Basta lermos o que disse Reinaldo Azevedo, uns 10 dias antes do texto de Boulos. Leia: “A apocalíptico-barulhenta pretende que, uma vez em vigência, o decreto institui definitivamente o comunismo no Brasil, e nada mais se poderá fazer. Seria o golpe final das esquerdas na democracia representativa. Por intermédio dele, os esquerdistas tomariam conta da administração e ponto final. O passo seguinte seria, sei lá eu, o Armagedom ou a luta armada. É uma tolice. Aliás, os esquerdistas que defendem aquela porcaria vibram quando encontram um caricato desses pela frente porque não é difícil ridicularizar esse delírio.”.

Espera aí, espera aí… vamos com calma. Reinaldo Azevedo, assim como eu, faz uma crítica em relação aos que dizem que “o comunismo chegou e veio para ficar” enquanto Boulos afirma que “Reinaldo jura que o governo petista quer construir o comunismo no Brasil”. Isso é muito mais que delírio. É loucura total!

No passado eu tive uma professora de inglês que contou-nos uma história: a gata dela era tão inteligente que ao miar dizia “mére”, que significava “mãe” em francês. Se ela conseguiu achar esse significado até no miado da gata, acho que podemos fazer o mesmo com o texto de Boulos. Usando expressões soltas como “lucros para bancos e empreiteiras”, “reformista”, “socializante”, “Odebrecht” e “Katia Abreu”, o que dá para aproveitar?

Basicamente que o acordo com empresários aliados ao governo sempre foi um padrão dos socialistas, que ações como censura de mídia, decretos soviéticos e apoio a Black Blocs são coisas da extrema-esquerda socialista e que ele está irritado por que nós conseguimos estudar a história do socialismo a ponto de descobrir o cui bono destes tipos de implementações.

Para ele, João Goulart é que era golpista em 64. Os black blocs são amigos do ministro Gilberto Carvalho. E as pessoas só são favoráveis às faixas exclusivas de ônibus por medo de serem acusadas de elitistas. Ah sim, sem esquecer que a mídia brasileira – a começar pelas Organizações Globo – é controlada sistematicamente pela esquerda.

Aqui Boulos mistura fatos e mentiras para tentar enganar a patuleia. Fatos: o golpismo de João Goulart e o alinhamento de Gilberto Carvalho com os Black Blocs. E as mentiras são: dizer que as faixas exclusivas não incomodam as pessoas que sofrem com mais trânsito, e que a Globo não é de esquerda. Em tempo: ser de esquerda não é igual a ser socialista. Mas Boulos não é capaz de compreender a diferença…

Ele baba, ele xinga. Ofende os fatos e fantasia perigos. Lembra, embora com menos poesia, dom Quixote atacando os moinhos de vento.

Podemos entender que Azevedo não faz xingamento algum e posta sempre com a maior calma do mundo. Um exemplo está nos exemplos de xingamentos feitos por Reinaldo que ele apresentou. Ou seja, nenhum.

Mas também podemos abstrair um fato: ao atacar socialistas que implementam sovietes, ou pessoas que fazem parceria com Venezuela e Cuba, e daí por diante, Reinaldo acertou no alvo.

Aqui cabe uma heurística: sempre (mas sempre mesmo) que um esquerdista disser que você é como “dom Quixote atacando os moinhos de vento”, saiba que acertou o alto. Qual a regra? Um fraudador reagirá diante da identificação de sua fraude e tentará um último recurso desesperado para permanecer incólume. Em suma, quando ele disser que você “luta contra um inimigo imaginário”, você já marcou seu ponto ao identificar o inimigo corretamente.

A pérola mais recente é escabrosa: Israel seria vítima do marketing internacional do Hamas. No momento em que o mundo vê a olhos nus centenas de palestinos serem massacrados na Faixa de Gaza, ele denuncia uma conspiração internacional de mídia contra o Estado de Israel. Encontrou eco no também direitista delirante Luis Felipe Pondé, em artigo nesta Folha.

Pelo que podemos entender do bloquinho acima, Reinaldo acertou sobre o fato de existir uma extrema má vontade contra o estado Israel, que se defende de forma legítima enquanto o Hamas apela para a propaganda mais baixa possível, além do uso escudos humanos. O acerto de Reinaldo na identificação do problema obrigou Boulos a gritar “teoria da conspiração, teoria da conspiração”, típico de radicais da esquerda incapazes de contra-argumenta qualquer coisa que seja.

Teoria da conspiração vá lá, até pode ter seu charme; mas, como dizia Napoleão, entre o sublime e o ridículo há apenas um passo. Reinaldo Azevedo e seus sequazes já atravessaram faz tempo esta fronteira.

Aqui novamente Boulos nos diz que desistiu do debate para lançar uma falsa acusação de “teórico da conspiração” sobre quem aponta os fatos.

De fato, os textos que têm se prestado a publicar acerca do genocídio na Palestina já superaram o ridículo. Chegaram ao cinismo. Dizer que as crianças mortas na Faixa de Gaza são marketing é uma afronta do mesmo nível da deputada sionista que defendeu o extermínio em série das mulheres palestinas para impedir a procriação. É apologia covarde ao genocídio e ao terrorismo de Estado.

Boulos nos mostra que doeu fundo na alma dele a descoberta do truque principal dos palestinos: o uso de crianças como escudos humanos. Qualquer um com o menor traço de honestidade intelectual já percebeu o embuste. Como ele sabe que é tão cínico quanto os radicais islâmicos, tudo o que restou a ele por aqui foi encenação e teatro.

A direita se diferencia da esquerda, dentre outras coisas, pela análise dos fatos. Mas não por criar fatos ou ignorá-los. Ao menos quando tratamos de uma direita séria.

Sim, esse é nosso diferencial: analisar os fatos, ao invés de criá-los ou ignorá-los.

No caso de Reinaldo Azevedo e dos seus, estamos num outro campo. Não é apenas a direita. É uma direita delirante. A psiquiatria clínica é clara: negação dos dados da experiência, somada a uma reconstrução da realdade pela fantasia chama-se delírio. Aqui há ainda o agravante da fixação em temas recorrentes. PT, movimentos populares e mais uns dois ou três.

Se você já pegou o jeitão, sabe o motivo da indignação de Boulos: o estudo de como o PT se alia aos sovietes (que ele ressignifica para “os movimentos sociais”) pode significar o fim da mamata para gente como MTST. E isso leva a comportamentos esquizofrênicos por parte de quem nunca produziu nada que preste na vida, preferindo esperar pelo que escorre das tetas estatais.

Um delírio em si é inofensivo. O problema é quando começa a juntar adeptos, movidos por ódio, preconceitos e mentiras. É assim que nascem os movimentos fascistas. Quem defende extermínio higienista em Gaza também deve defendê-lo no Complexo do Alemão ou em Paraisópolis.

Boulos é claro ao nos comunicar que vai apelar a qualquer discurso de ódio, junto à falsificações da realidade, inclusive para inventar que há algo de higienismo na justa defesa de Israel contra o Hamas, ou que existe qualquer coisa do tipo no Complexo do Alemão. O problema, para ele, é que muitos vejam bons argumentos demolindo a extrema-esquerda.

Reinaldo Azevedo certamente ainda não representa um risco político real, mas o crescimento de seus seguidores é um sintoma preocupante da intolerância e desapego aos fatos que ameaçam o debate público no Brasil.

Enfim, ele acusou o golpe. Reinaldo Azevedo (mas não apenas ele), assim como outros membros da nova direita brasileira, representam um risco político real para os socialistas. Finalmente, agora, com uma direita de cabeça erguida (e mais pronta para se defender dos estratagemas políticos esquerdistas, ao contrário das gerações anteriores de direitistas), o debate público começa a existir no Brasil. A intolerância da extrema-esquerda fica cada vez mais patente, diante de argumentações cada vez mais amparadas pelo conhecimento do modus operandi esquerdista, especialmente dos socialistas. É exatamente isso que tem levado ao aumento do número de leitores para estes autores.

Injustiça, apenas, fica para a identificação de um “ícone” isolado da direita em Reinaldo Azevedo. Há outros. Note que este texto foi light, pois eu não estou apenas refutando um esquerdista, mas refutando um esquerdista enquanto ele quer nos dizer como deveria agir uma direita na opinião dele.

Agora basta captarmos a mensagem: fire… fire at will. Acertamos o casco da nave esquerdista. Autores como Olavo de Carvalho, Reinaldo Azevedo, Felipe Moura Brasil, Flavio Morgenstern, Flavio Quintela, Rodrigo Constantino, e este que vos escreve estão no caminho certo. Agora é só aumentar o poder de fogo em quantidade.

Anúncios

34 COMMENTS

  1. Eu não sei ler mentes, mas tenho certeza que todos que leram esse texto do Guilherme Boulos lembraram da máxima de Lenin: “Xingue-os do que você é, acuse-os do que você faz.”

  2. É curioso, depois de observar um tanto o comportamento esquerdista, os padrões deles começam a ficar óbvio demais. Esse texto, por exemplo, revela algumas características típicas do esquerdista, como: a incapacidade de ser criativo, falta de embasamento em fatos e histeria retórica.

    Esses três elementos se encontram ao longo do texto de Boulos e tem uma relação íntima entre si.
    A incapacidade de ser criativo é clara quando adota uma forma de argumentação que já foi utilizada a tempos pela direita que é a identificação de aspectos semelhante às doenças mentais em certas posturas políticas típicas dos esquerdistas. Daí surgiu o termo ‘esquerdopata’ e o estudo sobre ponerologia política. Obviamente, ele só imita a forma do argumento, pois a substância só pode ser encontrada nos fatos. Por isso, ele não há referências nem citações sobre os supostos elementos psiquiátricos do pensamento da direita. Então, disto podemos entender de onde vem a falta de embasamento no discurso dele. O terceiro elemento, a histeria retórica, vem justamente da falta de embasamento em fatos. Como não pode justificar suas teses, para poder convencer o leitor, precisa recorrer a todo tipo de rotulação desproporcional e hiperbólica. Essa histeria é resultado também da ausência de criatividade, pois criatividade é uma característica que depende do exercício do esforço individual. Esse esforço é recompensado pela produção de um texto de qualidade e não a IMITAÇÃO DE UM TEXTO DE QUALIDADE. Porém, esse interesse em realizar um esforço honesto e ser recompensando é o conceito de meritocracia, coisa que esquerdistas são avessos.

  3. Fazer compras em Miami, tendo livros de Hayek, Popper e Ayn Rand debaixo do braço é uma visão que me agrada bastante. É melhor do que visitar Havana, levando debaixo do sovaco Emir Sader, Marilena Chauí, etc.
    Mas o que dói mesmo é que “a nova direita” é teoricamente articulada e, agora, popular, algo para o qual a esquerda radical não estava visivelmente preparada para enfrentar
    O melhor de tudo é que se avizinha uma derrota eleitoral espetacular da esquerda na próxima eleição – a rejeição ao nome da presidente Dilma é altíssima, não acho que ela consiga escapar da derrota em outubro.

  4. Se já se sentem incomodados com o Reinaldo Azevedo, que não é de direita e sim um social democrata (esquerdismo com vaselina) PSDBista, imagine se fosse alguém que tivesse posicionamento de direita mesmo.
    Hoje em dia o único que temos com um perfil realmente de direita é o Rodrigo Constantino (que pelo visto finalmente abriu mão da imbecilidade que é o libertarianismo e entendeu que não existe a possibilidade da economia regular tudo, é necessário existir um suporte moral para a construção de uma civilização).
    Acho que o Reinaldo Azevedo não é lá grandes coisas, mas sabe se vender muito bem. Ele, assim como o Diogo Mainardi (que também é de esquerda, inclusive já admitiu isto no Manhattan Connection dizendo “O que eu sou realmente é anti-PT, mas se tivesse que me classificar ideologicamente sou de esquerda).fazem muito bem o seu papel de bater no PT, mas não acho que são um referencial para os que são de direita.

  5. Como havia dito em meu comentário original sobre o assunto, suspeito que desta vez o lado da coisa que não é marxista-humanista-neoateísta esteja deliberadamente usando uma estratégia para confundir o outro lado:

    1) Reinaldo Azevedo limitou-se a chamar o cara de “cozinha que brinca de sem-teto”, “maior agente privatista das casas construídas com o dinheiro público”, “bobo repetindo chavões”, “maior agente imobiliário do Brasil”, “coxinha radical, filhinho de papai convertido ao socialismo” e “homem que nem baba nem xinga”. A hora da postagem é 16h24 e Reinaldo disse que ia, “sim, responder ponto a ponto. Mas só à noite”, alegando que à diferença de Boulos, ele precisa trabalhar para ganhar a vida. A hora em que escrevo isto é de madrugada e até agora não tivemos qualquer resposta naquele esquema de o texto dele ser o azul e o texto contestado estar em vermelho. Logo, só tivemos os parágrafos em preto por parte do blogueiro e uma postagem que já acumula perto de 700 comentários na hora em que escrevo;

    2) Às 17h02, Rodrigo Constantino dá a sua resposta ao texto do Boulos, dizendo que o líder do MTST é apenas um pulha. Como sabemos, o jornal para o qual o economista carioca escreve é O Globo, estando fora da questão delicada para Reinaldo (que também é colunista fixo da Folha de São Paulo como o Boulos) e podendo descer o sarrafo em um grau maior que o possível para Reinaldo, uma vez que ele e Boulos são colegas de jornal (mesmo que ambos trabalhando a distância). O Rodrigo em questão também foi mencionado pelo Guilherme da discórdia, mas menos do que foi atingido o Reinaldo.
    Pode ser que na prática o autor de Esquerda Caviar esteja cobrindo a retaguarda para evitar que Reinaldo atire e evite-se assim um certo mal-estar no lado dos Frias, podendo ocorrer de em uma próxima ocasião o integrante da família Azevedo quebrar um galho para o Constantino. Também pode ter sido a oportunidade que o Reinaldo teve para ganhar mais um tempo até formular uma contestação arrasadora ao que o Guilherme que não é Tell disse. Por ora, em sua mais recente coluna na Folha, o líder do MTST é mencionado bem de leve e sem ser o alvo direto do texto:

    (…)A suposta “democracia direta” dos conselhos e movimentos sociais é só uma forma de sobrepor os interesses de minorias organizadas aos da maioria, que se expressa por intermédio da democracia representativa. Pensem no MTST, de Guilherme Boulos: se todas as pessoas sem casa própria decidissem se submeter à sua liderança, não haveria vantagem competitiva em ser seu comandado. É a lógica elementar da exclusão, não a da inclusão, que torna operativos os ditos movimentos sociais.(…)

    (…)PS – Analisei o significado político da luta de Guilherme Boulos. Ele preferiu me xingar em sua coluna. Respondo no meu blog (is.gd/DtRaUS).(…)

    O link encurtado em questão vai para a homepage do blog dele na Veja, em que damos de cara com o texto que à hora em que escrevo só está mesmo em preto e vermelho, sem os azuis que representariam cada ponto a ser contestado. Pode ser que nesta sexta ele esteja preparando a tal resposta arrasadora, que estaria no blog, portanto longe da Folha e tirando o confronto de dentro daquele ambiente em que também está o Boulos, de maneira a gerar menos troca de farpas no ringue principal e menos necessidade de usar uma linguagem mais polida. Resta-nos ver o que reservará o dia, pois pode ser que o conjunto de postagem simples do Reinaldo mais trancos fortes do Constantino já tenha gerado efeito neutralizador suficiente que inclusive permita ao Azevedo de que falamos dispensar os textos em azul. Poderíamos inclusive somar ao conjunto de textos desmoralizando o que o Boulos disse este aqui em que estou comentando, em que pese a grande possibilidade de a maioria absoluta dos leitores de Reinaldo, Rodrigo e Guilherme não saberem da existência deste blog, mesmo que tenham visto por vezes alguma menção a links daqui nos comentários dos lugares em que eles comentam.
    O líder do MTST agora teria de mirar no Rodrigo Constantino, pois este foi o único que agiu com mais assertividade, mas seria uma única pessoa contra outras duas, o que significa que partir para cima do economista o poderia deixar exposto ao Reinaldo ainda mais. Vamos pensar aí em Guilherme fazendo bloqueio simples na rede enquanto Reinaldo e Rodrigo praticam aquela finta no ar em que um faz que corta e deixa para o outro jogar a bola no chão e vencer o set.

    • Achei que o Reinaldo pegou leve com o Boulos na resposta. A acusação de que o Reinaldo está defendendo extermínio de palestinos é gravíssima. O Reinaldo deveria era meter um processo nele e fazê-lo provar o que disse.
      Este pessoal faz ativismo judicial sem fundamento nenhum, e quando temos, não utilizamos este recurso. Não sei o que passa pela cabeça do Reinaldo, deve achar que dando estas respostas vai dissuadi-lo de continuar praticando calúnia. Este pessoal só entende quando sofrem de alguma maneira as consequências dos seus atos. Além disso, a acusação que ele faz ao Reinaldo funciona. Os leitores do Boulos e de outros esquerdistas provavelmente formam um quadro mental do Reinaldo baseado nisto e repassam esta informação que acaba sendo comprada pelos outros.

  6. Com relação ao trecho que trata dos tais 150 mil acessos diários ao Blog do Reinaldo, eu penso que ficaria mais evidente a fraude, minimizada em termos quantitativos, quando considerado o fato de que uma boa parte desses acessos, senão a maioria deles, advenha de militantes virtuais financiados pelo narco-petralhismo e de outros funcionais esquerdistas masoquistas que estão sempre ansiosos pela próxima publicação do jornalista.

    E quanto ao Rodrigo Constantino, notório defensor do livre mercado e das liberdades em geral, nada mais pueril e inofensivo o comentário do militante da classe média alta, pois não há qualquer contradição em um liberal se orgulhar de poder viajar para onde bem entende e de defender a liberdade de comércio de quem quer seja. Na verdade eu custei a entender o real sentido subjacente desse tipo de comentário que apenas serve para referendar a coerência do liberal Constantino.

  7. Parabéns pelo texto Luciano !
    Pegou leve, mas foi divertido.
    Estão desesperados só conseguem xingar.
    Nunca havia lido nada desse cara, e hj pude constatar que trata-se tão somente do ser ignóbil percebido em suas aparições midiáticas.
    Desconfio que parte da dificuldade em escrever com razoável consistência deve-se alem da falta de leitura, ao uso de substâncias proibidas.. Sabe como é, embota os neurônios.
    Muito engraçadas as citações tipo Napoleão e tal, tipicas de google.
    Apenas mais um esquerdopata se debatendo diante da rejeição geral.

  8. O texto de Guilherme Boulos apenas evidencia o desespero do autor. Boulos oferece mais do mesmo, como sempre: pensamento mágico e non-sense apelativo sem grande conexão com a realidade com o intuito histérico de manipular o leitor usando vários artifícios e golpes baixos. Ele escreve um texto rico em adjetivos, na tentativa de antagonizar e escarnecer. Mas é paupérrimo em descrever comportamentos ou fornecer exemplos que sustentem suas alegações. A sua capacidade de pensamento crítico é baixa. Autocrítica inexiste. É essa “Coreia do Norte mental” que a esquerda tem para oferecer ao Brasil.

  9. Excelete post, Luciano!
    O Boulos está babando de raiva por que a esquerda está sendo cada vez mais desmascarada!

    “Boulos nos mostra que doeu fundo na alma dele a descoberta do truque principal dos palestinos: o uso de crianças como escudos humanos.”.
    Lembrando que tem um vídeo do Hamas AFIRMANDO ISSO.
    Mas claro que esquerdistas continuarão mentindo mesmo que os fatos sejam esfregados nas suas caras.

    “No caso de Reinaldo Azevedo e dos seus, estamos num outro campo. Não é apenas a direita. É uma direita delirante.”
    Boulos adora seguir a máxima de Lênin, não só por este trecho, mas praticamente TODO o texto dele segue a máxima de Lênin, como já foi lembrado no comentário do Alan.

    “fire… fire at will.”
    Adorei este trecho, ficou bem cômico.
    Quando mais apontamos as fraudes dos esquerdistas mais desesperados eles ficam.
    Isso me faz lembrar das vezes em que matei baratas com inseticida, quando mais inseticida jogamos mais elas ficam loucas!
    Continuemos “atirando”, ou seja, apontando CADA FRAUDE de CADA ESQUERDISTA, até que eles sejam derrotados e parem de mamar nas tetas do estado.
    Acho que daqui a pouco todos os esquerdistas vão estar escrevendo com o mesmo nível de histeria mental que o Sakamoto, aí estaremos no comando!!!

    Só mais uma coisa, acho que o link pro texto do Reinaldo Azevedo deveria ser esse:
    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/congresso-ainda-respira-e-da-sinais-de-que-vai-cortar-as-asinhas-bolivarianas-de-dilma/

  10. Ótimo texto Luciano. Outro que também acusou o golpe é o “excelentíssimo” Jean Willys, que em seu último texto na CC chora amargamente que “acusam injustamente” o Psol de se aliar aos Black Bloc e afins.

  11. Éu não estou entendendo nada… O tal de Boulos defende a invasão de propriedade privada… Então… Não era para ele estar preso???

  12. Considero muito triste,
    você ter o trabalho, de organizar um blog “perfeito”,
    mostrar a realidade,
    e infelizmente, saber que nada vai mudar.
    Fico realmente irritado,
    ao ver que hoje temos peças importantes de instrução,
    e infelizmente não são utilizadas,
    a que é o seu caso, o de Reinaldo Azevedo, de Ricardo Setti, Luiz Pondé, Flavio Morgestern, Olavo de Carvalho, e outros mais.
    Vivemos num país, onde você vê mais gente “lendo” revista “Caras” em um aeroporto, que,
    um jornal, ou algo como uma “Veja”.
    Este é o nosso país,
    infelizmente, por mais que queiramos mudar,
    é praticamente impossível,
    pois uma “pessoa” é capaz de se interessar mais de saber, qual o tamanho da hidro massagem de Xuxa, ao invés de querer saber sobre o “PIB”.
    Os brasileiros, tanto de direita, quanto de esquerda,
    escutam muito mais funk, axé, pagode, do que algo “inteligente”!
    Programas como Datena, Regina Cazé, Faustão, Novelas, tem índices de audiência monstruosos,
    mas,
    Roda Viva (TV Cultura), William Waack (Painel – GloboNews) e poucos outros possuem audiência quase “ZERO”.
    Resumindo, acho mais fácil, pessoas como nós,
    irmos morar em Londres, Liverpool, New York, Los Angeles, Frankfurt ou Milão,
    do que continuarmos vivendo neste país…
    Só não me mudei, por não ter dinheiro para isto!!!!!

    “Falta CULTURA,
    pra cuspir na ESTRUTURA”
    ……………………….. Raul Seixas

    • Liverpool é trash! Tente interior do país de Gales, muito melhor. Fomos doutrinados diuturnamente nos ultimos 50 anos! Fomos violentados diuturnamente nos ultimos 50 anos! Estamos semeando o mal! E nossa função é plantar o bem! Os Libertarios somados à direita estão indo bem, na direção certa e temos um instrumento terrivelmente eficiente, comunicação digital! É cada vez mais dificil mentir!

  13. Parabéns pela autópsia efetuada no cadáver mental desse militonto.

    O tal Boulos nada mais é do que um militante realizando a missão de atacar todo dia os alvos indicados pelos superiores (alguém aí disse lula?), agora aparece como o ladrão que sai gritando “pega ladrão” após dar o golpe na esperança de confundir as pessoas e ter chance de escapar ileso.

    Não é possível evitar que as pessoas mintam ou tenham comportamento de pilantras, e o nove-dedos está aí para provar isso. Mas podemos garantir que suas mentiras sejam rebatidas imediatamente e eles próprios colocados no ridículo ou na cadeia. Essa é o maior serviço que a nova direita está brindando ao Brasil: mostrar os mentirosos e educar as pessoas com muita paciência, estudo e firmeza. Lembre que mais do que evitar a re-eleição do poste, a tarefa para o Brasil é derrubar o projeto totalitário dos bolivarianos.

    Como disse um amigo sobre a próxima eleição: seu voto sua arma, atire para matar.

  14. O texto do ativista é um conjunto de generalidades e tentativa de desqualificação, sem um único argumento, um exemplo, um fato sequer!

  15. Gostei MUITO do texto! Colocações educadas e bem fundamentafas a um mau-carater! A dissociação cognitiva deste abjeto autor é impressionante, ao acusar do que ele proprio faz! Quando um movimento age fora da lei e da ordem, quebra e destroi patrimonioublico e privado, invade o que não é seu e outros mau-feitos (plagiando uma Anta), podemos esperar qualquer coisa! Isto é maucaratismo intelectual!

  16. O que se torna patente é a agressão sem qualquer comentário plausível, direcionada a esta ou aquela opinião. Democracia é convivência e aprendizado. Pior que “maucaratismo” é macartismo mal disfarçado!! Ninguém tem a chave do desenvolvimento pleno…e detalhe, não ofendo quem de mim discorda, pelos comentários que se vê acima…estamos desaprendendo…mais um aviso…não sou PT!!

  17. Conforme afirmei, o espaço democrático é de todos. Velhas fórmulas vão sendo esvaziadas pelo perpassar histórico, tanto o liberalismo puro e não o social que camufla o elitismo como o modelo estatista secularmente esmagador do futuro de qualquer país. Cumpre a educação nos comentários pois argumentos se baseiam em fatos e não em pedradas verbais de ambos.

Deixe uma resposta