O ódio do PT contra a executiva ex-Santander Sinara Polycarpo Figueiredo

7
199

sinara

Uma olhadela no currículo de Sinara Polycarpo Figueiredo, ex-superintendente de investimentos do Banco Santander, é o suficiente para termos noção de que alcançamos o cúmulo da degradação moral neste país. Quando um partido bolivariano é capaz de demitir pessoas da iniciativa privada que estejam anos luz a frente deles em aspectos morais e intelectuais, é sinal de que vamos mal.

Ela não foi demitida por seus resultados, mas por que uma analista de sua equipe falou a verdade sobre a flutuação da bolsa. Qualquer pessoa que consiga avaliar a realidade e tenha honestidade intelectual sabe que a bolsa sobe quando Dilma cai (nas pesquisas) e desce quando Dilma sobe.

Outras duas pessoas foram demitidas: Eduardo Correia, gerente comercial da equipe responsável pela elaboração do relatório, além da analista que escreveu o famoso texto que provou a ira das hostes petralhas.

Observe o trecho abaixo, onde vemos que não havia novidade alguma no informe de investimento do Santander:

Como vários outros informes de investimentos, o texto associava a presidente Dilma Rousseff à piora do quadro econômico no país, mas sua repercussão despertou a revolta do PT.

É claro que o PT demonizou Sinara não por causa de falsas informações na mensagem do Banco, mas por causa da repercussão da notícia. Mais uma vez, eles mostram o quanto seus critérios sempre são descabidos.

Deve ser por isso que num encontro com sindicalistas ao final de julho, Luiz Inácio disse que o banco deveria demitir os responsáveis pelo informe. Observe o “alto nível” da análise de desempenho feita por Luiz Inácio, um verdadeiro talent manager:

Essa moça não entende porra nenhuma de Brasil e de governo Dilma. Manter uma mulher dessa num cargo de chefia, sinceramente… Pode mandar ela embora e dar o bônus dela para mim.

Nem em comédias do Monty Python ocorre uma situação tão surreal: um sujeito sem graduação, que comete erros grotescos quando aborda qualquer área de conhecimento complexa, ter “avaliado” Sinara. Lula não tem nível nem para citar o nome de Sinara, muito menos para avaliá-la.

Lembremos o histórico momento em que Lula explicou o clima:

Como eu disse, chega a ser surreal um sujeito desses avaliar o desempenho de Sinara e ainda querer embolsar o bônus dela. Não dá para descer mais baixo do que isso, Sr. Lula.

A desculpa esfarrapada de Marcos Madureira, vice-presidente de comunicação e marketing do Santander, também não cola:

O banco não cerceia as liberdades individuais de seus funcionários e nossas análises técnicas não se submetem a qualquer tipo de pressão externa. Essas pessoas foram demitidas porque quebraram nosso código de conduta, que diz que não podemos nos manifestar sobre tema político-partidário.

Duvido muito. Ele poderia mostrar o código de conduta ao público, pois dificilmente lá veremos ser proibido alguém se “expressar” sobre questões político-partidárias. Geralmente se proíbe a tomada de partido em nome da empresa, mas não a divulgação de fatos. Por exemplo, se eu disser que “há uma estiagem em São Paulo, que tem prejudicado o abastecimento de água, servindo como um desafio para Geraldo Alckmin”, não estou tomando partido, mas apontando um fato. Tudo isso independentemente de minha intenção de voto ser orientada a Geraldo Alckmin ou não.

Se um fato tiver que ser omitido somente por causar incômodo a um partido, então temos a tomada de posição deliberada a favor de um dos lados. Aí Madureira se enrolaria de novo, pois se ele só puniu a divulgação de fatos que incomodem o PT, então ele é que tomou partido do PT. Por pressão, mas tomou. Quem sabe no próximo extrato eles não publiquem uma receita de bolo, como citou alguém no Facebook.

O resultado é desastroso para a reputação de todas as instituições econômicas, embora a culpa seja de quem tem o poder econômico de pressão, isto é, o PT. Veja:

O episódio espalhou o medo entre parte dos investidores de classe média. O temor é que, a partir do caso Santander, bancos e corretoras, com receio da reação do governo, passem a censurar suas análises de conjuntura.

O dano causado pelo PT à sociedade é praticamente irreparável em curto prazo. Simplesmente agora devemos suspeitar dos informes vindo dos grandes bancos, todos eles com medo de apontar os fatos que incomodem ao partido.

Um site que integra a BLOSTA (Blogosfera Estatal) não poderia deixar de cometer outra baixaria ao atacar Sinara pelo fato dela ter dito, em abril, que votaria em Aécio. Um caso terrível de patrulhamento ideológico e intimidação ditatorial. Esse pessoal realmente não aprendeu a viver em sociedade…

Mas eles vão continuar babando de ódio, pois a analista que trabalhava para Sinara estava certíssima. A executiva, por outro lado, continuará tendo a reputação de funcionária exemplar, elogiadíssima pelos que trabalharam com ela (como se viu no Facebook), capaz de dar palestras onde poderá mostrar exímio conhecimento do assunto, coisa que Lula não conseguirá jamais fazer.

Alias, no Facebook a maioria de menções a ela é positiva: “Mulher de verdade e grande profissional”. Outro disse: “Uma pessoa gabaritada sendo demitida a mando de um analfabeto. Isso só poderia acontecer no Brasil mesmo.” E esse então: “Quero ser igual ela quando crescer! Essa mulher tem meu eterno respeito e admiração e esse governo meu eterno enjôo.” E outro: “Deveria ser promovida!”. Veja este também: “Perde o Santander porque a Sinara é uma excelente profissional. Sempre foi das fontes preferidas da imprensa por sua seriedade e talento!”.

Mas este é o melhor de todos: “Só falo uma coisa: está chegando a hora de darmos a nossa carta de demissão. Nas urnas e para Dilma e sua corja.

 

 

 

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Sei o que ela passou por já ter apontado desmandos na sociedade de economia mista na qual trabalho, mas só não fui demitido por ser empregado concursado.

  2. Esse caso é gravíssimo, Luciano. Estamos mergulhados em trevas abissais e tateando para não tropeçarmos. Em outubro, ou a gente se livra desse partido ditador ou seremos escravos para sempre.

  3. Que irônico que o Lula, um homem da elite branca e ícone do PT, tenha usado seu poder para oprimir uma mulher que é mera empregada (e portanto, proletária) em um banco.

  4. A demissão ocorreu porque nunca na história desse país os bancos lucraram tanto.
    Depois do período em que bancos faliam (governo Itamar/FHC), veio a época da bonança, com Lula, e prossegue, inabalável, com Dilma.
    A troca de governo pode acabar com com o paraíso dos bancos.

  5. Importante citar que a Mula, atualmente, é um “zé ninguém funcional” pois não ocupa nenhum cargo no executivo ou legislativo.

    Nem mesmo em seu partido-súcia tem um cargo oficial.

    Isto demonstra a deformação do conceito de obediência onde um cara diz o que uma instituição privada deve ou não fazer sem ser autoridade formal/legal.

    Acredito que o desfecho (a demissão) se deu muito mais por “bunda-molismo monstro do board da instituição circense” do que poder real da acusação e do acusador.

    Mula apenas soltou mais uma das zilhões de bravatas que emite, regurlarmente, desde a decada de 70, e que ficaria no rol dos seus discursos baldios para enganar bocós.

    O episódio tomou um tamanho desproporcional e os esquerdopatas , infelizmente, “capitalizaram” mais uma vez.

    O clima entre os “funças da instituição circense” deve estar ótimo, pois já notaram que os líderes, quando acuados, e neste caso sem fundamento nenhum, fraquejam e entregam “seus colaboradores aos leões”.

    Depois dessa o comitatus deve estar bem abalado …


    Comitatus é uma relação da sociedade feudal entre o suserano e o vassalo baseadas na honra e lealdade.

    A expressão Comitatus foi descrita no tratado Germania do historiador romano Públio Cornélio Tácito, no ano 98, como a relação entre um guerreiro germânico e o seu senhor, garantindo que um não abandonaria o campo de batalha sem o outro.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Comitatus

Deixe uma resposta