Por que os libertários (queiram ou não) são de direita?

77
688

break-the-chains

Se há uma instância da paralaxe cognitiva que virou moda em nosso tempo é aquela onde alguém diz ter “superado os paradigmas de direita e esquerda’. Geralmente os que professam tal aberração lógica tendem a se sentir auto-confiantes, como se aqueles optando por “direita” ou “esquerda” fossem um bando de limitados diante de um iluminado. Só se este for um “iluminado” no que diz respeito a concorrer pelo troféu de vítima do Efeito Duning-Kruger, no caso, de incapacidade de perceber sua incoerência lógica.

Esta postura arrogante dos que alegam “superar direita e esquerda” torna ainda mais divertida a refutação dessa empulhação. Verdade seja dita: há enroladores deste tipo tanto na direita como na esquerda.

É preciso fazer justiça. Estou refutando apenas os que usam esse discurso para debates políticos sérios, e não para comícios com foco em eleições públicas. Ali é normal um candidato dizer “não quero saber de direita e esquerda, o que importa é políticas que funcionem, e eu quero as políticas boas”. Mas isso ocorre por que ele fala a um público que em sua maioria não sabe o que é ser de direita ou esquerda. A partir do momento em que você está usando o mesmo discurso em um debate onde se espera que o público saiba o que significam essas visões políticas, já estamos na seara da picaretagem.

O que é esquerda, afinal? Basicamente, é a ação política com o objetivo de implementar um estado totalitário que obtenha o máximo de controle sobre a vida de seus cidadãos, de forma que tudo beneficie os burocratas que tomam conta deste estado. Esquerdismo é a crença nessa ação política, e, por consequência, no estado inchado e interventor.

Alguns iludidos podem reclamar: “Mas é a história da igualdade? Mas e a promessa de sociedade sem classes?”. Essa é uma confusão entre o que o esquerdismo é (na avaliação histórico-empírica de suas implementações) com a propaganda enganosa que os esquerdistas mais espertos criaram, e que uma legião de zumbis repete de forma patética e deprimente.

Pessoas racionais não podem julgar algo pela propaganda enganosa. Se fosse assim, todo bandido seria automaticamente inocente, pois sua propaganda enganosa diz “sou inocente”. Ou mesmo toda mulher pega na cama com o amante sendo fotografada pelo detetive particular. Ela diz “não é isso que você está pensando”. Por favor, não avalie posições políticas por suas propagandas enganosas, mas pelo que a história nos mostra a respeito delas. Ou seja, olhe para os fatos, não para o parangolé desonesto.

Se já limpamos o lixo das concepções erradas sobre o esquerdismo, basta usar a lógica, suficientemente compreensível para qualquer pessoa tanto minimamente inteligente quanto intelectualmente honesta: sendo a proposição esquerdista focada em dar poderes totais ao estado, a rejeição a este tipo de proposta implica no pensamento de direita.

Assim, conservadores, liberais e libertários são de direita. E os libertários radicais (que pregam o fim absoluto do estado) são extrema-direita, tanto quanto os seguidores de Kim Jong-Un são de extrema-esquerda.

Melhor ainda é olhar a questão por termos pragmáticos: nossos discursos prejudicam quem tenta implementar estado inchados e interventores? Se fazem isso, estamos indo bem em nosso direitismo.

De resto, sair dizendo “não sou de direita nem esquerda” em debates sérios (e para quem sabe o que significam esses termos) dá quase no mesmo que dizer que “não sou nem contra nem a favor do estupro” ou “creio e não creio em Deus ao mesmo tempo”. Pelo menos serve como piada por algum tempo, mas piadas repetidas não tem mais graça.

Anúncios

77 COMMENTS

  1. Luciano, eu me considero um liberal clássico (ou seja, direita), porém essa classificação proposta no artigo apenas baseado em mais ou menos Estado é incompleta pois assim sendo, a ditadura militar brasileira seria de esquerda pois estatizou e aumentou o intervencionismo e o senso comum considera a ditadura militar brasileira de direita. Os nanogramas que detalham mais a ideologia em relação a mais ou menos intervenção estatal, mais ou menos liberdades individuais, mais ou menos liberdade econômica etc são mais complexos mas são mais precisos também.

  2. Direita = Liberalismo Econômico e poucos impostos.

    Esquerda = Economia Coletivista e altos impostos (onde o Estado é a administração da sociedade coletivista, portanto Economia Estatizada).

    Existe Direita Conservadora, Direita Liberal e Direita Anarquista (Libertários e Anarco-Capitalistas).
    Olavo de Carvalho se encaixa na Direita Conservadora, Constantino na Direita Liberal e Daniel Fraga na Direita Anarquista.
    A distinção entre os 3 existe apenas no aspecto cultural e social, não no aspecto econômico.

    Mesmo Karl Marx querendo a destruição da família e da moralidade cristã, a União Soviética era uma sociedade relativamente conservadora (perceba, relativamente).
    O grande foco do governo soviético era acabar com a Religião e com a Propriedade Privada. Ele não se focou muito em destruir a família, por exemplo.

    Então também existe a Esquerda Conservadora (como expliquei acima) e a Esquerda Liberal (99% dos comunistas e socialistas).

    • Douglas,

      Minha avaliação é sob a ótica do CETICISMO POLÍTICO, portanto, não podemos aceitar a ideia de “coletivização da economia”. Este é o DISCURSO DE PROPAGANDA, e meu texto renega o aceite de discursos de propaganda.

      Minha análise é sobre o esquerdismo empírico.

      Vou dar um exemplo… suponha que crie-se uma cultura em um estado do Brasil, através de uma religião, onde eles resolvam viver em cooperativas e decidam viver sem lucros. Suponha que eles consigam criar motivação nas pessoas para viver assim. Essas empresas “sem lucro” poderiam causar problemas para empresas que vivam de lucro.

      Esses sujeitos seriam coletivistas mas plenamente voluntários, e de direita.

      Mas quando vemos o coletivismo dos esquerdistas aí sabemos que ele é feito com o INTUITO DE INCHAR O ESTADO E DAR PODER PARA OS BUROCRATAS, de acordo com minha definição.

      Mas concordo que existe esquerda conservadora, embora não concorde com o termo “esquerda liberal”.

      Abs,

      Lh

      • Concordo com o seu artigo quase todo, discurdando apenas com a visão de espectro político. Esquerda ou direita faz parte do eixo economico (eixo “x”), não tem a ver com o aspecto social mas sim financeiro.
        O eixo (“y”) cima e baixo tem a ver com o aspecto social, por isso se diz se um partido é mais autoritário ou mais libertário (sendo o antónimo um do outro), independentemente de é de esquerda ou direita. Quanto mais à direita, mais liberdade economica (ou seja mais capitalismo e menos controlo governamental sobre as empresas e bens privados), quanto mais à esquerda, mais controlo sobre os bens privados e empresas, mais taxas e distribuição monetária sobre os cidadãos (o que pode ser bastante injusto para os empreendedores sendo que a maioria das pessoas pobres não lutam pela sua vida profissional). Entre o cima e o baixo, quanto mais acima se encontra no espectro, mais autoritária é a pessoa ou o partido em questão, mais leis sobre a sociedade e as vidas individuais, mais direitos policiais e mais leis rígidas contra o crime, enquanto mais abaixo, mais libertário se é (não confundir com liberalismo, mas sim libertarianismo), ou seja, menos leis a restringir a liberdade social, menos funções policiais, mais direitos e menos controlo governamental sobre o indivíduo. Isto cria reacções e interações com o eixo económico, como por exemplo: Quanto mais libertário e mais à direita se colocar, o governo tem menos controlo social, mas porderá muito provavelmente ser entregue este controlo ao capitalismo, ai deixa de ser a política a proteger as vidas da população, mas sim as empresas a mandar em cada um. Sendo que se for um país libertario de esquerda, aí entra-mos no Liberalismo, quase anarco-comunismo, todos por si e fora as empresas. Eu considero-me de Direita um pouco autoritária. Aqui envio o espectro 2D, não é o espectro 1D que as pessoas estavam habituadas antigamente:
        http://www.mscunningham.com/uploads/8/1/6/4/8164478/2649648_orig.png
        https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/9/9c/Political_chart.svg/220px-Political_chart.svg.png
        http://climatereview.net/ChewTheFat/wp-content/uploads/2011/09/Political-Compass-politicalcompassDOTorg.jpg

  3. “O que é esquerda, afinal? Basicamente, é a ação política com o objetivo de implementar um estado totalitário que obtenha o máximo de controle sobre a vida de seus cidadãos, de forma que tudo beneficie os burocratas que tomam conta deste estado. Esquerdismo é a crença nessa ação política, e, por consequência, no estado inchado e interventor.”

    Por isso que eu falo: Fascismo é extrema-esquerda!

      • Extrema-esquerda não, mas de esquerda sem dúvidas.

        Extrema-esquerda é o comunismo. O nazismo e o fascismo são socialistas.

        Olavo explica essas diferenças nesse vídeo:

      • Eu discordo: o socialismo é a extrema-esquerda, exatamente por usar o discurso de propaganda enganosa chamado “comunismo”. Por causa do ceticismo político, o discurso de propaganda enganosa nunca faz parte do escopo de alternativas concretas. Nazismo e fascismo são implementações socialistas, tanto quanto o marxismo.

      • Como um movimento que se propõe pela superioridade de uma classe pode ser de esquerda?
        Se a esquerda propõe a luta de classes e a teoria de igualdade entre elas.

      • Lain, o seu raciocinio está baseado na propaganda enganosa. Pois afinal isso é só um discurso do que é a esquerda “ideal” a prática é bem diferente disso.

      • Olhe, é bem simples, quanto mais a direita menos impostos, mais liberdade de comércio, livre negociação entre empresários e empregados, menos burocracia e mais direitos de propriedade. E quanto mais a esquerda, menos temos estas características.
        O Comunismo é de extrema-esquerda, mas isso não quer dizer que toda a extrema-esquerda seja comunista.
        O Nacional-Socialismo já não era tão extremo, pois nele o mercado e a propriedade particular não eram completamente abolidos, eles eram controlados mas ainda existiam minimamente.
        Já o Fascismo é moderado, é menos extremo ainda que o Nacional-Socialismo.

  4. Luciano,

    Onde estaria posicionado os regimes totalitários teocráticos dentro deste espectro político desenhado por você? Não seriam eles a extrema-direita, no exercício do controle social pelas vias do moralismo religioso?

    • Depende da agenda deles.

      Se o anarquista dizer que “quer um mundo sem estado”, mas ao mesmo tempo DEMANDAR somente para atender aos partidos de esquerda, ou extrema-esquerda, ele será de esquerda. A maioria dos que se declaram anarquistas são de extrema-esquerda.

  5. Se o que você diz é verdade podemos concluir que a ditadura militar era de esquerda pois ela era um estado totalitário, que procurava o máximo controle sobre a vida de seus cidadãos sempre buscando benefícios para os governantes!!!
    Minha opinião é que devemos procurar eficiência e equilíbrio. Eficiência para aplicar melhor os recursos públicos e equilíbrio para saber como ajudar os que necessitam sem que os deixem a míngua e sem que os viciem em ser ajudados. Direita e esquerda são conceitos ideológicos que cada um pode ter o seu, mas a busca da eficiência hoje é uma necessidade do pais!!!

    • era a esquerda keynesiana, por assim dizer.governos gastadores, que proporcionaram um crescimento falso baseado em dívida (o tal “milagre econômico”), a mesma política de “campeões nacionais” do governo do PT.

      • O estado jamais será eficiente por uma causa muito simples: o estado não obedece a lógica do lucro. O estado não precisa ser eficiente porque ele obtém os seus recursos através da coerção e do espólio da riqueza alheia. Ao contrário da iniciativa privada que precisa a todo custo ser eficiente para superar as forças do mercado e sobreviver, convencendo diuturnamente os consumidores.
        O horizonte de perspectiva de um governante tem o alcance de 4 anos, que é o tempo que ele tem para locupletar-se o máximo possível antes das próximas eleições.
        Não há incentivo para um burocrata ser eficiente, pois seus privilégios são perpétuos, fossilizados no imutável aparato estatal.
        As fontes de financiamento estatal são virtualmente infinitas: aumento dos impostos, inflação e endividamento eterno (daí a inexorável tendência estatal ao crescimento).
        Crer na eficiência estatal é como esperar pela bola quadrada do Kiko…

        A solução certamente não está no estado moderno que se espraia sobre as liberdades individuais e limita o livre comércio. Há que se pensar em uma forma de, simultaneamente, favorecer a mais livre e desimpedida economia de mercado sem desmantelar completamente o que há de indispensável no estado.

  6. eu acho que as definições do diagrama de nolan são mais específicas quanto as posições políticas de cada um, mas num cenário político bipartidário (tipo o americano) é óbvio que os dois ocupariam o mesmo espaço, libertários e direitistas, pois ambos tem um ponto em comum, muito importante, a economia de mercado.

    os conservadores são de esquerda porque defendem a intervenção estatal na liberdade individual (não econômica)? como na questão das drogas? ou por defender o gasto governamental na área militar?

    • O estado que investe na área militar e intervém pouco na economia é menos INTERVENTOR, e mais PROTETOR DA SEGURANÇA. É um pensamento que vai contra a ideia de INCHAÇO ESTATAL PARA CONTROLAR TODOS OS ASPECTOS DA VIDA DOS CIDADÃOS.

      Por isso, o conservadorismo é de direita, mas como faz concessões ao estado, não pode ser determinado como extrema-direita.

      Nota-se que esta terminologia (que abarca só o comportamento, e não a propaganda) permite-nos encaixar qualquer um.

      Abs,

      LH

  7. Senti deficiências na definição de esquerda. Não dá para chamar o Regime Militar de de ” esquerda” apenas por rígido controle econômico , ou chamar as monarquias absolutistas de de ” esquerda” ( Vi isso em outro post seu )
    Olavo de Carvalho define esquerda como aquilo que concentrar poder político para igualar o poder econômico . Os regimes de Franco e de Salazar concentraram poder político mas não visaram igualar poder econômico . Fizeram rigido controle economico , mas mesmo assim não foram de esquerda .TODA DITADURA TEM CONTROLE ECONÔMICO , dae que Livre Mercado leva a Democracia , e não existe Democracia sem Livre Mercado pleno.
    A diferença é que nos regimes de Salazar e de Franco , houve aumento do Estado por razões de moralismo e pela honra nacional .O Conservadorismo Continental Nacionalista , acha que irá com tanto moralismo conseguir preservar a livre iniciativa , mas não irá.
    A questão é : Ha direita e esquerda e há Mentalidade Revolucionária . Olavo acredita em esquerda moderada, eu não acredito em esquerda mdoerada , acredito que esquerda seja intrisicamente revolucionária .Direita também pode inchar o Estado . É preciso estudar mais o Conservadorismo Continental que é estatista ( Joseph de Maistre , Chateaurbrind) , só temos lido o Conservadorismo Anglo-Saxônico ( Burke, Kirk) que é o Liberal.
    O Regime Militar em particular é preciso ser visto como regimes diferentes : Castelo Branco , Costa e Silva , Junta de 69 ,Médici , Geisel e Figueiredo e fora a figura por trás do trono e idéologo da Revolução de 64 : General Golbery Couto . Em Castelo Branco e em Costa e Silva havia o gabinete liberal de Roberto Campos e Hélio Beltrão dae a inflação estava sob controle foi a parte do regime mais a direita . Com Médici e Delfim Neto houve a tendencia ao Fabianismo , esquerdismo mesmo , Demanda Agregada ( Emprestismos e os tão propagandeados 30 milhões de empregos ) e controle populacional Malthusiano . Devido a esse controle populacional é que Brasil quase não teve crescimento vegetativo nessas décadas e estamos muito vulneráveis a invasão estrangeira .
    Minha tabela :
    Libertarianismo :direita
    Anarcocapitalista :Direiita
    Liberalismo Anglo Saxonico ( Escola Austriaca , Liberalismo Clássico) : Direita
    Integralismo , Franquismo, Salazarismo , Front Nacional Francês , Partidos Nacionalista em geral : Terceira Via, para a direita .
    Keynesianismo , Ordo Liberalismo, Nacional Desenvolvimentismo , Escola de Chicago : Terceira Via , para a direita .
    Socio Democracia , Nacional -Socialismo , Fascismo : Terceira Via , a esquerda .
    Comunismo : esquerda .

    • Hannoy, a discussão enquanto classificação é benéfica. Não muda o fato de que podemos estudar a esquerda e direita especialmente em relação ao projeto de inchar o estado ou não com fins de obtenção de poder e geração de benefícios para quem mama nas tetas do estado. 😉

    • Discordo categoricamente nesse ponto “Livre Mercado leva a Democracia”.

      Esse foi o pensamento que muitos liberais americanos acharam ao começarem a investir na China quando ela abriu seu mercado.
      O Livre Mercado na China não levou a nenhuma democracia pelo contrário. A China estava a beira do caos econômico e social assim como a URSS devido ao planejamento econômico; milhões de chineses morriam de fome todos os anos.

      O Livre Mercado Salvou o Partido Comunista Chinês. O livre mercado transformou a China quase falida e colapsada em um Gigante Bélico e Industrial que agora ameaça justamente os EUA.

      Eu sei que alguém irá dizer que a China não tem um “verdadeiro livre comércio”, mas isso cai na mesma falácia dos esquerdistas quando dizem que “nunca houve um país Comunista” e que “o Comunismo nunca existiu de fato”
      Nenhum país tem realmente um livre comércio, sempre existe um controle, mesmo que pequeno na economia.
      Em matéria de fazer negócios a China hoje é mais capitalista do que os EUA e ainda assim tem um Governo autoritário e comunista cada dia mais forte.

      • “Eu sei que alguém irá dizer que a China não tem um ‘verdadeiro livre comércio’, ”

        ” Nenhum país tem realmente um livre comércio, sempre existe um controle, mesmo que pequeno na economia.”

        Logo, a china não tem um verdadeiro livre comérco, ué.

  8. Eu acho essa denominação esquerda/direita bastante imprecisa. O espectro político é complexo demais para ser colocado apenas em uma linha. Além disso, se você falar com dez pessoas diferentes, você vai ouvir onze definições diferentes.

    Essa distinção que você fez só é cabível se trocar direita por libertário e esquerda por estatista. Mas nós sabemos que não é bem assim a realidade. A direita pode ser (é) tão estatista quanto a esquerda. Para afirmar isso eu utilizo os dois principais parâmetros atualmente para direita e esquerda: o Partido Republicano e o Partido Democrático, respectivamente. Melhor do que qualquer definição teórica, é uma definição prática, não é verdade?

    Os libertários tem encontrado extrema dificuldade de impor suas idéias aos Republicanos e aos Democratas. E eu não estou falando que os Republicanos discordam de ideias como casamento gay e legalização das drogas, não. Isso já era esperado. Os Republicanos tem resistido a propostas para aumentar as liberdades econômicas. Os Democracratas, idem. Se um libertário defende a liberação de todas as drogas perante um público democrata ele é tachado de radical.

    Os libertários estão à esquerda da Esquerda e à direita da Direita. Como você enquadra isso em um espectro linear?

    Se você permitir, continuarei me declarando “nem de esquerda nem de direita”.

    • Rafael,

      Veja que os republicanos tem adotado várias ideias de taxações (especialmente para financiar as guerras recentes). E isso pegou mal para eles, como Horowitz já tratou em A Arte da Guerra Política.

      AS propostas republicanas, no entanto, são baseadas em aumento do estado temporário, enquanto a os democratas se baseiam em AUMENTO DO ESTADO COM FIM DE MANUTENÇÃO DO PODER, o que é de natureza diferente.

      Hoje eu colocaria os republicanos como um partido de centro, as vezes adotando medidas de centro-direita e de centro-esquerda, enquanto os democratas estão indo para uma mistura de esquerda e extrema-esquerda, as vezes.

      Os libertários seguem entre extrema-direita e direita.

      Não faz sentido em dizer que libertários estão “à esquerda da esquerda”, pois aí vocês seriam mais estatólatras que o PSOL.

      Quanto a vc se declarar “nem de esquerda e nem de direita”, tudo bem, não sei qual o objetivo seu em fazer isso.

      Abs,

      LH

      • Não ficou claro. Reformularei levando em conta o espectro linear de divisão política.

        No que se refere a liberdades sociais, os libertários estão à esquerda do Partido Democrata.

        No que se refere a liberdades econômicas, os libertários estão à direita do Partido Republicano.

        Alguém discorda disso?

  9. Eu acho que o diagrama de Nolan resolve essa questão semântica da forma mais simples possível. Existem dois eixos: Liberdade Econômica e Liberdade Civil.

    A direita é favorável a liberdade econômica, mas não quer sair completamente do controle do mercado.
    A esquerda é contra a liberdade econômica.

    A direita é contra a liberação das drogas, do casamento gay e do aborto.
    A esquerda é a favor de tudo isso.

    Direita E Esquerda são favoráveis a existência do estado…

    Colocar as coisas em apenas 1 eixo (Direita-Esquerda), é simples demais. O cidadão que é a favor do aborto e da liberdade econômica fica em qual lugar? Difícil dizer né? E se ele é contra a existência do estado? Piorou.

    Eu penso que, NO CONTEXTO POLÍTICO ATUAL, os libertários estejam muito mais a direita do que a esquerda, pois vivemos em um momento de massacre da liberdade econômica. Atualmente a prioridade é interromper este processo, e por isso libertários e direitistas – com este objetivo comum – devem dar as mãos e lutar neste sentido… Mas imagine, por exemplo, na década de 70 e 80… O libertário dava as mãos aos esquerdistas em prol de mais liberdade civil, e não estavam tão preocupado assim com a economia.

    Logo, encaixar os libertário em um destes rótulos (direita ou esquerda) é meio incoerente… Só daria certo se primeiro o contexto em que o libertário está inserido fosse dado.

    • Daniel,

      Eu entendo o “approach”, mas é que minha perspectiva ELIMINA o discurso de propaganda da esquerda, avaliando-a pelo que ela EFETIVAMENTE FAZ. Aí é basicamente como decidir acreditar ou não em Deus, ou defender ou não o estupro. É um eixo mesmo.

      Mas existem VÁRIAS FORMAS de se afastar do esquerdismo. O libertarianismo é uma delas. O conservadorismo, mesmo com suas contradições, permite a interferência do estado em questões onde não haverá a concentração de poder totalitário, então é uma direita, só que menos distante do esquerdismo do que é o libertarianismo.

      Abs,

      LH

      • Existem muitos “libertários” que na verdade só estão preocupados mesmo com as liberdades civis… Gente que não está muito preocupada com economia, livre mercado, bancos centrais e etc… É gente que está apenas preocupada com a liberação do aborto e das drogas.

        Pessoalmente encaro essa gente como “Esquerdistas”, mas se eu apontar o dedo pra dizer “Você é de esquerda!” o sujeito vai se sentir ofendido… “Não, imagina! Não compactuo com a esquerda… Só quero o fim do controle estatal na vida das pessoas… Sou libertário!”. Mas o rótulo cai já na hora em que o sujeito diz “Eu acho que tinha que ter uma lei para… (qualquer assunto)”.

        Em tempo: Desculpe os erros de concordância do primeiro comentário. Eu costumo postar com pressa e revisar depois, mas aqui não encontrei opção para editar o comentário depois de postado.

  10. Para a esquerda, as liberdades civis são fruto de ações positivas do Estado. Eles vendem o Estado como meio para a garantia de tais liberdades. Para um direitista as liberdades civis decorrem de limitações impostas ao Estado, de forma que este tenha menos poder de intervenção na vida dos indivíduos.
    Quando vejo discursos de libertários com relação a liberdades civis, percebo que eles ignoram o contexto existente no país principalmente no que diz respeito ao nosso sistema jurídico.
    Por exemplo a questão do aborto: O Brasil é signatário de alguns tratados internacionais sobre direitos reprodutivos que garantem que toda forma de aborto legal no Brasil seja custeada pelo Estado. Isto significa que cada hipótese a mais de aborto legalizado, maior será a estrutura estatal paga com dinheiro dos impostos para o aborto.
    O mesmo tende a acontecer com as drogas, os libertários pedem a liberalização, mas o que provavelmente acontecerá, considerando o nosso sistema jurídico atual é uma estatização de algumas drogas.
    Assim muitos libertários acabam fazendo o jogo da esquerda, apoiando movimentos que visam o inchaço estatal.

  11. Luciano,
    Concordo que há diretrizes de direita e esquerda sim, mas você não acha que é reducionismo demais definir apenas com base em tamanho do estado? O que dizer do Escandinavos com uma economia liberal e um wellfare state? E os Integralistas que odeiam o liberalismo mas são a favor dos costumes tradicionais? Quem é esquerda, quem e direita nesse caso? Poderia comentar esses casos?
    Abs!
    3S

  12. Para fortalecer a mensagem do que significa ser de direita é preciso explicar também como a direita deve lidar com os mais pobres. Um dos frames mais poderosos que a esquerda usou para se multiplicar foi justamente este e não importa aqui a veracidade de seus propósitos. Fato é que a direita precisa ter uma resposta clara e unificada a dar a essa questão se quiser crescer politicamente.

    Não adianta explicar que, no longo prazo, a direita será melhor para todos. A explicação tem que ser dada em relação aos pobres de agora e acredito que a palavra chave e CARIDADE. Ao mesmo tempo em que combatemos menos impostos, temos que apoiar politica e financeiramente ações tradicionais de caridade. E por que digo tradicionais? Porque há uma penca de ONGs esquerdistas supostamente de caridade, mas que estão prontas para tomar seu dinheiro com o intuito de doutrinar incautos para a esquerda. Aqui mora um dos pontos fracos dos libertários e de gente como Ayn Rand. É facílimo até hoje para um adversário apontá-los como pessoas egoístas e insensíveis, independentemente de supostas refutações que tenham feito nesse aspecto. Os conservadores judaico-cristãos têm na doutrina da sua fé a resposta para esse problema. Basta usá-la. Caridade não é um dado da natureza humana. É um valor estimulado principalmente pela cultura religiosa. Por mais que os libertários mereçam respeito, é preciso enxergar sua vulnerabilidade nesse ponto.

    O dever de caridade precisa ser um dos pontos-chave da direita. Junto com ela vem as noções de solidariedade e amor ao próximo. Sem contar as vantagens econômicas de cortar o “middle man”, nesse caso, o Estado.

  13. A esquerda é a ideologia da obtenção do controle e do poder coercitivo. Se, para obter controle e poder, ela precisa ser a favor de uma determinada agenda, ela será. Se o contrário passar a lhe assegurar mais poder, ela se transforma. É o poder pelo poder.

    Hoje, a melhor forma de diferir a esquerda contemporânea da direita é através da dicotomia legal vs moral. A esquerda contemporânea prega uma ordem legal rígida (portanto coercitiva) e uma ordem moral fraca (liberal – aborto, casamento gay, drogas, ateísmo etc). Já a direita prega uma ordem legal limitada traduzida na ideia de menos Estado (tanto conservadores, quanto libertários), mas diverge quanto à ordem moral. Os libertários pregam uma ordem moral fraca (e estão mais próximas da esquerda contemporânea nesse ponto) e os conservadores pregam uma ordem moral mais rígida.

    Tanto o moral quanto o legal impõe sanções que visam refrear comportamentos. A diferença é que a sanção legal prende o sujeito ou o multa e a sanção moral visa isolá-lo socialmente. Não sou a favor de o Estado prender o sujeito por ele cuspir no chão, mas sou a favor que as pessoas possam chamá-lo de “porco” de modo que ele pense duas vezes antes de cuspir no chão de novo. Se o esquerdista julgar que o cuspe no chão ameaça seu poder coercitivo, ele punirá o autor com a maior violência possível. Se achar o gesto inofensivo, deixará passar e acusará seus críticos de “falsos moralistas”.

    • Sim, um totalitário pode reduzir o seu grau de intervenção, inclusive implementando medidas liberais, que FAZEM A DIFERENÇA especialmente após um governo socialista.

      Não sei no que Pinochet no Chile refuta a minha definição de esquerda X direita.

      Abs,

      LH

  14. Ayan, libertários podem ser (“queiram ou não” hahahaha) de direita, mas isto só enquanto adotarmos este seu critério, que comprime todo o espectro político em direita x esquerda. Entretanto, existem outros espectros, como o Gráfico de Nolan, onde fica claro por que libertarismo não é de direita nem de esquerda.

    A não ser que você apresente um Certificado de Definidor Oficial de Espectros Políticos, não pega bem querer impor sua visão como o único espectro possível. Existem outros — quer você queira ou não.

      • Fabrs,

        Eu não disse que o gráfico de Nolan é “propaganda de esquerda”, mas que toma como análise A PROPAGANDA ENGANOSA DA ESQUERDA. Esse é um erro que muitas pessoas cometem.

        Quando observamos o discurso do esquerdista, vemos várias coisas. O Gráfico de Nolan erradamente embute esses discursos, que não são verdadeiros.

        Minha análise toma por parte o que o esquerdismo DE FATO É.

        Percebeu a diferença?

        Abs,

        LH

  15. “Discordo categoricamente nesse ponto “Livre Mercado leva a Democracia”.”
    Livre Mercado leva a democracia mesmo . China foi excessão . mas note que são apenas cinco cidades com liberdade de comércio e o interior dela é Comunista estatista . A distinção de emergencia vale nessa caso chinês .
    A abertura de mercado liberou a ditadura do Chile e liberou da ditadura da Coréia do Sul, vale salientar que os ditadores assim o quiseram e dae liberaram bastante a economia a ponto de poderem ser substituidos . Diferente do Partido Comunista Chinês que liberou apenas em alguns lugares e alguns setores de modo que ele não fosse derrubado e ainda se aproveitasse do livre-mercado , A NEP do Lênin foi assim e o governo Lula foi assim . Sim, realmente isso não é receita de bolo , os liberais que investiram na China fizeram a maior besteira do século .. Mas toda ditadura tem rigido controle econômico . A China tem bastante controle econômico , os setores que progridem são justamente são os menos regulamentados .
    A China justamente teme liberar demais o livre mercado e acabar liberando o regime politicamente . Livre Mercado realmente leva a democracia por um motivo óbvio : Pessoas com dinheiro não aceitam serem mandadas e exigem mais participação politica , fora elas terem dinheiro e poderem participar mais politicamente .
    Tanto que dae que todo o Socialismo é totalitário e todo o esquerdismo concentra poder . Um rigido controle econômico é necessariamente totalitarismo na população , e tanto melhor para o Socialista que a população seja miserável e pobre , porque pobre não tem como independer do governo e poder derruba-lo .
    O papo moralista farisaico esquerdopata contra a riqueza portanto esconde o desejo de mandar naquela pessoa , porque se ela fosse pobre ela a comandaria muito melhor ..
    Eu entendo o seu ponto de vista . Entendo que não é receita de bolo . Mas lembrar que politica não é ciencia exata , Aristóteles ja notava que politica era dialética . Há vários casos que o livre mercado libertou as populações como foram os Tigres Asiáticos e o Chile , houve casos onde apenas fortaleceu o regime China e URSS .
    Um livro do Milton Friedmann trata disso Democracia e Livre Mercado . Mas entendo que realmente nem sempre é o caso.

  16. Ayan, quando você escreve “existem outros, que dependem de acreditarmos em propagandas da esquerda”, a vírgula antes do “que” significa justamente que o que vem a seguir é uma oração explicativa, não restritiva, ou seja, que os outros todos dependem de acreditarmos em propagandas da esquerda.

    O diagrama do Nolan não depende disso. Ele apenas identifica, dentre as bandeiras mais comuns de esquerda e direita, a tendência de aqueles começarem defendendo liberdades pessoais (aborto, drogas, etc.) e restrições econômicas enquanto a direita tende a defender o contrário (em nome de manter uma sociedade mais ordeira e respeitadora da “moral e dos bons costumes”). É precisamente isso que cada lado QUER. Há, inclusive, espaço no gráfico para marcar o que frequentemente acontece apesar das boas intenções de cada lado, que é a descida para o campo do totalitarismo.

    Enfim, não é só porque você escolheu adotar uma visão binária (que pode ser usada também, é claro), que libertários agora, “quer queiram quer não”, têm que concordar com ela. Existe uma lógica na nossa proposta e bater o pé diante da sua simplesmente não vai refutá-la.

    Abs!

    • Você errou.
      Eu poderia ter escrito assim: “Existem outros. Estes outros métodos dependem de acreditarmos em propagandas da esquerda”.
      O diagrama do Nolan não depende disso. Ele apenas identifica, dentre as bandeiras mais comuns de esquerda e direita, a tendência de aqueles começarem defendendo liberdades pessoais (aborto, drogas, etc.) e restrições econômicas enquanto a direita tende a defender o contrário (em nome de manter uma sociedade mais ordeira e respeitadora da “moral e dos bons costumes”).
      Este é o erro: “bandeira”. Bandeira É PROPAGANDA queira você ou não.
      O uso da simulação de guerra de classes com o intuito de inchar o estado e criar sovietes temporários É O FATO.
      Enquanto o diagrama de Nolan olha “as bandeiras” (como você mesmo reconheceu), eu olho para os fatos.
      É precisamente isso que cada lado QUER. Há, inclusive, espaço no gráfico para marcar o que frequentemente acontece apesar das boas intenções de cada lado, que é a descida para o campo do totalitarismo.
      Respeito seu direito de acreditar que é isso que os esquerdistas QUEREM. Mas é ilusão. Pode ser medo de reconhecer a esperteza deles em querer algo e convencer a patuleia do oposto. Para isso é que criei o ceticismo político.
      Enfim, não é só porque você escolheu adotar uma visão binária (que pode ser usada também, é claro), que libertários agora, “quer queiram quer não”, têm que concordar com ela. Existe uma lógica na nossa proposta e bater o pé diante da sua simplesmente não vai refutá-la.
      Mas veja que você aceitou de maneira acrítica UMA ALEGAÇÃO POLÍTICA, a de que esquerdistas querem X. Mas isso não está provado. Não estando provado (mas sendo provado efetivamente o que esquerdistas sempre demonstram querer, o que é diferente de “dizer que quer”), se você olhar as alegações políticas da esquerda (e da direita) com ceticismo será logicamente obrigado a reconhecer que libertários são de direita, por serem contra a ÚNICA INTENÇÃO DEMONSTRADA do esquerdismo: inchar o estado , aumentando o controle sobre as vidas das pessoas, e resultar em poder para os burocratas.
      Mas se você optar pela fé (e acreditar no que os esquerdistas dizem enquanto fazem propaganda enganosa), é teu direito.
      Abs,
      LH

      • “Eu poderia ter escrito assim: “Existem outros. Estes outros métodos dependem de acreditarmos em propagandas da esquerda”.”

        Er… como se tivesse feito alguma diferença.

        Assim como a esquerda frequentemente incha o estado para alcançar sua agenda, da mesma forma a direita (conforme definida no gráfico) também o faz para fazer valer suas restrições a certas liberdades pessoais.

        Libertários são tão contra certas ações de esquerda quanto são contra certas ações defendidas pela direita. Assim, do nosso ponto de vista, fazem muito pouco sentido as tentativas de qualquer dos dois lados de nos “capturar”.

        Enfim, se você abandonasse o binarismo, e parasse de achar que só a esquerda reivindica mais estado, provavelmente concluiria que a conclusão lógica do ceticismo político é o libertarianismo, ou “anti-estatismo” em vez de direitismo.

      • Fabrs,
        Boa tentativa, mas há um problema. Realmente alguns conservadores usam o estado para restringir certas liberdades pessoais, mas no máximo isso ocorre pela implementação de leis, e não por um aumento deliberado de funções estatais de forma exacerbada com o intuito de poder gastar mais dinheiro e amealhar poder.
        Parece que você não prestou atenção à definição de esquerdismo. Esquerdismo não é relacionado a implementação de funções para o estado, mas na CONQUISTA DE PODER DEPENDENTE DO AUMENTO DE TAMANHO do estado.
        Você confundiu aumento de tamanho do estado, com fim de solidificar poder, com a implementação de leis.
        Detalhe: muitas leis das quais eu discordo, pois sou a favor da liberdade plena, inclusive liberação de drogas, etc.
        Nota-se que você confundiu conservadorismo com direitismo.
        Libertários são tão contra certas ações de esquerda quanto são contra certas ações defendidas pela direita. Assim, do nosso ponto de vista, fazem muito pouco sentido as tentativas de qualquer dos dois lados de nos “capturar”. Enfim, se você abandonasse o binarismo, e parasse de achar que só a esquerda reivindica mais estado, provavelmente concluiria que a conclusão lógica do ceticismo político é o libertarianismo, ou “anti-estatismo” em vez de direitismo.
        Errado.
        Agora tenho certeza que você confundiu conservadorismo com o direitismo.
        E ninguém está querendo “capturar” ninguém, pois idealistas sempre serão usados pelos dois lados, de acordo com a esperteza de cada um. O fato é que entre direita e esquerda há um dilema e não há como fugir dele. É como fugir do dilema “sou ateu ou teísta”. E você, como participou de embates intelectuais nessa seara, sabe disso.
        parasse de achar que só a esquerda reivindica mais estado
        Esse é o erro de desconstruir inadvertidametne tudo que o outro disse.
        Ninguém aqui definiu esquerda como “mais estado”. Cuidado com o espantalho.
        Esquerdismo se define como inchaço estatal com o fim de aumento de poder (portanto, necessariamente se requer mais funções e mais impostos), pois essas iniciativas são feitas para dar PODER a burocratas. Logo, não tem absolutamente nada a ver com “mais estado” ou “menos estado”.
        Pode-se implementar várias ideias conservadoras que quase nenhuma delas resultará em “aparelhamento estatal com ênfase de aumento da burocracia afim de estabelecer poder para os burocratas, tornando a iniciativa privada refém do estado”, ou seja, o esquerdismo.
        Em relação à proposta de “aparelhamento estatal com ênfase de aumento da burocracia afim de estabelecer poder para os burocratas, tornando a iniciativa privada refém do estado”, há muitas perspectivas, entre elas: conservadorismo (que pode ser criticado da forma que você fez, embora errando o alvo), liberalismo tradicional ou o libertarianismo, a forma mais radical de se evitar o esquerdismo.

  17. “Esquerdismo se define como inchaço estatal com o fim de aumento de poder (portanto, necessariamente se requer mais funções e mais impostos), pois essas iniciativas são feitas para dar PODER a burocratas.”

    Olha, mesmo as leis de caráter conservador num estado de direita representariam um aumento de poder dos burocratas responsáveis por sua manutenção, elaboração e fiscalização.

    Enfim, se comprimirmos o espectro em apenas uma dimensão, teríamos algo assim e de fato faria mais sentido libertários estarem à direita (à direita até da “direita”, na verdade) e não à esquerda.

    https://scontent-b-mia.xx.fbcdn.net/hphotos-xap1/v/t1.0-9/602957_457074464345663_659364248_n.png?oh=21f1a2cef28867028231b4cfce8cc241&oe=545B4A4C

    Mas esta é uma visão um tanto pobre. A do diagrama nos permite algo assim:

    http://www.rumromanismrebellion.net/wp-content/uploads/2010/11/nolan-chart.png

    em que claramente o libertário não está nem à esquerda, nem à direita, que é o que na prática acabamos sendo.

    • Olha, mesmo as leis de caráter conservador num estado de direita representariam um aumento de poder dos burocratas responsáveis por sua manutenção, elaboração e fiscalização.
      Eu concordo com você que de fato algumas ideias de conservadores podem aumentar a burocracia, mas geralmente não é isso que ocorre. Podemos ver na prática.A proibição do aborto gerou, historicamente, um maior custo de fiscalização do que o normal? A não liberação do casamento gay gerou esse maior custo? Veremos que é difícil, historicamente, alinhar essas implementações com um “aumento deliberado do estado”.
      Dessa forma, as implementações conservadoras não significam um projeto esquerdista, muito pelo contrário. É por isso que não uso a terminologia “tem estado” ou “não tem estado”, mas foco em COMO O ESTADO É USADO. Se você reler minha definição de esquerdismo, verá que ela é coerente com as implementações dos social-democratas, marxistas, nazistas, etc
      Enfim, se comprimirmos o espectro em apenas uma dimensão, teríamos algo assim e de fato faria mais sentido libertários estarem à direita (à direita até da “direita”, na verdade) e não à esquerda.
      https://scontent-b-mia.xx.fbcdn.net/hphotos-xap1/v/t1.0-9/602957_457074464345663_659364248_n.png?oh=21f1a2cef28867028231b4cfce8cc241&oe=545B4A4C
      Mas esta é uma visão um tanto pobre.

      Bingo! É essa visão que se alinha ao que defendo. Mas lá na extrema-direita eu tiraria o anarquismo, mas colocaria o anarco-capitalismo. O anarquismo de vários autores tem um viés socialista, por isso devemos ter cuidado. Black Blocs são extrema-esquerda, por exemplo.
      A do diagrama nos permite algo assim: http://www.rumromanismrebellion.net/wp-content/uploads/2010/11/nolan-chart.png em que claramente o libertário não está nem à esquerda, nem à direita, que é o que na prática acabamos sendo.
      Mas veja que o Diagrama do Nolan contém o equívoco de que lhe falei: associar conservadorismo à direita, e liberalismo à esquerda. Para fazer, isso é preciso ACEITAR ALEGAÇÕES não-provadas da esquerda.
      A minha definição do esquerdismo, por causa do ceticismo político, elimina discursos de propaganda, em especial os que os esquerdistas fazem para eles próprios.

      • Luciano, os termos conservador e liberal estão enraizados na cultura americana como sinônimos para republicanos e democratas, respectivamente. Claro que ser chamado de “liberals” não passa de propaganda enganosa da esquerda, mas acho que isso não desqualifica o gráfico de Nolan. O gráfico para mim traz grandes vantagens:

        1) Diferencia os esquerdistas social-democratas (onde se concentram a maioria dos idiotas úteis) dos esquerdistas totalitários, os verdadeiros psicopatas. O mesmo pode ser dito para a direita: os fascistas estatizantes são um desvio da direita conservadora, e não uma manifestação exacerbada desta. Em resumo: em vez de mostrar os totalitários como a evolução dos pensamentos de esquerda e direita, o gráfico os mostra como desvios de rota destes.

        2) Agrupa os comunistas, fascistas, socialistas e nazistas próximos uns aos outros. Essa deve ser a maior sacada do gráfico: como podem doutrinas que têm tanto em comum se situarem nos lados opostos de um espectro unidimensional?

        3) Resgata o pensamento liberal clássico dos “founding fathers” ao permitir que as pessoas se classifiquem como libertárias por serem a favor tanto das liberdades individuais quanto das econômicas. É o resgate da doutrina do estado mínimo, o oposto do totalitarismo.

        Eu mesmo me identifico muito com o partido Libertarian americano (pontuo 90% em liberdade econômica e 80% em liberdades individuais) mas no Brasil, infelizmente, a anarco-esquerda já se apoderou do termo “libertário”, como parece ser o caso do Partido Pirata, e não fazem a menor idéia do que realmente a doutrina significa.

        Mas não tenha dúvida que, quando me perguntam qual a minha orientação política no Brasil, eu digo: direita, porque só existem partidos de esquerda aqui.

    • Cara eu nunca entendi esse diagrama, tem pouco a ver com a realidade.

      A chamada esquerda liberal nunca desejou mais liberdade, a não ser de forma tática. Eles querem certas liberdades em certos momentos, mas restringem outras liberdades, são mestres na arte de ganhar poder enganando os trouxas.

      Um exemplo é a ênfase dos esquerdistas em “liberdades positivas” que implicam necessariamente em solapar os direitos fundamentais.

      E essa história de conservadores contra a liberdade é outro espantalho. Os mais rígidos conservadores jamais propuseram um milésimo das restrições à liberdade pessoal que os regimes marxistas (apoiados entusiasticamente pelos esquerdistas ocidentais) implantaram.

      Então esse diagrama está errado, não corresponde à realidade, e portanto é enganador e leva a equívocos.

  18. Pois é Luciano, eu passei a pensar assim graças aos conservadores.
    Eu me baseava no diagrama de Nolan até perceber que os conservadores tinham razão e não existe esquerda liberal, pois não passa de inversão de culpa, eles propõem suas utopias na base da coerção enquanto o capitalismo é simplesmente um sistema amoral espontâneo.
    Para algumas pessoas direita é o positivismo, o fascismo e o nazismo, sendo assim batizei de socialismo conservador que não tem nada a haver com capitalismo. Socialismo plano B.
    Achei mais prático seguir os conservadores daí separei dois eixos, o econômico (socialismo vs liberalismo) e o cultural (progressismo vs conservadorismo). Quem é esquerda em um e direita no outro acaba sendo incoerente.
    Se eu pudesse te mandava o diagrama extremamente complexo que criei.

  19. Concordo com a conclusão, mas não com as premissas que levaram a ela. É be verdade que o único que pode dizer que não é de esquerda nem de direita é (1) quem é centrão, ou seja, concorda com propostas de ambos lados, ou (2) quem não tem opinião formada a respeito. Esquerda é autoritarismo econômico “apenas”. Embora pouco comuns, houve regimes economicamente liberais e civilmente autoritários, como o Pinochet e as ditaduras em alguns tigres asiáticos.

  20. Sobre essas difinições, se sou gay e quero me casar e adotar uma criança. Tem como ser de direita? Não me vejo dentro dos perimetros esquerdistas e um socialismo/comunismo não é para mim. Odeio vitimismo e historicamente o comunismo é péssimo para um gay. Mas em certas questões fico confuso, a direita não aprova o casamento gay, isso me impede de ter direitos que casais héteros tem sobre algumas questões e adotar uma criança é muito complicado também. Sou jovem e gostaria de alguns argumentos ou definições onde eu pudesse me encaixar.
    É possivel ser gay e de direita? Não ter nem uma inclinação para a esquerda? Aguardo resposta.

    • Eu sou de direita, sou heterossexual, mas não vejo nenhum problema em gays de casarem. Também acho justo que possam adotar crianças. Não vejo motivo pelo qual ser de direita impeça tais posições.

      Abs,

      LH

      • Ayan, o seu posicionamento faz sentido e também apoio, mas para deixar claro para o colega é importante lembrar que você é liberal e não conservador.

        Ayan, se entendi bem o seu conceito, quanto mais estado menos liberdade individual e portanto esquerda, que no extremo seria: socialismo, nazismo, fascismo e positivismo (aka militares de 64) e quanto mais liberdade individual e menos estado seria direita que em seu extremo seria o anarco capitalismo. Procede?

  21. Como podemos definir : Os anarquistas “tradicionais” vamos chama-los de anarquistas de “esquerda” já que se opõem ao capitalismo propriedade privada e -e até mesmo a democracia- ?

    Os anarquistas tradicionais dizem ser livres de tudo, então o conceito de ser de direita ou esquerda, fica na privatização ou nas estatização, como disse Proudhon o pai do anarquismo “tradicional” (ele até escreveu um livro: a propriedade é um roubo) como ficaria a situação no anarquismo tradicional ? Estatizar, mas não existe estado, ou privatizar, mas já que a propriedade é um roubo, como funcionaria empresa sem privatização ela seria coletiva ?

    Eu tento perguntar isso para conhecidos de internet, eles acabam me excluindo e apenas um disse que isso é uma utopia, mas ia seguir isso pro resto da vida, vai entender.

  22. “O que é esquerda, afinal? Basicamente, é a ação política com o objetivo de implementar um estado totalitário que obtenha o máximo de controle sobre a vida de seus cidadãos, de forma que tudo beneficie os burocratas que tomam conta deste estado.”

    Essa foi a coisa mais estúpida que eu já li e olha que eu leio bastante estupidez na internet, viu… Parabéns!

    • Felipe existe apenas dois caminhos ou a democracia ou o totalitarismo, se não houver democracia e no mínimo um estado para função do próprio capitalismo. Único país que adotou uma ditadura capitalista foi Cingapura, mas lá sempre teve estado e as coisas prosperaram, mesmo assim por 40 anos um dia acabou.

      Libertários dizem defender os direitos individuais, mas, querem acabar com a democracia, onde nosso valor individual é mais valorizado e podemos ter nossa opinião sem sermos mortos por isso.

  23. Eu sou um libertário. Não sou afiliado a nenhum partido político. Não sou progressista nem conservador. Não sou de esquerda nem de direita. Não sou moderado nem radical. Não sou um fusionista. Não estou aberto a concessões.
    Sou um libertário puro e inflexível. Para mim, há apenas uma única forma de libertarianismo: aquela que se baseia única e exclusivamente no Princípio da Não-Agressão. Isso significa que, para um genuíno libertário, a lei deveria proibir a iniciação de violência contra pessoas inocentes (tanto as que não cometeram crimes quanto as que querem apenas empreender) e contra sua propriedade. Ponto. O libertarianismo é apenas isso e nada mais do que isso. Não há nada mais no libertarianismo do que as implicações desse axioma básico — o que já é muita coisa.

    Por que estou dizendo isso? Porque, de uns tempos para cá, tem havido algumas tentativas, tanto da esquerda quanto da direita, de sequestrar o movimento libertário.
    Créditos no artigo.
    http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1864

Deixe uma resposta