Dilma, a fujona da entrevista do JN, teve reuniões com empresários hoje a tarde

9
63

manchetes-politica-luto-oficial-chavez

Os petistas dependem da ingenuidade alheia para capitalizar. A redução desta ingenuidade de nossa parte é capaz de causar graves danos à propaganda deles.

Em um momento de comoção, as pessoas podem se sentir constrangidas a questionar de forma mais crítica indivíduos fazendo uso de desculpas esfarrapadas para tirar algum proveito.

No mundo corporativo, quando alguém diz que não vai trabalhar por que seu avô morreu, muitos deixam de questionar se há algo de válido nesta afirmação. É justificável. Porém, existem situações grotescas, como naquelas onde alguém já “matou” seus avós quase uma dezena de vezes.

Ontem, aproveitando-se da comoção com a morte de Eduardo Campos, Dona Dilma aproveitou para cancelar sua entrevista ao Jornal Nacional.

Esperta ela, pois as sabatinas realmente tem sido fortes. Mais contra Aécio Neves, na segunda, um pouco menos contra Eduardo Campos, na terça. Mesmo assim, o pau quebrou para cima dos candidatos nessas acareações. Ontem (quarta) era vez de Dilma.

Alguns incautos poderiam dizer que Dilma estava “de luto”, motivo pelo qual cancelou a entrevista. Bem, ela decretou luto de três dias, mas hoje mesmo já estava mais faceira que mosca em tampa de xarope fazendo reuniões com empresários no Palácio do Planalto:

A presidente Dilma Rousseff anunciou na quarta-feira luto oficial de três dias pela morte do candidato Eduardo Campos, período que, segundo ela, sua campanha de reeleição também sofrerá pausa. Contudo, no Palácio do Planalto, a presidente teve agenda bem agitada. Recebeu em apenas um dia chefes de três das empresas mais importantes do país e que, ironicamente, estão entre as que mantêm melhor relacionamento com o governo: a General Motors, a JBS e o Bradesco. Estiveram no Planalto Mary Barra, a CEO global da montadora, Joesley Batista, da J&F, e Luiz Carlos Trabucco e Lázaro Brandão, do Bradesco. Contudo, apenas a GM falou com a imprensa após o encontro.

A partir desta informação, a tese de “luto” está descartada, o que nos leva à seguinte pergunta: qual o cui bono para Dilma em adiar a entrevista?

São dois motivos evidentes:

  1. Com o atraso da entrevista, a pressão sobre os jornalistas entrevistadores é radicalmente reduzida. Espera-se uma redução da pressão sobre os entrevistadores ao longo do tempo, por mero esquecimento, o que garantiria vida mansa à Dilma durante sua “sabatina”.
  2. Mesmo que os jornalistas resolvam manter a assertividade, ela ainda assim tem o benefício de ganhar mais tempo para fazer media training, de foma a se tornar menos vulnerável às questões. Claro que não é fácil, pois a coisa fica definitivamente crítica para eles quando precisam se defender de acusações de corrupção.

Algum petista protestará: “você quer associar Dilma à morte de Campos”? Não, nem de longe. Não tenho evidências para isso. Essa hipótese, alias, nem passou pela minha cabeça.

Todavia, é mais do que evidente que Dilma está fazendo de tudo para usar toda a situação a seu favor. Ontem, foi a vez do Jornal Nacional cair no jogo. Ou se fingirem de sonsos, obviamente.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. a Globo nao manteria a entrevista.
    nao haveria espaco para isso e se Dilma quisesse, sairia mais queimada ainda somente pelo fato de nao dar a importancia devida a morte de Campos.

    • Torreal

      A entrevista poderia ser feita já na quinta, pois ela já conseguiu ficar a tarde toda falando com empresários para discutir financiamento para ela. Cadê o luto?

      Esse pessoal dá nó em pingo d’água…

      Abs,

      Lh

      • nao eh uma questao somente de Dilma.
        a Globo tb quer capitalizar a morte de Campos.
        todos querem.
        a Globo prefere focar na noticia.
        portanto nao ha espaco para entrevistas ainda.
        Dilma, Aecio, Everaldo, nenhum deles parou a campanha por causa da morte de Campos.
        eles simplesmente nao fizeram campanha de forma publica, mas apenas de bastidores.

      • Torreal,

        Boa tentativa de defesa, mas já estamos na sexta-feira e a entrevista ainda não ocorreu 😉

        Tempo para media training? hehehehe…

        Ah, e a Dilma recebeu empresários no dia seguinte, e meu texto mostra isso.

        Abs,

        LH

    • Porra, parece até que não leu a postagem.
      NO MESMO DIA DA MORTE ELA ESTAVA FAZENDO REUNIÃOZINHA COM EMPRESÁRIOS
      Já estava vendo como se beneficiar
      E não esqueça que ela e seu querido partido lançaram um texto detonando o falecido no começo do ano, e agora estão rasgando elogios.

      ACORDA!

  2. Muito bom divulgar isso. Espero que os leitores daqui estejam divulgando bastante isso, essa reuniãozinha de merda que ela fez na mesma tarde em que Campos morreu, enquanto alegava estar muito tristinha, aos prantos, usando roupa preta e de luto por causa da morte do cara que ela detonou em palavras há alguns meses atrás, fingindo estar triste e abalada e nhénhénhé pra não ter de enfrentar uma sabatina ao vivo.

  3. Pois e Luciano Ayan voce diz que nao ha evidencias da participacao de Dil-ma na morte de Eduardo Campos porem para mim e diferente , vejo evidencias e muitas. A mais importante delas foi a estadia na Granja do Torto de Raul Castro que recebeu visita de Putin e tudo com a conivencia de Dil-ma. Quem nos garante que Raul Castro e Putin nao planejaram e executaram via controle remoto a sua sanha de poder que essas figuras tem. O Brasil e um pais visado por essas criaturas maleficas. Por esses motivos penso sim que foi um ato terrorista infame e a responsavel foi sim a Dil-ma.

Deixe uma resposta