Avaliando Kátia Abreu pela ótica do ceticismo político, sem dó nem piedade

21
117

katia_vigarice

Como já disse mais de uma vez, o nome deste blog não surgiu pelo fato de eu achar a palavra “ceticismo” inspiradora, que ficaria ainda melhor se combinada com a palavra “político”. Ceticismo político é um método de disciplina mental para nos lembrar sempre de priorizarmos as alegações politicas no momento de elaborarmos nossos questionamentos.

Chego a dizer que o ceticismo político representa uma mudança radical na forma como encaramos a política. Enfim, é um método diferente que, a meu ver, pode ser extremamente útil para desmascararmos oponentes desonestos, especialmente por que treinamos nossos cérebros a identificar uma alegação política.

Vou discordar de Rodrigo Constantino em seus dois textos sobre Katia Abreu, escritos, respectivamente, ontem e hoje. O primeiro é Que vergonha, senadora Katia Abreu, e o segundo, Katia Abreu, quantas existem?.

No primeiro ele critica a seguinte mensagem de Kátia, no Facebook:

A presidente Dilma Rousseff sempre manteve as portas abertas para todos os setores. Ela comprova que oferecer políticas adequadas, construídas a partir do diálogo, é fundamental para promover o crescimento do País. Por isso, o meu apoio incondicional para presidente do Brasil é para Dilma, a mulher que seguiu mudando o Brasil e agora também vai nos ajudar a transformar o nosso querido Tocantins.

Em sua crítica a esta mensagem, Rodrigo corretamente fica indignado, mostrando o quanto Dilma fez mal à economia do país. Kátia, que sempre alegou defender o livre mercado, é vista como traidora por Rodrigo. Ele diz:

Mas não posso aceitar ou perdoar uma traição dessas! Saiba que muitos brasileiros de direita, defensores da propriedade privada, inclusive rural, que combateram sempre a ameaça socialista, os invasores do MST, as lideranças “indígenas” que colocam em risco muitas fazendas, tinham em sua pessoa uma esperança. Alguns chegavam a imaginá-la uma espécie de Thatcher tupiniquim.

Como defendê-la agora? Como explicar para essa gente toda suas palavras e ações? Como dizer que aquela Kátia Abreu, outrora uma firme combatente em nome do capitalismo e da economia de mercado, debandou-se para o lado de lá, apoiando com tanta paixão um partido golpista, do Foro de São Paulo, camarada da ditadura cubana, irmão dos invasores do MST?

Eis que no post de hoje ele menciona a coluna de Kátia na Folha de São Paulo, intitulada A falência bolivariana, mencionando-a como “irretocável”.

De acordo com a minha perspectiva, nem esta coluna em questão é irretocável (é o contrário: está cheia de embustes), nem Kátia era alguém a ser colocada em uma espécie de pedestal. Kátia Abreu apoiou o PT desde o início do governo dessa gente. Ela não é “enganada”. Enfim, ela só pode decepcionar quem esperava dela alguma coisa. Em estilo schopenhauriano, pode-se dizer que a decepção muitas vezes ampara-se em expectativas injustificadas.

Observe que minha crítica ao texto de Rodrigo é apenas uma divergência dialética. Defendo que a percepção que ele tinha de Kátia Abreu estava errada antes, e prossegue errada agora na análise do texto em que ela critica a “falência bolivariana”. Entendo que Rodrigo não usa o filtro do ceticismo político, que por outro lado norteia as análises vistas neste blog aqui.

Antes que eu prossiga, um interlúdio. Não estou me definindo como melhor ou pior do que outros geradores de conteúdo da direita. Acho que Rodrigo é muito melhor em economia do que eu, por exemplo. O objetivo da análise que farei a respeito de Kátia Abreu, destoando de ambas as análises dele, é que no escopo da política pública, noto que a perspectiva do ceticismo político é muito, mas muito mais eficiente. O que quero dizer aqui é que vou defender que a análise dele está errada tanto por confiar demais em Kátia antes, e por aceitar a coluna de Kátia agora. Repito: esta divergência de análise é apenas dialética. Se alguém quiser criar qualquer tipo de futrica além disso, será sumariamente ignorado, pois esta divergência de método de análise entre eu e Rodrigo não desrespeita de forma alguma o ótimo trabalho feito por ele.

Pronto. Podemos prosseguir.

Vou avaliar, portanto, o texto de Kátia Abreu pela ótica do ceticismo político, citando as partes mais interessantes.

É preciso, logo de cara, rever o que significa uma alegação política: é toda alegação que, se aceita, gera benefício a uma pessoa ou grupo em detrimento de outras pessoas ou grupos, em situações de conflito de interesse. Ceticismo político é o questionamento prioritário às alegações políticas.

Vamos começar:

Para quem tinha ainda alguma fantasia sobre a ressurgência do comunismo em nosso tempo, travestido de “socialismo do século 21”, a frustração não poderia ser mais completa.

Basta um parágrafo para começar a enganação. Para início de conversa, “comunismo” é um termo sem significado prático, pois quem leu Marx sabe que o comunismo é a promessa da sociedade sem classes, após um período de transição, o socialismo. Nunca vai existir o tal comunismo, e é por isso que ele foi idealizado desta forma. Quando alguém diz “antes existia comunismo, agora não existe mais” está deliberadamente enganando seu interlocutor, pois o que devia ser dito é o seguinte: “O socialismo floresceu pela via armada em países como Rússia, Cambodja, e China, mas hoje floresce sob outras estratégias de conquista de poder”.

Para além deste engano, Kátia faz a alegação: “o socialismo não é mais uma ameaça”. É uma alegação política, pois tudo o que o fraudador socialista quer é que sua fraude não seja percebida, e, se for, que seja considerada inofensiva. Mas, ao contrário do que diz Kátia, o socialismo é uma ameaça e temos que lutar contra ele. Claro que ela, como aliada do PT, não quer que nós estejamos preparados.

O peso da realidade mais uma vez se impôs, como se pessoas e partidos políticos nada tivessem aprendido com as experiências soviética, do Leste Europeu, da China maoista e de outros países. A fantasia tornou-se o fantasma que assombra a América Latina e, infelizmente, certos partidos políticos entre nós.

Outra alegação política, e novamente mais falsa que propaganda de pasta de dente. Ela quer nos fazer acreditar que “os socialistas erram no aceite de suas ideologias”, e que alguns “ainda tem o que aprender”. Dona Kátia, ninguém aqui é tonto a ponto de cair nessa conversa. O socialismo é feito para inchar o estado e dar poder para burocratas. Conseguiram enfiar essa trolha com sucesso na Rússia, na China e no Cambodja, e estão conseguindo enfiar a mesma trolha na América Latina.

Esses resultados do socialismo, beneficiando seus líderes, não são “fantasia”, mas uma realidade. É só ver como vivem Fidel Castro e Nicolas Maduro. Não parece que estamos diante de pessoas que “não aprenderam as lições”. Pelo contrário, eles aprenderam certinho a usar o socialismo da forma que ele foi planejado. E o plano tem sido executado à risca.

Cuba, farol dessa esquerda retrógrada, é um país empobrecido que, em seus melhores momentos, viveu somente da mesada da ex-União Soviética. Posteriormente, sua mesada foi substituída pelo petróleo barato enviado pelo ex-ditador Hugo Chávez.

Tadinhos dos irmãos Castro, não é? Eles devem precisar de consultoria da Kátia Abreu ensinando como ganhar dinheiro fácil. Notem o bate-estaca que ela usará sempre: “líderes socialistas são coitadinhos que não aprenderam”. Talvez o vendedor de bilhete premiado que não pode ser sacado (por não estar premiado, é obvio) deve ser um coitadinho “que não aprendeu” também, certo? Pela lógica de Kátia, deve ser esse tipo de preparo diante de fraudadores que ela quer que tenhamos.

A falência econômica é manifesta, sendo acompanhada por uma feroz ditadura que nada concede em termos de liberdade de expressão, imprensa e circulação. Os direitos humanos são sistematicamente pisoteados nessa ilha, tornada uma prisão. Não deixa de surpreender que atraia, ainda, adeptos em nosso país. A única explicação residiria no atraso ideológico das agremiações brasileiras de esquerda.

Ela não consegue parar de tentar nos enganar dizendo que “líderes socialistas são coitadinhos que não aprenderam”. Cinismo tem limites, Dona Kátia!

Pelo fato de haver pouca liberdade, há retenção de poder na mão dos ditadores. É exatamente por isso que os petistas (que Kátia apóia) tentam sempre censurar a mídia, implementar decretos bolivarianos e coisas do tipo. A explicação não reside “no atraso ideológico das agremiações brasileiras de esquerda”, mas na superioridade estratégica para jogar a guerra política que esses últimos possuem, além de um cinismo descarado. E ainda contam com a ajuda de gente como Kátia Abreu para chamá-los de “coitadinhos enganados”. Será que ela quer que comecemos a chorar pelos “enganos dos coitadinhos”?

A Venezuela inovou em seu socialismo. Em vez da conquista violenta do poder, optou por eleições que têm como único objetivo subverter a democracia por meios democráticos. Conseguiu, dessa maneira, captar a simpatia dos comunistas/socialistas brasileiros, em falta de ideias e orientação.

Que palhaçada é esta?!

Agora ela faz a alegação de que “os petistas são coitadinhos influenciados pelos bolivarianos da Venezuela”. Como são inocentes, não é, Kátia? Bem, essa é mais uma alegação política feita por ela. Como sempre, ela usa de falsidades, apelando à ingenuidade do leitor.

Qualquer um que tenha interesse em estudar e seja intelectualmente honesto sabe que o Foro de São Paulo foi criado pelos líderes do PT e de Cuba. Os ditadores da Venezuela são apenas aprendizes do PT. Dizer que os petistas possuem “falta de ideias e orientação” é mentira. Eles é que deram ideias e orientação aos bolivarianos da Venezuela.

Alias, a Venezuela não inovou em nada. O bolivarianismo hoje implementado por lá é a receita de Antonio Gramsci para a tomada do poder não pela força, mas pela revolução cultural, seguida de um aparelhamento do estado por sovietes.

De resto, está seguindo a cartilha cubana e “socialista” em geral. O resultado salta à vista. A liberdade de imprensa está sendo sistematicamente aniquilada, a oposição é violentamente perseguida e adversários políticos são considerados inimigos a serem encarcerados.

O Poder Judiciário torna-se uma pantomina a serviço do Poder Executivo. A economia está em frangalhos. A desorganização produtiva é total. Falta até papel higiênico. Só uma expressão pode nomear o que está ocorrendo: falência completa.

Falência do povo e sucesso dos líderes, evidentemente. Não se faça de sonsa, Kátia! Isso é muito, muito degradante. Lembremos o texto Para quem ainda acha que o socialismo “fracassou”na Venezuela: Presidência de Maduro custa U$ 2,5 milhões por dia.

A Argentina, em sua muito especial mescla de peronismo e bolivarianismo, está levando o populismo econômico a seu grau máximo de radicalização, acompanhado de severas restrições à liberdade de imprensa e dos meios de comunicação em geral.

Sim, na Argentina o socialismo deu mais certo do que no Brasil. Mas qual partido no Brasil está lutando ferrenhamente para implementar censura à mídia? Justiça seja feita, parece que o PMDB tem ajudado a refrear os instintos totalitários do PT. Mas o que importa é a intenção do partido…

De grande parceiro econômico, tornou-se um empecilho à própria expansão da economia brasileira. Atualmente, o país encontra-se novamente em situação de calote, depois de uma negociação forçada de um calote anterior. Ou seja, fundos e credores que não seguiram essa imposição autoritária tiveram, agora, ganho de causa em um tribunal americano. Se a situação argentina já era ruim, ficou ainda pior. Não é a retórica populista que tirará nosso vizinho do poço.

Quem está no fundo do poço? Os governistas? Ou a Argentina? As vezes fico pensando na hipótese de falha cognitiva para confundir uma coisa com a outra. Porém, é só ver que o benefício é sempre dado aos socialistas: “são coitadinhos que tomaram decisões erradas enquanto queriam tomar as decisões certas”. Por isso, não acho que Kátia seja uma ingênua. Aposto que ela quer nos enganar deliberadamente.

Ocorre, contudo, que esses vizinhos são membros do Mercosul e nossos parceiros em qualquer negociação bilateral que o Brasil faça ou planeje fazer. O Brasil está atado a países que estão se precipitando rumo ao abismo “socialista”.

Que terrível “sofrimento” este, não? Quer dizer que o governo está “atado” à turma do Mercosul? Mas não era o Lula que se orgulhava da liderança do Mercosul? É, Dona Kátia, pegou mal essa hein…

Não é mais possível o país atrelar o seu futuro a um Mercosul populista, pois teremos apenas o fracasso coletivo daquilo que já é a falência individual desses países.

Eu vejo de maneira oposta: a continuarmos por esse caminho, corremos o risco do socialismo obter sucesso por aqui. E se continuarmos achando-os “coitadinhos enganados”, aí é que a coisa fica definitivamente fácil para eles.

Urge que o(a) próximo(a) presidente da República reveja as orientações que têm presidido a nossa política externa. Entre elas, impõe-se que essa entidade volte a ser um mercado comum, comercial, e não uma associação aduaneira. 

Urge também que o vendedor de falsos bilhetes premiados da Sena comece a vender bilhetes premiados de verdade. O diacho é: para que ele faria isso? Essa Kátia é uma fanfarrona mesmo…

Se nem para o comércio serve plenamente, dadas as restrições existentes em nossos vizinhos, como esses Estados podem agir como um bloco? Não estaremos substituindo a realidade pela ficção ideológica?

Ficção é achar que os estados do Mercosul estão agindo como um bloco por que um espírito possuiu a mente de todos os líderes, e não por que são parte do Foro de São Paulo, organização que serviu para alinhar os interesses de partidos que queriam a mamata de tomar conta de estados socialistas.

Bem, é isso aí. Observem como as óticas são diferentes. Rodrigo Constantino considerou este texto de Kátia como “irretocável”. Depois dos filtros de ceticismo político que apliquei, só dá para qualificar o conteúdo dela como vigarice sem limites, tudo baseado na tentativa de derrubar nossos muros de precaução contra governantes socialistas depravados, que ela apoia incondicionalmente.

De fato ela considera que a Venezuela e Cuba são ditaduras, mas omite a culpa do governo petista em ajudar a primeira a implementar seus truques bolivarianos e a segunda a continuar se sustentando muito bem, obrigado. Tudo que ela tenta fazer é tratar nossos governistas como “crianças influenciadas por outros malvados, mas ainda assim boas pessoas que podem fugir da má influência”. Ela está tratando seus leitores como pascácios.

Não, Kátia! Aqui ninguém cai nesse truque. Nosso governo é bolivariano e deu aulas para Chavez de como tomar o poder de forma ditatorial. Também apoiou Cristina Kirchner em todas as suas tramoias. E agora querem implementar a censura de mídia por aqui. E lançaram o Decreto 8243.

Os petistas não são os influenciados nesse horror latino-americano, mas seus influenciadores. Eles não são aprendizes, mas mestres do barbarismo. Eles não estão “atados” ao Mercosul, mas apertando o nó, envolvendo todo o resto. Eles não são “atrasados”, mas extremamente inovadores em termos de táticas sujas para conquistar o poder. Eles não representam o “fracasso do socialismo”, mas o sucesso de sua variação mais perigosa: o bolivarianismo. Eles não precisam que os achemos “coitadinhos enganados”, mas como arquitetos de governos bárbaros por todos os países da América Latina que fazem parte do Foro de São Paulo.

A maestria deles é tamanha que até Kátia Abreu conseguiu fazer muita gente acreditar que ela defendia a “liberdade e o livre mercado”, enquanto escreve uma das maiores peças de desinformação dos últimos tempos. Tudo para ajudar o PT, obviamente.

Anúncios

21 COMMENTS

  1. “ela só pode decepcionar quem esperava dela alguma coisa.” Essa frase resume muito bem a questão inteira e tudo o que penso, nunca esperei nada dela….

    Caro Luciano, o Constantino esta engajado na criação do Partido NOVO, aquele partido um tanto suspeito que até agora não disse a que veio e que se diz nem de direita nem de esquerda, e acaba de ser “enganado” (será?) mais uma vez por esse lobo em pele de cordeiro…

    Estou começando a achar que o Constantino deveria ter aceitado aquela oferta q o Olavo fez a ele de aulas gratuitas do seminário do OC….

  2. Luciano, você me perdoe, mas eu acredito que você comete um erro de premissa ao tratar da Katia Abreu. É óbvio que o errado possa ser eu, mas há bastante tempo eu estou mais do que convencido de que essa mulher segue uma dieta rigorosa à base de capim e alfafa. Eu tenho certeza absoluta que ela acredita cegamente em tudo que escreveu. Ela não tem a menor noção do processo de subversão ideológica, nunca deve ter ouvido essa expressão, e nem muito menos sabe quem foi Antônio Gramsci, não sabe o que é socialismo ou o que de fato ocorreu na URSS e ocorre até hoje em Cuba e na China. Ela não sabe o que é o PT, nunca deve ter lido nenhuma ata do Foro de São Paulo, ou mesmo as atas das Assembleias do próprio PT.

    Eu te asseguro: Katia Abreu fala e escreve de corpo e alma, totalmente crente que as suas palavras correspondem a realidade!!

    É lógico que o texto não ficaria tão bom se fosse levado em consideração o fator “idiota útil”, pois é disso que se trata, mas supor uma sagacidade e uma malícia que essa senhora evidentemente não possui é superestimá-la muito além da realidade.

    Nem você e muito menos o Constantino trataram da personagem como ela realmente é. Eu passei uma período longo, desde 2011 com o péssimo hábito de assistir TV Senado e TV Câmara, principalmente a primeira, e eu vi a Senhora Katia Abreu comer muita poeira e ser passada para trás por inúmeras promessas e acordos que ela achava ter feito com o narcopetismo serem quebradas na maior cara de pau. Não foi só um, nem dois, nem três, foram vários chiliques histéricos, e mesmo assim ela continuou com essa postura passiva-agressiva demonstrando claramente não entender nada da tática revolucionária, e eu só vendo ela própria colocando a cordinha no pescoço.

    Se você precisa de um idiota útil como espécime para dissecar em textos futuros, pesquise a atuação política da Senhora Katia Abreu no Senado, nem precisa voltar muito no tempo. É uma perfeita anta, e ela é muito sincera em seu papel, pois eu creio ser impossível alguém ser passada para trás tantas vezes e ainda manter-se “parcialmente” apoiando projetos legislativo oriundos da ala narcopetista sem se dar conta de que apenas está sendo usada enquanto ainda é útil.

    E eu digo mais, ela é útil enquanto o agronegócio também se mantém totalmente alheio aos perigos que está correndo, de quem se apresenta e se comporta como “porta-voz”, pois se eles tivessem o mínimo de juízo já teria descartado Kátia Abreu igual fazem com um funcionário incompetente, inepto e despreparado.

    A sua análise continua válida para mim, pois eu aprendo através da repetição, mas o objeto analisado está totalmente desfocado, você analisa uma mentalidade que não existe, aquela cabecinha é completamente oca, se você gritar de um lado do ouvindo é capaz de ouvir o eco da sua voz.

    • Dennys,

      Eu não vejo motivos para duvidar de você, nem de suas percepções por ter acompanhado a trajetória delas com muito mais detalhes do que eu.

      Entretanto, em relação a ela ainda fico com a pulga atrás da orelha. E mesmo que ela tenha escrito há “enganations” no texto dela, mesmo que não sejam fraudes da parte dela, mas erros de percepção. No caso, ela enganaria a si própria, acreditaria em sua mentira e depois, sinceramente, nos convenceria das mentiras em que acreditou.

      Mas sendo assim, gostaria de ver a reação dela a este post, se ela tiver a oportunidade de ler. Dependendo da reação dela, podemos tirar as dúvidas.

      Abs,

      LH

      • “No caso, ela enganaria a si própria, acreditaria em sua mentira e depois, sinceramente, nos convenceria das mentiras em que acreditou.”

        Mas é rigorosamente é o que acontece. Ela não tem a menor noção de onde está se metendo, nem ela e nem a grande cúpula do PMDB. Eles não tem assessoria qualificada, não sabem o que acontece com os “aliados” de grupos revolucionários gramscianos e muito menos teria capacidade sequer para entender as críticas que você elaborou.

        O seu texto para ser compreendido, como já disse o Olavo de Carvalho inúmeras vezes, demanda que o interlocutor esteja consciente do conjunto de fatos em análise, no caso, a natureza e o histórico dos grupos revolucionários, ou do contrário é o mesmo que está falando com um cachorro.

        Ela tanto engana a si própria, como engana o próprio agronegócio. Você pode se informar: há um Senador do Mato Grosso do Sul que é um dos maiores fazendeiros do País, tem tanto dinheiro que não sabe nem o que fazer, ai veja o que o filho faz? Tem uma casa de shows no Paraná e não tem a menor noção de como irá administrar o patrimônio da família.

        Essa gente não estuda, não pesquisa, não se informa, eles acreditam que já sabem de tudo, eles só pensam em dinheiro, não tem uma visão estratégica de longo prazo, comem as migalhas que lhes são oferecidas como cala-boca e nem são capazes de ver o abismo a sua frente

        A minha cachorrinha tem mais condições de compreender as suas palavras do que a Kátia Abreu.

        A Radio Vox tinha um programa às segundas-feira chamado “Tratamento de Choque” que abordava as principais questões políticas sob uma ótica semelhante a sua. Uma série de três programas chamados “Agenda para Oposição” fala exatamente sobre a manifesta ignorância suicida do agronegócio. Vale a pena analisar o que eles expõem e revelam. Katia Abreu é apenas um subproduto de uma cegueira maior que aflige o próprio setor que a mesma alega defender.

        https://soundcloud.com/rvox_org/tratchoq-21-01-2014

      • Agora pense na seguinte possibilidade: a do pessoal do PMDB de fato saber o que o PT é e ACHAR QUE PODE CONTROLAR os ímpetos deles. Mesmo assim, é do interesse deles serem reconhecidos como o fiel da balança.

        Neste caso, é benéfico para eles que acreditemos em sua ingenuidade, ao invés de maledicência.

        Mas vários líderes do PMDB já associaram o PT ao bolivarianismo.

        Pelo comportamento deles em relação ao assunto, eu aposto na hipótese de cinismo PMDBista.

        Uma forma de tirar a provar é esfregar os fatos nas fuças deles e testar suas reações.

      • Acho que compreendo o Luciano. Na falta de conhecimento mais profundo a respeito de um enganador (conhecimento que, no limite, ainda pode estar equivocado), antes pecar pelo excesso considerando que ele é um enganador consciente do que partir do pressuposto de que ele é mais um idiota útil que simplesmente repassa suas percepções equivocadas.

      • Eu entendi! Não descarto nenhuma possibilidade, e já fazia tempo que alguém precisava enquadrar a Senhora Kátia Abreu, não com a vã esperança de acordá-la do seu torpor, porque eu acho isso impossível de acontecer, mas para alertar o agronegócio, que é quem coloca comida na nossa mesa e segura duramente a nossa balança comercial.

        As críticas a Senhora Katia Abreu devem ser o mais duras possíveis, a perspectiva adotada é, pelo menos para mim, o que me importa, pois o resultado a ser buscado é desnudar a sua incompetência enquanto representante de um dos setores mais importantes da sociedade.

        Eu estou parcialmente de acordo com essa hipótese de “ingenuidade” do PMDB, que pensa ser capaz de segurar as rédeas do monstro revolucionário, pois mesmo aos mais atentos e céticos especialistas não é tão simples compreender seguramente todos os truques e artimanhas do bicho.

        Acontece que o PMDB, desde as eleições municipais de 2012, já vem sofrendo muita dificuldade para se manter na condição de maior partido, ou pelo menos o mais capilarizado pelos interiores, que é a sua maior vantagem em relação aos demais. E se eles insistem nessa ideia de que podem controlar, que podem domar o monstro, menos sofrendo evidentes perdas de território, não apenas para o PT, como também para o PSD e outras siglas tão esquerdistas quanto, então só me resta insistir na tese da mais completa e absoluta estupidez.

        A não ser que tenha havido uma infiltração maciça de narcopetistas nos quadro do PMDB de tal modo que lá eles estejam conduzindo o partido a uma espécie de autofagia suicida. É uma hipótese.

        No entanto, especificamente com relação a Senhora Katia Abreu, quem não a conhece, quem nunca viu seus chiliques histéricos depois de uma boa rasteira petista, quando lê seus argumentos e mais dos do Constantino, julga que ser a mesma uma mente ardilosa, hábil e sagaz, qualidades que estão anos-luz de corresponderem a verdade.

        No fim, você termina fazendo um ótimo serviço (involuntário) de recuperação da imagem de alguém que mereceria a mesma consideração estratégica do que o Deputado Tiririca.

      • Isso é um choque!! Eu preciso refletir e reorganizar meu pensamento depois disso. Uma coisa é certa: essa coluna causa muita perplexidade (pelo menos a mim) e com ela ainda mais dúvidas e temores sobre o significado dessa vinculação com a imagem do PT. O que isso significa? Até mesmo para as contradições morais existe um limite! Isso é muito mais do que desinformação: é escancarada manipulação psicótica. Com isso ela se coloca como uma inimiga inconteste dos interesses do agronegócio!

  3. Perfeito, Luciano. Eu mesmo cheguei a ser um dos que se deixaram iludir por essa mulher (percebi minha cretinice há alguns meses quando a vi se desmanchando em elogios a Dilma no Twitter).

    Essa história toda da Kátia Abreu me faz lembrar de outra figura considerada uma “decepção” para muitos da direita: Índio da Costa, que em 2010 foi candidato a vice do Serra e causou polêmica ao afirmar que o PT era aliado das FARC no narcotráfico (na época até o Olavo elogiou sua coragem em um TrueOutspeak). A reação do PT foi bastante assertiva e houve até ameaça de processo. Indio da Costa, embora não retirasse as afirmações, nunca mais tocou no assunto. Hoje ele é filiado ao PSD (base aliada) e atua como secretário estadual de um governo do PMDB (também base aliada), embora diga apoiar Aécio.
    Pois bem, ao fim de tudo, o silêncio que fez após ter causado tanto barulho gerou apenas a vitimização do PT, a ridicularização e o descrédito a todos que mostrem as evidências do conluio entre os petistas e as FARC e o total silêncio da oposicinha em relação a essa questão.

  4. Muito boa matéria, de fato tanto o texto principal, do Luciano, como a exposição feita pelo lorddenn se complementam, no meu ponto de vista. É muito difícil julgar o que, ou quem, uma pessoa de fato pensa ou é. e os dois textos mostram sob pontos de vista diferentes, o que a senadora pode ser.

    Com as informações dos dois, fica mais fácil acompanhar o que ela diz e avaliar até que ponto ela comete conscientemente as fraudes que o Luciano apontou ou é simplesmente uma inocente útil em todo o processo. Em ambos os casos, é possível agir no sentido de minorar os efeitos deletérios do que ela escreve ou desmascarando as fraudes, ou esclarecendo-a, conforme ela confirme uma ou outra coisa.

  5. “Não há, no mundo, elites mais alienadas do que as nossas. E convém falar, em especial, dos nossos intelectuais. São socialistas, em sua maioria absoluta. Pode-se perguntar: — à maneira sueca? Não e jamais. Ninguém fala da Suécia, porque lá não houve sangue, nem ódio, nem extermínio, nem escravidão. Portanto, a Suécia não interessa. O nosso intelectual está de olho no socialismo totalitário da Cortina de Ferro. DIRÁ ALGUÉM QUE ELE, INTELECTUAL, POR BOA-FÉ, INGENUIDADE OU SIMPLESMENTE BURRICE, É VÍTIMA DE UMA FUNESTA ILUSÃO. MENTIRA. NINGUÉM QUE LIGUE DUAS IDÉIAS TEM O DIREITO DE SE ILUDIR A TAL PONTO. A experiência socialista é a mais gigantesca e vil impostura do nosso tempo. E o intelectual é o primeiro degradado, sempre. O romancista, o poeta, o cineasta, o dramaturgo, o crítico, o artista plástico, o compositor, todos, todos são rigorosamente escravos. E quando um ou outro insinua um vago lamento, vem a polícia e o interna como louco. E os psiquiatras do Estado o tratam como doente mental perigosíssimo. Ou, então, é fisicamente destruído.” (Nelson Rodrigues)

    Bom post.

  6. ““o socialismo não é mais uma ameaça”. É uma alegação política, pois tudo o que o fraudador socialista quer é que sua fraude não seja percebida, e, se for, que seja considerada inofensiva. Mas, ao contrário do que diz Kátia, o socialismo é uma ameaça e temos que lutar contra ele. Claro que ela, como aliada do PT, não quer que nós estejamos preparados.”

    O que vc acha do Reinaldo Azevedo que diz exatamente a mesma coisa que a Kátia Abreu nesse particular, que o PT não é socialista/comunista.

      • O Reinaldo acha que o PT é um partido autoritário, totalitário, mas não acha que é comunista, socialista, na minha opinião um absurdo que serve de desinformação. Isso é ficar mais preocupado em não ter a pecha de teórico de conspiração dos adversários do que falar a verdade.

Deixe uma resposta