Inacreditável! Eduardo Guimarães usa resultados de crime de espionagem empresarial para pressionar Santander no caso de executiva demitida

8
63

blosta

Na eterna luta pelo recorde de baixarias em prol do governo, a BLOSTA vai se superando a cada dia que passa. A continuar nesse ritmo, provavelmente alguns deles logo vão estar postando fotos falsas de adversários políticos praticando sexo explícito.

Em um recente post, Eduardo Guimarães, em seu Blog da Cidadania, cometeu algo que deve surpreender até seus companheiros de terrorismo ideológico. Ele simplesmente praticou crime de espionagem empresarial, ou ao menos endossou a prática de espionagem. A vítima do ataque hacker foi o Banco Santander.

As evidências do crime podem ser vistas no texto Santander não demitiu executiva que autorizou ataque a Dilma. Não mostrarei os printscreens que Guimarães usou em seu texto, pois eu estaria endossando seu crime fazendo isso.

Basicamente, ele obteve a partir de um hacker de dentro do Banco Santander (algum funcionário, provavelmente sindicalizado e pró-governista) printscreens mostrando que a executiva Sinara Polycarpo Figueiredo na verdade não teria sido demitida, mas movida para outra área. Para pessoas civilizadas, isso seria um alívio, mas para os petistas, a demissão de Sinara se tornou ponto de honra. Eles estão ávidos por vingança e não esquecem jamais!

O problema está em como a informação foi obtida, como já disse, a partir de espionagem empresarial. Leia abaixo, a partir do texto do próprio Guimarães:

Ao longo dos últimos dias, o Blog investigou os indícios de que as demissões anunciadas pelo Santander teriam sido simuladas. A desconfiança era a de que a mensagem política aos clientes endinheirados não fora produto de um desatino de alguns poucos funcionários.

A investigação empreendida pelo Blog chegou ao fim na última sexta-feira após uma informação surpreendente: ao menos Sinara, a funcionária mais graduada que teria sido demitida, continua trabalhando no Santander. Ao menos oficialmente.

O que há de surpreendente nessa informação não é a confirmação da suspeita do Blog, mas o fato de que qualquer funcionário do Santander pode confirmar o que está sendo dito aqui, pois a tela do sistema do banco que dá acesso ao catálogo de endereços de e-mail dos funcionários mostra que Sinara ainda trabalha lá.

Veja, abaixo, as impressões das telas do sistema do Santander que confirmam que Sinara Polycarpo Figueiredo ainda é funcionária do banco, pois, segundo as fontes do Blog naquela instituição, quando um funcionário é demitido, em poucas horas seu nome e demais dados são apagados do cadastro de funcionários, que pode ser consultado por qualquer um que lá trabalhe.

Bem, você não verá os printscreens aqui pois eu não endosso crimes. A pergunta é: que raios de “investigação do blog é essa”? Mesmo que “qualquer funcionário do Santander possa confirmar”, eles assinaram um termo de confidencialidade (a partir da área de Segurança da Informação, existente em qualquer instituição de grande porte – e isso existe no Santander) proibindo que eles enviem coisas como lista de funcionários, balanços contábeis e quaisquer outras informações para fora do Banco.

Se uma executiva ainda está trabalhando no Banco, isso é uma informação da empresa. Também ninguém pode saber se o sistema de RH foi atualizado ou não – e as vezes isso demora, principalmente por que o desligamento de um funcionário precisa ser homologado. Se o funcionário tiver algum tipo de estabilidade, ele poderá ficar nos registros por anos. Ou seja, apenas um printscreen não prova nada. E mesmo que provasse, é terminantemente proibido obter qualquer documento neste sentido.

O funcionário que enviou os printscreens só poderia fazê-lo a partir de uma autorização de um superior, o que é impossível de ter ocorrido, pois este superior lhe perguntaria: “O que você quer fazer com essa informação?”. Se ele não tem essa autorização, então roubou informação do banco para beneficiar um grupo político. Isso é crime contra a empresa, no mínimo passível de justa causa. Pergunte a qualquer Gerente de Segurança da Informação.

Guimarães pode estrebuchar, dizendo: “Mas como eu posso saber se Sinara continua lá? Queremos a cabeça dela! Não aguentamos mais ficar sem essa informação!”. Que ele procurasse os meios legais para isso, oras. Ele pode pode pedir um processo contra o Banco Santander, dizendo se sentir lesado por que foi mencionado na mídia que Sinara foi demitida por pressão do PT. Não sei se isso vai colar, ou se ele precisará arrumar outro pretexto. Mas nada justifica quebrar a lei.

Era só o que faltava. Agora já não basta eles quererem implementar sovietes e censura de mídia. Os governistas também fazem uso de hackers dentro das empresas, roubando informações sigilosas, sem a menor validade jurídica, para promover suas agendas políticas.

Cabe ao Santander chamar seu Gerente de Segurança de Informação, descobrir como a informação foi tirada de lá, e demitir o funcionário por justa causa, lançando-lhe um processo criminal logo em seguida. Vale também o processo contra Eduardo Guimarães por “empreender uma investigação” dependente do uso de ladrões de informações corporativas.

Como eu avisei antes, o Banco Santander não deveria ter ficado de joelhos para o governo. Agora, membros da BLOSTA partiram para o desaforo de usar hackers para roubar informações, no que temos mais que o cúmulo da afronta e da falta de ética, como também da práticas de crime de espionagem.

Até onde esse Guimarães é capaz de descer eu sinceramente não sei, mas o Santander não pode ficar de joelhos diante disso de novo.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Luciano, olha o que uma cidadão comentou:

    “Ela pode dizer o que quiser, mas não numa concessão estatal. O Santander e/ou sua funcionária usar uma concessão do Esstado para explorar o mercado financeiro em plena campanha eleitoral é tão ilegal que o banco mentiu dizendo que “não sabia” e que “demitiu” os funcionários envolvidos no caso. Você não conhece a lei, mas o Santander conhece”

    Eu não sabia que Banco é uma concessão estatal!

    • Não sei onde ele viu uma concessão em cartas sendo enviadas para clientes de um banco, repetindo o que até agências internacionais tem dito. São tão sem-vegonha que quando a realidade for inegável com a economia em frangralhos farão como fazem na Argentina e Venezuela, culpando os empresários, e a “ingerência” dos EUA, ou seja, sempre as mesmas rotinas.

  2. Olha aí a “Stasi bananeira” (forma curta de Ministerium für Staatssicherheit, “Ministério para a Segurança do Estado”) sendo formada.

    Até meados da década de 1980, uma rede de informantes civis (inoffizielle Mitarbeiter) cresceu nas duas margens da fronteira interior alemã. Estima-se que, no momento da extinção da RDA em 1989, a Stasi contava com cerca de 90 mil funcionários a tempo completo e por volta de 175 mil informantes.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Stasi

  3. QUE BAIXARIA DOS DEMÔNIOS.
    Criminoso esse Eduardo Guimarães, merece as grades por INCENTIVO AO CRIME, já que incentivou um funcionário do Santander a passar esse tipo de informação sigilosa.

    Eduardo Guimarães, vc não vai sair ileso dessa. Dê adeus ao Sol como vc vê nascendo todo dia, POIS VC VAI ACABAR NA MÃO DA POLÍCIA QUE VC E SEUS AMIGOS PODRES TANTO DETESTAM.
    Criminoso! Marginal. Verme da sociedade.

Deixe uma resposta