Na luta contra a “desigualdade”, o MinC aprova R$ 4,1 milhões para turnê de Luan Santana

21
78

img-624852-luan-santana-em-cuba20140812161407870776

Conforme visto há pouco tempo no Jornal A Tarde, no início deste mês o Ministério da Cultura aprovou um projeto de R$4,1 milhões para 15 shows de Luan Santana. Sabe como é: a tal Lei Rouanet. Leia mais:

O Ministério da Cultura (MinC) aprovou um projeto de R$ 4,1 milhões para 15 shows de Luan Santana, para captar recursos pela Lei Rouanet, de incentivo à cultura. Na quarta-feira, 6, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) deu o aval para o projeto e divulgou no site do ministério.

O cantor fará shows da turnê “Nosso tempo é hoje”, do álbum homônimo lançado no final de 2013. O projeto proposto ao MinC pela empresa do artista (LS Music Produções) visa “difundir as raízes sertanejas enquanto manifestação cultural e artística a partir da música romântica, além de sua história e influência na formação da sociedade contemporânea”, e “promover acesso a entretenimento musical de qualidade”.

A aprovação do projeto não garante que o mesmo seja patrocinado. É apenas o aval para que o cantor busque o valor junto a empresas, que têm, em troca, abatimento de imposto proporcional ao valor investido. A comissão de avaliação agrega representantes de artistas, empresários e sociedade civil.

A Lei Rouanet incentiva projetos culturais diversos, contemplando artistas independentes e famosos, como já fez com Milton Nascimento (R$ 957 mil), Jeito Moleque (R$ 2,4 milhões), Parangolé (R$ 300 mil), Claudia Leitte (R$ 5,8 milhões) Rita Lee (R$ 1,8 milhão) e Detonautas (R$ 1 milhão).

Os shows de Luan Santana estão planejados para Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Campo Grande, Cuiabá, Recife, Rio Branco, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Uberlândia (MG), Macaé (RJ), Londrina (PR) e Ribeirão Preto (SP).

O valor aprovado pelo MinC não foi o proposto pela LS Music, de R$ 4,6 milhões. Mesmo que ingressos sejam vendidos, a lei exige que parte deles seja distribuida gratuitamente a associações assistenciais, como forma de democratizar o projeto. A produtora pediu R$ 21,6 mil para a confecção das entradas.

E a produtora dele ainda queria mais! Pediram R$ 4,6 milhões. Não é uma moleza?

Assim fica fácil ir para Cuba e elogiar o país de Fidel, como ele fez recentemente:

Luz, câmera, ação! Ídolo da música sertaneja, Luan Santana (23) acaba de dar mais um importante passo na carreira, agora, em âmbito internacional. Movido a desafios e apaixonado pelo ofício, o cantor aterrissou em Havana, a capital de Cuba, para gravar clipe de Bailando, single de Enrique Iglesias (39) com quem o sul-matogrossense fez dueto. “Cuba é um lugar lindo demais”, resumiu Luan, que em cena andou de bicicleta, dançou pelas ruas da cidade e ainda jogou bola.

Com o valor que Luan Santana poderá captar (dividido por R$ 164,00) daria para pagar 25.000 benefícios do Bolsa Família.

Mas ele deve ser um coitadinho, vítima da desigualdade, pois é um pé rapado perto de Justin Bieber. Talvez essa caridade do governo seja para ajudá-lo a se “igualar” ao menos um pouco com o similar norte-americano.

Será que esse elogio à Cuba é espontâneo ou faz parte do negócio?

Anúncios

21 COMMENTS

    • A mensagem que ele passa é a seguinte: quatro anos atrás o Brasil estava bem, mas a Dilma ferrou tudo.
      Ou seja, Lula está absolvido de todas as merdas que ocorrem no Brasil hoje.

      Tucano sendo tucano. Inacreditável a capacidade que o PSDB tem de se autossabotar.

      • Ele disse “o Brasil está pior do que a quatro anos”, eu não vi ele dizer que a “quatro anos atrás o Brasil estava bem”. Ou você ouviu errado, seu cérebro lhe enganou, ou está tentando distorcer a verdade.

        Para não ficar dúvida, vamos supor que ontem você esteja apenas com dor no pé, hoje a dor esteja pior e se alastrou para a perna. Sendo assim, se você disser que hoje está pior que ontem, não quer dizer que ontem você estava bem.

      • Os marqueteiros tucanos acham que atacar o Lula no Brasil, é a mesma coisa que atacar o Nelson Mandela na Africa do Sul. Eles dão de bandeja uma importancia da qual ele nunca teve. Ficar esperando alguma coisa do PSDB, é tão angustiante quanto esperar um relacionamento estável com uma prostituta.

  1. Observem que mesmo passando 39 anos os problemas são os mesmos inflação, balança comercial,Petrobrás ate uma Passadena da época(Iraque), desculpa de uma crise internacional etc, parece a Dilma no horário politico.

    Vídeo mostra o pronunciamento do presidente Geisel na segunda crise do petróleo

  2. isso gera revolta no pessoal que produz cultura fora do circuito mainstream.
    tal dinheiro deveria servir para fomentar formas de cultura e lazer que nao fossem viaveis economicamente.
    uma merda.

    • Ué, mas é nisso que dá deixar na mão do estado a produção cultural. Isso é socialismo.

      A única forma de se resolver isso é acabar com a Lei Rouanet. Ela não agrega nada de valor para o Brasil e só serve como instrumento de compra de apoio político.

      • sou a favor de o estado subsidiar producoes culturais que nao sejam viaveis para que a producao artistica nao seja um simples mercado.
        mas obviamente nao sou a favor de dinheiro publico investido em algo desnecessario como shows que obtem lucro.

      • Torreal,

        Avaliações artísticas são subjetivas. Ou quem imagina que a Sarah Boyle viraria uma milionária? Ela era underground…

        É claro que qualquer projeto de “Lei Rouanet” sempre vai gerar dinheiro na mão de artista que apoiar o governo…

        E seus “critérios” não bloqueiam esse risco.

        Abs,

        LH

    • Torreal, poderia me dá exemplos de culturas que não são viáveis economicamente?
      Só lembrando que para patrocinar cultura existem vários sites de crowdfunding (Kickstarter, Indie Go Go, Catarse, Kickante etc).

      • varios exemplos. temos teatro underground, rock underground, artes plasticas, livros para pequenos nichos. cultura nao deve ser simplesmente mercadoria a venda, deve ser acessivel.
        cultura e arte precisam de mais motivacoes do que a simples venda.
        sites de crowdfunding sao uma novidade que ainda nao podemos analisar direito.
        nem sabemos se isso vai durar.

      • hahahehe

        Hoje em dia com a internet, o teatro underground pode ser filmado e ir para a Internet.

        Vale para qualquer coisa.

        Rock underground? fico imaginando aquele monte de banda de trash metal ganhando grana do estado. voivod, celtic frost, overkill e vários outros nunca precisaram disso…

        Notou que vc está criando uma necessidade que não existe?

        cultura e arte precisam de mais motivacoes do que a simples venda.

        Ué, se algo tem mais motivações do que a simples venda, vamos para os underground. Eles já existem.

        sites de crowdfunding sao uma novidade que ainda nao podemos analisar direito.
        nem sabemos se isso vai durar.

        Se crowdfunding é facilitado pela Internet, que só tende a crescer, qual o motivo para o ceticismo?

        Teu discurso parece (eu disse parece) desculpa esfarrapada para usar verba estatal politicamente. 😉

      • “varios exemplos. temos teatro underground, rock underground, artes plasticas, livros para pequenos nichos. ”

        Bom, para inicio de conversa eu não sei de onde você tirou que rock underground não é viavel economicamente.Se isso fosse verdade não existiriam festivais de rock underground (existem vários).O próprio Dead Fish (que é rock underground) conseguiu financiar um disco via crowdfunding.

        http://www.catarse.me/pt/deadfishoficial

        A propósito, no próprio site tem as categorias de tudo que você citou.

        http://www.catarse.me/pt/explore

        “cultura nao deve ser simplesmente mercadoria a venda, deve ser acessivel.”

        Ora, quer algo mais acessível do que o crowdfunding?
        Qualquer um pode colocar a idéia que quiser com regras mínimas.Bem melhor do que edital que financia Luan Santana e cia.

        “sites de crowdfunding sao uma novidade que ainda nao podemos analisar direito.
        nem sabemos se isso vai durar.”

        São uma novidade no Brasil.Em outros países é financiamento coletivo é algo comum.

  3. Eu tenho uma dúvida, e o dinheiro dos ingressos que serão cobrados, irão para o bolso do pobre Luan, sei que, sendo de meu interesse eu deveria pesquisar, mas, com tanta BLOSTA até isso fica difícil, você faz uma busca sobre projetos do governo e nem sabe que mentiras pode encontrar, ainda mais esse tema recente, e acho que ficou mais essa questão em aberto para complementar o post.

  4. A esquerda caviar fede. São safados que se beneficiam do estado inchado. Eu não sei o que é pior, o governo patrocinar o Luan Santana com 41 milhões – 41 MILHÕES (O.O), talvez eu saiba – do nosso dinheiro, ou incentivar a “cultura”, dando 400 mil reais do nosso dinheiro para uns hippies fazerem uma performance (despirem-se) na FLIP, cuja causa é “Homens, Libertem-se”, pregando a desconstrução dos gêneros e o uso de saias para homens. Esse fascismo e essa locupletação já foram longe demais.

    “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.” (Ruy Barbosa)

  5. Eu não me enganei, só me esqueci da vírgula. São 4,1 MILHÕES do dinheiro público (O.O) para um artista que tem jatinho particular. A Lei Rouanet tem de acabar!

  6. A parte mais engraçada do texto foi “promover acesso a entretenimento musical de qualidade”.

    O dia em que o Minc disser que vai patrocinar porcaria, então… teremos que acender uma vela pra cada santo, e aguardar o fim.

Deixe uma resposta