Sobre a decisão de Minerva entre Marina ou Dilma, e por que discordo de Lobão neste caso

54
80

lobao-joice-veja-465x268

Achei sensacional o livro de Lobão, Manifesto do Nada na Terra do Nunca, um dos mais eficientes para denunciar a perigosa atmosfera criada no ambiente cultural pelos esquerdistas. Além disso, é muito bem escrito. Uma leitura agradabilíssima e urgente.

A forma cabeça aberta usada por ela para abordar os assuntos da política e a maneira incisiva para denúncia do patrulhamento ideológico petista também são destaques.

Mas não posso deixar de discordar de algo que ele falou em uma entrevista à Joice Hasselmann, para a TV Veja. Antes, veja o vídeo:

Repare a partir de 2:10, quando Joice lhe questiona se realmente Marina é uma opção pior, melhor ou igual ao PT, Lobão a chama tanto de “incompetente” quanto a Dilma. Lá pelas tantas ele diz que optar por Marina é a mesma chance de “golpe de estado”. Está aí a chave do problema.

Diante das opções, notamos que a direita não está avaliando a questão estrategicamente, principalmente se considerarmos o mesmo ponto de urgência aqui definido de forma argumentativa: ganhar mais tempo para criar uma consciência de direita, a fim de conseguirmos ter uma representação efetiva de direita em 2018 ou até em 2022. E nesse período, ter liberdade para fazê-lo. Esta é a prioridade zero: garantir essa liberdade. Só poderemos fazer isso se o partido vigente (ou algum outro) não estabelecer uma ditadura. Ponto.

Por isso, quando alguém fala em “competência” ou “incompetência’, essas se tornam palavras vazias se não estiverem associadas a um referencial. Em relação à direção da economia, eu concordo plenamente que Marina e Dilma parecem incompetentes.

Mas em relação à implementação de um projeto totalitário (ou seja, a conquista da trincheira final da direita) não dá dúvidas: Dilma é muito mais competente do que Marina, até por ter tudo prontinho. Estamos comparando uma empresa tanto como uma marca como uma estrutura sólidas com uma start-up. Não se toma decisões levianamente assim em assuntos tão críticos.

Minha questão é simples: será Marina mais competente que Dilma para implementar uma ditadura? Se me apresentarem argumentos convincentes em prol disso, posso mudar de decisão e votar em Dilma num segundo turno. Se não me apresentarem argumentos nesse sentido, fica claro que meu argumento de que Dilma é muito mais competente para implementar uma ditadura em um curto espaço de tempo fica cada vez mais sólido. E isso sustenta minha decisão de votar contra ela.

Quando Lobão fala de “incompetência” de Marina, sem citar o referencial, acaba mais confundindo que esclarecendo. Por exemplo, se Marina for tanto incompetente quanto possuir menos capacidade de implementar um projeto totalitário em curto espaço de tempo, isso é ótimo para nós. Se ela tiver intenções totalitárias e for incapaz de construir alianças, isso também parece bom para nós.

Imagine-se na seguinte situação. Você está diante de uma decisão entre apoiar uma empresa ou outra na conquista de 50% do market share. Uma empresa tem uma marca estabelecida, assim como estrutura, equipe, capacidade e diversos itens a seu favor. A outra está começando agora e tem um produto novo, mas você não sabe nada sobre estrutura, equipe, capacidade e recursos. Sair dizendo “dá no mesmo, pois as intenções parecem iguais” é de uma leviandade absurda. Com tantas diferenças em termos estruturais e de capacidade entre as duas empresas, é claro que “dá tudo no mesmo” é a pior resposta. Ou é um ou é outro, e para cada decisão devem ser apresentados argumentos. E se existirem argumentos para a similaridade absoluta, estes argumentos devem ser ainda mais fortes.

Entendo que a argumentação “dá tudo no mesmo” é perigosíssima para nós, pois isso mostra que a direita tem optado por análises decididamente porcas e emocionais em uma questão de extrema seriedade. E note sempre que eu deixo o canal aberto e me coloco à disposição para ouvir argumentos em contrário.

O mais engraçado é que em maio deste ao, eu publiquei o post Por que, em termos estratégicos, apoiar o PSDB até as eleições é a melhor opção para a direita?, onde concluí o texto desta forma:

Tenho plena consciência que alguns puristas não gostarão desta abordagem, mas o purismo não nasceu para conquistar resultados. Não foi com o purismo que o PT, o partido das grandes monstruosidades morais, chegou ao poder. Não é com o purismo que os tiraremos de lá. Para tirá-los de lá é preciso de estratégia política, e parte essencial dessa estratégia envolve a escolha adequada de nossas batalhas.

Os argumentos dizendo “é tudo a mesma coisa” ou “PSDB é igual ao PT” foram lançados naquela época. Agora, a direita parece mais conformada em apoiar Aécio, mas a mesma fúria tem sido lançada contra Marina. Por outro lado, eu defendo, como Alinsky sempre dizia, que devemos planejar melhor nossas decisões e nos adaptarmos às mudanças de cenário. Hoje em dia, conforme defendi, apoiar a Marina é melhor por sua incapacidade aparente de implementar um projeto totalitário de forma tão rápida como o PT pode fazer.

Enfim, um dos problemas graves a serem resolvidos é a leviandade com que decisões estratégicas e difíceis tem sido tomadas por formadores de opinião de direita, usando muitas vezes o abominável “dá tudo no mesmo”, o que é o abandono da argumentação racional em prol do uso do desabafo como estratégia política.

Anúncios

54 COMMENTS

    • Paulo,

      Os trackings do próprio PSDB já estão dizendo que Aécio e Dilma perderam cada um três pontos para Marina, que estaria com 27%. ]

      E quando multiplicarem esse vídeo abaixo então, a coisa vai complicar para Dilma:

      Abs,

      LH

      • Essa mensagem é um verdadeiro canto-de-sereia, que vai encantar, seduzir e deslumbrar o brasileirinho, típico elemento do conjunto Zé-Povo-Oco.

        O povinho brasileiro pode ser visto como um conjunto a ser usado numa operação cartesiana hipotética:

        | Conjunto Zé-Povinho | INTERSECÇÃO | Conjunto-Inteligentes | = | Conjunto-Vazio |

        There is no such kind of “major-intelligent-people” in the fucking ass-hole South America’s country named Brazil.

        Ave Marina! Morituri te salutant.
        ……….

  1. Luciano, já entendi seu ponto. Porém, nós todos da direita estamos caindo na armadilha de levar essa discussão Dilma x Marina para o centro do debate. Isso só interessa aos intelectuais orgânicos da esquerda. O momento é de bater nelas e falar Aécio Presidente, Aécio Presidente, Aécio Presidente, Aécio Presidente!! Sem parar!

    Quem quiser bater mais em Dilma, que o faça. Quem quiser bater em Marina, que o faça. Quem quiser promover Aécio, que o faça. E quem quiser fazer os 3 ou 2 das 3 opções ao mesmo tempo, que o faça. O que não podemos é ficar dando ênfase a essa questão.

    É hora de cobrar assertividade do Aécio e apoiá-lo ao mesmo tempo, além de criar frames contra os adversários. Hoje Dilma apareceu no programa eleitoral cozinhando de terninho, vestida de “presidenta”. Grande chance de associá-la com “falsidade”.

    • Tomé,

      Entendo sua crítica, e vejo este risco. Porém, ele se baseia em uma NOVA PRIORIDADE de algumas pessoas da direita, que estão optando por atacar Marina e esquecendo-se do mal maior, que é o PT.

      Eu acho que devemos cobrar assertividade do Aécio e apoiá-lo nisso. Mas o foco do ataque, a meu ver, deveria ser o PT.

      ABs,

      LH

      • Luciano,

        Acredito que isso ocorre porque os fatos já são contra a Dilma o que leva acreditar que nenhum ataque é maior que a realidade econômica, por outro lado Marina nunca fez nada para ser tão aprovada, a não ser uma obra de mistificação baseada numa construção bem feita e por isso, deve ser atacada.

        Como se a Dilma já perdeu o jogo pelos fatos e a Mariana se não for atacada ganhará por essa idealização.

        Acredito que a Dilma é prejudicada pela realidade, concordo que o PT é o inimigo alvo principal, mas acho que se atacamos o PT temos que atacar a Marina também.

        Por outro lado, os argumentos estão errados e não estão gerando um conflito, por exemplo dizer que ela é pior que a Dilma, não há conflito palpável que gere benefícios ao Aécio.

  2. Esse raciocínio vem com 4 anos de atraso. Mais racional do que o seu, nas eleições passadas eu propus à campanha do Serra , adversário favorito de qualquer candidato, que o mesmo renunciasse , no 2* turno em favor da Marina , pelos mesmos motivos descritos por você. A resposta que me deram: Seria um absurdo um candidato renunciar a favor do 3*. Absurdo seria imaginar que um eleitor dela apoiasse o Serra. Digo mais, se o Aécio não conseguir repetir a votação do Serra e ela no mínimo repetir a da eleição passada, deverá fazer o que sugerí. Teríamos ganho 4 anos e já estaríamos no segundo estágio do seu raciocínio.

  3. Luciano.

    Tenho uma dúvida, que esqueci de formular, quanto à natureza da Luiza Erundina:
    O que você acha dela?
    É uma funcional iludida, e portanto idiotizada, com a utopia do socialismo?
    Ou é uma beneficiária pilantra, e portanto uma velha safada?

    Lembremo-nos que o diabo é perigoso não por ser um sábio arguto, mas sim por ser um velho, muito velho, e portanto astuto.
    ……….

    • Maxwell,

      Esse é o “pode”. Marina “pode” ser o plano B do PT. O PSB “pode” querer implementar tudo que está no manifesto. O PSB “pode” seguir o que o Foro de São Paulo dita.

      Veja o PT. Dilma é o plano A do PT. O PT já decretou o uso de sovietes. O PT não faz parte do Foro de São Paulo. É seu ORGANIZADOR.

      Voto no duvidoso pelo certo em termos de implementação de ditadura.

      Abs,

      LH

  4. Luciano, por que não muda o sistema de comentários para o Disqus ou outro mais fácil de usar. Com o disqus se tem a vantagem de saber quando alguém replica seu comentário.

    Veja como esse sistema do site fica ruim de ler conforme os comentários vão sendo replicados. A leitura fica horrível.

    O sistema de edição é bem simples. Por em negrito, pra fazer referência ou citar um comentário, é só fazer isso negrito

  5. > “Por outro lado, eu defendo, como Alinsky sempre dizia, que devemos planejar melhor nossas decisões e nos adaptarmos às mudanças de cenário.”

    Só resta provar que ao apoiar Marina, não estariam apoiando um plano B do Alinsky em vez do plano A (Dilma). A Marina é petista desde 1988 e se “converteu” na Assembléia de Deus em 1997. O marido dela é petista e continua no PT. Não seria surpresa nenhuma se a Marina tivesse sido criada como plano B.

    Considerando que nas últimas eleições a única verdadeira ameaça à Dilma veio dos evangélicos, quando espalharam aquela pregação de um pastor de Curitiba denunciando os planos petistas (e até rumores de que o vice da Dilma era satanista), é bem possível que o plano B seja o caminho mais acelerado em direção à ditadura por a Marina ser mais aceita que a Dilma nos meios “evanjegues” (fazendo distinção com os outros evangélicos que sabem vigiar).

    Lembre que os piores presidentes que os EUA tiveram antes do Obama foram Jimmy Carter e Bill Clinton, ambos eram Batistas do Sul do qual se esperava que fossem Democratas moderados.

    • Fernando F.

      Observe a quantidade de “pode ser” que você colocou em sua mensagem. Nesse ritmo, podemos apostar com certeza em Dilma como a melhor escolha para implementar totalitarismo em curto prazo.

      No “pode ser”, pode ser tudo. Até mesmo uma conspiração Illuminati, que coordena o Foro de São Paulo, e pode até decidir reciclar o Foro. Parece improvável.

      Em termos de implementação de ditadura a curto prazo, vou no duvidoso pelo certo.

      Abs,

      LH

  6. Hey Brazilian Jo! Wake up Brazilian Jo!

    Não procures longe os bens cuja fonte em ti trazes.

    O Princípio não está na singularidade quântica cósmica original.
    Assim também a culpa não está em nossas estrelas.
    Mas ambos estão em nós mesmos.

    Hey Brazilian Jo! Wake up Brazilian Jo!

    A maior desgraça da humanidade não são os vilões, mas os malditos supostos heróis.
    ……….

  7. Melhor texto seu, ever! Realmente, esse papo de “é tudo a mesma coisa” sabemos bem a quem serve.
    .
    P,S. – Continuo Aécio, Aécio, Aécio, desde criancinha! Se, por alguma reviravolta do destino ele vencer, vou tomar um porre de juntar cãozinho, como diz uma amiga minha!

  8. Luciano, você não acha necessário e urgente um acordo de apoio mútuo entre Aécio e Marina? Penso que só uma disputa entre Dilma X Marina(+Aécio) conseguirá eliminar o PT! Infelizmente, para Aécio chegar à presidência ele teria que se eleger no 1° turno, o que parece, até o momento, a hipótese mais improvável! Melhor um governo PSB/PSDB do que qualquer outra composição com o PT!

  9. O PT no auge não estabeleceu a ditadura, com crise econômica, alta rejeição, traições da base aliada, número crescente de inimigos, as chances são mínimas.
    Chavéz tinha o petróleo e setores do exércitos para sustentar a sua ditadura, A fonte de renda do PT é o dinheiro da classe média e dos ricos( Padilha 5% em SP e chorando para aparecer na tv = PT em 2018). Marina é pior pq representa uma maneira do PT voltar fortalecido em 2018.

    • Atylla, o PT fez o Decreto 8243 e está ganhando o jogo com UM FRAME. Os adversários não conseguem responder a este frame. Parecem até hipnotizados.

      É assim:

      ADVERSÁRIO: Esses conselhos não representam o povo, e isso é um problema para a democracia.
      PETISTA: O povo nunca é demais…
      ADVERSÁRIO: Eu já mostrei que os conselhos são uns 30 a 40 grupos organizados, que recebem dinheiro estatal e não estão alinhados com o povo.
      PETISTA: Você é contra o povo participando.
      ADVERSÁRIO: …

      Está neste nível o “debate” sobre o Decreto 8243.

      Acho que o PT está muito avançado no uso deste tipo de retórica.

      Abs,

      LH

      • Ok, desculpe ter enviado um comentário repetido, pensei que tinha falhado. O meu medo é que caso Marina ganhe, a massa crítica anti-esquerda que vc falou não cresça tão rapidamente, perca o foco: Marina não é o PT, vamos dar uma chance, muitos vão falar. Godzilla matou os Muto’s, já o PT vai ficar bem vivo, sendo oposição e governo ao mesmo tempo, criticando o governo de Marina na gestão econômica e social, e apoiando em medidas como o decreto 8243, que Marina defende. Hoje o cenário é PT+ PMDB x PSDB, REDE, PSB, Caso Marina ganhe Rede+PT+PMDB+PSB+PSOl x PSDB. A defesa da democracia que Marina tanto fala, acaba quando ela colocar a faixa, assim como a do PT em 2003 . Abs.

      • Atylla,

        Esse é um RISCO a ser gerenciado. Mas a pressão anti-esquerda não será apenas contra Marina, mas quanto aos congressistas do PT, PSOL, PCdoB, etc.

        Veja este cenário:

        Hoje o cenário é PT+ PMDB x PSDB, REDE, PSB, Caso Marina ganhe Rede+PT+PMDB+PSB+PSOl x PSDB

        A hipótese, a meu ver, é improvável, pois isso significaria o PT abandonar todo seu ativo conquistado em prol de se tornar coadjuvante.

        Acho mais provável que PMDB e PSDB, junto com DEM, participem de uma coalisão pelo governo da Marina, e finalmente o PMDB poderia deixar de ser um serviçal do PT, o que foi muito desgastante para eles ao longo dos anos. (eles tem eleito cada vez menos deputados)

        Abs,

        LH

  10. Luciano, penso que tanto Reinaldo Azevedo quanto Lobão estão, estratégicamente, agindo no sentido de tentar demover essa parcela deslumbrada de eleitores “marinistas”, num esforço para que o segundo turno seja entre Dilma e Aécio. Essa possibilidade ainda é bastante factível e entendo que a postura que você adota agora será adotada por eles num eventual segundo turno entre Dilma e Marina. Em suma, é uma questão de estratégia.

    Abraços.

    • Eu entendo, mas alertei no post anterior que o próprio discurso deles está sendo usado A FAVOR do PT, já pela BLOSTA. A continuar desse jeito, vão garantir uma aliança entre Dilma e Marina no segundo turno e enterrar, aí sim de vez, Aécio Neves. Por isso defendo que Aécio priorize o ataque AO PT, e o mesmo vale para Reinaldo, etc.

      Claro que eu posso estar errado. E eles também. Mas eu apresentei alguns argumentos em meu favor, e apresentarei outros sobre as configurações apoio e decisões.

  11. Li o comentário de um executivo do mercado financeiro que as duas são roleta russa, mas a Dilma tem a arma cheia e a Marina não sabemos quantas balas tem. Além disso, a chave é o Eduardo Gianetti, que era o mentor de economia do Eduardo. Será que a Marina vai ouvi-lo? Se sim, nos resta uma esperança!

  12. Na época do lançamento, em 2010, da candidatura de Marina Silva à presidência do país, um tal “Blog da Amazônia”, além de ter feito uma entrevista com a mesma, difundiu parte do conteúdo de uma ligação telefônica do “teólogo” Leonardo Boff para Marina.

    Durante a conversação, Boff teria feito uma comovente defesa da candidatura dela à presidência da República”(dize-me com quem andas que dir-te-ei quem és).
    Depois, na entrevista concedida ao Blog, Marina Silva, então senadora (pelo Acre), afirmou, por exemplo: 1) “Eu me mobilizo pelo avivamento da utopia para a economia do século XXI”; e 2) “O que está em questão agora é como fazer algo que possa estabelecer que as utopias do século XXI de fato possam acontecer (Olha a tal “utopia possível” aí!)

    Sendo, qualquer utopia, por definição mesmo, um SONHO IRREALIZÁVEL, espanta-me ver que ainda existam pessoas que ACREDITEM em “UTOPIAS POSSÍVEIS” (que possam ser realizadas). Pior é que, sobre o enorme PERIGO desse tipo de crença, Karl Popper, o maior dentre todos os filósofos da ciência, costumava lembrar que: “todas as tentativas, até hoje feitas de trazer o céu para a Terra, só conseguiram transformar a Terra num inferno”.
    Então, apesar das “sempre ótimas intenções” declaradas por seus profetas, os mesmos, por acreditarem cega e fervorosamente, nas suas utópicas “receitas de felicidade”, são capazes de ASSASSINAR os que eles julgam ser os reais OBSTÁCULOS para a realização dessas utopias.

    Mais uma vez, o exemplo dos marxistas (mais de 100 milhões de assassinados). Pior é que sempre se imagina que a utopia na qual se acredita virá a ser uma exceção, tendo em vista a sua REALIZAÇÃO POSSÍVEL.
    A chamada para a reportagem que resultou na entrevista com Marina Silva, para o “Blog da Amazônia, em 2010, foi: “Candidatura à presidência da república como estratégia para a economia verde” Economia verde? Isso me lembra outro grande filósofo da ciência, Bunge : “Ciência é universal ou não é ciência, é folclore”.

    Por tudo isso: Marina; nem pensar ! ! ! !

    • Gilberto,

      Será que a Marina (ou mesmo os líderes petistas) acreditam em utopias ou usam discursos para obter o benefício que isso pode prover?

      Você está julgando o caso por ideias declaradas (para inspirar eleitor) e não avaliou as condições de risco para nós em relação à estratégia sugerida.

      Mas façamos assim: no segundo turno, votamos em Dilma ou Marina?

      Abs,

      LH

  13. Duas dúvidas:

    1)Você realmente acha que Marina tem como ganhar votos do setor do agronegócio?

    2)Será que uma eventual derrota não seria boa para o PT.Digo isso porque o país já está entrando em uma crise e a bomba vai estourar no colo do próximo governo.O PT pode usar esse fato com a desculpinha “Olha!Viram o que eles fizeram com as “nossas” conquistas”?

      • Vou reformular as perguntas:

        1)Em caso de segundo turno entre Marina e Dilma, o que você acha que as pessoas devem fazer para que o setor do agronegócio vote na primeira (o setor não é simpático com as duas, mas acredito que a retórica ecochata da Marina a prejudique mais a Marina)?

        2)Caso Marina ou Aécio ganhem as eleições e o país entre em uma crise criada pelo governo anterior, qual seria a melhor forma de mostrar para as pessoas que essa crise foi fruto do governo petista?

        Abraços!

      • 1) Quanto a isso, não pensei em algo ainda.

        2) Em relação a isso, é preciso começar a bater muito antes no PT por ter CRIADO a crise. Isso tem que começar desde já. É importante fazer alianças tb para a governabilidade, e criar um senso comum anti-PT, vendendo a imagem (justa, diga-se) de quem está arrumando a m… feita de forma DELIBERADA por um partido que tinha um projeto de poder, não de governo.

        Abs,

        LH

  14. Não é só uma questão de competência, mesmo que as duas sejam igualmente competentes a Marina ainda vai ter que perder tempo pra desmontar tudo que o PT fez e construir seu próprio aparelhamento, vai ter que tirar a companheirada petista e botar dos seus.

  15. Um aspecto que me parece importante e não vi abordado nos comentários – e por isso me permiti trazê-lo à liça – é que o PT esgotou o seu ciclo de embustes e o seu estoque de recursos capazes de mantê-lo no poder de forma a concluir a implantação do comunismo no Brasil. O PT está sem quadros para a sucessão da Dilma, tanto assim que os setores mais radicais do PT chegaram mesmo a clamar pela volta do Lula. O governo Dilma, que agora termina, agoniza envolvido em escândalos de corrupção e descontrole da economia, assistindo inerme o recrudescimento da inflação, bem como a temida queda do nível de emprego. Neste cenário, surge a figura messiânica de Marina que propiciou à esquerda reinventar-se, oferecendo uma candidata que é mais palatável pelos setores da sociedade que, a princípio, são refratários ao PT. Ao mesmo tempo, Marina “vende” a promessa de uma “nova política” como forma de seduzir os indecisos e cooptar eventuais adeptos das demais candidaturas que sejam suficientemente inocentes para acreditar na candura e na suavidade da candidata do PSB (Lobão a definiu magistralmente: Dilma com baixos teores). Entendo que alguém possa suscitar uma dúvida quanto a questão de inicialmente o candidato do PSB ter sido outro, substituído por Marina em razão de uma fatalidade. Ora, todos sabemos que em se tratando da esquerda fatalidades não existem (vide o acidente com o Airbus em Congonhas onde viajava o presidente da CPI do Mensalinho). Neste sentido, Marina é um achado para as necessidades sucessórias do PT, pois tem uma perfeita e absoluta identidade com o projeto político da esquerda, laços indissolúveis com o partido hegemônico e um grande apelo em setores ditos conservadores. Para não me estender muito neste comentário, concluo deixando algumas perguntas a você, Luciano, a quem admiro pelas sempre lúcidas opiniões e pelos ensinamentos que seu blog proporciona aos leitores: tendo como premissas as assertivas que fiz, considero que Marina não começará um projeto do zero, mas dará continuidade ao que já está em curso, cacifada por uma aceitação popular que lhe dará a oportunidade de levar avante o projeto da esquerda. Nesta hipótese, não seria melhor para direita que Dilma fosse eleita e, com seu governo desastroso e desastrado, “queimasse o filme” do PT? Não seria esta uma estratégia mais adequada para enfraquecer de vez a esquerda e aumentar as chances da direita de se articular para concorrer em 2018 com maiores possibilidades de vitória? Não nos esqueçamos que a eleição de Marina é a chance em que a esquerda aposta para renovar o seu apelo político perante uma juventude descrente e cidadãos inconformados com os políticos que aí estão.

  16. Luciano, Dilma é uma pessoa que por si só nunca conseguiria estar no posto que está se não fosse colocada lá. Já a Marina, acredito que tenha mais preparo que Dilma, mas também não tem o histórico de alguém que por mérito mereceria estar na presidência da república. As duas seguirão o plano de poder do Foro de São Paulo que apoia as duas e eu acredito que contra a Dilma a direita já tem munição para em uma eventual reeleição continuar com os processos criminais, de improbidade, de corrupção e etc… que já estão rolando. Contra a Marina, estes processos teriam que ser iniciados, construídos do zero, o que demandaria tempo ocasionando o fortalecimento do poder do Foro. Pensando desta maneira você não altera seu raciocínio? Abraço

  17. Luciano, eu compreendo perfeitamente o seu ponto de vista, mas tenho algumas ressalvas a fazer. Em um primeiro momento, o meu raciocínio foi o mesmo que o seu, ou seja, na (terrível) hipótese de um segundo turno, tendo que escolher entre Dilma e Marina, pensei que (pelos mesmo motivos que você apresentou), teria que votar em Marina.
    Entretanto, como estamos falando de estratégia (e isso nunca foi tão importante como agora), penso que precisamos aprofundar muito ainda esse debate. Acredito que simplesmente “votar no duvidoso” não é uma boa estratégia poia há sempre o risco dele ser pior do que a certeza. Não há duvidas de que o PT, se continuar no poder, irá nos levar para a realidade da Venezuela, é um fato e questão de tempo apenas. Porém, se ignorarmos todos os “pode ser”, como você está dizendo (e há muitos deles), podemos dar um tiro no pé ainda maior. Porque digo isso? O PT, com todo o poder que possui, com todo o aparelhamento que já instalou, possui uma gigantesca rejeição nacional, sendo apoiado apenas por seus militantes, pessoas compradas (tanto miseráveis como empresários) e alguns idiotas. Sim, hoje esse grupo representa 36% dos eleitores. Marina hoje deve estar na casa dos 24%, e porque isso é perigoso? Ao meu ver, é perigoso demais porque ao contrário da Dilma, essa mulher aparece com ares messiânicos, capaz de criar uma seita de seguidores malucos dispostos a fazer tudo o que ela indicar. E onde isso é pior do que faz o PT? O pior é que essa relação entre ela e seus sonháticos toma ares de religião. Ao contrário, no PT, todos que o seguem o fazem por interesses mais mundanos, ou seja, qualquer sorte de lucro fácil. Com a Marina no poder, talvez as mesmas ideias que seriam rechaçadas vindo da Dilma, poderão encontrar um terreno fértil no meio da salada ideológica que é a nossa população. Suas ideias socialistas podem ganhar um turbinada só por terem vindo dela. Ela já mostrou que tem esse poder, pois não diz nada com nada e consegue dezenas de milhões de eleitores.
    É por isso que apesar da certeza de que o PT vai querer instalar uma ditadura se continuar no poder, fico realmente em dúvida se com a Marina, esses planos não vão se tornar ainda mais fáceis, com muito menos resistência por parte da população. Não se esqueça de que em todos os lugares onde isso aconteceu (URSS, Alemanha e etc), os líderes não eram pessoas já velhas da política e queimadas, pelo contrário, eram desconhecidos que vinham com um discurso novo (para os incautos) e que logo foram levados para um patamar de messianismo. Tenho mesmo muito medo do que pode nos esperar com essa mulher.

    • Eu não acho que temos que ignorar os “pode ser”, mas adicioná-los à equação. Se o objetivo é ganharmos tempo, o PT é melhor como opção para nos tirar esse tempo. Eu acho que deveríamos ir para cima de Marina, se esta ganhar, para evitar o mesmo tipo de implementação feita pelo PT.

      Abs,

      LH

Deixe uma resposta