Marina diz que é ‘tarde demais’ para Dilma sinalizar troca de Mantega. E há uma desconstrução a ser feita sobre esta ação petista.

9
86

marinasilva

Como a mimetização das táticas alheias deve ser uma regra de quem quiser entrar no jogo da estratégia política, vamos antes de tudo avaliar a notícia Marina diz que é tarde demais para Dilma sinalizar troca de Mantega, da Folha de São Paulo, pois faremos uma pequena “desconstrução” das ações do PT. Se a regra do momento usada pelos bolivarianos é a desconstrução de seus adversários, será também a nossa regra principal contra eles até o fim da eleição. Leia a notícia:

A candidata do PSB ao Palácio do Planalto, Marina Silva, afirmou nesta sexta-feira (5) que “talvez seja tarde” para a sinalização da presidente Dilma Rousseff (PT) em relação à troca do ministro da Fazenda, Guido Mantega, caso a petista vença as eleições de outubro.

De acordo com a ex-senadora, a sociedade brasileira vai “mudar” Dilma e, assim, sua equipe econômica.

“Hoje a presidente Dilma sinaliza que vai mudar sua equipe econômica, mas talvez seja tarde para o movimento que ela está fazendo. A sociedade brasileira vai mudá-la e, mudando-a, a equipe econômica será outra”, afirmou Marina após a inauguração de um comitê voluntário de sua campanha, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Durante entrevista em Fortaleza, nesta quinta-feira (4), Dilma foi questionada especificamente sobre o futuro de Mantega. “Eleição nova, governo novo, equipe nova”, respondeu a presidente.

Antes de tudo, lembro que fiz críticas a Reinaldo Azevedo neste blog por ter “dado a ideia” ao governo federal de substituir Guido Mantega (ou anunciar sua substituição) como forma de melhorar as intenções de voto do PT. Porém, já que o PT seguiu a dica, devemos nos adaptar às circunstâncias e fazer mais uma limonada com esses limões lançados contra nós. O que podemos fazer é desconstruir essa ação do PT. Mãos à obra.

Imagine, por exemplo, que um gerente de operações críticas, cujos resultados tem causado vítimas desnecessárias, destruindo famílias e contaminando regiões inteiras, seja convocado por um executivo, responsável por todas as operações da organização. Esta organização tem a seguinte regra: os contratos dos profissionais são renovados de quatro em quatro anos, período no qual ele tem estabilidade. Veja o diálogo:

  • CEO: Estamos com uma situação crítica. Nossa atividade operacional de saneamento deveria reduzir a zero o número de vítimas nas regiões X, Y e Z, sob sua responsabilidade. O número de vítimas de contaminação aumentou. A imagem da empresa está sendo desgastada. Estamos em setembro, e esse número está aumentando. O que você fará a respeito?
  • G.O.: Eu já tomarei uma ação. Em janeiro, eu substituirei o Líder de Operações, e esses resultados mudarão. Tenho certeza.
  • CEO: Espere. Qual a “mística’ por trás do mês de janeiro? Por que não há mudança de direção agora?
  • G.O.: Veja. Meu contrato encerra-se em dezembro deste ano. Se você assinar a renovação dele, eu arrumo a casa.
  • CEO: Você tem noção do que acabou de me falar?!
  • G.O.: Eu repito: renove o meu contrato que eu troco a liderança das operações e começo a salvar vidas.
  • CEO: Isso está surreal! Você acabou de me dizer que está deliberadamente deixando a reputação da empresa ser danificada com a destruição de vidas de pessoas inocentes e que poderia ter feito isso antes!
  • G.O.: Mas é o que eu disse: renove meu contrato que em janeiro eu arrumo a situação!
  • CEO: Olha o que vou fazer! Você está demitido! No máximo vai encerrar teu contrato e não queremos nunca mais nem sequer olhar na sua cara!

É exatamente isso que ocorreria com pessoas usando esse tipo de chantagem em troca de renovação de seus cargos dizendo que só arrumarão a casa depois, mesmo com a destruição de vidas humanas. Por que com a nossa “gerenta” (sic) isso deveria ser diferente?

Claro que como todo oportunista, ela pode tomar a decisão de trocar Guido Mantega agora, depois de se queimar com sua proposta indecente. Mas veja o que ocorreria na sequência da mesma reunião do exemplo:

  • G.O.: Ok, se é assim, amanhã mesmo eu troco o Líder de Operações, que tal?
  • CEO: Você realmente é um gozador, não é mesmo?
  • G.O.: Por quê? [com uma expressão angelical]
  • CEO: Você, além de me chantagear em troca de uma renovação de contrato, agora está me dizendo que só vai tomar uma decisão envolvendo vidas humanas destruídas após sentir que isso prejudicaria seu cargo?
  • G.O.: Mas eu mudei de decisão agora nesta reunião!
  • CEO: Você acabou de dizer que só toma decisões por oportunismo e não por foco em resolver os reais problemas. Não percebeu que conseguiu danificar ainda mais sua imagem?
  • G.O.: Mas eu arrumo agora…
  • CEO: Arruma agora? Como eu disse, você está demitido! Conforme contrato, cumpra seus meses finais. Não queremos mais sequer olhar para a sua cara…

Novamente, é exatamente isso que ocorreria no mundo corporativo com pessoas agindo assim.

Quer dizer, a proposta (1) de trocar Guido Mantega só em 2015 como chantagem em prol de um novo mandato já é imoral por si só. Mas tudo é ainda amplificado em termos de imoralidade por (2) a proposta de trocar Mantega ainda antes, mas somente após perceber que (1) gerou danos à sua imagem pessoal. Isso mostra um governo cruel e desumano, incapaz de olhar para o sofrimento das pessoas (por causa da economia danificada), agindo apenas por oportunismo. São pessoas perigosas.

Enfim, após essa desconstrução legítima, podemos usar as dicas de Reinaldo Azevedo para Dona Dilma, como se fosse outro míssil teleguiado político contra os governistas. Me disseram até que essa foi a intenção de Reinaldo, o que me faria rever minha posição. Mas por enquanto o que importa é que podemos demonstrar publicamente o quanto é imoral o governo propor a substituição de Mantega em troca de um novo mandato e depois voltar atrás dizendo pensar em trocar o time agora, somente por causa da imagem danificada. A segunda proposta consegue ainda agravar a imoralidade da primeira.

A única opção decente é que o governo tivesse tomado a decisão antes, e não depois. Vidas de brasileiros tem sido destruídas por uma política econômica deliberadamente doentia. E enquanto isso o governo lança propostas desaforadas e ofensivas pedindo um novo mandato. Todas essas propostas são feitas com base em chantagem por votos, o que configura que moralmente eles não tem mais motivos de requerer sua permanência no poder.

Melhor esperar um novo governo, pois esse já não nos serve mais.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. Utilizar o mundo corporativo é realmente muito didático.
    Os exemplos ficaram excelentes!

    Informações vem de todos os lados, vence quem “a encontra primeiro e transforma em frame contra os adversários”.

    E sempre que possível, tente induzir o inimigo ao erro.

  2. Por falar em desconstrução, quando Aécio vai largar a mão de ser fofolete? Eu vi um vídeo dele hoje e fiquei pasma com tanta parcimônia. Aécio, chuta o balde, meu filho! A única coisa lenta mineira boa é a música. Beto Guedes, Milton Nascimento, 14 Bis, eu “apreceio”.

  3. É equivalente a situação em que milhares de pessoas estão morrendo por causa da dengue, daí o prefeito vai e fala que só vai liberar os carros do fumacê pra acabar com os mosquitos se for reeleito.

  4. Luciano, já que marxistas-humanistas-neoateístas vendem ao mundo a imagem de que seriam preocupados com os mais fracos, dá para jogar uma boa contra eles: um rapaz bielorrusso fez o desafio do balde de gelo (aquele um em prol dos portadores de esclerose lateral amiotrófica), desafiou o presidente do país (Alexander Lukashenko, há 20 anos no poder e única ditadura na Europa) e agora é ameaçado com multa. Dá para falar contra o Lukashenko tanto em relação a que preocupação ele tenha com bielorrussos portadores de ELA quanto em relação ao que seu governo está fazendo com o rapaz em questão. Se começarem a pipocar vídeos de bielorrussos fazendo o desafio, pode ser que vejamos um uso totalmente Gene Sharp do ato em questão.

  5. Foi um excelente argumento o seu, Luciano! Por que a gente não vê essas coisas e semprerpecisa que alguém aponte onde está a fraude (neste caso, mais claro só desenhando)? É falta de treinamento ou falta de malícia da nossa (direitistas) parte?

Deixe uma resposta