Por que tudo o que o PT fala sobre seus “indicadores de sucesso” é mentira deslavada?

14
85

Producao-size-598

Chega a ser assustador como os adversários do PT ainda não perceberam o tamanho do embuste que o partido lança sobre eles (e o eleitorado) enquanto propaga seus “indicadores de sucesso”. Geralmente, eles dizem “no meu governo criei isso, aumentei aquilo, reduzi isso, etc.”. Pela técnica da metralhadora muitos espectadores ficam hipnotizados. O pior é que o mesmo parece ocorrer com os adversários. E olhem que até mesmo os dados do governo são distorcidos.

O PT faz uso de um viés da mente humana que tende a ser suscetível à apresentação de números em sequência. Por exemplo, se alguém diz “aumentei seu salário 3 vezes este ano”, essa informação pode ser impactante, não? Mas e se o aumento foi de 1% a cada correção, enquanto a inflação do período foi de 6%? Isso significa que os três aumentos não significam um mérito, mas um demérito para a empresa empregadora. E o funcionário já pode ir começando a buscar outras opções de emprego. Ao ligar sua metralhadora lançando “méritos do governo”, Dilma faz o mesmo tipo de jogo. Como o PT orgulha-se de falsificar a realidade, o papel de seus adversários deveria ser neutralizar o embuste. Mas não é isso que fazem.

Como o governo petista não gera valor, só o destrói, é claro que opta por mentir usando números. Quando o governo diz que “reduziu o desemprego”, manipula os dados, pois o DIEESE mostra um índice de desemprego de 10,5%, quase o dobro do que apresenta o governo do PT, 5,3%. Por que isso acontece? Por causa de “novos critérios” usados pelo governo para medir desemprego. É uma vigarice sem limites. O PT diz que “36 milhões de pessoas entraram na classe média”, mas na verdade o governo apenas mudou os critérios para incluir pessoas pobres como “classe média”. E assim, sucessivamente, vamos notando que eles arrumam um truque após o outro. E tenham certeza: vários dos pontos conquistados por Dilma nas pesquisas tem a ver com esse tipo de logro não desmascarado pelos oponentes.

Por exemplo, vejamos que o Brasil sempre fica na lanterna dos BRICS. Qual é o frame (verdadeiro) aqui? “Crescimento pífio, muito menor do que poderia ter sido”. Mas como o governo dispara sua metralhadora de falsos méritos e não é rebatido, o frame lançado pelo governo é “crescimento muito maior que os governos anteriores”. Segundo Oren Kraff, o frame mais forte absorve os frames menores. Como resultado, o PT acaba tendo um diferencial conquistado puramente a partir da campanha desonesta. E o mais interessante é que tudo isso deveria ser resolvido com uma mudança de discurso da oposição.

Basicamente, o que deveria ser dito é que “em todos os anos do governo petista o Brasil tem perdido a oportunidade de crescer como todos os seus colegas do BRICS”. Deve ser dito, que “se o Brasil tivesse um crescimento similar ao da China, por exemplo, teríamos um nível de vida hoje igual ao do México, assim como o de boa parte dos estados norte-americanos”. Ao contrário, o Brasil apresenta um crescimento pífio.

Alguns frames:

  • Enquanto todos os países do BRICS dão um baile no Brasil em termos de crescimento de riqueza, o governo brasileiro atua intervindo  na economia a ponto de fazer os investidores fugirem.
  • Neste ano, o crescimento do PIB brasileiro só se igualou ao da Rússia, que tem sido atrapalhada por guerras. Perdeu feio para China, África do Sul e Índia. Mas tomar esse tipo de goleada tornou-se trivial para o governo.
  • Sem PIB, não há empregos. Sem empregos, as vidas das pessoas são destruídas. É extremamente imoral que um governo opte por medidas que limitem a criação de empregos, que fogem para outros países.
  • Por viver de propaganda, o governo falsifica a realidade após criar a ilusão de que “mudou o Brasil”, quando na verdade inventou números, mudou critérios e agiu de forma deliberada para conquistar poder enquanto reduziu a capacidade do Brasil de gerar tantos empregos quanto seus concorrentes.
  • Enquanto as empresas tem criado alguns empregos, criariam muito mais se tivessem um governo mais antenado com a realidade de um mundo global e competitivo. Dilma é uma gozadora quando diz que “criou X empregos”. Na verdade, os criadores de empregos são os empresários, não o governo. E os empresários sabem que criariam muito mais empregos se tivessem um governo melhor.
  • A melhor palavra para classificar o discurso do PT sobre economia é “cinismo”. Em resumo, o governo muda critérios (para esconder seus fracassos), esconde sua sujeira para debaixo do tapete, só investe em propaganda desonesta, cria elefantes brancos (para seus amigos do poder aproveitarem, como vimos em escândalos recentes), atrapalha a criação de empregos e geração de riqueza e nos faz perder uma oportunidade inédita na História recente: a de acompanharmos o desenvolvimento dos outros países dos BRICS.
  • Com tudo isso, o governo PT está criando a tragédia onde nós podemos perder a chance de ficar entre os países mais desenvolvidos. Eles não podem ser perdoados por isso.

Uma pergunta: algum candidato de oposição apresentou os pontos dessa forma? É claro que não. E depois não entendem como o PT, mesmo com a revelação de tantos escândalos de corrupção, continua liderando as pesquisas.

É claro que temos dois “culpados” aí. Primeiro, o PT, por mentir e falsificar a realidade. Segundo, a oposição, por não denunciar as mentiras e embustes do PT.

Se o PT “não fez o que deveria ter feito” na economia (e isso deveria ser apontado pela oposição), os opositores não fazem o que deveria ser feito em termos de debate econômico. Que este post fique como um guideline, que, como de costume quando apresento frames, pode ser ampliado com sugestões de leitores.

Anúncios

14 COMMENTS

  1. CAMPANHA: Mande seu “amigo” petista pra PQP! Já passou do limite do aceitável. Aquele seu “amigo” petista que te enche o saco via redes sociais só pode ser um idiota completo ou um beneficiado por alguma bolsa ou carguinho público, não é possível. Temos que deixar nossas boas maneiras de lado e agir como eles agem, com agressividade e paixão, ou então teremos que aceitar um futuro sombrio para nossos filhos e netos. Mãos a obra!

  2. Luciano, esclareça-me algumas dúvidas:

    O BC tem que ser independente mesmo?

    Já o foi em algum período da história brasileira?

    Se estão prometendo que ele o será, então que papel ele está fazendo nesse momento?

    Se o BC está sob tutela governamental, podemos confiar em suas tomadas de decisão?

    Desde já agradeço.

    • Luciano, permita-me, com o entendimento que tenho:

      1ª) Independente não tem quer. Os liberais até entendem que seja necessário. Há quem prefira AUTONOMIA PLENA, que foi o modelo adotado por FHC/Lulla, mas que derivada da vontade política da ocasião e não de previsão legal em si. Dilma jogou isso no lixo e passou a dar pitaco diariamente, inclusive anunciando subida e descida da taxa de juros antes mesmo do COPOM se reunir. Para quem tem uma mínima noção, sabe que isso é um desastre pois impregna o ambiente econômico de incertezas. O papel do Banco central é executar a política monetária (disponibilidade de grana e crédito na praça) e cambial, com o objetivo de manter a inflação sobre controle e garantir a defesa da moeda nacional, ou seja, o poder de compra. Isso se chama tripé econômico: meta de inflação, cambio (ambos a cargo do Banco Central) e controle fiscal (a cargo do Tesouro). É esse ambiente que permite que a economia ande e cresça. Se o governo fizer a parte dele, o empresário investe, gera emprego e renda, paga imposto, enfim, a coisa vai. Dilma e Mantega inventaram a tal Nova Matriz Econômica, que ninguém sabe o que é, mas que deu no que deu. Por isso a AUTONOMIA do BC prevista em lei é mais desejável e mais consensual. INDEPENDÊNCIA já é mais complicado para nosso caso, pois ainda não temos instituições fortes e maduras para esse nível de convivência institucional. Mas há quem defenda.

      2ª) O modelo de BC independente ainda não foi feito. O máximo que tivemos foi AUTONOMIA PLENA nos governos FHC/Lulla, e que apresentou bons resultados. Todo o resto de nossa História está recheada de exemplos de intervencionismo estatal, que resultou em desastres memoráveis, como a hiperinflação dos anos 1980/1990, dessarranjos estruturais na economia (a Encimalha de Rui Barbosa é o mais emblemático) e dezenas de planos econômicos fracassados. No fim, só quem se fode com isso são os mais pobres.

      3ª) Pelo que li e entendi no Plano de Marina, ela não promete a INDEPENDENCIA do banco central, nem formal nem informal. Ele propõe a AUTONOMIA FORMAL, prevista em lei, com respeito e independência à tomada de decisões. Por mais que um Presidente seja tentado, ele precisa compreender que os técnicos e diretores do BC estão mais preparados para decidir a hora de descer ou subir a taxa de juros, de recolher ou emitir mais dinheiro, de aumentar ou diminuir o crédito, o compulsório e coisas do tipo. O que o BC tá fazendo no momento é tudo aquilo que a História econômica do Brasil, e do mundo, já ensinou que não deve ser feito. A prova é o momento de estagflação que chegamos, em razao das decisoes do BC: baixou juros quando não poderia, o que gerou inflação, e se viu obrigado a elevar os juros, e a inflação permanece, o que prejudica a industria, o comércio, os serviços. Além disso, ele mantém o cambio baixo artificialmente. Isso desequilibra o conjunto da economia e emerge o cenário sombrio que se avizinha. Não se trata de terrorismo, mas de fatos mesmo. Apesar de se gabar das reservas cambiais, em uma crise de verdade, esse dinheiro sumiria em questões de semanas. Até agora, em 2014, o BC torrou U$70 bilhões em contratos de swap, que são contratos de venda de dólares, em que se compra dólar do BC, para necessidade futura. Isso implica que existe uma aposta em desvalorização futura. Quem deve em dólar hoje, compra swap para se proteger pra depois da eleição. Se o bicho pegar, a coisa pode fugir do controle.

      4ª) Não. Não podemos confiar nas decisões atuais do BC. Prova é que o mercado financeiro nem dá bola para as decisões do COPOM, pois já anteve que o banco tá sem saída, e que ou faz o que tem que fazer, ou a crise vai se aprofundar. Tanto o BC quanto o Mantega estão desmoralizados e sem crédito. prova é que o BC tentou processar o Alexandre Schwartsman por suas severas críticas à atuação do Banco. Ainda bem que a Justiça rejeitou a ação.

  3. Republicou isso em Enquanto há vida, há esperança!e comentado:
    Hoje no meu FB apareceram vários vídeos sobre a Venezuela e as condições do país. Venezuelanos no exterior pedindo ao povo que resista.

    Também recebi um vídeo português que me parece da época da primeira eleição de Lulla.

    Os coletivos não-eleitos se assanham e estendem cada vez mais as suas garras sobre a República, graças ao Decreto 8243 contra o qual nenhum político está se mexendo, todos preocupados com suas respectivas campanhas ou de seus apadrinhados. Será que eles não percebem que se nada fizerem contra esse decreto bolivariano em breve estaremos todos como a Venezuela e o cargo deles não servirá para mais nada, a não ser roubar o que resta da dignidade do povo brasileiro?

    Bem, estou republicando a matéria do Luciano Ayan. Quem sabe ainda há tempo para mexer com a cabeça de algumas pessoas.

  4. OFF topic: Luciano de uma olhada nesse artigo do Felipe Moura Brasil:
    http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2014/09/13/as-frases-perfeitas-de-aecio-e-por-que-atacar-marina-nao-e-necessariamente-ajudar-dilma/

    “Quem fala “Atacar Marina é ajudar Dilma” toma os vários significados do verbo atacar como uma coisa só e julga a partir dela. Os erros de ação começam pelos erros de leitura, como de hábito. E Marina se beneficia do analfabetismo funcional de uns, do analfabetismo moral de outros, e dos delírios estratégicos de terceiros.”

    Meu comentário:
    Caro Felipe,
    Existe a técnica de ataque transversal(do popular:matar 2 coelhos com 1 só cajadada). Esse é o único ataque para que tanto o PT quanto a Marina paguem pelas suas vigarices.Nós da direita podemos utiliza-lo a vontade, mas atacar sem colocar o PT na história é como se estivéssemos fazendo um favor a eles.O partido a ser batido nessas eleições é o PT!

  5. Olha essa, Luciano.

    Maria
    – 14/9/2014 às 9:55 am

    Reinaldo e leitores da Veja:::::::::

    Há a declaração de uma moça no Facebook de que o IBOPE ligou na casa dela para pesquisa para Presidente.

    Quando ela respondeu sobre o ítem Escolaridade: SUPERIOR,
    desligaram o telefone dizendo: “Então, não interessa”.

    Conclusão: a Fraude está na fonte e não no resultado!!!

    É assim que a pesquisa está sendo feita. Muita lisura no processo.

    • Esses dai são da direita ou do fascismo japonês? Fico na dúvida por que me vejo como um liberal-conservador, e esses caras não me parecem com jeito de defensores da imprensa livre(esta certo que quem vê cara não vê coração,mas…). Não conheço muito da política japonesa, mas sei que tem um partido conservador que controla o país quase ininterruptamente depois da 2ª guerra.

  6. Olavo de Carvalho:
    Ou os brasileiros fazem o que tem de ser feito, ou, por favor, que parem de choradeira. Que aprendam a morrer com decência. Se o Brasil cessar de existir, ninguém no mundo vai sentir falta dele. E se todos os brasileiros não inscritos no PT, no PSOL, na CUT e similares entrarem na próxima lista de falecidos do Livro Negro do Comunismo, talvez só eu mesmo ache isso um pouco ruim. Em todo caso, o fim do Brasil não vai abalar as estruturas do cosmos. Os esforços da direita nacional para a conquista da perfeita inocuidade estão perto de alcançar o sucesso definitivo. Quem em vida se esforçou para não fazer diferença, não há de fazer muita depois de morto. (…)
    http://www.midiasemmascara.org/artigos/cultura/15424-2014-09-05-10-05-40.html

    Os favoritos dos brasileiros:
    Paulistas: Paulo Maluf
    Mineiros: Fernando Pimentel
    Brasilienses: Roberto Arruda
    Maranhenses: José Sarney, Roseana Sarney, Fernando Sarney, Édson Lobão
    Paraenses: Jader Barbalho, Helder Barbalho
    Alagoanos: Fernando Collor de Melo
    Cariocas e fluminenses: Lupi

Deixe uma resposta