Anthony Garotinho dá um show de controle de frame em entrevista ao RJ TV. É um momento didático.

26
107

Garotinho

Já vou avisando logo de cara que aquele que me chamar de “eleitor de garotinho” na caixa de comentários não terá resposta. Aliás, eu conheço muito pouco de Garotinho e dos outros candidatos a governador pelo Rio de Janeiro.

Mas vi com muito gosto a entrevista que ele deu ao RJ TV hoje, 18/09, fazendo aquilo que defendo: controle de frame. Para assistir a entrevista, basta clicar neste link, até por uma questão de direitos autorais.

Pontos positivos incluem a tranquilidade, junto com a facilidade encontrada para se defender atacando. Por duas vezes ele citou a própria Rede Globo para neutralizar os ataques feitos a ele na questão da corrupção. Como resultado, a entrevistadora Mariana Gross chegou a se irritar e ele com certeza saiu com a imagem melhorada após a entrevista.

Uma dica: é assim que Aécio Neves poderia reagir em relação às acusações feitas contra ele, demonstrando que não há condenação e, portanto, tanto o PT como sua linha auxiliar (PSOL) não podem choramingar. Quem tem presos na Papuda não pode buscar seus iguais em partidos sem pessoas condenadas. Em seguida, é só esfregar na cara do PT as condenações e as confissões de vários delatores. 

Anúncios

26 COMMENTS

  1. Como eleitor nada satisfeito (e de nariz tampado, cheio de vergonha) do Pezão, e sem jamais ter votado no Garotinho em qualquer eleição, tenho que reconhecer a qualidade dele como debatedor. E sempre foi assim. Me lembro da eleição de 1998 para o Governo do RJ, quando ele enfrentou Cesar Maia no 2º turno. Cesar Maia é um ótimo debatedor, tendo certa feita, por ocasião da eleição para a prefeitura do RJ em 1996, imposto uma derrota acachapante a Ciro Gomes em um debate que protagonizaram em uma rádio carioca – sintam a salada: Cesar Maia defendia seu então candidato, mais tarde adversário, Luiz Paulo Conde, enquanto Ciro Gomes defendia seu correligionário tucano (!!!!) Sérgio Cabral. Pois bem: Garotinho triturou Cesar Maia em todos os debates do 2º turno a ponto de fazer Cesar Maia simplesmente correr do debate decisivo na Rede Globo, uma suprema humilhação. Qualquer candidato de direita que queira protagonizar a guerra política tem muito a aprender com os debates e as entrevistas do Garotinho.

  2. Pois É !!!! No Brasil dos corruptos com face lenhosa e com a certeza da impunidade. Eles se tornam cada vez melhores em mentir, deturpar e escrachar com o povo brasileiro. Agora uma coisa é verdade. Esse face lenhosa quase fez com que eu tivesse um orgasmo ao falar da globo. Deu dó da repórter !

  3. Garotinho, na minha modesta opinião, apesar de ser um grande pilantra, é o único sujeito que está na política brasileira que demonstra uma verdadeira inteligência política. Ele foi radialista é extremamente articulado para falar.
    Acho que ele vai ser o candidato mais votado no primeiro turno com o voto dos evangélicos indo para o segundo com o Pezão, mas não acredito na vitória dele por o índice de rejeição dele ser imenso.

  4. Sou carioca, nunca votei em Garotinho e nunca votarei. Mas falo para quem quiser: O cara é FODA nos debates e entrevistas. Isso desde 1998, quando pegou Cesar Maia no auge da popularidade, destruiu-o no debate do segundo turno e venceu a eleição. E olha que Cesar Maia também é bom debatendo.

    Claro que Garotinho é um pilantra. Claro que fez um governo ruim e isso explica sua alta rejeição. Entretanto, fosse outro sem os mesmos skills dele, tudo o mais constante, estaria destruído politicamente enquanto Garotinho ainda é uma força considerável no estado.

    Garotinho e Maluf têm muito a nos ensinar no campo da oratória.

  5. Garotinho foi Governador de Janeiro de 1999 a Abril de 2002. Construiu duas universidades, Cederj e Uezo, e terminou uma terceira, Uenf, iniciada por Darcy e Brizola. Renegociou a dívida do Estado, considerada impagável, com FHC, de forma que Pedro Malan, Ministro da Fazenda da época, considerou a melhor negociação entre todos os estados. Recuperou a indústria naval do Rio de janeiro – apesar de lula ter surfado nessa onda, foi Anthony Garotinho, ainda no Governo FHC quem o fez. Desenvolveu a economia do estado implementando o polo gás químico da Baixada e trazendo várias indústrias para o Estado. Construiu casas populares para conter a favelização e construiu vária estradas vicinais para o escoamento da produção agrícola do interior. Foi considerado a sua época o melhor Governador do Brasil, tanto que elegeu sua sucessora, Rosinha, sua esposa, no primeiro turno. Sofreu e sofre ainda hoje uma perseguição implacável dos veículos de comunicação, liderados pela Globo, além de ser odiado pelo PT local. Só pra você ter uma ideia, Lula confiscou todo o dinheiro das contas do estado do Rio no primeiro dia do Governo Rosinha por conta de uma dívida deixada por sua antecessora, Benedita da Silva, do PT, que governou o Estado por nove meses. Acusado de formação de quadrilha por um juiz cujo irmão era assessor de Sérgio Cabral, teve sua casa revirada pela Polícia Federal a mando de Tarso Genro, Ministro da justiça da época. Confiscaram até mochilas e materiais escolares de seus filhos, mas não encontraram nada que comprometessem o Governador. Em 2010 não pode ser candidato, acusado de asfaltar uma rua e entrevistar sua esposa em seu programa de rádio fora do período eleitoral, porque o TRE era aparelhado por aliados de Cabral. Luiz Zveiter, Presidente do TRE na época, responde hoje por várias temeridades no conselho nacional de justiça. O TSE absolveu Garotinho. Enfim, o conheço desde os anos 90, ainda no PDT de Brizola, e sei que se trata de um homem de bem. Tem defeitos, como todos nós, mas está longe de ser o bandido que a Globo tenta vender. Da mesma forma que detratores acusam Aécio Neves de verdadeiros absurdos, como uso de drogas, construções de aeroportos pra família etc. Garotinho também é acusado de coisas que nunca fez. A Globo o persegue muito mais por seus méritos do que por seus defeitos, pode ter certeza disso. OBS: Jamais ficaria com raiva de você

    • Cara, eu sou do RJ e estou por fora desse Rio maravilhoso do Garotinho que você pintou, a época dele aqui foi uma das mais obscuras do Rio, sendo que ficou comprovado que o Chefe da PC, Álvaro Lins, tinha um envolvimento com o Crime Organizado e que o Garotinho estava no meio, só que ele conseguiu escapar ileso, inclusive o Cel. Erir Ribeiro deixou o Garotinho sem graça no depoimento que fez. Garotinho foi líder de processos, chegando a ter 10 processos.

      Não estou te desacreditando, mas eu não consigo lembrar desse Rio maravilhoso não.

      • Eu me lembro que no período Garotinho-Rosinha a segurança pública no Rio de Janeiro deixou de existir. Por exemplo, nas várias vezes em que os grupos criminosos mandaram “fechar” a cidade. Como não poderia deixar de ser para um herdeiro político de Brizola, Garotinho nunca incomodou a bandidagem. Depois, quando se soube das relações do Álvaro Lins com o crime organizado, as coisas fizeram mais sentido ainda – não era só uma questão de ideologia.

      • É o que eu tô falando André, pode ser que ninguém lembre, mas e aquele episódio ridículo que o Garotinho preconizou, quando a PM matou um menor do tráfico, se eu não me engano foi em Vigário, ele foi lá se ajoelhar em frente à comunidade pedir perdão, ao que a Vó que criou o menino falou: “Não sei para quê isso, meu neto era bandido e se morreu foi porque procurou” algo assim. Aliás, em episódios de ridículo é normal o Garotinho forçar, como aquela greve ridícula de fome.

        Muito cara de pau esse sujeito querer falar que a Milícia cresceu 300%, segundo o Freixo, outro hipócrita, no governo Cabral-Pezão, sendo que isso é uma falácia, pois não é necessariamente uma conexão causal, quando dois eventos ocorrem em simultâneo, sendo que no Governo dele houve o escândalo das milícias, inclusive o Filme Tropa de Elite 2 apresenta ele como aquele governador. Esse aí eu não voto nem que me prometa um aumento de 50%.

      • Mas quanta cascata.

        Em Julho de 2006, já no fim de festa do governo Rosinha, eu fui estagiário na Assessoria Jurídica (AJUR) da então Secretaria de Estado de Receita (SER). Para começo de conversa, a SER surgiu da divisão da antiga SEFAZ (Secretaria de Estado de Fazenda) após o estouro do esquema do propinoduto do Silveirinha. Um grupo de trabalho intergovernamental (Procuradores do Estado – todos de carreira -, Promotores de Justiça, Defensores Públicos e alguns Auditores Fiscais honestos) foi criado para repensar a estrutura administrativa, resultando na divisão da SEFAZ em duas Secretarias distintas – a SER e a Secretaria de Finanças – e numa alteração da legislação estadual que trata de processo administrativo tributário. Tudo para desmantelar os caminhos por onde corria a corrupção do grupo do Silveirinha, coladíssimo no casal Garotinho. Anos depois, outro esquema foi descoberto e desbaratado, com outro grupo de Auditores Fiscais, igualmente com ligações como o casal – o escândalo do “Chico Olho de Boi”.

        A primeira coisa que o Cabral (político à moda antiga, com toda a carga de desonestidade que o conceito abarca) fez foi “limpar” e estruturar a SEFAZ, refundindo Receita e Finanças e chamando um time de craques vindos do mercado e da iniciativa privada para colocar as finanças do Estado em dia. Fez quatro concursos de Auditor Fiscal para oxigenar a carreira, colocou a galera nova em cargos de direção dentro da subsecretaria de Receita, tirou a Corregedoria-Geral de Controle Externo fisicamente do prédio da SEFAZ, criou duas carreiras de nível superior para substituir comissionados e fez concurso e, por fim, hipertrofiou a AJUR, transformando-a em Subsecretaria de Fazenda para Assuntos Jurídicos, permitindo que não um, mas três Procuradores do Estado (todos de carreira, portanto) fizessem a consultoria e o controle jurídico de tudo.

        Time do alto escalão: Joaquim Levy (Banco Mundial); Renato Villela (IPEA pré-PT); Sol Garzon (FGV), Marcelo Saintive (FGV), Marcos Santoro (Auditor de carreira do TCM-RJ), por aí vai. Esses eram os Subsecretários todos. O Contador-Geral do Estado também era um Contador de carreira.

        Some isso ao upgrade dado na própria PGE (compra e estruturação de nova sede, três concursos para Procurador – um dos mais difíceis do país -, criação e concurso para carreiras de apoio administrativo em substituição a comissionados) e tem-se a remodelagem total da espinha dorsal administrativa da Administração Pública municipal, com drástica redução da boquinha dos apaniguados e qualificação técnica do pessoal – pessoal esse que, por estar lá por mérito, nada deve a ninguém. Não é à toa que o Conselho de Contribuintes (tribunal administrativo que julga Autos de Infração de tributos estaduais, integrante da estrutura da SEFAZ) recebeu certificação ISO.

        Quem viu o que é o sistema nervoso central de toda Administração Pública (Fazenda e Procuradoria) nos anos Garotinho e nos anos Cabral sabe como mudou da água para o vinho. Cabral é um safadão e Pezão não é muito diferente, mas a volta do Garotinho é retorno à trevas. Não é só uma questão de “dos males, o menor”; não tem como começar a comparar.

  6. Achei genial a saia justa que ele colocou a repórter, quando ela tentando meter no rabo dele a questão de processos em que é réu e devolveu na mesma moeda o lance da investigação da PF sobre a Globo, na questão de sonegação… hahaha!

  7. Olha só, não é por nada, eu estou consciente que o Garotinho não é flor que se cheire, mas eu sempre soube desse “dom” que ele tem. Eu ri do começo ao fim!! Muito bom mesmo ter colocado pelo menos o jeito Garotinho de lidar com os ataques!!

  8. Quem quer brincar de política tem muito a aprender com os melhores carreiristas, os caras jogam pra ganhar eleições, como a mente deles está em ganhar e não em abstrações eles ficam muito bons na interação com o público e jornalistas.

  9. Eu sou obrigado a discordar, sou de Campos dos Goytacazes, terra natal desse cara. O nome dele representa uma espécie de coronelismo bastante vingativo. Muita gente aqui não ama aquilo que ele é, mas aquilo que ele pode dar. E aí, de quem o trair? É garantia de perseguição para mais de metro. Sua postura populista e assistencialista, faz muito mais mal do que bem. Para entender melhor o que estou falando, acessem este site. http://www.fmanha.com.br

  10. Em Saquarema-RJ aconteceu um fato muito estranho. Antes das eleições municipais de 2012 era só andar pelas ruas e perguntar em quem o eleitor iria votar para prefeito que a resposta era unânime: Pedro Ricardo, candidato da oposição. Pois bem, o rapaz perdeu em todas, eu disse todas as 173 urnas da cidade. Perdeu e perdeu de muito. O mais estranho é que nas ruas alguns dias após as eleições os eleitores continuavam unânimes em dizer que votaram em Pedro Ricardo. Seria muito mais cômodo para o eleitor dizer que votou na candidata vitoriosa. Mas não, o eleitor batia o pé afirmando que votou no candidato da oposição. Curiosamente era difícil encontrar alguém que confirmasse ter votado na candidata vencedora, que coincidentemente é a esposa do deputado estadual Paulo Melo, presidente da ALERJ. Existem vários relatos na internet e inclusive vídeos no YOUTUBE atestando a vulnerabilidade das urnas eleitorais. Está lá pra quem quiser assistir. O fato é que todos os poderes encontram-se de um lado só da balança, prejudicando a alternância do poder, principal filosofia democrática. O TSE, bastante intransigente, por mais que existam evidências que comprovem, jamais irá admitir fraudes em suas ‘caixas pretas’. O ideal seria que a urna eletrônica emitisse, também, um cupom onde mostrasse em quem o eleitor votou. E que esse único cupom fosse colocado numa urna tradicional ao lado dos mesários, para fins de comprovação posterior. Uma coisa é certa: nenhum outro país no mundo, depois de examinar, quis comprar nosso ‘avançadíssimo, rápido e moderno’ método de escrutínio, nem o Paraguai.

Deixe uma resposta