Os Correios seguem metendo o pé na lama: diretor da empresa em MT pede voto para PT aos funcionários

7
59

niltonnascimento

Conforme o Brasil247, o presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, diz que vai processar Aécio Neves. O discurso é aquela farofa de sempre, cheia de encenação cínica, que você já se acostumou a ver: “Vamos processar o senador Aécio Neves e o PSDB […] Estão fazendo ataques levianos, mentirosos e irresponsáveis aos Correios, uma empresa que tem 350 anos de história e tem a confiança de praticamente todos os brasileiros”.

O problema é que os escândalos envolvendo o aparelhamento dos Correios não páram de aparecer. Simplesmente a porteira está aberta. Veja por exemplo, uma notícia do Terra dizendo que o Diretor dos Correios em MT pede voto para o PT aos funcionários:

O Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Correios, Telégrafos e Serviços Postais de Mato Grosso (Sintect-MT) denunciou ao Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) o uso da máquina da estatal para beneficiar quatro candidatos do Partido dos Trabalhadores (PT) e um do Partido da República (PR) que disputam cargo eletivo.

O presidente do Sintect-MT, Edmar Leite, protocolou nesta sexta-feira, no TRE-MT, em Cuiabá (MT), o ofício de número 308/2014 do Sintect-MT, direcionado ao desembargador Juvenal Pereira da Silva, presidente do Tribunal, afirmando que uma carta assinada pelo diretor regional dos Correios, Nilton do Nascimento, foi postada para todos os funcionários da empresa, na capital e interior, pedindo voto para os candidatos Dilma Roussef (presidente), Lúdio Cabral (governador), Ságuas Moraes (deputado federal) e Ademir Bruneto (estadual). A carta pede voto também para o atual deputado federal que concorre a uma vaga no Senado, Wellington Fagundes (PR). O PR é da coligação “Amor à nossa Gente”, puxada pelo candidato petista a governo.

Na carta, o diretor Nilton do Nascimento começa pedindo que o “colega” servidor relembre o passado. “Pedi o seu voto em 2010 e conquistamos muito com isso, por isso volto a pedir o seu voto, pois com quase 12 anos de gestão à frente dos Correios posso afirmar que houve muitos avanços conquistados pelos brasileiros, em todos os sentidos. Isso só foi possível graças ao SEU VOTO”. O diretor destaca na carta que todos os funcionários, como carteiros e atendentes, tiveram aumento acima da inflação e que isso se deve aos governos Dilma e Lula.

A denúncia é de crime eleitoral e os sindicalistas solicitam encaminhamento ao Ministério Público Eleitoral “para apuração dos fatos ora denunciados, bem como a instauração de ação penal pública”. O presidente vai receber a denúncia e dar encaminhamento, como explica a assessoria de imprensa do Tribunal.De acordo com o Sintect-MT, os Correios em Mato Grosso tem 1.600 funcionários, lotados em todos os municípios do Estado, e que pelo menos 50 deles receberam a carta. “Temos todas essas 50 como prova do que estamos denunciando. Não temos outro interesse que não seja a transparência nas eleições”, assegura. Segundo ele, é um absurdo um diretor se utilizar da máquina da empresa, enquanto dentro dela há servidores processados somente por utilizar o e-mail institucional para criticar o aumento que o governo federal deu aos aposentados da carreira.

Um dos que recebeu o pedido de voto em casa foi o carteiro Giancarlo Antonioni Quintana Pereira, de Centro de Distribuição Domiciliar (CDD) do bairro Vista Alegre, em Cuiabá. O carimbo no envelope dele mostra que a carta foi postada no dia 25 de setembro de 2014, com três selos.

O presidente do Sintect-MT assegura que a reunião entre os Correios e o PT na qual ficou definida essa postagem aconteceu no dia 23 de setembro à noite, no Hotel Mato Grosso Palace, no centro de Cuiabá. Ao Terra, o hotel confirmou que a sala Viola de Cocho foi alugada pelos Correios nesta data para o uso à noite. A reportagem não conseguiu apurar quem pagou pela sala no hotel.

As cartas foram postadas no dia 25 de setembro e chegaram para alguns dos funcionários já no dia seguinte, conforme o Sintect-MT. Tanto é que trecho do ofício diz que cartas comerciais simples foram tratadas e entregues com prioridade máxima. “Mais rápido até que o Sedex”. Além disso, indica o ofício que o valor cobrado pela postagem deveria ser R$ 1,30 cada, e não R$ 0,60. “Postaram por metade do valor”, reclama Edmar Leite.

No ofício, o Sintect-MT cita ainda “o art. 73, II, da Lei no 9.504/97, que veda o uso de materiais ou serviços custeados pelos Governos ou Casas Legislativas, que excedam as prerrogativas consignadas nos regimentos e normas dos órgãos que integra”.

Mesmo assim, diante de tudo isso, veja o nível da afronta do diretor, dizendo “não ver problema” em toda essa imundície:

A direção estadual do Partido dos Trabalhadores em Mato Grosso foi procurada pelo Terra para prestar esclarecimentos sobre a postagem das cartas, mas informou, por meio da assessoria de imprensa, que o diretor Nilton do Nascimento falaria com a imprensa.

“Não tem nada de errado nisso”, afirma o diretor. “Esta é uma carta, assinada com meu nome, como pessoa física, como cidadão”.

Sobre a reunião no Hotel Mato Grosso Palace, ele confirma que estava presente, mas era depois do expediente e foi convocada por pessoas que apoiam a candidatura da presidente Dilma. “Isso é normal, natural. O que um trabalhador faz da vida pessoal depois do expediente é um problema dele. O que eu fiz foi uma postagem como cidadão”, justifica o diretor.

Esse sujeito tem noção do que ele acabou de dizer? “Não tem nada de errado nisso”?

Existe algo na organização chamada diretório de equipe, que são as informações sistêmicas contendo endereços e diversos dados de todos os funcionários. Nenhum (mas nenhum mesmo) desses dados pode ser usado para benefícios políticos.

Se ele enviou os emails para os funcionários, então usou seu poder diretivo para obter informações privilegiadas, que foram usados em benefício político de um partido. Simples assim. Isso que ele praticou não é apenas um crime eleitoral, mas um crime no uso de informações particulares da empresa para benefício particular.

Imagine só que o Diretor de uma mega empresa com milhares de funcionários resolva ganhar dinheiro por fora vendendo treinamentos particulares.  Você acha que ele pode ir no sistema da empresa e pedir a listagem de todos os funcionários para uso em benefício próprio? Principalmente quando o uso destes e-mails vai contra o interesse dos donos dos e-mails?

Realmente, é muita cara de pau do Sr. Nilton do Nascimento vir dizendo que “não há nada de errado nisso”.

Veja a mensagem enviada:

Clique para ampliar
Clique para ampliar
Anúncios

7 COMMENTS

  1. O Exército não teme, nem serve ao PT

    Caros Amigos. A chegada do PT ao poder e os dez anos de sua permanência na direção do País criaram, além do caos social, moral e econômico, a incerteza quanto ao futuro das instituições republicanas, uma vez que o partido não deixa de alimentar a intenção de transformar o Brasil numa República Socialista Bolivariana.

    A reação recente da sociedade nas ruas, em que pese o “show da guerrilha urbana” que tenta desvirtuá-la, mostra que o povo deu-se conta dos males que representam para seu futuro o aparelhamento do Estado, do primeiro ao último escalão; o domínio completo do aparato sindical; a concentração de meios, a logística, o treinamento, o dispositivo e o incentivo dados às ações e pretensões dos chamados “movimentos sociais”; a concentração de recursos financeiros, visíveis e invisíveis, nas mãos dos “corruPTos”; a cada vez mais evidente ligação do “ParTido” com o crime organizado; e a coordenação e o controle exercidos pelo Foro de São Paulo sobre os horizontes de seus associados.

    Podera haver INTERVENCAO MILITAR SEM DUVIDAS!

    Que Deus nos proteja neste dia. Muita gente vai rodar que nem piao!!

    “O socialismo é o evangelho da inveja, o credo da ignorância, e a filosofia do fracasso.”

    Paulo Chagas é General na Reserva.

    Adms. Kelly Sanchez.

  2. Para quem acha que não há nada de errado em assassinar um prefeito de Santo André e em seguida 11 testemunhas do caso, realmente faz sentido, né?

Deixe uma resposta