Com 33% dos votos válidos, Aécio desmascara institutos de pesquisa e valida o DataCP como o indicador mais confiável desta eleição

17
122

AécioNeves-presidente.-Foto-Thiago-Chaves-AE

Enfim, conforme previsto pelos institutos de pesquisa, Aécio Neves chegou ao segundo turno destas eleições. E de maneira diametralmente oposta a esses institutos, Dilma Rousseff com apenas 8 pontos a frente dele.

Mas é melhor avaliar pelos números de votos totais (não apenas de votos válidos), onde chegamos ao seguinte resultado: Dilma 37%, Aécio 30%, Marina 19%. Você pode até se perguntar: “Luciano, por que as emissoras estão divulgando os números dizendo que Dilma teve 41%, Aécio 33% e Marina 21%?”.

Ocorre que de uma hora para outra eles resolveram parar de usar os números baseados no percentual sobre os votos totais e passaram a usar os números de percentual de votos válidos, o que pode provocar uma confusão de percepção. Mas se formos comparar com os resultados das pesquisas (que falam de percentual de votos sobre o total de votos, e não sobre o total de votos válidos), temos que considerar o total de votos.

Desta forma, vamos avaliar o que dizia o DataCP, método criado por este blog a partir de 23 de setembro:

  • 04 de outubro: Dilma 38%, Aecio 26%, Marina 23%
  • 03 de outubro: Dilma 37%, Aecio 24%, Marina 24%
  • 01 de outubro: Dilma 38%, Marina 27%, Aecio 22%
  • 23 de setembro: Dilma 36%, Marina 29%, Aecio 20%

Isso quer dizer que Dilma teve 1% a menos, Aécio 4% a mais e Marina 2% a menos em relação ao que o DataCP previu. Mas há uma explicação para isso: basicamente, tivemos 1 dia a mais de efeito da excelente participação de Aécio no debate da Globo, que gerou muita motivação em seu eleitorado, “puxando” votos.

Mesmo assim, Aécio surpreendeu até os resultados do DataCP. Porém, todos os outros institutos de pesquisa foram literalmente trucidados pelos resultados.

Agora, que tal compararmos com o Datacaf de Paulo Henrique Amorim? Financiado por verbas estatais, o blog dele previu que Dilma teria 41% e Aécio 22%. Quer dizer, Dilma teve 3% a menos, e Aécio 11% a mais. O Sr. Paulo Henrique Amorim, se já não tinha muita credibilidade , acabou de perder o resto que tinha.

Anúncios

17 COMMENTS

  1. Luciano, é hora de nós unirmos forças e fazer uma lista de frames de defesa-ataque contra as táticas batidas do PT contra o Aécio para espalharmos pelas redes.

    Também seria bom estudar os nichos PTistas para saber quais são as acusações que mais irritam os ptistas.

    Agora a pouco estava vendo o canal livre e um dos coordenadores da campanha do PT mostrou profunda indignação com a acusação de que Dilma apoiou o Estado Islâmico.

    Esse é um frame que deve ser explorado e pois eu percebi que eles não possuem nenhuma defesa para rebater e ficam profundamente irritados. Temos que encontrar outros.

  2. Começou o butthurt do Foro de São Paulo contra quem os derrotou:

    http://www.facebook.com/DilmaRousselfie13/photos/a.322585611226247.1073741828.319084228243052/380853195399488/?type=1

    http://www.facebook.com/HomensContraOMachismo/photos/a.119920238209168.1073741826.119489678252224/286303481570842/?type=1

    http://www.facebook.com/tvrelaxa/photos/a.560974247357091.1073741828.560952227359293/644081995712982/?type=1

    http://www.facebook.com/tvrelaxa/posts/644014092386439

    http://www.facebook.com/tvrelaxa/posts/643978802389968

    http://www.facebook.com/tvrelaxa/posts/643871219067393

    Porém, uma luz amarela se acende: sempre que vemos marxista-humanista-neoateísta usando o termo “coxinha” da maneira que eles ressignificaram e inventaram que era gíria vinda do povo (quando na realidade “coxinha” é gíria paulista para policial militar), isso significa uma abertura de caminho para coisa agressiva vinda dessa gente. Chamaram de “coxinhas” as pessoas que protestaram em junho do ano passado contra a Dilma e logo em seguida vimos as ruas sendo invadidas por black blocs que amedrontaram o brasileiro comum (pelo óbvio motivo de zelar por sua integridade física). Chamaram antes os médicos brasileiros de “coxinhas” e tivemos o desembarque de cubanos em massa sem o Revalida. Logo, vamos nos preocupar com o que pode acontecer em São Paulo, Paraná, Santa Catarina e outros estados anti-MHNs que claramente assim se mostraram neste primeiro turno.

    • Talvez, Cidadão, você esteja com razão, mas acredito que um dos fatores que levou a esta derrota do PT e dos demais partidos da esquerda radical – e não me restrinjo apenas aos presidenciáveis – foram justamente as manifestações violentas promovidas por tais partidos. O povo não quer quebra-quebra, coquetéis moletov ou ônibus e trens incendiados. A rejeição de tal comportamento é evidente para mim. Se agora, no segundo turno, a esquerda partir para a radicalização contra os que a rejeitaram, corre o risco de dar a vitória de bandeja para o PSDB. Acho que eles também devem estar pesando esta consequência em suas estratégias. O problema será depois de 26 de outubro.

      Em minha opinião.

    • A coisa mais fácil é refutar isso daí. Basta ver que SP, o Estado ‘coxinha’ criticado pelos MAVs por ter dado ampla margem de votos para Aécio, é a maior economia da América Latina. Enquanto isso, os Estados do Norte e Nordeste, que foi onde Dilma ganhou de lavada, são os que apresentam menor índice de desenvolvimento, com problemas em todas as áreas. Os Estados onde Dilma ganhou são os que estão com uma situação mais similar à de países como Cuba e Venezuela.
      Por fim, não basta ridicularizar o argumento, mas o militante. Já não bastasse a escrita sofrível (me recuso a chamar isso de língua portuguesa), o camarada que se diz fluminense (quem nasce no Estado do RJ) vota em um Estado que elege Romário para Senador e manda Crivella para o 2º turno. Não me orgulho disso, pois sou carioca, mas essa é uma mancha que temos que levar rs.

  3. Comparando os resultados do Aécio no Norte, Nordeste e em Minas Gerais, é preciso fazer algumas observações. Acho que desses o caso mais pitoresco é de como o Aécio perdeu a eleição para presidente no próprio estado, não conseguiu eleger um governador, mas emplacou Anastasia no Senado que foi muito bem votado. Detalhe: o Aécio deixou o governo com altos índices de aprovação. No Nordeste a estrutura da máquina é bem mais bem estruturada, o que explica como certos coronéis já perderam o posto para eles.

    Aqui na Bahia ocorreu um fenômeno interessante é que um estado que normalmente não emplacava os petistas e agora conseguiram eleger um candidato desconhecido e envolvido no esquema de corrupção do Petrolão: Rui Costa. O problema não é apenas o Bolsa Família sozinho, mas em toda a máquina que eles construíram tirando poder dos coronéis locais com professores militantes, jornalistas, universitários, sindicalistas etc e conseguiram demonizar e sabotar o adversário de tal forma que eles não conseguem ter uma reação. Detalhe: os carlistas são donos da afiliada local da Rede Globo, a Rede Bahia, donos da construtora OAS e de várias empresas e tem muito poder econômico na mão. Por uma perspectiva econômica, eles teriam tudo para vencer e fracassaram. Além disso, os carlistas tentaram uma aliança com Paulo Souto (DEM) (governador) com Geddel Vieira Lima (PMDB) (senado), antigos rivais que foram expostos como aproveitadores que mudaram de lado. Além disso, Marina Silva (18,38%) teve uma ligeira vantagem sobre o Aécio (18,27%) e mesmo somando-se os votos deles, não superam os da Dilma (61,44%). Em outros estados do Nordeste, Dilma lidera com vantagem ainda maior no Maranhão (69,56%), Piauí (70,61%), Ceará (68,30%), Rio Grande do Norte (60,06%) e Paraíba (55,61%). Outros estados como Alagoas (49,94%) e Sergipe (54,93%), Dilma não tem tanta vantagem assim e uma aliança com Marina seria interessante. O problema é que alguns eleitores da Marina possam tender a recuar para o PT e não votarem no Aécio. Se não me engano, aconteceu isso com o Serra eleição passada.
    http://placar.eleicoes.uol.com.br/2014/1turno/resumo-nacional/

    No caso de Minas o fenômeno é até mais antigo porque o PT já vinha demonizando e sabotando o Aécio por volta de 2012 depois que a Dilma foi eleita. Eles já previam que ele certamente seria o próximo indicado pelo PSDB à presidência. Um caso emblemático é o suposto desvio da saúde feito por ele e cujo caso foi julgado e o Aécio inocentado. Outro caso curioso do assassinato de reputação foi uma paranóia do PT em associar o Aécio ao personagem da mini-série “O brado retumbante” da Globo sobre um presidente que combateria a corrupção. Vários blogs chapa-branca logo associaram o personagem com o Aécio Neves devido a pouca semelhança dele com o ator. Daí pode-se notar de onde vem a história do Aécio alcoólatra e viciado, sendo essas características do personagem da série. Acho que tentar recuperar a imagem dele é perca de tempo, sendo que o foco é desconstruir o PT. E concordo mais com sua abordagem, Luciano.

    Meu palpite é que o PT está com tudo que eles tem na mão e jogando-os ao mesmo tempo. Uma característica fundamental da esquerda é ser operacional e ir testando várias estratégias ao mesmo tempo até que alguma delas dê certo. Eles começam jogando como no Go visando o longo prazo com a tomada da imprensa, É uma estratégia mais próxima do Go do que do xadrez. Eles focam em capturar peças ao invés de expandir e proteger territórios. Em algum ponto do jogo mudaram a tática e comprometem a meta estratégica original. Expandiram o território rápido no Nordeste, mas ficaram entravados no Sul e Sudeste porque queriam capturar peças, revertendo para a ótica do xadrez. Isso esculhamba a meta estratégica de tomada do poder (quem não conhece Go não entenderá essa parte).

    Táticas operacionais em curso:
    – Certamente no interior e nas zonas rurais devem fazer terrorismo eleitoral com o Bolsa Família demonizando o adversário.
    – Os professores militantes fazem a cabeça dos alunos.
    – Sindicatos propagam boatos de que os adversários acabarão com a porcaria da CLT (presenciei isso aqui na Bahia no discurso da ).
    – Luta de classes (aproveitando, inclusive, os comentários raivosos do Sul e Sudeste contra os Nordestinos. Por isso, cuidado com o onanismo econômico estudando o Nordeste apenas sob a ótica econômica)
    – Máquina estatal amedrontando funcionários públicos, inclusive os que são parasitas.
    – MAV-PT replicando boato a todo vapor, sendo eles oriundos dos blogs chapa-branca.
    – Jornalistas militantes na grande mídia seguirão demonizando o Aécio.
    – Reforçarão o espantalho de que o adversário é moralmente ruim, sendo que o PT é moralmente bom.
    – Uso do mito “Lula estadista” para encobrir a Dilma.
    – Apresentarão dados batizados da ONU ou inventarão algo para dizer que o Brasil melhorou sob a gestão do PT.
    – Continuarão a culpar a crise internacional ou o peido do elefantinho cor-de-rosa para explicar o desastre econômico.

    A solução que vejo é combater essa estrutura do PT em várias frentes e reforçar o anti-petismo nos estados em que o Aécio venceu para tirar votos deles. Interessante que aqui na Bahia não vi uma militância forte de oposição e a da situação estava muito fraca. Quase todos os comícios promovidos pelo governador estavam vazios. Aqui na minha cidade presenciei um desses fiascos e fiquei espantado como eles destruíram os carlistas e enterram os políticos mais fortes da região (Paulo Souto e Geddel) por um bom tempo.

    Outro problema, acho esse mais difícil de conter é a demonização dos eleitores do Nordeste pelos sul-sudeste porque eles tiveram uma eleição expressiva no PT. Alguns órgãos de imprensa já começaram a capitalizar o ocorrido e em breve os usarão como forma de demonizar o Aécio e colando nos seus eleitores o espantalho de serem contra os pobres ou mais algum frame:
    http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/vitoria-de-dilma-no-nordeste-gera-manifestacoes-racistas-nas-redes-sociais/?cHash=b84d1870a9acf0000905c5088e315100
    Sugiro deixarem os xingamentos de lado e propor uma união ou uma força para os nordestinos ganharem votos para o Aécio. Devido a mentalidade separatista do centro-sul estar inflamada, acho difícil.

    O Aécio conseguiu algum diálogo com alguns sindicatos, mas não teve força e nem tempo de expandi-los por boa parte do país. Então, provavelmente o PT usará a maioria quase absoluta dos sindicatos a seu favor.

    O MAV-PT é impossível de combater frente a frente, mas é possível desgastá-los com uma tática de guerrilha semelhante ao dos vietcongs. O problema é se a contra militância começar a se rachar entre marinistas e tucanos, um começa a sabotar o outro. O ataque tem que ter fogo cerrado em cima dos blogs chapa-branca que são os criadores de conteúdo os MAVs, já que a sua quase totalidade são de pessoas sem conhecimento de política e economia e são fáceis de serem num discurso cara a cara. Ataques na página do PT não funcionam mais porque eles curtem os comentários uns dos outros e encobrem as críticas. Páginas de conteúdo como Aécio zoeira ou sei lá mais o que ajudariam a recuperar a simpatia dele.

    Os petistas tentarão comparar o período de FHC com o deles, certamente com informações falsas. Por que não comparar o período de FHC com Sarney e Collor quando havia hiperinflação e tantos outros problemas? Dilma até usou aquela mentira deslavada de que os tucanos quebraram o país três vezes contra o Aécio, onde ele deixou passar o ataque em branco. Naquela época teve a crise do dólar, a crise na Rússia, o ataque especulativo internacional e um monte de coisa. O de Lula foi pego numa bonança da alta dos ativos da crise de 2008, ou seja, cria de uma bolha imobiliária e do crescimento da China por volta de 12% ao ano, ondem eles compravam vorazmente minérios do Brasil.

    Quanto ao uso da máquina estatal, eles deveriam fazer uma guerra judicial com um bom time de advogados e voluntários ou militância partidária denunciar o tempo todo nas redes sociais e fazer trabalho corpo a corpo como adesivaços do “Fora Dilma e leve o PT junto”, principalmente no Nordeste. Essa militância dos adesivos senti falta aqui na Bahia e o PT estava fraco nesse quesito também. Uma vulnerabilidade não explorada pelos carlistas defuntos. Sul, Sudeste e Centro-oeste tiveram mais êxito porque a militância corpo a corpo foi mais intensa e teve bastante adesões voluntárias. Ao invés de gastarem tempo xingando nordestino de vagabundo e dando munição para a esquerda, o jeito seria dar uma força a eles a se livrarem do PT.

    Outro erro estratégico grave do Aécio foi não ter escolhido como vice o Tarso Jereissati ou algum nome forte do Nordeste como vice. Isso reforçaria a aliança com a região e daria fôlego para os grupos políticos locais. Note no primeiro link que compartilhei acima da cobertura do UOL sobre as eleições que os centristas, ligados ao coronelismo, perderam fôlego e começaram a ser massacrados pela esquerda. Um caso emblemático é o do Maranhão: o coronelismo do Sarney perdeu fôlego e é ameaçado por alguém do PC do B (não sei se é para rir ou ter pena).

    Acho que agora chega. Depois volto a fazer comentários nonsense no blog. Valeu.

      • Tentei raciocinar no estilo do Go. Se não conhecem, aprendam a jogar e tem muito a ver com Sun Tzu. O problema é que tentam colar o frame de que todo nordestino é vagabundo por causa do Bolsa Família e não conseguem explicar porque o Aécio tomou um pau em Minas Gerais através apenas desse onanismo econômico. Esse é um frame poderoso que se cair nas mãos da esquerda, ferrou geral. E também sinto-me insultado de ser chamado de “miserável do Bolsa Família”, sendo que não tenho nada a ver com isso. Vejo, principalmente libertários (liberotários) com esse conversa. Dá vontade de descer o porrete geral nesses babacas. Sério.

    • Cara, muito boa a sua análise! Você é de onde? Sou de Vitória da Conquista.

      Também acho que Aécio tem que se preocupar em diminuir a larga vantagem que Dilma possui no Nordeste (em vários estados Dilma ganhou em TODOS os municípios). Tarso como vice poderia ter diminuído a MEGA-HIPER-SUPER vantagem de 2,5 milhões e meio de votos que Dilma obteve no Ceará, por exemplo. Aqui na Bahia também houve um MASSACRE (Dilma com 3 milhões de votos a mais que Aécio), pelo erro de estratégia carlista no combate ao PT e pelo aparelhamento nas universidades e sindicatos como você bem observou.

      Só pela estratégia que deveria ter sido adotada nesses dois estados a distância entre Dilma e Aécio cairia (e muito!): a diferença a nível nacional foi de 9 milhões e nos dois estados (BA e CE) de 5,5 milhões.

      Concordo com você quando diz que o “separatismo” sulista e os clichês racialistas são muitíssimo prejudiciais, mas eles vão continuar – mais pelos exageros e propaganda dos MAV’s.

      O Aécio tem que centrar o combate nos estados populosos em que perdeu apertado (RJ, RS e MG, é claro), para tentar roubar um pouco os votos de Marina, e diminuir a distância no Nordeste, principalmente no CE, BA, PE (onde também houve um massacre: Dilma e Marina com 2 milhões e Aécio com menos de 300 mil) – só aí ele pode se dar ao luxo de perder em alguns estados sem muito prejuízo. Esse combate pelo Nordeste deveria ter começado há muito tempo, porque o PT sempre se apropria dos votos com o discurso assistencialista e de “amigo dos pobres”.

    • Emerson, muito boa a sua análise! Você é de onde? Sou de Vitória da Conquista.

      Também acho que Aécio tem que se preocupar em diminuir a larga vantagem que Dilma possui no Nordeste (em vários estados Dilma ganhou em TODOS os municípios). Tarso como vice poderia ter diminuído a MEGA-HIPER-SUPER vantagem de 2,5 milhões e meio de votos que Dilma obteve no Ceará, por exemplo. Aqui na Bahia também houve um MASSACRE (Dilma com 3 milhões de votos a mais que Aécio), pelo erro de estratégia carlista no combate ao PT e pelo aparelhamento nas universidades e sindicatos como você bem observou.

      Só pela estratégia que deveria ter sido adotada nesses dois estados a distância entre Dilma e Aécio cairia (e muito!): a diferença a nível nacional foi de 9 milhões e nos dois estados (BA e CE) de 5,5 milhões.

      Concordo com você quando diz que o “separatismo” sulista e os clichês racialistas são muitíssimo prejudiciais, mas eles vão continuar – mais pelos exageros e propaganda dos MAV’s.

      O Aécio tem que centrar o combate nos estados populosos em que perdeu apertado (RJ, RS e MG, é claro), para tentar roubar um pouco os votos de Marina, e diminuir a distância no Nordeste, principalmente no CE, BA, PE (onde também houve um massacre: Dilma e Marina com 2 milhões e Aécio com menos de 300 mil) – só aí ele pode se dar ao luxo de perder em alguns estados sem muito prejuízo. Esse combate pelo Nordeste deveria ter começado há muito tempo, porque o PT sempre se apropria dos votos com o discurso assistencialista e de “amigo dos pobres”.

  4. Luciano,as sugestões de Rodrigo são louváveis.Tentaram assassinar o PSB mas só ficou na morte de Eduardo Campos.Em Pernambuco nenhum candidato a deputado estadual ou federal do PT foram eleitos.Pra quem o Lula pediu votos não se elegeram,senador(João Paulo) e governador(Armando Monteiro).Isso prova que Dilma está perdida da silva.A melhor campanha do PSDB foi a entrevista de FHC,no programa LIDER,quando ele fala que o Brasil perdeu o RUMO.A verdade foi dita com coesão e coerência,o povo precisava ouvir isto de um político de peso.Talvez a entrevista tenha influenciado nos resultados das eleições?

  5. Luciano, estou feliz mas triste. Feliz porque o povo de São Paulo mandou Suplício ir pastar e triste porque mais um poste ganhou o governo baiano. Não sei o que deu na cabeça do povo daqui, mas vamos ver. Anulei o voto para deputado estadual ( só tinha coisa infame) e joguei firme na turma da mudança. Enquanto houver liberdade, há esperança.

  6. A melhor estratégia do Aécio hoje, seria a de um boxeador que aproveitando a sua altura, dar preferência à aplicação de jabs para cansar e manter o adversário à distância. Na eventualidade de o adversário conseguir diminuir a distância, um rápido jogo de pernas voltaria a colocar a luta sob seu controle. Seja um Muhammad Ali, Aécio!

  7. Quer ver outro “erro” grosseiro desses institutos de pesquisa? Veja aqui no RS:

    Em 18/09, o Datafolha publicou o seguinte:

    Ana Amélia Lemos (PP) – 37%
    Tarso Genro (PT) – 27%
    José Ivo Sartori (PMDB) – 13%

    Em 05/10, os resultados:

    José Ivo Sartori (PMDB) – 40,40%
    Tarso Genro (PT) – 32,57%
    Ana Amélia Lemos (PP) – 21,79%

    Enfim, a “pesquisa”, em relação a Ana Amélia “errou” por “somente” 16%, aproximadamente.
    Em relação à Sartori, o “erro” foi de “somente” 27,4%.

    O único que ficou “na margem de erro” foi o petista Tarso. Depois dessa, essas pesquisas, pelo menos para mim, podem ir para a lata de lixo, pois ficou evidente que só servem para inflar os candidatos do partido que pagam tais pesquisas.

Deixe uma resposta