Negociar com Marina? Sim. Ceder às exigências? Jamais!

17
41

Aécio-Marina
O PSB, partido que integra o Foro de São Paulo (e conforme alguns analistas estaria com tudo “combinado com o PT”), resolveu apoiar Aécio Neves, conforme divulgado em 08/10.

Quer dizer, aqueles que pareciam mais resistentes ao diálogo foram os mais abertos. Já Marina fez uma lista de exigências para apoiá-lo, conforme a Veja:

Derrotada nas urnas, Marina Silva elaborou, ao lado de seu grupo político, a Rede Sustentabilidade, um documento com uma série de exigências para que apoie Aécio Neves no segundo turno das eleições. A carta defende antigas bandeiras da ex-ministra do Meio Ambiente, como o crescimento econômico aliado à sustentabilidade, e bate de frente com uma das principais propostas do tucano: a redução da maioridade penal para crimes hediondos. “Numa visão progressista de segurança, não há espaço para projetos como a redução da maioridade penal ou a precarização das condições de apenamento de menores”, diz o documento, que deve ser entregue ao tucano nesta sexta-feira, provavelmente no Rio de Janeiro.

Marina Silva pretendia anunciar nesta quinta o posicionamento no segundo turno, mas, diante da resistência de parte de seu grupo político, decidiu esperar um retorno sobre se Aécio vai aderir a pontos considerados caros por ela (leia abaixo). “Aguardo com tranquilidade e confiança a manifestação individual ou coletiva dos partidos sobre os compromissos que precisam ser assumidos pela candidatura identificada com o sentimento de mudança. Essa manifestação e a resposta que ela obtiver serão fundamentais para minha manifestação individual”, afirmou Marina por meio de carta enviada nesta manhã a representantes de partidos coligados ao PSB durante as eleições.

Internamente, o sentimento é de que Aécio precisará fazer um aceno aos movimentos sociais e dar uma sinalização à esquerda. “Hoje meu voto é nulo. Se ele me convencer, tudo bem. Mas não vai ser fácil ganhar meu voto”, resume Pedro Ivo, coordenador da campanha de Marina e um dos braços-direitos da ex-senadora. “Ele não vai poder ser um candidato à direita e conservador”, continuou.

Embora seja crucial para definir o apoio a Aécio, o documento traz críticas ao partido do candidato. Logo no início do texto, o grupo de Marina aponta que o desejo de mudança “foi tragado para dentro da velha polarização PT x PSDB”, mas que ainda não há uma perspectiva de reinvenção da política. “Nessa encruzilhada, nenhum dos caminhos aponta para uma saída política de profundidade, capaz de reduzir as desigualdades sociais promovendo a plena cidadania”, aponta trecho da carta.

A coisa já não começou bem com o uso do tom de exigência, além da exposição pública dessas exigências. Não é assim que se negocia civilizadamente!

É claro que negociar é positivo e o apoio de Marina tem o seu valor, embora muitos de seus eleitores já tenham migrado para o tucano. Mas aceitar suas imposições seria um verdadeiro beijo de morte.

O principal motivo para não cair neste jogo é que o marqueteiro do PT iria apontar “incoerência” do candidato do PSDB. Candidatos “titubeantes” são mais facilmente desconstruídos. Basta apresentar o oponente que faz muitas concessões em troca de apoio como alguém sem princípios e capaz de ser vítima de chantagens. Foi exatamente em cima desta simbologia que o PT fez uma de suas desconstruções mais eficazes.

Ou seja, melhor confiar na própria campanha, abrir o diálogo com Marina (negociar um ou dois pontos, mas não os críticos), e não voltar atrás em nenhuma bandeira levantada anteriormente. Por exemplo, a questão da redução da maioridade penal deve ser inegociável, pois já foi apresentada em campanha. 

Repito o alerta: candidatos “titubeantes” que não sabem o que querem perdem pontos, especialmente diante de um marqueteiro muito competente como João Santana.

E se Marina resolvesse apoiar Dilma? Isso nas mãos de um marqueteiro talentoso poderia se transformar em ouro, pois todas as contradições apontadas pelo PT sobre ela se transformariam em contradições do próprio PT.

Mas aí o PSDB teria que adentrar ao território da desconstrução do oponente, um território para fortes. Tenho gostado da postura de Aécio especialmente nos últimos debates. Mas será que a equipe dele tem esse tipo de sangue frio?

Anúncios

17 COMMENTS

  1. O que, para mim, aponta mais uma vez para o fato de sua estratégia, de votar na Marina no segundo turno, caso ela e não o Aécio estivesse na disputa, ter sido absolutamente correta.

    Marina é imprevisível e sempre que pode mete os pés pelas mãos.

    Passa a campanha inteira falando em mudanças e “nova política”, mas exige a manutenção de evidentes entraves da política velha.

  2. Pesquisa realizada ontem, se não estiver enganado, apontou que 68% ou 66% dos eleitores de Marina já declaram seu voto em Aécio no 2º turno, antes mesmo de Marina se manifestar. Outros 18% estão migrando para Dilma. Temos aí mais de 20% de eleitores de Marina no 1º turno que ainda estão ‘indecisos’. Vamos aguardar!

  3. Mais uma vez, Luciano, você apresenta a “conta” para o Aécio (ou seja, se ele aceitar Marina nos termos dela ele ERRA, se ele não fizer a “corte” para a Elfa ele ERRA também. “Se correr o bicho, se ficar o bicho come”, não importa o que faça, para você ele sempre estará errando de alguma forma) .

    Em termos de estratégia de campanha, vá lá, concordo com você que não é recomendável fechar a porta para Osmarina. No entanto, como vinha comentando aqui em seu blog, a Marina é petista de raiz e muito mais radical que a terrorista búlgara em uma série de temas, tais como a questão indígena, o agronegócio, o ECA, o MST, o “protagonismo” e agigantamento dos movimentos sociais.

    Enquanto os “analistas” não entenderem o que de fato representa a Elfa do Acre e a sua Rede, o Brasil continuará rumo a consolidação do bolivarianismo suicida e assassino, da esculhambação, do atraso, da inversão de valores e do achatamento da democracia representativa. Marina NÃO É alternativa em relação ao que está aí, é, no mínimo, mais do mesmo. Acorda, Brasil!

  4. A perdedora acha que ganhou e impõe condições para seu apoio. Quando candidata mudava de opinião sempre que detectava qualquer insatisfação, era incoerente nos discursos. Agora ela não tem nada a perder, não precisa agradar nenhum eleitor, fica livre para ser o que sempre foi, uma petista de carteirinha. O discurso do Pedro Ivo mostra que essa tal de Rede Sustentabilidade está cada vez mais parecida com o PSOL.

    Negociar com Marina? Impossível.

    O apoio de Marina é importante, mas, diferente do que muitos acreditam, não é fundamental para uma vitoria do PSDB. A campanha tucana não pode perder tanto tempo tentando trazer a Marina, essa negociação deve ficar em segundo plano. Articulações muito mais importantes já foram feitas em vários estados.

  5. “Por exemplo, a questão da redução da maioridade penal deve ser inegociável, pois já foi apresentada em campanha.” e principalmente pq a população tem apoiado essa proposta, por conta do alto índice de violência. Agora Marina estica a corda, até o ponto próximo da ruptura. Pode ser que ela queira mesmo que o Aécio não aceite, pra que ela se mantenha alva e pura, como uma espécie de salvo conduto e poder dizer assim mais adiante: “olhe, eu fui contra o PT, mas o Aécio não aceitou meus pontos, por isso não houve acordo”.
    Também acho que ele deve ter prudência ao negociar com ela.

  6. Aecio Neves não tem mesmo que ceder , o povo já decidiu você , fica mais forte ainda não aceitando certos programas de governo.

    Como sugestão Jáir Bolsonaro ministro da justiça. ..

  7. Algo que me parece uma boa estratégia: gastar uns 3 a 4 minutos do programa eleitoral em uma “conversa franca e direta com Marina”, listando as exigências que ela fez, mostrando as partes em que é possível o acordo e as partes em que não é, explicando os porquês. Seria em um tom respeitoso, mas firme, deixando claro que o apoio das forças que advogam pela mudança, independentemente de algumas divergências, é muito bem-vindo, sem que seja necessário abdicar das convicções sobre o que é melhor para o Brasil. A conclusão seria aproveitando o slogan da Marina, enaltecendo a transparência dessa conversa e chamando isso de verdadeira nova política. Seria um xeque-mate, que deixaria Marina totalmente acuada, sem condições de renegar o apoio e, menos ainda, de impor condições.

  8. Marina, que até o último debate ia ganhar meu voto, tá muito empaca foda. Fica parecendo que tá inventando desculpas para não apoiar. Mais fácil seria manter-se neutra. E o Aécio não vai dizer “sim senhora” a tudo não, ele tá manjando da jogatina já.

  9. E quanto as pesquisas que alguns aqui comentaram, dizendo que 20% dos eleitores da Marina estão indo para Dilma e etc… bem, não duvido, porém na página dela do facebook eu só vejo gente falando que agora é hora de apoiar o Aécio. Isso vindo, inclusive, de gente que visivelmente é marineiro de coração.

    As pesquisas devem continuar mostrando Aécio na frente de Dilma, fácil. E se não mostrarem, bom, vocês já sabem pra onde podem enviar as pesquisas: pra casa do CARALHO.

    • Mas essa é a tendencia natural.

      A Marina tem eleitore anti-PSDB. Mas são minoria, em torno de 20% dos eleitores.

      Por outro lado, praticamente todos que viam a Marina como uma 3a via, tentem a migrar pro Aécio, já que ele agora é quem representa a mudança.. diria que esses são 50% de seus eleitores.

      Os restantes 30% ( 20%*0,3 = 0,6% irão decidir a eleição. São voláteis, dependem a performance durante a campanha)

    • Ja que não consigo responder tua resposta,vou responder nesse teu comentário claro não da para não notar gente mentirosa e mal educada como você.

  10. Temos o seguinte:
    – Com toda certeza praticamente todos que votaram na Dilma e no Aécio, manterão os votos
    – TODOS os eleitores da Luciana (~2%) votarão na Dilma
    – Entre 10 e 20% dos eleitores da Marina são anti-PSDB

    Dessa forma, temos para a Dilma:

    41% + 2%(Luciana) + 4%(20%*0,2 Marina) = 47%.

    Essa é a votação seguramente petista, com uma margem de 2% no máximo.

    O PT tem a vantagem de ter quase metade dos votos validos garantidos. Já os demais tendem a ser do Aécio, mas podem mudar, caso a campanha seja fraca.
    Talves tentar converter votos nulos em 45 seja uma ótima saida para o tucano….

Deixe uma resposta