Rotina de censura: “Regular economicamente os meios de comunicação não é controle de conteúdo”

19
83

leydemedios

Um governo bolivariano não irá jamais (sob hipótese alguma) usar os termos verdadeiros para demonstrar suas reais intenções.

É exatamente este o cerne da censura sutil: implementar a censura de forma que ela não pareça ser uma censura para os observadores menos atentos, incluindo os observadores internacionais.

Um caminho é usar um frame mais “soft”, dizendo que não haverá, sob hipótese alguma, regulação de conteúdo, mas apenas regulação econômica das empresas de mídia. Mas como veremos aqui, assim como em todos os exemplos já vistos na Venezuela e Argentina, regulação econômica é regulação de conteúdo.

O desatento haveria de perguntar: como pode ser isso?

A verdade é que todos os países bolivarianos que implementam a censura de mídia (de novo: eles jamais usarão esse termo) fazem uma regulação econômica dos meios de comunicação como parte fundamental de seu projeto.

Para entender como isso funciona, basta ver a resistência do SBT em demitir a jornalista Rachel Sheherazade. Isso ocorre por que o SBT é uma grande empresa, capaz de sobreviver sem as verbas estatais. Na verdade, pela variedade de negócios, o SBT poderia até mandar o dinheiro estatal às favas.

Esse tipo de poder econômico das maiores empresas reduz automaticamente o poder de pressão do governo sobre essas empresas, mesmo que a pressão ainda exista, de uma forma ou de outra.

Mas quando se limita o tamanho das empresas de comunicação, elas se tornam cada vez mais vulneráveis à pressão econômica do governo.

Imagine o mesmo SBT com um tamanho limitado, sem poder investir em negócios alternativos. Ele estaria, enfim, “regulado”.

Como ele poderia reagir à pressão para a demissão de Rachel Sheherazade? Note que a partir do momento em que ele está “regulado” (ou seja, limitado em seu poderio financeiro, assim como proibido de investir em outras áreas, ou mesmo de ter um grande número de emissoras), essa empresa estará muito mais vulnerável à pressão governamental.

A partir desse momento, mesmo sem existir uma censura oficial, o governo passa a ter um poder enorme de pressão sobre essas empresas, pois “reguladas economicamente”, tornam-se muito mais vulneráveis às ameaças veladas do governo. Motivo: elas passam a nutrir maior dependência do capital vindo do governo.

É por isso que na configuração bolivariana, “regulação econômica dos meios de comunicação” é parte de um projeto para pressionar os meios de comunicação de forma que eles fiquem mais vulneráveis à pressão estatal e, portanto, mais forçados a se ajoelharem para o partidão no poder.

A verdade é que hoje o Brasil possui quatro grandes redes de TV, Rede Globo, Record, SBT e Band, além de redes menores. Também existem vários jornais e revistas de grande porte. Algumas dessas empresas são claramente favoráveis ao governo, como Record, UOL e Folha de São Paulo.

Ainda assim, isso não é suficiente para Dilma e seus bolivarianos. Eles querem submissão total. Por isso, falarão em “regulação econômica dos meios de comunicação”, que é uma forma de censurar a opinião divergente a partir da pressão econômica sob meios de comunicação cada vez mais vulneráveis às verbas estatais.

Exatamente como ocorre na Venezuela, Bolívia, Equador e Argentina.

Anúncios

19 COMMENTS

  1. No Brasil a regulação econômica é de competencia do Conselho Administrativo de Defesa Economica que tem como objetivo orientar, fiscalizar, prevenir e apurar abusos do poder econômico, exercendo papel tutelador da prevenção e repressão do mesmo.

    O CADE tem o papel de julgar sobre matéria concorrencial os processos encaminhados pela Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça e a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda. Desempenha os papéis preventivo, repressivo e educativo, dentro do mercado brasileiro.

    Como está na Wikipedia, são instituições com funções semelhantes e equivalentes àquelas do CADE, em outros países, o Federal Trade Commission (FTC) nos Estados Unidos da América, a Office of Fair Trade (OFT) no Reino Unido, a Commissione Nazionale per le Società e la Borsa (Consob) na Italia, a Australian Competition and Consumer Commission (ACCC) na Austrália. Esses órgãos, assim como o CADE, também tutelam os direitos dos Consumidores. A Direção-Geral de Concorrência da Comissão Européia é responsável pela defesa da concorrência

    Qualquer iniciativa “porralouca” no sentido de desvirtuar, à la Kirchner, essas funções, ou de regular de forma especiosa um setor empresarial, será abuso de poder ou desvio de finalidade, colocando o Brasil, definitivamente, fora do contexto internacional.

    Só pode ser idéia de ideologistas que não têm compreensão de conjunto.

    Não passará.

    • Se eu não me engano, Vinicius Marques de Carvalho, atual Presidente do CADE, é um grande militante da causa petista, inclusive, com registro ativo no Partido.

      .

    • Não tem como regular a economia sem regular o indivíduo. Os dois são inseparáveis. A economia é assunto privado dos indivíduos que buscam a melhoria de seu bem estar. O que fazem como, quando e que quantidade e qualidade somente lhe diz respeito e não ao governo. Governo ou estado não deve se meter neste assunto. O papel do governo ou estado é a produção da segurança, da paz e da justiça devendo se abster dos assuntos econômicos. Lord Acton fala que o poder corrompe, mas é preciso saber onde e como este poder se torna possível para chegar a este ponto. As pessoas não se dão conta do princípio base de que economia é assunto privado dos indivíduos em que o governo não deve meter os dedos e permitem esta usurpação por parte do governo. Aí, qualquer um que passar pelo teste da eleição e se tornar um político logo explora esta oportunidade de negócio. Se se dá ao governo o poder de regular a economia, este se transmite ao indivíduo que passou no teste eleitoral e como se pode ver, ele não se faz de rogado em tratar o bem alheio como se fosse seu, pois está inclusive ampara por lei. O cidadão vira uma espécie de escravo e o político ladrão. Se tirar do governo este direito de regular a economia e devolve-la ao indivíduo, até a “profissão” de político perde a graça. Mas para isso é preciso mudar esta mentalidade de que compete ao governo regular a economia. Quem regula a economia é o indivíduo, na qualidade de consumidor. Depois de adquirir esta mentalidade, retirar do texto da lei maior este direito. Com isto até a eleição para Presidente terá a mesma importância que escolher o delegado de polícia.

  2. Como sempre, a verdade é o exato oposto do que os caras alegam como “argumentos”. Não pode haver tanto poder para uma emissora! Só que a emissora tem concorrentes brigando pela audiência e faturamento. Mas o governo, acima delas pode ter poder absoluto e sem qualquer concorrência, aí não há nada demais…
    Que malandrinhos!
    Sabemos como isso acaba.

  3. O argumento de que “a mídia” está na mão de poucos grupos poderosos não se sustenta. Primeiro porque existem milhares de jornais e revistas e são as pessoas que escolhem alguns (e, infelizmente para os petralhas, a imensa maioria dos alfabetizados despreza os órgãos que os defendem abertamente). Segundo porque se é ruim estar na mãos de alguns poderosos é muito pior ficar só na mão do mais poderoso, que é o governo.

    • Á melhor medida para se regular a imprensa, inclusive economicamente, é deixá-la livre sem interferência de qualquer espécie por parte do governo, sobretudo econômica ( através de subsídios, anúncios etc), e que se sustente apenas pela preferencia de seus leitores e seus anúncios comerciais privados.

  4. Luciano gostaria de saber quando irá voltar com as rotinas neo ateístas e obrigado pela explicação, agora sei por que o SBT se submeteu ao Estado, mesmo sendo minima sua submissão em relação aos comentários da Rachel Sheherazade.

  5. Partindo do princípio de que qualquer regulação da economia implica na regulação do indivíduo, a tal de regulação econômica da mídia é apenas um outro nome para eliminar o direito de liberdade de expressão que já foi apequenada por várias outras medidas escondidas sob disfarce de combater o racismo, o preconceito e por aí. Pontos da constituição já foram quase completamente neutralizado. A propriedade privada, o governo que não é nada representativo, a democracia que cambaleia, a igualdade perante a lei que já está carcomia com foro especial, cotas raciais e etc…A coisa está andando como tartaruga..mas está. E isto não é obra somente do PT, é uma construção coletiva onde vários partidos e governos tem contribuído por décadas, inclusive os milicos no seu tempo de ditadores.

  6. Luciano, um amigo meu tem 3 filhos jovens, que estiveram muito tempo apenas sob a orientação de professores, e portanto, apesar do estilo de vida deles bem confortável e capitalista, dois deles (idades 17 e 15) creem nas ideias petistas.

    Contudo, como já ressaltei, nenhum dos dois aguentam qualquer aperto, de qualquer ordem. Ele me pediu umas dicas, para tentar orientá-los. Comecei indicando o filme “A Onda”, depois apresentar as mazelas das ideias petistas. Logo após, o filme “A Cidade Perdida”, e mais explanações sobre a esquerda.

    Depois, apresentar o ‘Foro de São Paulo’ para eles.

    Poderia me dar mais ideias, nomes de livros?

    P.S.: Agora, em um dos melhores colégios da capital (JPA-PB), em meio ao período eleitoral, os professores organizaram diversos seminários. Assunto? Um menor-mor da ‘esquerda caviar’: Chico Buarque e as suas obras. Aí, imagine o que isso significou para jovenzinhos sem conteúdo, que não foram apresentados a quase nada. Pior, ninguém se deu conta…

  7. E o que fazer então para evitar que meios de comunicação inescrupulosos divulguem notícias falsas como fez a VEJA faltando dois dias para as eleições?
    Ou como fez a IstoÉ divulgando uma pesquisa falsa?
    O Governo deve ficar quieto só esperando os espertalhões lhe tornarem o poder? Você ficaria? Isso é justo?

    • Petralha, publiquei o seu post apenas para mostrar como vocês pensam. E que fique como um exemplo a ser exibido para todos os leitores deste blog.
      Não há o “que fazer” para evitar que um meio de comunicação publique qualquer coisa, pois NÃO HÁ CENSURA PRÉVIA.
      Você pode entrar com uma ação judicial posteriormente, e até pedir direito de resposta. Essa é a lei de qualquer país civilizado, coisa que o PT não é.
      E qual “informação falsa” a Veja publicou? Estamos aguardando o fim das delações, para avaliarmos se o que a Veja publicou é fato ou não. Lance suas fichas. Desde a época das denúncias de Pedro Collor (irmão de Fernando Collor), eles tem sido bem cuidadosos com as bombas que publicam. Em relação à “pesquisa falsa” da Istoé, tivemos Ibope e Datafolha com resultados bizarros no primeiro turno. Pesquisas falsas?
      Então, cuidado que aqui ninguém cai em seus truques, ok?

  8. ” … E o que fazer então para evitar que meios de comunicação inescrupulosos divulguem notícias falsas … “

    Petralha, não seja dissimulado, o que vc realmente quer é isso aqui:


    Diretor do Ipea se afasta do cargo após instituto segurar dados

    Herton Araújo decidiu deixar o cargo após a cúpula do órgão impedir a publicação, no período eleitoral, de um estudo inédito sobre a evolução no número de miseráveis no governo Dilma

    http://www.otempo.com.br/capa/economia/diretor-do-ipea-se-afasta-do-cargo-ap%C3%B3s-instituto-segurar-dados-1.933841

    É censura! Seu truque sujo, foi desmascarado!

  9. O partido narcotraficante PT , que possui claras ligações com as Farc, está editando aos poucos o seu AI-6 no Brasil. Seria uma vingança contra o AI-5 militar ? Não sei, mas de qualquer forma,os caudilhos bolivarianos insistem em oprimir nossa liberdade de sermos informados de suas fraudes, seus roubos, da destruição que eles promovem conta o nosso povo. Agora o partido dos trabalhadores que nunca trabalham e que odeia quem trabalha, mexem no direitos dos verdadeiros trabalhadores, do povo bom e honesto que virou refém da máfia PT- Smartimatic.
    Usando do dinheiro dos trabalhadores para pagar seus blogs chapa-branca que lucram milhões para espalhar mentiras e apoio à sua quadrilha, esse governo visa ferrar de vez com todos os brasileiros, graças ao voto irresponsável de muita gente, falando em palavras bonitas, como democracia, igualdade,, mas apenasdemocracia e igualdade de pensar bolivarianamente como esses trastes. Os brasileiros estão acordando. E quando estiverem totalmente despertos, não vai haver regulamentação que dê jeito.

Deixe uma resposta