Nunca se mentiu tanto para esconder a corrupção petista. Ou: o esforço indigno de Ricardo Semler na defesa do indefensável.

35
315

epoca_ted_ricardo

O texto “Nunca se roubou tão pouco”, do empresário Ricardo Semler, é uma obra prima da prática falaciosa. Tem de tudo ali: estratagemas erísticos diversos, tu quoque e a infalível evidência anedotal. Certos momentos não dá para diferenciar o texto dele do discurso de um médium alegando fazer leitura na borra do café. Só faltou contar histórias de lobisomem e apresentar como evidências “eu via lobisomens todos os dias na roça”.

É inacreditável que os debates políticos tenham que ser levados para esse nível de irracionalidade proposto por Semler. Se a moda pega, ganha quem contar mais histórias, sem apresentar evidências. É como voltar às eras tribais, em tempos onde pessoas mais espertas enganavam as outras com histórias sobre “deuses da chuva”.

Vamos destrinchar essa peça inacreditável de desinformação em uma apresentação bem clara do que significa o ceticismo político.

Nossa empresa deixou de vender equipamentos para a Petrobras nos anos 70. Era impossível vender diretamente sem propina. Tentamos de novo nos anos 80, 90 e até recentemente. Em 40 anos de persistentes tentativas, nada feito.

Logo no início, já temos a primeira instância de evidência anedótica. A coisa é tão básica e banal que basta o Wikipedia para nos dar uma definição do truque:

Evidência anedótica, ou evidência anedotal refere-se a uma evidência informal na forma de anedota (conto, episódio, derivado do grego anékdota, significando ‘coisas não publicadas’), ou de “ouvir falar”. Quando utilizado em propaganda ou promoção de um produto, serviço ou idéia, a evidência anedótica é chamada de testemunho e é banida em algumas juridições norte-americanas. Também pode ser usada em contexto legal para certos testemunhos.

O termo é geralmente utilizado em contraste com evidência científica, especialmente na medicina baseada em evidências, que é uma evidência formal. A evidência anedótica freqüentemente não é considerada científica pois raramente pode ser analisada segundo o método científico. O mau uso de evidências anedóticas como evidências formais é considerada uma falácia (erro de argumentação lógica).

Outro problema relacionado ao uso de evidência anedotal é que, mesmo que real, não leva em consideração dados estatísticos, que poderiam evidenciar se a ocorrência estaria ou não dentro da variação prevista. A psicologia demonstrou que as pessoas tendem a se lembrar com mais facilidade de exemplos notáveis do que os ordinários, levando à falsa impressão de que estes ocorrem em uma freqüência mais alta do que a real. É por isso que casinos geralmente procuram chamar a atenção para os poucos que estão ganhando, pois levam à falsa impressão de que a probabilidade de ganhar é maior. Do mesmo modo, apesar dos acidentes aéreos serem muito mais raros do que os automobilísticos, não é incomum pessoas acharem que são muito comuns.

Também é interessante que Semler conte histórias dos anos 70, quando na verdade ele só entrou na empresa onde está até hoje em 1980. Detalhes esperados de um contador de anedotas um tanto quanto confuso…

Não há no mundo dos negócios quem não saiba disso. Nem qualquer um dos 86 mil honrados funcionários que nada ganham com a bandalheira da cúpula.

Lá vamos nós de novo para a evidência anedótica. Mas isso nos leva a uma conclusão bastante óbvia: se temos todos os empresários sabendo disso, e todos os 86 mil funcionários que nada ganham, como é que nenhum deles tem gravações e evidências de forma a comprovar escândalos de dimensões tão grandes quanto as do Mensalão e do Petrolão?

Os porcentuais caíram, foi só isso que mudou. Até em Paris sabia-se dos “cochons des dix pour cent”, os porquinhos que cobravam 10% por fora sobre a totalidade de importação de barris de petróleo em décadas passadas.

Que eu saiba, em Paris, nas últimas quatro décadas, também tínhamos tecnologia de gravação. Já nos anos 60, as fitas cassette eram bastante populares. Gravadores portáteis se popularizaram no fim dos anos 70, e com certeza as empresas tinham esse recurso a seu favor. Portanto eu queria ouvir alguma gravação falando em propinas de 10% na Petrobrás. Você tem algo assim, Semler?

Em suma, Semler conta histórias dos anos 60 e 70, mas só entrou em sua empresa nos anos 80. E nos anos 80, qualquer um poderia fazer uma gravação em fita cassete de qualquer coisa que quisesse.

Pergunta: por que Semler não consegue apresentar nenhuma gravação mostrando um caso de corrupção de tão larga escala como no Petrolão?

Agora tem gente fazendo passeata pela volta dos militares ao poder e uma elite escandalizada com os desvios na Petrobras. Santa hipocrisia. Onde estavam os envergonhados do país nas décadas em que houve evasão de R$ 1 trilhão –cem vezes mais do que o caso Petrobras– pelos empresários?

O que tem a ver o assunto de um bando de perdidos pedindo “intervenção militar” (e são minoria nas manifestações) com o assunto?

E aqui vemos um truque até engraçado. Ele diz que “nas décadas em que houve evasão de R$ 1 trilhão isso significa mais de cem vezes do que o caso Petrobrás”.

Que categorias de comparação são essas? Ele não deveria comparar uma década com outra, um ano com outro, uma empresa com outra? Mas ele compara  várias décadas (de todas as empresas juntas) com uma década de um partido diante de uma empresa em particular? É claro que ele está tentando te enganar com manipulação de categorias.

Virou moda fugir disso tudo para Miami, mas é justamente a turma de Miami que compra lá com dinheiro sonegado daqui. Que fingimento é esse?

Esse parágrafo acima não faz o menor sentido. É tão bobo que nem vale a pena refutar.

Vejo as pessoas vociferarem contra os nordestinos que garantiram a vitória da presidente Dilma Rousseff. Garantir renda para quem sempre foi preterido no desenvolvimento deveria ser motivo de princípio e de orgulho para um bom brasileiro. Tanto faz o partido.

O que tem a ver a questão dos nordestinos com o caso da corrupção?

É claramente uma instância da falácia “olha o avião”. Essa é aquela na qual você está discutindo um assunto e outro grita “olha o avião” (mesmo sem sequer existir um avião sobrevoando a área) somente para te distrair. Pura palhaçada.

Faça assim, Semler: traga evidências de escândalos de corrupção de todos os partidos que estiveram na mesma posição em que o PT, e então validaremos sua expressão “tanto faz o partido”. Que tal?

Não sendo petista, e sim tucano, com ficha orgulhosamente assinada por Franco Montoro, Mário Covas, José Serra e FHC, sinto-me à vontade para constatar que essa onda de prisões de executivos é um passo histórico para este país.

Agora é a falácia do apelo à autoridade. Algo como “me ouça pois sou tucano”. Mas pode muito bem ser um tucano com segundas intenções.

Ademais, o principal problema é que Semler só tem o direito moral de se sentir à vontade para trazer seus truques até o momento em que lembramos de tucanos como Xico Graziano, que tem agenda petista. Depois disso, ele só tem direito de se sentir obrigado a trazer evidências materiais de tudo que alega.

É ingênuo quem acha que poderia ter acontecido com qualquer presidente. Com bandalheiras vastamente maiores, nunca a Polícia Federal teria tido autonomia para prender corruptos cujos tentáculos levam ao próprio governo.

Ingênuo é quem cai em evidencias anedóticas em escala recorde, ao invés de olhar os fatos como eles são. Só é possível declarar existirem “bandalheiras vastamente maiores” a partir de evidências materiais, que Semler não consegue trazer. Aliás, até mesmo a tal “autonomia somente agora da Polícia Federal” é uma alegação  carente de evidências materiais.

Já aviso que o  truque do engavetador-geral da República, usado por Dilma na campanha, foi refutado com o frame do super-engavetador-geral da República, Rodrigo Janot. Ou seja: o truque de gritar “antes não investigava, agora investiga” não cola mais.

Votei pelo fim de um longo ciclo do PT, porque Dilma e o partido dela enfiaram os pés pelas mãos em termos de postura, aceite do sistema corrupto e políticas econômicas.

Esse é o truque da falsa causa para distrair a plateia. Se Semler não votou contra o PT por causa de seu projeto de tomada de poder (e a aliança criminosa com governos como os da Venezuela, Cuba e Argentina), mesmo tendo informação para tal, está tentando nos enganar.

É a mesma coisa que estar diante de um traficante e dizer que o motivo para prendê-lo é uma “multa de trânsito”. Semler realmente faz seus leitores de trouxas.

Mas Dilma agora lidera a todos nós, e preside o país num momento de muito orgulho e esperança. Deixemos de ser hipócritas e reconheçamos que estamos a andar à frente, e velozmente, neste quesito.

Hahahaha…

“Orgulho e esperança”? Esse sujeito realmente está tirando na cara de todo mundo, com certeza. Mas se é disso que Semler se orgulha, muita coisa já se explica a respeito de sua pachorra em lançar um texto tão indigno.  Ele realmente é muito hipócrita, avançando um discurso que nem mesmo os petistas mais cínicos teriam cara de pau de fazer.

A coisa não para na Petrobras. Há dezenas de outras estatais com esqueletos parecidos no armário. É raro ganhar uma concessão ou construir uma estrada sem os tentáculos sórdidos das empresas bandidas.

Bem possível. Mas isso não prova absolutamente nenhuma das alegações de Semler de que “nunca se roubou tão pouco”. As únicas provas que temos até agora mostram que nunca se roubou tanto…

O que muitos não sabem é que é igualmente difícil vender para muitas montadoras e incontáveis multinacionais sem antes dar propina para o diretor de compras.

Que mudança de modo vergonhosa, não Seu Semler? A questão das empresas privadas não é do âmbito da corrupção pública. Na verdade, isso reduz a competitividade das próprias empresas. Comparar corrupção em empresas privadas (onde o nosso dinheiro público não está sendo roubado) com corrupção em empresas públicas é uma fraude intelectual de muito baixo nível.

É lógico que a defesa desses executivos presos vão entrar novamente com habeas corpus, vários deles serão soltos, mas o susto e o passo à frente está dado. Daqui não se volta atrás como país.

E este passo à frente deve-se única e exclusivamente a PF e as denúncias de jornalistas independentes. E, sim, daqui é possível voltar atrás como país, se o PT conseguir nos transformar em uma Venezuela, onde a corrupção beira os níveis épicos.

A turma global que monitora a corrupção estima que 0,8% do PIB brasileiro é roubado. Esse número já foi de 3,1%, e estimam ter sido na casa de 5% há poucas décadas. O roubo está caindo, mas como a represa da Cantareira, em São Paulo, está a desnudar o volume barrento.

Não sei onde ele achou essa “turma global”, pois aqui temos um número bem diferente. Quem é a “turma global”, Semler? Isso realmente está divertido.

E ele ignora que na época de FHC 65 empresas estatais foram privatizadas, eliminando-se aí muitas oportunidades de corrupção. Mas daí temos um problema pior: se há menos empresas estatais a serem saqueadas, então como se rouba tanto hoje em dia? Isto é, sobrando menos empresas, é claro que os roubos tendem a ser mais descarados. Ficou feio, Semler, muito feio…

Mas que tal obtermos os dados do CPI (Corruption Perception Index)? Veja a posição do Brasil desde 1999:

  • 1999 – 45º
  • 2000 – 49º
  • 2001 – 46º
  • 2002 – 45º
  • 2003 – 54º
  • 2004 – 59º
  • 2005 – 62º
  • 2006 – 70º
  • 2007 – 62º
  • 2008 – 80º
  • 2009 – 75º
  • 2010 – 69º
  • 2011 – 73º
  • 2012 – 69º
  • 2013 – 72º

E isso que ainda não temos os dados de 2014, depois do Petrolão!

Boa parte sempre foi gasta com os partidos que se alugam por dinheiro vivo, e votos que são comprados no Congresso há décadas. E são os grandes partidos que os brasileiros reconduzem desde sempre.

Mais uma coisa que não está batendo nesse discurso. Ele tenta nos dizer que a corrupção caiu, mas o problema estaria nos “grandes partidos”. Mas o PT não é um “grande partido”? Aliás, é o de maior número de deputados na Câmara…

Cada um de nós tem um dedão na lama. Afinal, quem de nós não aceitou um pagamento sem recibo para médico, deu uma cervejinha para um guarda ou passou escritura de casa por um valor menor?

Isso é de uma cara de pau monstruosa. Anote aí: o Sr. Ricardo Semler acabou de dizer que todo cidadão que algum dia aceitou um pagamento sem recibo para um médico é tão culpado quanto um sujeito que saqueia uma estatal em prol de um projeto de poder totalitário. É o mesmo que dizer que qualquer cidadão que tenha praticado bullying na infância não tem moral para criticar genocídios de gente como Stalin e Hitler. É uma mentalidade doentia, realmente.  Estamos evidentemente diante de uma declaração psicopática.

Deixemos de cinismo. O antídoto contra esse veneno sistêmico é homeopático. Deixemos instalar o processo de cura, que é do país, e não de um partido.

Antídoto homeopático?

Ou seja, ao invés de tratarmos a corrupção com ações reais ele sugere “homeopatia”. Bem que eu notei estar diante de embustes que não passariam no crivo cético. A declaração de Semler combina bem com homeopatia mesmo.

Só falta agora ele propor meditação para “curar a alma do brasileiro”. Esse é um bloco verdadeiramente surreal.

O lodo desse veneno pode ser diluído, sim, com muita determinação e serenidade, e sem arroubos de vergonha ou repugnância cínicas. Não sejamos o volume morto, não permitamos que o barro triunfe novamente. Ninguém precisa ser alertado, cada de nós sabe o que precisa fazer em vez de resmungar.

E “determinação” para este sujeito significa usar relativismo moral e evidências anedóticas em quantidades tão assombrosas que fariam as narrativas de mula sem cabeça de tiozinhos de sítio parecerem relatos científicos.

Enfim, Semler faz alegações dizendo existir muito mais corrupção antes do PT. Agora ele tem uma obrigação moral de trazer caminhões e caminhões de provas. Ou então estamos diante de um prevaricador. Ou de um cínico. Ou ambos.

Mas agora sim estamos prontos a mudar o país! Desde que Ricardo Semler traga das provas de tudo que alegou. Infelizmente, pessoas que agem assim não costumam trazer provas.

Aliás, Semler diz que nunca pagou propina. Ótimo. Parabéns para ele! O problema é que ele poderia também inventar histórias sobre outros empresários para vender sua imagem. Temos mais um motivo para que ele traga evidências.

Sendo assim, Semler faz parte do movimento querendo nos levar de novo a um mundo onde basta contar histórias da carochinhas para se esconder os crimes comprovados da atualidade. O que também é uma forma de corrupção moral.

Com certeza, este texto de Semler concorre ao título de mais desonesto do ano.

Em tempo: Racionalmente podemos até supor que existia muita corrupção no passado, ao mesmo tempo em que existe um volume torrencial de escândalos de corrupção no governo do PT. Ninguém está dizendo que no passado todos eram santinhos. Mas uma alegação como aquela apresentada por Semler deveria ter sido respaldada por evidências ao invés de histórias do boitatá. Infelizmente, por não trazer essas evidências, coube a mim apenas usar um checklist de falácias para derrubá-lo.

Anúncios

35 COMMENTS

  1. Que loucura. Então não vamos nos indignar e sim relativizar.

    Eu acreditava no Ricardo, antes dele virar sua própria mesa da forma como fez.

    O perigo para a naçào é justamente achar que o Brasil é assim mesmo e que não devemos nos importar com os corruptos.

    Ricardo não pensava assim no passado.

    De que lado ele está e principalmente, por que ?

    Shame !

  2. Com certeza um dos textos mais falaciosos que eu já li. Meu deu nojo em cada linha.
    Consequentemente maior foi a queda pelos seus argumentos.
    Gratificante. Precisamos compartilhar.

  3. “Era impossível vender diretamente sem propina.”
    “Não há no mundo dos negócios quem não saiba disso.”

    Se ele sabia que isso acontecia e não denunciou ao MP, ele é tão criminoso quanto essa turma.

    Como bem disse uma pessoa no facebook.O PSDB é a oposição que o PT pediu a Deus (se é que podemos chamar “isso” de oposição).

    A propósito, se você não tivesse informado quem era eu juraria que esse texto era “obra” de algum blog financiado pelo governo.

    Quanto ao super-engavetador-geral da República, temos mais uma “maravilha” vinda por parte dele:

    http://teleguiado.portalvox.com/cinema/2014/11/procurador-geral-da-republica-apoia-exibicao-obrigatoria-de-filmes-nacionais.html

    Sim, não basta “apenas” obrigar o cidadão a financiar.Tem de assistir.

  4. Também li Semler nos anos 80, quando era acadêmico e achei o máximo na época na virada da própria mesa, agora me pergunto: Será que fui um jovem alienado que viajava em teorias administrativas, ingênuo e virgem ? Ou será que Semler se corromPTeu?

  5. Sem me estender muito, o Semler se colocou numa posição privilegiada para ser intimado para esclarecimentos sobre abordagens de corrupção pelas quais a sua empresa foi sujeita nos últimos anos, ao tentar vender equipamentos para a Petrobras. Seria interessante, aliás muito interessante!

  6. tirando algumas coisas é elucidativo. como ninguém denunciava o esquema, dos 86 mil peões petro?, é uma forçada de barra, porque eram poucos os que se beneficiavam do esquema, e poderiam denunciá-lo de maneira a comportar um processo penal. mas efetivamente algo mudou, mesmo se ficar só em algumas dezenas de milhões de dolares e na prisão temporária dos empreiteiros. A meu ver não depende da Dilma ou do PT a fiscalização, mas do ponto em que está a corrupção agora e do ambiente favorável a fiscalização, tendo em vista a reativação de uma oposição existente apenas nos tempos de PT.

    a lei anticorrupção seria a grande causa e não o discurso PT x PSDB, em que o Semler se posiciona claramente como um peessedebista mas atira no próprio pé ao mesmo tempo em que declara isso. muito mais espantoso seria se efetivamente houvesse a condenação dos políticos envolvidos (dou de barato a presidência, fico contente só com parlamentares) do que apenas o sensacionalismo pontual da operação policial.

    como dado adicional, parece que o Paulo Francis morreu em virtude de denúncias sobre a cúpula da Petrobras. Uma saúde frágil e um processo em que sem dúvida estaria arruinado financeiramente culminariam num ataque cardíaco fulminante, conforme versão relatada pela sua esposa.

    • Esse coxons des dix por cent é a base do texto dele. pois é a premissa errada. O Paulinho Costa falou que “3% dos contratos DAS empreiteiras COM A PETROBRAS”. Ou seja, operações INTERNAS. Pra quem conhece o mercado como ele, espanta que não conheça a Petrobras. A Petrobras Netherlands deve ter continuado essa prática dos 10% e possivelmente aumentado. O maior problema foi ele falar tudo isso e se declarar tucano. Como alguém é tão inocente politicamente e tão bem sucedido?

  7. Uns dias atrás o Olavo comentou que se infiltrar nos partidos adversários para enfraquecê-los é estratégia comum entre os esquerdistas. Em seguida alguém comentou: “Não há partido com mais petistas infiltrados do que o PSDB”.

    Pois bem, não dá pra deixar de desconfiar que esse Ricardo Semler esteja nessa categoria.

  8. Conte-me entre os que ficaram decepcionados com o artigo de Ricardo Semler. Trabalhei com ele por dois anos como Presidente do Instituto Lumiar (obra educacional) e admiro sua inteligência e capacidade de inovação. Mas seu artigo é um desastre. Não basta que os petistas queiram provar que “todo mundo sempre roubou na política deste país”. Semler quer nos fazer crer que “nunca se roubou tão pouco na política deste país”. Ele, lastimavelmente, não prova nada do que diz. Pretende ser membro de honra do PSDB mas opera como petista da pior espécie. É triste. Perdeu excelente oportunidade de manter a boca fechada. Não é à toa que pestistas se assanharam todos com o artigo dele. Será que Semler está querendo assumir algum ministério??? Arre.

  9. Eu, quando não tenho nada a dizer sobre determinado assunto, me calo porque não gosto de passar vergonha. esses caras não têm problema semelhante. Acho que vou começar a contar histórias da carochinha também…

  10. Como dizia Carl Sagan, para afirmações extraordinárias é preciso provas extraordinárias. E isso ele não mostrou. Agora podemos tudo pq antes podia…

  11. Sr. Luciano Henrique, eu gostaria muito de postar seu texto em minha página no Facebook, para contrapor esse artigo descaradamente imbecil do Sr. Ricardo Semler que alguns amigos meus postaram em suas páginas e na minha também. Não tem como? 🙂

    • Nara Rodrigues: Sugiro que você configure sua Timeline no Facebook de modo a impedir que, sem sua aprovação, alguém publique algo nela. Sua Timeline é, em sentido importante, propriedade privada sua, dedicada à sua comunicação com seus amigos e seguidores. Não deixe que penetras tomem carona nela, usando seus amigos e seguidores como audiência cativa deles. Na realidade, acredito que você deve esse favor aos seus amigos e seguidores, o de não permitir que qualquer um publique o que quiser na sua Timeline. Desculpe-me meter-me em seus assuntos, mas aprendi isso a duras penas. Eduardo Chaves, chaves@liberalacademy.net .

  12. Que interessante, este Semler reaparecer. Ele foi de certa forma um marco e um exemplo para mim.
    O caso dele situasse entre aquela famosa frase: Ninguém é tão inútil que não sirva de mau-exemplo… e aquele frase popular lobo em pele de cordeiro.

    Vangloriando-se de blá blá blá eu sou do PSDB? Sei.

    Infantilmente empolgado com o título do livro Virando a Própria Mesa… Tive a sorte de ter um ótimo gerente de informática, ainda estagiário, que me deu um simples conselho: Vai com calma, não acredite em tudo que lê, e nem em tudo que o escritor parece ser…
    Junto com meu pai, advogado, foram dele, esse gerente, alguns breves ensinamento do ceticismo nosso de cada dia. A partir disso foi melhor ficar vacinado contra esses tipos…

    Sobre o escrivinhador Ricardo Semler podemos começar avaliando o sujeito pela sua obra, começando em sua primeira, o pífio Virando a Própria Mesa, um compêndio de histórias da carochinha de um enrolador e terminando neste texto de realidade fantástica na Folha.
    Como uma pessoa pode ser tão desprovida de princípios, a não ser que seja um embuste?
    Se ele fosse personagem de um filme de terror, seria o assassino em série ou o estuprador que mora com as vítimas.
    Agora só nos resta ver a escumalha bolivariana-petista dar risinhos sarcásticos pelos cantos e se esgueirando feito o ajudante de vampiro, muito bem mestre, enquanto a próxima vítima será violentada.

    Neste caso um país inteiro e a verdade, duas vítimas desse, não sei se bobão ou se vilão.

    Mas deixe estar, nada como um bom auditor para desmascarar um traidor dentro da equipe. 😉

  13. Este senhor se projetou no cenário industrial brasileiro, (material elétrico) no século passado graça ao seu papai que desenvolveu uma indústria e assim o mancebo pode deitar e rolar com suas idéias extravagantes e aplicou na sua indústria. Foi muitas vezes brilhante e sempre falou com uma petulância inigualável e aparentemente conseguia impressionar um leitor desavisado. Foi como um cometa brilhante mas como todo cometa o brilho se esvaneceu no rumo ao espaço profundo.. Pensei que ele também seguiu o cometa e desapareceu. Ledo engano. Levou mais de quarenta anos e o cometa reapareceu através de um artigo estrambelhado tentando pateticamente defender os Petralhas pelos mal feitos apesar de confessar ser um PSDBista de carteirinha.
    Será que ele não esta´querendo pleitear um cargo de ministro no próximo governo de a presidente Dilma?
    Pelo menos se este for o caso ele conseguiu aparecer e projetar o seu nome no cenário político brasileiro.
    Danadinho!
    Ivan J Schwarzenberg
    navinegro@hotmail.com 23/11/2014

  14. As “pérolas” que certos “artistas” proferem, no sentido de manter abertas as largas portas do cofre do BNDES. O “espírito socialista” dessa gente reside única e exclusivamente nisso. O resto é só mera roupagem político-ideológica, conversa para boi dormir deitado etc…

  15. “O SILÊNCIO DOS BONS – Martin Luther King”

    Estou atônito com tanta sinceridade e espírito crítico do sr Semler, não faz muito tempo, 1/3 dos eleitores brasileiros caíram de pau na candidata Marina, pelo simples motivo de ter sido uma das fundadoras do PT e agora criticava sua maneira de governar, só que em relação a tese do Semler para CORRUPÇÃO a coisa é completamente diferente, vejamos:

    – Segundo Ricardo Semler, da época da ditadura até o governo FHC a coisa era muito pior do que os governos petistas com as lambanças de 2004 com WALDOMIRO DINIZ E CARLINHOS CACHOEIRA/ 2005 – MENSALÃO/ 2011 – ESCANDALO DA CONST. DELTA COM CARLINHOS CACHOEIRA E 2013 COM O DUTO PETROBRAS PARA PT.

    Só gostaria que o sr Semler nos respondesse apenas uma perguntinha, considerando que sua legenda governou o Brasil antes do PT por 8 anos e governa o estado de São Paulo por duas décadas, por onde andavas o mais ético de todos os tucanos todo esse tempo?

    Com sua matéria, o sr Ricardo Semler, chama de mentiroso a membros da PF, MPF e do TCU, todos eles foram categóricos em afirmar que as falcatruas na PETROBRAS bate todos os recordes dos demais em 12 anos de governos petistas, sendo assim o sr Ricardo Semler também deve satisfações ao povo brasileiro porque faz ou fazia parte de uma legenda que governou o país antes do PT e sendo assim roubava mais que o “PT QUE ROUBA TÃO POUCO”

  16. Ninguém entendeu nada, minha gente, o cidadão aí tá que se diz tucano de sangue azul, tá querendo é uma vaga no ministério da “NOVA DILMA”, se dois arqui inimigos dos petistas vão assumir os dois ministérios mais importantes do governo (FAZENDA E AGRICULTURA) porque ele que sempre foi amigão do peito de Lula não pode? Ora essa, o cara é do PSDB mas Kátia Abreu que vai para agricultura foi do PFL/DEM/PSD e agora tá no PMDB. Na fazenda, entra outro ex-inimigo dos socialista, me refiro ao Joaquim Levy, o 3º homem mais importante do BRADESCO, já que o 2º não aceitou a presidente “NOVA DILMA” foi obrigada pelas circunstâncias aceitar uma indicação do próprio BRADESCO, é aí que entra o texto adocicado do sr Semler.

  17. DESCONSTRUINDO UMA TEORIA RIDÍCULA E CÍNICA

    A Revista Veja publicou várias denuncias de irregularidades nos ministério da presidente Dilma, baseado nas matérias da VEJA, o MPF e a PF instauraram vários inquéritos, mas, mesmo antes de qualquer prova vir a tona, os referidos ministros foram substituídos, se não me engano foram 6 ou 7 ministros e mais a amigona do ex-presidente Lula, uma tal de Rosemeyre Noronha, lembram-se? quando tudo já tava comprovado que as denuncias da VEJA eram realmente verdadeiras, aí aparecia o Jorge Hage ministro da CGU dando entrevistas que já vinha apurando as tais lambanças a mais de 4 anos, e como sempre a presidente Dilma se saia com a mesma teoria do Semler, bem as coisas ainda não tinham terminado com as denuncias dos ministérios e da Rosemeyre a VEJA publicou a mais importantes matéria de todos os tempos, “O DUTO DA PETROBRAS DIRETO PARA O PT”. Todo mundo negou, negou mas depois até a CGU apareceu dizendo que apurava tudo desde 2004, outra vez a PF e MPF entraram em ação e constataram que a coisa era mil vezes pior do que a VEJA tinha denunciado, por sorte do Brasil e azar dos ladrões os inquéritos caíram nas mãos do juiz Sergio Moro, só não entendo como é que ainda tem gente concordando com Lula/Dilma, na famigerada “TEORIA DOA A QUEM DOER”.

  18. Luciano Henrique, essa vc vai adorar:
    No “year book” (livro com fotos e frases dos alunos com destaque para os formandos) no ano de sua formatura, Ricardo Semler (então conhecido como Richard Semler – colega de classe de minha irmã) escreveu: “If you can’t dazzle them with your brilliance, baffle them with bullshit.”

  19. Luciano Henrique, adorei a sua análise do texto do Ricardo Semler. Eu o achava especial. Quando jovem, li o Virando a Própria Mesa, e, muito depois, fiquei sabendo do seu interesse pela educação, do projeto Lumiar e de um livro que lançaria no assunto, o que reforçou a minha admiração por ele. Nesse encantamento, entretanto, estranhei esse texto em questão sobre o momento político em que estamos vivendo, sobre o governo Dilma, sobre a corrupção. Achei-o terrível, nada a ver com a imagem que eu tinha dele. Percebi os sofismas, mas só me senti segura, com a sua genial análise, destrinchando cada colocação. Como posso fazer para compartilhar a sua análise? Não consegui fazê-lo da forma que faço com os outros.

  20. Boechat ganhou um prêmio ESSO em 1989 pela reportagem que denuncia o esquema de corrupção da empresa. Paulo Francis vivia denunciando, desde 1994 estes que estão aí agora presos, mas que,na época, indignados, abriram processo contra ele. Repetiu a acusação em 97 pouco antes de morrer, direto dos EUA. E todos sabem que FHC era o chefe da quadrilha e infelizmente (des)governava o Brasil.

Deixe uma resposta