Uma objeção sobre a reforma da estrutura mental da direita: há um jogo interditado para conservadores?

33
54

110622_marine_smoke_ap_605

Em relação ao texto O que fazer para eliminar o hábito mais terrível da direita e começar a conquistar resultados políticos, o leitor Thiago lançou uma objeção que incluo abaixo, para logo em seguida comentar:

O pensamento de um esquerdista é assim: o fim justificam os meios.

O de um direitista conservador é: a verdade é suprema, os valores e a moral estão acima de tudo que possa ser conquistado. Digamos que um conservador cristão prefira a prisão e a morte à relativizar uma verdade moral.

São dois públicos TOTALMENTE DIFERENTES.

Infelizmente, Luciano, eu sou evangélico e posso te garantir que essa “malicia” que você deseja incutir na cabeça dos direitistas só funcionará com alguém não religioso. Na mente de um cristão, até na própria narrativa bíblica, vemos profetas dizendo verdades nuas e cruas a governantes impios. É um contrassenso. Teu argumento pode funcionar para um direitista liberal, mas para um conservador cristão é algo totalmente incompatível, pelo menos é essa impressão que tenho.

As estratégias corriqueiras da esquerda são bem parecidas com as características de demônios trapaceiros, malignos. É totalmente contra a nossa natureza adotar esse formato ardiloso. Os conservadores gostam mesmo é de esfregar a verdade na cara de qualquer um subversivo.

Luciano, você faz um grande trabalho em codificar essas estratégias e apresentar para a direita liberal.

Digamos que os conservadores são SUPER/ULTRA/MEGA apegados a uma “régua moral”, presente em suas consciências e eles não se importam com o juízo que a sociedade fará de seus posicionamentos. Se você conseguir imaginar um cristão sendo devorado por um leão por não negar a Cristo em uma Arena Romana, você então começará a compreender como a mente de um cristão funciona quando condenado pela coletividade da sociedade.

(conservadores) Somos vacinados contra a rejeição do meio social.

Porém, essa Força que nos faz resistentes, não nos permite ser “astutos”, compreende?

A força da esquerda é a mentira, o ardil, o subterfúgio, a ilusão coletiva, o embusteiro argumentativo. Consigo ver um liberal se “armando” dos mesmos métodos em prol de um objetivo comum, mas não consigo enxergar um conservador adotando tal estratégia.

Essa é só a minha impressão. Sempre leio teus argumentos, já estudei alguns textos, mas não posso deixar de transparecer isso que me incomoda. Não é por maldade, é algo automático… posso estar generalizando sobre os conservadores. Talvez uma pequena parte intelectual não seja tanto apegada a fé… mas quem é sente essa incompatibilidade.

Obs: quando me refiro a conservador, me refiro a um que seja de alma (cidadão comum), não a um político profissional.

Acredito que o Thiago se equivoca ao entender erradamente astúcia com desonestidade. Ou mesmo o uso da malícia contra desonestos com desonestidade. Nos dois casos, há um erro gravíssimo, praticamente uma paralaxe cognitiva, ocorrendo o afastamento entre o eixo da construção teórica e o eixo da experiência real anunciado pelo indivíduo.

Seria um fenômeno de auto-engano coletivo, fruto da modernidade, o que pode ser ocasionado por muitas crenças conflitantes hoje em voga, muitas delas inseridas inclusive por grupos políticos inimigos.

A realidade, porém, desmente essa construção teórica, pois não há nenhuma evidência de que conservadores religiosos (e existem os conservadores não-religiosos também) sejam seres humanos menos funcionais para a vida em sociedade. Na verdade, tendem a ser iguais aos não-conservadores e não-religiosos, em linhas gerais.

Se fosse verdade essa noção de “incapacidade de astúcia” de religiosos, poderíamos demitir hoje mesmo quase todos os funcionários conservadores religiosos que usam sistemas de informação, pois eles seriam extremamente vulneráveis às ameaças de hackers. Por sorte, isso não acontece.

Jogadores de futebol conservadores religiosos também possuem a mesma capacidade de reação às artimanhas do adversários no campo de futebol.

Ademais, se a tese da “incapacidade de astúcia” fosse verdadeira, nenhum conservador religioso poderia ser contratado para profissões como negociador, vendedor, policial, advogado e auditor, dentre várias outras, pois todas essas profissões dependem de astúcia.

Mas, como já disse, a realidade mostra que conservadores religiosos são perfeitamente funcionais. Portanto, são capazes de levar uma vida normal, sem constituírem riscos devastadores para suas sociedades por uma ingenuidade absurda. Isso simplesmente não ocorre.

Na verdade, o que existe é a ingenuidade política especialmente em questões políticas, e especialmente em questões da política pública.

Isso não ocorre por que o esquerdista tem uma capacidade que o conservador não tem. De jeito algum, pois, como já mostrei, se isso fosse verdade nenhum conservador conseguiria sequer emprego, pois constituiria riscos absurdos para as empresas que os contratassem.

Essa deficiência, ou seja a ingenuidade política, é limitada a um escopo de eventos: os eventos relacionados à política pública. É neste escopo que tanto muitos liberais como muitos conservadores caem feito patinhos, não por incapacidade de serem astutos, mas por uma deficiência em termos de treinamento em como funciona a política.

E que fique bem claro: isso talvez tenha mais a ver com liberais do que com conservadores. Vemos vários autores liberais manifestando boas ideias econômicas, mas ingênuos politicamente. Olavo de Carvalho é um católico e ensina muitas coisas sobre aniquilações de ingenuidades. Portanto, essa “trava” mais em conservadores do que liberais parece não existir.

Ora, se os conservadores religiosos são seres humanos plenamente funcionais como os não-conservadores e não-religiosos, não há um motivo para acreditarmos que eles estão incapacitados de entender a política como ela é, e reagir aos eventos políticos da maneira mais adequada.

Podemos apostar, no entanto, em uma crença de muitas pessoas da direita de que eles não conseguirão jogar o jogo, pois notam que o adversário realmente é muito mais astuto. Mas essa é apenas uma questão de preparação.

Esse é o processo mais doloroso: se preparar para reagir aos eventos políticos, mas não há nada que uma conscientização (com termos fortes) não resolva com o tempo.

Vários leitores conservadores religiosos tem conseguido obter ótimos resultados reagindo politicamente aos eventos do mundo e, de todos os testemunhos que recebi, até agora não vi nenhum dizendo ter se arrependido. Na verdade, muitos se arrependem de ter demorado para fazer esse tipo de assimilação.

Então, Thiago, uma palavra final: até que tenhamos informações específicas sobre você, o fato de você ser religioso não impede que você seja um ser humano normal, plenamente funcional para as atividades sociais de todo tipo, inclusive profissionais. Tendo essas características, tem pleno potencial para assimilar os conceitos e as práticas da guerra política e, enfim, se tornar invulnerável aos ataques da extrema-esquerda.

A tal “trava” que impediria um conservador religioso de aceitar e entender a guerra política simplesmente não existe. Porém, a crença na existência dessa trava pode ser um forte impeditivo para o desenvolvimento da consciência política de qualquer um.

Anúncios

33 COMMENTS

  1. Desviando um pouco do assunto (para em seguida voltar a ele), hoje o Fábio Ostermann publicou isto no Facebook:

    https://www.facebook.com/fabioostermann1/posts/1560698244164115

    Lendo os comentários, é interessante ver “conservadores” que não conseguem conceber uma gradação ideológica dentro da direita. Algumas pessoas podem ser contra o feminismo e achar que todas as suas revindicações são falsas, enquanto que outras podem ser contra o movimento mas favoráveis a certas revindicações — só que esses últimos, na visão dos “conservadores”, são os “idiotas úteis”. Isso pra não citar direitistas que se consideram feministas, dependendo da definição pessoal que estes tenham do ideário de libertação feminina.

    O comentário de Thiago me lembra um pouco esses “conservadores” (entre aspas porque não os conheço). Aparentemente não há, para essas pessoas, distinção entre movimento e método; revidar fogo com fogo, ainda que por uma causa nobre, e tirar o chapéu para a esquerda, como este blog já fez algumas vezes em matéria de guerra política, deve lhes soar impensável. E assim, o aprimoramento político se torna inviável, pois não estamos aprendendo com a experiência.

    • Mas é claro. Justamente o fato de haverem reivindicações justas faz com que o movimento seja blindado. Mostram as justas ou as falácias, e aplicam de maneira sorrateira as reivindicações vis e maléficas. Obviamente o mesmo ocorre com o movimento lgbt…

      Inclusive diria que destre os movimentos sociais esse é o mais perigoso, não por ter as pautas mais malucas, mas por justamente ser o que melhor se disfarça em sua roupagem honesta — MST, feminismo e racialismo nem de perto se blindam tão bem como o lgbt, inclusive está se tornando “cool” criticar a hipocriasia do feminismo.

      Agora sobre o cara… bom, o PSOL e o PSTU chamam o PT de neoliberal hahahaha
      Outro dia eu vi um intervencionista falando que o Luciano aqui era socialista.
      Já vi outro cara que se dizia consevador (mas tava mais pra integralista) falar que o liberalismo era um problema tão grande quanto a esquerda
      enfim……
      Tem louco pra tudo

    • Parece que Fábio Ostermann deletou o post. Uma pena, pois a discussão estava interessante. Deu pra ver que muitas pessoas não acharam graça nenhuma na piada, enquanto que outras tomaram os comentários críticos como prova da “cretinice” liberal e da superioridade do conservadorismo. Um “conservador” lá teve até a pachorra de dizer que todas as feministas são mal-comidas e feias (ahem, Emma Watson?) e que mulheres conservadoras são todas belas e recatadas. Se esse é o patamar em que o “pensamento conservador” se encontra no Brasil, já passou da hora de entregar este país para o Foro de São Paulo com pedidos de “desculpe qualquer coisa”.

  2. O problema dele é achar que as táticas são apenas combater a desonestidade com a desonestidade, a imoralidade com imoralidade. Pois é certo que não é preciso trair seus ideais para aprender e aplicar as técnicas do jogo político. Ter a astucia para não se deixar enganar ou mesmo desmascarar um trapaceiro ou um golpista não é ser igualmente trapaceiro ou golpista – pode-se ser astuto e honesto.

    • Exatamente, até porque a esquerda vive de mentiras. Então basta que nós usemos a verdade e de maneira correta (ai entra as estrategias de guerra politica) para desmascara-los.

  3. Sobre astucia e cristianismo?

    Temos Jacó que engabelou Labão, ficando com os cabritos pretos (que se reproduziam muito mais)
    Temos Salomão que pegou no ato a mãe mentirosa que queria ficar com a filha da outra
    E temos, principalmente, Jesus desarmando todas as fraudes intelectuais dos Fariseus.

    Continuando a citar Jesus:

    ” Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto sede astutos como as serpentes e simples como as pombas.” (Mateus 10, 16).

    Abraços.

    • Abraão também mentiu e pediu que sua esposa mentisse para salvar a vida dele. Não que precisamos mentir na política, mas, nós podemos não dizer algo desfavorável que sabemos.
      Numa guerra entre dois exércitos existe uma tática de camuflagem que usa um jipe com madeiras e coberto com uma lona para que o inimigo pense que aquilo pode ser um tanque de guerra, evitando ou atrasando assim um ataque. Seria então que conservadores não o fizessem? Estamos numa ‘guerra’ para ter melhores políticos, até para evitar perdas comparáveis as da Venezuela, evitar um comunismo no futuro, e, certamente conseguirmos político melhores também salva muitas vidas. As ‘armas’ que usaremos podem ser similares as da esquerda, porém, respeitar as leis e falar a verdade é fundamental para não sermos ridicularizados, podemos sim, não contar toda a verdade se isso não nos favorece, o “inimigo” que corra atrás da informação completa.

    • Encerrando minha participação por estas bandas…

      Gostaria de retificar alguns pontos sobre meu comentário citado no post.

      1-

      Não levei mais do que um minuto para formulá-lo e digita-lo no celular. Gostaria de afirmar que, por ser apenas mais um comentário dentre muitos em final de postagem, não análisei profundamente os termos que utilizei. Não imaginei que alguém alem do Luciano repararia nele.
      Algo me dizia que “astucia” não seria um termo adequado, e num reflexo repentino coloquei as aspas. Na verdade os termos mais adequados seriam: engano, malícia, mentira…

      Em relação a passagem bíblica de Mateus 10:16, em outra tradução/versao, a Almeida Revisada e atualisada, encontramos o termo “prudentes”:

      “Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas” (Mateus 10:16).

      O dicionário nos apresenta dois significados para a palavra astucia:

      1. qualidade de alguém astuto, esperto, sagaz, inteligente, sábio

      2. faculdade adquirida em enganar

      Eu acredito que o trecho de Mateus 10:16 citado pelo comentarista acima se refere ao significado primeiro: inteligente, sábio, prudente…

      2-

      Imagino que houve outro mal entendido. Quando eu disse que os conservadores têm como arma a VERDADE, não significa que não podem travar batalhas de guerra politica desde que não desonrrem esta aliança. Ter uma aliança eterna com a verdade não significa se abster do jogo politico.

      A grande desvantagem de um cristão conservador é que ele deve sempre respeitar as regras morais/espirituais ao mesmo tempo em que respeita as regras do jogo politico. Um esquerdista está desobrigado de respeitar as duas, seguindo um tipo de “jogo de cartas marcadas”. Um conservador que assim proceda se rebaixara ao nivel dos crápulas.

      3-

      Os conservadores cristãos não detêm o monopólio sobre os princípios morais/éticos. Um ateu pode cultivá-los. Por exemplo: eu já fiu ateu e valorizava as instituições democráticas como sagradas. Muitos ateus dão show de caráter, respeito e civilidade, mais do que muitos cristãos que dão mal testemunho. O quê muda se comparado a um cristão é que este último tem a obrigatoriedade imposta pelos Mandamentos Divinos. Enquanto que para um não religioso não há uma imposição externa vinda de uma tradição religiosa.

      4-

      Gostaria de pedir desculpas se ofendi alguém aqui. Gostaria também de lembrar que muitos que comentam aqui o fazem na correria do dia-a-dia, e muitas vezes não tomam o cuidado necessário ao opinarem. Um simples comentário não deveria ser elevado a um status de declaração oficial.

      Não incomodarei mais vocês.


      Resp.

      Ok, creio que esteja esclarecido.

      Só alguns pontos:

      – usar as mesmas armas do adversário não implica em ser desonesto igual a ele.
      – a vida como Jim Carrey no filme “Liar” não existe. então é preciso realmente partir para o debate moral.

      A questão foi tratada de forma crítica pq se tomada literalmente poderia impactar em pessoas aprendendo a guerra política, que, como mostrei aqui, não implica em ter que “se rebaixar ao nível do oponente”.

      • Thiago, você não incomodou nem ofendeu ninguém, pelo contrário, suas ideias tinham tanta sinceridade e riqueza que levaram a um debate de alto nível com o blog num post dedicado. Digo isso porque comungo de sua preocupação. Luciano sustentou, também com razão, que objetivamente não há qualquer incompetência argumentativa em política entre os crentes, pois eles estão entre profissionais de diversas áreas que requerem capacidade argumentativa e uma certa astúcia (no bom sentido). Disse também que usar apropriadamente as técnicas da guerra política não rebaixam os direitistas ao nível dos oponentes. É verdade: não rebaixam ao nível deles, mas rebaixam num pequeno grau, sim, pois estariam fazendo uso da chamada ação estratégica, que é orientada a fins (quaisquer que sejam, bons ou maus) em detrimento da ação comunicativa (voltada à explicação racional em igualdade de condições em busca do crescimento mútuo dos debatedores). Assim, aparentemente, a política está mesmo num nível inferior de moralidade quando comparada a outros campos como a filosofia, a ciência e o direito, e os conservadores tem maior dificuldade (não incapacidade) em explorar as técnicas da guerra política, ou seja, tem de vencer mais alguns obstáculos que os adversários (por já estarem num nível abaixo) não precisam enfrentar.

  4. Luciano,

    Um cristão, que realmente é Cristão, não se submeteria a mentira, ao engano, ao engodo, à língua bifurcada da esquerda por ganho político nenhum. Um conservador “não religioso” se submeteria aos mesmos mecanismos da esquerda para alcançar um resultado político.

    Um verdadeiro cristão não “venderia a mãe” para a obtenção de uma vitória política. A não ser que seja um cristão fajuto ou um político profissional.

    Se a esquerda joga sujo, uma pessoa que realmente deseja andar conforme o Evangelho não se submeteria aos mesmos métodos. Ele até poderia esfregar na cara do adversário a “realidade nua e crua”, que é o que eu vejo nos livros do Olavo e no “Livro Negro do Comunismo”. Mas não vejo um cara como o Olavo descendo na lama para obter algum ganho, como o senhor Dirceu, por exemplo.
    Um cara como o Olavo é um gênio, mas tenho certeza que pra ele OS FINS NÃO JUSTIFICAM OS MEIOS! Já um cara como o José Dirceu pensa exatamente o oposto.

    Não é questão de capacidade cognitiva. É uma questão MORAL E ÉTICA. É preciso entender as VERDADES ETERNAS DO EVANGELHO para poder entender a mente de um cristão sincero. Quando a gente vive uma vida para Deus, os padrões que nortearão essa vida serão outros. Eu não vivo para a implementação de um paraíso terrestre. Não tenho uma licença “moral” para fazer “o diabo”, em nome do “progressismo”, assim como um esquerdista.

    Será que isso é tão difícil assim de se entender?

    RESP.:

    Eu expliquei que isso que você apresentou é um caso de paralaxe cognitiva. É quando se faz uma construção teórica sem nenhum respaldo na realidade. Por exemplo, quando um neo-ateu dizia que “todas as decisões só podem ser feitas pelo método científico”, podia se perguntar como foi a aplicação do método científico para ele escolher a esposa, por exemplo. Era suficiente para fazer a afirmação dele entrar em colapso. Por que? Por que não tinha conexão com a realidade.

    É o mesmo caso da tua afirmação. Ela soa “bonitinha”, mas é uma paralaxe cognitiva.

    Por exemplo, você diz “um cristão, que realmente é Cristão, não se submeteria a mentira, ao engano, ao engodo”. Ok, então no dia em que sua namorada perguntou se ela estava gorda, e você disse que não (mas ela estava acima do peso), então você quebrou sua regra.

    Em seguida, você confunde equiparação de métodos com equiparação moral. Essa é outra paralaxe cognitiva.

    Exemplo. Um bandido usa armas. Logo, a policia não pode mais usar armas, pois “se equipara ao bandido”. Por sua ética, a vida de todos os malfeitores ficaria fácil. Bastaria eles começarem a usar um recurso, para o mal, que você não poderia usar o mesmo recurso, para o bem.

    Veja que essa é TUA visão de cristianismo. Acho bizarro. Eu já fui cristão e jamais aprendi qualquer coisa disso que você disse.

    Enfim, sendo suas análises paralaxes cognitivas, e completamente inválidas logicamente, não há como você validar a alegação de que “cristão não pode ser astuto”. Eu li a Bíblia e lá diz o oposto. Diante do mal, é preciso ser astuto.

  5. Esquerda Gramsciana:

    armas: MENTIRA, relativização, acobertamento e infiltração.

    Conservadores Cristãos:

    armas: VERDADE e exposição à luz da proporcionalidade.

    Alguém discorda?

    • Thiago, você está absolutamente correto. A questão é que faz TODA a diferença A MANEIRA que a verdade é exposta. Jesus deu aula pra a gente nisso. Ser cristão é totalmente diferente de ser bundão! De ser passivo. Se os inimigos vêem com ardis, a gente desmascara os ardis E OS INIMIGOS, não adianta desmascarar só um deles. Se a gente simplesmente acusar o cara de pilantra sem explicar o motivo, as pessoas vão achar que somos histéricos. Se desmascararmos o ardil sem atribuir malícia à pessoa ardilosa, vão pensar que o cara apenas cometeu um engano. Quem é cristão TEM NECESSARIAMENTE QUE ESTAR SEMPRE DO LADO DA VERDADE, e isso inclui expor a verdade nua e crua para todo mundo, bem como expor o mentiroso que quer destruí-los. Pessoas normais tendem a tomar posição por quem está ao lado da justiça, e é exatamente por isso que temos que aprender política: pra aprender a comunicar a verdade e a expor a mentira.

      Tem uma coisa extremamente interessante que o Olavo de Carvalho falou que, sei lá por que, senti que caberia colocar aqui. Quando você se depara com alguém tentando usar um truque argumentativo contra você, você NÃO SE POSICIONA, NÃO ARGUMENTA, apenas expõe o truque e as intenções de quem quer aplicá-lo. Caso contrário, você VAI cair no truque, e vai ser ainda pior, porque você vai estar sendo conivente com ele. “É como lutar box, perceber que o adversário colocou uma ferradura dentro da luva, e aceitar lutar mesmo assim”, nas palavras do Olavo. Mais uma vez podemos lembrar de Jesus em seu sermão contra os fariseus, acusando-os de serem coniventes com o assassinato dos profetas ao construir túmulos para eles, ao invés de obedecer os mandamentos divinos trazidos por estes. Ao chamá-los de hipócritas, que olha o cisco no olho do vizinho, sem perceber a trave que havia em seus próprios olhos. Dentre diversas outras ocasiões. Leia os evangelhos com foco nos embates entre Jesus e os fariseus, e você vai ver como ele lidava com os ardis desses.

    • Eu fiz uma objeção ao Luciano no final de um post anterior. Foi apenas para esclarecer uma duvida minha. Eu não imaginei que ele transformaria isso em uma nova postagem. Repercutiu e gerou críticas.

      Eu não usaria as amas da esquerda. Se isso me faz inferior, não me importo. Não sou politico nem acadêmico. Sou apenas um leitor do Luciano, do Julio Severo, do Thiago Cortês, do Mídia sem Mascara, do Puggina, do Olavo, etc etc….

      Luciano: vê se não me apronta mais uma dessas.

      RESP.:

      Eu avisei que trataria a objeção em um post.

      Mas, enfim, você faz afirmações gravíssimas aqui: “Eu não usaria as amas da esquerda”.

      Só que em seu texto você transformou isso em “não ser astuto com o oponente”. É uma ressignificação, que estudiosos de PNL sabem o que significa.

      Em seu entendimento, você diz que cristãos (e eu sou ateu, e não me ofendo) não conseguem operar socialmente, em termos funcionais, em qualquer atividade relacionada que requeira precaução. Não conseguem também participar de guerras, nem mesmo atuar em segurança, ou até fazer uma auditoria. Observe que as consequências do aceite de sua proposição são seríssimos.

      A questão não é essa frase sua “Se isso me faz inferior”.

      A questão é que é impossível que você viva conforme isso que disse, desabilitando-se funcionalmente até mesmo para a vida social. O seu cristianismo seria uma mistura do Jim Carrey no filme Liar com uma ingenuidade doentia. Isso pelo que eu entendi sobre a sua defesa da crença de que “cristão não pode ser astuto”.

      Eu não acredito que você consiga sequer seguir o que diz. Mas se quiser, posso fazer desafios e testamos seu comportamento de “entrega à pessoas com segundas intenções”. Que acha?

      • Luciano,

        Você me leva muito a sério, como se eu estudasse profundamente os termos e idéias que apresento aqui. Eu pedi uma ajuda pra você, um esclarecimento. Eu tentei, com a minha capacidade limitada, expressar algo que não conseguia entender.

        Mas estou sentindo que você tomou isso como se fosse uma coisa muito profunda, como se eu estivesse propondo um novo paradigma.

        Não pensei que você seria tão hostil. Tudo bem, me desculpe por incomodá lo.

        Quanto a astúcia, todos nós a utilizamos pois somos falhos e pecadores. Eu só evito ao maximo esse tipo de comportamento.

        Cara eu sou um cidadão comum, você poderia ser mais misericordioso e paciente.

        Eu não vou mais incomodá-lo.


        RESP.

        Ok, só uma pergunta: imagine-se diante de um psicopata estilo Jason (da série Sexta-Feira 13). Você estaria fugindo dele e tem a oportunidade de se esconder, para evitar que ele o capture. Ao se esconder, você estaria enganando-o. Seria um pecado?

  6. Apenas dois exemplos para os religiosos:

    Responde ao tolo segundo a sua estultícia, para que não seja sábio aos seus próprios olhos. Provérbios 26:5

    Mas seja assim; eu não vos fui pesado mas, sendo astuto, vos tomei com dolo. 2 Co 12:16.

  7. Conheço excelente policiais que são bastante religiosos.
    Falar a verdade não significa agir como aquele personagem do filme do Jim Carey (O Mentiroso).
    Um bom policial não se aproxima de uma gangue com 20 pilantras e anuncia formalmente que cumprirá um mandado de prisão de um deles. O risco de que alguém se machuque ou morra é real.
    Um bom policial fica atento, espera um bom momento (sujeito foi ao banheiro), cria um pretexto para isolar o sujeito do bando, explica que ele precisa acompanha-lo à delegacia para cumprir uma formalidade qualquer e cumpre o mandado de prisão na repartição policial.
    No primeiro exemplo o policial não foi verdadeiro, Foi imprudente. No segundo, foi verdadeiro porque foi fiel ao seu objetivo: cumprir o mandado de prisão, garantindo a segurança de si próprio, de terceiros e do próprio preso.

  8. O Tiago sabe, citado por Augusto Souza, (Mt 10,16) que devemos ser astutos como serpentes e simples como as pombas. Ser astuto na área política é conhecer as intensões do “pai da mentira” (Jo 8,44) que no dia de hoje pode ser conhecido lendo Heitor de Paola, Reinaldo de Azevedo, Sérgio Avellar Coutinho(principalmente), Russel Kirk, Saul Alinsky, David Horowitz, Olavo de Carvalho, tendo em vista que já lê o Luciano. A aplicação dos ensinamentos de Jesus nos dias de hoje implica em conhecer o mundo de hoje, inclusive todas as ciladas do inimigo. Posso testemunhar que quanto mais leio, mais tomo consciência da minha ignorância. Embora o texto tenha sido escrito com outra conotação, acredito que politicamente há pessoas como os judeus (Jo, 9), que, estando diante de um cego curado por Jesus, cego que pedia esmolas diariamente no templo, não o conheceram, precisando chamar o pai. Tiveram a mente completamente escurecida. Na política, há pessoas honestas e bem intencionadas que, por um fenômeno que desconheço, estão diante da verdade e não percebem. Como se trata de fenômeno psicológico, a leitura e o conhecimento são terapia adequada.

  9. Creio que o que incomoda Thiago (e a mim também) é simplesmente o uso da MENTIRA DESCARADA como arma na guerra política. Uma pessoa honesta só faz isso como piada. Eu mesmo já postei comentários em que afirmava que dilma era lésbica e bebia leite de criancinhas em rituais satânicos. A diferença é que eles fizeram isso DE VERDADE com Aécio. Certas “diferenças” são incontornáveis.
    .
    P.S. – dilma REALMENTE é lésbica e beb leite de criancinhas em rituais satânicos!!!
    .
    hehehehe… 🙂

    • Não me parece ser o caso, porque pra participar de guerra política como alguém que defende as idéias liberais/conservadoras/libertárias como princípios morais superiores às esquerdistas, o uso apenas da verdade é indispensável. Se você mente e sua mentira é denunciada, você perde toda a autoridade moral perante a sua platéia, e suas idéias são jogadas por terra, mesmo que elas sejam melhores que as do oponente.

      Eu não só acho que devemos usar as técnicas de guerra política e controle de frame a serviço da verdade, como acho que devemos ter ou tentar ter um padrão de conduta moralmente superior ao de nossos adversários, pois isso vai aumentar a nossa autoridade diante de embates. Simplesmente ser de direita ou proclamar os ideais da direita não nos enobrecem, mas vejam como simplesmente espalhar as declarações xenofóbicas de alguns direitistas idiotas (e de outros FDP que se passaram por direitistas) desmoralizaram o movimento. Como um simples cartaz pedindo intervenção militar fez com que diversos imbecis alienados que acreditam piamente na mídia (aos quais chamo de “colegas de trabalho”) acreditassem que as passeatas foram pra pedir intervenção militar.

      Acho que o efeito oposto também é verdadeiro. Acho que quanto mais próximo nossa conduta for de “moralmente irrepreensível”, mais nossa presença vai enobrecer todo o movimento, pelo menos perante aqueles que nos conhecem.

  10. Acho que você não entendeu o ponto do Tiago. O “bloqueio” conservador não é de entendimento do que é astúcia, mas é de não aceitar usar as mesmas táticas “mentira, o ardil, o subterfúgio, a ilusão coletiva, o embusteiro argumentativo”das esquerdas. O seu uso de “guerra política” parece propor que usemos as mesmas táticas.Acho que é esse o ponto do Tiago e que gostaria de ler a sua opinião.
    JoseF

  11. Sou ateísta, pura e simplesmente, e não acredito que católicos (ou protestantes) tenham essa trave mencionada pelo colaborador. Pelo contrário, acredito muitas vezes que liberais que acreditam estar em um debate pacífico “intelectual” são muito mais súscetíveis a essa ingenuidade.

    Na verdade acredito que os únicos problemas com alguns conservadores são seus argumentos. Por exemplo, se você é contra o aborto e está numa discussão com um esquerdista, mencione os direitos humanos do feto, não sua religião – a menos que o público também tenha esses valores. Se você defende determinada tradição a defenda por ser boa, não por ser antiga. Etc.

    Nas palavras de Ayn Rand

  12. Olá Luciano, tudo bem?
    Eu também sou conservador e cristão (evangélico) e gostaria de que, ou você ou alguém aqui me tirasse uma dúvida. Por exemplo:
    “num daqueles dias” (rsrs), eu escrevi no quadro da sala de aula algumas frases do Metendo a Real (crítica ao feminismo) e, para variar, as meninas ficaram doidas! quando eu questionei porque uma delas tinha apagado a frase, ela me respondeu um ad hominem: você deve ser um frustrado!
    Como reagir a uma situação dessas sendo conservador e cristão, mas desmascarando-a?

    Estudo Relações Internacionais e, acredito eu, o ÚNICO conservador com CORAGEM de falar e argumentar CONTRA o homossexualismo, marxismo, feminismo, nacional-desenvolvimentismo, islamismo et cetera.

    Paz a todos.

  13. Bem, pelo que estou observando dos comentários, me parece que o maior problema do conservadorismo é conseguir convencer os religiosos de que precisam reajustar sua maneira de pensar se quiser minimamente vencer algumas batalhas nesta guerra que hoje todos lutamos.

    Vejo como um exemplo de alguém que entende bem o que significa “reajustar-se” no prof. Olavo de Carvalho. Mesmo eu, vindo de uma família católica, nunca vi um católico tão fervoroso como ele. No entanto, usa em público uma linguagem muito pouco cristã. Ele se ajustou ao objetivo que precisava alcançar – conseguir ouvidos atentos à sua mensagem – sem jamais trair sua fé religiosa.

    Uma sugestão de leitura para os cristãos muito presos aos dogmas e regras impostos muitas vezes pelas interpretações de suas lideranças, a maior parte das vezes equivocadas, dos textos sagrados, é o livro “Ponerologia, psicopatas no poder” que fala dos conceitos limitados das religiões, limitados porque desconsideram as descobertas sobre o comportamento humano depois da psicologia ter surgido como uma ciência.

    • Pois eu acho – infelizmente – que o maior desafio com relação aos evangélicos conservadores é justamente eles se interessarem em entender o espectro político e as relações entre a retórica esquerdista e a verdade por trás de sua ideologia. Vejo MUUUUUUUUUUITOS que acham que Lula fez muito pelos pobres, e não aceitam em hipótese alguma que esse “muito” que ele supostamente teria feito pelos pobres teve consequências invisíveis que afetaram negativamente, vejam só… os pobres (principalmente). E é ainda mais difícil fazer eles sequer ouvirem um argumento dizendo que as reformas liberalizantes feitas por FHC beneficiaram muito mais os pobres do que todos os programas sociais petistas.

      Quando passa disso, fica difícil discutir, porque em questões que extrapolam o econômico os dois partidos que disputam pra valer as eleições são de esquerda, com idéias muito parecidas. Tomara que já em 2016 o Novo e o PMB consigam lançar candidatos. Infelizmente o Liber deve demorar muito. O único problema é que o partido que seria realmente conservador é militar… e os outros partidos que têm idéias conservadoras são de esquerda, ou como diria o Aluísio Nunes, são “direita que se beneficia do estado”.

  14. No dia em que uma religião, qualquer uma, servir como justo parâmetro para se resolver assuntos políticos, por favor me avisem, porque até hoje a única coisa que a História da Humanidade apresenta neste sentido é uma coleção de fracassos.

  15. Olá Luciano! Tudo bem?

    Com relação ao tema abordado sugiro a leitura do livro “Da mentira” do filósofo romeno Gabriel Liiceanu publicado pela VIDE Editorial.

    Liiceanu trata a mentira como um mal necessário dos tempos modernos fazendo a ponte de ligação entre Maquiavel, Aristóteles e Sófocles. Segundo Liiceanu a era da idade heróca deu lugar a “moral de segunda instância”, ou seja, é preciso aceitar algum nível de maldade para lutar contra o mau absoluto.

    Grande abraço,
    Fábio.

Deixe uma resposta