Vamos começar a pensar analiticamente sobre os discursos da extrema-esquerda? Aqui está um exemplo.

8
92

requiao

Recentemente algumas pessoas viram um discurso de Roberto Requião pedindo censura de mídia, de cerca de 40 minutos. “Travadas”, sentiam-se, como de costume, derrotadas por um ataque do qual não conseguiam se defender. Restava, no máximo, o desabafo.

Na guerra política, a primeira coisa que devemos ter é sangue frio. Caso contrário estaremos sob o risco de não conseguimos reagir adequadamente.

Sendo assim, compartilharei aqui um método que uso para entender tudo (mas tudo mesmo) que for lançado, em termos de conteúdo, seja de forma oral ou escrita, a partir dessa gente. São quatro passos. Ei-los:

Passo 1 – Entender os padrões de persuasão e guerra política

É óbvio que os líderes da extrema-esquerda possuem spin doctors ajudando-os em seu trabalho. Acho que deveríamos criar essa cultura aqui para os partidos de oposição e quaisquer líderes de oposição também, sejam envolvidos com a política profissional ou não. Veja os padrões de persuasão e guerra política usados no discurso de Requião:

  • (x) é vital como a água à terra, como o oxigênio à vida
  • (x) é parte integrante de (y)
  • eternos (x), sempre à espreita de (y)
  • E nem fica constrangido com (x)
  • (x) é imprescindível para (y)
  • (x) é intrinsecamente (y), geneticamente (m), arraigadamente (s)
  • (x) é condição inescusável para (y)
  • Bastou que (x) para (y)
  • (x) é uma fraude
  • É assim, fazendo (x), fazendo (y), que (z) pratica (s)
  • Fazer (x) é salvar  o país  de (x), (y), (z), (m), (t) e (f)
  • (x) não está a serviço do Brasil
  • (x) é reveladora de (y)
  • (x) é a quinta coluna de (y)
  • a fúria com que (x) fez (y)
  • (x), quando não (y)
  • (x) faz (y) à medida que não faz (m)
  • (x) faz (y), contribuindo para (m)
  • (x) é urgente e obrigatória
  • (x) é uma medida sanitária
  • (x) é uma medida de emergência pública
  • (x) é omisso em relação à (y)
  • (x) acoberta (y)
  • (x) não se ocupa em (y)
  • Ou não é (x) fazer (y)?
  • Tão cioso em (x)
  • À moda (x), alguns fizeram (y)
  • (x) é um ato de defesa de (y)
  • o caso (x) é exemplar
  • (x) nem ficou corado ao fazer (y)
  • (x) não se deu à ocupação de (y)
  • (x) deu azo a (y)
  • Melhor fosse que (x) assumisse (y)
  • Seria mais digno que (x) assumisse (y)
  • O que soa (x) é (y)
  • Ninguém, nenhum (x), nenhum (y), nenhum (m), nenhum (z), nenhum (s), qualquer (x) minimamente isento e honesto concordará com (t)
  • (x) é bem conhecido
  • (x) não deixa a mais fugaz, fugidia dúvida de (y)

Aliás, eu sempre faço isso com conteúdo bolivariano. Aprende-se muito com eles. Dia desses um sujeito petista chegou em meu blog e tentou alguns recursos. Eu o respondi com o mapeamento dos padrões e técnicas. Foi desse jeito:

  • Se você quiser ficar junto com (x), faça (y)
  • Fique atônito e aflito com (x) <- técnica de inevitabilidade
  • (x) sobre (y), sobre (j), sobre (z), sobre (s), sobre (t), sobre (m) <- repetição
  • (x) é inevitável
  • (x) e tudo mundo que não é (y) sabe (j)
  • Haverá (x), haverá (y), haverá (j), haverá (t) <- repetição
  • (x) é mérito de (y) <- com reversão de sentido
  • (x) para seu (y)
  • (x) vem aí <- propaganda de inevitabilidade
  • Você consegue sentir (y)?

Ele ficou muito, mas muito irritado.

Agora vamos ao passo 2.

Passo 2 – Mapear as rotulagens.

Abaixo algumas no discurso de Requião:

  • Cego
  • Enviesado
  • Gravíssimo atentado à
  • Prova mais barulhenta
  • Cínico
  • Zombeteiro
  • Debochado
  • Hipócrita
  • Vergonha exposta
  • Partidarismo
  • Ódio
  • Preconceito
  • Uivo fascista
  • Vociferação
  • Dicotômico
  • Desonesto
  • Monstruoso
  • Reprodução farsesca
  • Entreguista
  • Inimigo do interesse nacional
  • Em prol do avanço imperial
  • Ladrões de nossas riquezas
  • Dando um passo atrás
  • Conivente
  • Cúmplice
  • Violência contra
  • Indiferente
  • Conluiada
  • Rancoroso
  • Fundamentalista
  • Desemprego
  • Arrocho salarial
  • Excrescência
  • Antinacional
  • Antidemocrático
  • Antipopular
  • Atraso
  • Pobreza
  • Violência
  • Desindustrialização
  • Dependência

Note que a rotulagem deve ser constante, sempre com ataques os mais fortes possíveis (dentro do limite da civilidade evidentemente, até pela posição ocupada pelo guerreiro político). É por isso que muitos pensam que estão debatendo com eles, quando na verdade já estão excluídos do debate por causa de tantas rotulagens negativas.

Passo 3 – Mapear as rotinas

Não há discurso bolivariano sem rotinas fraudulentas. Muitas vezes eles se repetem. No texto de Requião achei uma dezena, no mínimo:

  • Nos Estados Unidos e Inglaterra não há propriedade cruzada
  • O Manchetômetro disse que a mídia é contra a Dilma, então é
  • Sem lei de mídia, não há pluralidade
  • A concentração de mídia é ruim para o Brasil
  • A concentração de mídia leva ao pensamento único
  • A regulação de mídia atende o interesse nacional
  • .. e mais umas 5 ou 6, que serão todas esmiuçadas neste blog nos próximos dias

Passo 4 – Planejar a ação de reação, de acordo com os princípios da guerra política 

É evidente que os princípios da guerra política são seguidos à risca por Requião, e que a tropa da censura de mídia já entra com vantagem na disputa, exatamente pelo fato de usarem recursos que muitos de seus adversários nem imaginam que existam. Mas um mero mapeamento já deixa tudo tão claro como a neve.

O ideal é que ataques preventivos já tivessem sido feitos antes, mas, mesmo assim, para se reagir a esse tipo de gente, é preciso entender o que ocorreu, e de acordo com as regras do jogo, jogar de volta.

E enquanto isso, eu vejo economicistas liberais discutindo se “Levy é uma boa opção ou não” para o governo? Chega a dar dó de quem não entende analiticamente o que constitui todo o discurso dessa gente…

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Eu cheguei a ver esse Manchetômetro. Eu até achei o estudo interessante, mas quando resolvi abrir a seção “artigos”, revelou-se que os responsáveis são nada mais que militantes como todos os outros que abordam esse assunto (um dos artigos entendeu que, quando Marina disse que foi “providência divina” ela não estar no jatinho que matou Eduardo Campos, estava declarando que ele morreu graças a Deus), e infelizmente já não posso mais confiar na pesquisa deles.

    Por acaso, mesmo que os dados estejam, sim, corretos, a conclusão da “mídia anti-PT” é apenas uma das possíveis. Outra conclusão possível é “o PT é tão ruim que não tem como darem muitas notícias boas sobre eles”.

  2. A Máquina Estatal é gigantesca.

    Quem a comanda é detentor de um grande poder de barganha.

    É o maior anunciante da mídia.

    O Governo é o principal interessado em possuir um controle sobre as críticas lançadas sobre sua atuação.

    O governo é o ladrão e a culpa é do denunciante que chamou a polícia (mídia).

    Luciano, eu usei as técnicas que você apresentou:

    É urgente controlarmos o que o povo pode ou não pensar, pois este não possui formação suficiente e está entregue aos lobos da mídia. É inevitável que o governo federal policie as opiniões vigentes na sociedade.

    Como pode uma sociedade livre querer bloquear os nossos avanços para uma sociedade mais justa, desmembremos esses grupos e censuremos suas críticas, para que o retrocesso não leve os avanços sociais a uma retração ou estagnação.

    Na economia mais dinâmica do planeta há o controle da mídia, portanto, se quisermos continuar no caminho do progresso, devemos seguir o modelo Chinês. Quem quiser se aliar ao progressismo deve militar em prol do pensamento único.

    A mídia não está a serviço do Brasil, está a serviço do capital especulativo. Nosso governo jamais trairá nossos interesses. Nós temos o monopólio da boa intenção, se não fosse assim não haveria o Bolsa Família, o PRONATEC, etc. O Foro de São Paulo é apenas um lugar onde debatemos ideias que melhorem a vida dos brasileiros, sem comprometimento do interesse nacional.

    O fato de a mídia nacional denunciar a corrupção revela que quer derrubar a credibilidade as instituições democráticas, portanto é golpista. A fúria com que a Veja criticou nosso Plano de Governo Progressista, elevou parcelas significativas da população e apoiar a volta da ditadura, portanto a mídia deve ser controlada para evitar o caos social.

  3. Espero que você não pense que eu sou de esquerda. Eu comento no Júlio Serero faz alguns anos, se quiser veja meus comentários lá ou pergunte pro próprio Júlio. Eu sou anti-PT, anti esquerda.

  4. Seria bom se a direitistas reescrevessem os discursos da esquerda, só que de forma escrachada. Transformar um discurso de uma Luciana Genro em termos de Levi Fidelix utilizando essas técnicas que você apresentou. Ficaria mais fácil de entender a real intenção. Nos ajudaria a formular uma argumentação melhor. A maioria das vezes, quando um esquerdista expõe os seus argumentos, a gente fica lá, “travado”, sem conseguir entender, sem argumentos, e às vezes sem conseguir sequer observar quais as reais intenções por trás do discurso.

    Esse tipo de exercício seria ou não um bom treinamento?

      • luciano

        quando eu falei maldade/engano da esquerda quero dizer:

        genocídio, coletivização, nova língua, distorção de princípios etc….

        eu peguei uma raiva danada deles quando comecei a ler os artigos do portal o marxismo cultural, escola de frankfurt…

        o q nós estamos fazendo é usar a inteligencia para desmascarar a mentira.

        continuo teu fã, mas fui sincero naquele comentário.

  5. Perguntaria a esse.. senador petista, esse tal que escreve um texto tão recheado de mentiras, perguntaria apenas duas coisas:
    Primeira – O que é pardo? Gostaria que ele descrevesse como tem que ser alguém pardo, todas as características necessárias e, naturalmente, com cuidado para não incorrer em crime de discriminação…
    e
    Segunda – Por que o governo dele, há 12 anos dono do planalto, deixa que a violência abata, “anualmente, mais de cem mil brasileiros, vítimas da repressão policial, da insegurança urbana e rural, do tráfico de drogas e do crime organizado. Dos acidentes de trabalho, dos atropelamentos no trânsito.” Palavras dele. Ou seja, ele está dizendo que seu governo é incompetente ou safado? Pelo que escreveu não restam outras alternativas…
    O texto é questionável da primeira à última palavra. E por questionável não me refiro a duvidoso.. Não. Refiro-me a que quem o escreveu deveria – que eu gostaria muito de vê-lo -, ser obrigado a ter que explicar cada uma das afirmações que fez… Seria bem divertido vê-lo se contradizer a cada três palavras, buscando demonstrar verdades..
    Gente assim, desse nível, só pode querer a censura mesmo.

Deixe uma resposta