A pior chaga moral da postura governista no caso Bolsonaro X Rosário

69
287

Classic Albums Def Leppard - Hysteria 112

Ricardo Noblat parece um ser humano normal. Mas um artigo publicado por ele ontem sobre o caso Bolsonaro X Rosário parecia nos mostrar que ele tinha perdido o juízo.

A coisa não pára por aí. Joice Hasselmann (a Gretchen Mol brasileira), no TVeja, também parece ter sido afetada por essa epidemia moral:

Ela é bem clara e não deixa brechas para erros de entendimento (justiça seja feita, ao menos estou diante de pessoas corajosas o suficiente para expor claramente suas ideias, mesmo as mais abjetas, pois isso nos permite uma análise mais crítica, enquanto incapacita a negação por parte do foco de análise).

Vamos deixar bem claro o raciocínio de Joice: “No contexto da questão, Jair Bolsonaro ultrapassou todos os limites morais e éticos”. Dito de outra forma, um argumento mais grosso que papel de enrolar prego (dizer, com ironia, que “Maria do Rosário não merece ser estuprada”, o que é uma baita de uma grosseria mesmo) é mais grave que praticar crimes como calúnia e difamação (Maria do Rosário ter acusado Bolsonaro sem provas, de ser um estuprador).

A não ser que Joice queria ter dito que Bolsonaro ultrapassou todos os limites do planeta Terra, enquanto Maria do Rosário teria ultrapassado todos os limites da Via Láctea. Mas duvido que ela sequer concorde com essa interpretação.

Então, o que temos é a absoluta ausência de senso de proporções em um discurso doentio causado por vários motivos: desonestidade intelectual, interesses pessoais e/ou influência por um agente psicopático. Por caridade, apostarei na última opção.

A moral psicopática, termo que uso para “encorpar” mais a definição de Andrew Lobaczweski no livro Ponerologia Política: Psicopatas no Poder, fala de um sistema comportamental compartilhado pelos psicopatas detentores do poder e uma legião de pessoas influenciadas por esse discurso. Mesmo que nem todas sejam clinicamente psicopatas, agirão, em alguns momentos, como se fossem. Isso ocorre pelo fenômeno da histeria. Em suma, psicopatas no poder podem implementar uma patocracia, sistema no qual teremos muitas pessoas (originalmente sãs e propensas a ações éticas e morais) agindo, ao menos por alguns momentos, como psicopatas.

Observe que não estou dizendo que Joice e Noblat sejam psicopatas, mas sim que eles incorporaram noções éticas inseridas em suas mentes, ao menos temporariamente, por psicopatas.

O detalhe é que se lermos obras como Moral Origins: Evolution, Virtue, Altruism and Shame, de Christopher Boehm, e The Moral Animal: Why We Are, the Way We Are: The New Science of Evolutionary Psychology, de Robert Wright, entenderemos que o ser humano tem como padrão uma “moral básica”, que funciona universalmente (embora algumas culturas façam adaptações).

Para desafiar esse “software moral básico” que vem instalado de nascença em nós, é preciso substituir os nossos instintos morais por uma inserção de novos valores. É aí que a histeria se manifesta, pois, por causa da estimulação contraditória, a vítima já não sente mais o que realmente sente, mas o que acredita ter sentido, principalmente pela sugestão externa.

E é aí que pessoas antes normais passam a achar que uma piada grosseira é pior que um crime de calúnia e difamação. É o mesmo fenômeno que faz com que intelectuais socialistas defendam os genocídios do século XX. Basicamente, ele poderá dizer “o maior crime de toda a história da humanidade é a acusação que você faz de genocídio ao marxismo”. Pronto! A sua crítica ao marxismo é transformada, via encenação, em algo que “ultrapassou todos os limites morais”, e, portanto, muito pior do que os fuzilamentos em massa dos regimes socialistas.

Este é o fenômeno que estamos assistindo agora. Pela histeria, vemos seres humanos funcionalmente normais (e sem indícios de psicopatia) defendendo as maiores aberrações, não por estarem apelando a qualquer tipo de instinto moral, mas por tomarem as encenações de petistas se fingindo de vítimas como elementos norteadores de sua moralidade. Vítimas de encenações de, aí sim, verdadeiros psicopatas, os histéricos não conseguem mais discernir o certo do errado.

Enquanto Jair Bolsonaro está sendo vítima de um processo bizarro de cassação, ninguém mais fala dos crimes de Maria do Rosário, que acusou o oponente político de estuprador. Mas é o mesmo recurso que os petistas tem feito para relativizar as críticas pela corrupção do Petrolão. Para os petistas, o maior crime está nos “golpistas que criticam”, e não nas evidências de corrupção na Petrobrás. Assim como os grandes culpados são os financiadores de campanhas, não os donos do poder que podem desviar recursos. Qual a diferença deste recurso de inversão de valores praticado pelo PT para o discurso simulando que Bolsonaro é o culpado da história? Não há nenhuma diferença. É o mesmo fenômeno da moral psicopática em ação.

O caso Bolsonaro X Rosário é exatamente igual ao das charges de Maomé feitas na Dinamarca, o que gerou um fuzuê desgraçado na época. Lembremos que o jornal dinamarquês Jyllands-Posten publicou cartoons que satirizavam a figura do profeta Maomé.

Alguns poderiam até criticar falando que o jornal desrespeitou os muçulmanos. Poderiam sim. Como todas as pessoas podem criticar o que quiser em uma democracia. Porém, não justifica a criação de um pandemônio, levando a várias mortes, por causa disso, o que foi feito por radicais islâmicos.

Se Maria do Rosário se limitasse a escrever uma nota de repúdio (pois ele foi grosso mesmo), enquanto Bolsonaro deveria tê-la processado por calúnia e difamação (por que ela cometeu os crimes de calúnia e difamação), estaríamos falando de um momento normal em uma sociedade sadia. Ao contrário, hoje estamos vendo psicopatas arquitetando discursos e muitos histéricos dando sequência, emulando discursos e comportamentos criados por psicopatas.

Aliás, não tente explicar aos histéricos o tamanho da bizarrice que estão cometendo. Eles não são capazes de perceber sua monstruosidade moral. Lembre-se: eles já não sentem mais o que efetivamente sentem, mas o que estão sugestionados a sentir por influência de pessoas apelando aos abismos mais profundos da perfídia humana.

Pelo menos nós, do lado de fora, conseguimos argumentar logicamente por que é um crime moral atacar mais Jair Bolsonaro do que Maria do Rosário. Todavia, os psicopatas sabem o que estão fazendo. Já os histéricos não tem condição de perceber isso. Ambos são inimigos tanto do debate racional como de qualquer noção de ética e moral.

Em tempo: sigo admirando o trabalho de Joice Hasselmann e Ricardo Noblat. Para mim, os vejo como vítimas de hipnose momentânea. Espero que passe.

Anúncios

69 COMMENTS

    • Mais um crime de ÓDIO cometido pela escória esquerdista!!! Além de MENTIREM sobre FASCISMO E NAZISMO. FASCISMO E NAZISMOS SÃO DE ESQUERDA e jamais o oposto disto. Essa página cometeu um crime contra BOLSONARO e merece ser punida por isto. Mais uma prova da MÍDIA GOLPISTA ESQUERDISTA.

  1. Ela cometeu apenas crime de injúria. Nada de calúnia nem difamação. Calúnia é quando uma pessoa atribui a outra a autoria de um crime específico. Por exemplo: “Fulano foi o autor do estupro contra beltrana, ocorrido no dia tal, no lugar tal, etc etc etc”. Da mesma forma, chamar a pessoa de estupradora não é difamação, porque isso não é o mesmo que imputar um FATO ofensivo à reputação, conforme o CPB. Seria difamação, por exemplo, dizer que “fulano é um mal pagador”, “fulano é um assíduo frequentador de bordéis…”, etc

    • Coloque aspas duplas no “apenas”, pois gerou um grande alarde. Mas realmente o Luciano Garrido está certo:

      “Na injúria não se imputa fato determinado, mas se formula juízos de valor, exteriorizando qualidades negativas ou defeitos que importem menoscabo, ultraje ou vilipêndio de alguém (STJ, Apn. 390/DF)”

    • É bom acrescentar que a prática processual brasileira tem sido incluir as três categorias no mesmo processo: injúria, calúnia e difamação. Isso porque a legislação não pode ser interpretada sempre “à letra”. Um magistrado pode conceber, por exemplo, que rotular um pessoa pública, em público e com notória repercussão, de uma maneira tão infame, caso de “estuprador”, suscita uma insinuação quanto a um suposto FATO que teria motivado a xingadora a ofender o sujeito em alto e bom som. Além disso, há que se pesar, também, o ponto de vista das consequências: não é possível definir difamação tão somente por suas causas, mas e principalmente pelo que ela acarreta – a imagem do ofendido extremamente aviltada perante a sociedade, com um aposto hediondo a lhe acompanhar mesmo quando juridicamente resolvida a questão.

  2. Luciano,

    Quando você diz que o Bolsonaro foi grosso, você traz à tona um outro problema que muito atrapalha o Brasil: o politicamente correto. Todavia ele somente respondeu a um crime como deveria – é o mesmo princípio de usar um palavrão quando é necessário devido às circunstâncias; tê-la mandado à puta que pariu ou ir se foder, por exemplo. Voltando ao politicamente correto, hoje em dia parece que as pessoas são feitas de papel ou porcelana, qualquer brincadeirinha e já pensam que ensejaria o crime de injúria. Neste caso, é preciso existir o dolo de ofender a pessoa, dessa forma alguém que seja mais sensível não poderá dizer que o outro cometeu injúria; acredito que nem isso a Maria do Rosário poderia alegar.

    Abraços.

  3. É impressionante como pegam no pé desse cara. Até agora estou tentando achar o que ele disse demais dos limites. Mas a esquerda, mesmo sendo recordista de crimes contra a humanidade, goza de um prestígio messiânico que ela mesma se dá e então é só dizer algo que esse algo já se torna verdade sem nem mesmo se discutir ou se esperar trazer evidências contrárias.

    Bolsonaro deveria aproveitar que voltou a ser o alvo da mídia vendida e dizer os nomes das pessoas que ainda estão no governo e que colaboraram com a KGB no Brasil. Provando que o golpe (e não o regime inteiro) foi justificado por causa do perigo comunista que queria implantar uma ditadura aos moldes que implantou na China, em Cuba e na Rússia.

    Além de dizer todos os crimes da guerrilha comunista no Brasil que INDEPENDENTES DO CONTEXTO são crimes contra a humanidade. Como Carlos Lamarca que matou o Tenente Mendes DESARMADO a coronhadas em um tribunal revolucionário e Dilma que explodiu uma bomba para matar um soldado mas acabou ferindo civis. Como li faz tempo isso me esqueci dos detalhes.

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/todas-as-pessoas-mortas-por-terroristas-de-esquerda-3-a-impressionante-covardia-de-lamarca/

  4. Para combater a extrema esquerda:

    1. Se faça de vitima (esperneie mais do que seu acusador – o comunismo não é a ideologia dos oprimidos, então os vença se passando por oprimido dos oprimidos);

    2. Se defenda de forma histérica, com muita acertividade (até agressividade, principalmente quando os ventos soprarem ao teu favor);

    3. Jamais desça o nível para patamares inferiores ao politicamente correto, assim como o Bolsonaro fez. Caso contrário, você cometerá um suicídio argumentativo;

    4. Entre no teatrinho deles, seja o mocinho da história, derrame lágrimas se preciso for, aproxime a sua imagem de algum grupo privilegiado historicamente pela extrema-esquerda. Grite o quanto mais alto seus pulmões permitirem que você é o coitadinho, o explorado da história;

    5. Não se defenda, chore as pitangas. Após derramar oceanos ao estilo Televisa, comece a atacar todos os podres do seu oponente, do partido dele e da sua ideologia, com muita, mas com muita convicção e com a emoção à flor da pele. Afinal a esquerda sempre apoiou a revolta do oprimido;

    Bom amigo Luciano, eu somente fiz o trabalho de engenharia reversa, desmontei e apresentei as técnicas do dramalhão chavista, no mais puro estilo bufento “Maria do Bairro”.

    Recomendo aos Liberais aulas de teatro, pois o relativismo moral enfraquece a convicções de vocês diante das grandes estrelas do dramalhão mexicano. A estrema-esquerda deposita tanta fé em Marx e na teoria marxista quanto um extremista islâmico a deposita em Maomé

    Aos Conservadores, aconselho um comprimido de maracujina antes de levantar da cama, para não sair falando abobrinha por aí sem o filtro do politicamente correto. Podemos expressar nossas posições, mas infelizmente, hoje é preciso ter muito cuidado para que não venhamos perder terreno para o inimigo.

    • Só uma observação em relação ao ítem 2 e 5:

      2 – se a disputa estiver ao teu favor, seja agressivo em acusar o oponente, demostre força argumentando em sua defesa, mas preste muita atenção para que sua agresividade não transforme você em carrasco e o oponente numa vitima. Nunca desça o nivel abaixo politicamente correto, é perder a sua “Jerusalém”. Isso não significa que você não poderá ser acertivo, combativo, apelativo, à flor da pele… Só cuidado com os termos.

      5 – se a disputa estiver à favor do oponente, se faça de vitima de forma histriônica, chore as todas as pitangas, derrame lágrimas, desvie o foco… se justifique perante a platéia para só depois atacar ostensivamente o adversário, desviando novamente o foco dos seus pontos negativos para os pontos negativos do adversário.

      No comunismo vence quem vender a imagem de vitima. Cuidado com os ataques grosseiros, pois as regras do jogo foram escritas para beneficiar a esquerda, o políticamente correto. Se você desrespeita esta regra, teu inimigo toma o lugar de vitima de você, assim como aconteceu com o Bolsonaro, que de vitima de uma acusação absurda, passou, num passe de mágica, a réu.

      Outro fator importante: a Platéia. A mentalidade esquerdista domina o país, então o posto almejado por você, numa disputa assimetrica com a manipulação esquerdista, sempre será alcançar o posto de oprimido mór perante a opinião pública.

    • ….CORREÇÃO..Lu, peço, se vc puder, apague estes dois comentários meus acima e coloque este… digitei no corre… um abraço e desde já obrigado…

      PARA SE PROTEGEM DO “GOLPE BAIXO”/”DISTORÇÃO DA REALIDADE” DA EXTREMA-ESQUERDA:

      1. SE FAÇA DE VÍTIMA SEMPRE! Esperneie mais do que seu acusador – o comunismo não é a ideologia dos OPRIMIDOS? Então VENÇA construindo o discurso: OPRIMIDO DOS OPRIMIDOS. Entre no teatrinho deles, seja o mocinho da história, derrame lágrimas se preciso for, aproxime a sua imagem a de algum grupo privilegiado historicamente pela extrema-esquerda. Grite o mais alto que seus pulmões permitirem que você é o COITADINHO, o EXPLORADO da história;

      2. Se a disputa estiver AO TEU FAVOR, seja agressivo, acuse o seu oponente, demonstre força, argumente, se defenda, mas preste muita atenção para que sua agressividade não transforme você em um CARRASCO e o seu oponente numa VÍTIMA (você é o coitado, não abra mão deste trunfo, não permita que te imponham o rótulo/frame de opressor). Não mantenha a discussão em um nível abaixo do politicamente correto, pois agir desta maneira hoje em dia é a capitulação da sua “Jerusalém”, é se colocar pra fora do debate político, é “perder a razão”. Isso não significa que você não poderá ser assertivo, combativo, apelativo, à flor da pele… Somente tenha muito cuidado com os termos empregados em um debate. Se levarmos em consideração as objeções anteriores, o próximo passo é empregarmos a emoção. O tom deve ser DRAMÁTICO, HISTÉRICO…

      3. JAMAIS desça o nível para patamares inferiores ao politicamente correto, assim como o Bolsonaro fez. Caso contrário você cometerá um “suicídio argumentativo”. Fazendo isto, você entrega a vitória para o oponente sem lutar. É preciso utilizar as armas disponíveis na guerra política, e infelizmente, a esquerda limitou nosso “armamento” ao impor a cultura do “politicamente correto”;

      4. Se a disputa estiver a favor do OPONENTE, se faça de vitima de forma histriônica, chore todas as “pitangas”, derrame lágrimas, desvie o foco… se justifique primeiramente perante a platéia, depois ataque ostensivamente o adversário, desviando novamente o foco dos seus pontos negativos para os pontos negativos do adversário. Após derramar oceanos de lágrimas, ao estilo Televisa, comece a atacar todos os podres do seu oponente, do partido dele e da sua ideologia. Tudo com muita convicção e com a emoção à flor da pele. Afinal, a esquerda sempre apoiou a REVOLTA DO OPRIMIDO;

      Bom amigo Luciano, eu somente fiz o trabalho de engenharia reversa, desmontei e apresentei as técnicas do DRAMALHÃO BOLIVARIANO, no mais puro estilo bufento “Maria do Bairro”.

      Recomendo aos LIBERAIS aulas de teatro, pois o relativismo moral enfraquece a convicções de vocês diante de estrelas dramáticas bolivarianas. A extrema-esquerda deposita tanta fé em Marx quanto um extremista islâmico a deposita em Maomé.

      Aos CONSERVADORES, aconselho um comprimido de maracugina antes de se levantar da cama, para não sair FALANDO ABOBRINHA por aí sem o filtro do politicamente correto. Podemos expressar nossas posições, mas infelizmente, hoje é preciso ter muito cuidado para que não venhamos perder terreno para o inimigo. E pode ocorrer algo pior, além de perdermos terreno, poderemos veremos nosso discurso manipulado de forma a ajudar a extrema-esquerda criar uma “cortina de fumaça” que abafe algum escândalo que esteja na pauta do dia.

      No Comunismo, vence quem melhor SE VITIMIZAR. Cuidado com os ataques grosseiros, pois as regras do jogo foram escritas para beneficiar a esquerda, o POLITICAMENTE CORRETO. Se você desrespeita esta regra, teu inimigo usurpa o lugar de vitima, assim como aconteceu com o Bolsonaro; que passou de VÍTIMA de uma acusação absurda e CRIMINOSA, passou, num passe de mágica, a RÉU.

      Outro fator importante: a Platéia. A mentalidade esquerdista domina o país, então o posto almejado por você, o “Santo Graal” numa disputa assimétrica com a extrema-esquerda será O TÍTULO: OPRIMIDO MÓR, diante da OPINIÃO PÚBLICA.

      ### O JOGUINHO OPRESSOR X VÍTIMA ####

      ### IGNORAR O “POLITICAMENTE CORRETO” É ENTREGAR DE BANDEJA A VITÓRIA PARA O OPONENTE ###

      ### SE VOCÊ DER BANDEIRA, SERÁ USADO COMO “BODE EXPIATÓRIO”, COMO CORTINA DE FUMAÇA PARA DESVIAR AS ATENÇÕES DO PÚBLICO ###

  5. Vamos deixar bem claro o raciocínio de Joice: “No contexto da questão, Jair Bolsonaro ultrapassou todos os limites morais e éticos”.

    Não. Ela disse que ele passou “de todos os limites da civilidade” e que “não há justificativa plausível para um homem que representa milhares de pessoas” dizer uma coisa dessas. Você está ouvindo coisas, pois Joice não tocou na questão moral ou ética.

    Dito de outra forma, um argumento mais grosso que papel de enrolar prego (dizer, com ironia, que “Maria do Rosário não merece ser estuprada”, o que é uma baita de uma grosseria mesmo) é mais grave que praticar crimes como calúnia e difamação (Maria do Rosário ter acusado Bolsonaro sem provas, de ser um estuprador).

    Maria do Rosário chamou Bolsonaro de estuprador e ele sarcasticamente respondeu que é um estuprador exigente. Criticar uma resposta tão estúpida quanto essa não é o mesmo que tirar da Maria do Rosário o peso do crime de difamação, muito mais grave. Dizer que Bolsonaro passou de “todos os limites da civilidade” não implica em negar que Maria do Rosário tenha passado desses e de outros limites, ora. Joice deixa isso muito claro quando diz que Bolsonaro “deveria ter buscado formas de obrigar a parlamentar a se retratar”.

    Aliás, meio estranho dizer que Hasselmann e Noblat se deixaram influenciar pela psicopatia/histeria alheia, mas não questionar a saúde mental do Bolsonaro por dizer uma coisa daquelas, né? Se você acha mesmo que é um “crime moral” atacar mais o Bolsonaro do que a Mario do Rosário neste caso, também é um crime moral atacar mais o Noblat e a Joice do que o próprio Bolsonaro. Ou vai me dizer que criticar uma brincadeira com estupro é pior do que brincar com estupro?

    Em tempo:

    Se Maria do Rosário se limitasse a escrever uma nota de repúdio (pois ele foi grosso mesmo), enquanto Bolsonaro deveria tê-la processado por calúnia e difamação (por que ela cometeu os crimes de calúnia e difamação), estaríamos falando de um momento normal em uma sociedade sadia.

    Não há nada de “sadia” em uma sociedade que mantém um homem assim como parlamentar.

    • Observe as declarações de Bolsonaro e quando elas foram feitas, e observe como ele evoluiu com o tempo. Jandira Feghali continua, por sua vez, defendendo a mesma ideia genocida que defendia há 20 anos. Ponto para Bolsonaro.

      Joice deveria ter compreendido que Bolsonaro havia sofrido um crime violentíssimo (a acusação de ser estuprador), e, como tal, deveria haver um atenuante para sua declaração, que, como já disse, foi grosseira. Se Joice focou mais em Bolsonaro, em uma questão que envolvia também Maria do Rosário, também deve ser questioonada.

      Eu não vi motivos para questionar a saúde mental de Bolsonaro. Ele estava sob pressão, e era vítima de um crime. Esse é o ponto escondido. Noblat e Joice não eram vítimas de crime enquanto faziam suas declarações.

      • O fato é que muitos dos que se tornaram críticos do PT não o fazem por consciência, mas sim por partidarismo.
        Joice, como tantos outros, tem como compromisso a defesa enviesada do PSDB e só por isso ataca o PT. É uma disputa partidária e não convicções sobre certo e errado.

        Bolsonaro é visto como inimigo tanto pelo PT como por seu primo PSDB. Daí Joice fazer o teatro da indignada e atacar Bolsonaro esquecendo-se de M. do Rosário.

        Não há sinceridade em disputas de partidos, há apenas o teatro político.
        Bolsonaro, de quem discordo por não ser um defensor de principios liberais, nem mesmo foi grosseiro, mas apenas não foi um bosta intimidado.

        Maria do Rosario covardemente ameaçou AGREDI-LO e assim o fez, covardemente, por imaginar que poderia ataca-lo sem sofrer um revide. Somente não o AGREDIU FISICAMENTE porque este AVISOU que REVIDARIA.

        O covarde não é apenas o que ataca o mais fraco indefeso e nem aquele que foge ante o mais forte. COVARDE É AQUELE QUE TEME QUALQUER RISCO E POR TAL ELE ATACA QUANDO PRESUME A IMPOTÊNCIA ALHEIA PARA REAGIR. ASSIM, DA MESMA FORMA FOGE QUANDO PRESUME QUE HÁ RISCO DE DESVANTAGEM OU SE RECONHECE VULNERAVEL.

        Exatamente por isso M. do Rosario partiu na direção de Bolsonaro ameaçando ataca-lo e conteve-se ante a possibilidade de reação deste.

        Se percebesse que esse apenas tentaria se esquivar, sem revidar, ela atacaria aos tapas visando humilha-lo e se gabaria de sua “bravura”. Porém, com medo do revide, preferiu invocar a “moral da vítima” renunciando à “moral do valente guerreiro”.

        COVARDIA E SAFADEZA SÃO OS METODOS DESTES _________________________(cada um preencha com o que percebe destes)

    • A Joice, nesse caso, levou muito mais em conta a resposta de Bolsonaro em sua crítica. É justo dizer que o que ela fez foi precisamente isso: relativizar e diminuir o teor da declaração criminosa da deputada petista para atingir o tosco Bolsonaro – que não cometeu nenhum crime – ao contrário de Maria do Rosário. Você pode e tem o direito de fazer todas as críticas do mundo a ele, já eu prefiro acreditar que não há nada de “sadio” em eleger deputadas cujos partidos são stalinistas e defendem o regime hediondo da Coréia do Norte. Isso sim não é nem um pouco saudável.

    • “Vamos deixar bem claro o raciocínio de Joice: “No contexto da questão, Jair Bolsonaro ultrapassou todos os limites morais e éticos”. Dito de outra forma, um argumento mais grosso que papel de enrolar prego (dizer, com ironia, que “Maria do Rosário não merece ser estuprada”, o que é uma baita de uma grosseria mesmo) é mais grave que praticar crimes como calúnia e difamação (Maria do Rosário ter acusado Bolsonaro sem provas, de ser um estuprador).”

      Não, não foi feita comparação do que o Bolsonaro fez e o que a Maria fez. O texto dito pela Joice se refere a atitude do Bolsonaro, e não dizer que o “crime” de um foi pior que o do outro.
      Seu raciocínio aqui Luciano é tão válido quanto dizer que as atitudes do Maduro são validas pois são muito menos piores que as de Stalin.

      A questão é que um erro NUNCA justifica o outro. E esse erro do Bolsonaro além de poder ser enquadrado como injuria, também foi um péssimo erro pensando de maneira estratégica. Como tentar matar o adversário tentando arremessar um fusil carregado em sua cabeça.
      O que o Bolsonaro deveria ter feito é processado a Maria do Rosário por seu crime (QUE FOI MUITO PIOR!!).
      Inclusive tanto ela quanto o Augusto Nunes discutiram mais esse assunto no “aqui entre nós”, e esse ponto foi deixado bom claro.

      O posicionamento da Joice está certíssimo. Inclusive nos termos que usou. Não deve haver tolerância para um tipo de falha estratégica tão grande por parte da oposição pragmática. Da mesma forma que os militaristas devem se separar da oposição democrática, o Bolsonaro e seus apoiadores devem se decidir: ou aprendem a jogar o jogo, ou abandonem o barco, e parem de queimar o filme.
      (Nesse sentido, ao meu ver Aécio e Caiado estão se saindo cada dia melhores como opositores pragmáticos)

      • É uma crítica interessante a sua.

        Eu escrevi tomando como pressuposto que ela deveria ter dedicado um tempo ao ataque de ambos, mas priorizou um lado só. Por esse foco, considerei energia demais dispendida em relação a Bolsonaro, e pouco para Maria do Rosário.

        Não entendi como se fosse uma crítica à estratégia de Bolsonaro (eu, junto com outros, fiz esta crítica), mas uma crítica MORAL.

      • No aqui entre nós a Joice inclusive foi a primeira a criticar a Maria.
        O fato de a atitude da Maria ter passado despercebida e a do Bolsonaro não se deve justamente pois ele perdeu a janela de time-to-market que possuía assim que recebeu a acusação. Preferiu ficar calado, quando podia ter ganho dividendos políticos.
        Já, quando a questão foi novamente posta na mesa, quem era o novo réu era o Bolsonaro e não ela. Atacar a Maria do Rosário nesse momento soaria como uma tentativa de querer justificar um erro com o outro. “Oras, mas se ela fez isso, por que não denunciou antes?”.
        (coisa que alias o PT faz toda hora. Ex: “se rouba mas nunca se investigou tanto” “sempre houve roubos na petrobras”. E só dá “certo” por sua imensa força, mas mesmo assim os minimamente bem intencionados não caem nessa)

        Nesse momento a janela de time-to-market do Bolsonaro já havia se fechado, e a da Maria do Rosário tinha acabado de se abrir.

        Obviamente os PTistas sabem disso, e aproveitam.Enquanto isso o Bolsonaro fica se queimando com declarações bem intencionadas, mas tortuosas e facilmente deliberadamente mal-interpretadas para aqueles com malícia política.

      • Estão certíssimos Erandur?????até agora,eu estava aliviando o PSDB e a Veja de ataques,mas depois que vi vários colunistas dessa revista atacando Bolsonaro sem levar em consideração o contexto da situação e ao mesmo tempo pendendo para os psdbistas,agora eu vou meter pau mesmo.Já sei qual é a deles:eliminar qualquer outra oposição de VERDADE a esse esquema e permanecer com a falsa oposição levando o Brasil para o buraco.Aguenta aí que agora vai e tenho munição pesada.

      • Confesso que tive a mesma visão que você assim que o primeiro vídeo da TVeja condenando o Bolsonaro foi postado (com o Augusto Nunes). Horas depois, Joice veio a carga com um estilo e entonação de voz a la “Fátima Bernardes” no Jornal Nacional em tempos de guerra: olhos bem abertos, voz forçando um contralto, etc. Eu estava perdido em minhas leituras e resolvi ver a fala do Bolsonaro, pois pensava se tratar de algo realmente acachapante, tamanho o furdunço. Ouvi atentamente e… não vi nada além do velho Bolsonaro tão conhecido de todos, mas visivelmente irritado por alguma coisa – como que “chamado pra briga”. Ele já deu declarações até mais pesadas que aquela no mesmo Congresso…

        O QUE SERÁ QUE OS LIBERAIS E OS CONSERVADORES (MAS NEM TANTO) ESPERAM DO BOLSONARO?

        Ele é um aliado, mas não fala por nós. Defender o Bolsonaro – a pessoa dele – contra o assédio dos cães não implica em encontrar méritos em seus cacoetes mais conhecidos.
        Bolsonaro não pode ser tomado por nós como um “ícone da Direita” até por limitações e vícios que conhecemos bem.
        As pessoas sempre são seduzidas a ver a Política como uma guerra de “ideias” e “valores”, quando ela é uma guerra por poder. Valores e ideias são códigos usados nas mensagens dos que brigam pelo poder, mas qualquer Zé Mané manipulador pode usar tais signos para obter o poder e inclusive sabotar quem lhe imbuiu o mesmo poder em seguida.
        Analisar a postura do Bolsonaro no caso é muito simples. O difícil é enquadra-la corretamente dentro da verdadeira batalha política que deve ser travada naquele Congresso. A Veja errou ridiculamente na segunda ação.
        A disputa contra o PT não permite assassinar a reputação de um aliado enquanto eles fazem o contrário: blindam ou preservam os aliados das bombas, pois sabem que sem eles ficarão mais fracos.
        Pensei: “se a Veja quer marcar posição atacando veementemente o Bolsonaro por fazer da tribuna uma rua em que 2 vizinhas batem boca por causa dos filhos, não justifica persistir no linchamento moral que só interessará ao comum inimigo de ambos, Bolsonaro e Veja…”

        É nessas horas que vemos como a Direita está carente de estratégia, tropeçando em cascas de banana atiradas pelos cães. Um petista inteligente (é possível encontrar) deve ter sentido um leve prazer em ver a Veja fazendo tal papel melhor que seus próprios “companheiros” ou pistoleiros de aluguel.

        A reação das pessoas que admiram o Deputado foi espontânea: negativaram o vídeo, xingaram a Joice, um deles disse que cancelou a assinatura da Revista. Todo esse mal estar poderia ser evitado se aquele segundo vídeo requentando o assunto não tivesse sido publicado. O que seria desnecessário se tornou trágico. Se quisessem dissecar o assunto, que falassem friamente dessa rivalidade envolvendo Bolsonaro e “MR”, pois a qualquer ouvinte neutro, Bolsonaro teria também razões a sobrar para sua irritação. Ele foi atacado de uma maneira covarde, acusado de ser um covarde que tem a mente de covardes que satisfazem suas necessidades fisiológicas obrigando pessoas a cederem a elas. Ele basicamente canalizou sua revolta de maneira – novamente – estúpida, provinciana. Deveria ter recorrido ao velho e bom Judiciário tão entupido de processos que os vadios bem sabem abrir contra qualquer pessoa que vigiam noite e dia por emitir juízos contrários aos seus interesses.
        Enquanto isso, os direitistas ficam a vida inteira sob fogo deles, tendo de se explicar em processos..

        PS: vi muitas mulheres prestando apoio ao Bolsonaro na internet, o que me faz pensar se realmente “eles” tiveram êxito em tentar dar às mulheres um modo de pensar padronizado, classista, extremista, “androfóbico”. Rachel Sheherazade também fez uma declaração em apoio ao Bolsonaro: https://www.youtube.com/watch?v=KwJgm7jS6As.

    • “Aliás, meio estranho dizer que Hasselmann e Noblat se deixaram influenciar pela psicopatia/histeria alheia, mas não questionar a saúde mental do Bolsonaro por dizer uma coisa daquelas, né?”

      Então para você um contra-ataque merece mais críticas do que o ataque inicial.

      Se uma mulher der um chute no saco de um homem e logo em seguida esse homem contra atacar com um soco na cara dessa mulher você iria dizer que a saúde mental desse homem deve ser questionada?

      Pois foi algo análogo à isso que ocorreu!

      A Maria do Rosário xingou ele de estuprador, em seguida ele disse que ela é tão feia que não a estupraria.

      Ele não fez nada de errado ao reagir.
      Só acho que ele deveria ter sido mais esperto e acusá-la de defender que menores de idade que cometem estupros fiquem livres, ou qualquer outra imoralidade que ela defende. Tem bastante munição para ser usada.

      Mas é claro que se ele tivesse feito isso e agido corretamente o caso não estaria nos noticiários dessa mídia esquerdista e nojenta que domina o país.

      Ainda bem que existe a internet, onde é muito mais difícil de conseguir dominância, já que qualquer um cria um blog em questão de minutos.

      • “Aliás, meio estranho dizer que Hasselmann e Noblat se deixaram influenciar pela psicopatia/histeria alheia, mas não questionar a saúde mental do Bolsonaro por dizer uma coisa daquelas, né?”

        Então para você um contra-ataque merece mais críticas do que o ataque inicial.

        Não. Volte ao trecho que você citou e leia a sentença seguinte.

        Se uma mulher der um chute no saco de um homem e logo em seguida esse homem contra atacar com um soco na cara dessa mulher você iria dizer que a saúde mental desse homem deve ser questionada?

        Se esse homem fosse um parlamentar e usasse o plenário da Câmara para se gabar disso, SIM.

        A Maria do Rosário xingou ele de estuprador, em seguida ele disse que ela é tão feia que não a estupraria.

        E você acha que bancar o “estuprador exigente” é apropriado para um parlamentar? Eu não acho. E lembrando: minha opinião não minimiza em nada a gravidade da acusação que Bolsonaro recebeu. Só acho que a reação dele foi inapropriada, grosseira e, politicamente falando, desastrosa –– portanto passível de crítica.

    • Esse tipo de imagem é parte de um compêndio “maravilhoso” que os libertários estão fazendo para entregar ao PT, poupando a estes o trabalho de dificultar ou inviabilizar a candidatura de Bolsonaro à Presidência da República em 2018.

      Tenho visto alguns grupos libertários fazerem esse trabalho de desconstrução do Bolsonaro, num estilo e assertividade que nem a esquerda tem feito. Nessas horas eu começo a concordar com um colega meu, conservador, que diz que os libertários são “o PSTU da direita”. No mínimo falta-lhes o senso crítico para encarar a realidade como ela é, não como eles gostariam que ela fosse.

      • …era só a Veja ignorar o assunto…

        …ataques ao Bolsonaro não faltariam na mídia comprada…

        …quero ver qual será o dia em que A Revista Piauí atacará as declarações ambíguas do senhor Lulinha Friboi.

  6. O interessante é que, quando você aponta para a pessoa que foi a deputada quem cometeu o crime, seja difamação, calúnia ou injúria, há pessoas que histericamente te acusam de estar ‘criminalizando a vítima’ em especial por ser mulher. Foi inclusive o que o jean willis fez em um dos seus posts n.o facebook.
    Uma outra coisa foi que a rotulação de criminoso e estuprador está sendo exaustivamente explorada para provocar publicamente um sentimento de rejeição que incentive a uma tentativa de cassação do deputado Bolsonaro. Habilmente usando essa rotulação, os inimigos varreram para baixo do tapete todo o discurso que espinafrava com vigor a questão dos direitos humanos no Brasil.
    Acredito que o deputado tenha muito apoio, mas muitas pessoas hesitam em apoia-lo publicamente porque ficam na dúvida diante de seu comportamento um tanto irascível, penso.

    • Essa eu não vi do Augusto Nunes.

      Mas é como eu disse: acho que a Joice perdeu o juízo por alguns instantes. E o mesmo vale para Ricardo Noblat.

      São bons profissionais. Mas, a meu ver, caíram, momentaneamente, na sugestão da patrulha petista.

      Abs,

      LH

      • Atacar Bolsonaro =/= Defender Maria do Rosário

        Não perdeu juíso nenhum, estão certíssimos
        – fizeram uma ótica critica construtiva a atitude do Bolonaro, ao apontar suas falhas e seu ERRO de não ter processado a Maria do Rosário antes.
        – se livraram automaticamente do rótulo de “fascista” impostos pelos ptistas a todos os defensores do bolsonaro
        – tiveram a postura mais razoavel possível ao fato envolvendo o Bolsonaro. A acusação leviana e criminosa da Maria é um fato relacionado, mas OUTRO fato. Isso tem que ficar claro.

      • Eu discordo. Ao se gastar tempo e energia atacando Bolsonaro, não se gasta atacando Maria do Rosário. Ao atrair a atenção do povo para as falhas de Bolsonaro, esta é desviada das falhas de Maria do Rosário, que são muito maiores. Num vídeo de 2 minutos (3 minutos com cerca de 1 minuto do vídeo do episódio), ela deve ter passado menos de 20 segundos falando do erro de MR, e os 100 segundos restantes criticando Bolsonaro. Poderia ter sido ao contrário.

    • Estão certíssimos?????até agora,eu estava aliviando o PSDB e a Veja de ataques,mas depois que vi vários colunistas dessa revista atacando Bolsonaro sem levar em consideração o contexto da situação e ao mesmo tempo pendendo para os psdbistas,agora eu vou meter pau mesmo.Já sei qual é a deles:eliminar qualquer outra oposição de VERDADE a esse esquema e permanecer com a falsa oposição levando o Brasil para o buraco.Aguenta aí que agora vai e tenho munição pesada.

  7. vai me desculpar. mas o que joice disse, foi a mesma coisa que vc falou. eu acho que ela quis dar enfase na idiotice dita pelo bolsonaro, inclusive na entrevista com augisto nunes ela deixa isso bem claro. basicamente o que ela diz é que ele fez uma estupidez, e deveria saber usar melhor o seu fogo, até para nao dar armas para a esquerda. sem dramas por aqui por favor

    RESP

    A questão é que Bolsonaro não usou melhor sua munição. Aconteceu. Agora, depois disso, não precisamos dar mais MUNIÇÃO ao oponente.

  8. À aqueles que defendem Bolsonaro,uma pergunta: Voces gostariam que estuprassem as mulheres de suas famílias?

    Não. Nem Bolsonaro.

    Mas vocês do PT e das linhas auxiliares defendem
    – licença de estupro (e de matar) para menores
    – estupros em série praticados pelo Estado Islâmico
    – Eduardo Gaievski, ex-assessor de Gleisi Hoffman, que estuprava mulheres
    – os psicopatas de Nicolas Maduro, que estupram presos políticos com baionetas

    É isso aí. Bolsonaro não é estuprador, pois se fosse, vocês o defenderiam. 😉

    • Tiao,

      Não seja tão podre. Eu não gosto do Bolsonaro. Mas alegar que ele é estuprador é assinar um atestado de jumentice, retardadice e, principalmente, de mentiroso.

      Lembra-se de um caso que ocorreu ano passado no qual um menor de idade entrou armado em um ônibus, rendeu todas as pessoas e estuprou uma mulher na frente dos demais passageiros? Você e seus amigos do PT, PSOL e demais linhas auxiliares são os que defendem esse marginal.
      Aí eu é que te pergunto: você gostaria que a vítima nesse caso do ônibus tivesse sido uma mulher da sua família?

  9. Luciano, este seu post resumiu o que eu estava sentindo a respeito do tema (obviamente com muito mais assertividade e embasamento teórico).
    A alguns anos atrás eu ficaria chocado com a postura de histeria coletiva do pessoal. Hoje eu só constato e tento remediar e argumentar com algumas poucas pessoas razoáveis (e que não tiveram seu cérebro derretido pelo gramscismo). Como você escreveu, a maioria das pessoas que embarcou nessa histeria é caso perdido. Continuarei a acompanhar seu trabalho e vou adicionar as obras indicadas na minha lista de leitura.

  10. Bolsanaro foi grosso mesmo.
    Todos precisam ficar muito chocados, porque somos brasileiros e não estamos acostumados com grosseria nenhuma, já que aqui nossos políticos são muito elegantes e educados…
    Há anos as pessoas são treinadas para achar que quem reage é truculento e quem se faz de vítima é bonito e coitadinho.
    Ninguém da imprensa consegue sair desta lógica bizarra.
    O deputado foi atacado e reagiu. Claro que deve se preparar para reagir com mais estratégia, mas basta dizer: Bolsanaro, vc pode fazer melhor!
    Ainda assim, é preciso parar de exigir que todos reajam como se fossem Spocks.
    Até vítimas de crimes violentos são julgadas moralmente com mais rigor do que seus agressores. Isto é um padrão aqui no Brasil.
    Aqui, se vc estiver armado e reagir a um assalto, corre enorme risco de ir para cadeia enquanto todo mundo discute a precisão do seu tiro, a conveniência, de vc não poderia ter só fugido, ou desferido apenas um tiro no dedinho do pé esquerdo com precisão cirúrgica ou só dado uma coronhada no assaltante armado etc…
    As pessoas de bem caíram neste truque perverso. São MUITO mais exigentes com a vítima que reage do que o criminoso que ataca.
    Gente boa da imprensa fazendo isso se rendeu mesmo a uma lógica perversa mesmo e devem ser criticados.

    • Realmente, o Reinaldo detonou ele, não só na quarta como no programa de hoje também. Mas, há um detalhe aí: o Reinaldo lembrou que essas falas desastrosas do Bolsonaro só contribuem para queimar o filme da direita e das pessoas que estão saindo às ruas. Isso é verdade. Ele acaba fazendo o mesmo papel dos idiotas intervencionistas nas manifestações. Precisamos pensar nisso também (e olha que aqui está um cara que bolou um depoimento de shaming que o Bolsonaro poderia utilizar contra a Jandira Feghali e a Maria do Rosário).

      • O Reinaldo não gosta dele, isso já ficou bem claro. E o pior: não fica só no quesito “não gostar”, o Reinaldo o ataca. Já vi comentário do Bolsonaro dizendo que o Reinaldo está no direito, mas que ele continuará lendo as publicações do Reinaldo.

  11. A histéria da massa, nesse caso, vem acompanhado de um total desconhecimento do próprio idioma, pois mesmo um histério, se culto o bastante para entender as estruturas linguísticas de sua língua, seria capaz de transformar a afirmação categórica de um “não estupro” em possibilidades infinitas e concretas de outros estupros.
    Além de histórica, tem de ser bem mau caráter para interpretar as coisas desse jeito.

  12. Luciano, eu achei que o Bolsonaro melhorou 120%, ou 1200%, ele anda sendo muito mais eficiente com as palavras HOJE do que anos atrás, mas porém entretanto, fez a besteira de recontar um caso da época onde cada frase dele era um presente aos seus inimigos. A frase da vez pelo qual estão o demonizando não foi dita agora, mas muito tempo atrás, naquela época em que ele falava de pais resolverem viadagem dos filhos na base da porrada. Esse tempo já estava esquecido e muitos que antes o achavam desprezivel estavam bem mais simpáticos a sua figura (“até que ele não é tão mal assim”),

    Recentemente ele só estava sendo agressivo (no sentido físico da coisa) com bandidos, assassinos e terroristas. No que me parece que a maioria da população concorda, que se tenha de ser severo no trato a classe dos criminosos.

  13. Excelente, Jade! Não que os demais comentários não fossem bons. Foram ótimos e mostraram bons pontos de vista.

    É óbvio que o Bolsonaro não tem o preparo, nem a elegância de um Juscelino Kubitschek, mas foi ao ponto. E na batalha com o PT isto é importante. O que a direita tem que aprender é a gritar mais alto do que a esquerda, ou pelo menos tão alto quanto. Os críticos estão ‘horrorizados” apenas com o Bolsonaro e nem querem saber da acusação feita a ele pela Maria do Rosário.

    Se os dois comportamentos se equivalem – e para mim se equivalem – porque as reações de rejeição ao que cada um disse não se equivalem?

    Dizer que Maria do Rosário não “merece” um estupro não é a mesma coisa que dizer que ela “nem justifica” um estupro, que é, segundo me parece, a conotação que os opositores do Bolsonaro estão dando ao que ele disse e que está sendo endossado pelos seus (do Bolsonaro) críticos “aliados”. Ao passo que chamar alguém de “estuprador” é inequívoco e claro. Portanto, por que ter ataques histéricos (das esquerdas, naturalmente) com relação ao que o Capitão Bolsonaro disse a tal ponto que só aparecem as críticas esquerdistas ao Bolsonaro e nem sequer uma única charge ou meme da direita atacando Maria do Rosário do que ela o acusou?

    Se a guerra está sendo assimétrica é porque nós permitimos. No Congresso as esquerdas até podem berrar mais alto, mas na Internet nós temos tanto território quanto a MAV petista.

    • Depois que li a outra matéria postada aqui sobre as entrevista do Bolsonaro, me arrependi de ter escrito o que escrevi aqui. ia pedir para não publicar porque constatei que ele disse exatamente o que eu disse que ele não disse.

      Pelo menos posso rever o que escrevi no sentido de não ser tão grave o que ele falou em função do que ele declarou ter sido as reais intenções dele. Ele precisa entender que não está mais na caserna.

  14. Tática manjada essa, faça mais barulho com um novo escandâlo para abafar o teu próprio… não gosto do Bolsonaro, mas triste ver que nenhuma porra de uma mídia sequer está citando que a Maria do Corsário o acusou de estuprador. E me deixa mais puto ainda ver que o próprio Bolsonaro está de braços cruzados com isso. Grande perdedor de oportunidades esse aí… é capaz de sonhar com os números reais da Mega Sena e não apostar.

    ACORDA, BOLSONARO! PROCESSA A CORSÁRIO LOGO.

  15. Luciano,
    Seria de boa leitura um comentário seu sobre a postura dos comandantes militares referente ao relatório da CNV, porque a meu ver a postura dos comandantes está dissonante com os militares subordinados.

  16. A Joice e os críticos do parlamentar erram ao pinçar uma parte do discurso, tirando-a do contexto e enfatizando a sua interpretação negativa. O fato concreto é que o Bolsonaro, na introdução da sua fala e para caracterizar o comportamento injurioso da Maria do Ossário em relação ao regime ‘militar’, _relembrou uma discussão passada. De resto, todo esse estardalhaço é parte do jogo de interesses dos adversários do deputado, candidato declarado à presidência em 2018. Vejamos.

    – Do lado dos vermébiles: evitar crítica ao relatório da CPI da Petrobras; desviar o foco do Petrolão e da denúncia do MP das empreiteiras envolvidas, abafar a cassação do corruPTo petista e o crime de lesa pátria cometido na reunião da Unasul.
    – Do lado da Maria do Ossário: tirar o foco da ligação do seu nome com o Petrolão e, claro, capitalizar com a vitimização (apoiada por blogueiros de aluguel que pensam em comprar um Porsche).
    – Do lado da Veja: desconstruir a imagem de candidato presidencial da direita (menos liberal) do Bolsonaro. Os jornalistas da esquerda light (e alguns da ‘direita’) de VEJA são escancaradamente tucanos e sabem que em 2018 eles precisarão do voto dos direitistas. Para isso é fundamental (1) manter a esperança no processo político (daí a crítica aberta ou moderada ao radicalismo das manifestações anti-PT), (2) fazer do psdb o partido aglutinador da oposição e (3) minar as candidaturas com viés _popular_ no campo antipetista.
    – Do lado do Bolsonaro: creio que ele não teve segundas intenções ao lembrar do episódio, mas é uma boa oportunidade para obter vantagem, por exemplo: retomando a discussão do seu projeto de penalização de estupradores, mobilizando seus apoiadores nas redes sociais, comparecendo a entrevistas, etc.

    PS: desde o início das manifestações, aumentaram os comentários tucanos aqui no Ceticismo, o que é ótimo para a troca de idéias.

  17. Ontem estava conversando com uma ex-namorada que é, digamos, um pouco esquerdista, “um pouco” porque não entra tão a fundo quanto os mais histéricos, e caiu no assunto Bolsonaro x Rosário. Ela nem o metralhou muito, só disse algo do tipo “ele é sem noção das coisas que fala”.
    Respondi “Ele é mesmo mal preparado. E no caso aí da Rosário ele errou duplamente: pela frase esquisita que falou pra ela, MAS ANTES DISSO, por não ter processado ela quando ela disse que ele é estuprador! Burro! Ela faz uma acusação dessas e ele, ao invés de dizer ‘agora você terá de provar isso que falou, pois vou te processar’, não, ele deixa passar e ainda solta uma frase grosseira daquelas. Manja nada”
    E ela concordou.
    E nem sabia que a Rosário tinha feito essa falsa acusação. Tá aí a importância de, ao invés de apenas defenderem a frase estranha do Bolsonaro, lembrarem o que a Louca do Corsário disse antes.

  18. Luciano, o problema é que, ao dizer que ele não a estriparia, porque “ela não merecia” (ele quis aludir que ela é uma varanda ou tão sem graça que não lhe traz libido) ele implicitamente assumiu que consideraria estuprar outras mulheres, aquelas que ele considerasse merecedoras. Aí é xeque-mate!

    Como você mesmo diz, há que tomar cuidado com essa turma. Eles provocam contando que, na réplica, vai usar o ataque contra o oponente. Ele deveria ter processado ela quando foi chamado de estuprador e pronto.

    Essa resposta vai colocar um monte de gente contra ele, por mais que relativismos. Ele é pintado pela esquerda como um troglodita e, dessa vez, vestiu a carapuça.

    É louvável o trabalho de tentar salvá-lo. Ele é uma peça importante na oposição. Mas ele deu mole.

  19. …………………………………………………………………………………………………….
    Enquanto isso……………………………………., na Republica da Banânia, as
    torneiras da PETROBRÁS continuam jorrando.

  20. Gente, já viram a chamada da BAND para a entrevista com Mujica. “Ele doa 90% de seu salário”. Definitivamente, a emissora quer fazer o povo de imbecil.

  21. Admiro muito a linha editorial da Veja, gosto inclusive da TVeja mas nesta caso talvez eles queiram colocar o Bolsonaro como “Boi de Piranha”, possivelmente com o intuito de amenizar a opinião da esquerda em relação a revista, como quisesse sinalizar: – “Ei, somos contra o PT mas repudiamos a extrema direita.”
    Não que eu pessoalmente ache que Bolsonaro é extrema direita, mas é o que a esquerda acha, e talvez a Veja queira fazer uma média.

Deixe uma resposta