Petista Renata Mielli entrega um ponto fraco dos truques de censura de mídia usados pelos zumbis bolivarianos

17
113

zumbis

Qualquer um que não seja ignorante ou cínico sabe que os truques para tentar oficializar a censura de mídia do PT se baseiam em esconder tudo que há por trás de suas propostas ditatoriais.

Assim, quando eles dizem “democratização de mídia” na verdade estão falando em “censura de mídia”. Como alguns já perceberam esse truque, agora eles lançam o ardil pedindo “regulação econômica de mídia”. Assim, seus zumbis podem fazer textos e discursos dizendo “olha, não é regulação de conteúdo, é regulação econômica”. Em síntese, mais um embuste para esconder outros embustes.

É, meus amigos, o mapeamento das fraudes intelectuais dessa gente deve ser levada ao nível do esporte, senão o sangue frio vai para o espaço.  Mas estou aqui, sempre na defesa do uso do sangue frio para limpar o terreno.

Em relação ao truque de “regulação econômica não é regulação de conteúdo”, é importantíssimo observar o que Renata Mielli, do blog petista Janela sobre a Palavra, diz:

Para tentar contornar esse discurso, alguém teve uma ideia brilhante: vamos acrescentar um adjetivo para qualificar o tipo de regulação que está se propondo e, assim, tentar afastar o fantasma da censura. Surgiu, então, a proposta da regulação econômica dos meios de comunicação. Bravo.

Sem dúvida que os aspectos econômicos talvez estejam entre os mais relevantes a serem enfrentados no campo da comunicação: combate ao monopólio privado definindo regras explicitas para a presença das empresas na prestação dos vários serviços de comunicação, o que implica limitar o número de concessões por grupo econômico; impedir a propriedade cruzada, para que um mesmo grupo não domine toda a comunicação num mesmo local; dividir a ocupação do espectro entre os setores público, privado e estatal; discutir a distribuição de recursos públicos para a promoção da diversidade, etc, etc.

Se for isso, todo apoio à regulação econômica! Mas é preciso ter bastante claro que a saída adjetivada não vai minimizar o enfrentamento que precisará ser travado para que esta discussão ocorra. A mídia vai taxar a regulação econômica de censura de qualquer jeito, mesmo que ela não trate, diretamente, dos conteúdos veiculados pelos meios de comunicação […]

Façamos a regulação econômica dos meios de comunicação, mas não podemos jamais sermos envolvidos pelo discurso de que regular conteúdo é obstruir a liberdade de expressão. Esse discurso alimenta ações como a que a Abert move contra a vinculação horária da classificação indicativa – mecanismo fundamental de proteção da infância –, ou as iniciativas para impedir a aprovação do direito de resposta, ações contra políticas de regulação positiva de conteúdo como a definição de espaço para a veiculação de produção nacional, independente e regional. Todos instrumentos que promovem diversidade e pluralidade, permitindo que mais falem e que assim possam ser ouvidos e vistos.

Tudo que ela confessa aqui é o seguinte: eles sabem que o discurso de “regulação econômica de meios” é um truque para enganar os incautos, e já temem que as vítimas do truque o desmascarem.

Já entenderam que se nós demonstrarmos que regulação econômica de meios é censura de conteúdo, isso vai atingi-los, certo?

Então reveja como refutar a rotina Regular economicamente não é controle de conteúdo.

Anúncios

17 COMMENTS

    • Espero que esteja, pena que não podemos ver as reações deles no momento inicial… adoro ver esquerdopata perdendo a linha e se comportando como quem merece camisa de força.

  1. Sou historiador e deixo aqui minhas mais profunda admiração pelo seu profundo poder de análise. De fato estou abismado com o poder de interpretar a guerra politica só vista talvez do próprio david horowitz. Gostaria saber um pouco do autor profissão e formacao e autores que o inspiraram .,fica o pedido

  2. Confissão mais explicita, está na frase “mesmo que ela não trate, diretamente, dos conteúdos veiculados pelos meios de comunicação”. Aí ela deixa claro que a intenção é interferir indiretamente no conteúdo.

  3. Não sei se você tem notado, mas a extrema esquerda está usando um novo tipo de rotina.Já que muitas pessoas resolveram se manifestar contra repórteres bajuladores do governo, a desculpinha que eles usam é essa:

    1)Pegam um grupo mais exaltado.
    2)Dizem que a reação desse grupo (contra jornalistas bajularoes do governo) é o resultado de anos de noticiário anti-pt;

    Um exemplo é essa noticia envolvendo o trotskista Guga Noblat:

    http://televisao.uol.com.br/colunas/flavio-ricco/2014/12/08/guga-noblat-do-cqc-passa-sufoco-em-gravacao-e-recebe-ameacas.htm

    A matéria é um lixo, mas preste atenção em um dos comentários:

    “É Guga, pergunte ao seu pai quem criou e alimenta esse ódio! Foi a imprensa que vc´s trabalham. E agora quem segura os cães de aluguel? A imprensa deveria informar e não nutrir ódio contra os políticos. De dia criminalizam a politica, a noite dormem com eles como se fossem meretrizes… e na verdade são isso mesmo! Vamos ver até onde vai esse FASCISMO criado pela própria imprensa! As contas de Dilma foram aprovas… fizeram o maior estardalhaço… já as do Alckmin foram rejeitadas… aí saí uma notinha de rodapé! VIVA O FASCISMO!!!!”

    Vejam o nível de babaquice desse sujeito.

    Se Guga Noblat sofre represária de extremistas, isso se deve a imprensa.E, como todo “bom” petralha (a figura tem aquela baboseira de Dilma escrita no avatar), mete fascismo e coloca um assunto que não faz parte da história (contas de campanha).
    Curioso ele omitir que as contas de Dilma foram aprovadas com RESALVAS e que as contas do petista Pimentel também foram desaprovadas.

    http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2014/12/tre-mg-desaprova-contas-de-fernando-pimentel.html

    Voltando ao assunto, chega a ser cômico um petralha falar que a imprensa deveria informar e não nutrir ódio.Ora, basta visitar lixos como Brasil 171 e/ou conversa fiada para ver que ali não há nenhum tipo de informação mas muita campanha de ódio, e o pior, usando dinheiro público.

    PS:Sobre eu chamar o Guga de trotskista, não digo isso por paranóia ou coisa do tipo, mas sim pelo fato dele já ter usado o nickname Trotski em um portal de mma:

    “Pra quem não sabe, a maioria acho q sabe, sou o Guga Noblat. Aos que ficam feito uma arara num monologo repetindo asneiras sobre mim, essa eh a hora de falar na minha cara pra q eu possa rebater. Vi q alguém ai disse q desrespeito atletas, desafio vc e qualquer outro a trazer um texto meu q seja desrespeitoso. Desafio tb a trazer QUALQUER noticia minha q não tenha se confirmado.

    Uso ainda Trotsky aqui pq abri essa conta antes de 2008 q foi qnd comecei a escrever sobre MMA no Terra.”

    http://forum.portaldovt.com.br/forum/index.php?showtopic=170453&st=0

    Ele não deveria ficar revoltadinho por ser chamado de comunista (apesar de eu achar que bolivariano seja melhor para ele).

  4. O legal é que aqui ela praticamente assume que haverá regulação de conteúdo: “mas não podemos jamais sermos envolvidos pelo discurso de que regular conteúdo é obstruir a liberdade de expressão”.

    Fica bem claro: o conteúdo será regulado, mas isso não irá contra a liberdade de expressão.
    Um primor de duplipensar.

Deixe uma resposta