Manifesto contra a cara de pau da esquerda caviar

23
129

rosana

Qualquer pessoa em sã consciência e que não esteja enriquecendo com o socialismo (sempre às custas do dinheiro alheio) sabe que tudo nunca passou de um grande embuste para dar poder a pessoas mais espertas. Ainda assim, eles tentam nos enganar com os mesmos truques de sempre.

Esse é o caso do texto Manifesto sobre a esquerda caviar, escrito por Rosana Pinheiro-Machado, para a Carta Capital. A peça é tão bizarra como foram as desculpas esfarrapadas da tropa de Edir Macedo depois da histórica filmagem deles rindo diante do dinheiro de seus fiéis.

Antes, temos que reconhecer os fatos: é claro que o termo “esquerda caviar”, popularizado depois do livro de Rodrigo Constantino, os irritou muito. Eles finalmente foram expostos ao público como o que realmente são. Hipócritas, nos casos dos que enriquecem a partir do discurso esquerdista, e tontos, no caso dos que não levam nada com isso. Como sempre, o mundo é dos espertos.

Depois de um ataque tão fulminante, é natural que fossem surgir racionalizações para dizer que “não há nada de errado em termos morais com a esquerda caviar”. Mas nós sabemos que depois dos petistas dizendo que o Petrolão “prova a inocência do PT diante de maquiavélicas empreiteiras” o julgamento moral dessa gente deve ser entendido pelo inverso.

O principal ardil dessa senhora é o reforço da fraude. É assim que funciona: imagine que alguém seja pego com um cartão clonado de outra pessoa. Diante da polícia, o fraudador pode arrumar uma desculpinha para a sua fraude. Ou tentar fugir. Ou pode, com um tanto de teatro, dizer: “este é o cartão legítimo, o daquela dona que está me denunciando é o fraudado”. Quer dizer, mesmo sendo pego fraudando a figurinha ainda tenta fazer os outros engolirem a fraude. Isto é o que se chama de reforço de fraude. Algo com que os auditores de fraudes se divertem muito. Comigo, um ex-auditor, isso não poderia ser diferente.

Portanto, quando Rosana diz que o socialismo quer “reivindicar a abundância, a distribuição de renda e o direito ao prazer”, para justificar a existência da esquerda caviar, ela nada mais faz do que reforçar a fraude. Enquanto já está mais claro que o socialismo foi feito para dar poder aos donos do estado e criar uma legião de miseráveis (ou seja, alcançar o cúmulo da desigualdade) ela nos diz que “não, não é não, é feito para dar abundância, distribuição de renda e o direito ao prazer”. Sim, exatamente como na Coréia do Norte, na Venezuela e em Cuba. Deve ser um prazer inenarrável por lá. Para os pouquíssimos espertos, claro.

Segundo Rosana, “a pobreza é uma invenção do capitalismo”. Para ela, antes do surgimento do livre mercado todo muito vivia na abundância. Era uma maravilha. Bem, só se for nos livros de história de Rosana, tão falsos quanto o cenário do filme “Adeus, Lênin” (clique aqui para assistir), no qual os filhos de uma senhora fingem para ela que o Muro de Berlim ainda não caiu. Tudo para que ela não tenha um colapso, pois a mãe realmente acreditava de verdade nessa bobagem marxista.

Havia uma frase no filme do Batman: “Não é o que você é por dentro que lhe define e sim o que você faz”. Eu a mudaria para explicar o socialismo: “Não é o que você declara desejar que te define e sim o que você faz”. O único recurso de Rosana é dizer que o socialismo questionava “o monopólio do deleite”. Não, isso é o que ela diz que o socialismo questiona. O socialismo sempre questionou o seguinte: “Como faço para encher os bolsos de dinheiro estatal assim que tomar o poder e ficar um bom tempo por lá de forma totalitária?”. O resto é encenação que coloca os socialistas funcionais na mesma posição patética da mãe do filme “Adeus, Lênin”, onde há uma falsa realidade fabricada para enganar quem não é capaz de suportar a realidade.

Rosana ainda tenta o recurso canalha de sempre usado por qualquer doutrinador marxista, afirmando que há países pobres por causa de “espoliação violenta – física e psicologicamente – de continentes inteiros, de povos nativos que desconheciam a miséria e que se mantinham por meio de regimes autossustentáveis e autorregulados.” Na ótica dela, eram países tão ricos e autossustentáveis que foram facilmente colonizados. Rosana realmente despreza a inteligência de seus leitores.

Como todo socialista atual, Rosana apela a Thomas Piketty. Ela só não conta aos seus leitores que a desigualdade aumentou não no capitalismo, mas em sociedades cada vez mais estatizadas.

Não podemos deixar de esquecer momentos hilariantes, onde ela diz que não há qualquer problema moral com a “esquerda caviar”, pois o princípio da luta de classes é o “de que é preciso encontrar um equilíbrio entre os poucos que têm muito e os muitos que têm pouco.”

Calma, calma, muita calma nesta hora.

Se existe esse tal princípio (sabemos que não existe, mas consideremos que exista a título de argumentação, por caridade natalina) então onde ela valida a ideia de que é justo alguns socialistas ganharem dinheiro sem fazer nada, a partir do estado, enquanto a maioria de seus funcionais não leva uma moedinha com isso? Ora, a “esquerda caviar” é exatamente amparada em ter muito, sem fazer nada (quase sempre a partir de mamatas estatais), a partir do fingimento de que se luta “por distribuição”. Aliás, onde que Lei Rouanet é distribuição de renda para pobres? Em que hospício disseram para ela que enriquecimento a partir de ONG’s mantidas pelo estado é distribuição de renda para os pobres? Esse tipo de cinismo adotado por Rosana é macabro.

Mas o que ela quer? Que ninguém se preocupe com esses aproveitadores do dinheiro público alheio. Por isso, todo esse manifesto é para pedir que ninguém mais se preocupe “com a marca do computador de Leonardo Sakamoto ou com o restaurante que Gregório Duvivier frequenta”. Segundo ela, essa preocupação é mesquinharia. Ou seja, a partir do momento em que alguém declara ser socialista está moralmente liberado para não ser mais questionado sobre enriquecimento a partir de verba estatal, e nem por suas contradições entre o que finge acreditar e a forma como realmente se comporta. Ela é ou não é uma figurinha carimbada?

Um texto tão doentio só poderia terminar com a seguinte pérola: “Grandeza e ousadia epistêmicas são qualidades necessárias para enfrentar o monstro gigante que detém uma centena de trilhões de dólares.”

Só que esse monstro se chama estado inchado, e em países como China, Coréia do Norte e Venezuela já consegue devastar sua população. E poucos amigos do rei ganham dinheiro estatal ali, especialmente a partir do uso de truques socialistas. E para ganhar dinheiro nesse estado é preciso ser um socialista esperto, diante de uma legião de socialistas iludidos.

Mas é só investigarmos o currículo de Rosana para descobrirmos a agenda:

Sou cientista social e antropóloga. Tenho uma vida dividida entre o Brasil e a Inglaterra. Na Inglaterra, leciono no Departamento de Desenvolvimento Internacional da Universidade de Oxford. Mantenho atuação diversa profissional, acadêmica e ativista no Brasil. Discuto o Brasil, a China, os BRICS e os desafios dos países emergentes e em desenvolvimento em geral.

Para gente assim, socialismo é negócio. O esmagamento de seres humanos, levados intencionalmente à miséria, é uma forma de muitos deles receberem verba estatal. Os próprios países que ela “discute” dão um exemplo do interesse dessa gente.

Mas, enfim, se essa é a defesa para a “esquerda caviar”, me desculpe Rosana, melhor sorte na próxima tentativa. Ajudar a criar miséria e fingir que “quer prosperidade para todos” é um truque que não engana mais ninguém.

E mesmo desmascarada, ela deveria ver as coisas pelo lado positivo. Sendo esquerdista caviar, ela é apenas hipócrita, mas muito esperta. Ao contrário da legião de coitados que comemoram quando um líder deles enriquece com dinheiro público, mesmo que esse líder não lhes dê nada em troca. Aí já seria doença mental.

Anúncios

23 COMMENTS

  1. A estupidez “é ativa em todas as direções e pode vestir-se com todas as roupas da verdade. A verdade por outro lado, tem para todas as ocasiões apenas um vestido e um caminho, e está sempre em desvantagem.”
    Eric Voegelin, “Hitler e os alemães”, p. 137- 138.

    • Quando eles compram um produto ou serviço do perverso capitalismo opressor e tirano, acumulador de riqueza e gerador de pobreza, não estariam contribuindo para que a tal tese de “85 famílias mais ricas do mundo continuem detendo o mesmo que 3,5 bilhões de pessoas”? Como diria Ralph Wando Emerson: “O que você faz fala tão alto que não posso escutar o que você diz”.

  2. Para combater o esquerdismo temos que seguir as orientações de Winston Churchill e do seu discurso feito durante o inicio das hostilidades contra a Alemanha Nazista:

    “Combateremos na França,
    combatemos nos mares e oceanos,
    combateremos com crescente confiança e força no ar, defenderemos nossa Ilha, qualquer que seja o custo,
    combateremos nas praias,
    combateremos nas pistas de pouso,
    combateremos nos campos e nas ruas,
    combateremos nas colinas;
    nunca nos renderemos, e se, o que eu não acredito em momento algum, esta Ilha ou uma grande parte dela for subjulgada e posta à míngua, então nosso Império de além mar, armado e guardado pela Frota Britânica, continuaria nossa luta, até que, no bom tempo de Deus, o Novo Mundo, com toda sua força e poder, se apresentasse para o salvamento e resgate do velho”.

  3. Com tanta sujeira e incompetência que transborda sobre o Brasil desde que esta quadrilha de alta peculosidade chegou ao poder, só gente muito inescrupulosa, imoral, insana, teria coragem de defende-los.
    É estarrecedor a irracionalidade, ignorância, cegueira, estupidez de pessoas que não conseguem distinguir honestidade, justiça, do mau caratismo explícito, desconectado de quaisquer princípios de valores.
    IMPEACHMENT JÁ! FORA DILMA, CASSAÇÃO AO PT!

  4. Recomendo a dignissima senhora que:

    Obtenha a tão almeja da abundância implantando próteses de silicone na sua dignissima buzanfa;

    Obtenha a tão desejada distribuição de renda, dividindo os seus bens com os pobres, como eu;

    Obtenha o tão esperado “direito ao prazer” num sex shop (!);

    Quem sabe se canalizarem em desta forma as manias coletivas esquerdopatas, não deixem em paz o patrimônio nacional, como a Petrobras.

    A PETROBRAS NÃO MERECE SER ESTUPRADA!

    O CIDADÃO DE BEM NÃO MERECE VER SEU BOLSO ESTUPRADO PARA ALIMENTAR O TESÃO E O “DIREITO” À ROUBALHEIRA DA ESQUERDA CAVIAR!

    • Eu trabalho perto da Sede da Petrobras. De vez em quando passo em frente, e tenho vontade de colar um banner bem grande com os dizeres “Eu não mereço ser espoliada”.

  5. A esquerda caviar fede. A pessoa dizer-se socialista já é motivo para perder completamente a moral e ser deixada de lado. É aquela bobagem da “utopia concreta”: toda a experiência socialista foi um fracasso, o socialismo é irrealizável, vai contra a natureza humana e já se mostrou epistemologicamente falho; mesmo assim os idiotas insistem nesse erro. São burocratas, criam dificuldades para vender facilidades. Assim é o socialismo.

    Não é preciso ser um franciscano para ser socialista, sim um canalha, e o discurso usurpado que eles arrogam em “defesa dos pobres” – cheios de inveja contra quem enriquece e ajunta dinheiro, contra os que dão duro no trabalho e têm a capacidade de ascender graças aos seus talentos -, é criminoso. Não há nada de heróico em ser um hobinhoodiano, que nesse caso, é o estado desviando de quem produz riqueza e enchendo o próprio bolso e socializando a miséria.

    A esquerda caviar deveria ser mais desprendida. De maneira que todo esquerdista se revolta contra a realidade, relutando em reconhecê-la, o que mostra a sua doença, com essa antropóloga, que escreveu um texto ginasiano, não deve ser diferente; ela deve ser daqueles que acreditam em menino lobo, i.e., tal como a ideologia de gênero, que visa destruir os padrões sociais e a família, os lobos, nesse caso, são opressores pois impuseram a um menino um padrão selvagem. É crer em construtos sociais e em tábula rasa.

    Só um idiota acredita nessa estorinha do menino lobo, que é ensinada nas escolas. O socialismo sim é um construto social, que cria uma sociedade planejada e o novo homem. Em todas as revoluções socialistas que houve, as pessoas de talento – intelectuais, cientistas, artistas, assim como religiosos – eram sumariamente fuziladas para que então se criasse essa nova sociedade, esse novo homem demovido de travas morais.

    Alexis de Tocqueville escreveu: “Quero imaginar sob que novos traços o despotismo poderia produzir-se no mundo… Depois de ter colhido em suas mãos poderosas cada indivíduo e de moldá-los a seu gosto, o soberano estende seus braços sobre toda a sociedade… Não quebra as vontades, mas as amolece, submete e dirige… Raramente força a agir, mas opõe-se sem cessar a que se aja; não destrói, impede que se nasça; não tiraniza, incomoda, oprime, extingue, abestalha e reduz enfim cada nação a não ser mais que um rebanho de animais tímidos, do qual o governo é o pastor. (…)”

    É o que Fidel Castro fez em Cuba, expulsando todas as empresas estrangeiras, afastando o investimento e deixando todos na miséria – e o pior de tudo, conformados. Eu já vi num desses documentários latino-americanos (incentivados com verbas estatais) sobre Cuba, onde as pessoas são covardemente resignatárias: os antigos profissionais formados, químicos, empresários, etc., se contentam com o fabrico de charutos. É mediocrizante!

    O Brasil está cheio desses especialistas em nada, intelectuais orgânicos gramscianos que dão carteiradas acadêmicas nos outros. Eles tentam justificar o injustificável. Se vermos as mansões dos grandes líderes comunistas, ornadas a ouro, são de dar inveja a qualquer Lorde inglês. Essa esquerda caviar fede. Cristina Kirchner aumentou seu patrimônio em 687%. Chávez, Lula, Dilma et caterva idem. Fidel Castro tem ilha particular (bem, Cuba é toda do Fidel). A intelectualidade esquerdista acabou. Abaixo a esquerda caviar! Hipócritas!

    • Os atuais situacionistas (esquerdistas em geral, que são linhas auxiliares do Petismo) são amigos do rei e os maiores inimigos do povo. A esquerda caviar fede!

    • O que é a natureza humana?


      RESP
      Um conjunto de características, que, embora sejam parcialmente lapidadas com a cultura, em boa parte dos casos permanece imutável. Exemplo: é possível convencer uma população a fazer (x) por anos, mas não dá para eliminar o instinto gregário do ser humano.

      • Pura ideologia. A natureza (seja ela qual for, inclusive esta tal “natureza humana”, que não passa de uma falácia discursiva) é sempre uma invenção da cultura humana.

        Dizer que o “socialismo” (seja lá o que isto signifique) é contrário à suposta “natureza humana” é, além de intelectualmente desonesto, um equívoco conceitual tremendo: se não há natureza humana, não há como qualquer coisa ser contrária a ela.

        O capitalismo é uma invenção da humanidade que não tem mais do que alguns séculos. Não há nada de natural nele: pelo contrário, só gera opressão, miséria e infelicidade para muitos e conforto para alguns. Isto definitivamente não é natural.

        O que me parece desumano é achar, ao contrário, que a exploração capitalista seja “condizente” com a tal da natureza humana.

        RESP

        É o contrário. A cultura humana é uma adaptação a partir das necessidades biológicas da espécie humana. A diferença é que culturas estabelecidas temporariamente podem afetar necessidades biológicas imediatas, e contê-las, mas apenas até certa medida.
        O socialismo, por exemplo, ao propor uma centralização de poder, e promessa posterior de sociedade sem classes, ignorou aspectos existentes na espécie humana: (1) 2% da população composta de psicopatas, e que serão os primeiros a aproveitar-se desse excessivo poder, (2) o territorialismo e o gregarismo inerente à espécie humana, (3) a diferença de expectativas e potenciais de seres humanos, além das vulnerabilidades mentais de muitas pessoas, ou seja, sempre existirá um cenário onde espertos reinarão sobre os trouxas. Isso só para citar alguns exemplos.
        Não há nenhuma alegação especial nessa constatação, mas a observação do óbvio, conforme entendemos o que a ciência nos diz.
        Tanto capitalismo como socialismo são invenções da humanidade, mas o primeiro nos protege mais da natureza humana. O segundo, ao contrário, nos lança aos riscos inerentes dessa natureza. Por isso, os sistema socialistas sempre serão os mais bárbaros.

  6. O argumento do “eu não fiz voto de pobreza” dá para ser resumido num reductio ad absurdum, você exige coerência entre o discurso em face da pratica. E o contra-aguentador falaciosamente transforma essa exigência em um espantalho fácil de escapar. É como um militante de direito dos animais comendo carne de vaca usando a desculpa de que não virou hinduísta. Ou pacifistas praticando violência com a desculpa de que não são Dalai Lama.

  7. Ao meu ver, o ponto principal do texto pode ser desmascarado de jeito bem mais fácil. Vejamos se concordam comigo:

    O caviar é utilizado como imagem por ser um produto da elite, caro a ponto de poucos poderem consumi-lo. A “esquerda caviar” se refere a uma esquerda que faz parte dessa elite, enquanto denuncia o “monstro da desigualdade”, mesmo estando razoavelmente alto na pirâmide social. O que a mulher faz no texto é cometer uma falácia ao utilizar a premissa errada para basear seu texto (a que diz que “esquerda caviar” denuncia a ausência de um voto de pobreza dos socialistas), invalidando todo o “manifesto”.

  8. Por falar em Gregório Duvivier, hoje ele foi no programa do Danilo e disse, na maior cara-de-pau, que não sabe o motivo de o chamarem de nova esquerda (que nunca disse ser de esquerda).Pois bem, vejamos:

    1)Ele apoiou Luciana Genro na última eleição presidencial.
    2)Como a linha auxiliar não conseguiu ir para o segundo turno, ele apoiou a Dilma (inclusive com aquela história -que tá mais para estória- de que foi “quase” agredido).
    3)Fez aquele patético ato de solidariedade para o Freixo (caso dos Black Blocs), além de ter apoiado o mesmo na campanha do RJ.

    http://lucianagenro.com.br/2014/08/gregorio-duvivier-do-porta-dos-fundos-declara-apoio-a-luciana-genro/

    https://pt-br.facebook.com/MarceloFreixoPsol/posts/804394002934191

    Além disso fez uma piada com o Foro de São Paulo.Bom, eu nunca vi o tal do Portas dos Fundos, mas se o humor for igual aquele apresentado por Duvivier no programa, então eu não estou perdendo nada.

    Ainda por cima disse que apoia bandeiras humanas, como aborto e maconha.Opa, pera lá!A pessoa pode até ser a favor do aborto e da legalização da maconha (eu também sou), mas chamá-las de “humanas” aí já é picaretagem.

    E para terminar falou que o Porta dos Fundos vai fazer um filme “épico mediveal de humor” (provavelmente usando dinheiro público).Quanta originalidade:

    https://www.youtube.com/watch?v=RDM75-oXGmQ

    Bom, pelo menos já é uma avanço, para uma turma que já plagiou o desenho Gumball:

    http://teleguiado.portalvox.com/series/2014/07/porta-dos-fundos-retira-do-ar-video-que-apontava-o-plagio-de-suspeito.html

  9. Com tamanho arcabouço cultural fico imaginando o que diabos essa criatura tem a ensinar na Inglaterra, aqui, ou em qualquer lugar! E eu que pago o salário desta pessoa para que ela possa usufruir do bom e do melhor que só o capitalismo pode oferecer, e sem sentir um pingo de culpa por isso!

  10. a pobreza é invenção do capitalismo, por isso é que a Coreia do Sul vive na miseria enquanto na Coreia do Norte está em abundancia.
    Eu sugiro a essa senhora o mesmo que Romario sugeriu a Pele, que coloque um sapato na boca para parar de falar besteira.

  11. Pelo visto o termo “esquerda caviar” não desceu nem um pouco para a galerinha de matiz gramscista, o que é ótimo para quem não é marxista-humanista-neoateísta. Aliás, sequer é preciso fazer muito esforço para combater os caras, pois os próprios atos deles acabam contando contra si próprios, como daquela constrangedora vez em que o Sakamoto resolveu posar na rede, para quem quisesse ver, com uma camisa usando o termo e dizendo que os MHNs deveriam assumi-lo tal qual a torcida palmeirense assumiu o porco:

    http://www.facebook.com/leonardo.sakamoto/photos/a.350497828312114.99939.335237883171442/918559838172574/?type=1&permPage=1

    À época o Rodrigo Constantino notou que havia algo estranho em tal foto, como se pode ver aqui:

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=870519859634323&set=a.253205511365764.63916.100000289514686&type=1&fref=nf

    Quem observar a postagem original verá que até os MHNs odiaram a foto do blogueiro em questão. Tal imagem também gerou diversos memes:

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=707825832641956&set=p.707825832641956&type=1

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=1488815244700064&set=p.1488815244700064&type=1

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=720377648042279&set=p.720377648042279&type=1

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=288895877972075&set=p.288895877972075&type=1

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=596721123772585&set=p.596721123772585&type=1

  12. A autora está completamente enganada. Esquerda caviar se refere às pessoas de esquerda que pregam o fim da pobreza, mas de fato não fazem nada a respeito disso, ao contrário, apenas buscam mais dinheiro ou poder para si. A frase “a pobreza é uma invenção do capitalismo” não faz sentido algum. Pobreza existe desde a antiguidade e capitalismo não é um ente dotado de razão, portanto capitalismo não cria nada, capitalismo é economia de mercado. O que mercado gera é riqueza! Engana-se a autora a achar que o mercado se beneficia da pobreza. O mercado precisa de consumidores, ou seja, gente com dinheiro. Você prefere abrir uma loja no Sudão ou na Austrália? Se a população toda for bem de vida, aumenta a demanda, aumenta o lucro. Engana-se também se achar que é preciso ter o pobre para fornecer mão de obra barata ou escrava. O Estado garante por lei que o indivíduo não seja explorado. Aí empresas vão para países em que a mão de obra é barata e até escrava, concordo. Mas não foi a empresa que criou isso, foi o Estado omisso que permitiu! Porque se não fosse permitido esses abusos o mercado seguiria em frente da mesma forma, sem abusos. Depois a autora fala que o bem-estar dos países ricos foi construído pela exploração das colônias. Sim, isso na fase do Imperialismo, a qual não existe mais, foi superado e agora estamos na fase da economia de mercado. Mas muitos esquerdistas ainda acham que países ricos são ricos às custas dos países pobres, o que é um engano. Pobreza é gerada por falta de especialização e conhecimento de grupos de indivíduos, que por esta razão estão FORA do mercado (fora do capitalismo). Uma vez que esse indivíduos entram para o mercado, passam a ganhar dinheiro sobre a demanda por seus produtos, deixam de ser pobres. A riqueza não é feita tirando dinheiro de quem não tem! Quem é rico, os poucos milionários, conseguem muito dinheiro pois há muita demanda por seus produtos e apenas quem tem dinheiro contribui para isso. O rico não apropria dinheiro, aliás, coisa que nenhum esquerdista sabe, todo lucro é PRIVADO. A única forma de se apropriar do lucro é quando o governo apropria do dinheiro por meio de impostos e taxas. O lucro milionário de poucos também não fica parado numa piscina feito a casa do Tio Patinhas. O lucro gira na economia e também gera mais imposto. O correto seria o governo pegar o imposto e gerar o bem-estar social. Suíça, que é capitalista e tem uma das economias mais livres, quer adotar bolsa família de R$6.000. Que pena que a esquerda brasileira ainda fica presa à mentalidade econômica de esquerda do século XIX.

Deixe uma resposta