O crime moral do Mino Carta. E a BLOSTA continua sem perceber sua monstruosidade moral.

9
156

minocarta

Imagine a seguinte situação onde um sujeito narra um fato para ele inaceitável. Ocorre que ele mantém preso em sua casa um garotinho de 9 anos, acorrentado, passando fome, sob trabalhos forçados e ainda sofrendo abuso sexual. O sujeito então diz: “Ocorreu algo moralmente bizarro esses dias, quando esse garoto deu uma paulada em minha cabeça. Podemos aceitar essa imoralidade?”.

Se o cérebro do intelorcutor editar a informação, não perceberá a monstruosidade por trás de todo sofrimento do garoto, vítima de abuso sexual, escravidão e diversas barbáries. Pela edição da informação, é possível até alguém aceitar a ideia de que a grande imoralidade é a reação do garoto, não tudo que ele vinha sofrendo.

Vemos uma situação grotesca deste naipe no chororô depravado de Mino Carta, reclamando por causa da revelação de informações constrangedoras sobre o favorecimento do governo à mídia que o apoie.

Vamos começar:

Folha de S.Paulo está de parabéns: na sua edição de quarta 17 provou que o governo federal tem acentuadíssima vocação para mulher de apache, a gigolette que gosta de apanhar do gigolô. Ou se trataria de uma forma aguda da síndrome de Estocolmo? De todo modo, a reportagem desdobrada a partir da manchete da primeira página demonstra, com precisão de teorema pitagórico, que o governo cumula de favores aqueles que o denigrem ferozmente dia após dia.

Aqui já começa a distorção moral dessa coisa chamada Mino Carta. O governo não tem que escolher em quem anunciar. O princípio deve ser isonômco. Se uma publicação fala mal do governo, há aquelas que o ajudam. E isonicamente a verba deve continuar a ser distribuída. A questão deve ser encerrada aí.

Qualquer (veja bem: qualquer) item da lista abaixo, se aplicado, constitui no mínimo imoralidade, e, na maior parte das vezes, um crime:

  • Prejudicar uma publicação, na distribuição de verbas, apenas por que essa publicação não o apoia, ou está contra o governo
  • Colocar o posicionamento da publicação como um critério para merecimento ou não de verbas
  • Transformar em um “favor” o cumprimento de leis que não o encaixem nos crimes citados em (a) e (b)

Observe que para aceitar isso é preciso de uma ética básica, que possa ser discutida sob qualquer âmbito racional. Nada mais, nada menos.

Enquanto isso, o que Mino Carta faz? Exatamente o oposto. Veja:

  • Diz que uma organização de mídia deve ser prejudicada por ser contra o governo
  • Define o posicionamento da publicação como critério para merecimento ou não de verbas
  • Diz que o governo não deve fazer o “favor” de cumprir leis ou mesmo princípios éticos que demandam isonomia

É por isso que eu digo: se desmascararmos a encenação de gente como Mino Carta, eles não tem discurso. Ele simplesmente defende simplesmente abominações morais e a prática do uso do estado para favorecimento do partido no poder, e dos aliados deste partido.

O trabalho em questão, de página inteira no interior da edição, informa que entre os anos 2000 e 2013 as Organizações Globo ganharam 5,2 bilhões em publicidade das estatais e a Editora Abril mais de 500 milhões. A Folha faz questão de dividir a mídia nativa em dois campos. De um lado, a maioria das empresas, reunidas neste canto sem maiores esclarecimentos. Do outro, as “empresas alinhadas ao governo”, encabeçadas pela Editora Confiança, que publica CartaCapitalCarta na Escola e Carta Fundamental. E nós não passamos de 44,3 milhões.

Você ainda não está surpreso com o nível da cara de pau dessas figuras? Eles foram pegos recebendo verbas desproporcionais do governo (ou seja, seus cliques e visitantes valem 900% a mais do que aqueles dos órgãos não aliados ao governo) e, para esconder essa baixaria, mudam desonestamente o foco da discussão para o montante total, que não está sob discussão.

Vou explicar de forma tão clara que até um chimpanzé adestrado consegue entender:

  • Imagine que mídia (x) tenha 100.000 visitantes, e receba 1 milhão
  • Imagine que mídia (y) tenha 1.000 visitantes e receba 100.000 reais
  • Isso mostra que (x) recebe R$ 10,00 por visitante, mas (y) recebe R$ 100,00 por visitante
  • O problema de superfaturamento por visitante está em (y), não em (x)
  • Os valores absolutos não significam nada quando estamos estudando a desproporcionalidade por clique/visitante
  • Sabendo disso, essa gente diz “Ah, mas (x) recebe 1 milhão, e eu, (y), apenas 100.000 reais. Eu sou o coitadinho”.

Somente falta de vergonha na cara em escala patológica justificar o uso contínuo de tal truque. Deve ficar claro que todos os blogueiros da BLOSTA se limitaram a um truque que deveria deixá-los envergonhados a ponto de não conseguirem nem mais olhar para seus próprios filhos.

Dirá o desavisado: alinhados e mal pagos. Vale aqui, antes de mais nada, uma reflexão. Que significa alinhado? No governo de Fernando Henrique, não vimos a cor de um único, escasso anúncio de estatal. E como se deu a nossa sobrevivência nos oito anos tucanos? Teria nos socorrido o ouro de Cuba ou de Moscou?

Mino, Mino… não chame seus leitores de retardados. Isso não é um desrespeito apenas com os opositores, mas principalmente com seus leitores.

Em 2002, no final do governo de Fernando, o modelo de publicação conhecido hoje como “blog” quase não era conhecido. Os blogs estatais não poderiam ter visto a cor de dinheiro estatal mesmo até por que não existiam.

Claro que se surgisse um governo tucano que cortasse verbas desses blogs apenas por apoiarem o PT isso seria errado. Mas isso não aconteceu.

E se antes as mídias menores não eram incluídas, hoje são. Mas isso não justifica a desproporção atual . E esse é exatamente o problema, que Mino é incapaz de perceber.

Ao listar os pretensos alinhados e ao não qualificar os demais, a Folha nos atribui o papel de jornalistas de partido e com isso fornece outra prova: como sempre, obedece aos seus naturais pendores e, no caso, manipula a informação e omite a qualidade dos demais, alinhados de um lado só, guiados pelo pensamento único enquanto, hipócritas inveterados, declamam sua isenção, equidistância, pluralidade. Ou seja, inventam e mentem.

Então o Sr. Mino Carta está desafiado a dizer qual publicação de baixo porte, de crítica ao governo, recebe verba estatal superfaturada. Vamos ver: Blog do Coronel? Ceticismo Político? Mídia sem Máscara? Mídia@Mais? Folha Política? Simplesmente nenhuma dessas organizações recebe um centavo do governo.

É um fato que nem mesmo as ostras são capazes de ignorar: no governo petista, somente órgãos de apoio ao governo recebem verba desproporcional.

Vale entender que na visão de CartaCapital, o problema número 1 é a herança de três séculos e meio de escravidão a manter de pé, até hoje, a casa-grande e a senzala. Eis a primeira razão do atraso do Brasil.

Ai meu saco…

No parágrafo anterior essa coisa tentou dizer que “não era alinhado”, ou era “de oposição crítica”. O discurso sempre fica por besteiras do tipo. Agora, na maior caradura, ele lança uma propaganda petista patética, que só engana zumbis: “Olha, o PT defende o pessoal da senzala, os outros defendem a Casa Grande”. Propagandinha canalha e hipócrita até dizer chega.

O Brasil vive não somente uma crise moral, mas também a da razão. Talvez prepare o caminho para outra, maior e fatal. Algo é certo: o Brasil não está maduro para o jornalismo honesto.

A maior crise moral existe no fato de um governo depravado usar o estado como se fosse seu, além de não ter vergonha de colocar seus cães latindo tentando nos convencer de que isso é aceitável.

Mas não estamos preparados mesmo. Jornalismo maduro, para este sujeitinho, deve ser aquele que Nicolas Maduro criou na Venezuela. Acho que foi um ato falho da parte dele usar o termo “maduro” em uma situação tão constrangedora para a BLOSTA. E, é claro, para uma mídia suja recebendo dinheiro desproporcional do estado para mentir e assassinar reputações de adversários, ninguém deveria estar preparado mesmo.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. Luciano, os Blostas percebem sim o que ocorre ao redor e o quanto são imorais, mas como se beneficiam depravadamente por serem corruptos (e acho que devemos começar a rotulá-los assim, como Blostas corruptos) é claro que vão se fazer de Blasé!

  2. “o Brasil não está maduro para o jornalismo honesto”! HA HA HA HA HA HA HA HA H! Qual jornalismo “honesto”? O Da Carta Capital? HA HA HA HA HA HA HA HA H!
    Governo Não tem que dar verba para manter blog nenhum! Governo não tem DINHEIRO! Eu e todos os BRASILEIROS sustentamos essa farra! E cada vez mais estamos conscientes disso!

  3. A linha de raciocínio dessa gente é basicamente a seguinte: na medida do possível, o governo do PT não deve ser criticado pelo que cometeu (mensalão, petrolão, terrorismo eleitoral, disastre econômico, etc.), mas sim pelo que não conquistou (controle de mídia, legitimação de coletivos não-eleitos, aparelhamento total da máquina estatal, etc.). Pessoas como Mino Carta não criticam o partidão com base na realidade, mas sim com base no partido ideal que existe nas cabeças deles. O peso da realidade dos fatos, isto é, dos dados tangíveis referentes ao que aconteceu e acontece no mundo físico, só é usado na hora de atacar a oposição ou defender o partidão –– e é aí que entram os “três séculos e meio de escravidão”. Os erros do passado são só mais uma peça de propaganda nas mãos dessas pessoas.

  4. Curioso o Mino Carta falar que o Brasil não está preparado para o jornalismo “honesto”.Que tal lembrar do jornalismo que ele fazia na época da ditadura:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/nunca-ninguem-elogiou-a-ditadura-com-tanto-entusiasmo-denodo-e-servilismo-como-mino-carta-e-posso-provar-o-que-digo-e-claro/

    Ainda falando em “honestidade”, vamos também lembrar daquele vídeo, onde Mino diz que Stalin era de direita:

    https://www.youtube.com/watch?v=l4-wZGkjECs

    Jornalismo “honesto” (hehehehehe).

  5. Ótimo descaramento Luciano.

    Bolivarianos apelam em lançar diversas falácias absurdas e frames apostando que ninguém terá saco o suficiente para desmascarar uma por uma.

Deixe uma resposta